h1

A Bundesliga vem aí!

4 de agosto de 2011

Que coisa boa!

Os campeonatos europeus vão voltando! E já começa na sexta-feira: Borussia Dortmund e Hamburgo abrem no Signal Iduna Park, a Bundesliga da temporada 2011/2012.

Diferentemente das edições anteriores, o Campeonato Alemão desta temporada terá um ingrediente mais saboroso que nas outras. Após muita luta, os times alemães conseguiram “roubar” uma vaga para a Liga dos Campeões que pertencia a Itália. Ou seja, anteriormente, campeão e vice da Bundesliga iam para a fase de grupos da UCL, enquanto o 3º colocado disputaria uma fase prévia. Na atual temporada, os três primeiros colocados disputarão a Champions 12/13, enquanto o quarto colocado disputará uma fase prévia.

Foi uma vaga conquistada com justiça, graças aos belos resultados conquistados pelas equipes alemãs nas competições Uefa. Admito, que mesmo sendo fã incondicional da Bundesliga, acho que o campeonato não precisava dessa quarta vaga. O torneio estava muito bom do jeito que estava, mas veremos como será essa temporada com mais uma vaga em disputa.

Deixando essa vaga de lado, vamos falar do campeonato…

A minha lista de favoritos ao título tem apenas três equipes: Borussia Dortmund, Bayern de Munich e Bayer Leverkusen, justamente os três primeiros colocados da última edição do torneio.

A Salva de Prata foi para Dortmund

O BVB vem com o rótulo de atual campeão, mas isso não significa que não sejam precisos ajustes. Se os aurinegros não tivessem aberto larga vantagem no início da Bundesliga passada, fatalmente perderiam o título. Jurgen Klopp não tinha um vasto elenco em suas mãos. Perdeu Kagawa no segundo turno, tendo que conviver com Lewandowski, que deixa muito a desejar. Jogadores como Kehl, Zidan e Owomoyela, que seriam bons reservas, constantemente estavam contundidos e acabaram não contribuindo muito. Nesta temporada, com a lesão de Bender, Kehl começa ganhando espaço.

Mas o grande problema do Borussia está no ataque. Lucas Barrios pode fazer muitos gols, mas perde muitos também. O time todo em si perde muitos gols, mas sobrecarrega um pouco no centro-avante. Muitos dos tropeços da última temporada foram ocasionados em jogos que o BVB perdia um transatlântico de gols. Pior para Klopp é que Barrios se contundiu na final da Copa América e está fora por 5 semanas. Lewandowski que se vire…

Mesmo não tendo feito barulho, o Borussia Dortmund se mexeu bem. O garoto Chris Löwe veio do Chemnitzer, que acaba de subir para a 3ª divisão alemã. Pelo nome e descrição, contratação de gosto bem duvidoso, mas quem acompanhou a pré-temporada do BVB, viu que Löwe é um achado do Dortmund. Duro na marcação, veloz no ataque e nada medroso na hora de finalizar. Schmelzer, que jogou todas as partidas da última temporada, agora tem uma sombra.

Perisic é mais uma boa peça borussiana

Outro que chegou foi Ivan Perisic. O croata foi artilheiro do último Campeonato Belga jogando pelo Club Brugge e já mostra trabalho no BVB. Ele atua pelo flanco esquerdo e é uma opção de jogo diferente em relação com Grosskreutz. Enquanto o camisa 19 é mais um carregador de bola, Perisic é mais técnico e driblador. É uma boa para Klopp mexer no estilo de jogo do Dortmund quando necessário.

A contratação mais impactante chega não pelo nome e sim pela responsabilidade. Ilkay Gundogan ganhou destaque no Nüremberg jogando na posição onde Nuri Sahin se destacava no BVB. O turco se transferiu para o Real Madrid e Gundogan ganha essa oportunidade nos atuais campeões alemães. Ambos tem o mesmo estilo de jogo. A diretoria aurinegra se mexeu rápido e já o tinha contratado há tempos.

Basta saber se os garotos do Dortmund saberão lidar com os resultados adversos, pois não é em toda temporada que se abre uma vantagem monstruosa na liderança, né?

Só pra variar, o outro favorito que destaco é o Bayern de Munich, que agora tem técnico novo: Jupp Heynckes, que já chega sabendo onde exatamente tem de mexer, na defesa bávara.

Louis van Gaal conseguiu fazer com uma fraca zaga se entrosasse e fosse bem na temporada 09/10, mas destruiu tudo na temporada seguinte, com mexidas constantes e muitas improvisações desnecessárias. Jupp Heynckes terá de reconstruir tudo, só que com novas peças.

Rafinha foi apresentado ao lado de Christian Nerlinger

Para resolver o problema na lateral-esquerda, um lateral pro lado oposto. Isso mesmo! O brasileiro Rafinha chega para assumir a titularidade na direita, fazendo com que Philipp Lahm seja deslocado para a esquerda. Só há um problema: por quanto mais efetivo que Rafinha seja pela direita ofensiva, Lahm – pelo menos nos jogos do Bayern que vi na pré-temporada – parece meio “torto” pela esquerda. O capitão bávaro afunila demais o jogo por finalizar melhor com a direita, mesmo sendo ambidestro. Mas Lahm está acostumado a jogar pela esquerda devido aos vários anos de Seleção Alemã e deverá tirar esse problema logo, logo.

Para corrigir o miolo de zaga, o Bayern se matou para trazer Jêrome Boateng por 13 milhões de euros. O irmão de Prince pode não ser um primor de zagueiro, mas junto com Badstuber, pode formar uma interessante dupla de zaga. Ambos são altos e rápidos. Se ganharem entrosamento, as falhas serão menores.

Caso essas falhar aconteçam, há alguém lá atrás para pelo menos tentar segurar: Manuel Neuer, contratado por 22 milhões de euros. Manu nem estreou oficialmente pelo Bayern, mas já gera a ira dos torcedores radicais do Bayern, que deram uma espécie de “cartilha de bom comportamento” para o arqueiro. Isso por causa daquela velha história de Neuer com o Schalke.

Mas querendo ou não, esses radicais terão de engolir: o Neuer foi uma grande contratação. Um dos cinco melhores goleiros do mundo.

Na cabeça de área, Luís Gustavo tem ganho espaço. Diferentemente da temporada passada, onde chegou a jogar de lateral-esquerdo e zagueiro, o brasileiro dessa vez parece que irá jogar na sua posição de melhor atuação: primeiro volante. A briga por ali é dura: Tymoshschuk disputa essa vaga com ele.

O Bayern depende dos gols de Gomez

Do meio pra frente, tudo igual: Schweinsteiger como segundo volante e uma linha de três meias, formada por Robben na direita, Müller no centro e Ribéry na esquerda, além de Mário Gomez no ataque. É uma frente poderosa e que prova desde que começou a jogar junta que gols não são problemas. O problema mesmo é a defesa.

Nem o banco é problema. O Bayern “copiou” a ideia do Borussia Dortmund e trouxe do Japão, Takashi Usami, de 19 anos. Destaque do Energie Cottbus, Nils Petersen foi contratado para o ataque bávaro. O polivalente Alaba retornou, podendo ser peça útil. Sem falar dos que já estavam lá, como Olic, Pranjic, Kroos e Contento.

Se Jupp Heynckes ajeitar a defesa do Bayern, há grandes chances do time voltar a erguer a Salva de Prata. Com um ataque destruidor que tem, mais uma defesa pelo menos sólida… É a fórmula do sucesso!

Diferentemente de outras equipes, o Bayer Leverkusen não tem 17 adversários e sim 18. Isso porque toda vez que chega próximo do título, o fantasma Neverkusen passa pela BayArena e atormenta o time.

O Leverkusen sempre aparece com times bons, de futebol vistoso e ofensivo, mas sabe-se lá porque, o Werkself nunca é campeão. Isso é um verdadeiro fantasma pra equipe que dá a impressão que nunca será campeão alemão.

Na temporada passada pelo menos, a ausência do título deve-se a dois fatores:

1) A frágil defesa. Foram 44 gols sofridos, 22 a mais que o Borussia Dortmund;

2) A fraca campanha em casa. O Leverkusen somou 11 empates na BayArena, além de 2 derrotas e 4 vitórias.

Para a tristeza do novo técnico, Robin Dutt, o time mal se mexeu para reforçar a zaga. O que se viu mesmo foi Sami Hyypiä se aposentar. Mesmo velho, o finlandês ainda dava um caldinho, mas nada de outro mundo. Para seu lugar, veio Omar Toprak, destaque do Freiburg. Quem sabe ele não faz Reinartz voltar a jogar bem?

Ballack e Rolfes são líderes no Leverkusen

Do meio para a frente, bons problemas para Dutt. Para cabeça de área, ele pode escolher entre Lars Bender, Michael Ballack e Simon Rolfes. Nada mal. Nem dará para notar a ausência de Arturo Vidal, que depois de tanto flertar com o Bayern, foi para a Juventus.

Mais na frente, na famosa linha de três, Robin Dutt terá de escolher entre Sidney Sam, Renato Augusto, André Schurrle, Tranquilo Barnetta e até Ballack.

Assim como Jupp Heynckes no Bayern, o grande desafio de Dutt será ajeitar a defesa de seu time, porque no ataque não há muito no que mexer, pois boas opções não faltam. O Leverkusen tem uma das melhores listas ofensivas da Alemanha! É inimaginável ver Robin Dutt não fazer esse time marcar gols, até porque com um Freiburg com escassas opções ofensivas, ele fez com que Papiss Demba Cissé fosse vice-artilheiro da última Bundesliga.

Desses três, o Borussia Dortmund sai na frente, por já ter uma base consolidada e vencedora, enquanto Leverkusen e Bayern precisam concertar a retaguarda.

Se formos usar a lógica, os três times supracitados ficarão com três das quatro vagas alemãs para a Champions League. Certo? E a quarta vaga ficaria com… um time que não ouso arriscar.

Não enxergo uma quarta força no futebol alemão atualmente. Enxergo sim boas equipes com capacidade de surpreender e fazer barulho, mas ver uma que esteja alguns degraus acima de outras não.

Mirko Slomka fez o Hannover surpreender

Dá pra destacar o Hannover, que por muito pouco não se classificou para a Champions League. O técnico Mirko Slomka foi mantido, assim como a base do time, que já tinha Zieler, Haggui, Pinto e Konan como destaques. Para acrescentar ao elenco, chega Christian Pander, ex-Schalke. Ele já teve passagens pela Seleção Alemã, mas é mais um dos vários casos de bons jogadores que vivem se machucando, fazendo assim com que perdessem grandes chances na carreira. Mas fica a dúvida: a última temporada do Hannover foi algo à parte ou pode vir mais?

Podemos falar também do Hamburgo, que se livrou de alguns figurões, como Joris Mathijsen, Zé Roberto, Rost e Nistelrooy, e que trouxe muitos garotos. Um que me chamou a atenção foi Gokhan Töre, um dos quatro jogadores que veio do Chelsea. Me chamou a atenção a sua técnica com a bola no pé e sua inteligência dentro de campo.

Logo abaixo, vem Schalke, Stuttgart, Bremen e Wolfsburg, que assim como o Hamburgo, querem apagar a péssima impressão que deixaram na última temporada. Mas diferentemente do HSV, pouca coisa foi feita. Claro que nos três times existem as exceções

Os Azuis Reais trouxeram o promissor Fahrmann para substituir Neuer. O Stuttgart contratou em definitivo Hajnal, que estava no Dortmund e foi muito importante pros vermelhos na escapada da segundona. O Bremen trouxe os bons Wolf e Ekici ex-Nüremberg, além de Schmitz, ex-Schalke. Já o Wolfsburg trouxe o artilheiro Lakic.

Mesmo assim, não enxergo grandes aspirações nos quatro times. No máximo uma Liga Europa. São poucas mexidas nos elencos em comparação com o Hamburgo, que renovou seu elenco, fazendo uma mescla entre veteranos e calouros.

Dieter Hecking permanece no Nüremberg

Pra falar a verdade, contra tudo e todos, aponto algumas zebras e detrimento a Schalke, Stuttgart, Wolfsburg e Bremen. A primeira delas já é de conhecimento de todos, o Nüremberg, que quase conquistou uma vaga na Liga Europa. O time manteve Dieter Hecking e não mexeu na base do time. Vive a mesma história do Hannover: entra na temporada para mostrar que a boa edição de 10/11 não foi por acaso. A diferença dos verdes pro Club, é que o time bávaro é nove vezes campeão alemão!

O outro time que destaco como possível zebra é pra me chamar de maluco: o Borussia Monchengladbach, quase rebaixado na temporada anterior. Me chama a atenção nos Potros a sua linha de frente, que conta com jogadores como Reus, Igor de Camargo e Arango. Há de se admitir que é uma linha muito veloz, técnica, enfim, um setor interessante. O problema está na defesa, que foi um caso de calamidade pública na última temporada.

Pra fechar a lista de surpresas, “deixo” de destacar uma: o Mainz. A grande zebra da última temporada foi desmontada e honestamente, não enxergo nada mais do que o meio da tabela pra eles.

Na parte debaixo da tabela, os “favoritos” ao rebaixamento sempre são os recém promovidos. Aliás, o Hertha Berlin subiu a divisão principal e só se reforçou com refugos dos times grandes. Está com um time de nível bem duvidoso…

O Augsburg talvez tenha mais chances de permanecer na elite do que o Hertha, isso porque há tempos bate na porta da Bundesliga e sempre se destaca na DFB Pokal. Mas agora que conseguiu entrar, o problema será ficar.

O meu outro candidato ao descenso é o Freiburg, que vira uma incógnita sem o Robin Dutt. Aos 46 anos, Marcus Sorg, que treinava o time B dos Brasileiros de Breisgau assume o comando do time A. Veremos…

Previsões de bate pronto!

> O craque será… Götze
> O destaque brasileiro… Renato Augusto
> Melhor negócio… Neuer no Bayern
> A contratação cirúrgica… Lakic no Wolfsburg
> A pior contratação… Salihamidzic pelo Wolfsburg
> A contratação mais arriscada… Mancienne pelo Hamburgo
> O grande jogo da primeira rodada… Bayern x Gladbach
> O melhor técnico será… Jurgen Klopp
> O Professor Pardal… Ralf Rangnick
> O artilheiro será… Schurrle

E que tenhamos uma bela Bundesliga!

One comment

  1. […] fiz minha prévia da nova temporada da Bundesliga, fiz uma aposta arriscada para surpresa do campeonato: o Borussia […]



Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: