Batalha II: A camisa 7 decidindo…de novo

"Raúl Madrid"

Um dos grandes símbolos do Real Madrid é Raúl González. O atual atacante o Schalke se tornou popular nos Merengues após usar durante vários anos a camisa 7. E durante algum tempo, Raúl foi algoz do Barcelona no Superclásico, marcando gols decisivos.

Raúl já se foi e hoje a camisa 7 é usada por um português, um tal de Cristiano Ronaldo!

Ainda há quem diga que ele é pipoqueiro, injustiça tremenda. Ronaldo cansou de decidir jogos em sua época de Manchester United e tem feito a sua parte com a camisa do Real Madrid. Hoje foi só a prova de que o termo “pipoqueiro” junto com seu nome não combinam.

Cristiano Ronaldo falhou como um centro avante (EFE)

Cristiano Ronaldo jogou durante boa parte da partida como centro-avante. José Mourinho – taxado por alguns como retranqueiro, mas disso eu falo depois – preferiu sacar Karim Benzema do time e colocar Mesut Özil, deixando o time sem um centro-avante fixo. Ronaldo fez uma espécie de centro-avante, ou como virou moda falar, virou um “falso nove”. Jogando assim, ele se esforçou. Se movimentou, buscou jogo, mas em vários lances se atrapalhava nos movimentos.

Com a entrada de Adebayor na metade do segundo tempo, Cristiano Ronaldo passou a jogar pelos flancos e foi melhor aproveitado. O português passou a ajudar muito nos contra-ataques e criou algumas chances de gol.

Na prorrogação, quando alguns jogadores davam sinal de cansaço, o português estava com um fôlego daqueles! Dava piques em que saia muito atrás do marcador e chegava bem a frente. Até que um flash-back de um jogo importante veio em sua memória.

Na final da Liga dos Campeões da temporada 2007/08, Ronaldo jogava pelo Manchester United e após levantamento de Wes Brown, o português subiu sozinho e testou pro fundo das redes, fazendo o gol dos Red Devils na final que acabara em 1×1, mas com vitória de seu time nas penalidades. Veja o gol:

Agora, perceba no jogo de hoje contra o Barcelona: Após levantamento de Dí María, Cristiano Ronaldo sobe livre e cabeceia pro fundo das redes:

Não são lances iguais, mas pela representatividade do jogo, pode-se dizer que são parecidos.

E de novo a mística da camisa 7 decidindo à favor do Real Madrid. Já não bastava o Raúl fazer tantos gols com a camisa madridista vestindo a sete, surge um novo jogador que já tem vários gols com essa mesma camisa e esse mesmo número, mas que só agora veio a mostrar seu verdadeiro valor. Foi muita grana investida e Florentino Pérez espera de Cristiano Ronaldo exatamente isso, que além de marcar gols, que ele possa decidir e trazer títulos para o Real.

Sobre o jogo…

Messi esteve bem marcado (AFP)

Boa partida. O primeiro tempo foi nervoso. O Barcelona foi de certa forma surpreendido, só que do mesmo modo em que foi surpreendido no sábado. Khedira, Xabi Alonso e Pepe pegavam Messi, Xavi e Iniesta e assim, o time catalão não conseguia rodar bem a bola e nem trabalhar o jogo como costuma fazer. Enquanto o Real Madrid marcava forte no campo adversário e não se intimidava e saia pro jogo, mas tinha dificuldades de criar jogadas.

Pepe, que inexplicávelmente apareceu durante uma dezena de vezes na área do Barcelona – como um legítimo centro-avante -, criou a grande oportunidade da etapa inicial, mandando a bola na trave, quando ele apareceu na grande área para cabecear. Se um balanço da primeira etapa fosse feito, poderia ser dito que o Real Madrid foi melhor, já que marcou forte, travou o jogo adversário e foi mais perigoso no ataque.

Mas na etapa final o jogo mudou de vez. A marcação ficou mais frouxa e o Real Madrid recuou. Messi passou a voltar mais para armar as jogadas e a dupla Xavi-Iniesta passou a trabalhar mais no jogo, porém, sem tanta eficiência. O Barcelona mandou durante a segunda etapa inteira. Criou muitas chances, se aproveitou do buraco no lado direito de defesa do Real e Messi jogou muito. Mas nada de gol…legal, porque tivemos um irregular de Pedro, tento bem anulado. Jogo para a prorrogação.

Cristiano Ronaldo e o gol do título (AFP)

A partida estava naquele marasmo tradicional de início de prorrogação, até que veio o gol de Cristiano Ronaldo. O Barcelona sentiu demais o gol. A equipe ficou presa contra a parede e não sabia exatamente o que fazer. Situação adversa no placar não é algo típico da vida do Barça. Não teve jeito, o Real Madrid venceu a segunda batalha e vai com muita moral para os jogos da Champions League, além, de é claro, ser campeão da Copa do Rei.

Não é nada, não é nada, mas o time que os derrotou por 5×0 no primeiro turno da Liga BBVA, não o venceu em dois jogos em menos de uma semana. Nas duas partidas, um empate e uma vitória. São dois resultados que podemos dizer que favorecerem ao Real Madrid. A vitória, é claro, pois valeu um título, mas o empate também, pois foi lá que os Merengues descobriram como parar o Barcelona.

Pep Guardiola terá de descobrir algo para surpreender Mourinho, já que o português aprendeu um modo de parar o Barcelona.

Sobre Mourinho…

Retranqueiro? Me poupe... (AP)

E o glorioso André Rizek – acreditem, ele não sabe o que significa o termo “hat-trick” -, apresentador do programa “Redação Sportv” soltou uma das frases mais esdrúxulas que já ouvi sobre futebol vinda de um jornalista: “José Mourinho é um Celso Roth de terno“.

Rizek entra na seleta lista de jornalistas e torcedores que devem ter visto apenas os duelos “Mourinho versus Barcelona”. Primeiramente: o time que se expor contra o Barça vai levar um sacode, até porque com muitos jogadores de frente e poucos defensores, vai ter uma marcação ruim, pois é difícil tirar a bola do Barcelona. Segundo: a Inter de Mourinho jogou retrancada no Camp Nou na temporada passada, não só pelas circunstâncias da partida, que todos conhecem e eu não preciso ficar explicando, mas porque na ida, no Giuseppe Meazza, a Inter venceu por 3×1 e tinha vantagem na volta.

Nos dois jogos contra o Barcelona nessa atual temporada, o Real Madrid não entrou com nenhuma retranca. Força defensiva é diferente de retranca. Aliás, no jogo de hoje, os Merengues saíram mais pro jogo que o Arsenal – na volta das oitavas-de-final da Champions League – por exemplo. O time inglês é taxado de “ofensivo, joga bonito, e blá, blá, blá”, mas não finalizou nenhuma vez na então partida.

Nas épocas anteriores de Mourinho no Porto, no Chelsea e na Inter, o português sempre treinou times ofensivos. Os Dragões campeões europeus jogavam com três atacantes e com volantes que se mandavam pro ataque. Nos Blues bi-campeões ingleses, o time também tinha três atacantes. Sem falar que na Inter, quando era preciso, Mourinho tirava um zagueiro para enfiar um centro-avante no time.

Enfim, chamá-lo de retranqueiro é coisa de quem quer aparecer – caso do Rizek, que não tem o que falar e embarca nessa histórinha – ou coisa de quem viu só dois ou três jogos de determinado time, jogador, treinador, etc..

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s