Le Podcast du Foot #70 | Em busca de um lugar ao sol

Natural de Maceió (AL), Otávio foi aparecer para o mundo do futebol no Sul do Brasil. Foi vestindo a camisa do Atlético Paranaense que o volante cresceu na carreira e chamou a atenção do Bordeaux, que o contratou no início da temporada 2017/18.

Sem saber falar francês, tem se virado como pode, seja no curso de idiomas, seja com os funcionários do clube, com os brasileiros do elenco ou até mesmo com o tcheco Jaroslav Plasil, figura icônica do Bordeaux e que aprendeu falar português ao se casar com uma brasileira.

Na língua da bola, tem se entendido bem. Desde que chegou aos Girondins, vem sendo titular com alguma frequência e tem buscado evoluir o quanto pode. A ideia é seguir a linhagem de brasileiros bem-sucedidos do clube, casos de Fernando Menegazzo, Henrique, Wendel, Jussiê, Mariano e, atualmente, Malcom.

O volante de 23 anos foi personagem central da edição #70 de Le Podcast du Foot. Otávio conversou com Eduardo Madeira e Renato Gomes sobre a chegada ao Bordeaux e a primeira metade de temporada na França.

Dê play abaixo e escute o programa:

 

Anúncios

400 vezes Hilton

Hilton é o brasileiro com mais jogos na história do Campeonato Francês | Foto: Divulgação/MHSC

Ao pisar no gramado do Estádio de La Mosson na tarde do último sábado (4), no empate por 1 a 1 entre Montpellier e Amiens, Vitorino Hilton entrou para a história. Aos 40 anos, o zagueiro chegou a expressiva marca de 400 jogos na carreira no Campeonato Francês. Entre todos os brasileiros que já disputaram o torneio, ninguém tem mais aparições do que ele.

Desconhecido no Brasil, o brasiliense, de 40 anos – jogador mais velho da atual temporada da Ligue 1 – tem carreira sólida na França. Filho de mãe costureira e pai trabalhador de construção, Hilton passou pela base da Chapecoense, mas se profissionalizou pelo Paraná Clube, antes de passar três anos no Servette, da Suíça, entre 2001 e 2004. Por lá, trabalhou com o técnico Lucien Favre, hoje no Nice, e participou da melhor campanha europeia do clube, parando nas oitavas-de-final da Copa da Uefa de 2002.

Desembarcou em terras gaulesas na temporada 2003/04, quando tinha 25 anos, para defender o Bastia. A passagem, que seria apenas por empréstimo, ficou para a eternidade. Suas qualidades nas antecipações, recuperação de bola e visão de jogo chamaram a atenção no curto período em que ficou na Ilha de Córsega e, na temporada seguinte, foi contratado em definitivo pelo tradicionalíssimo Lens.

Lens foi o segundo clube de Hilton na França | Foto: Reprodução

A mudança de clube significava o primeiro dos saltos que daria dali em diante. Em 2004, enquanto o Bastia escapou do rebaixamento somente na última rodada, o Lens foi o 8º colocado e havia disputado a Liga dos Campeões na temporada anterior.

No Norte da França, foi titular por quatro temporadas e se tornou capitão rapidamente. Anos depois, em 2013, em entrevista ao Eurosport, disse ter vivido os melhores anos da carreira no clube e que, na França, não há torcida mais apaixonada que a do Lens. “Meu único arrependimento foi não ter ganhado nada no clube”, admitiu.

O destaque foi tanto que entrou na seleção da temporada 2007/08, elaborada pela União Nacional dos Futebolistas Profissionais (UNFP), mesmo tendo sido o ano em que o clube Sangue e Ouro foi rebaixado para a segunda divisão.

Com a queda, abriu-se caminho para o Olympique de Marseille, de Didier Deschamps, e logo Hilton foi contratado por um dos mais tradicionais clubes franceses – o único do país a conquistar a Liga dos Campeões.

No OM, a primeira temporada foi brilhante. Participou de 36 dos 38 jogos do campeonato, e novamente foi colocado na seleção da temporada da UNFP. Em 2009/10, sem ter a mesma regularidade de antes, foi campeão francês e da Copa da Liga pelo Marseille, quebrando uma seca de quase 20 anos sem qualquer título.

No OM, Hilton foi campeão francês | Foto: Divulgação/OM.net

Porém, a saída do OM foi turbulenta. Assaltantes invadiram a residência do atleta, o agrediram e apontaram uma arma para sua cabeça diante dos próprios filhos. Após escapar desse episódio que poderia ter consequências ainda piores, o reflexo parecia único: sair do clube.

Foi aí que surgiu o Montpellier na vida de Hilton, em 2010/11. No ano seguinte, formando uma sólida dupla de zaga com o jovem Mapou Yanga-Mbiwa, conquistou o inédito título nacional, batendo o já milionário Paris Saint-Germain. Na mesma temporada, novamente foi lembrado na seleção da temporada da UNFP.

Considerado um profissional exemplar, dentro e fora de campo, Vito é capitão do time desde 2012, quando Mbiwa deixou o clube para se aventurar no futebol inglês. Desde então, tem sido líder e extremamente regular. Apenas na temporada passada fez menos de 30 jogos – ficou perto, 27.

Até o fim do campeonato, Hilton deve quebrar recordes de outros jogadores históricos como, por exemplo, Ludovic Giuly (401 jogos), Jean Tigana (411) e Dominique Rocheteau (417).

Hoje, sem dúvida alguma, é idolatrado pelo torcedor. Um exemplo foi relatado pela RFI Brasil, em maio deste ano. “Ao final do apito da partida em que o Montpellier perdeu de 2 a 0 para o Paris Saint-Germain, pela 34ª rodada do Campeonato Francês, Hilton chamou seus companheiros para agradecer a presença de um grupo pequeno de torcedores acomodados na lateral do estádio Parc des Princes reservada à torcida adversária. Apenas um jogador seguiu o gesto elegante do capitão da equipe. ‘Essa é a imagem que um jogador tem que deixar aos seus torcedores. Eles fazem um esforço de viajar até Paris, e o mínimo que devemos fazer é agradecer a presença deles’, explicou na entrevista na saída do estádio”.

Aos 40 anos, Vito é idolatrado no Montpellier | Foto: MHSC

Na mesma entrevista, Hilton foi sincero e revelou que não pretende voltar ao Brasil, pois está estabelecido na França e que retornar ao país onde nasceu seria reiniciar uma vida. “Espero encerrar minha carreira no Montpellier”, confessou.

Quando isso acontecer, a tendência é continuar no clube. Em mais uma oportunidade, o brasileiro manifestou a intenção de trabalhar na formação de novos atletas, mas, à rede de televisão francesa TF1, Hilton revelou que, mais adiante pode ser até treinador no MHSC.

Com 1,80m, Hilton é um gigante. A história que construiu, aliás, é gigante. Se adaptou rápido a França, cresceu no meio da paixão sangue e dourada do Lens, saiu da fila com o Marseille e calou muitas boca$ no Montpellier. Merece respeito e admiração por ser um dos zagueiros mais regulares do século XXI no futebol francês. Bicampeão, quatro vezes entre os melhores do país. Podemos repetir isso 400 vezes para valorizar um dos grandes brasileiros que trilhou os gramados gauleses.

Exclusivo: Girotto enaltece trabalho de Ranieri: “procuro aprender todo dia”

Andrei Girotto foi contratado nesta temporada | Foto: FC Nantes

Blumenau, Belo Horizonte, São Paulo, Kyoto, Chapecó e agora Nantes. O roteiro da carreira de Andrei Girotto é um tanto quanto incomum. Circulou por clubes de pequeno e médio porte, teve chances em grandes centros, fez gols importantes (palmeirenses que me digam) e agora tem a grande chance da carreira no futebol europeu.

Desde agosto deste ano, o meio-campista de 26 anos veste a camisa do Nantes, equipe oito vezes campeã francesa. Nesta temporada, os Canários são uma das atrações da Ligue 1, já que são comandados pelo italiano Claudio Ranieri, campeão inglês da temporada 2015/16 com o modesto Leicester City. É o primeiro clube que comanda desde a saída do time britânico.

O início de temporada tem sido promissor e a equipe ocupa a 4ª colocação, com 16 pontos. Girotto, titular em cinco jogos, já marcou um golaço, na vitória por 1 a 0, sobre o Caen.

No momento, o Nantes estaria voltando a disputar um torneio europeu, fato que não ocorre desde a temporada 2004/05. Engana-se quem pensa que isso é um sonho. Em entrevista exclusiva ao Europa Football, Girotto confirmou que o objetivo é buscar uma dessas vagas internacionais e enalteceu o trabalho de Ranieri. “Busco sempre estar atento ao que ele fala para ir aprendendo com o tempo”, afirmou o camisa 20 do Nantes.

Confira abaixo como foi o bate papo com o meio-campista brasileiro:

Europa Football: Você estava bem na Chapecoense e acabou se transferindo para a Europa. Como foi que o Nantes entrou na tua carreira? Foi uma decisão difícil?

Andrei Girotto: Foi uma decisão muito complicada, pois eu estava num ótimo momento na Chapecoense, feliz no clube e na cidade, quando chegou a proposta do Nantes. Porém, sempre tive o sonho de jogar no futebol europeu e o Nantes é um grande clube e tem grandes ambições na temporada. Além disso, o futebol francês tem uma visibilidade muito grande e isso tudo fez com que eu aceitasse a proposta para jogar na França.

Chegasse já com a temporada andando. Como isso influenciou na sua adaptação?

Cheguei aqui após as duas primeiras rodadas do Campeonato Francês, então precisei tentar me adaptar o mais rápido possível. O elenco possui alguns brasileiros e eles me ajudaram muito no dia-a-dia para me sentir o mais à vontade. É claro que a adaptação completa leva tempo, mas no decorrer dos dias a gente vai se sentindo mais em casa e as coisas evoluem naturalmente.

O Nantes tem Lima e Diego Carlos, ambos também brasileiros. Como foi a recepção dos dois?

A recepção deles foi muito boa, e me ajudaram muito no meu começo aqui no Nantes. Acho importante essa parceria para que as coisas aconteçam da melhor forma possível e estou muito feliz por esse companheirismo.

Lima (esq.) é um dos brasileiros do elenco | Foto: FC Nantes

A Ligue 1 é um campeonato mais pegado que alguns outros, e você já recebeu três cartões amarelos em seis jogos. Isso tem relação ou os cartões foram questões casuais, de jogo mesmo?

O futebol na França realmente é mais pegado, mas os cartões que tomei, dois deles, pelo menos, eu contesto até agora. Um, a falta não existiu; o outro, foi numa dividida normal de jogo, onde o adversário e eu buscamos pegar a bola. Mas são coisas que acontecem, fazem parte do jogo, e o importante é não receber muitos cartões para não desfalcar a equipe.

O que tem aprendido com Claudio Ranieri? Como ele se comporta com os jogadores?

É um grande treinador e eu procuro aprender todo dia com ele. Muitos jogadores tem a vontade de estar com ele, pois é um cara que tem uma ótima relação com todo mundo e busco sempre estar atento ao que ele fala para ir aprendendo com o tempo.

Nantes começou muito bem a Ligue 1, ocupando as primeiras colocações. Até onde vai o fôlego do time? Dá para pensar em vaga em torneio internacional?

Começamos muito bem, com uma ótima sequência de vitórias, e pretendemos continuar assim até o fim do campeonato. Sabemos que é um torneio muito difícil, com grandes equipes, mas vamos pensando jogo a jogo para conseguir pontos importantes, que nos credenciem a, no final do torneio, ocupar as primeiras posições, buscando vaga nos torneios internacionais.

No que você entende que precisa melhorar?

Eu me adaptei muito bem ao estilo de jogo que o treinador gosta de colocar em prática. Acho que o ritmo de jogo daqui é diferente em relação ao Brasil, então, isso é algo que, com o tempo, a gente vai aperfeiçoando.

A torcida do Nantes é reconhecidamente fanática. Qual sua primeira impressão dos torcedores e também do estádio Le Beaujoire, do ambiente criado nos jogos?

A torcida é fantástica e o ambiente no estádio é o melhor possível. Eles são muito fanáticos, não param de apoiar um minuto sequer e para quem está ali no campo é muito importante sentir esse carinho e essa vibração. Fiquei muito feliz com a recepção que eles me deram aqui no Nantes e procuro devolver esse carinho dentro de campo.

Le Podcast du Foot #66 | Neymar em Paris

Depois de uma arrastada novela, enfim Neymar estreou pelo Paris Saint-Germain. E o debute foi em grande estilo, com um gol e uma assistência na vitória por 3 a 0 sobre o Guingamp.

Pequena amostra ou o adversário facilitou? Foi dessa estreia e da projeção de Neymar em Paris que Eduardo Madeira, Renato Gomes e Vinícius Ramos se reuniram para a gravação de mais um Le Podcast du Foot.

Na edição #66 do programa, você confere a avaliação da estreia do brasileiro e os reflexos de sua chegada na Ligue 1. Ouça o podcast no player abaixo:

Sem projeto consolidado, Lyon tenta não ficar para trás

Mesmo sob críticas, Genésio é o técnico nesta temporada | Foto: S. Guiochon

Entre os times postulantes ao título ou a vagas em torneios europeus, o Lyon é o que tem o ponto de interrogação maior para a temporada que recém iniciou na França. O OL não conta com o aporte financeiro do Paris Saint-Germain, tampouco tem projetos promissores e ousados como Lille e Olympique de Marseille.

Em contrapartida, o clube gerido por Jean-Michel Aulas tem dinheiro no bolso após as vendas pomposas de Corentin Tolisso e Alexandre Lacazette (juntos, suas vendas somaram € 94 milhões).

Apesar das negociações, a atuação no mercado de transferências não foi das mais agressivas. Das seis contratações efetuadas, quatro jogadores estão abaixo dos 25 anos e são legítimas apostas. Entre Bertrand Traoré, Mariano Díaz, Ferland Mendy, Kenny Teté e os brasileiros Marcelo e Fernando Marçal, não há nenhum que encha os olhos e seja garantia de retorno de imediato.

Até mesmo a dupla de brasileiros, que é a mais experiente (Marcelo tem 30 anos e Marçal 28), não possui muita rodagem na Europa, quase sempre atuando em ligas ou times de menor escalão. Os demais contratados mostraram valor por onde passaram (especialmente Traoré), mas ainda são jogadores em construção e a tendência é errar mais do que acertar.

Dentro deste cenário, abre-se um vazio para a formação de líderes. Os próprios Tolisso e Lacazette, vendidos nesta janela de transferências, eram figuras de respeito dentro do elenco. Christophe Jallet, lateral com Copa do Mundo no currículo, cabe na lista. Entre todos eles, porém, a figura máxima era a de Maxime Gonalons, vendido a Roma por € 5 milhões.

Gonalons trocou o Lyon pela Roma | Foto: S. Guiochon

Aos 28 anos de idade, o volante foi formado no Lyon e estava no clube desde 2000. Era capitão e líder nato no meio de campo, além de ser considerado ídolo da torcida. A saída, porém, foi tumultuada.

Além de já ter saída cogitada há algumas temporadas, publicamente ele disse “faltar ambição” ao time após tomar quatro do Ajax, na partida de ida das semifinais da Liga Europa. A frase foi o estopim de uma crise entre o staff do jogador e Aulas, que trocaram farpas via imprensa.

Esse vácuo acaba sendo amplificado na figura do próprio Mathieu Valbuena, que não era exatamente um líder do elenco, mas a vivência futebolística lhe daria um status diferente nesta temporada. O baixinho meia quase foi expulso do clube, vide a pouca vontade demonstrada pela direção em mantê-lo devido ao alto salário. Assim como Maxime, saiu se manifestando contra diretoria e comissão técnica.

A figura da liderança dentro do plantel, até mesmo como exemplo de adaptação para os novos contratados, recairá sobre Nabil Fekir, que tenta retomar o ótimo nível técnico após uma série de lesões, do goleiro Anthony Lopes e do próprio Memphis Depay, contratado a peso de ouro na metade da última temporada e que tem papel de referência cada vez mais evidenciado com as saídas de Lacazette e Tolisso.

E é dentro deste cenário que Genésio terá que se impor. Os rachas internos, que faziam com que os jogadores mais experientes perdessem parte do respeito pelo técnico, somadas as críticas da torcida, que não confiam em seu desempenho na casamata, fazem com que transforme esse desafio ainda maior.

Diferente dos outros clubes que citei ainda no primeiro parágrafo, o Lyon não conta com uma coesão de ideias entre comissão técnica e diretoria e isso pode pesar no fim da temporada.

Início animador

Apesar de todas essas variantes, o Lyon começou a temporada com o pé direito, goleando o recém-promovido Strasbourg, por 4 a 0. Mariano Díaz, vindo do Real Madrid, já marcou dois.

O domínio do OL ficou escancarado muito além do placar, aja vista que os comandados de Genésio finalizaram 12 vezes, sendo que sete desses arremates foram contra a meta de Kamara. Além disso, teve amplo controle da posse de bola, com 61,6% de domínio, tendo concluído mais de 457 passes.

Entretanto, preocupa o estilo “boxeador” que Genésio impõe. Apesar das 12 finalizações, o Strasbourg, que deve se limitar a lutar contra o rebaixamento, arrematou em sete oportunidades. Três desses chutes saíram quando a partida ainda estava 1 a 0, o que se tornou um risco sério de estrago do placar.

Nas próximas duas rodadas, o OL terá testes de fogo que poderão mostrar a que pé anda a própria evolução. Na sexta (11), o adversário será o remodelado Rennes, na Bretanha, e oito dias depois, recebe o Bordeaux, tentando se reerguer após um conturbado início de temporada – marcado por eliminação na Liga Europa e empate na rodada inicial da Ligue 1. Diferentemente do que ocorreu com o Strasbourg, a “trocação” característica da equipe pode pesar ao lado contrário nos próximos duelos.

Um barcelonista em Saint-Étienne

Garcia foi apresentado oficialmente como novo comandante do Saint-Étienne | Foto: Divulgação/ASSE.fr

Óscar García desembarcou em Saint-Étienne com um árduo desafio pela frente na equipe local. Além de ser o clube de maior expressão que coloca no seu curto currículo como treinador, o espanhol de 44 anos terá a missão de reestruturar uma equipe que passou quase dez temporadas com Christophe Galtier como técnico.

Mas além dos resultados dentro de campo, García tentará propor uma nova filosofia de jogo: o badalado modelo barcelonista.

Promissor meia-atacante, de 1,84m, e com passagens pelas seleções espanholas de base, além da olímpica, em Atlanta, 1996, ele foi formado no Barcelona, por onde atuou entre 1984 e 1999 – contabilizando tempo de base e profissionalismo. Nesse período, conviveu com grandes jogadores e, principalmente, com grandes treinadores, como Johan Cruyff. Foi da convivência com o holandês que García ganhou o incentivo para virar técnico (foi auxiliar de Cruyff na seleção da Catalunha) e propagar a filosofia de jogo barcelonista.

Em 2013, quando treinava o Brighton, na segunda divisão inglesa, o espanhol foi entrevistado pelo The Independent e deixou muito clara a citada influência de Cruyff. “Você pode ver que dos jogadores que ele teve enquanto foi nosso treinador, a maioria é treinador agora, porque aprendemos muito. Estamos tentando ensinar aos nossos jogadores o que ele nos ensinou”, disse.

“Uma das coisas incríveis que me lembro era de que antes das partidas, Cruyff explicava o que pensava que aconteceria no jogo. Os jogadores achavam que ele era louco. Mas, na maioria das vezes, acontecia o previsto”, acrescentou.

Na mesma ocasião, García afirmou que cresceu com a mentalidade e a filosofia do Barcelona, inclusive, ajudou a formar jogadores como Rafinha Alcântara, Mauro Icardi e Gerard Deulofeu, que passaram pelo seu crivo nas canteras do clube catalão.

“Você precisa da bola”

O tiki-taka, filosofia de jogo que ficou conhecida no período de Pep Guardiola no comando do Barcelona, tem como alguns dos princípios a manutenção da posse de bola, realização de passes diagonais, curtos e em todas as direções.

Como manda o figurino, García tenta fazer com que seus times apliquem este conceito e explica que sua filosofia é ter a bola e passa-la quantas vezes for possível até encontrar o espaço. “Você precisa da bola, mas também precisa saber o que fazer com ela. A bola tem que correr, mas isso não significa que o jogador tenha que correr tanto quanto ela, mesmo que seja evidente que o jogador deva estar bem preparado para entrar na dinâmica”, disse ao Independent.

Na mesma entrevista, o espanhol ainda detalhou que a proposta que apresentava aos atletas do Brighton era sempre retomar a bola o mais rápido possível – esse “rápido” tem prazo de 5 segundos.

O discurso é muito bonito e dá a entender que o Saint-Étienne terá um panorama diferente na temporada. Veremos na prática. Como já foi debatido na última edição de Le Podcast du Foot, o ASSE será um dos times mais interessantes a ser visto na próxima Ligue 1 e a razão é a chegada de um barcelonista, que promete revolucionar o time verde.

Pré-temporada

Para medir a temperatura do início de trabalho, o Saint-Étienne fará cinco amistosos ao longo da pré-temporada:

5 de julho | Saint-Étienne x Nyon (3ª divisão suíça)
8 de julho | Saint-Étienne x Ajaccio
15 de julho | Saint-Étienne x Dijon
22 de julho | Saint-Étienne x Real Sociedad
26 de julho | Saint-Étienne x Montpellier

A rodada de abertura da Ligue 1 está programada para acontecer entre os dias 4, 5 e 6 de agosto e o Saint-Étienne começara em casa contra o Nice, de Lucien Favre.

Óscar García

Clubes:

2009-10 | Seleção da Catalunha (auxiliar)
2010-12 | Barcelona (base)
2012-13 | Maccabi Tel-Aviv
2013-14 | Brighton
2014 | Maccabi Tel-Aviv
2015-17 | Red Bull Salzburg

Títulos:

2012/13 | Campeonato Israelense – Maccabi Tel Aviv
2015/16 | Campeonato Austríaco e Copa Austríaca – Red Bull Salzburg

Os flops da temporada francesa

Há duas semanas, trouxe os destaques da temporada 2016/2017 do Campeonato Francês. Só que o ano não teve somente gente se dando bem, gritando “é campeão”, fazendo gols bonitos e encantando os amantes do bom futebol. Tivemos também aqueles que prometeram muito e cumpriram pouco dentro de campo.

Após um período de certa triagem nos escolhidos e até conversas com os colegas de Le Podcast du Foot, fechei a lista e, hoje, trago cinco desses nomes que, como dizem no popular futebolístico, floparam na temporada – ou que pelo menos frustraram qualquer expectativa positiva. Reconheço que a maior parte da lista vem do Paris Saint-Germain, que viu a sequência de conquistar nacionais sendo quebrada, mas dá uma boa discussão.

Sem mais enrolações, vamos aos nomes:

5 – Jesé e Krychowiak

Vindos do futebol espanhol, Jesé e Krychowiak não renderam em Paris | Foto: Geoffroy van der Hasselt/AFP/Getty Images

Só em Jesé Rodríguez e Grzegorz Krychowiak, o Paris Saint-Germain investiu € 58 milhões. É uma grana federal que comprova a inflação do mercado de jogadores, convenhamos. Ambos estão entre as 15 mais caras contratações da história do clube e até custaram mais que nomes importantes da história recente do clube, como Zlatan Ibrahimovic e Marco Verratti.

Uma temporada depois de fazer esse investimento, a sensação é de desolação. Jesé fez apenas nove jogos e anotou um gol na Ligue 1. Na metade da temporada, foi emprestado ao Las Palmas e saiu sem deixar saudades. Hoje, ele é tratado como um problema a ser resolvido internamente. Como firmou contrato de cinco anos, voltará a Paris, mas a contragosto. Em recente entrevista à Rádio Cadena Ser, na Espanha, ele disse que não gostaria de retornar por causa das poucas chances que recebeu. Já Nasser Al-Khelaifi, presidente do clube, disse em dezembro do último ano que errou ao trazer o espanhol. Pepino a vista sobre a situação do atleta.

Já Krychowiak, contratado com o status de peça de confiança de Unai Emery dos tempos de Sevilla, jogou apenas 11 vezes na competição. No meio da temporada, o polonês chegou a jogar no time B por perceber que não tinha espaço na equipe principal. A paciência com ele acabou na reta final e o último jogo que fez foi no dia 12 de março, pela 29ª rodada, na vitória por 2 a 1 sobre o Nancy. Com contrato até 2021, é outro problema a ser contornado em Paris.

4 – Jérémy Ménez

Apesar da decepção, a diretoria do Bordeaux ainda aposta em Ménez | Foto: AFP

Voltando ao futebol francês após duas temporadas no Milan, Jérémy Ménez custou a singela bagatela de € 9,5 milhões ao Bordeaux, segunda maior contratação da história do clube. Dentro de campo, porém, o retorno não aconteceu nesta edição da Ligue 1. Foram 26 jogos (somente sete por 90 minutos), três gols marcados e duas assistências.

Ménez, que almejava retornar à seleção francesa após quatro anos, vê agora essa meta cada vez mais distante. Já com 30 anos e vindo de uma temporada bastante baixa, ele ainda observa nomes talentosos explodirem, com Ousmane Dembélé e Kyllian Mbappé. Hoje está claro que é preciso ir passo a passo e, primeiro, retomar bom futebol dentro do Bordeaux, que não quer se desfazer do alto investimento feito no começo da temporada.

3 – Torcida do Bastia

O ápice das confusões da torcida do Bastia foi contra o Lyon | Foto: OLWeb

Nenhuma torcida incomodou tanto na França quanto a do Bastia. No hall de confusões dos corsos, uma tentativa de agressão ao brasileiro Lucas, do PSG, durante uma cobrança de escanteio, insultos racistas a Mario Balotelli, do Nice, além das cenas de guerra campal com os jogadores do Lyon, fazendo a partida ser suspensa após 45 minutos de bola rolando. As imagens rodaram o mundo e mancharam ainda mais o status de um time que teve a pior campanha entre os 20 times da Ligue 1.

Para quem quiser entender mais a origem desses acontecimentos, que muito tem a ver com a tumultuada região da Córsega, o assunto esteve em debate na edição #63 de Le Podcast du Foot, quando, inclusive, recebemos o correspondendo do Lucarne Opposée no Brasil, Simon Balacheff.

2 – Ben Arfa

Ben Arfa clamou por uma oportunidade em Paris | Foto: C. Gavelle/PSG

Depois de uma temporada acima da média no Nice (com 17 gols e seis assistências), Hatem Ben Arfa parecia ter afastado o status de “garoto-problema” e investir € 10 milhões nele parecia ser um bom negócio. Mero engano – pior para o PSG, que ficou com a batata quente em mãos.

O retorno em campo foi mínimo, com míseros quatro gols e uma assistência (disso tudo, apenas a assistência foi na Ligue 1). Internamente, Ben Arfa era duramente questionado pela falta de empenho nos treinamentos e teria chegado a ouvir de Emery a frase “você não é Messi”.

Não bastasse isso, o atleta externou a insatisfação com a reserva. Na reta final da temporada, publicou um vídeo onde suplicou por uma chance. Disse que não queria jogar em uma posição específica ou algo semelhante, apenas queria uma oportunidade.

Apesar da iminente chance de saída, ele começou o mês de junho dizendo querer ficar em Paris. No Instagram, o atacante publicou um vídeo treinando em uma praia, com a trilha sonora de “Only God Can Judge Me” (Só Deus pode me julgar), de Tupac, e encerrou com o recado “nos vemos em julho”. Resta vez se Emery vai passar a mão na cabeça dele desta vez.

1 – Unai Emery

Emery veio com a meta de fazer o PSG jogar mais… e até agora, não cumpriu | Foto: C. Gavelle/PSG

Não gosto da expressão “obrigação” para títulos, mas ao chegar em Paris, Unai Emery precisava fazer o PSG render mais e dar o passo adiante que não deu com Laurent Blanc – que apesar dos 11 títulos em três temporadas, era cobrado por participações mais convincentes no cenário europeu. Além disso, Emery teve a chance de trazer alguns jogadores que desejava, como os já citados Krychowiak e Ben Arfa, além de Julian Draxler.

O que se viu dentro de campo, porém, foi um rendimento menor do que nos tempos de Blanc. Sem inspiração, lento em transições e nas combinações ofensivas, o PSG de Emery fez força para ganhar jogos que ganhava facilmente em anos passados. A perda do título francês para o Monaco foi puro reflexo de um time que foi sombra de um adversário com menos recursos financeiros, mas que ampliou as capacidades técnicas.

Somado a isso, veio o fracasso diante do Barcelona na Liga dos Campeões e a péssima gestão de elenco, constatada nas mais variadas notícias de insatisfações e cobranças externas dos atletas.

Apesar disso tudo, Emery vai continuar no PSG para a próxima temporada, mas cada vez mais pressionado a fazer o time jogar para salvar a própria pele – e do presidente Nasser Al-Khelaifi.

——————————

E aí? O que achou da lista? Dê sua opinião e amplie o debate!