Volte duas casas

Ben Arfa não joga há quase um ano | Foto: AFP

Poucas analogias se encaixam tão bem com a carreira de Hatem Ben Arfa do que o tabuleiro de um jogo infanto-juvenil. Uma hora os dados caem com números altos, seu pino vai longe, mas um mero deslize e lá se vai uma rodada sem jogar. Acima de tudo, ter uma mão quente para jogar os dados é um diferencial.

Nesse jogo de tabuleiro que virou a carreira de Ben Arfa, ele foi o jogador que saiu todo felizardo quando viu os dados apontando 12 casas para andar, mas que foi ao fundo do poço ao ver que seu pino parou na prisão e ele teve de ficar duas rodadas – ou duas temporadas – sem jogar.

Primeira contratação da era Unai Emery no Paris Saint-Germain, ainda na temporada 2016/17, o virtuoso atacante, marcado por dribles atrevidos e um jogo agressivo que encantava, vinha de temporada brilhante pelo Nice, que marcou a remontada na carreira após alguns anos no ostracismo na Inglaterra.

O que ele talvez não pudesse prever era que Emery seria o carcereiro da prisão nesse jogo de tabuleiro. Desde que chegou a Paris, somou 1.136 minutos em campo, não dá média nem de 13 minutos por jogo – 32 partidas ao todo. Boa parte dessa minutagem é oriunda de partidas em que saiu do banco de reservas, e em apenas cinco atuou o tempo inteiro.

O pesadelo piorou nesta temporada. Contrariando vontade do clube, que não queria vê-lo por perto nem com a sonhada orelhuda da Liga dos Campeões debaixo do braço, Ben Arfa decidiu ficar em Paris, sabe-se lá se foi por birra ou por acreditar que poderia, sim, ter minutos e vingar.

Não deu outra. Sem prestígio no clube e agora de bico esticado, foi relegado ao time B e não foi relacionado para nenhuma partida do PSG. A última vez que foi visto com a camisa azul de Paris foi a quase um ano, em 5 de abril de 2017, na goleada sobre o Avranches, pela Copa da França – na ocasião, fez dois gols e deu uma assistência.

Neste meio tempo, Ben Arfa denunciou o clube a LFP (Liga de Futebolistas Profissionais, entidade que gerencia o Campeonato Francês) pela falta de condições de trabalho e os constantes destratos. Os advogados do atacante citam como exemplo a ausência na viagem para os EUA na pré-temporada, que o clube comunicou na véspera do embarque.

Emery, o carcereiro, ainda contribuiu na estadia turbulenta do atacante com críticas públicas ao atleta, evidenciada na emblemática declaração “você não é Messi”, quando criticou o individualismo do atacante e sua incapacidade de decidir jogos. Somado a isso vem a pequena contribuição defensiva e a participação pouco comprometida nos treinamentos.

Na queda de braço, o PSG levou a melhor. Ben Arfa comunicou nesta quinta-feira (29) que estará deixando o clube ao término da temporada – período em que acaba o contrato.

Se há pouco tempo atrás questionávamos a possibilidade de Ben Arfa ser convocado para a Eurocopa de 2016, hoje ele nem é lembrado numa lista de 50 jogadores que poderiam ser uma alternativa para a Copa do Mundo.

Aos 31 anos, está difícil pensar que pode chegar na última casa e levar o jogo. É hora de voltar duas casas, esfregar as mãos e ver o que os dados lhes reservam nesse insano tabuleiro da carreira de Ben Arfa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s