“Lúcio nova geração”…”arbitragem velha geração”

Belo voleio de David (Chelsea FC)

Chelsea e Manchester United fizeram realmente uma bela partida nessa tarde, mas duas pessoas podem ser destacadas: O zagueiro brasileiro David Luíz e o árbitro Martin Atkinson.

O brasileiro ganhou o meu singelo apelido de “Lúcio Nova Geração”. Os dois tem poucas características semelhantes pra falar a mais pura verdade. David é mais técnico, enquanto Lúcio é mais “grossão”, embora preciso. O zagueiro do Chelsea é mais versátil, pode ser um lateral, enquanto o jogador da Inter é somente zagueiro. Lúcio é mais aguerrido que David. E por aí vão essas comparações…

Mas algo em que os dois se assemelham é essa vontade de aparecer no ataque. Quantas vezes você já viu o Lúcio pegar a bola no campo de defesa e se mandar pro ataque? Pois é, David Luíz faz isso e com certa irresponsabilidade. O zagueiro da Inter chegou a ser enquadrado por José Mourinho, mas com a saída do português, voltou a velha característica, mas também com sua dose de responsabilidade. Lúcio só arranca quando necessário, só pra desafogar seu time mesmo. Agora, o David Luíz parece um “lateral no miolo de zaga”. Ele se manda toda hora, aparece todo o tempo nos arredores da grande área, isso quando não entra.

Chelsea vibra com o gol brasileiro

Na maioria dos jogos, ele costuma ser mais contido – nem tanto, mas se segura mais -, mas no duelo de hoje contra o Manchester United ele estrapolou os limites. Se mandou o tempo inteiro e em vários momentos chegou a prejudicar o sistema defensivo dos Blues ao deixar um buraco imenso na defesa pra Ivanovic se virar. Porém, ele só não foi julgado como culpado por uma eventual derrota, porque ele fez um gol, quando o Chelsea perdia por 1×0 – gol de Rooney. Após levantamento da esquerda, David Luíz estava na segunda trave pra acertar um belo voleio e empatar a peleja.

Tá certo que o gol de David Luíz foi bonito, que ele ir pro ataque é legal e criar chances de gol mais ainda. Mas ele é zagueiro e pelo que eu saiba, zagueiro tem de ficar na defesa e o brasileiro deu muitos espaços em suas investidas ao ataque, foi muito afoito na marcação e tendo cartão amarelo, chegou a fazer uma falta sem bola em Rooney, e Atkinsson fez que não foi com ele. Não foi uma grande atuação de David Luíz. Acho que na estreia ele foi melhor, mas hoje ele foi mal…na defesa, mas no ataque, chegou a jogar mais que Torres por exemplo. Seu instinto ofensivo foi mais na empolgação de um Chelsea jogando bem na etapa final, do que na espera de vencer desesperadamente. Ancelotti precisa dar um toque no garoto, pra que essas várias investidas no ataque não causem problemas defensivos ao Chelsea.

Esse tiozinho aí adora um pênalti

Eis que chega Martin Atkinson. O árbitro que já era conhecido por ter uma arbitragem meio brasileira – muitas faltas, muitos cartões e o pior, muitos pênaltis -, hoje foi muito mal. Primeiramente, acho que distribuiu mal os cartões. Embora tenha expulsado corretamente Nemanja Vidic, David Luíz poderia ter tido o mesmo destino – em falta citada acima -, nada feito. Em alguns momentos deixou o pau comer e o pior de tudo foi o pênalti que ele deu pro Chelsea no fim do jogo.

O russo Zhirkov entrou na área e ao tentar passar por Smalling, caiu. Talvéz até tenha havido o contato, mas só pela queda do camisa 18 do Chelsea, ficou bem claro que não foi nada que o derrubasse. Foi uma queda estranha, ele já estava com um pé no movimento da passada e não completou o movimento, foi esquisito. Lampard converteu o pênalti, virou o jogo e deu uma estragada no jogo. Claro, todos no United reclamaram, não é pra menos, pênalti mal marcado e que só ajudou a piorar a atuação de Atkinson.

Só pra completar, falando dos dois assuntos de uma vez: David Luíz tem um grande futuro e foi muito elogiado na Inglaterra após a atuação de hoje, mas ele tem de ter na cabeça a ideia de que defensor não pode atacar toda hora, que ele tem funções táticas defensivas a cumprir. Pelo futuro dele na Seleção e em sua carreira, esperemos que ele possa realmente colocar isso na cabeça. Já pra Atkinson, que ele evolua e evolua muito. A quantidade de pênaltis à brasileira que tem sido dada na Premier League é gigantesca e esse cara aí ajudou a aumentar esse índice. Espero que isso diminua e que possa parar de atrapalhar os jogos no mundo.

Não custa lembrar que ontem, o Milan bateu o Napoli por 3×0 e o primeiro gol foi num pênalti igualmente ao do Chelsea, mal marcado.

Liga Anti Pênaltis à Brasileira

Quase tudo no lixo

Arranca, David Luíz (Fulham, site oficial)

E hoje o zagueiro brasileiro, David Luiz estreou como titular no Chelsea na partida contra o Fulham. Ele teve uma atuação praticamente impecável, mas pôs tudo a perder no fim do jogo, mas graças a Petr Cech, se deu bem.

Durante a partida, David foi preciso nos desarmes, errou poucos passes e avançava ao ataque. Em um determinado momento do segundo tempo, ele trocou de posição com Ivanovic e se aventurou na lateral-direita – posição onde já jogou no Benfica -, aparecendo bem no campo de ataque e se tornando até uma opção melhor do que o sérvio estava sendo.

Quem assistiu ao jogo, percebia que David Luíz não parecia um garoto estreando, e sim um veterano. Além de técnica e personalidade, ele mostrava vontade. Não tinha medo das divididas e na bola mais marcante dele no jogo, ele via a bola sair pela linha de fundo, seria escanteio pro Chelsea, mas ele deu uma acrobática bicicleta e mandou pra área pra testada de Kalou.

Só que às vezes, vontade além da conta dá problema.

Nos acréscimos de Mike Dean, Dempsey invadiu a área e na sede por roubar a bola, David Luiz cometeu pênalti.

Seria um final trágico para um estreia quase perfeita. Seria um pecado ao brasileiro, que nem teve que sofrer com aquela história de adaptação, já entrou, jogou e mostrou pra quê veio, mas embaixo dos três paus do Chelsea existe um baita goleiro, Petr Cech, que defendeu a cobrança de pênalti de Dempsey.

A imagem que ficará de David Luiz nesse jogo é de sua grande atuação…mas que quase foi jogada fora por um pênalti infantil. A julgar por esse jogo, ele terá futuro na Premier League, só falta melhorar um pouquinho a cabeça, pois nem sempre vontade ganha jogo.

>>Sobre o jogo:

Dempsey perdeu um pênalti no final

Tivemos um primeiro tempo equilibrado e chato, sem grandes chances de gol em um jogo muito preso no centro. O Fulham tinha uma marcação interessante. Duas linhas de 4 bem espaçadas dentro de campo, deixando espaço entre uma linha e outra, mas ainda assim impedindo a penetração do Chelsea. Na etapa final, o jogo ficou mais interessante. O Chelsea se mandou pro ataque, Ramires perdeu a timidez e saiu mais pro jogo, a zaga avançava e o Fulham se recolhia, mas sempre encaixava um contra-ataque ou outro. O 0x0 fica de bom tamanho – mais pelo empate do que pelo placar zerado – pois tivemos um time mais afim de se defender e outro que tinha dificuldades de penetrar na bem postada defesa adversária.

No Fulham, dá pra destacar Duff, que na primeira etapa foi quem buscou jogo, embora soltasse pouco a bola. Dempsey e Dembélé eram outras boas opções dos Cottagers. Simon Davies entrou no decorrer da partida e buscou jogo, assim como Gudjohnsen. Negativo no lado do Fulham foi Murphy. Nervoso e apático, errou demais.

No Chelsea, fora David Luiz, destaco Essien. A cada dia fico mais fã dele. O senso de posicionamento dele é coisa de outro mundo. Ramires esteve tímido na etapa inicial, mas na etapa final se soltou. Malouda esteve mal, assim como Anelka e Lampard. Torres parece meio desconfortável com a camisa do Chelsea, parece ansioso por marcar um gol. Teve boas oportunidades em seus pés, mas desperdiçou por nervosismo mesmo, escolhia a opção errada. Drogba – que semanas atrás foi destacado por este que vos tecla por estar voltando aos velhos tempos – começou no banco, entrou aos 25 do segundo tempo no lugar de Torres e fez mais que o espanhol.

Menção honrosa pra Mike Dean, que deixou de dar um pênalti de Hangeland em Malouda. Foi o único grande erro do árbitro que esteve bem na partida de hoje.