Archive for the ‘Campeonato Francês’ Category

h1

Ultras do Lyon entram na onda do “Decime que se siente”

23 de agosto de 2014
Foto: Bad Gones 1987 - Officiel

Foto: Bad Gones 1987 – Officiel

Durante a Copa do Mundo de 2014, a torcida argentina chamou a atenção com um canto em que provocava o Brasil, o famoso “Brasil, decime que se siente”. A música é uma paródia do clássico Bad Moon Rising, do Creedence Clearwater Revival. De lá para cá, diversas torcidas têm adotado o canto e fazendo paródias, inclusive brasileiras, como as de Vasco da GamaAmérica Mineiro.

Confira a matéria completa

no Doentes Por Futebol

h1

A Copa que desmistifica a Ligue 1

6 de julho de 2014
Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

O legal do futebol é que ele está em todo lugar, infiltrado entre as elites e fortemente entrelaçado com os mais necessitados. É por isso, também, que esse esporte é perfeitamente imperfeito. Não importa se o goleiro do meu time é o Zé da rua de cima ou a muralha cobiçada por 20 entre 20 times milionários: eu estarei lá torcendo para que ele ganhe o jogo.

Vai ver é por isso que gosto do Campeonato Francês. Têm 0×0? Tem. Têm jogos chatos? Tem. Têm jogadores ruins? Tem. Mas como disse: o futebol é legal por isso, não precisa ser perfeito para ser bom. Entupo o blog com postagens da Ligue 1 porque gosto do campeonato e porque me animo a escrever sobre. Hoje tenho o maior orgulho de dizer que o Le Podcast du Foot, uma ideia diferente para trabalhar apenas com blocos isolados da internet, é um dos responsáveis pelo bom número de acessos que tenho.

Mais orgulho ainda me dá ver quando “cabeças” do jornalismo esportivo consultam a mim ou a colegas de podcast para sanar dúvidas do campeonato. É um reconhecimento por um trabalho que não me dá retorno algum financeiramente, mas que traz a tão procurada credibilidade.

Talvez por causa desse retorno profissional e do público também (beijo proceis que tão lendo) que eu tenha deixado de lado aquela bronca com quem desmerece o meu querido Francesão. Como diria o filósofo do boteco da praça, “gosto é que nem bunda: cada um tem a sua”, e segue o jogo.

Entretanto, algumas críticas pontuais ainda me incomodam. Uma delas é a de que o Campeonato Francês tem apenas dois times: Paris Saint-Germain e Monaco. Para o bem de todos que não querem cair nessas ladainhas, a Copa do Mundo está nos provando o contrário.

Faltando uma semana para o término da competição (FICA COPA!), vimos uma série de jogadores que atuam em terras francesas se destacando aqui no Brasil. E não falo de figurinhas tarimbadas, como James Rodríguez, Thiago Silva, Matuidi, Ibrahimovi… Não, pera! Bom, mas a linha é essa: a Copa desmistificou a Ligue 1 e mostrou que o país não é só PSG e Monaco.

Na própria Colômbia, onde muitos (desavisados) conheceram James nas últimas semanas, havia o ótimo David Ospina, do Nice. Só não o coloco como um dos melhores goleiros da competição porque há tempos não via uma Copa com arqueiros atuando em tão bom nível como essa, mas seu desempenho foi ótimo, não há dúvida alguma. A mesma seleção tinha uma dupla de volantes formada por caras conhecidas do futebol francês: Abel Aguilar, do Toulouse, e Sánchez Moreno, que ficou quase sete anos no Valenciennes antes de se transferir para o Elche, da Espanha.

Falei de um goleiro no parágrafo anterior, lembro-me de outros dois que deixaram sua marca no Brasil: Guillermo Ochoa, do México e do Ajaccio (está deixando o clube, alô pessoal!), e Vincent Enyeama, da Nigéria e considerado melhor arqueiro da Ligue 1 com a camisa do Lille na última temporada.

É verdade que Enyeama falhou feio no gol de Paul Pogba, no jogo que eliminou a seleção nigeriana da Copa, mas ele ficou muito mais marcado pelas boas intervenções do que pelos raros erros.

Foto: Reprodução

Foto: AFP

O que falar, então, de Serge Aurier e André Ayew? Ambos não passaram da primeira fase com Costa do Marfim e Gana, respectivamente, porém a participação da dupla chamou a atenção de muita gente. O que os dois fizeram não foi nada mais do que é feito semanalmente em cada rodada do Campeonato Francês (Aurier pelo Toulouse e Ayew pelo Marseille).

Aurier, aliás, deve desembarcar na Inglaterra nas próximas semanas. O nome do lateral-direito esteve ligado ao Arsenal, mas coloco meus dois pés atrás com isso graças a iminente chegada de Mathieu Debuchy ao clube londrino. Entretanto, a transferência de Divock Origi para o Liverpool é mais provável. O belga do Lille, de apenas 19 anos, foi mais um a chamar a atenção na primeira fase da Copa do Mundo, sendo importante na vitória sobre a Argélia e marcando o gol da vitória sobre a Rússia. O LOSC, que já soltou mundo afora atletas como Eden Hazard, Mathieu Debuchy e Yohan Cabaye, prepara seu canhão para soltar mais uma bola para o Planeta Bola.

Isso que nem falei dos “Ligue 1 Boys” da seleção francesa (como Mathieu Valbuena) e dos que tiveram poucos minutos (ou nenhum) na Copa (como Majeed Waris e Remy Cabella).

Para o Brasil, não sei dizer qual será o legado que essa Copa do Mundo vai deixar. Aeroportos, estradas, estádios, infraestrutura… Honestamente, não tenho nem ideia. Morando em Santa Catarina, Estado que não recebeu nem mesmo uma seleção para treinar, me mantive distante disso tudo. Apenas sei que um dos legados intelectuais (desculpem-me, não achei termo melhor) é esse: o Campeonato Francês NÃO tem só dois times.

h1

Não está “nice”

21 de abril de 2014
Foto: Alexandre Debbache (OGC Nice Médias) & Serge Haouzi (Nice-Matin) - Bautheac e Pied lamentam as chances perdidas em Mônaco

Bautheac e Pied lamentam as chances perdidas em Mônaco

Grande surpresa da última temporada do Campeonato Francês, o Nice vai encerrando esta edição da competição com chances (pequenas, é verdade) de rebaixamento. Ao perder no domingo (20) para o Monaco, em partida válida pela 34ª rodada do torneio, as Águias ficaram na 15ª colocação com 39 pontos, seis acima do Sochaux, primeiro time dentro da zona de rebaixamento. Quando a 34ª jornada da temporada anterior foi encerrada, o Nice tinha 57 pontos, era o 6º colocado e estava somente três atrás do Lyon, sonhando com a impensável vaga na Liga dos Campeões (que se traduziu apenas em vaga na Liga Europa).

Muitos se questionam os motivos que levaram a esta queda de rendimento, principalmente porque a base do time foi mantida, assim como o experiente técnico Claude Puel. Analisando todas as nuances da temporada do Nice, levantei alguns pontos que podemos justificar como primordiais para esse notório declínio do time. Vamos a eles:

Lesões

A razão mais notada foi a série de lesões que assolou o time. Puel só conseguiu repetir a escalação uma vez durante todo campeonato (1-0 Guingamp e 0-1 Toulouse, 8ª e 9ª rodada). O treinador ainda foi obrigado a utilizar 27 jogadores durante a temporada.

Puel também se viu obrigado a aproveitar muitos atletas da base. Por mais que o Nice tenha uma reconhecida excelência na formação de jogadores, o número utilizado foi elevado e ocasionado pelas lesões. Foram 12 jogadores de 23 anos ou menos que atuaram nesta temporada pelas Águias, incluindo Mouez Hassen, 19 anos, Mohamed Said Benrahma, 18, Albert Rafetraniaina e Franck Honorat, ambos com 17.

O mais novo a entrar em campo foi um dos filhos do técnico: Paulin Puel, de apenas 16 anos. Isso foi na partida diante do Monaco. O detalhe é que Claude Puel já tinha o filho Gregoire (também jovem, de 22 anos) em campo, encerrando a partida, então, com as duas crias no time.

Devo ressaltar, também, que alguns dos sub-23 do elenco principal já são presenças constantes nos jogos, como são os casos de ‘Timo’ Kolodziejczak, 22 anos, e do meteoro Neal Maupay, 17.

Além da juventude do time, a dupla de zaga, que era um dos pontos fortes na última temporada, foi desmantelada. O argentino Renato Civelli se transferiu para o Bursaspor (Turquia) e Nemanja Pejcinovic não conseguiu manter o ritmo anterior. Em 2013/14, o sérvio fez apenas 14 jogos e participou de apenas uma partida em 2014, estando no estaleiro há mais de dois meses.

Para tentar tapar estes buracos, Puel fez diversas improvisações, como utilizar o lateral-esquerdo Kolodziejczak e o meio-campista Didier Digard na zaga. O remendo que mais está durando é a presença do também meio-campista Mathieu Bodmer entre os zagueiros. Aos 31 anos, o atleta é “macaco velho” no futebol francês e já desempenhou inúmeras funções pelos clubes que defendeu. Atuar no miolo de zaga foi apenas mais uma das posições que cumpriu com eficiência.

Pior ataque

Foto: Alexandre Debbache (OGC Nice Médias) & Serge Haouzi (Nice-Matin) - Cvitanich não marca há três meses

O argentino Dario Cvitanich não marca há três meses

Se a defesa sofreu por falta de peças, o ataque é ineficaz em função da queda de rendimento do principal atleta da posição. Hoje, o Nice tem o pior ataque do Campeonato Francês com apenas 29 gols marcados, média inferior a um por jogo. Neste mesmo estágio da temporada passada, as Águias haviam balançado as redes 51 vezes e tinham o 6º melhor ataque da competição ao lado do Montpellier (o Nice terminou com 57 tentos, o 5º mais positivo).

Parte dessa fraqueza ofensiva passa pela fraca temporada do atacante Dario Cvitanich. Depois de anotar 19 gols e ser o vice-artilheiro da temporada passada do Campeonato Francês, o argentino foi às redes somente oito vezes em 2013/14. Para piorar, o atleta de 29 anos fez somente um gol em 2014 e não marca há três meses (nove jogos).

E se na temporada passada Cvitanich teve como maior seca apenas três partidas, nesta o argentino já ficou sem marcar por sete jogos e, atualmente, nove. O nervosismo pela falta de gols do argentino é refletido no número de cartões. Já são oito cartões amarelos, dois há mais que toda temporada passada.

Troca de casa

Querendo ou não, o fato do Nice ter trocado de estádio nesta temporada fez diferença. O acanhado Stade du Ray, com capacidade para 18.696 pessoas, era um diferencial do time devido à pressão que a torcida exercia em cima dos adversários. O pequenino estádio deu espaço a moderna Allianz Riviera, palco da próxima Eurocopa, e capaz de receber mais de 35 mil pessoas.

A média de público subiu significativamente, é verdade. Em 2012/13, a média era de 10.246 (terceira pior) e na anterior de 9.207 (segunda pior). Nesta já é de 24.160 pessoas, sétima melhor média do campeonato.

O que pesa de forma contrária, entretanto, não é a presença de público, mas sim os resultados. Na 34ª rodada da temporada passada, o Nice havia vencido 11 dos 18 jogos realizados no Stade du Ray, tendo a segunda melhor campanha como mandante. Na atual temporada venceu nove de 17 e ainda tem o dobro de derrotas (seis contra três).

Péssimo visitante

Porém, se campanha na Allianz Riviera poderia lhe credenciar a um posto no meio da tabela, a atuação longe dela é lamentável. O Nice tem a terceira pior campanha como visitante, tendo perdido 11 jogos e vencido apenas dois de 17.

O mais impressionante ainda é o ataque. Lembra que falei que tinha o pior ataque com 29 gols? Pois é, oito desses 29 gols foram como visitante. OITO! É disparado o pior ataque entre os times que jogam fora de casa.

Na temporada passada, o Nice somou 26 pontos longe de casa, 20 até a atual rodada.

Tabela difícil

Na matemática, o Nice precisa somar sete pontos dos 12 que disputará para evitar o rebaixamento, mas, pela tabela, essa fuga deverá vir antes. O Sochaux, que é o primeiro time dentro da zona de rebaixamento, pega o Paris Saint-Germain no próximo dia 27. Uma (provável) derrota já diminui a nota de corte para 39, fazendo com que o Nice precise somar quatro pontos.

A tabela do Nice, apesar da mínima chance de queda, inspira cuidados. No próximo dia 26 recebe o Stade de Reims, equipe que classifico como uma das mais perigosas quando joga fora de casa. Tem a 8ª melhor campanha como visitante e assim já atrapalhou as vidas de Lyon, Marseille e Lille.

Logo em seguida, as Águias fazem dois confrontos diretos longe da Allianz Riviera. Pegam o Sochaux no dia 4 de maio e o Evian, em partida sem data confirmada. A participação será encerrada em casa diante do Lyon.

A chance de rebaixamento, volto a dizer, é minúscula, mas o Nice precisará curar alguns traumas, principalmente o de jogar fora de casa. Apesar de ser muito mais forte que os adversários diretos, não pode se acomodar na vantagem técnica, muito menos se apegar na tabela mais difícil dos rivais. A fórmula é simples: jogar futebol!

Crédito das imagens: Alexandre Debbache (OGC Nice Médias) & Serge Haouzi (Nice-Matin)

*————————————————————————–*

Peço perdão pela demora em atualizar o blog. Tenho estado muito ocupado com o trabalho e a faculdade e nem sempre tenho aquela meia-hora marota pra começar a digitar alguma coisa. Sempre que possível tentarei trazer alguma coisa, isso eu garanto.

h1

Le Podcast du Foot #50

11 de fevereiro de 2014
Foto: PSG - Não foi desta vez que Ibrahimovic marcou

Foto: PSG – Não foi desta vez que Ibrahimovic marcou

O Campeonato Francês segue aberto. No duelo mais aguardado da temporada, Paris Saint-Germain e Monaco ficaram no empate por 1-1 e a distância entre os times permanece em cinco pontos, com os parisienses no topo da tabela.

>> Confira a classificação do Campeonato Francês;

Como não poderia deixar de ser, o confronto entre os líderes do campeonato foi o principal destaque de Le Podcast du Foot desta semana, que chegou a 50ª edição. Assim como nas semanas anteriores, a dupla Eduardo Madeira e Flávio Botelho foi responsável pelo andamento do programa, com as análises e opiniões a respeito do clássico.

O podcast também não deixou passar em branco as apresentações de Marseille, Lille e Lyon, que também foram marcantes na rodada.

Quer ouvir? É só clicar no player abaixo!

Ouça também no MixCloud

h1

Le Podcast du Foot #49

3 de fevereiro de 2014
Foto: PSG.fr - Lucas deu passes pra dois gols, inclusive um de Zlatan

Foto: PSG.fr – Lucas deu passes pra dois gols, inclusive um de Zlatan

O Paris Saint-Germain voltou a disparar na frente do Campeonato Francês. Ao vencer o Bordeaux, com boa atuação de Lucas, o clube da capital abriu cinco pontos para o Monaco, que tropeçou diante do Lorient na Bretanha.

>> Confira a classificação do Campeonato Francês;

Além disso, na próxima rodada, os dois líderes se pegam e ambos já poderão contar com novos reforços, como Yohan Cabaye e Dimitar Berbatov.

Para debater estes e outros assuntos da rodada da Ligue 1, Eduardo Madeira e Flávio Botelho se reuniram em mais uma edição de Le Podcast du Foot, a 49ª edição. Para ouvir, é só clicar em um dos links abaixo:

CLIQUE AQUI E OUÇA NO MIXCLOUD

CLIQUE AQUI E OUÇA NO UOL MAIS

h1

Le Podcast du Foot #48

27 de janeiro de 2014
Foto: Reuters - Com nove gols, Rivière está voando na Ligue 1

Foto: Reuters – Com nove gols, Rivière está voando na Ligue 1

O Campeonato Francês esquentou! Com o tropeço do Paris Saint-Germain e a vitória do Monaco, a diferença entre os dois times caiu para três pontos. E aproveitando o clima quente da competição, Le Podcast du Foot aproveitou para trazer um formato diferente pro programa desta semana, com um debate mais intenso.

>> Confira a classificação da Ligue 1;

Para aplicar esta nova formatação, uma dupla tocou o programa, ao invés do tradicional trio. Eduardo Madeira e Flávio Botelho dividiram os papeis de comentaristas e apresentadores da edição #48 do podcast.

Entre os destaques do programa estão temas como a provável vinda de Yohan Cabaye ao PSG, os substitutos de Falcao García, a escassez de gols do Lille e a crise interna que afeta o Olympique de Marseille.

Confira todas as análises nos links abaixo:

OUÇA NO MIXCLOUD

OUÇA NO UOL MAIS

h1

Sem Falcao, Monaco tem aproveitamento melhor do que com ele em campo

26 de janeiro de 2014
Foto: L'Equipe - Falcao deverá perder o restante da temporada

Foto: L’Equipe – Falcao deverá perder o restante da temporada

Com Falcao García lesionado e, provavelmente, fora da temporada e também da Copa do Mundo, o Monaco precisará aprender a jogar sem o atacante colombiano… Ou será que já aprendeu?

Entre o final de novembro e início de dezembro, El Tigre se lesionou e desfalcou o time do Principado em quatro jogos. Porém, a ausência não foi sentida e o Monaco venceu as quatro partidas sem nem sofrer gols. Contra o Marseille, neste último dia 26, o ASM iniciou a longa jornada sem Falcao e começou em grande estilo, com mais um triunfo.

Com esses cinco jogos, mais uma partida da Copa da Liga em que não participou, constata-se que os monegascos chegaram a impressionantes 83,3% de aproveitamento, com média de 1,66 gols marcados por jogo. Tendo o colombiano em campo, o Monaco tem 68,4% de aproveitamento e média de 1,68 gols por jogo.

Em dados gerais, foram seis partidas sem Falcao, com cinco vitórias e uma derrota, além de 10 gols marcados e somente um sofrido. Com o atacante entre os jogadores utilizados, foram 19 jogos, 11 vitórias, seis empates e duas derrotas, com 32 gols marcados (11 de Falcao) e 16 sofridos.

Até mesmo nos últimos seis jogos com Falcao o desempenho não iguala as seis partidas sem ele. Foram quatro vitórias, um empate e uma derrota, com 11 gols marcados (apenas dois do colombiano) e cinco sofridos, dando 72,2% de aproveitamento.

Ligue 1

Se formos trazer estes dados apenas para o Campeonato Francês, chegaremos à outra surpreendente conclusão: o Monaco tem 100% de aproveitamento sem Falcao. Foram cinco jogos, cinco vitórias, 10 gols marcados e nenhum sofrido.

E nas últimas cinco aparições do colombiano na Ligue 1, mais queda. Foram dois triunfos, dois empates e um revés, totalizando 53,3% de aproveitamento. O que faz com esses dados contrastem com os das últimas seis partidas gerais é que ele disputou duas partidas da Copa da França, ambas com times de divisões inferiores.

Dá conta?

Foto: Reprodução - Rivière fez a maioria de seus gols sem Falcao em campo

Foto: Reprodução – Rivière fez a maioria de seus gols sem Falcao em campo

Curiosamente, o contestado Emmanuel Rivière, autor de 11 gols na temporada, fez a maioria de seus gols sem Falcao em campo. Contra Nice, Ajaccio e Marseille, ele balançou as redes uma vez cada, sendo que o colombiano estava lesionado em todas as ocasiões. Contra o Marseille, no 1º turno, Rivière substituiu o Tigre aos 28 minutos da etapa final e deu o tento da vitória monegasca cinco minutos depois. Contra o Monts, na Copa da França, houve a mesma alteração (motivada pela atual lesão do colombiano) e o camisa 29 marcou duas vezes.

Em números gerais, seis dos 11 gols de Rivière foram sem Falcao García em campo.

Mas será que ele dá conta? Vale ressaltar que esta é a temporada mais prolífera em gols para ele. Anteriormente, a temporada com maior número de gols foi a temporada 2009/10, quando fez 10 gols, na época vestindo a camisa do Saint-Étienne.

A diferença de pontos pro PSG no Campeonato Francês já caiu para três pontos, e 15 destes pontos foram somados sem a presença de Falcao García entre os relacionados. Será o colombiano tão primordial assim para a campanha monegasca? Eu acredito que isto seja só uma fase (sombria de Falcao e iluminada de Rivière), mas só o futuro nos trará a resposta.

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.517 outros seguidores