Presidente artilheiro

Já faz algum tempo que estou pra fazer esses posts especiais para a Eurocopa. Em algumas oportunidades faltou tempo e em outras faltou assunto mesmo. Mas desta vez decidi ir atrás, revirar a história do torneio e tentar encontrar algum fato que possa merecer esse primeiro post especial para a Eurocopa 2012. Encontrei o tema e vocês poderão ler abaixo.

—————————————-

Platini cartola

O dia 26 de janeiro de 2007 ficou marcado na história da UEFA. Nas eleições para presidência da entidade, o ex-jogador francês Michel Platini derrotara Lennart Johansson e se tornava o sexto presidente da UEFA. O sueco Johansson comandava o futebol na Europa desde 1990 e em 2007 deixava seu lugar para Platini.

O ex-jogador francês que iniciara sua carreira como dirigente em 1998, quando se tornou presidente do Comitê Organizador da Copa do Mundo daquele mesmo ano, chegava a presidência da UEFA com a promessa de dar a oportunidade a países menores de ver seus melhores times disputando os torneios com a chancela UEFA.

Dito e feito!

Após vermos muitos times um tanto quanto medíocres disputando a Champions League, o auge chegou nesta atual temporada, onde o APOEL do Chipre, liderou o grupo do último campeão da Liga Europa, o Porto e disputará as oitavas-de-final da Champions League. Platini deve ter ficado feliz com isso!

Obviamente, quem preza pelo espetáculo não gostou dessa introdução de times menores aos grandes torneios do continente, mas geralmente quando uma surpresa como o APOEL acontece, ficamos admirados ao ver um time de investimento pequeno surgir tão bem em meio à times milionários.

Se “cancha” dos tempos de jogador for um dos critérios para ser presidente da UEFA, ninguém poderá discutir isso com Platini.

1984 talvéz tenha sido o melhor ano de sua carreira como jogador. Com a camisa da Juventus, Platini conquistou a Cup Winners’ Cup, Uefa Super Cup, além da Séria A italiana.

A consagração veio na Eurocopa daquele mesmo ano, disputada justamente na França. Les Bleus venceram todos os jogos que disputaram e Michel Platini marcou gols em todas as cinco partidas, se sagrando artilheiro da competição. O camisa 10 francês conseguiu naquela edição um grande feito: anotou 9 gols, se tornando não só o maior artilheiro em uma só edição de Uefa Euro, como o maior artilheiro geral da competição.

Platini foi o grande nome da Euro 1984

No jogo de abertura, foi justamente Platini que salvou a França. A partida diante da Dinamarca estava empatada em 0x0 e o camisa 10 francês, aos 33 minutos da etapa final, fez o gol da vitória de pé direito. Na goleada diante da Bélgica – talvez o melhor da da França na competição – Platini marcou três dos cinco gols franceses. Aliás, no jogo contra os belgas, ele marcou gols de todos os jeitos possíveis. Primeiro de canhota, o segundo de direita, mas cobrando pênalti. O terceiro foi de cabeça. No complicado jogo contra a Iugoslávia, Platini repetiu a dose do jogo anterior, com três gols dos três modos possíveis: direita – sendo esse de falta e não de pênalti -, esquerda e cabeça. A França vencia o jogo por 3×2 e além de terminar em primeiro no Grupo A da competição, acabava a fase de grupos com o melhor ataque da competição, tendo anotado 9 gols.

Na semifinal, Michel Platini mostrou seu poder de fogo novamente quando era necessário. O jogo contra Portugal, disputado no Stade Vélodrome teve alta dose de dramaticidade. Domergue e Jordão ditaram o ritmo da partida. Ambos marcaram duas vezes para França e Portugal – respectivamente – no tempo normal e na prorrogação, deixando a partida empatada em 2×2. Até que no penúltimo minuto do tempo extra, Jean Tigana dá grande arrancada e ameaça passe para Platini. A defesa portuguesa trava o passe, mas a bola ainda assim sobra nos pés de Tigana, que decide carregar a bola até a linha de fundo e toca para trás, justamente nos pés de Platini. O camisa 10 francês pega a bola na pequena área e decide dominar. Enquanto acalma a bola em seus pés, Platini via em sua frente dois jogadores portugueses – sendo um caído, tentando se levantar do jeito que podia – e mais dois correndo desesperados para fechar a frente do francês. Platini, com uma calma digna de gênio, consegue finalizar entre os quatro portugueses e marcar o gol que levava a França para a final da Eurocopa.

A final do dia 27 de junho de 1984 seria a primeira disputada pela Seleção Francesa. Em sua frente, Les Bleus encontrariam a Espanha, que já havia conquistado o maior torneio de seleções da Europa em 1964.

Diferentemente da França, a Fúria Espanhola não mostrou brilhantismo algum durante a competição. Na fase de grupos, apenas uma vitória e somente três gols marcados, um terço do que Les Bleus haviam marcado no mesmo estágio do torneio. Na semifinal, a Espanha só conseguiu vencer a Dinamarca nos pênaltis.

Autor de 9 gols em uma só edição, Platini é o maior artilheiro da história da Eurocopa

Na final da competição, Michel Platini não precisou nem ser tão genial assim para poder decidir. Bastou apenas ter uma forcinha do goleiro adversário. Já passávamos dos dez minutos da etapa complementar e a França tinha uma falta na entrada da grande área. Platini estava na bola. Ele bateu sem muita força, mas colocada e baixa, porém, em cima do goleiro Luis Arconada. O goleiro espanhol estava bem posicionado e tinha tudo para fazer uma defesa tranquila, porém, ao tentar encaixar a bola, deixou ela escapar por debaixo de seu corpo e engoliu um frangaço.

No final da partida, quando o desespero já havia tomado conta dos espanhóis, Bellone fechou a conta em um mortal contra-ataque.

Há quem diga que aquela Espanha de 84 representava bem o que era a “Espanha amarelona” que a gente via até tempos atrás. A primeira fase e a semifinal da Fúria foram pavorosas. Na fase de grupos, a vaga veio num jogo onde poderia ter sido goleada pela Alemanha, mas com um gol no final de Maceda, se classificou. Nas semifinais, o goleiro Arconada pegou o que podia e o que não podia, sendo o herói espanhol. Na final, a Espanha fez seu melhor jogo, mas acabou sendo derrotada.

Junho foi o mês dos sonhos para Michel François Platini. Na Eurocopa disputada em seu país, ele anotou gols em todos os jogos, tendo somado 9 no total, se tornando não só artilheiro da competição, como maior artilheiro de todos os tempos da Eurocopa, foi decisivo e encerrou com chave de ouro, tendo erguido o troféu diante de 47 mil pessoas que foram ao Parc des Princes ver  a sua seleção campeã.

A próxima Eurocopa de Michel Platini viria ser a de 1992, só que como técnico. Ele viu a França fracassar no Grupo A, com dois empates, uma derrota e somente dois gols marcados.

Mas isso não diminuiu seu grande feito. Só pra aumentar a conquista, Alan Shearer, segundo maior artilheiro do torneio, marcou 7 gols em toda a sua história no torneio, mas tendo disputado duas edições. Platini fez nove em uma e é o maior de todos! O francês pode não ter jogado tantas edições de Eurocopa como outro ídolo da Juventus, Del Piero – ele é o que mais disputou, junto com Matthäus, Schmeichel, Winter, van der Sar e Thuram, 4 cada – mas conseguiu de uma só vez a artilharia e o título.

Sem dúvida alguma, Platini está no hall dos Mitos do Futebol, muito graças a Euro de 1984.

Faltam 181 dias para a Eurocopa!

Uma resposta em “Presidente artilheiro

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s