Os tops da temporada francesa

Encerrada mais uma temporada do Campeonato Francês, é chegada àquela hora bacana de retrospectiva e análise de tudo o que aconteceu ao longo das 38 rodadas. Desta vez, me empolguei em levantar listas com os tops e os flops do ano.

Claro que houve uma predominância: entre os tops, o Monaco, que com uma impressionante campanha e um ataque avassalador, ocupou as principais opções. Já entre os flops, o Paris Saint-Germain, que mais uma vez gastou tufos de grana e apresentou um futebol muito pobre, se sobressaindo muito na base da individualidade.

Hoje trago quem se destacou e, ainda nesta semana, trarei quem decepcionou. Confira a primeira lista:

5 – Balotelli ressurge

Super Mario foi o artilheiro do Nice na Ligue 1 | Foto: Divulgação/OGC Nice

Quando o Nice anunciou a contratação do italiano Mario Balotelli, muitos torceram o nariz. Polêmico, de extracampo complicado, Super Mario vinha de temporada pífia pelo Milan, com míseros três gols em 23 jogos. Parecia ser uma aposta perdida. Mero engano.

O italiano encerrou a temporada com 15 gols em 1.746 minutos na Ligue 1 (um a cada 116.4 ou um jogo e 26 minutos). O detalhe dos tentos é a distribuição deles. Foram oito na primeira etapa e sete na segunda, sendo sete em ações de jogo, três de pênalti, três após cruzamentos e dois de falta. Foi o artilheiro do time e peça-chave da formação ao lado do excelente meio-campista Jean Seri.

Ah, e sobre a tão cobrada questão disciplinar – com razão – Balotelli recebeu seis cartões amarelos e dois vermelhos.

4 – Nice voltando à Liga dos Campeões

Favre recolocou o Nice em uma Liga dos Campeões | Foto: Divulgação/OGC Nice

Com Lucien Favre no comando, o Nice fez história e, finalmente, terá a honra de disputar a Liga dos Campeões – mesmo que seja a fase prévia. Foram apenas duas vezes na história que isso aconteceu e a última foi na temporada 1959/60, quando caiu nas quartas-de-final para o Real Madrid.

Apesar de tradicionalíssimo, o Nice não tem grande carreira europeia, especialmente em anos mais recentes. Neste século, por exemplo, disputou duas edições da extinta Taça Intertoto e, mais recentemente, participou da Liga Europa sem grande sucesso – na atual temporada, caiu na fase de grupos.

Boa parte dos méritos vão para Favre, que armou uma equipe extremamente competitiva, capaz de bater de frente com os poderosos PSG e Monaco – nos 12 pontos disputados contra os dois, somou sete. Parte disso é explicado pela eficiência ofensiva, registrada nos números: 4º melhor ataque da Ligue 1, com 63 gols marcados, mas com a marca de ser apenas o 12º time no ranking de chutes por jogo.

Pena que Favre não deve permanecer nas Águias para a próxima temporada – o Borussia Dortmund é o principal cotado para tê-lo como treinador.

3 – Quadrado mágico do Monaco

Falcao foi um dos pilares do poderoso ataque monegasco | Foto: Divulgação/AS Monaco

Disparado o ataque mais positivo da Ligue 1, com 107 gols marcados – 60 (!!!) há mais que na temporada passada – o Monaco deve parte desse sucesso ao mágico quadrado ofensivo, formado pelos habilidosos Thomas Lemar e Bernardo Silva e dos letais Kyllian Mbappé e Radamel Falcao.

Dos 107 gols, 53 saíram do quarteto, ou seja, impressionantes 49,5% dos tentos. Destaque, é claro, para o colombiano, que voltou a ter uma temporada relevante e marcou 21 gols, e para o prodígio Mbappé, autor de 15 tentos.

Interessante destacar também a distribuição das assistências de Silva e Lemar: das nove do português, quatro foram para Mbappé, enquanto três das dez do francês foram para Falcao. No jogo de duplas de Leonardo Jardim (dois meio-campistas, dois articuladores e dois homens de frente), foi a formação de um quarteto que transformou a avassaladora máquina de gols do Monaco.

2 – El Pistolero!

Cavani fez 35 gols em 36 jogos na Ligue 1 | Foto: Divulgação/PSG

Em 36 jogos, 35 gols. Nunca Cavani marcou tantos quanto nessa temporada, superando, inclusive, 2012/13, quando marcou 29 na Série A italiana, ainda com a camisa do Napoli. Foi o artilheiro da Ligue 1 com sobras.

O detalhe interessante da temporada de El Pistolero é a regularidade: 18 gols foram feitos no primeiro turno e 17 no segundo. Se dividirmos o jogo em três partes de 30 minutos, observaremos que 15 tentos do uruguaio saíram na faixa final (contra 12 entre 0-30; 8 entre 30-60), mostrando que foi decisivo – coisa a qual era cobrado em temporadas anteriores.

Em dez ocasiões fez ao menos dois gols, incluindo uma em que fez quatro, no 6 a 0 sobre o Caen. Além disso, dos 36 jogos em que atuou, só não marcou em 13. Em uma temporada bem decepcionante dos parisienses, Cavani foi o ponto fora da curva e o diferencial do time.

1 – O campeão!

Com méritos, a taça Ligue 1 ficou no Principado | Foto: Divulgação/AS Monaco

Enquanto todos esperavam o quinto título consecutivo do Paris Saint-Germain, surgiu o Monaco. Time de futebol envolvente, de dominação de espaço, mas, ao mesmo tempo, agressivo, os monegascos ergueram o troféu de campeão nacional após 17 anos.

A campanha foi irretocável, com maior número de vitórias (30), menor de derrotas (3), melhor ataque (107 gols) e melhor campanha como mandante e visitante. Somado a isso, o Monaco encerrou a Ligue 1 invicto a 20 jogos, com 12 vitórias seguidas e nenhum tropeço em 2017.

Interessante ressaltar ainda que, segundo o WhoScored, o Monaco foi o time que teve maior média de finalizações na temporada, mas foi apenas o quinto em posse de bola e sexto em porcentagem de passes certos. Ou seja, foi uma equipe de controle espacial e de intensa eficácia com a bola no pé.

Somado a isso, o time comandado por Leonardo Jardim apresentou ao mundo jovens talentos que quem acompanha o Francesão há algum tempo já conhece, como Benjamin Mendy, Tiemoué Bakayoko, Thomas Lemar, Fabinho, Bernardo Silva e, é claro, a estrela da companhia, Kyllian Mbappé. É, amigos, daqui algum tempo, teremos história para contar desse fantástico time.

O que acharam dos tops da Ligue 1? Faltou alguém? Exagerei em algum ponto? Dê seu pitaco! Ainda nesta semana trago os flops da temporada.

11 na História: Bordeaux 1998/1999

Inauguramos agora mais uma seção no blog, o “11 na História”. Neste quadro, vamos recordar alguns times que marcaram na Europa – com foco, é claro, na França – seja pelos resultados ou por um legado futebolístico que tenha deixado. A ideia é valorizar os times pelos seus feitos e resgatar a história destas conquistas.

O time que abre a nossa série é o Bordeaux da temporada 1998/1999, campeão nacional depois de mais de uma década. A equipe também marcou a história do Campeonato Francês ao apresentar ao mundo um quarteto ofensivo de dar inveja a muitos times, composto por Ali Benarbia, Johan Micoud, Lilian Laslandes e Sylvain Wiltord, o astro da companhia.

Relembre mais dessa história:

Período de reconstrução

Nos anos 80, o Bordeaux se notabilizou como uma das equipes mais fortes do futebol francês ao conquistar três títulos do Campeonato Francês entre 1984 e 1987. Neste meio tempo, venceu duas edições da Copa da França e chegou a semifinal da Copa dos Campeões da Europa em 1984/1985, quando ficou por um gol de chegar à final – perdeu na ida para a Juventus por 3×0 e venceu na volta por 2×0. Naquela época, se notabilizaram no clube atletas renomados, como Jean Tigana, Alain Giresse, René Girard e Dieter Müller.

Sob a batuta do clube estava Claude Bez, presidente girondino, imortalizado pelos bons resultados no período de construção do sucesso nos anos 80. Entretanto, o que era um sonho para o Bordeaux, tornou-se em um pesadelo em pouco tempo. Ao término da temporada 1990/1991, a Direção Nacional de Controle de Gestão (DNCG, na sigla em francês) decidiu rebaixar os Girondins por causa do déficit orçamentário, que batia na casa dos € 45 milhões. Bez foi forçado a renunciar e o clube disputou a segunda divisão por uma temporada.

Com esse rápido recuo, o Bordeaux teve uma década de 90 de pura reconstrução. Novos parceiros, novos jogadores e objetivos sendo alcançados passo a passo. Foi nesta época que o clube lançou atletas como Christophe Dugarry e Bixente Lizarazu, teve no elenco Zinedine Zidane e, com eles, foi vice-campeão da Copa da Uefa em 1996, diante do Bayern – só ressaltando que os franceses fizeram a partida de ida sem o citado trio e perderam por 3×0.

O treinador: Elie Baup

Baup foi de auxiliar a campeão francês no Bordeaux | Foto: Jean Jacques Saubi

Baup foi de auxiliar a campeão francês no Bordeaux | Foto: Jean Jacques Saubi

O ápice dessa reconstrução do Bordeaux começou a ser concretizado na metade da temporada 1997/1998. Longe da briga pelo título, a diretoria optou por trocar o técnico. Guy Stephan foi embora e deu lugar a Elie Baup, que era o auxiliar-técnico. Ao término da temporada, os Girondins ficaram na 5ª colocação, com 56 pontos e Baup mantido no posto.

Sempre com seu bonezinho na beirada do gramado, Baup teria na temporada seguinte o grande desafio da carreira. Depois de uma fracassada passagem pelo Saint-Étienne entre 1994 e 1996, onde conseguiu rebaixar o clube duas vezes (na primeira vez, não caiu pelo escândalo envolvendo Marseille e Valenciennes), ele teria em mãos um elenco talentoso, que tinha como grandes expoentes os jovens Ali Benarbia e Sylvain Wiltord, além do talentoso Johan Micoud e o matador Lilian Laslandes.

Jogos chave

22ª rodada – Bordeaux 4×1 Marseille

A briga pelo título estava polarizada entre Bordeaux e Marseille. Ambos possuíam campanhas sólidas e faziam jus a tal status. O OM, líder com 48 pontos, tinha a melhor defesa e contava com uma equipe experiente, composta pelos campeões mundiais Laurent Blanc e Christian Dugarry e pelo italiano goleador Fabrizio Ravanelli. Além deles, compunham o elenco os cobiçados Willy Gallas e Robert Pirès. Rolland Courbis tinha em mãos um time bastante forte.

Do outro lado, porém, estavam os Girondins, campeões do primeiro turno, sofreram dois tropeços no início da segunda parte da competição e acabaram ficando na vice-liderança com 45 pontos. Ainda assim, tinham o melhor ataque, com 44 gols marcados.

A gana de vencer e diminuir essa diferença fez com que tivessem 20 minutos de gala. Entre os 14 e 34 minutos da primeira etapa, o Bordeaux abriu 4×0 e encaminhou a vitória que lhe recolocou na liderança. Dugarry chegou a descontar na etapa final, apenas para fazer valer a “Lei do Ex”, mas insuficiente para estragar a festa dos Girondins, que assumiram a liderança da competição.

PSG: O fiel da balança

Contra o PSG, Wiltord foi quem decidiu com dois gols | Foto: Divulgação

Contra o PSG, Wiltord foi quem decidiu com dois gols | Foto: Divulgação

Depois da vitória no confronto direto, a liderança tornou-se uma batata quente, que queimava de mão em mão. Só houve uma estabilização no posto entre a 29ª e a 31ª rodada, quando o Bordeaux acumulou três tropeços seguidos e o Marseille se aproveitou.

Entretanto, faltando duas rodadas para o término da temporada, entrou em cena o Paris Saint-Germain. Com uma péssima campanha, ocupando a indigesta 10ª colocação, a equipe da capital francesa receberia o Marseille na 32ª rodada e o Bordeaux na última. Seria o legítimo fiel da balança, que decidiria o campeonato de forma indireta.

Tudo corria de vento em popa para o OM durante a rodada 32. Vencia o clássico por 1×0 e via os Girondins empatando em 2×2 com o Lens. Com essa combinação, chegaria a 68 pontos e abriria quatro pro Bordeaux, podendo ser campeão na rodada seguinte. Essa história virou pó a partir dos 37 minutos do segundo tempo dos dois jogos.

Neste mesmo minuto, Sylvain Wiltord acertou um chute de rara felicidade, do meio da rua, e virou a partida para o Bordeaux em Lens. A vantagem, que era de quatro pontos, voltava para dois. Um minuto depois, em Paris, Marco Simone finalizou de fora da área para empatar o clássico – e também o campeonato. Não deu muito tempo para respirar, e em um vacilo na saída de bola, Bruno Rodriguez aproveitou, virou a partida para o PSG e abriu caminho para o título do Bordeaux.

O trágico 2×1 tirou o Marseille da ponta e colocou lá o time de Élie Baup, que precisava manter a regularidade para ser campeão. E assim o fez ao vencer o Lyon por 1×0 e o próprio PSG por 3×2, numa emocionante partida decidida no minuto 88 por Pascal Feindouno, garoto de 18 anos que fez naquela noite o primeiro gol como profissional.

Cabe aqui abrir parênteses: essa vitória do Bordeaux sobre o Paris é até hoje questionada, especialmente pelo Marseille, pela vontade – ou falta dela – do PSG em vencer o jogo, tendo em vista a rivalidade criada pelas duas equipes.

Para o Bordeaux, essa rixa entre marseilaises e parisienses pouco importa. O que valeu foi o título, que veio 12 anos depois, superando frustrações como um vice-campeonato europeu, campanhas ruins e até um rebaixamento.

Time-base:

sem-titulo

Jogadores-chave:

Lassina Diabaté: meio-campista defensivo de bom combate, Diabaté era peça de confiança de Elie Baup. Canhoto e incansável, ajudou a solidificar o meio-campo da equipe, que ainda tinha o capitão Michel Pavon e os talentosos Ali Benarbia e Johan Micoud.

Ali Benarbia: O talentoso meia argelino ficou apenas uma temporada no Bordeaux, mas fez valer a pena cada uma das 25 partidas que disputou. Ao lado de Micoud, Wiltord e Laslandes, compôs um dos quartetos ofensivos mais poderosos dos últimos tempos na França. Com destaque nas assistências, foi eleito o melhor jogador da temporada antes de migrar para a capital e vestir a camisa do PSG.

Johan Micoud: Jogador de muita classe e técnica refinada, Micoud fez sua história especialmente no Bordeaux, por onde passou seis temporadas. O título em 1999 foi a grande conquista que teve pelo clube. Ao todo, anotou nove gols e deu seis assistências na temporada, sendo decisivo para o título e também para seu ingresso na seleção francesa – em 2000, seria campeão europeu com a França.

Lilian Laslandes: Centroavante a moda antiga, Laslandes teve a melhor temporada da carreira no ano do título do Bordeaux. Esteve em campo em 33 dos 34 jogos e marcou 15 gols, incluindo um triplé diante do Metz, na goleada por 6×0. Ingressou na lista de maiores artilheiros da história do clube e cravou nome entre os ídolos girondins.

Sylvain Wiltord: Para formar dupla letal com Laslandes, nada melhor que um atacante rápido e incisivo como Sylvain Wiltord. A combinação deu certo e ele anotou 22 gols na temporada, sendo o artilheiro do campeonato. Ou seja, 37 dos 66 gols saíram da dupla. Wiltord, porém, acabou sendo mais decisivo, com dois gols importantes no jogo do título diante do PSG, na vitória sobre o Marseille e em outros jogos de placares apertados, onde seus gols aumentaram em importância. O atacante do Bordeaux acabou sendo eleito o jogador francês do ano pela revista France Football – a última vez que o premiado foi um jogador girondin foi o ídolo Jean Tigana.

Futuro

Mesmo mantendo boa parte da base, o Bordeaux não teve uma temporada 1999/2000 das mais felizes. A dupla Laslandes e Wiltord foi às redes apenas 14 e 13 vezes, respectivamente, e não conseguiram ajudar os Girondins a conquistarem mais do que um 4º lugar. Além disso, o time ficou marcado por ter sido eliminado da Copa da França na fase semifinal diante do modesto Calais RUFC, clube da quarta divisão.

O seguinte – e até agora último – título francês do Bordeaux veio apenas na temporada 2008/2009, no histórico time comandado por Laurent Blanc.

Lances:

No vídeo abaixo, você confere todos os gols da campanha do Bordeaux no título da temporada 1998/1999, os 11 na História do Europa Football:

Ergam uma estátua para Messi!

Melhor time que já vi! (Getty Images)

Enfim pudemos acompanhar a final da Uefa Champions League jogada no Wembley e presenciamos também mais um título de certamente mais um dos grandes times da história do futebol.

Guardiola e sua terceira Champions League. Segunda como treinador.

Não adianta empurrar pra debaixo do tapete e dizer que ainda falta muito. Isso é levar longe demais a visão saudosista do futebol, como se não fosse possível surgir um time que no duro e físico futebol moderno, pudesse jogar bonito, jogar simples, jogar enchendo os olhos de quem o assiste.

O Barcelona, de Guardiola é sim um dos maiores times de todos os tempos!

Talvez Pep não tenha tantos méritos, apenas sorte por treinar um time sensacional, mas não custa lembrar que foi ele quem resgatou Busquets e Pedro nas canteras do clube. Não custa lembrar também que foi ele quem tirou Messi da ponta direita e o colocou centralizado, mais precisamente atrás dos volantes. Ele tem sim seus méritos, mas o que me agrada é que não estão enchendo a bola de Guardiola, assim como ele não pede para que levantem sua moral com o público. Todos vangloriam o time do Barcelona, o estilo de jogo e o modo como dominam as partidas e encantam seus fãs.

A cereja desse delicioso bolo barcelonista é Lionel Messi!

Messi vibrou muito! Olhem a cara do Vidic lá atrás....

Ele não destruiu simplesmente a partida disputada no Wembley. Messi acabou com o torneio. Pela terceira vez consecutiva ele se sagrou artilheiro da competição. Nos três anos em que ‘Lio’ foi o goleador máximo da Champions League, ele somou 29 gols.

Não sei se chega a ser um exagero deste blogueiro, mas o que vimos neste sábado foi uma das maiores atuações de um time em uma final de Champions League!

Faltava pegada ao meio campo inglês. Aliás, faltava uma clareza maior ao time do Manchester. Quando vi a escalação, logo pensei que Park era quem tentaria conter as subidas de Daniel Alves. Foi isso que aconteceu nos 10 minutos iniciais, onde o United marcou pressão e foi melhor, mas nos 80 minutos restantes, o que vi foi um Park tonto no meio campo e experiente Giggs parado na faixa esquerda do campo, tentando conter as subidas de um veloz Dani Alves. O brasileiro ficou diversas vezes livre, mas pouco recebeu a bola.

Mas durante o jogo, o Barça teve dois tipos de domínio de jogo. Na etapa inicial, “dominou” o jogo. Tinha mais a bola, Messi sempre conseguia uma escapada ou outra e o lado de Evrá era o ponto onde o Barça encontrava mais espaços. Foi por lá que Pedro se enfiou para abrir o marcador. Aliás, dá para citar uma série de lances de ataque do Barça que foram por lá. Não foi culpa só de Evrá, e sim falta de alguém que lhe auxilia-se na marcação.

Um dos últimos suspiros de bom futebol do United foi aos 34 minutos, quando Rooney tabelou com Giggs e fez um golaço de pé direito. Mesmo assim, o Barça “dominou” o jogo.

Messi acabou com o segundo tempo (AP)

Na etapa final, aconteceu o segundo tipo de domínio: o DOMÍNIO. As palavras são as mesmas, mas eu quero dizer uma coisa mais ampla. O Barcelona seguiu jogando pelo lado direito de ataque, mas com ataques mais incisivos, encurralando o United. Dani Alves, antes esquecido, passou a ser mais acionado e Messi, que já vinha fazendo uma partida muito boa, chamando o jogo, deixando a marcação para trás e servindo seus companheiros, decidiu mostrar mais.

No segundo gol catalão, o argentino acertou um petardo de canhota. Dava para Van der Sar pegar? Para mim, não. A curva da bola tirou seu alcance e o holandês estava encoberto. No terceiro gol, ele deixou dois marcadores para trás e após bate e rebate, viu Villa fazer um golaço de pé direito.

Foi mágico! O Barcelona triturou o Manchester em poucos minutos. O time catalão fez o United parecer um time ruim!

Não foram dois gols que saíram por acaso, foram gols que saíram por seus méritos, pressionando e mostrando que não queriam prorrogação. Aliás, se os dois gols saíssem por acaso, acho que o United teria forças para empatar, mas os dois gols, do jeito que saíram, abalariam qualquer um.

Ferguson até escalou mal o time, mas mesmo que escalasse bem, a frase de Van der Sar define bem o Barcelona e define que mesmo bem escalado, talvez fosse difícil pro United vencer:

Eles são bons demais

Até Alex Ferguson reconheceu…

Fomos superados por um time fantástico, o melhor que já enfrentamos desde que estou à frente do Manchester. Eles mesmerizam você com suas trocas de passe e nós nunca conseguimos controlar Messi. Quando você enfrenta times que alcançam níveis como esses, fica difícil. Grandes times funcionam em ciclos e o ciclo do Barcelona neste momento é o melhor da Europa, não há dúvidas sobre isso

Messi e seus poderes alienígenas acionaram a drenagem (AP)

Deve ter batido aquela sensação que por quanto mais que tu tentasse, nada poderia fazer para bater o Barcelona. Os caras são demais! É de longe, o melhor time que vi jogar e Messi é o maior que já vi jogar.

O que esse cidadão tem feito desde que chegou ao Barcelona é algo de outro mundo, como diz o título do post, devem erguer uma estátua para esse alienígena que vive em nosso planeta!

Tenho medo de Messi. É verdade, medo. O que será desse rapaz aos 30 anos? Ele tem só 23 e joga isso tudo. Se Deus quiser, algum dia verei esse cidadão ‘in loco’. Seja na Catalunha, aqui no Brasil ou no Iraque em meio a uma guerra, ainda verei esse cara jogar em alto nível no estádio. Sem falar que em 2014 teremos (???) Copa do Mundo aqui no Brasil e durante algum tempo, eu lia piadinhas de que Messi calaria o Maracanã na final da Copa em Argentina x Brasil. Eu achava que era mais provocação e hoje acho que isso pode mesmo acontecer.

Aliás, procure outro jogador além de Messi que conseguiu dar uma caneta em Nemanja Vidic. Se encontrar, me avise, porque eu não me lembro de nenhum!

Não adianta vir com aquele papinho que a imprensa brasileira é puxa-saco do Barcelona. Não tem como não babar por esse time. O Marca, jornal tipicamente madridista colocou na home de seu site: “Um Barça de Sonhos”. O Olé da Argentina escreveu: “Deus salve o rei!”. Mas nenhuma ganha do site oficial do Manchester United:

Às vezes você tem que apenas levantar as mãos e admitir a derrota. Em Wembley, na noite de sábado, o Barcelona mostrou por que é considerado por muita gente o melhor time de futebol do planeta

Se quiserem também botar nesta estátua uma menção honrosa para Puyol, será justo também. Foi um ato muito nobre da parte dele deixar Abidal erguer a taça, depois do sofrimento que o francês deve ter passado.

Título mais do que merecido para um dos maiores times da história, que DOMINOU a partida taticamente e técnicamente. Parabéns Barcelona!

Lille acabando com o jejum… em dobro

Texto de Willian Kressin

Foram 56 anos sem um título de importância. Mas no ultimo sábado, o Lille venceu o Paris Saint-Germain no Stade de France e garantiu o titulo da Copa da França. E ontem, após vencer o Sochaux, está com 99,99% de chance de ser campeão da Ligue 1. Ou seja, o Lille é o grande time da temporada 2010/2011 na França.

Muitas vezes considerado somente um time que brigaria por uma vaga na Liga Europa. Outras tantas consideradas um time que começa bem e que depois volta à realidade caindo para o meio da tabela. Quem disse isso pode repensar, pois o Lille provou o seu valor na temporada 2010/2011.

Lille foi campeão da Coupe de France

No último sábado a equipe enfrentou o PSG no Stade de France em busca do titulo da Copa da França. Um titulo que não vinha desde 1955. Quando a bola rolou, a jovem equipe comandada por Rudi Garcia mostrou toda a sua capacidade. Foi o dia em que todos viram do que o Lille é capaz. As 79 mil pessoas presentes no Stade de France viram um grande jogo, onde o time de Hazard, Gervinho e outros bons jogadores conseguiram vencer o PSG de forma irrepreensível. Não foi fácil, mas o belo gol marcado por Obraniak aos 44 minutos do 2° tempo garantiu o merecido titulo ao Lille, acabando com o jejum de 56 anos e dando a oportunidade para a sua torcida tirar o grito de “É campeão” que estava entalado na garganta.

Um dia após vencer a Copa da França, o Lille viu o Olympique de Marseille – único concorrente ao título da Ligue 1 – empatar com o Lorient, dando a oportunidade para o Lille abrir 6 pontos na liderança com apenas mais duas rodadas a serem disputadas, ou seja, somente mais 6 pontos em jogo. Mas para isso o Lille teria que vencer o Sochaux na quarta-feira (ontem).

E agora virtual campeão da Ligue 1

Ontem, quando a bola rolou no estádio Lille-Metropóle, o que vimos foi um Lille alucinado em busca da vitória. O time mostrou um futebol de extrema qualidade, amassando o Sochaux. Mas quis o destino que o gol do Lille não quisesse sair. Gervinho e Sow tiveram várias chances. O primeiro chegou a acertar a trave 3 vezes. Mas o tão esperado gol saiu, aos 9 minutos da segunda etapa, justamente com Gervinho. O gol que garantiu a vitória ao Lille, e convenhamos, garantiu o titulo da Ligue 1.

A vitória contra o Sochaux tornou o Lille o virtual campeão da Ligue 1. Isso porque com 6 pontos de vantagem e somente6 aserem disputados, um empate garante o titulo. Além disso, mesmo perdendo ambos os jogos e o Olympique vencendo os dois, dependendo do saldo de gols, o Lille garante o titulo. Nem o mais otimista dos torcedores do Olympique de Marseille acredita ainda no bi-campeonato.

A temporada 2010/2011 jamais será esquecida pelos torcedores do Lille. Campeão da Copa da França e campeão da Ligue 1. O jejum de títulos que durava 56 anos chegou ao fim e o futuro dessa jovem equipe tem tudo para ser ainda melhor. Isso se a Europa deixar.

É praticamente impossível o Lille manter os jovens jogadores que são as estrelas desse elenco. A saída do belga Hazard é praticamente certa. Moussa Sow também pode deixar a equipe. Sem falar em outros jogadores que podem ir para grandes clubes da Europa.

Para o Lille ter um futuro vitorioso, caberá a direção manter a grande gestão que vem sendo feita nos últimos 10 anos. Algumas saídas serão inevitáveis, mas ainda há muitos jogadores que podem levar essa equipe em frente. Agora chegou a hora do Lille se tornar uma das potências do futebol Europeu.

TOP 7: Os sete jogos decisivos pro título do Dortmund

A torcida do Borussia Dortmund pôde finalmente tirar o grito de “É Campeão!” da garganta. A vitória de hoje, por 2×0 sobre o Nüremberg e a derrota do Leverkusen diante do Colônia, também por 2×0, além de aumentar a fama de Neverkusen do time adversário, deu o título ao BVB.

Então, para justificar o título do Borussia Dortmund, o blog Europa Football mostrará abaixo os cinco jogos mais decisivos da temporada. Foram aqueles jogos que após o seu término te deixavam a impressão de: “Putz, depois desse jogo, não tem como eles não serem campeões”. Vamos a eles!

7º jogo

31 de outubro de 2010
Mainz 0x2 Borussia Dortmund – Stadion am Bruchweg

Na época, era o jogo que todos queriam ver. O então líder Mainz contra o vice-líder Dortmund. Eram as duas equipes que apresentavam o melhor futebol da competição e o BVB passou de forma soberana, com um categórico 2×0.

 6º jogo

14 de janeiro de 2011
Bayer Leverkusen 1×3 Borussia Dortmund – BayArena

Esse foi o primeiro jogo do 2º turno. O líder Dortmund, tinha dez pontos de vantagem para Mainz e Leverkusen, times que vinham logo atrás e era justamente o Bayer seu primeiro adversário na fase final. Mas o BVB fez três gols em seis minutos, venceu por 3×1, contou com o tropeço do Mainz e com a leve aproximação do Hannover, abriu 12 pontos no posto mais alto da tabela.

5º jogo

9 de abril de 2011
Hamburgo 1×1 Borussia Dortmund – Imtech Arena

O Dortmund ia acumulando alguns tropeços decisivos e chegava na 29ª rodada com 7 pontos de vantagem pro Leverkusen, que venceu na então rodada o Kaiserslautern por 1×0. O BVB perdia pro Hamburgo por 1×0, jogava mal e ainda tinha perdido Lucas Barrios machucado. Até que Jurgen Klopp atuou. Ele colocou o  lateral Owomoyela no meio campo e lançou Kuba. Os dois participaram do gol do empate, anotado pelo polonês, aos 47 minutos da etapa complementar.

4º jogo

19 de setembro de 2010
Schalke 1×3 Borussia Dortmund – Veltins Arena

Derby do Vale do Ruhr, disputado no primeiro turno. Foi uma atuação impecável do Dortmund. O BVB dominou durante os 90 minutos, abriu 3×0 com facilidade e só sofreu o gol quando tirou o pé do acelerador.

3º jogo

15 de outubro de 2010
Colônia 1×2 Borussia Dortmund – Rhein-Energie Stadion

Essa rodada foi uma das mais importantes da temporada. O Borussia Dortmund conseguiu uma grande vitória fora de casa e o Mainz perdeu sua incrível invencibilidade – 7 vitórias seguidas nos 7 primeiros jogos da temporada – pro Hamburgo e o BVB assumia a liderança da Bundesliga. O jogo em si também foi muito marcante. Kuba abriu o placar na primeira etapa e na etapa final, Podolski e Sahin se estranharam e minutos depois, Poldi empatou o jogo. Ambos seguiram se estranhando, principalmente porque dias antes, a Alemanha, de Podolski, tinha vencido a Turquia, de Sahin. Nos acréscimos, Sahin fez o gol da vitória do Dortmund e correu até o meio campo provocar Podolski. Foi uma cena daquelas!

2º jogo

30 de abril de 2011
Borussia Dortmund 2×0 Nüremberg

Esse foi o jogo dessa manhã. Jogo tenso, mas que após o primeiro gol, anotado por Barrios, deixou tudo mais calmo. O BVB levou o 2º tempo em banho-maria e ainda viu o Leverkusen tomar dois gols do Colônia e deixar o Dortmund com o título, após o 2×0.

1º jogo

26 de fevereiro de 2011
Bayern 1×3 Borussia Dortmund – Alianz Arena

Para muitos, era o jogo mais decisivo da Bundesliga. O Borussia Dortmund ia pra Alianz Arena para confirmar o rótulo de favorito e o Bayern, na época 13 pontos atrás do BVB, ia tentar começar uma arrancada rumo ao título. O que se viu foi uma atuação magistral do Borussia Dortmund, que resultou num festejado 3×1.

 

Atlético de Madrid é super-campeão europeu

Que Inter, que nada. São os Colchoneros (Foto: Getty Images)

O última campeão da Uefa Europa League é o super campeão europeu. O Atlético de Madrid não se importou pela Internazionale ser atual campeã da Champions League e carimbou a faixa dos Nerazzurri. O jogo de certa forma decepcionou, já que muitos esperavam um jogo melhor tecnicamente, mas foi o típico “jogo de início de temporada”.

Forlán já teve dias melhores (EFE)

No jogo que abriu a temporada européia, as duas equipes tinham brasileiros em campo. Na Inter, Júlio César, Lúcio e Maicon estavam na partida, já o Atlético tinha o luso-brasileiro Paulo Assunção, porém, não tinha Filipe Luís, que não foi relacionado. O primeiro tempo foi fraco. Poucas chances de gol. Ambas as equipes arriscavam alguns chutes de fora da área, mas a bola alta era a principal fonte de jogadas, só que as boas jogadas foram lances isolados. Eto’o e Agüero criaram essas oportunidades. O camaronês cortou da esquerda para o meio e bateu, a bola foi para a direita de De Gea. O argentino invadiu a área, mas acabou finalizando para fora. O primeiro tempo ficou devendo muito, e para a etapa final, só a esperança de um jogo melhor.

Aí fera! Essa não deu (AFP)

A segunda etapa começou melhor. A Inter foi mais para o ataque, mas bem marcado e também pouco inspirado, Sneijder não ajudou e os rápidos contra-ataques colchoneros encomodavam. Reyes precisou de duas chances para marcar. Na primeira, Júlio César fez um milagre, na segunda não deu. O espanhol tabelou com Agüero e tocou na contrapé do goleiro brasileiro. A Inter era dominada em campo. O Atlético criava pouco, mais nos chutes de fora da área, mas a sua maioria ia em cima de Júlio César. Já com Philipe Coutinho em campo, a Inter viu a derrota ser concretizada. Simão fez bom lance pela esquerda e tocou para Agüero completar em gol. A Inter teve nos pés de Milito a chance de voltar ao jogo, mas o argentino perdeu um pênalti, cujo foi defendido por De Gea.

Com todos os méritos, o Atlético de Madrid conquista a Supercopa da Uefa e carimba a faixa de campeão da Champions League da Inter. O time espanhol jogou melhor, pareceu realmente querer ganhar essa competição. Parabéns aos Colchoneros

Festa em Madrid (Marca)