Erros na cara

Van Gaal? És tu?

Sou um fã da Bundesliga. Toda a rodada assisto a dois, três jogos da competição. Acompanho a maioria dos times, inclusive o Bayern de Munich.

Para a maioria, que vê “por cima”, acha que o Bayern tem um time fantástico. Tenho de concordar que com Ribéry, Robben, Müller, Schweinsteiger, Gomez, Lahm – e por aí vai – dá para montar um baita de um time, mas não é bem por aí que a coisa anda. Desde a temporada passada, o time bávaro tinha problemas na zaga, mas havia algo importante: Os inseguros Van Buyten e Demichelis eram entrosados, jogavam juntos há anos. Só que nessa atual temporada, o argentino brigou com Van Gaal e se foi pro Málaga, enquanto Van Buyten se contundiu algumas vezes, prejudicando muito seu rendimento. Hoje, o zagueiro belga tem 15 partidas pelo Bayern, na temporada passada ele fez 31.

Com isso, Van Gaal teve de remontar sua defesa, só que fez de um jeito errado. Testou muitos jogadores e muitas duplas em um momento difícil, onde o Bayern tinha vários jogos complicados. Passaram por lá Breno, Tymoshchuk, Badstuber e até o volante Luíz Gustavo – além de, é claro, Van Buyten -, isso em um curto período de tempo.

Nos últimos dez jogos o Bayern teve as seguintes duplas de zaga:

Van Buyten e Breno (Internazionale [volta])
Van Buyten e Luíz Gustavo (Hamburgo)
Tymoshchuk e Breno (Hannover, Schalke)
Tymoshchuk e Badstuber (Borussia Dortmund, Internazionale [ida], Mainz, Hoffenheim, Colônia, Werder Bremen)

Pelos números, a dupla de zaga formada por Tymoshchuk e Badstuber foi a que mais atuações teve, 6, mas foram oito gols que o Bayern sofreu. O ucraniano até já jogou como zagueiro na sua época de futebol ucraniano, mas desde os tempos de Zenit é volante, já o alemão, ele é um garoto ainda, tem muito a evoluir, mas tem sentido a pressão e recebido muitas críticas, por isso acho até melhor aproveitá-lo na lateral esquerda.

Agora a pergunta que não quer calar: Pra que a insistência em mudar tanto a defesa? Pro jogo de volta contra a Internazionale, pela Uefa Champions League, o ideal seria que Tymoshchuk e Badstuber jogassem, pois mesmo sendo contestados, ambos tem lá seu entrosamento. Mas não, Van Gaal acreditou que no papo e treinamento, conseguiria fazer com que Van Buyten e Breno jogassem, se entrosassem e triunfassem.

Eto'o tirando o zero do placar (AP)

O que se viu no jogo de hoje diante da Inter foi um projeto mal elaborado de dupla de zaga. No primeiro gol sofrido, logo no início do jogo, Eto’o – um pouco impedido – estava entre os dois zagueiros para receber a bola e marcar. E a maior falha foi certamente no 3º gol. Após longo lançamento, Breno estava na frente de Eto’o, se perdeu no quique da bola, deixou o camaronês ganhar facilmente e servir Pandev para fazer o gol que classificou a Inter. Esse erro do brasileiro prejudicou todo o posicionamento da defesa, pois um teve que cobrir o outro, o outro teve que cobrir o um e Pranjic, que teria de estar onde estava Pandev na hora da finalização, não estava lá, pois teve de cobrir Breno na grande área.

Aliás, desde a expulsão diante do Hannover, a saída de Breno do Bayern tem sido especulada e à partir de hoje então…

Ele não poderá reclamar. Chegou como grande promessa pro futuro e até agora nada jogou. Se machuca com frequencia e quando entra não corresponde. Ele deixou seu futebol aqui no Brasil.

Em todos os jogos que vi do Bayern, sabia dos problemas defensivos da equipe, mas sempre achei que uma boa dupla de volantes resolveria o assunto. Van Bommel e Schweinsteiger era uma boa dupla de volantes, mas o volante holandês saiu e Van Gaal mexeu um monte na proteção à zaga. Luíz Gustavo, Pranjic, Ottl e Kroos já foram parceiros de Schweini. Aliás, não entendo porque o técnico holandês coloca Luíz Gustavo de lateral-esquerda e Pranjic de volante na Bundesliga e na Champions League inverte. A opção ‘europeia’ é a melhor, mas esse troca-troca é que não dá para entender.

Eu sou daqueles que dificilmente culpa um técnico por momentos ruins de uma equipe, mas o caso do Bayern é diferente. O que Van Gaal fez de bom pros bávaros? Achou Müller, encaixou Ribéry e Robben no mesmo time, enquadrou Van Bommel, fez Mário Gómez voltar aos bons tempos de Stuttgart, foi campeão da Bundesliga e da DFB Pokal, além de um vice-campeonato europeu. Tá bom, é muita coisa, mas as coisas ruins, mesmo não sendo tantas, são mais fortes. Logo em sua chegada, mandou Lúcio embora. Faz falta ou não? Brigou com uma porrada de jogadores, inclusive com Van Bommel – capitão da equipe e esse foi um dos motivos de sua saída -, Ribéry e Robben e o maior de todos: foi teimoso ao montar sua defesa. Em meio a competições importantes e em um time onde a pressão é muito forte, não se pode ficar testando tanto e testando jogadores que não são da posição – Luíz Gustavo, volante jogou na zaga, assim como Tymoshchuk, além de Badstuber, que se sai melhor como lateral. O “se” não existe, mas me arrisco a dizer que “se” a dupla de zaga do Bayern fosse Demichelis e Van Buyten, o Bayern venceria, ou até se Van Bommel estivesse jogando ao lado de Schweinsteiger isso aconteceria! O torcedor bávaro dá graças a Deus por Van Gaal ir embora!

Trágico (AFP)

Sobre o jogo, o Bayern foi impecável na etapa inicial. Mesmo saindo atrás, virou a partida, com Gómez e Müller, aliás, no gol do Supermário, Júlio César falhou de novo, ao tentar encaixar um chute de longe de Robben e se atrapalhar todo, deixando o artilheiro em boas condições para marcar. A dupla Robbéry estava dando show. Robben, que se destacou no sábado por não ficar preso na direita – além dos três gols marcados -, se deslocou bastante no jogo de hoje, confundindo a zaga adversária. Ribéry dava um toque de classe ao meio campo bávaro. Só que o time perdeu a chance de matar o jogo. A Inter, que havia começado o jogo tentando administrar a posse de bola, havia sentido a virada. Mas na etapa final, o Bayern entrou com uma postura muito defensiva, sem atitude e com Robben novamente preso, enquanto o time italiano ocupava mais o campo de ataque. Van Gaal mexeu mal ao tirar Robben e colocar Altintop. Eu até colocaria o turco, mas tiraria Müller, por exemplo, para reforçar a marcação – daria para centralizar Ribéry, deslocar Robben pra esquerda e deixar Altintop na direita. A saída do holandês acabou com o poder de fogo do Bayern. É difícil imaginar Ribéry correndo o campo inteiro armando um contra-ataque. Ele até arranca, mas curtas distâncias. A Inter não chegava a criar tanto, mas na bobeira geral da zaga bávara, fez dois gols e virou a partida para 3×2, se classificando.

Em outras palavras, os erros defensivos que foram vistos hoje na Alianz Arena pelo lado alemão não são raras, isso acontece quase toda rodada da Bundesliga.

O Bayern poderia ter vencido com tranquilidade, por isso digo: O Bayern perdeu a vaga e não a Inter que ganhou!

REAÇÕES

É um resultado histórico, tendo em conta o quão difícil foi o jogo e como o nosso adversário era forte, mas já tínhamos feito algo semelhante no campeonato, recuperando de desvantagem e marcando nos minutos derradeiros. É um sinal de que estes jogadores acreditam na equipe, nunca desistem. O campeão europeu continua de pé.

Leonardo, técnico da Internazionale

Acreditamos na vitória até o final e conseguimos! Estamos nas quartas-de-final! Estamos felizes demais por Pandev, pelo seu gol e agora é continuar a recuperar o Milito. Essa equipe tem coração

Cambiasso, meio-campista da Internazionale

Podíamos ter decidido as coisas mais cedo. Em vez disso, a Inter segue em frente e ainda pode defender o título. Mesmo que tenha criado poucas ocasiões de gol, aproveitou as que teve. Existe sempre essa possibilidade no futebol.

Louis Van Gaal, técnico do Bayern

Teve uma hora em que nós devíamos ter feito 4 a 1 a nosso favor. Não aproveitamos nossas chances e isso é algo que nos pune no futebol, especialmente contra um time como a Inter. Depois nós fomos muito passivos, não tivemos agressividade o suficiente e ninguém quis assumir a responsabilidade. Nosso jogo é manter a posse de bola, mas se isso quer dizer recuar para o goleiro é inútil

Mário Gómez, atacante do Bayern

Chicharito decidiu pros Red Devils (Reuters)

No outro jogo do dia, deu a lógica. O Manchester United passou pelo Olympique de Marseille. Tá certo, eu apostei no time francês, mas depois do escândalo envolvendo o Brandão, fiquei meio em dúvida se os atuais campeões franceses perderiam o foco ou não. Não vi o jogo pra saber como foi, só olhando os melhores momentos, vi que o Marseille teve chances claras de gol, mas acabou sofrendo dois gols de Chicharito e sendo eliminado com a derrota por 2×1 – Brown, contra, fez o gol francês.

REAÇÕES

O nosso problema neste jogo foi sempre a bola aérea, pois os franceses foram perigosos nas jogadas de bola parada. A parceria entre o Wayne Rooney e o Javier Hernández está a evoluir. Para o Wayne, tem sido importante o local onde tem jogado nos últimos jogos. Ele tem muita força e o Hernández faz excelentes movimentações em direção ao gol, para dentro e para fora.

Alex Ferguson, técnico do Manchester United

O que nos falta é o hábito de jogar a este nível. Eles não puderam contar com alguns jogadores, mas praticaram um futebol de alta qualidade. Não nos arrependemos de nada. Estivemos tímidos nos primeiros 20, 25 minutos, talvez devido à responsabilidade e o ambiente. A minha equipe tem jogadores jovens que sentiram dificuldades em Old Trafford.

Didier Deschamps, técnico do Olympique de Marseille

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s