Dia 7 está aí! Faça sua escolha!

Diriam os mais ufanistas que no domingo, 7 de outubro, será realizada a “festa da democracia”. Outros já diriam que é uma chata obrigação, que atormenta a cada dois anos. O povo vai às urnas, pressionará uma meia dúzia de botões e escolherá quem irá representá-lo na prefeitura nos próximos quatro anos. Enquanto isso, na Europa, outro tipo de eleição, que não é obrigatória, mas que pelo menos não incomoda ninguém, irá acontecer.

Essa eleição não envolve compra de votos, placas de vereadores, adesivos de prefeito e muito menos, carros de som com grudentas músicas de candidatos. Para falar a verdade, não existem perdedores nessa eleição, somente vencedores, que somos nós, admiradores do bom futebol e dos grandes clássicos do velho continente.

Poucas vezes teremos a oportunidade de ver tantas rivalidades sendo afloradas no mesmo dia e nós teremos a condição de escolher qual assistir. Dependendo dos recursos que você tiver em mãos – televisão, computador, tablet, celular -, poderá acompanhar mais de um ao mesmo tempo. Mas se você é da moda antiga e gosta de assistir apenas uma partida, confira nos parágrafos abaixo, motivos para escolher pelo menos um dos clássicos que teremos no próximo dia 7 de outubro:

Novo embate: Messi x Cristiano Ronaldo

A Espanha vai parar para acompanhar o primeiro grande jogo entre Real Madrid e Barcelona no Campeonato Espanhol – lembrando que as duas equipes já se enfrentaram pela Supercopa. Mesmo levando em conta que “clássico é clássico e vice-versa”, podemos afirmar que o time catalão é favorito neste duelo.

Com seis vitórias nos primeiros seis jogos da temporada, o Barcelona tem o melhor ataque do Campeonato Espanhol com 17 gols. Embora tenha 100% de aproveitamento, o time de Tito Vilanova passou sufoco nas partidas contra Osasuna, Valencia, Granada e Sevilla na liga. Além disso, as atuações blaugranas na UEFA Champions League não foram das melhores, com uma vitória de virada diante do Spartak Moscou e outro triunfo, esse por 2×0, diante do Benfica.

Vilanova tem alguns problemas para a partida de domingo. Primeiro no meio-campo, com o brasileiro naturalizado espanhol, Thiago Alcântara, que lesionou o joelho e deverá ficar um bom tempo fora de combate. Já o outro problema está na defesa, onde Puyol e Piqué estão contundidos, fazendo com que a zaga seja formada por Mascherano e Song, dois volantes. Porém, esses problemas são totalmente contornáveis se compararmos com os que andam acontecendo nos lados de Madrid.

Depois da “tristeza” de Cristiano Ronaldo e da indefinição do futuro de Kaká, eis que surge a notícia de que, na partida contra o La Coruña, o defensor Sérgio Ramos jogou com a camisa 10, de Özil, debaixo do seu uniforme para dar apoio ao alemão, que havia sido substituído por José Mourinho. No momento, fala-se mais do clima tenso entre jogador e técnico do que do grande clássico.

Além disso, o Real Madrid está numa preocupante 6ª colocação, com 10 pontos. Uma eventual derrota para o Barcelona o deixaria onze pontos atrás do rival e tornaria a conquista do título quase impossível, mesmo se tratando de início de temporada. Para tentar evitar essa cena, Mourinho talvez lance a campo o brasileiro Kaká, que teve boa atuação diante do Ajax e pode figurar entre os titulares.

Cafézinho pra assistir ao jogo?

De um lado, uma Inter de nova cara, agora treinada por Andrea Stramaccioni, do outro, um Milan enfraquecido e que ocupa a parte debaixo da tabela do Campeonato Italiano. Essa será a formatação do Derby della Madonnina.

A Inter vem conquistando bons resultados e com seus 12 pontos, sonha com um tropeço da líder Juventus para poder encostar no topo da tabela. A característica do time de Stramaccioni está no encaixe que a Inter faz com o adversário, tentando fazer com que seu esquema anule o do oponente, opção que, por enquanto, tem dado certo.

Uma das novidades do clássico deverá ser Rodrigo Palacio. O atacante argentino estava lesionado, mas já voltou a treinar com o grupo na segunda-feira e até foi poupado no confronto da Liga Europa, contra o Neftçi, visando o clássico.

Wesley Sneijder tinha tudo para disputar o clássico, mas o holandês está lesionado e ficará fazendo tratamento, se ausentando da partida

Se a Inter sonha em encostar nos líderes, o Milan pretende sair da parte inferior da classificação. Os Rossoneros conquistaram apenas 7 pontos e no momento, ocupam a 11ª colocação. Além disso, na UEFA Champions League, os comandados de Massimo Allegri, mesmo invictos, ‘penaram’ para derrotar o Zenit no último meio de semana.

O brasileiro Alexandre Pato voltou a treinar e pode ser escalado no domingo. O tempo que ele aguentará, só Deus sabe. Façam suas apostas!

A partida do domingo também deverá marcar o reencontro de Pazzini e Cassano com seus ex-clubes. O primeiro era interista, enquanto o segundo defendia o time milanista, hoje, atuam nos lados contrários. Não se surpreendam caso um dos dois decida a peleja.

O clima esquentou entre Fournier e Ravanelli em 1998

Historicamente, talvez seja um exagero chamar o duelo Marseille x PSG como o maior clássico da França, mas nos últimos anos, é sim o grande confronto do país. Partidas marcantes, finais de campeonato, confusões… É isso que podemos esperar no próximo domingo.

O clássico promete porque o Marseille teve seu intenso ritmo quebrado na última rodada, enquanto o PSG vai se afirmando como grande favorito ao título. Quem vencer termina a rodada no ponto mais alto da tabela de classificação.

Antes do confronto contra o Valenciennes, na 7ª rodada, o Marseille tinha 100% de aproveitamento, seis vitórias em seis jogos. Nunca em sua história havia conseguido tal feito. Porém, o jogo diante do VAFC proporcionou uma dura queda, com uma goleada por 4×1.

Fica a dúvida do quão pesado será o valor desse tropeço. Na última temporada, o OM ficou invicto de novembro/2010 até fevereiro/2011, mas após perder o primeiro jogo, ficou até maio sem vencer. O elenco atual é praticamente o mesmo da temporada anterior e cabe ao novo técnico, Élie Baup fazer um trabalho psicológico melhor do que foi feito por Didier Deschamps.

Já o Paris Saint-Germain é uma das três equipes invictas na Ligue 1 – Lorient e Bordeaux são as outras duas – e já acumula cinco vitórias seguidas. Como ponto positivo da vitória sobre o Sochaux, por 2×0, foi participação discreta de Ibrahimovic. E onde há positividade nisso? Simples. Ficou provado, ao menos parcialmente, de que a dependência do sueco não é tão grande assim.

Para este clássico do primeiro turno, fica a lembrança do jogo da última temporada, onde o Marseille recebeu o novo milionário e badalado PSG e nem tomou conhecimento, ao vencer por 3×0, com show de Loic Rémy. Será que a história irá se repetir?

Fener e Besiktas mostra bem como é quente o futebol turco

Além das empolgantes torcidas, parte da minha admiração pelo futebol turco vem destes clássicos. Neste domingo, teremos mais um Fenerbahçe x Beşiktaş, o 333º encontro das duas equipes em toda a história. O Fenerbahçe é da parte asiática da cidade de Instanbul, enquanto o Beşiktaş fica na parte europeia da cidade, ou seja, ainda há uma questão cultural que envolve o clássico.

No confronto do próximo domingo, as duas equipes visam se aproximar do topo da tabela. Embora ocupem posições intermediárias – o Fenerbahçe é 6º e o Beşiktaş é 10º -, a distância de ambos para o líder, Galatasaray, é curta e para um início de temporada, completamente reversível.

Porém, o clima nos lados do Fener não é dos melhores. Com um elenco estelar – para o nível do Campeonato Turco -, o técnico Aykut Kocaman conseguiu arrumar confusão com um dos jogadores mais antigos do elenco: Alex. O brasileiro foi afastado e os indícios dão conta de ciúmes do comandante, que também jogou no clube e hoje vê Alex batendo seus recordes.

Além desse problema interno, o Fenerbahçe tenta se livrar da sina dos empates. Em seis jogos pelo Campeonato Turco, foram três partidas com placares iguais, sendo dois zerados. Para completar a sina ruim, o time de Kocaman vem de uma derrota para o Kasimpaşa, 2×0, completando dois jogos sem vitória no torneio nacional.

A primeira reação do time após essa polêmica foi boa e veio à vitória sobre o Borussia Mönchengladbach, na Alemanha, pela UEFA Europa League. O brasileiro Cristian Baroni, que chegou a dizer que estava triste com a saída do amigo Alex, fez dois gols na partida contra os germânicos.

Nos lados do Beşiktaş, as coisas andam mais tranquilas, mesmo com a decepcionante 10ª colocação. Ainda assim, começam a pesar as críticas em cima do técnico Samet Aybaba, que acostumado a treinar times menores na Turquia, agora terá de se virar com um elenco mais ‘cascudo’.

O Beşiktaş vem de duas derrotas seguidas, uma para o Gaziantepspor, que ‘namora’ com a zona de rebaixamento, e outra jogando em casa, diante do Sivasspor, em um confronto direto. Fatalmente, o time de Aybaba ocuparia a atual posição do então adversário – 4º lugar – se vencesse aquele jogo.

A outra missão do Beşiktaş será quebrar a série de nove jogos sem vencer o Fenerbahçe como visitante. O último triunfo foi na final da Copa da Turquia de 2006, 3×2 na prorrogação, no estádio İzmir Atatürk – a última vitória no Şükrü Saracoğlu foi em 2005. Desde então, foram três empates e seis derrotas, sendo duas vitórias seguidas nos últimos duelos.

Spartak x CSKA na luta para desbancar o bicampeão (e mal colocado) Zenit

Também teremos clássico na Rússia neste dia 7: Spartak x CSKA, o derby moscovita que movimentará a 11ª rodada do Campeonato Russo.

O Spartak, time da classe trabalhadora na origem soviética do clássico, visa encostar no próprio CSKA com uma vitória. A equipe de Unai Emery ocupa a 4ª colocação com 19 pontos e caso vença a partida, empata em pontos com a equipe rival, que no momento, se posiciona em 2º.

No Campeonato Russo, o Spartak vem de uma sequência de três jogos invictos, contabilizando um empate e duas vitórias. A principal aposta da equipe é o nigeriano Emmanuel Emenike, autor de quatro gols no campeonato. Além disso, o atacante deixou duas vezes sua marca na derrota diante do Celtic na Champions League.

A grande ausência será Rômulo. O brasileiro já estava se fixando no meio-campo do time ao lado de Källström e do compatriota Rafael Carioca. O ex-jogador do Vasco se lesionou e ficará alguns meses no estaleiro, fazendo com que o holandês De Zeeuw assuma a titularidade.

Já o CSKA, time dos militares na origem do clássico, chega com uma pequena dor de cabeça. Após seis vitórias seguidas, o time do experiente Leonid Slutsky foi derrotado em outro clássico moscovita, contra o Dínamo e acabou perdendo a liderança do campeonato para o Anzhi de Samuel Eto’o.

Por não disputar nenhuma competição europeia, o CSKA acabou investindo pouco para esta temporada, por isso o time é basicamente o mesmo de anos anteriores, com o acréscimo de muitos garotos. Um deles é o nigeriano Ahmed Musa, de 19 anos e que já tem três gols na temporada. Georgi Schennikov e Ravil Netfulin, ambos abaixo dos 22 anos, também estão recebendo suas oportunidades no time principal.

Embora esses garotos tenham seus papeis de destaque, o protagonismo do time ainda está a cargo dos ‘experientes’ Dzagoev e Honda, de 22 e 26 anos, respectivamente. A dupla anotou 7 dos 16 gols marcados pela equipe no Campeonato Russo.

O Porto em festa, o Sporting em crise. Promessa de clássico nervoso em Portugal

Domingo também é dia de clássico português, com certeza! O Porto, atual campeão de Portugal, irá enfrentar o Sporting Lisboa, clube que está em uma fila de dez anos sem conquistas do principal campeonato do país.

Os dois times vivem momentos opostos no torneio. Os Dragões dividem a ponta com o Benfica, ambos com 11 pontos e invictos, enquanto os Leões ocupam a indigesta 8ª colocação com seis pontos e apenas uma vitória.

Além de não ter sido batido em terras nacionais, o Porto chega com o moral alto, pois no complicado duelo diante do Paris Saint-Germain, pela UEFA Champions League, a equipe de Vítor Pereira venceu por 1×0 e manteve os 100% no torneio.

Outro ponto a se destacar deste confronto diante do time francês é que o Porto saiu com seus jogadores ilesos do embate. Embora fosse uma partida difícil e que exigisse demais dos atletas, nenhum saiu lesionado, propiciando ao técnico Vítor Pereira, as melhores escolhas para o clássico.

Já o Sporting vive situação dramática. O técnico Ricardo Sá Pinto, de tão pressionado, acabou sendo demitido às vésperas da partida. O treino desta sexta já foi cancelado e Oceano, treinador do time B do Sporting, comandará a equipe no clássico do domingo.

O fato de ter somente uma vitória no campeonato está incomodando tanto, que o presidente do clube, Godinho Lopes, pediu desculpas a todos os torcedores após a humilhante derrota por 3×0 diante do Videoton da Hungria. Além deste tropeço, o Sporting já havia empatado com o Basel em sua estreia na UEFA Europa League.

Caso consiga quebrar a série negativa na competição, o Sporting irá se igualar ao Porto no histórico do clássico com 77 vitórias cada.

Standard e Anderlecht é um dos grandes clássicos belgas

Clássico dos opostos em Portugal… Clássico dos opostos na Bélgica.

O Standard Liège, terceiro maior campeão do país, vem de quatro derrotas consecutivas no Campeonato Belga e no momento, ocupa a 12ª colocação com dez pontos, quatro a mais que o Waasland-Beveren, primeiro time dentro da zona de rebaixamento. Enquanto isso, o Anderlecht, principal equipe e maior campeão da Bélgica, está uma posição atrás do líder Club Brugge, com dois pontos de desvantagem.

Assim como outros clássicos mencionados, existem fortes marcas culturais. O Anderlecht, da capital Bruxelas, é considerado o time dos burgueses, enquanto o Standard seria o proletariado. Também seguindo exemplo de Real Madrid x Barcelona, o encontro entre Anderlecht x Standard é chamado de “O Clássico”.

Mesmo com esse peso dado ao confronto, o valor histórico dos roxos acaba pesando mais, por isso, lideram o confronto com 83 vitórias contra 54 do Standard. Além disso, já são quatro jogos de invencibilidade do Anderlecht, contabilizando três vitórias, um empate, dez gols marcados e somente um sofrido. O último triunfo do time de Liège foi em maio de 2011, pelos playoffs do Campeonato Belga, 2×1.

Para o confronto do próximo domingo, o técnico Ron Jans depositará suas esperanças em uma dupla estrangeira: no uruguaio Ignacio González e no nigeriano Imoh Ezekiel. 9 dos 18 gols marcados pelo Standard no Campeonato Belga foram da dupla.

Em contrapartida, o Anderlecht é uma das três equipes invictas do torneio, porém, uma das que mais empatou, quatro vezes. Fica o alento de o time vir de duas vitórias seguidas, com Mbokani, artilheiro da equipe, começando a decolar, marcando três dos seis gols marcados nos últimos jogos. O atacante congolês já balançou as redes seis vezes e é o vice-goleador do campeonato, se tornando assim, a grande esperança de gols do Anderlecht.

Anúncios

TOP 7: Previsões pro futebol europeu em 2012

2011 vem chegando ao fim e chegou a hora do blog dar um ponto final neste longo – teve 365 dias como todos os outros – e cansativo ano com as previsões dos anos seguintes. Atenção para o Pai Dinah e suas previsões!

– Goleada da Bundesliga

Seis empates sem gols em 289 jogos. Preciso dizer mais?

– Badalados, esquecidos e adorados

A Premier League será o campeonato nacional mais badalado de todos. Seja pelos estádios sempre lotados ou pelos times fortes e milionários, a Liga Inglesa vai ser o torneio que mais vai atrair fãs. Porém, os grandes destaques dos times serão os estrangeiros, sejam eles vindos de outros países da Europa ou de outro continente. Mesmo assim, os poucos jogadores ingleses restantes nos times poderosos da Inglaterra serão os mais populares entre os torcedores.

– Três times só de especulação

Hoje, com vários veículos de comunicação no mundo – jornais impressos, televisos, online, etc. -, a vontade de tomar à frente e dar a notícia em primeira mão se torna obrigação, por isso, especulações saírão de todos os lugares possíveis. Os jornalistas não são bobos e miram logo os times mais ricos. Milionários como Paris Saint-Germain, Manchester City, Chelsea e Real Madrid poderão formar até três times se contratarem 60% dos jogadores que serão especulados.

– Só se faz de morto

O Barcelona irá perder sim! Mas não será pra times do alto escalão europeu. O time de Guardiola perderá pra equipes medianas da liga espanhola. Mas isso será só pra se fazer de morto e dar o “pulo do gato” na hora decisiva, diante das grandes forças do futebol europeu.

– Arenas alemãs lotadas

Com toda modernidade possível, mas com o respeito a tradição dos torcedores mais fanáticos, os estádios e arenas dos times alemães estarão lotadas durante o 2º turno inteiro da Bundesliga. Só pra constar, não faltará cerveja pra ninguém nos jogos.

– Desfecho do Campeonato Espanhol

Minha bola de cristal não deu grandes detalhes, mas o título espanhol ficará entre Real Madrid e Barcelona, assim como o artilheiro da competição sairá de um dos dois times.

– “O Lyon não é mais o mesmo…”

Admito que acho engraçado o clichê de alguns comentáristas esportivos. Eu, que comento para a web rádio Futebol Plus, admito que também uso de alguns desses para poder concluir meus pensamentos. Vindo dos outros, não me irrito, apenas acho engraçado. O time que mais sofrerá com esses clichês será o Olympique Lyonnais. Você se cansará de ouvir que “o Lyon não é mais o mesmo desde a saída de Juninho Pernambucano”. Sempre lembrando que desde que o eterno camisa 8 lyonês deixou o clube, o Lyon não faltou a nenhuma edição da Liga dos Campeões, tendo sido semifinalista em uma delas.

Um bom final de ano e um início melhor ainda! Até a próxima!

Obs: Antes que reclamem, essas previsões são baseadas na pesquisa dos alunos da “Universidade de Astrologia, Previsão, Visionarismo, Profecias e Estatísticas Obviedade da Silva”

O segredo de Guardiola

Pep Guardiola é um grande técnico?

Acho que sim.

Mas o fato de ter tido e ainda ter em mãos jogadores como Messi, Xavi, Iniesta e outros ajudou bastante pra que ele se tornasse esse “grande técnico”?

Também acho que sim.

Mas então, por que ele arranja tanta antipatia de alguns jogadores?

Beleza, Ibra? (Reuters)

Essa é uma pergunta que pelo menos eu não tenho resposta.

Logo que chegou ao Barcelona, Guardiola já se desfez de peças como Ronaldinho Gaúcho, Deco e Samuel Eto’o. Com um pouco mais de relutância, manteve o camaronês em seu elenco e fez com que ele se tornasse uma das peças chave do Barcelona campeão europeu da temporada 08/09. Mas o bom convívio durou pouco: na temporada seguinte, Eto’o era trocado pelo sueco Zlatan Ibrahimovic. Erro fatal!

Não só Eto’o era novamente campeão europeu – daquela vez pela Inter – como Ibrahimovic se tornaria um tormento na vida de Guardiola. O pouco futebol apresentado pelo sueco era nítidamente contrastado com os 68 milhões de euros investidos pelo Barça. Ibra virou banco e obviamente não gostou disso.

Hoje, o sueco brilha no Milan, mas mesmo assim, como nos tempos de Barcelona, segue soltando farpas em direção de Guardiola, claramente dedicando seu fracasso ao seu treinador em campos espanhóis.

Tão perto... mas tão distante... (Reuters)

Ibrahimovic é talvez o único “inimigo público” de Guardiola. Dos jogadores “de nome” que Pep mandou embora do Barcelona, Ibra é o único que segue criticando o treinador à distância. Recentemente, o sueco chegou a chamar Pep de “filósofo”, obviamente com uma dose enorme de sarcasmo. Eto’o já chegou a dizer que não entendia o motivo de sua saída e criticou a mudança que Guardiola queria fazer no clube. Calados, Deco e Ronaldinho nunca falaram nada demais. Mas certamente Eto’o guarda uma mágoa maior e não tenha se expressado ainda querendo evitar uma polêmica maior ou simplesmente não teve a oportunidade de vir a público comentar sobre o assunto. Deco e Ronaldinho também devem guardar uma certa raiva do treinador, que os dispensou e após desse fato, ganhou títulos e mais títulos, além de ter ficado com a fama de bom moço.

Nessa semana, mais um ex-jogador do Barcelona mostrou sua antipatia com Pep Guardiola:

Não consegui falar direito com ele durante uma temporada toda. E, quando era possível, falava coisas estranhas, pouco comuns a um treinador. Se tivéssemos conversado bem, provavelmente ainda estaria no Barcelona

Guardiola não confiava em mim. Sempre que falávamos, ele me deixava sem resposta e era pouco claro nas justificativas para me deixar fora da equipe. Até que surgiu a oferta do Manchester City. Nesta época, confesso que até a minha família começou a pensar que havia um problema qualquer com ele. Sempre pensei que tinha condições para encerrar a minha carreira lá, mas estava enganado

Yaya Touré

Não deixa de ser um fato novo. Eu poderia jurar que Touré havia trocado o Barcelona pelo Manchester City por causa do caminhão de dinheiro oferecido pelos ingleses. Agora veio à tona esse distanciamento do marfinense com o treinador.

Aliás, só puxando uma extensão: Touré disse que Guardiola pouco falava com ele, o curioso é que Ibrahimovic – sempre ele – e Bojan – outro ex-jogador do Barcelona que saiu do clube criticando Guardiola – soltaram as mesmas reclamações ao treinador. O sueco afirmou que “tudo ia bem no Barcelona, mas após a virada de 2009 para 2010, algo aconteceu e Guardiola emendou dois meses sem conversar com ele”. Enquanto Bojan, em sua despedida do clube blaugrana disse que “se despediu de quem se portou bem com ele e não de Guardiola, que passou todo o verão sem falar com ele”.

Quando decidi fazer esse post, tinha em minha cabeça que Guardiola só conversava com o pessoal da base, ou seja, com jogadores que assim como ele, foram criados pelo Barça, sabem como funciona o “esquema Barcelona” e talvez até alguns desses atletas tenham passado por suas mãos e já tenham laços antigos de amizado com Pep, mas ao fazer uma “googlada” pra ver quem mais havia criticado o treinador, percebi que não é exatamente isso que acontece.

Não sou um grande entendedor de futebol espanhol, mas sei que no Barcelona há alguns jogadores criados pelo clube que tem certo potencial, mas por ficarem tanto tempo esquecidos no banco de Guardiola, acabam se desmotivando e a carreira vai pro buraco.

Líder da "panela"? (Reuters)

Vide esses grandes problemas de relacionamento que Guardiola tem com ex-jogadores e com todos eles destacando os mesmos problemas, só pode ser verdade – ou está tudo clinicamente combinado -, e só pode ser verdade também que há uma “panelinha” no clube, onde há os jogadores criados no Barcelona – e algum outro gato pingado, como Dani Alves – que acabam se dando muito bem com Guardiola e formam um “grupo forte”.

Só que esses problemas internos e essas “panelinhas” – que por declarações de ex-jogadores, me deixam com a nítida sensação que existem mesmo – são muito bem protegidas. Desde que Guardiola chegou ao clube, há uma camuflagem enorme sobre o elenco e a comissão técnica. Raramente surge uma polêmica envolvendo o clube fora das quatro linhas. As polêmicas que o Barça se vê envolvido são dentro do gramado, como nas incessantes disputas contra o Real Madrid na última temporada.

Não é anormal haver “panelinhas” em um grupo de atletas. Muito pelo contrário. Num grupo enrome de pessoas, sempre haverá um determinado subgrupo de pessoas que irá se dar melhor e por isso ficará mais tempo junto. É normal do ser humano! Mas cabe aos jogadores saber distinguir que o cara que não é seu amigo também está no grupo e que todos estão no mesmo barco. Não é sempre que isso acontece. Há vários casos de grupos de jogadores derrubando treinador ou coisas do tipo, sem o consentimento de outros atletas.

O que considero anormal é Guardiola se envolver em uma dessas “panelinhas”. Não é certo! Ele, como líder e até autoridade diante de um grupo, não pode entrar em um subgrupo, descartando quem não se envolve com isso. Fora da área de trabalho é outra história, lá fora, ele faz o que bem entender, a vida é dele!

Guardiola soube filtrar bem o elenco catalão e hoje tem poucos jogadores, porém em número suficiente para disputar a temporada. O normal seria que esse pequeno número de jogadores ficasse unido e não existisse um subgrupo, mas se realmente há, Pep tem de saber administrar esse problema. Enquanto ele conseguir controlar, “tudo bem”, mas na hora que perder o controle, sai da frente!

Mas não custa lembrar que estou escrevendo sobre uma hipótese, também sobre algumas interpretações de declarações de ex-jogadores do Barcelona contra Guardiola. Se todas as hipóteses que levantei forem falsas, pobre de mim, que digitou mais de 1000 palavras à toa…

Polarização da liga espanhola gera polêmica

Texto de: Romário Henderson

O time misto do Barcelona atropelou o Villarreal... que está na Champions League

O debate sobre a polarização do Campeonato Espanhol entre Barcelona e Real Madrid tomou conta da Espanha. A superioridade dos gigantes em relação aos demais concorrentes nunca foi tão flagrante. As goleadas na rodada inaugural esquentaram a discussão.

O principal vilão é a divisão desigual nas cotas de TV. Barcelona e Real Madrid ficam com 17% do montante pago pela empresa Mediapro. Ambos repartem 212,5 milhões de euros (R$ 486 milhões). O valor restante (em torno de R$ 943 milhões) é divido entre os demais 40 clubes da Primeira e Segunda divisões.

O resultado final se vê na classificação. Nas últimas sete temporadas, Barcelona e Real Madrid sempre estiveram entre os três primeiros. A diferença de pontos é assustadora. Na temporada 2010/11, o Real Madrid, vice-campeão do Espanhol, ficou com 21 pontos a mais do que o Valencia, terceiro colocado.

O presidente do Sevilla, José Maria del Nido, antigo crítico do sistema de divisão de cotas, foi radical em seu posicionamento.

A Liga Espanhola é a maior porcaria do mundo

José Maria del Nido
O diretor esportivo do Barça, Andoni Zubizarreta, rebateu o ponto de vista do sevillista.
Porcaria? Temos um campeonato extraordinário com grandes jogadores. Essa é a nossa Liga
Andoni Zubizarreta
O debate promete aumentar com o campeonato em curso.

Dirigente defende greve de clubes

O presidente do Granada, Quique Pina, defendeu que os clubes da Liga Espanhola entrem em greve contra o critério desigual de divisão das cotas de TV.

Com a situação atual é melhor não ter campeonato. Não pode haver uma diferença tão grande de Barcelona e Real Madrid em relação aos demais

Antes você ia ao Bernabéu ou ao Camp Nou com toda a ilusão do mundo. Hoje em dia, se eu fosse treinador pouparia meus jogadores nessas partidas

Quique Pina
Os jogadores também começam a reclamar. O volante Marcos Senna, do Villarreal, é um deles:
A diferença para Barça e Real é brutal. Isso tem que mudar.

Marcos Senna

Fernando Roig, presidente do Submarino Amarelo é um dos dirigentes que briga por uma nova divisão nas cotas da televisão.

O atacante Piatti, do Valencia, afirma que a única chance de ganhar um título é com um milagre:

Temos de buscar a vitória, sempre na esperança de Real ou Barça terem um contratempo

Piatti

É só luxo

Fábregas já vestiu a camisa do Barcelona... na festa da Espanha campeã do mundo

A novela mais chata e arrastada desse período de “férias” dos times europeus certamente é o romance Cesc Fábregas – Barcelona – Arsenal. Uns dizem que ele quer deixar os Gunners, outros dizem que não. Uns dizem que os londrinos pedem mais dinheiro, outros já dizem que logo ele se apresenta. Enfim, é um disse-me-disse sem fim…

Acredito que assim como eu, vocês já devem ter feito essa pergunta: “Por que o Barcelona está fazendo essas loucuras para trazer Fábregas?”

E eu tenho uma resposta: É luxo!

É luxo porque o presidente Sandro Rosell quer dar uma resposta a torcida. Em outras palavras, que seus torcedores sintam um pouquinho do que os torcedores do Real Madrid sentem. Quantas vezes vemos grandes jogadores sendo especulados no clube da capital espanhola e Florentino Pérez vinha e os trazia por um trasantlântico de dinheiro? É uma satisfação cega que a diretoria dá a torcida. Cega porque a dirigência olha pelo lado do fanático e apaixonado torcedor, e não do sério e profissional dirigente que deveria ser.

Já tem até torcedor do Barça com a camisa do Fábregas...

Fábregas é especulado no Barcelona desde que o mundo é mundo, e sempre aparece alguém dando como certa a sua ida para a Cataluña, enchendo os torcedores ansiosos por sua eventual chegada.

Outro motivo que me faz acreditar que a vinda de Fábregas não passa de luxo é quando tento encaixá-lo no time titular do Barcelona e simplesmente não consigo. Primeiro de tudo: nenhum clube seria capaz de oferecer quase 40 milhões de euros por um jogador para deixá-lo na reserva. Por isso vou direto ao ponto de que ele vem para ser titular. A questão é: no lugar de quem?

Xavi não sai do time. Iniesta também não. Que tal um meio campo com a dupla mais Fábregas? E quem marca? Mas Iniesta poderia ser colocado na posição de Pedro e o garoto daria lugar a Cesc. Tá bom, mas Alexis Sanchéz? Veio pra quê? Pra ser segundo reserva? Sem falar de Thiago Alcântara que surge com enorme destaque. Faria esse barulhão todo na pré-temporada para ser um terceiro, quarto (…) reserva?

É uma questão dura de entender. Guardiola improvisou Deus e o mundo na sua zaga na última temporada e o clube vai atrás de um meio campista caro, que nem sabemos se terá lugar entre os 11 principais do time. Pra ver como a influência da torcida é grande…

Mas mesmo assim é momento de frustar sua torcida – como se fosse possível frustar a torcida que vê seu time tri-campeão nacional e campeão europeu jogando essa bola toda – e “pensar com a cabeça”. O Barcelona precisa de zagueiros. Não precisam ser beques de outro mundo, mas pelo menos um que substitua bem Piqué e Puyol.

É Fábregas! Nunca te achei lá essas coisas...

E há outra história: nunca achei Fábregas esse jogadoraço que ouço falar. É muito bom jogador, mas nunca o vi como um substituto de Henry ou Vieira no quesito liderança dentro de campo no Arsenal. Muitas vezes o via sumido em campo, meio disperso e o pior, quase sempre com uma lesão.

Sei lá… podes discordar (até porque não canso de dizer que meu assunto MESMO é futebol alemão), mas nunca vi Fábregas como um grande craque.

Resumindo tudo: Fábregas no Barcelona não passa de luxo da diretoria blaugrana, de gastar com o que não precisa só para agradar a torcida e mostrar que não é tão diferente do Real Madrid, mostrando que também age impulsivamente ao ouvir gritos de torcida e imprensa.

Neymar está preparado para jogar na Europa?

Texto de: Romário Henderson

Jornais espanhóis falam de Neymar o tempo inteiro

O estilo do futebol europeu é totalmente diferente do futebol brasileiro. Para se dar bem por lá, é necessário ser conceituado taticamente, e Neymar, por mais que seja genial, ainda é imaturo taticamente

Seu futuro clube será o Real Madrid, clube dirigido por José Mourinho, que fez Samuel Eto´o e faz Cristiano Ronaldo marcar. Não pede que sejam combativos, mas exige disciplina tática, coisa que Neymar não tem.

A credencial do brasileiro é sua refinada qualidade técnica e protagonismo conquistado num dos grandes clubes do país, isso com apenas 19 anos de idade.

Analisando a formação tática preferível pelo Mourinho, o 4-2-3-1, onde Neymar se encaixaria? Bem, na extremidade da linha 3. Hoje, Mourinho escala Ronaldo pela esquerda e Di Maria pela direita. Neymar tem mais bola do que Di Maria para ser titular? Óbvio que tem, mas somente essa qualidade bastará? Com Mourinho, não.

O fato, em minha opinião, é que o craque santista não está preparado para atuar na Europa… ainda. Seria conveniente ficar no Brasil, amadurecer mais para chegar à Europa definitivamente preparado.

Pré-temporada dos europeus-> Como o calendário europeu é plausível, não? Times com tempo suficiente para se preparar, viajar, ganhar dinheiro, realizar amistosos… Decididamente, iniciam as competições bem fisicamente, com os times montados e, por isso, assistimos jogos de alta qualidade técnica.

Virou obsessão?-> Sandro Rossel, presidente do Barcelona, está disposto a pagar valores estratosféricos para contratar Cesc Fábregas. Tudo isso porque Josep Guardiola, técnico da equipe catalã, disse que seus jogadores jogarão, no máximo, 4 mil minutos em toda a temporada. Para isso, é necessário ter um elenco forte, para poder revezar os atletas e o rendimento da equipe continuar em alto nível.

Gastança desenfreada bastará?

Após algum tempinho sem colunistas, o Europa Football finalmente terá um cidadão para compartilhar seus conhecimentos sobre futebol europeu. Romário Henderson chega pra vestir a camisa 11 do blog!


Texto de: Romário Henderson

Fortuna madridista

Não é de hoje que o Real Madrid é um clube que faz altíssimos investimentos. A base nem sempre é aproveitada. Eu comparo o clube merengue à charmosa escuderia Ferrari: duas potências no esporte que investem nos melhores do mundo, preterindo valores formados na base, ou seja, optam pela experiência e rodagem aos inexperientes.

Nem sempre os gastos, às vezes excessivos, ajudam o clube a almejar os objetivos. Falando mais recentemente, a partir de 2002, quando Florentino Perez era presidente do Real, uma super equipe foi montada. No elenco, atletas como, por exemplo, Roberto Carlos, Beckham, Figo, Zidane e Ronaldo. Bem, em tese, o favoritismo dos galácticos era evidente em qualquer competição que disputasse.

No futebol, as teorias costumam blefar, pois o que vale mesmo são os resultados, e eles não vieram como Florentino Perez e, sobretudo, os “aficcionados” madridistas esperavam. Os gastos são recuperados com vendas dos produtos oficiais do clube, mas as façanhas, depois de perdidas, são irrecuperáveis.

Para a temporada 2011/2012, a gastança está desenfreada. Nuri Sahin, Altintop e Fábio Coentrão são alguns exemplos. O último, inclusive, foi comprado por 30 milhões de euros. Será que um lateral, por mais ótimo que seja, vale tudo isso? O que Florentino Perez quer de fato é a conquista da Champions League, coisa que não veio em sua primeira passagem. E, claro, brecar a hegemonia catalã nos últimos anos.

Alexis Sanchéz foi apresentado nesta segunda no Barcelona

Barça fora dos trilhos-> Todos sabem que o Barcelona forma seus atletas para chegarem ao time profissional prontos. Não é à toa que na equipe titular, apenas três não foram revelados pelo clube. Curiosamente, após a venda de Bojan, invés de buscar uma “jóia” na base para reposição, os catalães optaram em trazer alguém de fora. O chileno Alexis Sanchez foi contratado junto a Udinese. E outro que pode pintar é Fábregas, proveniente do Arsenal. Fora dos trilhos momentaneamente ou de vez?

Villas-Boas tem missão dura-> Desde que comprou os blues em 2003, Roman Abramovich ainda não pôde saborear um título de Champions. Chegou perto em 2008. O técnico contratado, André Villas-Boas, após fazer ótima temporada com o Porto, terá que provar que, de fato, é um promissor treinador. O elenco do Chelsea é reduzido e envelhecido. Não adianta vencer a Premier League e/ou a Copa da Inglaterra. É imprescindível a conquista da Champions. Com essa equipe, o jovem treinador terá que se desdobrar e levantar a linda taça, que, diga-se, é o sonho de consumo do bilionário russo.