Trauma superado… pelo menos por uma noite

Ibra e Robinho deixam o Milan com os dois pés na próxima fase (Dpa)

Zlatan Ibrahimovic e Robinho: estão aí dois jogadores que nós poderíamos chamar de “pipoqueiros” em disputas de UEFA Champions League.

O sueco é campeão das ligas nacionais que disputa desde 2004. E isso não é mero acaso, já que Ibracadabra foi peça chave na maioria destas conquistas. Porém, quando o assunto se expandia para o continente, ele se tornava um mero coadjuvante, quando um “algo mais” era esperado.

Robinho é outro. Postulante a craque, o brasileiro veio cedo para o futebol europeu e mostrou não estar pronto para tal desafio. Fez figuração em Real Madrid e Manchester City quando era apontado como estrela. Pelos Merengues, disputou a Champions League por mais de uma oportunidade e não vingou. Após passagem pelo futebol brasileiro, o “pequeno Róbson” retornou ao velho continente, desta vez para o Milan, mas em sua primeira temporada na Bota, também fracassou na UCL.

Como citei no post onde analisei os confrontos das oitavas-de-final da Champions, era a hora de Ibrahimovic mostrar para que veio ao mundo do futebol e mostrar no torneio de maior importância o motivo de receber tanta fama e elogios. Não englobei Robinho nesta lista. É fato que no Milan ele cresceu demais. O brasileiro achou seu posicionamento ideal – segundo atacante, no máximo um meia e não como um winger, como jogava na Inglaterra, muito distante da área -, passou a ser peça de confiança de Massimiliano Allegri, mas como ajudante e não como estrela, algo que seu início fantástico no Santos sugeria, por isso não o citei na então relação.

No jogo de ida contra o Arsenal pelas oitavas-de-final da Champions League, Ibra e Robinho parecem ter superado o trauma de disputar a estrelada competição. A esmagadora goleada por 4×0 sobre os londrinos deve ser colocada muito na conta da dupla, que soube aproveitar muito bem a fraca marcação no meio campo e a desajustada defesa Gunner.

Será que agora, Ibra justifica na UCL toda sua fama? (acmilan.com)

Zlatan Ibrahimovic também comprovou hoje não merecer mais a fama de “egoísta” que adquiriu através de sua carreira. O sueco, conhecido pelos vários gols e algumas obras primas, tem se notabilizado na atual temporada pelas assistências. Seja seu parceiro de ataque Pato ou Robinho, ele tem se entendido bem com o companheiro, seja quem for. A prova disso foi o segundo gol contra o Arsenal, quando Ibra criou a jogada na ponta direita e fez o passe para Robinho completar em gol como um centro-avante.

O sueco ainda distribuiu bem o jogo, criou algumas chances de gol, construiu a jogada do terceiro tento milanista – o segundo de Robinho -, conseguiu um pênalti e o converteu. Ibracadabra deu um show! Comandou o Milan nesta estupenda vitória sobre o Arsenal e mostrou que talvez tenha superado o trauma da Champions.

Agora falamos de Robinho…

O brasileiro não teve uma brilhante atuação como Ibrahimovic. Na primeira etapa, por exemplo, o camisa 70 abusava de errar passes. No 2º tempo, esses números diminuíram, graças a exposição dos ingleses, que precisavam de qualquer maneira diminuir a desvantagem.

Só que Robinho foi decisivo. É isso que se espera de um craque! Ele não é isso, mas quando surgiu para o futebol, esperava ser craque e demonstrou que poderia ser sim! Hoje, como um simples “operário”, o brasileiro vai encontrando seu caminho e mostrou que pode ser mais ao mostrar sua capacidade de decisão. Robinho anotou dois gols e por isso foi um dos grandes jogadores em campo.

Se os dois superaram o trauma da Champions definitivamente é outra história, mas que tanto Ibrahimovic quanto Robinho, deram uma demonstração de que esse problema pode ser passageiro, isso é inegável.

NÃO PENSEM QUE FORAM SÓ OS DOIS

Anteriormente, disse que a categórica vitória milanista – usei quantos adjetivos diferentes para descrever este resultado? – teve grande responsabilidade dos dois jogadores supracitados nos parágrafos anteriores. Mas não pensem que Ibra e Robinho carregaram o Milan nas costas, porque não foi bem assim.

Na defesa, muita solidez e o principal, Thiago Silva monstrando o porque de ser chamado de “Monstro”. O brasileiro teve um momento de instabilidade no 2º tempo, porém, foi perfeito em 90% da partida. Abbiati não foi muito acionado, mas quando precisou trabalhar, foi impecável. O arqueiro de 34 anos vai me provando que “goleiro bom é goleiro velho”. Incrível como jogadores desta posição acabam se tornando mais seguros com o passar dos anos!

Boateng abriu o placar com este petardo de direita (Dpa)

No meio-campo, a marcação não era das mais fortes, mas bem encaixada, o que dificultou o desenvolvimento do jogo do Arsenal. E o Milan ainda teve Prince Boateng em uma boa jornada, tendo marcado um belo gol. Admito que o ganês tem me surpreendido a cada partida que passa. Sempre achei ele voluntarioso, esforçado, mas que não era nada disso. Porém, nesta temporada, Prince tem sido decisivo, vem marcando golaços e tem grande entrosamento com os atacantes.

Allegri, outro cobrado por mim para tomar uma atitude e tentar achar novas alternativas para o imutável 4-3-1-2, chegou a deixar o Milan atuando com duas linhas de quatro, tudo para marcar bem as investidas de Chamberlain pela direita.

Sobre o Arsenal, pouco a se dizer. Um primeiro tempo completamente desligado, os Gunners pareciam em uma sintonia diferente do Milan. Na etapa final, com a vaca se dirigindo pro brejo, a coisa foi mais desanimadora. Até Henry, que entrara para fazer sua última partida em seu retorno ao futebol inglês, pouco fez.

A nota negativa vai pra Wenger, que a meu ver, errou ao não colocar Chamberlain desde o início ou então no intervalo. O garoto vive fase muito melhor do que Theo Walcott, que pouco tocou na bola.

NOS OUTROS JOGOS

Na terça-feira, o Barcelona demonstrou sua força, mas também a instabilidade que tem sido característico em jogos recentes. Com 1×0 de vantagem, os catalães chegaram a ceder o empate e  quase sofreram a virada do Leverkusen. O 3×1 representou bem o jogo, embora o time alemão tenha feito um jogo corajoso e explorando bastante uma das fraquezas do Barça, as bolas longas. Tanto defesa-ataque quanto bolas alçadas na área, é duro dos comandados de Guardiola vencerem uma.

Menção honrosa para Robin Dutt, que outrora criticado por este blogueiro de “medroso” e coisas do tipo, ousou contra o time blaugrana e mesmo com poucas peças ofensivas no banco – vide aos inúmeros desfalques – fez um jogo corajoso. Dutt ganhou pontos comigo depois deste duelo.

Já o Lyon decepcionou. Não consegui acompanhar a peleja, mas relatos de alguns amigos que assistiram era de que o jogo foi horrível. Na etapa inicial, o OL teve o famoso “domínio estéril”, mas mesmo finalizando bastante – foram 13 tiros -, não conseguia ameaçar a meta do APOEL. O gol de Lacazette foi de méritos totais do jovem, que vinha sendo o grande nome do Lyon na peleja.

Placar magro, hein Garde! (olweb.fr)

Assim como previ no último post, Garde foi medroso. Começou com Gomis no banco e não colocou o atacante durante a partida. Para completar, fez somente duas alterações, todas “seis por meia dúzia”. Segundo o site da UEFA, o APOEL teve 37% de posse de bola e finalizou somente uma vez. Custava soltar o time e ir pra cima, Garde? O Lyon pode pagar um preço caro por isso!

Para fechar, falo do disputado jogo na gelada St. Petersburgo. A partida não primou pela técnica e por isso venceu quem menos errou. A zaga do Benfica falhou em três oportunidades cruciais – posicionamento, afobação, erros técnicos e por aí vai – e tomou três gols do Zenit. Já os russos erraram somente duas vezes… Deixa eu corrigir a frase: o goleiro Zhevnov errou duas vezes. O substituto do contundido e titular absoluto Malafeev largou bolas fáceis nos dois gols portugueses.

Assim como nos dois tópicos anteriores, destacarei um técnico, desta vez, Luciano Spalletti. O italiano colocou Semak e Bystrov. Pois é, Bystrov deu a assistência para Semak marcar um gol de calcanhar. Mandou bem ou não? Não há dúvidas da resposta correta!

Até!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s