Bombardeando os anos 70

Ser campeão europeu já é um enorme feito para qualquer seleção, vide o fato de termos oito campeões diferentes, representando que a seqüência de conquistas é um feito difícil de conseguir. Mas levar os troféus da Europa e do Mundo em seguida é muito mais complicado ainda. Conheça agora a história de um dos times que conseguiu isto.

——————————–

Após a Copa do Mundo de 1970 o planeta ficou encantado com o Brasil de Pelé, Carlos Alberto Torres, Jairzinho, Rivelino e outros. Sem boa parte desta trupe após o tri-campeonato, a vaga de “melhor seleção do mundo” parecia estar em aberto.

A grande favorita a tomar esse espaço era a Alemanha Ocidental de Helmut Schön. Eliminados na Copa de 70 no “Jogo do Século” – Itália 4×3 Alemanha, na semifinal -, os alemães vinham anos férteis na Bundesliga. Bayern de Munich e Borussia Mönchengladbach viviam grandes momentos e duelavam ponto a ponto pelos títulos nacionais.

Grande mentor daquele time, Helmut Schön conversa com Beckenbauer

Como não poderia deixar de ser, a base da seleção era justamente a dupla que dominava o futebol do país. Apenas Michael Bella, Horst-Dieter Hötges, Horst Köppel, Jürgen Grabowski, Erwin Kremers e Hannes Löhr não jogavam no Gladbach ou no Bayern. Vindo da dupla, tínhamos nomes como Franz Beckenbauer, Paul Breitner, Uli Hoeness, Jupp Heynckes e Gerd Müller. Helmut Schön possuía um grande time em mãos!

A UEFA Euro de 1972 seria disputada na Bélgica e dava para dizer que isto era um problema para as outras três seleções da fase final – sempre lembrando que na época havia uma fase de qualificação que resultava em quatro times, desse quarteto era escolhido o país sede. Os belgas fizeram uma fase de classificação quase impecável.

Atuando no mesmo grupo de escoceses, dinamarqueses e portugueses, os belgas venceram seus quatro primeiros jogos sem nem ter sofrido gols nos três duelos iniciais. A derrota para a Escócia e o empate diante de Portugal nem prejudicou tanto a Bélgica, que venceu o grupo 5 e partiu para o confronto contra a Itália no mata-mata, definindo a vaga para a fase final. Os belgas seguraram o 0x0 no San Siro lotado – mais de 63 mil pessoas – e mataram a Azzurra no Émile Versé, 2×1.

Conter a Bélgica empolgada e com apoio do torcedor seria a primeira tarefa alemã na Euro de 72. Com treze gols marcados e três sofridos na fase de classificação, o favoritismo era todo da Alemanha Ocidental, mas jogar contra uma seleção em ótima forma e atuando em casa seria um duro desafio.

A partida chamou a atenção de toda a Europa e parou a Bélgica. Cerca de 55 mil pessoas foram ao Bosuilstadion – atualmente, o estádio não acomoda nem 17 mil espectadores – acompanhar belgas e alemães, já em Hungria e União Soviética, outra semifinal e que era realizada no mesmo horário, menos de 18 mil pessoas foram acompanhar a peleja.

A Bélgica parou para acompanhar a partida, mas principalmente, parou para ver e admirar “O Bombardeiro” Gerd Müller. O artilheiro do Bayern balançou as redes em seis oportunidades na fase classificatória e mais uma vez no mata-mata contra a Inglaterra. Müller vivia o auge de sua carreira e decidiu provar isto na semifinal, balançando as redes em duas oportunidades. O gol de Odilon Polleunis não foi o suficiente para colocar a Bélgica em uma final de Eurocopa.

Teríamos um campeão invicto! A União Soviética chegou à final da competição sem ser derrotada. Foram cinco vitórias e três empates na fase qualificatória – contando com o mata-mata – e no duelo eliminatório contra a rival Iugoslávia, veio uma sonora vitória por 3×0 no placar agregado. Nas semifinais, os soviéticos bateram a Hungria de Flórián Albert por 1×0, gol de Konkov.

A Europa inteira tinha a impressão de que a União Soviética era a única seleção capaz de parar a Alemanha Ocidental em uma partida de futebol. Sem a mesma qualidade técnica, experiência e conjunto, mas com muita dedicação e com algo já explicado no nome do país, a “União” das potências locais. Se hoje Dynamo de Kiev, Shakhtar Donetsk, Dynamo e Spartak Moscow se enfrentam raramente, naquela época faziam parte da mesma nação e sempre se confrontavam. Estes times formavam a base da seleção soviética.

Só que assim como no confronto diante da Bélgica, a Alemanha jogou todas as esperanças adversárias ralo abaixo. Foi uma partida de um time só e uma das maiores atuações da seleção considerada por muitos como a maior da história do país.

O Kaiser Beckenbauer mostrou como um líbero deve jogar e ocupou os espaços como poucos, na lateral, Paul Breitner era rígido na marcação e eficiente no ataque, enquanto Uli Hoeness e Günter Netzer davam solidez ao meio-campo.

Com quatro gols, Müller foi o artilheiro da Eurocopa de 1972

Para tornar tudo perfeito, Gerd Müller estava no ataque para seguir mandando bolas pra dentro. Depois de dois gols na semifinal, “O Bombardeiro” anotou mais dois tentos na decisão e se tornou o grande destaque da competição. Ainda na mesma temporada, Müller recebeu o “European Golden Shoe”, prêmio entregue ao maior artilheiro da Europa e na ocasião, o alemão havia marcado 40 gols. Até hoje, Gerd Müller é o único alemão a ganhar o prêmio e também o único atuando na Bundesliga.

Era o auge da carreira do atacante bávaro e também da seleção alemã, que dois anos depois receberia a Copa do Mundo e mostraria que realmente era uma das maiores seleções da história. Na grande final contra a Laranja Mecânica Holandesa de Cruyff e Rinus Michels, a Alemanha Ocidental venceu por 2×1 e Gerd Müller novamente marcou no jogo decisivo. No caso, o gol do artilheiro foi o da virada.

O feito dos alemães é tão grande que somente em 2008-2010 uma seleção foi repetir tal conquista. A Espanha curou a fama de amarelona e venceu de forma consecutiva a Eurocopa e a Copa do Mundo.

Este talvez tenha sido um dos últimos “Contos da Euro” originalmente meus. A partir da próxima semana, teremos novidades na série. Aguardem!

Mundial Sub-20 – Você já ouviu falar (Parte 2)

Dando sequencia a série de posts para o Mundial Sub-20, faço a segunda parte do “Você já ouviu falar”, com jogadores que se destacaram por seleções europeias no torneio e que certamente vocês já ouviram falar (já aviso previamente que pulei o Mundial de 1993, por ter sido um torneio muito ruim para as seleções europeias e de predomínio sulamericano nos principais quesitos).

1995 – Joseba Etxeberria (Espanha)

Cria da Real Sociedad, mas que durante 15 anos vestiu a camisa do Athletic de Bilbao, Etxeberria foi o grande destaque da Espanha em uma seleção que tinha jogadores como Morientes, De La Peña e Raúl. Com 7 gols, Extebe foi não só o artilheiro de sua seleção, como artilheiro do torneio. Desses sete gols, três foram anotados nas quartas-de-final, na vitória sobre a Rússia por 4×1.

No torneio, porém, os espanhóis sucumbiram nas semifinais diante dos futuros campeões da Argentina, com uma derrota acachapante, 3×0.

Destaque também para a campanha de Portugal, que alcançara as semifinais, sendo eliminada pelo Brasil. Nos demais selecionados europeus, tivemos a já destacada Rússia, além de Holanda e Alemanha, ambas eliminadas na primeira fase.

1997 – David Trezeguet (França)

Desde garotos, Henry e Trézéguet se entendiam bem

Desde garoto, Trézéguet já mostrava seu faro de artilheiro. Com cinco gols em cinco jogos, ele foi o vice-artilheiro do torneio, ficando atrás somente do brasileiro Adaílton. Naquela época, Trézéguet fazia dupla de ataque com nada mais nada menos que Thierry Henry. 8 dos 10 gols franceses no torneio foram dos gois jogadores.

A França caiu pro Uruguai nas quartas-de-final e viu outra seleção europeia se destacar: a Irlanda. O time que tinha como grande estrela Damien Duff, chegou a deixar a Espanha para trás e só foi parada pela futura campeã Argentina nas semifinais.

Das demais seleções europeias no torneio, só decepção. A Inglaterra passou pela primeira fase com 100% de aproveitamento, mas caiu pra Argentina logo na primeira rodada dos playoffs. A Húngria saiu zerada, já a Bélgica, após se classificar na bacia das almas, foi eliminada nas oitavas de final com um indigesto 10×0 para o Brasil.

1999 – Pablo (Espanha)

Com cinco gols e duas assistências, Pablo Couñago foi o destaque da Espanha no título mundial de 1999. Desses cinco gols, podemos destacar quatro de grande importância: dois nas oitavas de final, contra os EUA, na dura vitória por 3×2 e dois na final contra o Japão, onde a Espanha venceu por 4×0 e conquistou o título. Por fim, Pablo nunca explodiu em sua carreira e atualmente vaga por clubes de divisões inferiores da Inglaterra. Não foi o caso de outros companheiros de seleção na época, como Casillas, Xavi, Yeste e Marchena.

Mesmo com a Espanha campeã, podemos dizer que foi um fiasco europeu nesse mundial. A Alemanha caiu na primeira fase em um grupo que tinha Nigéria, Paraguai e Costa Rica. Pelo menos os alemães terminaram em último tendo vencido um jogo. Não foi o caso da Inglaterra, que ficou com a lanterna de seu grupo e zerada em pontos. Das quartas de final em diante, só a Espanha prosseguiu, porque Irlanda, Croácia e Portugal caíram nas oitavas de final.

2001 – Djibrill Cissé (França)

Com 6 gols, Cissé foi o destaque francês

No time que tinha Alou Diarra e Benoit Cheyrou, quem se destacou foi Djibrill Cissé. Vestindo a 12 na época, o atacante anotou 6 gols no torneio, se tornando o artilheiro francês no torneio. Seus gols foram suficientes para levar seu selecionado para as quartas de final, graças a dois gols diante da Alemanha na vitória por 3×2 na fase anterior, mas não foram suficientes para desbancar os donos da casa da Argentina, que viriam erguer o troféu na final contra Gana.

Novamente os europeus não chegaram tão longe como o esperado. A Finlândia foi a única que caiu na fase inicial, enquanto Alemanha e Ucrânia deixaram o torneio nas oitavas de final. Nas quartas-de-final houve um verdadeiro extermínio, quando a Argentina tirou a França, o Paraguai tirou a República Tcheca e o Egito tirou a Holanda – de Robben, Huntelaar, Van der Vaart e Theo Janssen – do torneio.

2003 – Andrés Iniesta (Espanha)

A Espanha não tinha um time tão brilhante, mas era muito regular e consistente. Mesmo assim, eles tinham um diferencial chamado Andrés Iniesta. Seus três gols foram de grande importância para a Fúria. O tento vitorioso contra o Uzbequistão na primeira fase, o gol inicial do 2×1 sobre o Canadá nas quartas-de-final e o gol que levou seu time para a final, na vitória sobre a Colômbia. Na decisão, a Espanha caiu diante do Brasil.

Novamente a Espanha salvou a honra europeia no torneio…

República Tcheca, Inglaterra e Alemanha foram eliminadas na fase de grupos da competição. No mata-mata, a Eslováquia caiu diante do Brasil e a Irlanda foi eliminada pela Colômbia, dali em diante, só a Espanha prosseguiu.

2005 – Fernando Llorente (Espanha)

Llorente era a referência do ataque espanhol em 2005

Mais um torneio decepcionante para as seleções da Uefa. Nenhum semifinalista. Mesmo assim, a Espanha conseguiu ter o vice-artilheiro do torneio: Fernando Llroente, atual atacante do Athletic e que é desejado por meio mundo. Diga-se de passagem, quatro dos cinco gols que ele anotou no torneio foram marcados no 7×0 sobre o Chile, então não há muitos comentários…

É até difícil falar de um grande destaque europeu, sabendo que Lionel Messi destruiu pela Argentina!

Mas falando sobre as seleções européias no torneio, só a Suíça não passou da fase de grupos. Ucrânia e Turquia ficaram pelo caminho nas oitavas de final e nas quartas-de-final, o que havia restado se foi. A Itália caiu fora para Marrocos, a Alemanha caiu pro Brasil, a Holanda foi eliminada pela Nigéria, enquanto a Espanha caia pra futura campeã Argentina.

2007 – Martin Fenin (República Tcheca)

As seleções europeias voltaram a figurar nas semifinais de um Mundial Sub-20, mesmo não sendo as “grandes” seleções esperadas. Tivemos nas semifinais um duelo entre Áustria e República Tcheca. Os tchecos, que avançaram até a final, tinham como grande destaque do time o atacante Martin Fenin, autor de três gols no torneio. Só que assim como em 2005, todos caíram para a Argentina, que não era de mais de Messi e sim de Agüero.

Na edição de 2007, somente a Escócia caiu na fase inicial representando a Europa. Nas oitavas de final, Portugal e Polônia deram adeus a competição e na fase seguinte, a Espanha viria a cair pra República Tcheca.

2009 – Vladimir Koman (Hungria)

Vladimir "Komandou" a Húngria no último Mundial

Aos poucos o futebol húngaro vai ressurgindo. Um respiro foi no Mundial Sub-20 de 2009, quando o seu selecionado acabou na 3ª colocação. O destaque da equipe foi Koman, autor de 5 gols húngaros no torneio. O meia mandou no meio campo da Húngria e foi um dos grandes responsáveis pela surpreendente campanha húngara. A Hungria caiu nas semifinais pra futura campeã Gana.

Só pra variar um pouquinho, a Inglaterra foi a decepção europeia, sendo a única do continente a cair na fase de grupos. Nas oitavas de final, os europeus que caíram foram por causa do chaveamento, que lhes botou de frente a outro europeu, ou seja, teríamos um time da Uefa caindo fora do mesmo jeito. Espanha e República Tcheca foram as que ficaram pelo caminho. Itália e Alemanha caíram nas quartas de final, enquanto a Hungria seguia e caia pra Gana nas semifinais.