As maiores transferências da história da Ligue 1 – antes dos times milionários

A cada abertura de janela de transferências, há um frisson na Europa sobre qual será a grande investida do Paris Saint-Germain. Fortemente abastecido financeiramente pela Qatar Sports Investiments, o clube da capital francesa já foi capaz de realizar ousadas contratações como as de Edinson Cavani (€ 64 milhões), Ángel Dí Maria (€ 63 milhões) e David Luiz (€ 50 milhões), todos frutos desta ambição parisiense.

Dá para englobar nessa lista ainda o Monaco, do bilionário russo Dmitri Rybolovlev, que investiu € 60 milhões em Falcao García e € 45 milhões em James Rodríguez. Claro, ressalte-se, que ele diminuiu drasticamente os investimentos após algumas polêmicas pessoais.

Mas muitos ainda se perguntam: afinal, antes das injeções de dinheiro em Paris e em Monaco, quais eram as maiores negociações da história do Campeonato Francês? Para sanar essa dúvida, decidi trazer hoje o levantamento das cinco maiores transferências do Francesão… antes dos investimentos milionários de PSG e Monaco. Os dados foram todos extraídos do site Transfermarkt. Confira!

5º – Sonny Anderson – Lyon – € 19 milhões

Sonny Anderson se notabilizou como um dos brasileiros mais bem sucedidos do futebol francês | Foto: Divulgação

Sonny Anderson se notabilizou como um dos brasileiros mais bem sucedidos do futebol francês | Foto: Divulgação

Sem larga carreira no Brasil, Sonny Anderson teve bom desempenho no exterior, especialmente na França. Nos anos 90, fez boas temporadas em Marseille e Monaco, antes de passar dois anos no Barcelona. O nome que construiu em terras gaulesas fez com que o Lyon, já iniciando a era hegemônica do começo da última década, investisse € 19 milhões no brasileiro em 1999/2000. O investimento não se mostrou ruim e Anderson balançou as redes 94 vezes em 165 partidas e ainda participou dos dois primeiros títulos franceses da série de sete do clube. Deixou a equipe em 2003, aos 33 anos, para jogar pelo Villarreal.

No ranking geral, Sonny Anderson é o 24º.

4º – Shabani Nonda – Monaco – € 20 milhões

Nonda fechou a conta no histórico 3x1 sobre o Chelsea | Foto: Panoramic

Nonda fechou a conta no histórico 3×1 sobre o Chelsea | Foto: Panoramic

Depois de duas belas temporadas no Rennes, o congolês Shabani Nonda foi contratado pelo Monaco por € 20 milhões na temporada 2000/2001. Na época, ele veio para suprir a ausência de David Trezeguet, vendido para a Juventus naquele mesmo ano. O ápice do atacante foi em 2002/2003, ano em que o clube do Principado foi vice-campeão europeu. Nonda fez 28 gols em 40 jogos na temporada, inclusive o terceiro na vitória por 3×1 sobre o Chelsea, que colocou o ASM na final da Liga dos Campeões. Deixou o clube ao término da temporada 2004/2005, quando encerrou o contrato, com a sensação de que cumpriu bem o seu papel.

Shabani Nonda é o 23º no nosso ranking.

3º – Yoann Gourcuff – Lyon – € 22 milhões

Gourcuff não venceu as lesões e fracassou no Lyon | Foto: IconSport

Gourcuff não venceu as lesões e fracassou no Lyon | Foto: IconSport

Yoann Gourcuff era um dos pilares do Bordeaux campeão francês de Laurent Blanc, razão que fez com que o Lyon investisse € 22 milhões em sua contratação na temporada 2010/2011. Entre altos e baixos, a vinda do talentoso meia se mostrou um completo fracasso. Tentando vencer as lesões, Gourcuff não conseguiu entrar em campo 30 vezes em três das cinco temporadas no Gerland. Em 30 de junho de 2015, o contrato venceu e o Lyon não renovou.

No nosso ranking, Gourcuff está em 19º lugar.

2º – Lisandro López – Lyon – € 24 milhões

Bons números e a interminável disposição em campo fizeram com que Lisandro conquistasse a torcida do Lyon | Foto: Flash Press

Bons números e a interminável disposição em campo fizeram com que Lisandro conquistasse a torcida do Lyon | Foto: Flash Press

Jogador do ano em Portugal em 2008, onde também foi artilheiro do campeonato nacional com 24 gols, o argentino Lisandro López parou em Lyon por € 24 milhões em 2009. Maior contratação da história do Olympique Lyonnais, Licha, como passou a ser carinhosamente chamado pela torcida, fez valer todo o investimento – diferentemente de Gourcuff. Durante cinco temporadas (quatro completas), fez 82 gols em 168 jogos, sendo o 10º maior artilheiro da história do clube. Deixou o OL na temporada 2013/2014 ovacionado pelo torcedor, que reconheceu o ídolo que foi formado.

No ranking geral, Lisandro está em 18º.

1º – Nicolas Anelka – PSG – € 34,5 milhões

A contratação de Anelka foi um dos atos megalomaníacos de grandeza do PSG antes de se tornar milionário | Foto: Divulgação

A contratação de Anelka foi um dos atos megalomaníacos de grandeza do PSG antes de se tornar milionário | Foto: Divulgação

Revelado pelo Paris Saint-Germain em 1996, Nicolas Anelka retornou a capital francesa quatro anos depois em uma transferência que assombrou a Europa. Com o investimento € 34,5 milhões, o PSG firmou com o atacante, que estava no Real Madrid, um contrato de sete anos em um negócio recorde para o ano 2000. O retorno se mostrou um grande problema. Com dificuldades de relacionamento, Anelka durou somente duas temporadas no clube, com 20 gols em 66 jogos. Em 2002/2003, foi negociado com o Manchester City, por € 20 milhões.

No ranking geral, a negociação envolvendo Anelka e PSG ocupa a 10ª colocação no ranking geral do Campeonato Francês.

Quem completa o top-10?

Jogador Clube Valor Temporada
Lucho Gonzalez Marseille € 19 milhões 2009/2010
Michel Bastos Lyon € 18 milhões 2009/2010
Kader Keita Lyon € 16,8 milhões 2007/2008
Aly Cissokho Lyon € 16,2 milhões 2009/2010
André-Pierre Gignac Marseille € 16 milhões 2010/2011


E na lista geral?

Jogadores Clubes Valores Temporada
Edinson Cavani PSG € 64,5 milhões 2013/2014
Ángel Dí Maria PSG € 63 milhões 2015/2016
David Luiz PSG € 49,5 milhões 2014/2015
James Rodríguez Monaco € 45 milhões 2013/2014
Falcao Monaco € 43 milhões 2013/2014
Thiago Silva PSG € 42 milhões 2012/2013
Javier Pastore PSG € 42 milhões 2011/2012
Julian Draxler PSG € 40 milhões 2016/2017
Lucas PSG € 40 milhões 2012/2013
Nicolas Anelka PSG € 34,5 milhões 2000/2001

Top-5 vendas:

Jogador Clubes envolvidos Valores
James Rodríguez do Monaco para o Real Madrid € 75 milhões
Anthony Martial do Monaco para o Manchester United € 50 milhões
Michy Batshuayi do Marseille para o Chelsea € 39 milhões
Didier Drogba do Marseille para o Chelsea € 38,5 milhões
Michael Essien do Lyon para o Chelsea € 38 milhões

Você pagou com traição, a quem sempre lhe deu a mão (…)

Belo gol de Benzema (Reuters)

Esse velho canto de carnaval se encaixa bem pro jogo entre Lyon e Real Madrid.

Karim Benzema surgiu no Lyon em sua juventude, no ano de 1996. Em 2004 surgiu como profissional e de 112 jogos disputados de 2004 até 2009, ele anotou 43 gols. Virou ídolo na França e no dia 1º de julho de 2009, o Real Madrid pagou 35 milhões de euros por Benzebut e contou com o atacante em seu elenco.

Embora ele não seja uma grande peça do elenco de José Mourinho – Benzema é criticado por todos -, volta e meia ele decide. O jogo de hoje representa esse caso.

Menos de um minuto e um gol (AFP)

Aos 19 minutos do segundo tempo das oitavas de final da Champions League, no jogo Lyon x Real Madrid, José Mourinho sacava o apagado Adebayor e colocava Karim Benzema. Menos de um minuto depois, ele deixava a zaga adversária no chão e tocava com frieza pro fundo das redes de Lloris.

Aí o título se encaixa na história. Ao entrar em campo, Benzema não foi vaiado, hostilizado ou coisa do gênero, e sim aplaudido, como um verdadeiro ídolo. Ou seja, Benzebut “pagou com traição, a torcida que lhe deu a mão”.

Com a penca de dinheiro que veio pro Lyon com a venda de Benzema, Les Gones trouxeram Bafétimbi Gomis, revelação do Saint-Etienne. Dinheiro a princípio bem gasto, pois no jogo de hoje, ele aproveitou toque de cabeça de Cris e mandou pras redes.

Essa foi uma história resumida do jogo de forma de “árvore genealogica” dos fatos, agora vou tentar falar sobre o que vi no jogo.

Na primeira etapa, o Real Madrid decepcionou. Jogou recuado e também via o Lyon apertar a marcação. O time francês começou jogando muito pelo lado direito, mas quando Sérgio Ramos levou um cartão amarelo, o jogo foi invertido pra esquerda. Com o tempo, o ritmo do jogo caiu, o OL só marcava e o Real Madrid tinha uma posse de bola inútil, que não levava a nada. Michel Bastos era muito participativo, mas errava na hora do último toque. Gomis fazia boa partida, saia da área, conseguia usar o corpo e tabelar. No Real Madrid, o trio de meias ia mal. Cristiano Ronaldo e Özil sucumbiam a boa marcação francesa. Dí Maria estava mais preocupado em marcar.

Gomis decisivo (AFP)

Na etapa final, o Real Madrid começou pressionando e logo meteu duas bolas na trave de Lloris. O Lyon estava recuado e não conseguia sair jogando, assim, os Merengues tomaram conta do jogo. Quando Benzema entrou, logo abriu o placar. Özil, que tinha melhorado na 2ª etapa, foi substituído por Marcelo. O Lyon sentiu o gol. Claude Puel trocava a dupla de ponteiros: Delgado e Michel Bastos por Pied e Briand, mas pouca evolução. Benzema seguia bem em campo. Benzebut estava se entendendo bem com Cristiano Ronaldo. Ambos eram as grandes peças pras puxadas de contra-ataque. O Lyon podia não estar desesperado, mas só apostava na bola aérea, assim empatou com Gomis. Ainda na bola aérea, les Gones seguiam criando algumas chances e nada de Real no ataque. Yoann Gourcuff deve ter cansado de jogar bolas na área adversária…Com a bola no pé, ele não fez nada demais.

O 1×1 ficou de bom tamanho pelo que foi o jogo. Muita disputa, lances pegados – só pra constar, Sérgio Ramos tinha de ser expulso após dar uma entrada dura em Cissokho na linha de fundo, lance pra amarelo e ele já tinha cartão – e sua boa dose de emoção.

O resultado é melhor pro Real Madrid, que joga no Santiago Bernabéu pelo 0x0 e com Mourinho no comando, fica difícil imaginar que o time espanhol perca essa vaga. O português, bi-campeão europeu, deve ter a experiência necessária pra transmitir calma e inteligência a seu time. Mas é aquela história da “altitude”… é….a altitude do salto alto do Real. O Lyon terá de se superar. Vai ter de se impor e parar de jogar esse futebolzinho burocrático.

Anelka decidindo pros Blues

Na Dinamarca, o Chelsea espantou a zebra e com boa atuação de Nicolas Anelka, meteu 2×0 no Copenhagen.

O atacante francês fez os dois gols dos Blues, que encaminham a vaga. O jogo foi 2×0, mas o Chelsea poderia ter metido mais “se quisesse”. A equipe londrina perdeu muitos gols. Essa fase chega a ser muito injusta com clubes que tem o calendário como o dinamarquês. Esse jogo de hoje foi o primeiro oficial do Copenhagen na temporada. Times russos e ucranianos que sofriam muito com isso…Faziam uma fase de grupos muito boa, mas no mata-mata, perdiam jogadores e ritmo e acabavam caindo fora.

Resultado excelente pro Chelsea, que vai pra Londres com um 2×0 na bagagem e terá de enfrentar uma equipe inferior que não tem nem três jogos oficiais na temporada, ou seja, só cai se foi incopetente o bastante pra isso.

Drogba voltando aos bons tempos

Drogba voltando a velha forma (Reuters)

O marfinense Drogba é induvidavelmente um dos melhores atacantes do mundo, mas nessa temporada não vive uma fase tão boa assim.

Na temporada 2009/10, Drogba anotou 29 gols na Premier League, mas nessa temporada ele anotou só 9 gols.

Esse número escasso de gols tem uma explicação. Primeiro que o marfinense se machucou e ficou bom tempo fora de combate, segundo que no fim do ano, Drogba contraiu a malária. Ou seja, ficou muito tempo fora de campo e quando atuava, estava meia-boca e apresentava um futebol ruim.

Ora parecia que realmente estava sem ritmo de jogo, finalizando mal e se movimentando pior ainda, ora parecia disperso, tocando pouco na bola e mostrando não ter condições algumas de entrar em campo, tanto até que em certo momento da temporada, Carlo Ancelotti se viu obrigado a colocar Drogba no banco de reservas, e não dava pra reclamar.

Hoje pude assistir com mais atenção a partida Bolton e Chelsea e que mudança! Drogba parece voltar aos velhos tempos.

Se movimentou muito bem, sempre saindo da área pra buscar tabelas e criar jogadas e também voltando a marcar gols. No início do jogo, Drogba saiu da área, aproveitou a falha de Steinsson e acertou um petardo do meio da rua. Mas ele não se limitou a isso. O marfinense continuava a sair da área, buscar jogo, fazer com que a marcação se desdobrasse e em vários momentos se deslocava pra direita, trocando de posição com Anelka.

Nos outros gols do jogo, a participação dele foi mínima, mas é um “mínimo” que não era visto nos outros jogos. Nos dois seguintes gols – anotados por Malouda e Anelka respectivamente -, a sua participação foi chamar a atenção da zaga e disputar a bola, coisa pouca, mas que mostrava um pouco da sua mudança.

Ramires tirou a zica

No quarto gol do Chelsea sobre o Bolton, Drogba até teve uma pequena participação, mas não foi por isso que o gol merece destaque. Numa saída de jogo errada dos donos da casa, o marfinense chegou a participar, ao tocar pra Malouda, que depois serviu Essien que cruzou rasteiro pra finalização de Ramires. Foi o primeiro gol do brasileiro na Premier League e a festa com ele foi intensa. Todos os jogadores foram abraçá-lo, talvés até quebrando a lenda de que no Chelsea ninguém se bica.

Falando no Ramires, ele vinha tendo atuação discreta, subindo pouco ao ataque e cumprindo suas funções defensivas. Essien, volante que jogava ao seu lado, saia mais pro jogo e foi um dos grandes jogadores da partida. Mas na etapa final, desde o 3º gol, o Bolton ficou meio perdido e acabou se desorganizando na defesa, Ramires viu que podia subir mais, foi o que fez e foi recompensado com o gol.

Mas voltando ao assunto principal do blog “Didier Drogba”. Ele pode não ter tido uma atuação de gala como teve em temporadas anteriores, mas sem dúvida alguma, não foi o mesmo Drogba de jogos atrás. Nas partidas anteriores ele parecia aquele “centro-avantão”, que pelo tamanho e peso ficava mais parado, não se entendia com a bola e coisas afins, o de hoje lembra pouco do seu auge, mas sem dúvida dá uma certa animada aos torcedores dos Blues.

Mas agora falando do Chelsea na Premier League, os Blues ficam na 4ª colocação, com 41 pontos, sete atrás do líder, Manchester United, mas não custa lembrar que as duas equipes se enfrentam duas vezes ainda e se Drogba e cia. vencerem os dois confrontos, a vantagem cai pra um mísero ponto, mas também nunca é demais lembrar que os Red Devils estão invictos na competição.

Não vamos esquecer o Bolton. Os comandados de Owen Coyle não estão mais apresentando o futebol do primeiro turno. São cinco tropeços consecutivos, nenhuma vitória em 2011 e a 10ª colocação. Outro número negativo do Bolton é que o último gol que os Trotters marcaram no Chelsea foi em 11 de abril de 2009. Matthew Taylor fez aos 33 minutos da etapa final o terceiro gol de seu time na derrota por 4×3 no Stamford Bridge.

Mas sobre o Drogba, vamos torcer pra que ele volte a velha forma, mesmo sendo melhor ver um Drogba meia-boca do que um Kalou inteiro, hehe

Classificação (Premier League)