O segredo de Guardiola

Pep Guardiola é um grande técnico?

Acho que sim.

Mas o fato de ter tido e ainda ter em mãos jogadores como Messi, Xavi, Iniesta e outros ajudou bastante pra que ele se tornasse esse “grande técnico”?

Também acho que sim.

Mas então, por que ele arranja tanta antipatia de alguns jogadores?

Beleza, Ibra? (Reuters)

Essa é uma pergunta que pelo menos eu não tenho resposta.

Logo que chegou ao Barcelona, Guardiola já se desfez de peças como Ronaldinho Gaúcho, Deco e Samuel Eto’o. Com um pouco mais de relutância, manteve o camaronês em seu elenco e fez com que ele se tornasse uma das peças chave do Barcelona campeão europeu da temporada 08/09. Mas o bom convívio durou pouco: na temporada seguinte, Eto’o era trocado pelo sueco Zlatan Ibrahimovic. Erro fatal!

Não só Eto’o era novamente campeão europeu – daquela vez pela Inter – como Ibrahimovic se tornaria um tormento na vida de Guardiola. O pouco futebol apresentado pelo sueco era nítidamente contrastado com os 68 milhões de euros investidos pelo Barça. Ibra virou banco e obviamente não gostou disso.

Hoje, o sueco brilha no Milan, mas mesmo assim, como nos tempos de Barcelona, segue soltando farpas em direção de Guardiola, claramente dedicando seu fracasso ao seu treinador em campos espanhóis.

Tão perto... mas tão distante... (Reuters)

Ibrahimovic é talvez o único “inimigo público” de Guardiola. Dos jogadores “de nome” que Pep mandou embora do Barcelona, Ibra é o único que segue criticando o treinador à distância. Recentemente, o sueco chegou a chamar Pep de “filósofo”, obviamente com uma dose enorme de sarcasmo. Eto’o já chegou a dizer que não entendia o motivo de sua saída e criticou a mudança que Guardiola queria fazer no clube. Calados, Deco e Ronaldinho nunca falaram nada demais. Mas certamente Eto’o guarda uma mágoa maior e não tenha se expressado ainda querendo evitar uma polêmica maior ou simplesmente não teve a oportunidade de vir a público comentar sobre o assunto. Deco e Ronaldinho também devem guardar uma certa raiva do treinador, que os dispensou e após desse fato, ganhou títulos e mais títulos, além de ter ficado com a fama de bom moço.

Nessa semana, mais um ex-jogador do Barcelona mostrou sua antipatia com Pep Guardiola:

Não consegui falar direito com ele durante uma temporada toda. E, quando era possível, falava coisas estranhas, pouco comuns a um treinador. Se tivéssemos conversado bem, provavelmente ainda estaria no Barcelona

Guardiola não confiava em mim. Sempre que falávamos, ele me deixava sem resposta e era pouco claro nas justificativas para me deixar fora da equipe. Até que surgiu a oferta do Manchester City. Nesta época, confesso que até a minha família começou a pensar que havia um problema qualquer com ele. Sempre pensei que tinha condições para encerrar a minha carreira lá, mas estava enganado

Yaya Touré

Não deixa de ser um fato novo. Eu poderia jurar que Touré havia trocado o Barcelona pelo Manchester City por causa do caminhão de dinheiro oferecido pelos ingleses. Agora veio à tona esse distanciamento do marfinense com o treinador.

Aliás, só puxando uma extensão: Touré disse que Guardiola pouco falava com ele, o curioso é que Ibrahimovic – sempre ele – e Bojan – outro ex-jogador do Barcelona que saiu do clube criticando Guardiola – soltaram as mesmas reclamações ao treinador. O sueco afirmou que “tudo ia bem no Barcelona, mas após a virada de 2009 para 2010, algo aconteceu e Guardiola emendou dois meses sem conversar com ele”. Enquanto Bojan, em sua despedida do clube blaugrana disse que “se despediu de quem se portou bem com ele e não de Guardiola, que passou todo o verão sem falar com ele”.

Quando decidi fazer esse post, tinha em minha cabeça que Guardiola só conversava com o pessoal da base, ou seja, com jogadores que assim como ele, foram criados pelo Barça, sabem como funciona o “esquema Barcelona” e talvez até alguns desses atletas tenham passado por suas mãos e já tenham laços antigos de amizado com Pep, mas ao fazer uma “googlada” pra ver quem mais havia criticado o treinador, percebi que não é exatamente isso que acontece.

Não sou um grande entendedor de futebol espanhol, mas sei que no Barcelona há alguns jogadores criados pelo clube que tem certo potencial, mas por ficarem tanto tempo esquecidos no banco de Guardiola, acabam se desmotivando e a carreira vai pro buraco.

Líder da "panela"? (Reuters)

Vide esses grandes problemas de relacionamento que Guardiola tem com ex-jogadores e com todos eles destacando os mesmos problemas, só pode ser verdade – ou está tudo clinicamente combinado -, e só pode ser verdade também que há uma “panelinha” no clube, onde há os jogadores criados no Barcelona – e algum outro gato pingado, como Dani Alves – que acabam se dando muito bem com Guardiola e formam um “grupo forte”.

Só que esses problemas internos e essas “panelinhas” – que por declarações de ex-jogadores, me deixam com a nítida sensação que existem mesmo – são muito bem protegidas. Desde que Guardiola chegou ao clube, há uma camuflagem enorme sobre o elenco e a comissão técnica. Raramente surge uma polêmica envolvendo o clube fora das quatro linhas. As polêmicas que o Barça se vê envolvido são dentro do gramado, como nas incessantes disputas contra o Real Madrid na última temporada.

Não é anormal haver “panelinhas” em um grupo de atletas. Muito pelo contrário. Num grupo enrome de pessoas, sempre haverá um determinado subgrupo de pessoas que irá se dar melhor e por isso ficará mais tempo junto. É normal do ser humano! Mas cabe aos jogadores saber distinguir que o cara que não é seu amigo também está no grupo e que todos estão no mesmo barco. Não é sempre que isso acontece. Há vários casos de grupos de jogadores derrubando treinador ou coisas do tipo, sem o consentimento de outros atletas.

O que considero anormal é Guardiola se envolver em uma dessas “panelinhas”. Não é certo! Ele, como líder e até autoridade diante de um grupo, não pode entrar em um subgrupo, descartando quem não se envolve com isso. Fora da área de trabalho é outra história, lá fora, ele faz o que bem entender, a vida é dele!

Guardiola soube filtrar bem o elenco catalão e hoje tem poucos jogadores, porém em número suficiente para disputar a temporada. O normal seria que esse pequeno número de jogadores ficasse unido e não existisse um subgrupo, mas se realmente há, Pep tem de saber administrar esse problema. Enquanto ele conseguir controlar, “tudo bem”, mas na hora que perder o controle, sai da frente!

Mas não custa lembrar que estou escrevendo sobre uma hipótese, também sobre algumas interpretações de declarações de ex-jogadores do Barcelona contra Guardiola. Se todas as hipóteses que levantei forem falsas, pobre de mim, que digitou mais de 1000 palavras à toa…

Anúncios

Polarização da liga espanhola gera polêmica

Texto de: Romário Henderson

O time misto do Barcelona atropelou o Villarreal... que está na Champions League

O debate sobre a polarização do Campeonato Espanhol entre Barcelona e Real Madrid tomou conta da Espanha. A superioridade dos gigantes em relação aos demais concorrentes nunca foi tão flagrante. As goleadas na rodada inaugural esquentaram a discussão.

O principal vilão é a divisão desigual nas cotas de TV. Barcelona e Real Madrid ficam com 17% do montante pago pela empresa Mediapro. Ambos repartem 212,5 milhões de euros (R$ 486 milhões). O valor restante (em torno de R$ 943 milhões) é divido entre os demais 40 clubes da Primeira e Segunda divisões.

O resultado final se vê na classificação. Nas últimas sete temporadas, Barcelona e Real Madrid sempre estiveram entre os três primeiros. A diferença de pontos é assustadora. Na temporada 2010/11, o Real Madrid, vice-campeão do Espanhol, ficou com 21 pontos a mais do que o Valencia, terceiro colocado.

O presidente do Sevilla, José Maria del Nido, antigo crítico do sistema de divisão de cotas, foi radical em seu posicionamento.

A Liga Espanhola é a maior porcaria do mundo

José Maria del Nido
O diretor esportivo do Barça, Andoni Zubizarreta, rebateu o ponto de vista do sevillista.
Porcaria? Temos um campeonato extraordinário com grandes jogadores. Essa é a nossa Liga
Andoni Zubizarreta
O debate promete aumentar com o campeonato em curso.

Dirigente defende greve de clubes

O presidente do Granada, Quique Pina, defendeu que os clubes da Liga Espanhola entrem em greve contra o critério desigual de divisão das cotas de TV.

Com a situação atual é melhor não ter campeonato. Não pode haver uma diferença tão grande de Barcelona e Real Madrid em relação aos demais

Antes você ia ao Bernabéu ou ao Camp Nou com toda a ilusão do mundo. Hoje em dia, se eu fosse treinador pouparia meus jogadores nessas partidas

Quique Pina
Os jogadores também começam a reclamar. O volante Marcos Senna, do Villarreal, é um deles:
A diferença para Barça e Real é brutal. Isso tem que mudar.

Marcos Senna

Fernando Roig, presidente do Submarino Amarelo é um dos dirigentes que briga por uma nova divisão nas cotas da televisão.

O atacante Piatti, do Valencia, afirma que a única chance de ganhar um título é com um milagre:

Temos de buscar a vitória, sempre na esperança de Real ou Barça terem um contratempo

Piatti

Manchester United, Milan e Barcelona favoritos

Texto de: Romário Henderson

A temporada 2011/2012 já começou em alguns países. Após poder acompanhar alguns jogos amistosos, pude definir meus favoritos aos torneios da Premier League, Serie A e Liga BBVA.

Começando pela Premier, penso que os Diabos Vermelhos, atuais campeões, são novamente favoritos. Por fora, correm Chelsea e Manchester City, ou seja, descarto Arsenal e Liverpool.

Cleverley e Young são boas apostas do United

Um grupo jovem foi montado, e esses parecem não sentir o peso da camisa do United. Ashley Young e Cleverley, por exemplo, já se encaixaram no time titular. O primeiro se posiciona como fazia no antigo clube, o Aston Villa, aberto pela esquerda, ora cortando pra dentro, ora indo ao fundo, e sempre propondo perigo ao adversário. Já Cleverley tem um estilo mais cadenciado, de toque de bola e armação de jogo, e o faz com bastante brilhantismo.

Ao fim da primeira rodada, apenas o Manchester conseguiu vencer, enquanto Chelsea, Liverpool e Arsenal empataram. Não estou considerando o City como grande devido aos últimos torneios, cujo desempenho foi patético, digno de um pequeno, por isso os Sky Blues necessitam se afirmar dentre os pujantes.

Na Serie A, o Milan aparenta estar encaixado e preparado para conquistar o segundo scudetto consecutivo. A equipe, em minha visão, tem apenas um problema: lateral direita. Antonini, Abate, Oddo e Zambrotta são limitadíssimos tecnicamente. É um setor que preocupa, sobretudo na parte defensiva. No mais, com Thiago Silva e Nesta na zaga, Taiwo na esquerda, Van Bommel, Gattuso, Seedorf no meio e Cassano, Robinho, Pato, Ibra, Emanuelson para o ataque. São muitas opções. Enquanto isso, seus rivais estão mal servidos em quantidade e em qualidade.

Novela encerrada: Fábregas no Barcelona

Bem, na Liga BBVA, mesmo com o Real Madrid gastando fortunas para a temporada, aposto no tetracampeonato do Barça. Afinal, os catalães são os melhores do mundo. Juntando-se aos excelentes atletas do Barcelona, mais dois excepcionais jogadores: Alexis Sanchez e Cesc Fábregas.

Acompanhar jogos do Barcelona é extremamente prazeroso. Eu gosto de desfrutar do futebol brilhante, e o Barça nos proporciona de maneira sublime isto. Times com essa proposta merecem nossa torcida, pois buscam e se empenham em se apresentar cintilantemente.

É óbvio que o maior adversário do Barcelona é o Real Madrid, que tem um ótimo treinador e um plantel de dar inveja. Mas precisam colocar em prática o que podem desenvolver. É o momento de José Mourinho explorar as magníficas qualidades de seus jogadores. Mourinho pode até conseguir por ser um manager fora do comum, mas Pep é bom o suficiente para também explorar o talento dos fantásticos catalães.

É só luxo

Fábregas já vestiu a camisa do Barcelona... na festa da Espanha campeã do mundo

A novela mais chata e arrastada desse período de “férias” dos times europeus certamente é o romance Cesc Fábregas – Barcelona – Arsenal. Uns dizem que ele quer deixar os Gunners, outros dizem que não. Uns dizem que os londrinos pedem mais dinheiro, outros já dizem que logo ele se apresenta. Enfim, é um disse-me-disse sem fim…

Acredito que assim como eu, vocês já devem ter feito essa pergunta: “Por que o Barcelona está fazendo essas loucuras para trazer Fábregas?”

E eu tenho uma resposta: É luxo!

É luxo porque o presidente Sandro Rosell quer dar uma resposta a torcida. Em outras palavras, que seus torcedores sintam um pouquinho do que os torcedores do Real Madrid sentem. Quantas vezes vemos grandes jogadores sendo especulados no clube da capital espanhola e Florentino Pérez vinha e os trazia por um trasantlântico de dinheiro? É uma satisfação cega que a diretoria dá a torcida. Cega porque a dirigência olha pelo lado do fanático e apaixonado torcedor, e não do sério e profissional dirigente que deveria ser.

Já tem até torcedor do Barça com a camisa do Fábregas...

Fábregas é especulado no Barcelona desde que o mundo é mundo, e sempre aparece alguém dando como certa a sua ida para a Cataluña, enchendo os torcedores ansiosos por sua eventual chegada.

Outro motivo que me faz acreditar que a vinda de Fábregas não passa de luxo é quando tento encaixá-lo no time titular do Barcelona e simplesmente não consigo. Primeiro de tudo: nenhum clube seria capaz de oferecer quase 40 milhões de euros por um jogador para deixá-lo na reserva. Por isso vou direto ao ponto de que ele vem para ser titular. A questão é: no lugar de quem?

Xavi não sai do time. Iniesta também não. Que tal um meio campo com a dupla mais Fábregas? E quem marca? Mas Iniesta poderia ser colocado na posição de Pedro e o garoto daria lugar a Cesc. Tá bom, mas Alexis Sanchéz? Veio pra quê? Pra ser segundo reserva? Sem falar de Thiago Alcântara que surge com enorme destaque. Faria esse barulhão todo na pré-temporada para ser um terceiro, quarto (…) reserva?

É uma questão dura de entender. Guardiola improvisou Deus e o mundo na sua zaga na última temporada e o clube vai atrás de um meio campista caro, que nem sabemos se terá lugar entre os 11 principais do time. Pra ver como a influência da torcida é grande…

Mas mesmo assim é momento de frustar sua torcida – como se fosse possível frustar a torcida que vê seu time tri-campeão nacional e campeão europeu jogando essa bola toda – e “pensar com a cabeça”. O Barcelona precisa de zagueiros. Não precisam ser beques de outro mundo, mas pelo menos um que substitua bem Piqué e Puyol.

É Fábregas! Nunca te achei lá essas coisas...

E há outra história: nunca achei Fábregas esse jogadoraço que ouço falar. É muito bom jogador, mas nunca o vi como um substituto de Henry ou Vieira no quesito liderança dentro de campo no Arsenal. Muitas vezes o via sumido em campo, meio disperso e o pior, quase sempre com uma lesão.

Sei lá… podes discordar (até porque não canso de dizer que meu assunto MESMO é futebol alemão), mas nunca vi Fábregas como um grande craque.

Resumindo tudo: Fábregas no Barcelona não passa de luxo da diretoria blaugrana, de gastar com o que não precisa só para agradar a torcida e mostrar que não é tão diferente do Real Madrid, mostrando que também age impulsivamente ao ouvir gritos de torcida e imprensa.

Neymar está preparado para jogar na Europa?

Texto de: Romário Henderson

Jornais espanhóis falam de Neymar o tempo inteiro

O estilo do futebol europeu é totalmente diferente do futebol brasileiro. Para se dar bem por lá, é necessário ser conceituado taticamente, e Neymar, por mais que seja genial, ainda é imaturo taticamente

Seu futuro clube será o Real Madrid, clube dirigido por José Mourinho, que fez Samuel Eto´o e faz Cristiano Ronaldo marcar. Não pede que sejam combativos, mas exige disciplina tática, coisa que Neymar não tem.

A credencial do brasileiro é sua refinada qualidade técnica e protagonismo conquistado num dos grandes clubes do país, isso com apenas 19 anos de idade.

Analisando a formação tática preferível pelo Mourinho, o 4-2-3-1, onde Neymar se encaixaria? Bem, na extremidade da linha 3. Hoje, Mourinho escala Ronaldo pela esquerda e Di Maria pela direita. Neymar tem mais bola do que Di Maria para ser titular? Óbvio que tem, mas somente essa qualidade bastará? Com Mourinho, não.

O fato, em minha opinião, é que o craque santista não está preparado para atuar na Europa… ainda. Seria conveniente ficar no Brasil, amadurecer mais para chegar à Europa definitivamente preparado.

Pré-temporada dos europeus-> Como o calendário europeu é plausível, não? Times com tempo suficiente para se preparar, viajar, ganhar dinheiro, realizar amistosos… Decididamente, iniciam as competições bem fisicamente, com os times montados e, por isso, assistimos jogos de alta qualidade técnica.

Virou obsessão?-> Sandro Rossel, presidente do Barcelona, está disposto a pagar valores estratosféricos para contratar Cesc Fábregas. Tudo isso porque Josep Guardiola, técnico da equipe catalã, disse que seus jogadores jogarão, no máximo, 4 mil minutos em toda a temporada. Para isso, é necessário ter um elenco forte, para poder revezar os atletas e o rendimento da equipe continuar em alto nível.

Gastança desenfreada bastará?

Após algum tempinho sem colunistas, o Europa Football finalmente terá um cidadão para compartilhar seus conhecimentos sobre futebol europeu. Romário Henderson chega pra vestir a camisa 11 do blog!


Texto de: Romário Henderson

Fortuna madridista

Não é de hoje que o Real Madrid é um clube que faz altíssimos investimentos. A base nem sempre é aproveitada. Eu comparo o clube merengue à charmosa escuderia Ferrari: duas potências no esporte que investem nos melhores do mundo, preterindo valores formados na base, ou seja, optam pela experiência e rodagem aos inexperientes.

Nem sempre os gastos, às vezes excessivos, ajudam o clube a almejar os objetivos. Falando mais recentemente, a partir de 2002, quando Florentino Perez era presidente do Real, uma super equipe foi montada. No elenco, atletas como, por exemplo, Roberto Carlos, Beckham, Figo, Zidane e Ronaldo. Bem, em tese, o favoritismo dos galácticos era evidente em qualquer competição que disputasse.

No futebol, as teorias costumam blefar, pois o que vale mesmo são os resultados, e eles não vieram como Florentino Perez e, sobretudo, os “aficcionados” madridistas esperavam. Os gastos são recuperados com vendas dos produtos oficiais do clube, mas as façanhas, depois de perdidas, são irrecuperáveis.

Para a temporada 2011/2012, a gastança está desenfreada. Nuri Sahin, Altintop e Fábio Coentrão são alguns exemplos. O último, inclusive, foi comprado por 30 milhões de euros. Será que um lateral, por mais ótimo que seja, vale tudo isso? O que Florentino Perez quer de fato é a conquista da Champions League, coisa que não veio em sua primeira passagem. E, claro, brecar a hegemonia catalã nos últimos anos.

Alexis Sanchéz foi apresentado nesta segunda no Barcelona

Barça fora dos trilhos-> Todos sabem que o Barcelona forma seus atletas para chegarem ao time profissional prontos. Não é à toa que na equipe titular, apenas três não foram revelados pelo clube. Curiosamente, após a venda de Bojan, invés de buscar uma “jóia” na base para reposição, os catalães optaram em trazer alguém de fora. O chileno Alexis Sanchez foi contratado junto a Udinese. E outro que pode pintar é Fábregas, proveniente do Arsenal. Fora dos trilhos momentaneamente ou de vez?

Villas-Boas tem missão dura-> Desde que comprou os blues em 2003, Roman Abramovich ainda não pôde saborear um título de Champions. Chegou perto em 2008. O técnico contratado, André Villas-Boas, após fazer ótima temporada com o Porto, terá que provar que, de fato, é um promissor treinador. O elenco do Chelsea é reduzido e envelhecido. Não adianta vencer a Premier League e/ou a Copa da Inglaterra. É imprescindível a conquista da Champions. Com essa equipe, o jovem treinador terá que se desdobrar e levantar a linda taça, que, diga-se, é o sonho de consumo do bilionário russo.

Dinastia Barcelonista sem data para o fim

A Dinastia Barcelonista? (AP)

O Barcelona confirmou no meio dessa semana seu tri-campeonato espanhol, 20º em sua história e 10º nos últimos 20 anos. O Barça começa a criar uma dinastia no futebol espanhol.

Desses dez títulos nos últimos vinte anos, o Barça conseguiu um tetra-campeonato – 1990/1991 até 1994/1995 –  e o atual time do Barcelona já conseguiu um tri campeonato e pelo andar da carruagem, o recorde dos anos 90 não será apenas igualado, como tem tudo para ser superado e aumentado.

O Barcelona hoje tem um treinador jovem. Josep Guardiola, ainda com 40 anos, ainda tem muita lenha para queimar e se tornar um dos grandes, se não o maior treinador da história do clube. Tá certo que trabalhar com um time que tem Messi, Xavi, Iniesta (…) é fácil, mas ele tem seus méritos. Não à toa desde sua chegada, ele mexeu bastante no time.

Outro fator que me faz pensar que o Barcelona pode realmente criar uma dinastia no futebol espanhol é o fato de seu elenco ser jovem e quando parece envelhecer, logo surge um jogador das categorias de base para me desmentir. A média de idade do time catalão é de 24,5 anos!

Jogadores como Xavi, Puyol e Abidal, são só exemplos de atletas do clube que já ultrapassaram os 30 anos e que parecem ter um prazo de validade, mas como já é de conhecimento de todos, o Barcelona tem uma forte categoria de base. Fontàs, Muniesa, Bartra, Sergi Roberto, Thiago Alcântara e Jonathan são só alguns exemplos de garotos promissores que você pouco ouve falar, porque são lançados aos poucos. Mas certamente você já ouviu falar de Xavi, Iniesta, Messi, Bojan, Pedro e Jeffren. Todos são crias da base e enquanto o rival de Madrid vai esbanjando dinheiro, o clube da Catalunha vai formando atletas.

Quando Guardiola assumiu o Barcelona, ele já usava Messi, Xavi, Iniesta, Puyol (…), o tempo foi passando e jogadores como Pedro, Busquets e Jeffren começaram a ganhar mais chances. E assim vai. Guardiola vai rodando o elenco de ano pra ano.

Messi é a grande estrela do Barça

Aos poucos, Guardiola deve ir preparando esses garotos, que hoje são coadjuvantes, para logo serem sucessores dos grandes personagens atuais. Se hoje, Messi é a estrela da companhia, daqui há vários anos, com a carreira já bem desenhada e consagrada, ele pode vir a ser mais um e “se rebaixar” a um outro grande jogador, que pode vir a ser cria do Barcelona.

Vasculhando o elenco do Barça, nota-se que apenas dez jogadores não são cria ou não jogaram nos times de base do Barça. Num elenco de 35 jogadores e levando em conta que desses dez, quatro atletas, no máximo cinco jogam com frequência, é muito pouca coisa. Mas o que o Barcelona quer mesmo é armar uma dinastia. O Barça quer ter o domínio total do futebol espanhol com sua categoria de base, com a implantação de seu já característico jogo, com paciente toque de bola e muita ocupação de espaço. É assim que o Barcelona joga, é assim que eles aprendem desde garotos!

É um contraste com o Real Madrid, que com seus investimentos malucos, com a vinda de jogadores atrás de jogadores, com garotos da base sendo dispensados a cada momento – é só vasculhar os elencos dos times da Liga BBVA que tu encontra centenas de crias do Real Madrid –  e acumulando uma escassez de títulos. O Real vai virando freguês do Barcelona, seja na Espanha, seja na Europa.

Quem quer dinheiro?

Seria um modo errado de pensar futebol de Florentino Pérez? Talvéz não. Os Merengues tem dinheiro, podem investir e montar elencos caros. Isso não é um erro, é até normal. O problema é o modo de como esse dinheiro é investido. O Real tem um time diferente a cada ano. Basta olhar o elenco dessa temporada. Ricardo Carvalho, Özil, Dí María e Khedira não estavam na temporada anterior e são peças importantes de José Mourinho, que nem era técnico do Real Madrid. Levando em conta que um time pode levar, dois, três meses para se entrosar e somar mais uns três ou quatro para beirar o limite de seu potencial, pode-se dizer que é um crime o que o Real faz ao montar vários times diferentes em anos diferentes.

Times são montados para curto prazo, para ganhar torneios de tiro curto, elencos são montados para ganhar os grandes campeonatos, as ligas de maiores importâncias e sempre acabam rendendo frutos, como o aumento da receita, um número maior de torcedores e de garotos torcedores, o que pode promover um aumento nas categorias de base.

Enfim, enquanto o Real Madrid vai com o simplório pensamento de que com dinheiro tudo pode e que assim os títulos virão, o Barcelona vai investindo na base, fazendo somente em contratações cirúrgicas e vai criando uma dinastia no futebol espanhol, que pelo que parece, vai se expandir pela Europa inteira…

Parabéns ao Barcelona! Não só pelo título espanhol, como também por recuperar um pouquinho desse charme do futebol, que é a criação de atletas!