Le Podcast du Foot #51

Foto: FFF

Foto: FFF

Após período sabático, Le Podcast du Foot está de volta ao Europa Football! O tema da edição 51 não poderia ser outro: a participação da seleção francesa na Copa do Mundo – FIFA 2014.

Apesar de ter caído na fase de quartas-de-final para a finalista Alemanha, o desempenho francês foi honroso, vide os desempenhos anteriores em competições internacionais, na qual os Bleus ganharam espaço nos noticiários pelas confusões extracampo. Nesta Copa, os franceses saíram com três vitórias, um empate e uma derrota em cinco jogos, ocupando a 7ª colocação.

Para avaliar este desempenho, Le Podcast du Foot reunirá o apresentador Eduardo Madeira e os comentaristas Flávio Botelho e Vinícius Ramos.

Clique na imagem abaixo, que lhe redirecionará ao Uol Mais para ouvir este podcast:

player

Ouça também no MixCloud

Quem serão os 23 de Deschamps?

Foto: FFF - Deschamps anunciará uma lista de 30 jogadores na próxima terça (13)

Foto: FFF – Deschamps anunciará uma lista de 30 jogadores na próxima terça (13)

A próxima terça-feira (13) será decisiva para a Seleção Francesa. Será neste dia que o técnico Didier Deschamps anunciará a lista com 30 atletas pré-selecionados para defender a França durante a Copa do Mundo deste ano.

O objetivo principal de DD é fazer os Bleus recuperarem a moral perdida desde o Mundial de 2006. De lá para cá, os franceses acumularam vexames nas Eurocopas de 2008 e 2012 e deixaram a última Copa do Mundo de forma vergonhosa com uma rebelião do elenco contra o técnico Raymond Domenech.

Atualmente a história é outra. Apesar de atletas como Franck Ribéry, Patrice Evra e Hugo Lloris permanecerem no elenco, o plantel de 2014 conta com jovens valores como Paul Pogba, Antoine Griezmann e Raphäel Varane, com meias em ótima fase (Blaise Matuidi e Yohan Cabaye) e com Benzema finalmente podendo jogar a primeira Copa, após desavenças com Domenech em 2010.

Mas ainda restam algumas dúvidas para DD. Quem será o terceiro goleiro? E a defesa já está definida? Apenas dois centroavantes serão convocados? E Griezmann, citado anteriormente, ganhou uma vaga com apenas um jogo?

Diante disso, acionei alguns fanáticos pela seleção francesa para tentar prever a convocação de terça-feira. Filipe Papini, Flávio Botelho e Vinícius Ramos, trio integrante de Le Podcast du Foot, recebeu uma lista de atletas selecionáveis e ranquearam a chance de convocação ou não.

O sistema de votação é por notas de 1 a 4. Entenda o que cada valor significa:

1 – Sem chances de ser convocado;

2 – Têm chances, mas a presença é incerta;

3 – Entre as dúvidas de DD, é um dos primeiros que pode ser lembrado para sana-la;

4 – Já está garantido na Copa do Mundo;

Além disso, o trio de especialistas apontará uma carta na manga de Deschamps. Este jogador é alguém pouco cotado ou até mesmo descartado por imprensa e torcida, mas que pode surgir em cima da hora.

Sem mais delongas, vamos aos pitacos de Filipe Papini, Flávio Botelho e Vinícius Ramos:

GOLEIROS

Goleiros

LATERAIS-DIREITO

Laterais-Direitos

LATERAIS-ESQUERDO

Laterais-Esquerdos

ZAGUEIROS
Zagueiro 2

Zagueiro

VOLANTES

Volante

Volante2

MEIASMeias1

meias2

ATACANTES

Atacantes2

Atacantes

Carta na manga – Filipe Papini

Não vou citar somente um, mas uma pequena lista e falar rapidamente sobre. Eu acho que na lateral ainda pode pintar um cara, além do Evra. Talvez Trémoulinas ou Kurzawa, que fazem ótimas temporadas, ao invés do Digne, que é banco. Na zaga, Mexès talvez seja lembrado pela experiência e por jogar em um time de ponta da Europa. Na frente, vejo somente Giroud, Benzema, Valbuena e Ribéry como nomes certos. Não me espantaria se aparecessem caras como Cabella, Thauvin, Ben Arfa (se prometer ficar quietinho) e até mesmo o Brandão… Quem sabe?!

Carta na manga – Vinícius Ramos

Alexandre Lacazette é mais um jovem da excelente base do Lyon. Sempre foi destaque na base francesa, mas só conseguiu se sobressair entre os profissionais nesta temporada pelo OL. Com 22 anos, corria o risco de ser mais uma “eterna promessa”, mas este parece ter sido o ano de afirmação de Lacazette, que conseguiu ser convocado pela primeira vez para a seleção principal (amistosos contra Uruguai e Brasil) em 2013. Apesar de não ter sido chamado novamente, pode ser a carta na manga de DD, caso ocorra um imprevisto.

Análises da convocação:

Filipe Papini: Dentre todas as seleções que vão pra Copa, a França, definitivamente, é uma daquelas que possui um dos maiores carteis de jogadores à disposição. Deschamps tem ótimos nomes nas mãos – inclusive de jogadores que são capazes de desequilibrar uma partida, como Ribéry, Benzema e Pogba, por exemplo. A questão é saber domar esse elenco, que desde muito tempo, e com outros dois treinadores, pipocaram na hora de competições internacionais importantes. É hora de mostrar quem é o verdadeiro dono do boné dentro do vestiário.

Vinícius Ramos: Deschamps ainda não tem o grupo pronto e isso ficou claro na decisão de treinar com 30 jogadores até a data limite. Pela dificuldade em se classificar nas Eliminatórias, DD acabou convocando muita gente e mostrou ainda ter dúvidas no amistoso diante da Holanda, em fevereiro, quando testou como titulares jogadores como Mangala e Griezmann, e ambos agradaram, o que pode fazer um medalhão sobrar no grupo.

Flávio Botelho: Didier Deschamps já tem o sistema defensivo praticamente definido e montado. A grande dor de cabeça será do meio de campo para frente. Griezmann, Payet, Nasri e Grenier brigam por duas, talvez até uma vaga no meio ofensivo, se DD optar por levar mais um volante ou um atacante. Payet e Nasri fizeram temporadas medianas, Grenier brilhou no início de temporada, mas decaiu ao longo dela, e Griezmann surge como um candidato a surpresa. Já no ataque, a dúvida recai sobre quem levar da dupla de ataque do Lyon: Gomis ou Lacazette, que fizeram um excelente segundo turno na Ligue 1. Gignac também ressurgiu das cinzas, e tem a seu favor o fato de já ter sido treinado por DD.

Portanto, se fizermos uma média das opiniões, a lista final de Deschamps seria a seguinte:

Goleiros: Hugo Lloris, Steve Mandanda e Stéphane Ruffier

Laterais: Mathieu Debuchy, Bacary Sagna, Patrice Evra, Lucas Digne/Gaël Clichy

Zagueiros: Mamadou Sakho, Raphaël Varane, Laurent Koscielny e Eric Abidal

Volantes: Yohan Cabaye, Paul Pogba, Blaise Matuidi, Rio Mavuba/Moussa Sissoko

Meias: Franck Ribéry, Mathieu Valbuena, Antoine Griezmann, Samir Nasri e Clément Grenier

Atacantes: Olivier Giroud, Karim Benzema e Loïc Remy

E vocês apostam em quem na convocação?

Liga dos improváveis

É com muito prazer que venho escrever este post. Sou um dos grandes fãs da Bundesliga. Admito que é o campeonato que mais gosto. Pena ter acabado o primeiro turno. Mas bola pra frente. Ano que vem tem mais. Só que não possa terminar o ano e não fazer um balanço da competição.

Logo na primeira rodada, já tínhamos história para contar. Wolfsburg e Bayern abriram a competição com um bom jogo, 2×1 pros bávaros. Por terem aberto a competição, começo falando das duas equipes.

Dzeko é a grande estrela do Wolfsburg...mas pode deixar o barco (DPA)

Os Lobos fizeram um forte investimento. Trouxeram Kjaer, zagueiro que havia feito excelente temporada pelo Palermo, Friedrich, que fez bela Copa do Mundo e ainda Diego, talvés o melhor brasileiro que tenha atuado na Alemanha nesta década (se não for o melhor, está no Top 5), que estava na Juventus. Para o comando desses jogadores que se juntaram a Grafite, Dzeko e Benaglio, chegou o técnico campeão holandês, Steve McLaren. Mas o Wolfsburg não emplacou. Se arrastou nessa primeira temporada acumulando tropeços inexperados, vitórias escassas (4 vitórias) e inúmeros empates. No meio dessa temporada, a chance de Dzeko sair é maior. O Wolfsburg não emplaca e tem muitos grandes de olho no camisa 9.

Já o Bayern teve uma primeira metade de temporada irregular. A expectativa era de um time avassalador, que vinha de um vice-campeonato europeu e ainda títulos alemães na Bundesliga e na Pokal, mas nada disso aconteceu. Foram poucos investimentos. O Bayern teve de preocupar em segurar suas estrelas, que brilharam na Copa do Mundo do que trazer mais jogadores. Com o elenco não muito recheado, contusões de Ribéry, Robben, Olic, Klose e Van Bommel prejudicaram demais a equipe. O Bayern demorou para conseguir algumas vitórias importantes e para engrenar, só agora no finzinho de turno. Mário Gómez, que era praticamente carta fora do baralho, recuperou espaço hoje é titular indiscutívelmente. O brasileiro Breno também ganhou espaço e titularidade. Hoje o Bayern tem um time mais bem definido, sem precisar tanto de Robben.

Ainda na primeira rodada, tivemos dois resultados que se sucederam pelo resto do 1º turno. O Werder Bremen sendo goleado pelo Hoffenheim (4×1) e o Stuttgart caindo pro Mainz (2×0). Os Verdes seguiram com uma campanha abaixo da crítica, nada próxima a campanha que havia lhe rendido um 3º lugar na temporada anterior. Próximo de completar 12 anos no comando do Bremen, Thömas Schaaf se vê ameçado no cargo. Jogo após jogo o time tem acumulado vexames, como as goleadas sofridas contra o Schalke (4×0), Stuttgart (6×0) e Hannover (4×1) e derrotas inexperadas dentro de casa, como contra o Nüremberg (3×2) e Mainz (2×0). Na 14ª colocação, com 19 pontos, o Werder Bremen tem de preocupar com quem vence debaixo e não com o modo de chegar nas Ligas Européias.

Preferem um saco para esconder o rosto? (AP)

Já o Stuttgart é mais decepção que o Bremen. O time 5 vezes campeão alemão venceu só três partidas no primeiro turno e amarga a vice-lanterna da Bundesliga. Mais que decepção, vergonha acima de tudo. Com algumas derrotas, Christian Gross, o mesmo que pegou a equipe acabada na temporada passada e levou o Stuttgart a Liga Europa foi demitido e a maionese começou a desandar, acumulando poucas vitórias e muitos vexames. Bruno Labbadia assumiu a equipe e terá um duro trabalho: Tentar ajeitar o time com o que tem, porque o Stuttgart não tem tanta grana para reforçar a equipe.

Ainda na série “decepções”, vou falar de dois times que juntos tem 13 títulos alemães, mas que há muito tempo não conquistam nada. O Hamburgo (desde 82/83) e o Schalke (1958).  O HSV teve uma campanha muito irregular. Ora tropeçava, ora vencia… ora jogava bem, ora fazia partidas inúteis. O torcedor do HSV já não tem mais paciência com os jogadores e com o técnico Armin Veh, que literalmente, desde o título alemão com o Stuttgart, não consegue engrenar. Nistelrooy não tem decidindo como fazia no auge e dizem que Zé Roberto quer sair. O Hamburgo está na 9ª colocação, com 24 pontos, longe de tudo. Decepcionante, para um time que tem Nistelrooy, Zé Roberto, Trochowski, Elia, Westermann e outros jogadores que se encaixariam em outras equipes alemãs.

Já no Schalke o buraco foi mais fundo. Estava declarada uma guerra “jogadores-treinador”. Os atletas do Schalke não gostavam do modo que Félix Magath preparava a equipe e muitos o chamavam de ditador e coisas afins. A guerra estava declarada e sua queda era iminente. O time frequentava a zona de rebaixamento e Raúl, grande contratação, fazia poucos gols. Aos poucos, as coisas foram se acertando. O time começa a tropeçar menos, a se entender mais, a classificação para as oitavas-de-final da Champions League já veio, Raúl começou a marcar gols e os Mineiros já estão na 10ª colocação, com 6 vitórias e 22 pontos. O Schalke não chega a ser um candidato as vagas européias, mas se conseguir emendar uma série de vitórias, pode sonhar.

Ya Konan é a grande estrela do Hannover

Agora falarei das gratas surpresas que a Bundesliga apresentou. Uma das maiores é o Hannover. Na temporada passada, os vermelhos quase caíram, muito por causa de uma “depressão por Enke”, se reergueram e hoje voltam a lutar pelo título, coisa que não vem desde 1954, quando a competição nem se chamava Bundesliga. O Hannover tem apresentado bons valores dentro de campo, como o defensor Schulz, o volante Schmiedebach, além do costa marfinense, um dos melhores atacantes do primeiro turno, Ya Konan. O Hannover está na 4ª colocação, com 31 pontos, lutando para voltar a uma competição européia. Basta saber se terá fôlego.

Outra surpresa é o Freiburg, os Brasileiros de Breisgau tem um time praticamente inexpressivo na Alemanha, mas vem com bela campanha, na 6ª colocação, com 28 pontos. Assim como o Hannover, o Freiburg tem apresentado bons valores individuais, como o goleiro Baumann, o lateral Bastians, além do artilheiro Papiss Demba Cissé. É curioso ver o Freiburg lá em cima, será mais curioso se eles se manterem lá pelo resto da temporada.

Outra surpresa é o Eintracht Frankfurt, outra das equipes que só conquistou o Campeonato Alemão na era “pré Bundesliga”. Os comandados de Michael Skibbe jogam o já famoso “futebol pragmático”. Dificilmente você verá as Águias botando a bola no chão ao melhor estilo Barcelona, mas é completamente normal vê-los jogarem a bola na área, para que Gekas se vire. Ele pode não ser muito alto (1,79m), mas é brigador e parece ter voltado aos velhos tempos. Ele já foi artilheiro da Bundesliga, na temporada 06/07, com a camisa do Bochum marcando 20 gols, ele passou despercebido por times como Leverkusen, Portsmouth e Hertha Berlin e hoje lidera o ranking dos artilheiros com 14 gols e é o grande xodó da torcida.

Thömas Tuchel: O treinador-torcedor

Para completar a lista das surpresas, não podia ser outra equipe, o Mainz 05, que surpreendeu a tudo e a todos. Começando com nada mais, nada menos que sete vitórias consecutivas e quando esteve a um passo de fazer uma história ainda maior do que já tinha feito, caiu diante do Hamburgo. O time dava a impressão de que iria cair, mas nada disso. Foi só uma quedinha normal, nada que desbancasse os comandados de Thomas Tuchel. O treinador aliás, tem um relacionamento muito bom com a torcida, parecendo inclusive, um torcedor à beira do campo e não um treinador. Tuchel tem em suas mãos garotos bons de bola, como Schürrle, Holtby, Szalai e Allagui. Vejo muita gente torcendo pro Mainz chegar a Champions League, graças ao futebol interessante que a equipe apresenta. Admito: Seria legal ver o Mainz e sua torcida fanática na UCL, mas cabe destacar: Schürrle já está vendido ao Leverkusen e se a ótima campanha se manter, outros jogadores devem sair no fim da temporada.

Agora falamos de um time que não tem nenhum título nacional e sempre é conhecido por ser vice, mas que por estar brigando pelo título, não é considerado surpresa, que é o Bayer Leverkusen. Gostei muito de ver os jogos do Leverkusen. Sempre movimentados, com muitos gols, já que é um time que joga para frente. Seu trio de meias é de alta qualidade (Sam, Renato Augusto e Barnetta). Sam tem jogado muita bola. Mostrando ser muito habilidoso e ter uma finalização das mais precisas. A incerteza do setor ofensivo é o atacante. Helmes, Kiessling e Derdyiok são três bons atacantes, mas que volta e meia se contundem e nunca nenhum deles se firma totalmente. O que deixa os jogos do Leverkusen interessantes é a sua defesa. A equipe sofreu 25 gols. Jupp Heynckes terá tempo de acertar essa defesa para conquistar o título? Não sei. Tem bons nomes na defesa, mas podem surgir nomes melhores.

O renascimento do Dortmund (Witters)

Para fechar as análises, vamos pro líder, que é um time gigante, mas que não deixa de ser uma surpresa: o Borussia Dortmund. O BVB que chegou até a lutar contra o descenso temporadas atrás, tem mostrado ser a equipe mais equilibrada dessa Bundesliga. Tem um grande goleiro, Weidenfeller, uma defesa sólida (Piszczek [Owomoyela], Subotic, Hummels e Schmelzer), tem um volante pensador (Sahin) e um trio de botar respeito na armação (Kagawa, Götze e Grosskreutz), fora o artilheiro Barrios. É um time que apresentou um futebol rápido, vistoso e gostoso de se ver. Foi realmente a melhor equipe do 1º turno, não é à toa que Jurgen Klopp e seus comandados estão na liderança, com dez pontos de vantagem pro vice-líder. É um verdadeiro renascimento do Dortmund. É uma equipe gigante, mas que desde que conquistou a Bundesliga no início do século, declinou muito, hoje tem um time de respeito.

Seleção do Primeiro Turno (Seleção baseada nos jogadores que mais apareceram nas seleções de rodada da revista Kicker e do site da Bundesliga)

Neuer (Schalke); Lahm (Bayern), Hummels (Borussia Dortmund), Fuchs (Mainz) e Schmelzer (Borussia Dortmund); Vidal (Bayer Leverkusen), Sahin (Borussia Dortmund), Kagawa (Borussia Dortmund) e Holtby (Mainz); Ya Konan (Hannover) e Gekas (Frankfurt)