O fim da geração 87

O time que prometeu e não vingou | Foto: Reprodução/L’Equipe

Antes mesmo de uma mescla de gerações, composta por Kyllian Mbappé, Thomas Lemar, Benjamin Mendy, Paul Pogba e outros tantos atletas talentosos, encherem os olhos dos franceses e criarem imensas expectativas para um novo título mundial, outro grupo de jogadores de imenso potencial cativou o Velho Continente.

A famosa Geração 1987 apresentou à Europa nomes de peso, como Franck Songo’o, Jérémy Ménez, Samir Nasri, Hatem Ben Arfa e Karim Benzema. Juntos, conquistaram o Campeonato Europeu Sub-17 em 2004, na própria França, com 100% de aproveitamento – cinco jogos, cinco vitórias, 11 gols marcados e apenas três sofridos.

Na grande decisão diante da Espanha, de Gerard Piqué, Cesc Fabregas e Javi García, um cartão de visitas logo no início, com um gol relâmpago de Kévin Constant, após assistência de Ménez, em cruzamento da direita. Os espanhóis buscaram o empate na etapa final, com Piqué, de cabeça – já era uma de suas especialidades na época. Só que aos 34 minutos, Nasri, o responsável por vestir a mística camisa 10, acertou um grandioso chute de fora da área e deu o título aos franceses.

Nasri (D) foi decisivo com o gol do título | Foto: Uefa

Nasri, na época com 16 anos, era um dos mais badalados atletas daquela geração. Habilidoso, inteligente, jogava de cabeça erguida e tinha no pé direito um precioso poder de finalização, capaz de furar as mais pesadas barreiras.

Poucos meses depois de conquistar a Europa ao lado de Benzema, Ménez e Ben Arfa, Nasri estreou como profissional pelo Olympique de Marseille. Na época, a joia do OM era cortejada por clubes da Premier League, como Arsenal, Chelsea e Liverpool.

O destino inglês, como era previsível, aconteceu, só que mais de dez anos depois e já com status de “trintão”, Nasri nunca foi nem metade do que prometeu. Passou por Arsenal e Manchester City, chegou a acumular bons números e desempenho aceitável, mas nada que lhe desse a importância e o peso que aparentemente teria quando surgiu.

Na seleção francesa, acumulou polêmicas extracampo e se aposentou precocemente após ser descartado para a Copa do Mundo de 2014.

Com a chegada de Pep Guardiola ao City na temporada 2016/17, foi escanteado em Manchester, passou uma temporada emprestado no Sevilla (onde ficou marcado por uma imbecil expulsão contra o Leicester, no jogo que marcou a eliminação na Liga dos Campeões) e agora se juntou a Samuel Eto’o e Maicon Bolt no Antalyaspor, disputando o Campeonato Turco.

Aliás, o Antalyaspor foi atrás de outro astro da Geração 87: Jérémy Ménez. Badalado pelas jogadas de velocidade e dos abusados dribles, ele chegou a Turquia em baixa, após ter temporada abaixo da crítica no Bordeaux. Formado no Sochaux, passou ainda por Monaco, Roma, PSG e Milan, em nenhum conseguiu se fixar como um jogador internacional e capaz de desequilibrar jogos.

O único daquele time que atingiu esse status foi Karim Benzema, que deixou o Lyon idolatrado pela torcida e acumula vencedora passagem pelo Real Madrid, onde já tem mais de 200 gols em quase 430 jogos. Sua carreira na seleção só não foi mais concreta por birra de Raymond Domenech e pela polêmica judicial com Mathieu Valbuena. Caso contrário, esse status seria ainda maior.

O grande caso a parte daquela geração é Hatem Ben Arfa. Indiscutivelmente talentoso e com uma capacidade incrível para driblar e criar espaços, mas com um gênio indomável, não houve um lugar onde não tenha arrumado polêmica extracampo. Hoje está encostado no PSG, sem saber para onde irá.

Anos depois, os quatro notáveis da Geração 87 se encontraram na seleção principal | Foto: Reprodução

Mas por que daquele time, apenas esses quatro atletas conseguiram se notabilizar e construir uma carreira, sejam elas sólidas ou não? Philippe Bergeroo, treinador daquela talentosíssima geração, detectou logo o problema por não terem explodido. “Depois do título, os respectivos clubes fizeram com que assinassem um contrato profissional para não os ver ir em outro time. Mas eles não estavam maduros o suficiente para ganhar dinheiro tão cedo e pensaram que tinham chegado lá”.

É uma geração que definitivamente morreu. Benzema é o único ponto fora da curva e que estabeleceu uma carreira mais consolidada. Talvez seja mera coincidência, talvez seja sinal de um grupo de atletas deslumbrados. O fato é que o hiato de novos valores que a França viveu entre a metade da última década e começo dessa tem muito a ver com o fracasso da Geração 1987.

Por onde andam?

Goleiros

Benoit Costil: Titular daquele time, Costil se notabilizou como um dos principais goleiros do futebol francês, especialmente após a carreira construída no Rennes. Porém, apesar dos cortejos de times de outros países, ficou na França e, hoje, aos 30 anos, está na primeira temporada no Bordeaux.

Remy Riou: Formado no Lyon, nunca jogou pelo OL, especialmente por ter surgido na época do excelente Grégory Coupet. Em função disso, rodou por equipes de menor porte e fez carreira no Nantes, onde jogou cinco temporadas. Em 2017/18, migrou para a Turquia e joga no Alanyaspor. Em 2004, foi reserva de Costil e não entrou em campo.

Defensores

Thomas Mangani: Titular em toda campanha, Mangani atuou por algumas temporadas no Monaco, clube que o formou, mas esteve entre os titulares quando a equipe foi rebaixada a Ligue 2 em 2011. Desde então, vem rodando por alguns clubes e, atualmente, está no Angers desde 2015.

Maxime Josse: Lateral-direito titular, Josse, hoje com 30 anos, foi um dos que teve carreira mais alternativa. No mesmo ano em que conquistou a Europa pela França, debutou entre os profissionais do Sochaux, onde jogou até 2011 (com rápidos empréstimos a Brest e Angers), só que desde que deixou os Lionceaux jogou na Bulgária, Israel, Grécia e Finlândia. Hoje defende o CA Bastia, clube da quarta divisão francesa.

Karim El Mourabet: Ele era zagueiro titular em 2004 e atuou por cinco anos no Nantes, clube que o formou, e teve um rápido empréstimo no Laval. Neste meio tempo, optou por defender a seleção marroquina e jogou um amistoso por Marrocos, e foi exatamente lá onde deu sequência à carreira jogando por Rabat e Safi (clube onde está até hoje). Antes disso, jogou dois anos no time B do Lille, que joga torneios amadores na França.

Steven Thicot: Assim como El Mourabet, Ticot, que foi capitão do time em 2004, é formado no Nantes. Nos Canários, porém, sequer atuou profissionalmente e debutou apenas no Sedan, em um curto período de empréstimo. Depois disso, virou uma espécie de nômade da bola. Jogou na Escócia, pelo Hibernian, na Romênia, pelo Dínamo Bucareste, e em Portugal por Naval, Belenenses e Tondela. Nesta temporada, acertou com o AEL Larissa, da Grécia.

Irélé Apo: A conquista de 2004 foi a única grande glória da carreira de Apo, mesmo sem ter entrado em campo, isso porque sequer jogou pelo Auxerre, clube que o formou, e ainda passou discretamente por Evian, Nantes e Carquefou. O registro mais recente que encontrei dava conta de que ele defendia o FC Chauray, da quinta divisão francesa, mas o site do clube já não indica a presença dele no elenco.

Serge Akakpo: O zagueiro, que fez apenas um jogo em 2004, é outro que foi parar na Turquia, mas teve carreira bem alternativa. No Auxerre, clube formador, jogou poucas partidas e depois trilhou por clubes da Romênia, Eslovênia, Eslováquia, Ucrânia e está desde 2015 no país turco – começou pelo 1461 Trabzon, passou pelo Trabzonspor e hoje veste a camisa do Gaziantep. Apesar de ter defendido as seleções sub-17 e sub-19 da França, optou pela segunda nacionalidade e desde 2008 veste a camisa de Togo, onde jogou duas Copas Africanas.

Kevin Constant: Lateral-esquerdo e autor do primeiro gol da grande decisão, Constant jogou poucas partidas pelo Toulouse, clube que o formou, e depois jogou no Chateauroux, passando a rodar no futebol italiano, onde defendeu o Milan, inclusive. Nesta temporada, é jogador do Sion, da Suíça. Bom frisar que Constant é mais um caso de atleta que optou por defender outra seleção: desde 2007, defende Guiné.

Meio-campistas:

Franck Songo’o: O filho do goleiro camaronês Jacques Songo’o, badalado por ter passado por La Masia ao lado de Lionel Messi, Gerard Piqué e Cesc Fabregas, jogou todas as cinco partidas, mas acabou sendo um andarilho da bola. Debutou como profissional em 2005, no Portsmouth (já havia passado por Metz, La Coruña e Barcelona na base) e depois foi emprestado a Bournemouth, Preston, Crystal Palace e Sheffield Wednesday. O melhor momento da carreira foi entre 2008 e 2010, onde jogou constantemente pelo Zaragoza e chegou a ser convocado para a seleção camaronesa. Desde 2010, porém, passou por Real Sociedad, Albacete, foi para os EUA defender o Portland Timbers e ainda jogou na Grécia por Glyfada e PAS Giannina – este foi, em 2014, o último clube o qual encontrei registros dele.

Pierre Ducasse: Formado no Bordeaux, foi volante titular na campanha e é mais um que não viu a carreira decolar. Nos Girondins, atuou regularmente, mas sem tanto prestígio, entre 2005 e 2011. Neste meio tempo, passou um ano emprestado ao Lorient. Já entre 2011 e 2014, defendeu o Lens e esteve no Boulogne entre 2015 e 2017. Nesta temporada, veste a camisa do Stade Bordelais, da quarta divisão nacional.

Stéphane Marseille: Esse atleta, que jogou três partidas na campanha, talvez tenha tido a história mais trágica. Marseille foi formado no Stade de Reims na época em que o clube tentava se remontar depois de se tornar amador nos anos 90, mas teve escassas oportunidades. Decidiu, então, migrar para o Nancy, onde não jogou e retornou ao Reims, onde novamente não entrou em campo. O meio-campista partiu para o futebol amador até 2012, quando decidiu se dedicar a família. Em 2015, retornou ao futebol amador, mas uma grave lesão no tendão de Aquiles fez com que abandonasse a carreira efetivamente.

Ahmed Yahiaou: O franco argelino não teve metade do status de Nasri ou Ben Arfa, mas o desempenho fora das quatro linhas foi similar. No Marseille, clube onde foi formado, foi dispensado após se atrasar a um treinamento. Em seguida, defendeu o Istres, na Ligue 2, e partiu para o Sion, onde foi demitido após viajar para a França para realizar exames médicos e nunca mais voltar. A partir daí virou um cigano da bola, migrando entre times amadores da França e profissionais da Argélia. O último registro encontrado dele foi no FC Martigues, clube amador francês, em 2015.

Jean-Christophe Cesto: Com apenas uma partida no torneio europeu, Cesto foi outro a ter carreira, de certa forma, trágica. Formado no Nantes, viu suas chances se esvaírem no clube após ter detectado um problema cardíaco em 2005. Após se recuperar, recomeçou do zero nas ligas amadoras e conseguiu um espaço no Bastia, então na segunda divisão, onde teve passagem discreta. Com a decepção no profissional, construiu carreira no futebol amador.

*Os atacantes eram os já citados Karim Benzema, Jérémy Ménez e Hatem Ben Arfa;

Anúncios

Os flops da temporada francesa

Há duas semanas, trouxe os destaques da temporada 2016/2017 do Campeonato Francês. Só que o ano não teve somente gente se dando bem, gritando “é campeão”, fazendo gols bonitos e encantando os amantes do bom futebol. Tivemos também aqueles que prometeram muito e cumpriram pouco dentro de campo.

Após um período de certa triagem nos escolhidos e até conversas com os colegas de Le Podcast du Foot, fechei a lista e, hoje, trago cinco desses nomes que, como dizem no popular futebolístico, floparam na temporada – ou que pelo menos frustraram qualquer expectativa positiva. Reconheço que a maior parte da lista vem do Paris Saint-Germain, que viu a sequência de conquistar nacionais sendo quebrada, mas dá uma boa discussão.

Sem mais enrolações, vamos aos nomes:

5 – Jesé e Krychowiak

Vindos do futebol espanhol, Jesé e Krychowiak não renderam em Paris | Foto: Geoffroy van der Hasselt/AFP/Getty Images

Só em Jesé Rodríguez e Grzegorz Krychowiak, o Paris Saint-Germain investiu € 58 milhões. É uma grana federal que comprova a inflação do mercado de jogadores, convenhamos. Ambos estão entre as 15 mais caras contratações da história do clube e até custaram mais que nomes importantes da história recente do clube, como Zlatan Ibrahimovic e Marco Verratti.

Uma temporada depois de fazer esse investimento, a sensação é de desolação. Jesé fez apenas nove jogos e anotou um gol na Ligue 1. Na metade da temporada, foi emprestado ao Las Palmas e saiu sem deixar saudades. Hoje, ele é tratado como um problema a ser resolvido internamente. Como firmou contrato de cinco anos, voltará a Paris, mas a contragosto. Em recente entrevista à Rádio Cadena Ser, na Espanha, ele disse que não gostaria de retornar por causa das poucas chances que recebeu. Já Nasser Al-Khelaifi, presidente do clube, disse em dezembro do último ano que errou ao trazer o espanhol. Pepino a vista sobre a situação do atleta.

Já Krychowiak, contratado com o status de peça de confiança de Unai Emery dos tempos de Sevilla, jogou apenas 11 vezes na competição. No meio da temporada, o polonês chegou a jogar no time B por perceber que não tinha espaço na equipe principal. A paciência com ele acabou na reta final e o último jogo que fez foi no dia 12 de março, pela 29ª rodada, na vitória por 2 a 1 sobre o Nancy. Com contrato até 2021, é outro problema a ser contornado em Paris.

4 – Jérémy Ménez

Apesar da decepção, a diretoria do Bordeaux ainda aposta em Ménez | Foto: AFP

Voltando ao futebol francês após duas temporadas no Milan, Jérémy Ménez custou a singela bagatela de € 9,5 milhões ao Bordeaux, segunda maior contratação da história do clube. Dentro de campo, porém, o retorno não aconteceu nesta edição da Ligue 1. Foram 26 jogos (somente sete por 90 minutos), três gols marcados e duas assistências.

Ménez, que almejava retornar à seleção francesa após quatro anos, vê agora essa meta cada vez mais distante. Já com 30 anos e vindo de uma temporada bastante baixa, ele ainda observa nomes talentosos explodirem, com Ousmane Dembélé e Kyllian Mbappé. Hoje está claro que é preciso ir passo a passo e, primeiro, retomar bom futebol dentro do Bordeaux, que não quer se desfazer do alto investimento feito no começo da temporada.

3 – Torcida do Bastia

O ápice das confusões da torcida do Bastia foi contra o Lyon | Foto: OLWeb

Nenhuma torcida incomodou tanto na França quanto a do Bastia. No hall de confusões dos corsos, uma tentativa de agressão ao brasileiro Lucas, do PSG, durante uma cobrança de escanteio, insultos racistas a Mario Balotelli, do Nice, além das cenas de guerra campal com os jogadores do Lyon, fazendo a partida ser suspensa após 45 minutos de bola rolando. As imagens rodaram o mundo e mancharam ainda mais o status de um time que teve a pior campanha entre os 20 times da Ligue 1.

Para quem quiser entender mais a origem desses acontecimentos, que muito tem a ver com a tumultuada região da Córsega, o assunto esteve em debate na edição #63 de Le Podcast du Foot, quando, inclusive, recebemos o correspondendo do Lucarne Opposée no Brasil, Simon Balacheff.

2 – Ben Arfa

Ben Arfa clamou por uma oportunidade em Paris | Foto: C. Gavelle/PSG

Depois de uma temporada acima da média no Nice (com 17 gols e seis assistências), Hatem Ben Arfa parecia ter afastado o status de “garoto-problema” e investir € 10 milhões nele parecia ser um bom negócio. Mero engano – pior para o PSG, que ficou com a batata quente em mãos.

O retorno em campo foi mínimo, com míseros quatro gols e uma assistência (disso tudo, apenas a assistência foi na Ligue 1). Internamente, Ben Arfa era duramente questionado pela falta de empenho nos treinamentos e teria chegado a ouvir de Emery a frase “você não é Messi”.

Não bastasse isso, o atleta externou a insatisfação com a reserva. Na reta final da temporada, publicou um vídeo onde suplicou por uma chance. Disse que não queria jogar em uma posição específica ou algo semelhante, apenas queria uma oportunidade.

Apesar da iminente chance de saída, ele começou o mês de junho dizendo querer ficar em Paris. No Instagram, o atacante publicou um vídeo treinando em uma praia, com a trilha sonora de “Only God Can Judge Me” (Só Deus pode me julgar), de Tupac, e encerrou com o recado “nos vemos em julho”. Resta vez se Emery vai passar a mão na cabeça dele desta vez.

1 – Unai Emery

Emery veio com a meta de fazer o PSG jogar mais… e até agora, não cumpriu | Foto: C. Gavelle/PSG

Não gosto da expressão “obrigação” para títulos, mas ao chegar em Paris, Unai Emery precisava fazer o PSG render mais e dar o passo adiante que não deu com Laurent Blanc – que apesar dos 11 títulos em três temporadas, era cobrado por participações mais convincentes no cenário europeu. Além disso, Emery teve a chance de trazer alguns jogadores que desejava, como os já citados Krychowiak e Ben Arfa, além de Julian Draxler.

O que se viu dentro de campo, porém, foi um rendimento menor do que nos tempos de Blanc. Sem inspiração, lento em transições e nas combinações ofensivas, o PSG de Emery fez força para ganhar jogos que ganhava facilmente em anos passados. A perda do título francês para o Monaco foi puro reflexo de um time que foi sombra de um adversário com menos recursos financeiros, mas que ampliou as capacidades técnicas.

Somado a isso, veio o fracasso diante do Barcelona na Liga dos Campeões e a péssima gestão de elenco, constatada nas mais variadas notícias de insatisfações e cobranças externas dos atletas.

Apesar disso tudo, Emery vai continuar no PSG para a próxima temporada, mas cada vez mais pressionado a fazer o time jogar para salvar a própria pele – e do presidente Nasser Al-Khelaifi.

——————————

E aí? O que achou da lista? Dê sua opinião e amplie o debate!

Chegada de Draxler “acorda” concorrentes de posição

Draxler já tem dois gols em três jogos pelo PSG | Foto: C. Gavelle/PSG

Draxler já tem dois gols em três jogos pelo PSG | Foto: C. Gavelle/PSG

O alemão Julian Draxler foi uma das cartadas do Paris Saint-Germain na janela de inverno. Unai Emery precisava ter em seu elenco alguém capaz de articular o jogo pelo lado do campo, compondo ainda a faixa central com a bola, e foi direto ao Wolfsburg buscar o atleta por € 40 milhões. Javier Pastore era um dos que poderia compor esta função, mas as lesões estão sendo um obstáculo para o argentino, que fez poucos mais de 20 jogos desde a temporada 2015/2016, enquanto o compatriota Ángel Dí Maria tem desempenho abaixo da crítica.

Draxler já começou a mostrar a que veio e já tem dois gols marcados em três jogos (174 minutos). No 4-3-3 de Emery, o alemão vem atuando pelo flanco esquerdo na linha ofensiva. O técnico espanhol forma o ataque com Lucas pela direita e Edinson Cavani pelo centro, além do germânico pela canhota.

Desenho tático do setor ofensivo parisiense com Draxler | Foto: Football User

Desenho tático do setor ofensivo parisiense com Draxler | Foto: Football User

Nesse começo, Dí Maria foi desbancado. Na primeira temporada em Paris, após ser contratado junto ao Manchester United por € 50 milhões, o argentino até teve desempenho destacado, com 15 gols e 25 assistências (dez gols e 18 assistências na Ligue 1), mas tem sido uma negação em 2016/2017. Em 26 partidas, fez seis gols e deu nove assistências. No Campeonato Francês, porém, onde o PSG passa apuros com Monaco e Nice, balançou as redes somente uma vez e deu cinco passes para gol.

O interessante disso tudo é que a chegada de Draxler, de certa forma, deu uma animada no argentino e em outros concorrentes. O canal Infosport+ trouxe no Twitter um dado interessante nesta semana: desde a chegada do meia alemão, Dí Maria fez três gols e deu duas assistências, enquanto Lucas, que vem sendo titular, fez um e deu três passes para tentos.

Lucas e Dí Maria precisaram agir após a chegada do alemão | Arte: Infosport+

Lucas e Dí Maria precisaram agir após a chegada do alemão | Arte: Infosport+

O próprio Hatem Ben Arfa pode ser enquadrado na lista. Por mais que tenha ainda apenas um gol na temporada (exatamente no primeiro jogo, na Supercopa da França), o winger de 29 anos deu duas assistências na goleada por 7×0 sobre o Bastia, na Copa da França, jogo de estreia de Draxler com a camisa azul de Paris.

É inegável que a contratação do alemão serviu para tirar muita gente da zona de conforto dentro do PSG. Ou alguém acredita que Ben Arfa não esteja com uma pulga atrás da orelha? Ou que o próprio Lucas não esteja preocupado ao ver um Dí Maria no banco? O argentino, aliás, é o caso mais emblemático deste novo cenário parisiense. Caso queira manter-se em alto nível, precisará encarar a concorrência, retomar o bom futebol e tornar-se importante para Emery no restante da temporada. Caso contrário, terá de tomar outro rumo – e pode ser a China.

Gonçalo Guedes

Guedes chegou a Paris querendo repetir os feitos de Pauleta | Foto: PSG

Guedes chegou a Paris querendo repetir os feitos de Pauleta | Foto: PSG

Para embaralhar ainda mais as cartas no setor ofensivo do PSG, o clube francês confirmou nesta semana a chegada de Gonçalo Guedes. O atacante de 20 anos, revelação portuguesa do Benfica, foi contratado por € 30 milhões, com vínculo até 2021.

O lusitano começou a carreira atuando aberto pela direita, mas nesta temporada tem jogado preferencialmente como centroavante. Ele chega à Paris para ser uma opção a Cavani, que vive fase esplendorosa em Paris (são 26 gols em 26 jogos).

Na chegada ao clube, Guedes projetou um caminho de sucesso e até citou o compatriota Pedro Miguel Pauleta, segundo maior artilheiro da história do clube com 109 gols (Cavani já igualou a marca com dois tentos sobre o Bordeaux, na Copa da Liga, na última terça-feira, dia 24).

“Sei que Pauleta foi muito apreciado pelos torcedores parisienses. Espero me sair tão bem e ser, um dia, tão popular quanto ele”, Gonçalo Guedes

Currículo para obter tal status não falta. O ESPN FC elencou cinco coisas a se saber de Gonçalo Guedes e algumas delas me chamaram a atenção, como o talento observado já desde os cinco anos de idade, a preferência pelo estilo mais reservado, sem tatuagens ou joias, mostrando não se deslumbrar com a fama, além das comparações com Cristiano Ronaldo desde a base do Benfica.

Apesar de não poder jogar a Champions League por já ter disputado o torneio pelo Benfica, Guedes é a peça que faltava no elenco de Emery. Caso haja qualquer problema com o uruguaio, o técnico parisiense vem sendo obrigado a improvisar na função, utilizado um centroavante mais móvel, de característica bastante diferente a de Cavani. O português supre essa necessidade.

Além disso, o português passa a ser uma opção para o futuro. El Pistolero completará 30 anos em fevereiro e chega num momento decisivo na carreira. Pode escolher ficar em Paris enquanto for competitivo, buscar novos objetivos em outra liga (como aconteceu com o sueco Zlatan Ibrahimović) ou até mesmo encher o bolso de dinheiro nos mercados periféricos da Ásia e do Mundo Árabe. Independente de qual for a decisão, o PSG terá Guedes preparado para substitui-lo.

Quando a casa faz diferença

Foto: F3 Côte d'Azur

Foto: F3 Côte d’Azur

Trocar de casa deve ser uma atividade meio estressante. Eu, particularmente, moro na mesma casa desde que nasci, mas conheço uma dezena de pessoas que tiveram de se mudar e passaram maus bocados até se adaptarem completamente. Uma hora é um hábito que não pode ser repetido, em outra é o vizinho que é mais chato que os anteriores. Enfim, quando não é uma coisa, é outra. No futebol, há um caso assim.

O tradicional Nice, quatro vezes campeão francês, jogou de 1927 a 2013 no simpático Stade du Ray e atualmente manda suas partidas na moderna Allianz Riviera. O time rubro-negro deixou um estádio antigo e que poderia receber pouco mais de 18 mil pessoas para uma atrativa arena, capaz de receber 35 mil pessoas e que ainda será palco da Eurocopa de 2016. Em outras palavras, o clube trocou um casebre por uma super casa, com tudo que você pode imaginar.

Que coisa boa, não?! Pro Nice, não foi tão bom assim.

Foto: OGC Nice

Foto: OGC Nice

Na última temporada em que jogou no Stade du Ray, o time do sudeste da França teve o melhor desempenho do século, terminando na 4ª colocação, com 64 pontos. Ao todo, o Nice somou 38 pontos jogando em casa, sendo o quarto melhor mandante da temporada 2012/2013. Dos 57 gols, 35 foram no acanhado estádio. Na mesma época, emendou dez jogos invictos em casa – incluindo seis vitórias seguidas. Foram quase seis meses até ser derrotado em seus domínios.

Ao término da temporada, o Nice sustentou uma média de público de 10.246 pessoas, média aceitável, se levarmos em conta a capacidade do Stade du Ray – considerando a média, o estádio ficava 54,8% ocupado.

Foto: Instagram Oficial/Allianz Riviera

Foto: Instagram Oficial/Allianz Riviera

Na temporada seguinte, veio a Allianz Riviera e o Nice demorou a se encontrar. O time que surpreendeu e terminou em quarto em 2012/2013, ficou em 17º com 42 pontos, à beira da zona de rebaixamento.

A campanha em casa até ajudou bastante. Na moderna arena, somou 32 pontos e repetiu as dez vitórias como mandante, mas viu o número de derrotas mais que dobrar: de três para sete. O Nice foi uma das equipes que mais perdeu em casa na temporada 2013/2014, empatado com o Guingamp e a frente apenas de Nantes, com oito, e dos rebaixados Valenciennes e Ajaccio, com dez.

Pior ainda foi o ataque, que foi às redes em casa apenas 22 vezes. Os mesmos Valenciennes e Ajaccio, rebaixados, fizeram mais. Esse desempenho ficou retratado com a queda de produtividade do atacante argentino Darío Cvitanich. Artilheiro do time na temporada 2012/2013 com 19 gols, ele sucumbiu junto com a equipe no ano seguinte e marcou apenas oito tentos. Ele ficou, inclusive, quatro meses sem fazer um golzinho sequer.

Fase negra

Mas a primeira temporada do Nice na Allianz Riviera não foi tão ruim assim, se olharmos mais atentamente aos números. Apesar de ter ficado pertinho da zona de rebaixamento, o time conquistou a maior parte dos pontos em casa, teve a oitava melhor campanha entre os mandantes e somou as mesmas dez vitórias em casa da temporada anterior. Além disso, a média de público não foi ruim: 24.186 pessoas, ou seja, 67,8% do estádio ocupado. O Nice teve a sétima melhor média de público da temporada.

Foto: Maxppp

Foto: Maxppp

O que poucos imaginavam é que, em 2014/2015, tudo isso ruiria. Apesar da campanha razoavelmente melhor – 11º lugar, com 48 pontos –, o time teve média de público de apenas 19.309, apenas 54,2% do estádio ocupado, porcentagem menor do que no último ano no Stade du Ray. Equipes como Rennes e Bordeaux, com estádios menores, tiveram médias maiores na última temporada.

O torcedor não tinha a mínima confiança na equipe treinada por Claude Puel, não à toa, em 12 jogos não havia nem 20 mil torcedores – em três, tinha pouco mais que 15 mil.

O abandono do torcedor foi refletido em campo. O Nice teve o quinto pior desempenho como mandante entre os 20 times do Campeonato Francês. Em 19 jogos, seis vitórias, seis empates e sete derrotas. Em duas oportunidades, emendou seis jogos seguidos sem vencer em casa e o máximo de vitórias que engatou foram duas.

Em meio a tudo isso, uma investigação busca apurar possíveis irregularidades na parceria público-privada, responsável pela construção do estádio. A Allianz Riviera é gerida pelo Grupo Vinci e por empresas locais. O estádio custou 243,5 milhões de euros, incluindo 69 milhões de verba pública. O caso segue em investigação.

O que esperar?

Foto: OGC Nice

Foto: OGC Nice

Nesta sexta-feira, dia 7, começa a temporada 2014/2015 e o que podemos esperar do Nice? O time do sudeste francês logo de cara terá um clássico contra o Monaco, na Allianz Rivieira, no sábado, dia 8.

Para a temporada, o Nice perdeu três jogadores importantes: o volante e capitão Didier Digard, que estava desde 2011 no clube e fez mais de 160 partidas na equipe, não renovou contrato e se transferiu para o Bétis, da Espanha. Na última temporada, já havia jogado pouco e não era um jogador fora dos planos do técnico Claude Puel; o winger Eric Bautheac também deixou o clube e foi vendido ao Lille por 2,4 milhões de euros. Na última edição do Campeonato Francês, foram oito gols e seis assistências; a perda mais sentida foi do lateral-esquerdo Jordan Amavi, de 21 anos. Presença frequente nas seleções de base da França, ele foi vendido ao Aston Villa por 11 milhões de euros, terceira maior venda da história do clube.

Nas contratações, o clube foi econômico e apostou nos desconhecidos Jean Michäel Seri, marfinense que veio do Paços Ferreira, por 1 milhão de euros, e em Maxime Le Marchand, contratado junto ao Le Havre por 600 mil euros. Outro jogador contratado foi o atacante Valere Germain, que estava sem espaço no Monaco e chega por empréstimo.

Foto: OGC Nice

Foto: OGC Nice

Por fim, o Nice aposta suas fichas em Hatem Ben Arfa (AQUELE!). Aos 28 anos, ele retorna à França para tentar retomar o bom futebol. Após imbróglio judicial, que o impediu de jogar pelo time no começo do ano, ele agora volta após quase um ano sem jogar oficialmente – o último jogo foi em 29 de novembro de 2014, ainda pelo Hull City.

Na pré-temporada, foram seis jogos, com quatro vitórias, um empate e uma derrota. Entre os resultados, alguns interessantes, como o 4×0 sobre o Galatasaray – turcos com Sneijder, Podolski e companhia limitada – e o 3×2 sobre o Napoli. Nos seis testes, destaques para Germain e Plea, artilheiros do time com quatro e três gols, respectivamente.

Vale citar que o Nice está com uma linha de frente interessante. Germain pode não ser o melhor centroavante do mundo, mas é eficiente e conhece o ótimo Valentin Eysseric. Os dois jogaram juntos no Monaco, quando o time estava na segunda divisão, e formaram interessante dupla em 2011/2012. Essa dupla somada a Ben Arfa pode fazer algo diferente – claro, o meia precisa ter a cabeça no lugar.

Além disso, o Nice possui uma base sólida, com poucas perdas nos últimos anos. O elenco está nas mãos de Claude Puel, que ainda tem a disposição uma das melhores academias de jogadores do futebol francês. Um novo 4º lugar e um retorno para as copas europeias é inviável, mas uma campanha digna é o objetivo possível do time para esta temporada.

TOP 7: As decepções da Euro

Muitos jogadores de futebol vivem de “momentos”. Em tal “momento” estão bem, em tal “momento” estão mal e por aí vai. Na etapa onde vivem o auge, os atletas tendem a achar que se manterão neste estágio ou evoluirão. Porém, nos momentos onde devem provar que vivem grandes “momentos”, esses jogadores decepcionam e fraquejam quando suas ações mais são necessárias.

Não foi diferente na UEFA Euro 2012. Alguns jogadores prometiam demais para a competição, mas não conseguiram corresponder a todas as expectativas e deixaram o torneio com uma pequena mancha em suas carreiras.

Confira abaixo, os sete jogadores que mais decepcionaram na Eurocopa:

Ben Arfa é mais um francês com histórico de indisciplina

7 – Hatem Ben-Arfa (França)

Uma das surpresas de Laurent Blanc na lista prévia para o torneio, Hatem Ben-Arfa teve premiada sua grande temporada pelo Newcastle com uma convocação para a fase decisiva da Euro. Com um lugar vago no setor ofensivo do time, ele possuía boas chances de ser o titular. Embora tenha estreado bem, a revelação do Lyon perdeu moral com o desrespeito a Blanc no confronto diante da Suécia. Ele atendeu o celular no vestiário e foi repreendido pelo técnico. Ainda assim, bateu boca com Blanc por uma substituição, dizendo que muitos jogaram menos que ele e permaneciam titulares. Sua rebeldia pode custar uma suspensão da FFF, além da moral já perdida com essa crise.

6 – Christian Eriksen (Dinamarca)

Grande aposta do futebol dinamarquês para o futuro, Christian Eriksen não conseguiu ser a “cabeça pensante” do meio campo de sua seleção. Principal jogador do Ajax campeão holandês da última temporada, o armador teve atuações pra lá de apagadas e deixou uma impressão ruim após o torneio. Eriksen tem apenas 20 anos e a Euro 2012 fez parte de seu amadurecimento, mas ele tem construído um histórico preocupante de sumiços em jogos importantes.

5 – Lukasz Piszczek (Polônia)

Após duas temporadas de destaque no bicampeão alemão, Borussia Dortmund, o polonês Lukasz Piszczek já desperta as atenções de várias equipes do Velho Continente, porém, deve ter decepcionado quem foi ao torneio só para vê-lo jogar. Esforçado na marcação e preciso nos cruzamentos, o lateral-direito se tornou, na Eurocopa, uma avenida na defesa e uma peça improdutiva no ataque. Suas atuações apagadas ajudam a justificar a precoce eliminação polonesa.

4 – Franck Ribéry (França)

Após temporada muito boa pelo Bayern, Franck Ribéry chegava, juntamente com Benzema, como a grande esperança para a França na Eurocopa. Porém, diferentemente do que se imaginava, a dupla não esteve em sintonia e o jogador bávaro pouco produziu. Aparentemente perdido em uma “ilha” no lado esquerdo, Ribéry corria, corria e corria, mas não saia do lugar. O francês é um dos que começa a alimentar a fama de “pipoqueiro”, embora eu discorde dela.

Robben segue tropeçando

3 – Arjen Robben (Holanda)

Arjen Robben fez uma temporada muito boa pelo Bayern, mas desandou no final, ao perder dois pênaltis decisivos para os bávaros. O holandês poderia ter encerrado bem a temporada na UEFA Euro, porém, manteve o embalo ruim na competição. Assim como seu parceiro, Ribéry, Robben parecia estar isolado na beirada do campo e não produziu nada, nem mesmo a tradicional jogada do corte pro pé esquerdo funcionou. Foi um dos que afundou junto com a barca holandesa na Eurocopa.

2 – Karim Benzema (França)

A camisa 10 da França já foi de Michel Platini e Zinedine Zidane. Em 2012, ela pertenceu a Karim Benzema e, obviamente, todos depositavam muita confiança no atacante do Real Madrid. Quem fez isso, se decepcionou. Autor de 18 finalizações no torneio inteiro, Benzema não fez nenhum gol e ainda caracterizou-se por jogar mais fora da área do que dentro dela. Embora tenha sido um dos mais esforçados da França, não fez o que era esperado de si: gols.

Artilheiro da Premier League, van Persie fez apenas um gol na Euro

1 – Robin van Persie (Holanda)

Artilheiro da badalada Premier League, o holandês Robin van Persie sofria com a sombra do goleador máximo da Bundesliga, Huntelaar. Ainda assim, Bert van Marwijck e os torcedores da Laranja depositavam enormes esperanças no atacante do Arsenal. Com treze finalizações e um mísero gol nos três jogos que participou, RvP é apontado, por este blogueiro que vos fala, como a grande decepção da Eurocopa. Poderia ter ajudado muito mais a sua seleção, mas não foi capaz e sucumbiu ainda na fase inicial.

*Crédito das imagens: Presse Sports, AFP e Getty Images

Atestado de óbito

Cissé deixa o Frreiburg, que agora fica sem referência no ataque (DPA)

A Bundesliga só retorna na sexta-feira (20), mas esse início de semana já parece anunciar o caminho do Freiburg: o rebaixamento!

O clube da Floresta Negra teve praticamente seu atestado de óbito oficializado após vender Papiss Demba Cissé, seu principal jogador, para o Newcastle, por 10 milhões de euros.

O time do Freiburg é muito fraco. Na última temporada, Robin Dutt conseguiu tirar leite de pedra e formar uma equipe consistente na defesa e eficaz no ataque. Mas essa eficácia só era efetuada por causa da presença de Cissé na frente. Jogando de forma “pragmática”, o Freiburg conseguiu um honroso 9º lugar, longe da zona de rebaixamento e em alguns momentos, até brigou por vaga na Liga Europa. Cissé foi o grande nome do time, tendo marcado 22 gols na campanha.

Robin Dutt se transferiu pro Leverkusen e Marcus Sorg chegara tentando dar uma nova cara ao time do Freiburg. Pois é, ele conseguiu: de time arrumadinho, a equipe da ensolarada região de Breisgau mudou para fraco na defesa, lento e improdutivo no meio-campo e ultra-dependente de Cissé. Recebendo somente tijolos – não que fosse muito diferente na temporada 2010/11, mas o conjunto contribuía – o senegalês conseguiu anotar nove gols na primeira metade de temporada.

A sua venda para o futebol inglês era completamente previsível. O Freiburg não faria outra ótima campanha como ano passado… Mesmo que Dutt permanecesse, era quase impossível que o feito se repetisse. Para somar com esse pouca perspectiva de crescimento, Cissé poderia ver que o time tem um dos orçamentos mais baixos da Bundesliga, ou seja, ora ou outra ele seria vendido. Só que para mim, isto aconteceu na hora errada.

Se era pra perder Cissé, não era melhor tê-lo vendido antes do início da temporada? Times como Bayer Leverkusen e até Bayern de Munich estavam de olho no atacante. Quem sabe até o Freiburg conseguiria vendê-lo por algo maior que 10 milhões de euros. Com essa grana, obviamente não daria pra montar um elenco forte, mas jogadores bons e baratos poderiam ser catados e uma base “de meio de tabela” poderia ser montada.

No atual estágio da temporada, o Freiburg está afundado na lanterna da Bundesliga, com um elenco fraco, contratações ruins, trocas de técnico – Marcus Sorg foi demitido e Christian Streich, então auxiliar-técnico, assume o time – e sem seu grande jogador. É queda (quase) certa!

O destino do Freiburg já parece traçado: o descenso. A venda de Cissé poderia ter sido antecipada, para uma melhor organização de seu elenco assim ser feita. Mas nada disso foi realizado! O senegalês permaneceu, o elenco não foi reforçado, pro lugar de Dutt veio um técnico fraco e no meio da temporada, o time de Breisgau precisa se reinventar se quiser continuar na primeira divisão alemã.

Os fãs do Freiburg precisam torcer para que os 10 milhões de euros conseguidos na venda de Cissé sejam bem gastos…

NOVA VIDA NA INGLATERRA

Cissé já foi apresentado no Newcastle (nufc.co.uk)

Demba Ba tem feito um sucesso enorme na Inglaterra. Desde que chegou ao West Ham e posteriormente ao Newcastle, tem feito gols atrás de gols. Mas admito que sempre achei Papiss Cissé melhor do que o ex-atacante do Hoffenheim. Não me surpreenderia se Ba, do nada, entrasse em uma seca de gols. Mas acho que a diretoria dos Magpies não tirou Cissé do Freiburg com a intenção de substituir o artilheiro do time em um eventual momento ruim, e sim de trazer alguém para ocupar a lacuna de “parceiro de Ba”.

Ben Arfa continua sem estourar. Assim como em seus tempos de Marseille e Lyon, faz jogos bons e jogos horríveis, mas sempre se acha “O Craque”. Cissé e Ba podem formar uma bela dupla de ataque.

Mas o ex-atacante do Freiburg não chegará logo como titular. Primeiro terá de se ambientar ao futebol inglês, que é mais pegado e menos corrido que o alemão, pra depois sim pensar na titularidade.

Quem sai ganhando é o Newcastle!

O Newcastle está certo

Neste último domingo, o Manchester City bateu o Newcastle por 2×1 pela Premier League. Porém, além de perder o jogo, os Magpies tiveram uma grande perda. O garoto francês Hatem Ben-Arfa sofreu entrada criminosa de Nígel De Jong e fraturou a tíbia e a fíbula da perna esquerda (veja o lance ácima)

Os dirigentes do Newcastle entraram em contato com a FA para que alguma atitude seja tomada contra o volante holandês. Essa fama de “pedreiro, homem do trabalho sujo, destruidor de ossos” de De Jong já é antiga. Quem não se lembra do golpe de karatê que ele deu em Xabi Alonso na final da Copa do Mundo? O técnico da Seleção da Holanda, Bert Van Marwijk cortou De Jong da convocação para os jogos de sua seleção, devido a esse lance deplorável.

O Newcastle está certo em comunicar da Federação Inglesa. Não sou daqueles que pensa que “temos que proteger os jogadores habilidosos”, acho que jogadores com esse dom sempre levarão pancadas, mas desde que não ultrapassem os limites, foi o que fez De Jong. Ben Arfa ficará cerca de seis meses parado. Pena pro garoto, que na França arranjou enormes problemas disciplinares e acabou até forçando a barra para uma transferência pro Newcastle, e lá na Inglaterra, começou bem, mostrando bom futebol, mas De Jong estragou seu sonho de manter o ritmo.

José Enrique, lateral-esquerdo do Newcastle foi mais longe e disse que o volante holandês não deveria mais jogar futebol. Não acho que seja para tanto, De Jong até que é um bom jogador, mas exagera até demais.

Como disse ácima, não sou daqueles de que acha “que devemos proteger os jogadores habilidosos”, mas acho que devemos coibir a violência. Se já não gostamos de quando torcidas se enfrentam, porque então apoiar um jogador que “volta e meia” tem quebrado pernas de companheiros de profissão? Acho que uma punição bem interessante é aquela de que o atleta que cometeu a falta, fique suspenso pelo mesmo tempo que o jogador lesionado fique se recuperando.

Enfim, desde que De Jong seja punido, aplaudo de pé a FA, mas se nada acontecer, veremos que aqui no Brasil e até lá na Inglaterra, que os mandatários do futebol não agradam