Os flops da temporada francesa

Há duas semanas, trouxe os destaques da temporada 2016/2017 do Campeonato Francês. Só que o ano não teve somente gente se dando bem, gritando “é campeão”, fazendo gols bonitos e encantando os amantes do bom futebol. Tivemos também aqueles que prometeram muito e cumpriram pouco dentro de campo.

Após um período de certa triagem nos escolhidos e até conversas com os colegas de Le Podcast du Foot, fechei a lista e, hoje, trago cinco desses nomes que, como dizem no popular futebolístico, floparam na temporada – ou que pelo menos frustraram qualquer expectativa positiva. Reconheço que a maior parte da lista vem do Paris Saint-Germain, que viu a sequência de conquistar nacionais sendo quebrada, mas dá uma boa discussão.

Sem mais enrolações, vamos aos nomes:

5 – Jesé e Krychowiak

Vindos do futebol espanhol, Jesé e Krychowiak não renderam em Paris | Foto: Geoffroy van der Hasselt/AFP/Getty Images

Só em Jesé Rodríguez e Grzegorz Krychowiak, o Paris Saint-Germain investiu € 58 milhões. É uma grana federal que comprova a inflação do mercado de jogadores, convenhamos. Ambos estão entre as 15 mais caras contratações da história do clube e até custaram mais que nomes importantes da história recente do clube, como Zlatan Ibrahimovic e Marco Verratti.

Uma temporada depois de fazer esse investimento, a sensação é de desolação. Jesé fez apenas nove jogos e anotou um gol na Ligue 1. Na metade da temporada, foi emprestado ao Las Palmas e saiu sem deixar saudades. Hoje, ele é tratado como um problema a ser resolvido internamente. Como firmou contrato de cinco anos, voltará a Paris, mas a contragosto. Em recente entrevista à Rádio Cadena Ser, na Espanha, ele disse que não gostaria de retornar por causa das poucas chances que recebeu. Já Nasser Al-Khelaifi, presidente do clube, disse em dezembro do último ano que errou ao trazer o espanhol. Pepino a vista sobre a situação do atleta.

Já Krychowiak, contratado com o status de peça de confiança de Unai Emery dos tempos de Sevilla, jogou apenas 11 vezes na competição. No meio da temporada, o polonês chegou a jogar no time B por perceber que não tinha espaço na equipe principal. A paciência com ele acabou na reta final e o último jogo que fez foi no dia 12 de março, pela 29ª rodada, na vitória por 2 a 1 sobre o Nancy. Com contrato até 2021, é outro problema a ser contornado em Paris.

4 – Jérémy Ménez

Apesar da decepção, a diretoria do Bordeaux ainda aposta em Ménez | Foto: AFP

Voltando ao futebol francês após duas temporadas no Milan, Jérémy Ménez custou a singela bagatela de € 9,5 milhões ao Bordeaux, segunda maior contratação da história do clube. Dentro de campo, porém, o retorno não aconteceu nesta edição da Ligue 1. Foram 26 jogos (somente sete por 90 minutos), três gols marcados e duas assistências.

Ménez, que almejava retornar à seleção francesa após quatro anos, vê agora essa meta cada vez mais distante. Já com 30 anos e vindo de uma temporada bastante baixa, ele ainda observa nomes talentosos explodirem, com Ousmane Dembélé e Kyllian Mbappé. Hoje está claro que é preciso ir passo a passo e, primeiro, retomar bom futebol dentro do Bordeaux, que não quer se desfazer do alto investimento feito no começo da temporada.

3 – Torcida do Bastia

O ápice das confusões da torcida do Bastia foi contra o Lyon | Foto: OLWeb

Nenhuma torcida incomodou tanto na França quanto a do Bastia. No hall de confusões dos corsos, uma tentativa de agressão ao brasileiro Lucas, do PSG, durante uma cobrança de escanteio, insultos racistas a Mario Balotelli, do Nice, além das cenas de guerra campal com os jogadores do Lyon, fazendo a partida ser suspensa após 45 minutos de bola rolando. As imagens rodaram o mundo e mancharam ainda mais o status de um time que teve a pior campanha entre os 20 times da Ligue 1.

Para quem quiser entender mais a origem desses acontecimentos, que muito tem a ver com a tumultuada região da Córsega, o assunto esteve em debate na edição #63 de Le Podcast du Foot, quando, inclusive, recebemos o correspondendo do Lucarne Opposée no Brasil, Simon Balacheff.

2 – Ben Arfa

Ben Arfa clamou por uma oportunidade em Paris | Foto: C. Gavelle/PSG

Depois de uma temporada acima da média no Nice (com 17 gols e seis assistências), Hatem Ben Arfa parecia ter afastado o status de “garoto-problema” e investir € 10 milhões nele parecia ser um bom negócio. Mero engano – pior para o PSG, que ficou com a batata quente em mãos.

O retorno em campo foi mínimo, com míseros quatro gols e uma assistência (disso tudo, apenas a assistência foi na Ligue 1). Internamente, Ben Arfa era duramente questionado pela falta de empenho nos treinamentos e teria chegado a ouvir de Emery a frase “você não é Messi”.

Não bastasse isso, o atleta externou a insatisfação com a reserva. Na reta final da temporada, publicou um vídeo onde suplicou por uma chance. Disse que não queria jogar em uma posição específica ou algo semelhante, apenas queria uma oportunidade.

Apesar da iminente chance de saída, ele começou o mês de junho dizendo querer ficar em Paris. No Instagram, o atacante publicou um vídeo treinando em uma praia, com a trilha sonora de “Only God Can Judge Me” (Só Deus pode me julgar), de Tupac, e encerrou com o recado “nos vemos em julho”. Resta vez se Emery vai passar a mão na cabeça dele desta vez.

1 – Unai Emery

Emery veio com a meta de fazer o PSG jogar mais… e até agora, não cumpriu | Foto: C. Gavelle/PSG

Não gosto da expressão “obrigação” para títulos, mas ao chegar em Paris, Unai Emery precisava fazer o PSG render mais e dar o passo adiante que não deu com Laurent Blanc – que apesar dos 11 títulos em três temporadas, era cobrado por participações mais convincentes no cenário europeu. Além disso, Emery teve a chance de trazer alguns jogadores que desejava, como os já citados Krychowiak e Ben Arfa, além de Julian Draxler.

O que se viu dentro de campo, porém, foi um rendimento menor do que nos tempos de Blanc. Sem inspiração, lento em transições e nas combinações ofensivas, o PSG de Emery fez força para ganhar jogos que ganhava facilmente em anos passados. A perda do título francês para o Monaco foi puro reflexo de um time que foi sombra de um adversário com menos recursos financeiros, mas que ampliou as capacidades técnicas.

Somado a isso, veio o fracasso diante do Barcelona na Liga dos Campeões e a péssima gestão de elenco, constatada nas mais variadas notícias de insatisfações e cobranças externas dos atletas.

Apesar disso tudo, Emery vai continuar no PSG para a próxima temporada, mas cada vez mais pressionado a fazer o time jogar para salvar a própria pele – e do presidente Nasser Al-Khelaifi.

——————————

E aí? O que achou da lista? Dê sua opinião e amplie o debate!

Qual a origem dos nomes dos estádios franceses? (Parte I)

Não sei vocês, mas sou do tipo de pessoa que fica sempre curioso em saber os motivos de os estádios terem os nomes que têm. Fico instigado a entender se aquele cidadão que está com o nome estampado na fachada foi um jogador importante, um dirigente histórico ou apenas um político da região. Considero saber isso como algo fundamental para entendermos mais das origens dos times.

Motivado por essa curiosidade pessoal, decidir fazer um levantamento justificando os nomes dos estádios das 20 equipes que disputam a primeira divisão do Campeonato Francês nesta temporada 2016/2017.

Como em função da Eurocopa 2016 muitos mudaram de casa e até adotaram os famigerados naming rights em seus estádios, decidi também citar os nomes dos campos antecessores e a razão dos respectivos nomes. Aliás, ‘linkado’ as nomenclaturas estará a localização dos estádios no Google Maps, para que você também possa ver mais de cada um.

Confira agora a primeira das duas partes do especial:

Angers

Estádio Jean-Bouin – inaugurado em 1912 – capacidade para 16.500 pessoas

O estádio homenageia Jean Bouin, um famoso corredor francês do início do século XX, que conquistou uma medalha de prata nos Jogos Olímpicos de 1912, em Estocolmo, na Suécia. Ele foi medalhista nos 5.000 metros livres. Na França, são quase dez estádios com esse nome, incluindo um em Marseille, cidade onde nasceu. No caso do Angers, o estádio foi construído em 1912, com o nome de Bessonneau, em homenagem ao empresário local Julien Bessonneau. Na época, nem existia o Angers, mas sim o Club Sportif Bessonneau. Apenas em 1957 foi rebatizado como estádio Jean Bouin, para homenagear o ex-atleta.

Bastia

Estádio Armand Cesari – inaugurado em 1932 – capacidade para 16.078 pessoas

Casa do Bastia, o Armand Cesari homenageia ex-capitão do time | Foto: SC Bastia

Casa do Bastia, o Armand Cesari homenageia ex-capitão do time | Foto: SC Bastia

Inaugurado em 1932, a casa do Bastia teve como primeiro nome estádio Doutor Luciani, homenagem ao presidente do clube na época e idealizador do projeto. Quatro anos depois, o local foi rebatizado com o nome atual: Armand Cesari. Ele foi membro de uma família bastante atuante no clube. O irmão Jean-Marie jogou pelo time principal, enquanto o pai Joseph Cesari foi presidente do clube entre 1922 e 1925. Já Armand foi capitão da equipe durante um bom tempo, se tornando um dos atletas mais famosos do clube. Ele desapareceu em janeiro de 1936, quando tinha 33 anos. O nome do estádio foi uma forma de homenageá-lo.

Bordeaux

Estádio Matmut-Atlantique – inaugurado em 2015 – capacidade para 42.115 pessoas

O Bordeaux jogou muito tempo no estádio Chaban-Delmas até se mudar para o moderníssimo Matmut-Atlantique, construído entre 2012 e 2015, também visando a Eurocopa de 2016. A questão do nome gerou muitas discussões entre os torcedores, já que a empresa do ramo de companhia de seguros Matmut investiu € 2 milhões para estampar o nome do grupo no estádio por dez anos. Uma ala de torcedores, descontente com isso, realizou uma votação para escolher o novo nome e decidiram por homenagear René Gallice, sexto jogador com mais atuações com a camisa do clube. Por fim, ficou o nome Matmut-Atlantique e a empresa que gere o estádio é a Bordeaux Atlantique, sendo que o financiamento é feito entre a cidade de Bordeaux e a própria empresa.

Sobre o Chaban-Delmas, que homenageia o estadista francês Jacques Chaban Delmas, hoje é de domínio do Union Bordeaux Bégles, clube de rugby. O estádio passou a ser chamado assim em 2001, após a morte dele em 2000 – antes era conhecido como Parc Lescure.

Caen

Estádio Michel D’Ornano – inaugurado em 1993 – capacidade para 20.453 pessoas

Inaugurado em 1993, o estádio do Caen homenageia o político francês Michel D’Ornano. Ele morreu em 1991, após ser atropelado por uma van. A ideia de homenageá-lo foi do senador-prefeito de Caen, Jean-Marie Girault, já que ele entendia que D’Ornano era um amigo dos esportes e a construção do estádio estava ligada ao nome do político. Por via de curiosidade, antes desse estádio, os azuis e vermelhos jogavam no estádio Venoix, em razão do bairro onde está localizado. Em 2013, o local foi renomeado como estádio Claude Mercier, em homenagem a um ex-jogador do clube. O time reserva e de base do Caen utilizam o campo, assim como algumas equipes amadoras que por lá treinam.

Dijon

Estádio Gaston Gérard – inaugurado em 1934 – capacidade para 13.778 pessoas

A casa do Dijon é um dos poucos que tem o mesmo nome desde sua inauguração. Gaston Gérard, que dá nome ao estádio, foi um influente político no início do século passado, tendo sido vice-prefeito de Dijon e primeiro-ministro do Turismo francês. Ele nasceu em 1878 e morreu em 1969, vivendo sempre na mesma cidade, o suficiente para ser imortalizado no estádio da cidade.

Guingamp

Estádio Municipal de Roudourou – inaugurado em 1990 – capacidade para 18.465 pessoas

O nome do estádio do Guingamp é bem simples de explicar: ele fica localizado no distrito de Roudourou. O Guingamp, apesar de ser um clube de 114 anos, só atuou profissionalmente desde 1984. Então, antes do Roudourou, jogava no estádio Yves-Jaguin, que homenageava um ex-presidente do clube nos anos 40. Esse estádio, aliás, vive um momento curioso. O time reserva e de base do Guingamp treinavam ali, mas discute-se a possibilidade de venda do local e até mesmo de uma demolição.

Lille

Estádio Pierre Mauroy – inaugurado em 2012 – capacidade para 50.157 pessoas

Na onda de reformas, o estádio do Lille foi o primeiro a ser concluído | Foto: LOSC

Na onda de reformas, o estádio do Lille foi o primeiro a ser concluído | Foto: LOSC

Originalmente conhecido como Grand Stade Lille Metrópole, o estádio recebeu o nome de Pierre Mauroy, em junho de 2013. A medida foi adotada pelo Conselho Metropolitano de Lille, que visava homenagear o ex-prefeito de Lille e ex-primeiro-ministro, que morreu no mesmo mês. Muitos não gostaram, pois o político não era um grande fã de esportes e que a decisão foi tomada sem consultas a outros órgãos e aos torcedores.

Antes da moderna arena, o Lille jogou em quatro estádios: o Jules-Lemaire (dentista famoso por ter descoberto propriedades antissépticas de ácido de carbono), que foi utilizado até a II Guerra Mundial; Henri Jooris (dirigente bastante atuante na região de Lille) aproveitado após a guerra e até os anos 70; Grimonprez-Jooris (uma homenagem ao próprio Henri Jooris e o ex-campeão de hóquei de campo Félix Grimonprez), utilizado entre 1975 e 2004; e mais recentemente o Lille Metropole, aproveitado entre 2004 e 2012.

Lorient

Estádio Yves Allainmat – Le Moustoir – inaugurado em 1959 – capacidade para 18.500 pessoas

O apelido de “Moustoir” acabou ficando para o estádio do Lorient por ser exatamente o bairro onde o clube fica localizado. Em 1993, a casa dos Merlus foi rebatizada com o nome de Yves Allainmat, ex-vice-prefeito da cidade, que morreu no mesmo ano.

Lyon

Parc OL – inaugurado em 2016 – capacidade para 59.186 pessoas

O moderníssimo estádio do Lyon é gerido pelo OL Groupe, que foi fundado em 1999 para supervisionar o clube. Oficialmente, o estádio se chama Parc OL, mas também é lembrado por Grand Stade de Lyon ou Stade des Lumières. O antigo estádio Gerland, inaugurado em 1920 e utilizado pelo OL desde sua fundação, em 1950, até 2015, levava esse nome por estar localizado no bairro com mesmo nome.

Marseille

Estádio Orange Vélodrome – inaugurado em 1937 – capacidade para 67.394

Entre mudanças e reformas, o OM sempre seguiu no Vélodrome | Foto: Yannick Parienti/OM

Entre mudanças e reformas, o OM sempre seguiu no Vélodrome | Foto: Yannick Parienti/OM

Casa do único francês que já conquistou uma Liga dos Campeões, o mítico Vélodrome ganhou naming rights para dez anos, contando a partir de 2016, da empresa Orange. O nome original, por razões óbvias, se deve ao fato de também abrigar corridas de ciclismo.

*Nos próximos dias, possivelmente após o Carnaval, trago a segunda parte, com as origens dos demais dez times;

11 na História: Bordeaux 1998/1999

Inauguramos agora mais uma seção no blog, o “11 na História”. Neste quadro, vamos recordar alguns times que marcaram na Europa – com foco, é claro, na França – seja pelos resultados ou por um legado futebolístico que tenha deixado. A ideia é valorizar os times pelos seus feitos e resgatar a história destas conquistas.

O time que abre a nossa série é o Bordeaux da temporada 1998/1999, campeão nacional depois de mais de uma década. A equipe também marcou a história do Campeonato Francês ao apresentar ao mundo um quarteto ofensivo de dar inveja a muitos times, composto por Ali Benarbia, Johan Micoud, Lilian Laslandes e Sylvain Wiltord, o astro da companhia.

Relembre mais dessa história:

Período de reconstrução

Nos anos 80, o Bordeaux se notabilizou como uma das equipes mais fortes do futebol francês ao conquistar três títulos do Campeonato Francês entre 1984 e 1987. Neste meio tempo, venceu duas edições da Copa da França e chegou a semifinal da Copa dos Campeões da Europa em 1984/1985, quando ficou por um gol de chegar à final – perdeu na ida para a Juventus por 3×0 e venceu na volta por 2×0. Naquela época, se notabilizaram no clube atletas renomados, como Jean Tigana, Alain Giresse, René Girard e Dieter Müller.

Sob a batuta do clube estava Claude Bez, presidente girondino, imortalizado pelos bons resultados no período de construção do sucesso nos anos 80. Entretanto, o que era um sonho para o Bordeaux, tornou-se em um pesadelo em pouco tempo. Ao término da temporada 1990/1991, a Direção Nacional de Controle de Gestão (DNCG, na sigla em francês) decidiu rebaixar os Girondins por causa do déficit orçamentário, que batia na casa dos € 45 milhões. Bez foi forçado a renunciar e o clube disputou a segunda divisão por uma temporada.

Com esse rápido recuo, o Bordeaux teve uma década de 90 de pura reconstrução. Novos parceiros, novos jogadores e objetivos sendo alcançados passo a passo. Foi nesta época que o clube lançou atletas como Christophe Dugarry e Bixente Lizarazu, teve no elenco Zinedine Zidane e, com eles, foi vice-campeão da Copa da Uefa em 1996, diante do Bayern – só ressaltando que os franceses fizeram a partida de ida sem o citado trio e perderam por 3×0.

O treinador: Elie Baup

Baup foi de auxiliar a campeão francês no Bordeaux | Foto: Jean Jacques Saubi

Baup foi de auxiliar a campeão francês no Bordeaux | Foto: Jean Jacques Saubi

O ápice dessa reconstrução do Bordeaux começou a ser concretizado na metade da temporada 1997/1998. Longe da briga pelo título, a diretoria optou por trocar o técnico. Guy Stephan foi embora e deu lugar a Elie Baup, que era o auxiliar-técnico. Ao término da temporada, os Girondins ficaram na 5ª colocação, com 56 pontos e Baup mantido no posto.

Sempre com seu bonezinho na beirada do gramado, Baup teria na temporada seguinte o grande desafio da carreira. Depois de uma fracassada passagem pelo Saint-Étienne entre 1994 e 1996, onde conseguiu rebaixar o clube duas vezes (na primeira vez, não caiu pelo escândalo envolvendo Marseille e Valenciennes), ele teria em mãos um elenco talentoso, que tinha como grandes expoentes os jovens Ali Benarbia e Sylvain Wiltord, além do talentoso Johan Micoud e o matador Lilian Laslandes.

Jogos chave

22ª rodada – Bordeaux 4×1 Marseille

A briga pelo título estava polarizada entre Bordeaux e Marseille. Ambos possuíam campanhas sólidas e faziam jus a tal status. O OM, líder com 48 pontos, tinha a melhor defesa e contava com uma equipe experiente, composta pelos campeões mundiais Laurent Blanc e Christian Dugarry e pelo italiano goleador Fabrizio Ravanelli. Além deles, compunham o elenco os cobiçados Willy Gallas e Robert Pirès. Rolland Courbis tinha em mãos um time bastante forte.

Do outro lado, porém, estavam os Girondins, campeões do primeiro turno, sofreram dois tropeços no início da segunda parte da competição e acabaram ficando na vice-liderança com 45 pontos. Ainda assim, tinham o melhor ataque, com 44 gols marcados.

A gana de vencer e diminuir essa diferença fez com que tivessem 20 minutos de gala. Entre os 14 e 34 minutos da primeira etapa, o Bordeaux abriu 4×0 e encaminhou a vitória que lhe recolocou na liderança. Dugarry chegou a descontar na etapa final, apenas para fazer valer a “Lei do Ex”, mas insuficiente para estragar a festa dos Girondins, que assumiram a liderança da competição.

PSG: O fiel da balança

Contra o PSG, Wiltord foi quem decidiu com dois gols | Foto: Divulgação

Contra o PSG, Wiltord foi quem decidiu com dois gols | Foto: Divulgação

Depois da vitória no confronto direto, a liderança tornou-se uma batata quente, que queimava de mão em mão. Só houve uma estabilização no posto entre a 29ª e a 31ª rodada, quando o Bordeaux acumulou três tropeços seguidos e o Marseille se aproveitou.

Entretanto, faltando duas rodadas para o término da temporada, entrou em cena o Paris Saint-Germain. Com uma péssima campanha, ocupando a indigesta 10ª colocação, a equipe da capital francesa receberia o Marseille na 32ª rodada e o Bordeaux na última. Seria o legítimo fiel da balança, que decidiria o campeonato de forma indireta.

Tudo corria de vento em popa para o OM durante a rodada 32. Vencia o clássico por 1×0 e via os Girondins empatando em 2×2 com o Lens. Com essa combinação, chegaria a 68 pontos e abriria quatro pro Bordeaux, podendo ser campeão na rodada seguinte. Essa história virou pó a partir dos 37 minutos do segundo tempo dos dois jogos.

Neste mesmo minuto, Sylvain Wiltord acertou um chute de rara felicidade, do meio da rua, e virou a partida para o Bordeaux em Lens. A vantagem, que era de quatro pontos, voltava para dois. Um minuto depois, em Paris, Marco Simone finalizou de fora da área para empatar o clássico – e também o campeonato. Não deu muito tempo para respirar, e em um vacilo na saída de bola, Bruno Rodriguez aproveitou, virou a partida para o PSG e abriu caminho para o título do Bordeaux.

O trágico 2×1 tirou o Marseille da ponta e colocou lá o time de Élie Baup, que precisava manter a regularidade para ser campeão. E assim o fez ao vencer o Lyon por 1×0 e o próprio PSG por 3×2, numa emocionante partida decidida no minuto 88 por Pascal Feindouno, garoto de 18 anos que fez naquela noite o primeiro gol como profissional.

Cabe aqui abrir parênteses: essa vitória do Bordeaux sobre o Paris é até hoje questionada, especialmente pelo Marseille, pela vontade – ou falta dela – do PSG em vencer o jogo, tendo em vista a rivalidade criada pelas duas equipes.

Para o Bordeaux, essa rixa entre marseilaises e parisienses pouco importa. O que valeu foi o título, que veio 12 anos depois, superando frustrações como um vice-campeonato europeu, campanhas ruins e até um rebaixamento.

Time-base:

sem-titulo

Jogadores-chave:

Lassina Diabaté: meio-campista defensivo de bom combate, Diabaté era peça de confiança de Elie Baup. Canhoto e incansável, ajudou a solidificar o meio-campo da equipe, que ainda tinha o capitão Michel Pavon e os talentosos Ali Benarbia e Johan Micoud.

Ali Benarbia: O talentoso meia argelino ficou apenas uma temporada no Bordeaux, mas fez valer a pena cada uma das 25 partidas que disputou. Ao lado de Micoud, Wiltord e Laslandes, compôs um dos quartetos ofensivos mais poderosos dos últimos tempos na França. Com destaque nas assistências, foi eleito o melhor jogador da temporada antes de migrar para a capital e vestir a camisa do PSG.

Johan Micoud: Jogador de muita classe e técnica refinada, Micoud fez sua história especialmente no Bordeaux, por onde passou seis temporadas. O título em 1999 foi a grande conquista que teve pelo clube. Ao todo, anotou nove gols e deu seis assistências na temporada, sendo decisivo para o título e também para seu ingresso na seleção francesa – em 2000, seria campeão europeu com a França.

Lilian Laslandes: Centroavante a moda antiga, Laslandes teve a melhor temporada da carreira no ano do título do Bordeaux. Esteve em campo em 33 dos 34 jogos e marcou 15 gols, incluindo um triplé diante do Metz, na goleada por 6×0. Ingressou na lista de maiores artilheiros da história do clube e cravou nome entre os ídolos girondins.

Sylvain Wiltord: Para formar dupla letal com Laslandes, nada melhor que um atacante rápido e incisivo como Sylvain Wiltord. A combinação deu certo e ele anotou 22 gols na temporada, sendo o artilheiro do campeonato. Ou seja, 37 dos 66 gols saíram da dupla. Wiltord, porém, acabou sendo mais decisivo, com dois gols importantes no jogo do título diante do PSG, na vitória sobre o Marseille e em outros jogos de placares apertados, onde seus gols aumentaram em importância. O atacante do Bordeaux acabou sendo eleito o jogador francês do ano pela revista France Football – a última vez que o premiado foi um jogador girondin foi o ídolo Jean Tigana.

Futuro

Mesmo mantendo boa parte da base, o Bordeaux não teve uma temporada 1999/2000 das mais felizes. A dupla Laslandes e Wiltord foi às redes apenas 14 e 13 vezes, respectivamente, e não conseguiram ajudar os Girondins a conquistarem mais do que um 4º lugar. Além disso, o time ficou marcado por ter sido eliminado da Copa da França na fase semifinal diante do modesto Calais RUFC, clube da quarta divisão.

O seguinte – e até agora último – título francês do Bordeaux veio apenas na temporada 2008/2009, no histórico time comandado por Laurent Blanc.

Lances:

No vídeo abaixo, você confere todos os gols da campanha do Bordeaux no título da temporada 1998/1999, os 11 na História do Europa Football:

Le Podcast du Foot #49

Foto: PSG.fr - Lucas deu passes pra dois gols, inclusive um de Zlatan

Foto: PSG.fr – Lucas deu passes pra dois gols, inclusive um de Zlatan

O Paris Saint-Germain voltou a disparar na frente do Campeonato Francês. Ao vencer o Bordeaux, com boa atuação de Lucas, o clube da capital abriu cinco pontos para o Monaco, que tropeçou diante do Lorient na Bretanha.

>> Confira a classificação do Campeonato Francês;

Além disso, na próxima rodada, os dois líderes se pegam e ambos já poderão contar com novos reforços, como Yohan Cabaye e Dimitar Berbatov.

Para debater estes e outros assuntos da rodada da Ligue 1, Eduardo Madeira e Flávio Botelho se reuniram em mais uma edição de Le Podcast du Foot, a 49ª edição. Para ouvir, é só clicar em um dos links abaixo:

CLIQUE AQUI E OUÇA NO MIXCLOUD

CLIQUE AQUI E OUÇA NO UOL MAIS

Os 20 melhores jogos de 2013 na França

O surpreendente Epinal foi um dos personagens de 2013

O surpreendente Epinal foi um dos personagens de 2013

O ano de 2013 chegou ao final e o Europa Football preparou um apanhado especial com os 20 jogos mais marcantes do ano na França. A lista inicialmente seria de sete jogos, mas se estendeu a duas dezenas de partidas.

Para a formação da tabela de jogos, foram selecionadas partidas realizadas pelo Campeonato Francês da 1ª, 2ª e 3ª divisão, além de jogos da Copa da França e da Copa da Liga.

A lista foi elaborada de forma cronológica para que não haja discussões do tipo: “como o jogo A ficou na frente do jogo B?”.

Sem mais delongas, confira os 20 jogos marcantes de 2013 na França:

2012/2013

6 de janeiro – Epinal (4) 3-3 (2) Lyon – Copa da França (32 avos de final)

O Lyon começou 2013 com um tropeço monumental na Copa da França. Enfrentando o modesto Epinal, da terceira divisão, logo em sua estreia na competição, o time comandado por Rémi Garde sofreu uma vergonhosa derrota nos pênaltis. Depois de sair com 2-0 contra em 15 minutos, o OL virou na metade da etapa final, mas sofreu o terceiro gol, foi para a prorrogação e, posteriormente, disputa de pênaltis. Nos tiros da marca fatal, brilhou a estrela do goleiro Olivier Robin, um dos grandes heróis da classificação do Epinal. A aventura do time da terceira divisão parou nas oitavas-de-final, quando o RC Lens o eliminou com um triunfo por 2-0.

1 de fevereiro – Guingamp 4-3 Niort – Campeonato Francês/Segunda Divisão (23ª rodada)

Brigando pelo acesso à elite do futebol francês, o Guingamp deu enorme demonstração de força na 23ª rodada da Ligue 2. Enfrentando o ameaçado Niort, então 16º colocado, o EAG precisou de um milagre para vencer. Após sofrer o empate em 3-3 aos 31 minutos do 2º tempo, o Guingamp buscou a vitória no nono minuto de acréscimo! O gol foi do artilheiro Mustapha Yatabaré.

1 de fevereiro – Laval 4-5 Auxerre – Campeonato Francês/Segunda Divisão (23ª rodada)

No mesmo dia do maluco 4-3 entre Guingamp x Niort, outro jogo agitado marcou a 23ª rodada da segundona francesa. O Laval, que lutava contra o descenso, ia trazendo o Auxerre para esta briga ao abrir 2-0 com 40 minutos de jogo. Porém, antes do intervalo, o AJA buscou o empate com dois gols da joia Yaya Sanogo. Quando o relógio marcava 20 minutos do 2º tempo, mais reviravoltas e o marcador apontava 4-4, sendo que Sanogo havia anotado os dois gols do Auxerre. O placar só foi definido aos 43 minutos, quando Christopher Jullien fez o gol da vitória do AJA, 5-4.

11 de fevereiro – Angers 3-2 Lens – Campeonato Francês/Segunda Divisão (24ª rodada)

Na rodada seguinte da segunda divisão da França, virada heroica do Angers diante do Lens. Perdendo em casa por 2-1, o time mandante se viu em situação delicada quando Fabien Boyer foi expulso aos 40 minutos da etapa final. Porém, El Jadeyaoui, aos 45’, e Ayaru, aos 50’, viraram para o Angers e fecharam a partida em 3-2.

29 de março – Chateauroux 2-3 Angers – Campeonato Francês/Segunda Divisão (30ª rodada)

O Angers voltou promover virada heroica no dia 29 de março, em partida válida pela 30ª rodada da Ligue 2. Após abrir o placar com menos de 20 minutos diante do Chateauroux, o Angers vacilou entre os 30 e 32 minutos da etapa final, sofrendo a virada. Porém, aos 47 minutos e aos 49, Ravet e Fall marcaram, respectivamente, e deram a vitória aos visitantes.

6 de abril – Toulouse 3-4 Nice – Campeonato Francês (31ª rodada)

Contra o Toulouse, Anin marcou o último gol antes do acidente de carro

Contra o Toulouse, Anin marcou o último gol antes do acidente de carro

Para muitos, Toulouse 3-4 Nice será marcado pela bizarrice. Ali Ahamada e David Ospina, goleiros dos dois times, falharam na maioria dos gols. O arqueiro do Toulouse, inclusive, foi expulso no segundo tempo. O jovem Bosetti também foi excluído da partida por tentar dar um carrinho voador em M’Bengue. Mas o que marcou foi o autor do gol da vitória do Nice: Kevin Anin. O volante fez seu último gol antes do grave acidente de carro que sofreu meses depois e que lhe tirou dos gramados, muito provavelmente, de forma definitiva.

13 de abril – Fréjus St-Raphaël 2-2 Epinal – Campeonato Francês/Terceira Divisão (32ª rodada)

O modesto Epinal volta a nossa lista com a busca de um empate heroico na terceira divisão francesa. Perdendo por 2-0 pro Fréjus St-Raphaël e jogando com 10 desde os 25 minutos da etapa final, quando Dembele foi expulso, o pequenino time que havia derrotado o Lyon na Copa da França arrancou um pontinho nos minutos finais da partida. Rother, aos 40’, e Chouleur de pênalti, aos 45’, foram os responsáveis pelo empate.

17 de abril – Évian (4) 1-1 (1) PSG – Copa da França (quartas-de-final)

Após empate por um gol no tempo regulamentar e na prorrogação, o milionário Paris Saint-Germain sucumbiu ao valente Évian na disputa por pênaltis das quartas-de-final da Copa da França. Com Ibrahimović parando no goleiro Laquait e Thiago Silva acertando o travessão, o time da capital saiu de campo eliminado da competição. O triunfo foi o gás que o time de Annecy necessitava para chegar até a final da competição.

20 de abril – Saint-Étienne 1-0 Rennes – Copa da Liga (Final)

Dois times na fila chegaram à decisão da Copa da Liga Francesa: o Saint-Étienne, que não vencia nada desde 1981, e o Stade Rennais, que não ergueu troféu algum desde 1971. Por fim, venceu o time mais tradicional e que estava há menos tempo na fila. O ASSE fez 1-0 com o artilheiro Brandão, marcando na decisão pelo segundo ano seguido (no ano anterior havia marcado pelo Marseille). O título também foi a consagração de Pierre-Emerick Aubameyang, astro do time, e de Christophe Galtier, técnico do time e mentor deste longo e ótimo trabalho.

24 de maio – Red Star 2-1 Fréjus St. Raphaël – Campeonato Francês/Terceira Divisão (38ª rodada)

Um dos jogos mais simbólicos da temporada na 3ª divisão francesa foi justamente na última rodada. No Stade Bauer, na capital do país, o Red Star, 15º colocado, enfrentava o Fréjus St. Raphaël, 3º colocado. Para resumir: estavam frente-a-frente um time que estava caindo de divisão e outro que estava subindo. Com dois gols de Jean-Jacques Mandrichi, o Red Star venceu de virada e evitou o rebaixamento (o Bourg-Péronnas perdeu pro Carquefou e foi ultrapassado pelos parisienses). De quebra, o tropeço fez com que o Fréjus St. Raphaël fosse deixado para trás pelo CA Bastia, que venceu o Créteil Lusitanos, e ficasse sem o acesso.

31 de maio – Évian 2-3 Bordeaux – Copa da França (Final)

Durante toda temporada 2012/13, tanto Évian quanto Bordeaux não acreditavam que pudessem conquistar algum título. O time de Annecy se preocupava mais em permanecer na elite francesa, enquanto a equipe da terra dos vinhos fazia campanha mediana na Ligue 1. No último dia de maio, entretanto, os dois times estavam com seus fãs no Stade de France decidindo a Copa da França. Em uma partida pra lá de animada, os Girondins venceram por 3-2 e levaram o troféu para a casa. O grande nome da partida foi o centroavante Cheick Diabaté, autor de dois gols e que também perdeu um pênalti. A conquista foi justa, mas muitos sentiram pena do simpático Évian, que fez por merecer chegar à decisão e vendeu caro a derrota.

2013/2014

6 de outubro – Montpellier 5-1 Lyon – Campeonato Francês (9ª rodada)

Durante as últimas temporadas, temos apertado na tecla (tanto no blog quanto no podcast) que o Lyon está em um patamar abaixo dos times de ponta da França, apesar de ainda esboçar alguns brilharecos. Porém, logo na 9ª rodada do Campeonato Francês da atual temporada, o OL sofreu uma derrota simbólica e que demonstrou o novo momento do clube. Enfrentando o Montpellier, que ainda não havia vencido na temporada, o Lyon foi destruído com uma humilhante derrota por 5-1. O nome do jogo foi Rémy Cabella, autor de dois gols e dois passes para gols.

6 de outubro – Olympique de Marseille 1-2 Paris Saint-Germain (9ª rodada)

O primeiro “Le Classique” da atual temporada foi muito nervoso, só para variar. Mas quem colaborou (e muito) para que o jogo fosse tenso foi a arbitragem comandada por Clément Turpin. Thiago Motta cometeu pênalti em Mathieu Valbuena aos 30 minutos da etapa inicial e, de forma absurda, foi expulso. O lance gerou a revolta de todos no PSG, ainda mais porque André Ayew converteu a cobrança. Com Maxwell e Ibrahimović, o clube da capital virou e saiu do Vélodrome com os três pontos. Vale destacar também a participação do jovem Adrien Rabiot, que entrou para ocupar a lacuna deixada após a expulsão, não sentiu a pressão e jogou bem.

27 de outubro – Saint-Étienne 2-2 Paris Saint-Germain – Campeonato Francês (11ª rodada)

Lemoine foi expulso após receber cotovelada

Lemoine foi expulso após receber cotovelada

Duas rodadas depois, a arbitragem voltou a aparecer em um jogo do PSG, desta vez, ajudando o clube da capital. Perdendo pro Saint-Étienne no Geoffrey-Guichard por 2-0 e sendo completamente dominado pelos Vérts, os parisienses foram beneficiados pelo árbitro Ruddy Buquet, que expulsou Fabien Lemoine. O volante do ASSE disputava bola com Ezequiel Lavezzi e, durante o “puxa-puxa”, recebeu uma cotovelada. Com o rosto ensanguentado, viu o cartão vermelho. O Saint-Étienne sentiu o baque e cedeu o empate nos acréscimos.

3 de novembro – Lille 2-0 Monaco – Campeonato Francês (12ª rodada)

Fazendo campanha surpreendente no Campeonato Francês, o Lille, de René Girard, iria testar forças contra o milionário Monaco na 12ª rodada da competição. Em tarde inspirada do centroavante Nolan Roux, os Dogues mostraram que não estavam para brincadeira, venceram por 2-0 com dois gols do atacante e provocaram a primeira derrota dos monegascos na Ligue 1.

10 de novembro – Saint-Étienne 1-2 Lyon – Campeonato Francês (13ª rodada)

Se a situação do Lyon não é nada boa na questão de títulos, o contrário é dito quando os torcedores lembram o derby contra o Saint-Étienne. O OL engordou a lista de jogos invictos no Geoffrey-Guichard alimentada desde 1994 com mais um triunfo nesta temporada. O gol da vitória dos visitantes (que mais parecem mandantes) veio nos acréscimos, com um gol de cabeça de Jimmy Briand. Porém, não foi apenas isso que marcou a partida. Sem poder levar torcedores para o jogo, o elenco do Lyon ficou com sangue nos olhos durante a partida e até mesmo o veterano Joël Bats (aquele da Copa de 86 e do pênalti de Zico) provocou a torcida adversária, provocando uma confusão que poderia ter trazido maiores problemas para a realização da peleja.

22 de novembro – Fréjus St. Raphaël 2-3 Bourg-Péronnas – Campeonato Francês/Terceira Divisão (13ª rodada)

Acredito que muita gente nunca tenha ouvido falar do Fréjus St. Raphaël. Mas, a partir deste post, vai conhecê-lo como “time da virada”, porém, não no sentido criado no Brasil. Já nesta temporada, o Fréjus viu o triunfo diante do Bourg-Péronnas desandar nos minutos finais. Vencendo por 2-1 no Stade Eugène-Pourcin, os ventos começaram a mudar quando o senegalês Matar Fall foi expulso aos 43 minutos da etapa final. Como tragédia pouca é bobagem, aos 46’, Jordan Gaubey, e aos 47’, Lakdar Boussaha, viraram o jogo. Desde então, o Fréjus não venceu mais e despencou da 4ª colocação para a 8ª na 3ª divisão do país.

1 de dezembro – Paris Saint-Germain 4-0 Lyon – Campeonato Francês (15ª rodada)

O Lyon voltou a receber um choque de realidade ao encarar o PSG em Paris. Inoperante no Parc des Princes, o OL saiu da capital humilhado e com um 4-0 na bagagem. O sueco Zlatan Ibrahimović marcou duas vezes de pênalti, sendo a primeira cobrança no estilo Panenka.

15 de dezembro – Lyon 2-2 Olympique de Marseille – Campeonato Francês (18ª rodada)

Lyon e Marseille podem não estar em seus melhores dias, mas sempre é garantia de bom jogo quando se enfrentam (recentemente tivemos um 5-5, por exemplo). Este ano foi a vez das duas equipes nos presentearem com um bem jogado 2-2 no Stade Gerland. Os mandantes abriram 2-0 com Lacazette e Gomis, e tiveram chances de alargar a vantagem, mas as desperdiçaram e pagaram um preço caro: o empate. Gignac e Thauvin marcaram em falhas do goleiro Remy Vercoutre e levaram um ponto para a casa.

22 de dezembro – Paris Saint-Germain 2-2 Lille – Campeonato Francês (19ª rodada)

Mavuba marcou no último jogo do ano na Ligue 1

Mavuba marcou no último jogo do ano na Ligue 1

O ano de 2013 (e nossa lista) não poderia ser encerrado da melhor maneira possível. PSG e Lille protagonizaram um dos melhores jogos do ano na França, e com uma surpresa: o time do norte não se assustou com o adversário milionário e jogou de igual pra igual, mesmo atuando fora de casa. A partida acabou 2-2, mas poderia ter acabado com vitória lillois, time que criou as melhores chances na etapa final. O jogo também ficou marcado pelo entrevero entre Ibrahimović e Rio Mavuba. Os dois se agrediram e receberam apenas o cartão amarelo (minutos depois, Mavuba marcou para o Lille).

Le Podcast du Foot #45 – Balanço do turno

Mavuba foi um dos personagens da última rodada da Ligue 1

Mavuba foi um dos personagens da última rodada da Ligue 1

O primeiro turno do Campeonato Francês foi encerrado no último domingo. Para também fechar o ano da melhor maneira possível, Le Podcast du Foot é reproduzido mais uma vez para trazer tudo que aconteceu no primeiro turno.

>> Confira a classificação do Campeonato Francês;

Nesta edição, Eduardo Madeira apresentou, e teve a companhia dos comentaristas Eduardo Ramos de Medeiros e Flávio Botelho. Com eles, você saberá de tudo que aconteceu no turno inicial da Ligue 1.

O trio responsável pela apresentação da 45ª edição do podcast também participou da votação da seleção do primeiro turno feita pela equipe do programa. Confira abaixo os escolhidos e, em seguida, escute o material preparado:

Seleção do turno

Clique aqui e ouça no Uol Mais

Clique aqui e ouça no MixCloud

Imagens: Reprodução e Football User

 

Le Podcast du Foot #43

Ibrahimovic fez dois gols e deu duas assistências

Ibrahimovic fez dois gols e deu duas assistências

Participando de quatro dos cinco gols do Paris Saint-Germain na goleada por 5-0 sobre o Sochaux, o sueco Zlatan Ibrahimovic foi o grande nome da 17ª rodada do Campeonato Francês. Essa participação do camisa 10 ajudou a colocar os parisienses no topo do campeonato com 40 pontos, dois de vantagem pro Monaco.

A luta pela vice-liderança também está em bom ritmo na Ligue 1. Os monegascos venceram o Ajaccio pelo marcador mínimo e deixaram o Lille para trás. Os Dogues tropeçaram diante do Bordeaux depois de 11 jogos sem sofrer gols e três vitórias consecutivas.

Além disso, esteve em destaque na rodada a nova derrota do Olympique de Marseille que resultou na demissão de Élie Baup. O tropeço da vez foi diante do Nantes.

Esses assuntos e outros que foram relevantes para a rodada estiveram na pauta da 43ª edição de Le Podcast du Foot. Nesta semana, Eduardo Madeira apresentou e a dupla encarregada de fazer os comentários foi Flávio Botelho e Vinícius Ramos.

Ouça o programa no MixCloud:

Faça o download do podcast:

*Imagem: PSG.fr