A história de um dos técnicos mais promissores da Europa

Texto de: Romário Henderson

Villas Boas tem um grande futuro pela frente (Reuters)

Com apenas 33 anos, André Villas-Boas é um dos mais promissores técnicos. A história do Português, que aprendeu à partir de dois grandes mestres, como Bobby Robson e José Mourinho, é muito particular.

Depois de deixar uma marca indelével no Porto, enfrenta agora o desafio de liderar o Chelsea, um dos clubes mais prestigiados do mundo.

A vida de Villas-Boas teve uma mudança fundamental em 1994, quando o treinador do Porto na época, Bobby Robson, se mudou para um edifício no mesmo quarteirão. O jovem português de 16 anos, um fã do jogo Championship Manager, decidiu escrever uma carta ao DT Inglês para explicar como explorar o desempenho do atacante Domingos Paciência.

Sir Bobby ficou tão impressionado com sua maneira eloqüente de falar de futebol e sua compreensão detalhada do jogo, que o convidou para treinamento e, em seguida, foi contratado como olheiro do Porto. O assistente de Robson na época era José Mourinho, e Villas-Boas teve a sorte de aprender a partir de dois especialistas na área.

“Bobby era instrumental em meus primeiros dias com as suas recomendações, e cresceu a paixão. Comecei a ser mais prático e dar meus primeiros passos como treinador”, disse o Português em uma entrevista com seu novo clube, o Chelsea.

“Ele abriu algumas portas para entrar no mundo do futebol. Eu estava feliz no Porto e por trabalhar com Mourinho, e ele estava satisfeito com o meu profissionalismo”, disse ele.

Em sua adolescência, Villas-Boas deslumbrou seus professores com o seu conhecimento tático, e ajudou na formação. Robson sentiu o amor de futebol que teve este jovem, e usou seus contatos na Inglaterra para começar sua carreira na Academia de Lilleshall.

Em seguida, desembarcou em Ipswich, no Robson Club, onde ele tinha 13 anos e ganhou a UEFA e a Taça da Inglaterra e, finalmente, completou seus estudos na Escócia para obter a licença. Em 2000, com apenas 22 anos, Villas-Boas foi uma experiência marcante como treinador das Ilhas Virgens na tentativa de qualificação para a Copa do Mundo Coréia-Japão. Mas os resultados eram muito pobres e um ano depois deixou o cargo após admitir sua idade real.

Em 2002, Mourinho lhe ofereceu um emprego como treinador de jovens no Dragons, e juntos formaram uma equipe formidável. Por sua visão para analisar cada detalhe, Villas-Boas mudou de emprego e se tornou responsável por estudar os adversários e, em seguida, entregar relatórios para os jogadores e comissão técnica.

Villas-Boas vibrou com o título da Europa League (Reuters)

Nas temporadas seguintes, o Porto viria a ser conhecido em todo o mundo, conquistando o trevo em Portugal (Liga, Taça e UEFA Super Cup). E o final do ano seguinte para confirmar o seu poder para levar o título da Liga dos Campeões, deixando o caminho para o Manchester United.
Em 2004, Mourinho foi contratado pelo Chelsea e mudou toda sua equipe, incluindo os jovens Villas-Boas. Sua experiência na Inglaterra foi um sucesso retumbante. The Blues começou a encher seu armário de troféus com bicampeonato da Premier League em 2004/05 e 2005/06, além de ganhar dois Carling Cup (2005 e 2007), a Community Shield (2005) e da FA Cup (2007) .

Mou se tornou o treinador mais vitorioso na história do clube e disse adeus a Stamford Bridge depois de transformá-la em uma força imbatível.

Após este período de sucesso na Inglaterra, os serviços de Mourinho foram obrigados por uma das equipes mais poderosas da Itália, Inter de Milão. Villas-Boas ouviu de Mou que seu atendimento foi perfeito. Ele descreveu como seus olhos e ouvidos. E quando ele foi para a Inter também continuou a contar com a sua mão direita. Mas então, o jovem assistente tinha suas próprias ambições. Depois de compartilhar no nerazzurro, decidiu deixar um de seus mentores para regressar a Portugal e assumir a Academica de Coimbra.

Aos 31 anos, Villas-Boas teve sua primeira experiência como treinador em uma equipe complicada. Em outubro de 2009 veio a acadêmicos, e em apenas dois meses poderia corrigir o curso da equipe que ficou longe de acabamento na parte inferior do meio da tabela e alcançou as semifinais da Taça de Portugal.

Poucos meses depois, ele chamou o mais esperado. Porto, que era um fã clube desde a infância queria contratá-lo como chefe do principal grupo para substituir Jesualdo Ferreira. A imprensa questionou a inexperiência do jovem treinador em um clube tão poderoso, mas os resultados foram tornando uma realidade.

Ele voltou para casa para reviver o espírito de Porto vencedor, com figuras de desempenho no pico como Falcão e Hulk, o clube voltou a obter um trevo memorável invicto vencendo o campeonato, com apenas 3 empates e 21 pontos de diferença com o Benfica sendo sua escolta. Aos 32 anos, o Português levantou a Taça UEFA e se tornou o mais jovem treinador a vencer uma competição europeia.

Depois de uma temporada perfeita com o FC Porto, Roman Abramovich não hesitou em pagar a cláusula de rescisão do seu contrato (15 milhões de euros) e colocado no comando do Chelsea, um dos maiores clubes da Inglaterra, onde há uma grande pressão para ganhar títulos. O Português é muito claro, e sabe que é a equipe certa para implementar uma filosofia agressiva de jogar. “Você não pode escapar o sucesso”, disse ele em uma entrevista com seu novo clube.

Anúncios

Contra-ataque: nova arma do Real Madrid

Texto de: Romário Henderson

Geralmente, os clubes grandes sempre se impõem perante os adversários. Com o Real Madrid não é diferente. Mas, após a aparição de Kaká, a equipe de José Mourinho ficou muito veloz e letal na retomada da bola. O primeiro gol contra o Ajax, pela Champions League, de Cristiano Ronaldo, evidencia a nova arma dos “blancos”.

Voando nos contra-ataques (Reuters)

Com Cristiano pela esquerda e Kaká no centro na linha 3 do 4-2-3-1, o Real ficou muito mais forte, pois as atenções serão divididas entre o português e o brasileiro, que tem trocado bons passes, fazendo soberbas tabelas. É lógico que Ozil, Xabi Alonso e Marcelo, por exemplo, preocupam os rivais, porém, Cristiano Ronaldo e Kaká são aqueles com maior capacidade de decisão.

Diferentemente do rival Barcelona, o Real Madrid não fica muito tempo com a bola nos pés, ou seja, proporciona o adversário ter a dita cuja e, numa marcação infalível, tenta retomá-la e sair rapidamente no contra-ataque.

Neste fim de semana, contra o Espanyol, o Real goleou os oponentes por 4×0, sendo que dois dos gols merengues foram em contra-ataques. Devido a isso, houve momentos na partida em que o Real Madrid, propositadamente, deu campo ao adversário, justamente para que deixassem espaço para os contragolpes.

Kaká vai voltando aos bons tempos (Reuters)

Não há o que discutir a qualidade do Real, e com a presença de Kaká, enfim recuperado clínica e fisicamente, se torna ainda mais forte, afinal, o brasileiro tem uma técnica soberba, uma explosão física irretocável e uma visão de jogo plausível. Mourinho o escalou nos dois últimos jogos do Real Madrid centralizado na linha 3, deslocando Ozil para a direita.

Agora, além da imposição, os merengues tornam-se também fortes no contragolpe. Sem dúvida, José Mourinho vem fazendo trabalho de força e velocidade nos contra-ataques, pois para ser letal como vem sendo os “blancos”, é necessário um excelente trabalho físico e de força.

Tévez "pedindo" pra sair do City (Reuters)

Caso Tevez – É inadmissível um profissional recusar-se a entrar em campo. O argentino não queria jogar no Manchester City nesta temporada, e está forçando a barra para poder sair. Como o City não facilitou sua saída, o guerreiro e ótimo jogador, contudo péssimo profissional, está fazendo de tudo, literalmente, para ser dispensado.

O técnico da equipe, Roberto Mancini, já disse que Tevez não joga mais nos Sky blues. Momentaneamente, o jogador está afastado. Mas, qual será a decisão da direção do City? Vai simplesmente liberá-lo? E o investimento feito no jogador não será recompensado? O fato é que creio que Tevez não mais vestirá a camisa do Manchester City, mas só sairá se pintar uma proposta financeira conveniente. A direção não cederá à sua vontade de sair e irá liberá-lo mediante alto pagamento, o que, cá entre nós, deve acontecer, já que alguns clubes, inclusive o Real Madrid, estão dispostos a desembolsar uma alta quantia.

Pirlo: Um maestro na Juventus

Texto de: Romário Henderson

Pirlo já se destaca na Juventus

Ao final da temporada 2010/11, Andrea Pirlo não era o jogador mais importante do Milan. Em tese, era titular, mas pouco conseguiu jogar devido a uma temporada cheia de lesões. Seu contrato estava no fim e o rossonero, que acabava de conquistar o Scudetto, não mostrara muita disposição para renová-lo. Pirlo, por sua vez, não fez muita questão de continuar em Milanello. E depois de muita especulação, acabou seguindo para a Juventus, que ainda tenta se reconstruir.

Um novo começo para o meio-campista, de 32 anos, mas já com status de veterano, seja no clube, seja na seleção italiana, onde ainda é peça importante para o técnico Cesare Prandelli. Muitos torcedores da Juventus queriam a contratação em definitivo de Alberto Aquilani, que ficou a temporada passada em Turim emprestado pelo Liverpool. A chegada de Pirlo, porém, amenizou as preocupações sobre o meio-campo, que já tinha perdido também Felipe Melo.

No primeiro jogo oficial pelo novo clube, Pirlo formou o meio-campo com Claudio Marchisio, companheiro de seleção, em um 4-4-2 clássico, com Simone Pepe de um lado e Emanuele Giaccherini de outro, além de Matri e Del Piero no ataque. Uma formação que se mostrou bastante ofensiva, a ponto de alguns chamarem de um 4-2-4, um exagero, já que o Parma era um adversário fraco e os esternos, como são chamados os jogadores de lado do campo, puderam avançar mais.

Por sinal, a Juventus entrou em campo com nada menos do que dez italianos entre os onze titulares. Apenas o lateral direito Stephan Lichtsteiner, que é suíço, como estrangeiro. Historicamente, a Vecchia Signora é o time que mais aposta em jogadores italianos entre os grandes do país, mas a formação contra o Parma é um sinal interessante.

Voltando a falar de Pirlo, o meia fez a primeira assistência para gol no Juventus Stadium, nova casa dos bianconeri. Primeiro, colocou o lateral Lichtsteiner na cara do gol com uma cavadinha atrás da zaga dos Ducali, e o suíço aproveitou para marcar. Já no final da partida, quando a Juve já vencia por 3 a 0, o meia mais uma vez deu uma cavadinha por trás da zaga, desta vez deixando seu companheiro de meio-campo, também na cara do gol – e o camisa 8 teve categoria para marcar.

Duas assistências que mostraram do que Pirlo é capaz e como pode ser importante na campanha da Juventus, que, é bom lembrar, terá apenas a Serie A e a Coppa Italia para se preocupar na temporada. Claro que seria melhor jogar a Liga dos Campeões ou até a Liga Europa, mas o único aspecto positivo de não participar destas competições é justamente ter mais datas livres para treinar e preparar o time, para que Antonio Conte, o novo comandante, dê a sua cara a ele – e Pirlo deve exercer um papel fundamental, assim como outros veteranos, como Buffon no gol e Del Piero no ataque. Sem contar que o número de jogos é menor, o que é ótimo para manter o time em bom estado físico.

Se é bom para a Juventus, é bom também para a seleção italiana. Pirlo terá mais tempo de jogo em campo, mas não tanto a ponto de desgastá-lo demais para o que pode ser a sua última competição oficial pela Azzurra, a Eurocopa de 2012. Com o talento que tem, pode ser o toque de experiência ao time de Prandelli, que mostra, aos poucos, que vai montando um time competitivo. Pirlo é um maestro que a Juve talvez precisasse. É esperar para ver.

Arsenal em queda livre

Texto de: Romário Henderson

Arsenal sofrendo gols atrás de gols...

A gigante tradição do Arsenal não condiz com o momento instável e preocupante que vive momentaneamente a equipe. A temporada se inicia com resultados desfavoráveis, pressão da torcida, jogadores profícuos sendo vendidos, reposições questionáveis e perspectivas de uma reviravolta obscura.

A equipe londrina não é uma das favoritas ao título da Premier League, e com as perdas de Cesc Fábregas e Samir Nasri, atletas de suma importância, a luta para conseguir uma vaga na Champions 2012/2013 será bastante complicada. Segundo o técnico Arsène Wenger, que, diga-se, não é mais unanimidade perante os torcedores, as contratações serão feitas gradativamente. Wenger ainda ressalta que os setores mais carentes são a defesa e o meio-campo.

Nós nunca tivemos medo de assumir uma aposta. O que você esquece é que temos comprado jogadores. Compramos Gervinho, Chamberlain, Jenkinson, Miyaichi e você vai ver durante a temporada que são jogadores de primeira qualidade. Mas no momento temos que dar-lhes algum tempo

Nós vamos comprar. As pessoas sentem que eu sou teimoso, eu não sou, eu só quero fazer o melhor para a equipe e comprar os jogadores certos. Se eu tenho mostrado uma coisa nos últimos 15 anos, é que eu trouxe bons jogadores para o clube. Vamos trazer jogadores experientes. Mas as pessoas simplesmente falam em ‘comprar’, mas comprar o jogador certo não é uma tarefa fácil

Arsène Wenger

Espera-se que o Arsenal faça propostas aos jogadores Yann M’Vila (Rennes), Per Mertesacker (Werder Bremen), Phil Jagielka (Everton), Gary Cahill (Bolton), Chris Samba (Blackburn Rovers) e Scott Dann (Birmingham). Cá entre nós, muito pouco para a grandeza deste clube que, com essas opções de compra, mostra-se que para a temporada vigente não traça planos ambiciosos, pelo contrário, apenas lamenta a situação e resignam-se.

O Arsenal está no grupo F, da Champions. Grupo que ainda conta com o forte Borussia Dortmund, Olympiakos e Olympique de Marseille. Sem dúvida alguma, a tarefa para conseguir a classificação não será nada fácil, haja vista que, ambas as partidas contra os aurinegros serão duríssimas, e os jogos fora contra os gregos e os franceses também serão complicados.

Rooney deu show no humilhante 8x2

Até aqui, em três rodadas da Premier League, nenhuma vitória, sendo que já enfrentou Liverpool e Manchester United e foi derrotado. No Emirates, derrota para o Liverpool por 0x2. E, no último domingo, em Old Trafford, derrota acachapante e humilhante, por 2×8.

No elenco atual, Van Persie e Walcott são os melhores, e, convenhamos, jogadores que, em minha visão, ainda não possuem qualidades suficientes para liderar um grande clube, sobretudo quando este encontra-se mal servido em quantidade e qualidade.

Manchester United, Milan e Barcelona favoritos

Texto de: Romário Henderson

A temporada 2011/2012 já começou em alguns países. Após poder acompanhar alguns jogos amistosos, pude definir meus favoritos aos torneios da Premier League, Serie A e Liga BBVA.

Começando pela Premier, penso que os Diabos Vermelhos, atuais campeões, são novamente favoritos. Por fora, correm Chelsea e Manchester City, ou seja, descarto Arsenal e Liverpool.

Cleverley e Young são boas apostas do United

Um grupo jovem foi montado, e esses parecem não sentir o peso da camisa do United. Ashley Young e Cleverley, por exemplo, já se encaixaram no time titular. O primeiro se posiciona como fazia no antigo clube, o Aston Villa, aberto pela esquerda, ora cortando pra dentro, ora indo ao fundo, e sempre propondo perigo ao adversário. Já Cleverley tem um estilo mais cadenciado, de toque de bola e armação de jogo, e o faz com bastante brilhantismo.

Ao fim da primeira rodada, apenas o Manchester conseguiu vencer, enquanto Chelsea, Liverpool e Arsenal empataram. Não estou considerando o City como grande devido aos últimos torneios, cujo desempenho foi patético, digno de um pequeno, por isso os Sky Blues necessitam se afirmar dentre os pujantes.

Na Serie A, o Milan aparenta estar encaixado e preparado para conquistar o segundo scudetto consecutivo. A equipe, em minha visão, tem apenas um problema: lateral direita. Antonini, Abate, Oddo e Zambrotta são limitadíssimos tecnicamente. É um setor que preocupa, sobretudo na parte defensiva. No mais, com Thiago Silva e Nesta na zaga, Taiwo na esquerda, Van Bommel, Gattuso, Seedorf no meio e Cassano, Robinho, Pato, Ibra, Emanuelson para o ataque. São muitas opções. Enquanto isso, seus rivais estão mal servidos em quantidade e em qualidade.

Novela encerrada: Fábregas no Barcelona

Bem, na Liga BBVA, mesmo com o Real Madrid gastando fortunas para a temporada, aposto no tetracampeonato do Barça. Afinal, os catalães são os melhores do mundo. Juntando-se aos excelentes atletas do Barcelona, mais dois excepcionais jogadores: Alexis Sanchez e Cesc Fábregas.

Acompanhar jogos do Barcelona é extremamente prazeroso. Eu gosto de desfrutar do futebol brilhante, e o Barça nos proporciona de maneira sublime isto. Times com essa proposta merecem nossa torcida, pois buscam e se empenham em se apresentar cintilantemente.

É óbvio que o maior adversário do Barcelona é o Real Madrid, que tem um ótimo treinador e um plantel de dar inveja. Mas precisam colocar em prática o que podem desenvolver. É o momento de José Mourinho explorar as magníficas qualidades de seus jogadores. Mourinho pode até conseguir por ser um manager fora do comum, mas Pep é bom o suficiente para também explorar o talento dos fantásticos catalães.

Ferguson quer Wesley Sneijder

Texto de: Romário Henderson

Sneijder está indeciso sobre seu futuro

Com a aposentadoria do elegante Paul Scholes na última temporada, o Manchester United até agora assinou com o goleiro De Gea, o zagueiro Phil Jones e o meia-atacante Ashley Young, e o manager quer fechar com um meia armador, e sugeriu o holandês Sneijder, que afirmou estar feliz na Inter, mas que tudo poderia acontecer.

A necessidade de uma meia para jogar centralizado é evidente. Ferguson, que adota diversas formações, tem em mente o 4-3-1-2, com Sneijder sendo o “1” da formação, incumbido de ser a cabeça pensante dos diabos vermelhos, atuais campeões da Premier League.

Sneijder tem o bom chute como grande característica

A multa rescisória de Sneijder é de 35 milhões de euros, e seu salário semanal gira em torno de 250.000,00 euros. Maximo Moratti, presidente da Inter, admitiu que o clube não está nadando em dinheiro e, inclusive, iria propor uma redução salarial ao holandês, situação na qual poderia constranger Sneijder, obrigando-o a procurar outro clube.

Se o Manchester United conseguir contratá-lo, não tenho dúvidas que será uma belíssima aquisição, já que Sneijder é bastante técnico, disciplinado taticamente e exímio nas bolas paradas. Coordenar o meio-campo dos diabos não seria tão dificultoso, pois estaria jogando à frente de Carrick, Flechter e Anderson, atletas de ótima qualidade de passe e de chegada; e atrás de Rooney e Hernandez, dois jogadores que se movimentam bastante, tanto abrindo espaço para sua infiltração quanto se projetando para receber o passe.

Hulk quer o Chelsea-> Embora tenha acabado de renovar contrato com o Porto, que aproveitou para aumentar consideravelmente sua multa rescisória para 100 milhões de euros, o brasileiro Hulk mostrou-se interessado numa possível ida para o Chelsea. “Se Abramovich chegar com o dinheiro, seria positivo para o Porto FC”, explicou Hulk. André Villas-Boas, técnico dos Blues, quer fazer o que José Mourinho fez em sua vinda para o clube londrino. Na oportunidade, Mourinho levou Ricardo Carvalho, Paulo Ferreira e Tiago. Villas-Boas está interessado em Hulk, João Moutinho e Falcão

Neymar está preparado para jogar na Europa?

Texto de: Romário Henderson

Jornais espanhóis falam de Neymar o tempo inteiro

O estilo do futebol europeu é totalmente diferente do futebol brasileiro. Para se dar bem por lá, é necessário ser conceituado taticamente, e Neymar, por mais que seja genial, ainda é imaturo taticamente

Seu futuro clube será o Real Madrid, clube dirigido por José Mourinho, que fez Samuel Eto´o e faz Cristiano Ronaldo marcar. Não pede que sejam combativos, mas exige disciplina tática, coisa que Neymar não tem.

A credencial do brasileiro é sua refinada qualidade técnica e protagonismo conquistado num dos grandes clubes do país, isso com apenas 19 anos de idade.

Analisando a formação tática preferível pelo Mourinho, o 4-2-3-1, onde Neymar se encaixaria? Bem, na extremidade da linha 3. Hoje, Mourinho escala Ronaldo pela esquerda e Di Maria pela direita. Neymar tem mais bola do que Di Maria para ser titular? Óbvio que tem, mas somente essa qualidade bastará? Com Mourinho, não.

O fato, em minha opinião, é que o craque santista não está preparado para atuar na Europa… ainda. Seria conveniente ficar no Brasil, amadurecer mais para chegar à Europa definitivamente preparado.

Pré-temporada dos europeus-> Como o calendário europeu é plausível, não? Times com tempo suficiente para se preparar, viajar, ganhar dinheiro, realizar amistosos… Decididamente, iniciam as competições bem fisicamente, com os times montados e, por isso, assistimos jogos de alta qualidade técnica.

Virou obsessão?-> Sandro Rossel, presidente do Barcelona, está disposto a pagar valores estratosféricos para contratar Cesc Fábregas. Tudo isso porque Josep Guardiola, técnico da equipe catalã, disse que seus jogadores jogarão, no máximo, 4 mil minutos em toda a temporada. Para isso, é necessário ter um elenco forte, para poder revezar os atletas e o rendimento da equipe continuar em alto nível.