TOP 7: Eliminados, mas valorizados

Muito se fala que a fase de grupos da UEFA Champions League é recheada de times fracos. Em partes, não dá para discordar. Muitas equipes que participaram deste estágio do torneio não fariam falta alguma se ficassem se preocupando com suas ligas domésticas. Porém, alguns dos times que não conseguem nem passar da fase de grupos mostram a Europa bons valores individuais. É justamente isso que veremos hoje.

Neste momento da temporada, a primeira metade do torneio segue almejando o sonho de vencer o troféu mais cobiçado do continente e a outra parte vai embora com este desejo desfeito. Ainda assim, outras oito equipes irão manter a vontade de conquistar um torneio internacional, a Liga Europa.

Dos 16 privilegiados que poderão conquistar a Europa, falarei outra hora, afinal de contas, os jogos das oitavas de final só serão realizados em 2013. Darei espaço aos eliminados. Desses 16 times saíram alguns bons valores e selecionei sete que me chamaram a atenção nesta fase de grupos. Obviamente, se vocês entenderem que esqueci alguém ou que fui bonzinho demais ao colocar outro atleta, invadam a caixa de comentários e deem suas análises.

7) Dieumerci Mbokani – Anderlecht

Mbokani é o grande nome do atual Anderlecht

Mbokani é o grande nome do atual Anderlecht

O congolês Mbokani teve início bem complicado no Anderlecht. Logo em sua chegada, sofreu uma grave lesão que o afastou dos gramados por dois meses. Quando retornou, recebeu a triste notícia de que seu filho faleceu enquanto dormia. Isso atrapalhou sua temporada marcada por apenas oito gols no Campeonato Belga. Nesta temporada, Mbokani já tem um gol há mais e é o principal nome ofensivo do time.

Na fase de grupos da Champions League, o atacante fez dois gols e deu uma assistência, isso depois de ter feito uma fase preliminar boa, onde marcou quatro gols nos três jogos da equipe. Mbokani, que já teve chances maiores em sua carreira, começa a dar sinais de amadurecimento e talvez possa aparecer como boa peça de reposição de clubes mais fortes na Europa.

6) Lucas Biglia – Anderlecht

Desde 2006 na Bélgica, o argentino Lucas Biglia está muito bem adaptado ao futebol europeu. Volante técnico, de boa marcação e passe bem qualificado, Biglia foi um dos destaques da fraca campanha do Anderlecht nesta fase de grupos da UEFA Champions League, participando de todas as partidas da equipe sem ser substituído.

O argentino obteve destaque no quesito passe. Das 467 tentativas de passe, 349 foram concluídos e se tornou o quarto melhor passador do torneio. Na questão de porcentagem, Biglia teve 75% de aproveitamento em seus passes. Aos 26 anos e com algumas passagens pela seleção argentina, o volante parece pronto para alçar voos mais altos na carreira.

5) Kostas Mitroglou – Olympiacos

O artilheiro do Campeonato Grego é Rafik Djebbour do Olympiacos, mas quem decidiu na UEFA Champions League foi o outro jogador do time: Kostas Mitroglou. O atacante nunca havia emplacado nos Lendários, mas após duas temporadas emprestado a Panionios e Atromitos, se encaixou no representante grego.

No campeonato nacional já foram cinco gols e na Champions League foram mais quatro. Seus tentos foram valiosos, pois serviram pro Olympiacos desbancar o campeão francês Montpellier e ficar com a vaga para a Liga Europa. Mitroglou, que já esteve defendendo seu país na última Eurocopa, vai começando a dar forma a sua carreira que já foi mais instável.

4) Niklas Moisander – Ajax

Moisander perdeu apenas para Xavi em questão de passes

Moisander perdeu apenas para Xavi em questão de passes

Considerado o substituto do zagueiro Jan Vertonghen, o finlandês Niklas Moisander do Ajax fez boa fase de grupos, mesmo com a eliminação de seu time. Apesar de acumular duas goleadas por 4×1 nas rodadas derradeiras do torneio, o defensor conseguiu se destacar ao lado do parceiro Toby Alderweireld. Curiosamente, os dois estão no top 5 de jogadores que mais passaram bolas nessa fase de grupos.

Nesse quesito, Moisander ficou atrás apenas de Xavi do Barcelona. O finlandês tentou dar 480 passes e concluiu 404, ou seja, teve 84% de aproveitamento em seus passes. O catalão concluiu 92% dos passes. Essa é apenas uma amostra de como o Ajax aplica sua filosofia de toque de bola, vinda desde a metade do último século. Na vitória ou na derrota, é bola no pé.

3) Silvio Proto – Anderlecht

Desde 2005 no Anderlecht, o belga com origens italianas Silvio Proto se fixou como titular do time e exibiu ótima forma na meta de sua equipe, se tornando, assim, um dos grandes nomes da campanha dos Roxos. A principal partida do goleiro foi contra o Milan, curiosamente, time que, segundo ele, é o preferido de sua família.

Outro ponto peculiar de Proto é que ele, juntamente com os já citados Biglia e Mbokani, além de Milan Jovanović, ajudou a formar a equipe que mais me chamou a atenção dentre os eliminados na fase de grupos da Liga dos Campeões. Porém, o Anderlecht não pode reclamar do grupo em que caiu, pois era uma chave, de certa forma, “acessível”.

2) Alan – Sporting Braga

Desde que o Braga começou a se aventurar Europa afora, o meia-atacante Alan tem se destacado. Antes do início da competição, o brasileiro havia marcado quatro vezes em 44 jogos por torneios UEFA. Alan abandona a fase de grupos da Liga dos Campeões com nove gols na conta. A importância do brasileiro foi tão grande que em todos os jogos em que o Braga fez gol, Alan também marcou.

A partida mais chamativa do meio-campista foi contra o Manchester United no Old Trafford, onde marcou dois gols e o Braga abriu 2×0. Os portugueses acabaram cedendo a virada mais tarde, mas esses tentos o ajudaram a igualar-se com Messi na lista de artilheiros com cinco gols.

1) Oscar – Chelsea

Oscar não sentiu o peso de uma Champions League

Oscar não sentiu o peso de uma Champions League

Longe de querer duvidar da capacidade técnica do garoto Oscar, mas eu esperava ver o rapaz mais acanhado nos jogos de UEFA Champions League. Nada disso aconteceu. Em sua estreia contra a Juventus, Oscar não se intimidou e marcou dois gols. No restante da campanha foram outros três tentos, sendo um do meio-campo contra o Shakhtar Donetsk.

Oscar não chega a ser uma surpresa – talvez uma revelação para os europeus -, mas o modo como atuou no torneio, sem sentir o peso de defender o atual campeão do continente, impressionou. Nos próximos anos, se o Chelsea arrumar a casa, Oscar tem tudo para brilhar muito mais na Liga dos Campeões da Europa.

*Crédito das imagens: Getty Imagens

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s