Bomba prestes a explodir

A crise sem precedentes que afeta o Lille ganhou como capítulo chave a invasão de campo, somada a agressões a jogadores no último sábado (10), no empate por 1 a 1 com o Montpellier. Os Dogues, que começaram a temporada francesa sonhando alto, ocupam a penúltima colocação, com 28 pontos, e hoje seriam rebaixados para a segunda divisão. Um choque e tanto para os torcedores que subiram no topo do país há menos de dez anos.

A invasão de campo, além de um ato lamentável e que pode custar caro ao clube, é o ato maior de uma torcida que começou o ano pensando em bater de frente com o PSG e hoje batalha para ultrapassar o Troyes nas últimas colocações.

Óbvio que muito da responsabilidade pelo trágico momento recai sobre Gerard López, o milionário proprietário que completou um ano no clube em janeiro deste ano e só viu problemas desde então – passando pelos resultados em campo, as escolhas dentro das quatro linhas e até mesmo aos problemas financeiros.

Mas vale questionarmos: qual o papel de Marcelo Bielsa dentro disso tudo? O argentino, que veio para a segunda passagem em solo francês com a promessa de ser a grande cabeça pensante do novo projeto do clube, promoveu uma verdadeira revolução nos Dogues, que atenderam a maioria de seus caprichos, desde estrutura, diretores e, principalmente no elenco.

Nomes como Rio Mavuba, Marko Basa e Vincent Enyeama, há anos no clube e absolutamente identificados com a torcida, foram deixados de lado e, em seus lugares, uma lista incontável de jovens promessas que abaixaram a média de idade do time para 22,3 anos.

O rejuvenescimento do elenco, que parecia ser positivo, tendo em vista que alguns dos veteranos estavam em reta final de carreira e muitos dos garotos contratados são, sim, muito bons, se tornou um total desastre. Os jovens, sem referências dentro e fora de campo, não conseguiram render e Bielsa não foi capaz de aplicar seus métodos como pensava.

Foi embora em litígio com o clube, tem disputas judiciais até hoje e deixou um prejuízo imensurável. Quem traz El Loco sabe que há o “pacote Bielsa”. Erro de Lopez em aceitar isso ou do argentino em promover essas mudanças e largar o barco à deriva?

Bielsa foi um dos fieis da balança para a crise do Lille | Foto: Getty/The Independent

Michel Seydoux, histórico ex-presidente do Lille, não pestanejou ao dizer que é Bielsa o culpado por tudo. Citou as trocas no elenco e ainda disse admirar o técnico Christophe Galtier, que tem feito o possível para evitar o rebaixamento do clube. “Bielsa destruiu o clube, de certa maneira”, afirmou à RTL.

Em meio a isso, tem o impasse do clube com a Direção Nacional de Controle de Gestão (DNCG), que aperta a diretoria quanto as garantias financeiras para disputar a Ligue 1. Começou com a proibição de contratar na janela de inverno (que era uma esperança de recuperação para a temporada) e complementou com uma espécie de “rebaixamento preventivo”, caso não apresente as garantias financeiras necessárias.

Independente de quem seja o culpado, o Lille precisa reagir urgentemente. Além da penúltima colocação, os Dogues possuem a terceira pior campanha em casa, a quarta defesa mais vazada e venceram apenas dois de dez jogos em 2018.

Até o fim da temporada, Galtier e seus comandados terão encrencas pela frente das mais variadas partes da tabela. Terá Monaco e Marseille longe de casa, além dos confrontos diretos contra Amiens, Toulouse e Metz.

E ainda precisamos esperar para ver os reflexos da selvageria do último sábado. Casos recentes apontam para punições severas, em que pese o fato de o clube ter aberto investigações para encontrar os culpados. Analisando episódios antigos, a imprensa local cogita desde a interdição do estádio a até jogos com portões fechados ou com campo neutro.

Enquanto isso, a nove rodadas do fim, o Lille vai escutando o “tique-taque” da bomba acelerar cada vez mais.

Anúncios

Le Podcast du Foot #71 | 2º turno vem aí!

Após algumas semanas de pausa, o Campeonato Francês retorna com carga total a partir da próxima sexta-feira (12), com a abertura do 2º turno.

A expectativa fica para os mortais, podemos dizer assim. O poderosíssimo Paris Saint-Germain, de Neymar, Kyllian Mbappé e Edinson Cavani, é líder, com 50 pontos, e com 16 vitórias em 19 rodadas, dificilmente perderá o título.

Restam as brigas entre Monaco, Lyon e Marseille pelas vagas nas copas europeias, com a zebra Nantes, de Claudio Ranieri, correndo por fora. Além disso, fica a expectativa por Saint-Étienne, Bordeaux e Lille, equipes com nível de investimento alto para os padrões franceses, mas que estão na parte baixa da tabela.

As projeções do 2º turno estiveram em debate no Le Podcast du Foot #71. Eduardo Madeira, Filipe Papini e Renato Gomes participaram do programa, que analisou o campeonato até agora e imaginou as próximas rodadas da competição.

Ouça abaixo o programa completo:

O adeus de um subestimado

Cheyrou fez mais de 300 jogos pelo Marseille | Foto: OM.net

Fim da linha para Benoît Cheyrou. Aos 36 anos, o meio-campista com passagens por Lille, Auxerre e Olympique de Marseille pendurou as chuteiras por cima, como campeão da Major League Soccer, o campeonato norte-americano, com o Toronto FC.

Clássico meio-campista, daqueles que os saudosistas se acostumaram a ver e admirar, podemos dizer que Cheyrou deixa a carreira com fama de subestimado. Inteligente, dotado de ótima técnica e potente finalização e, acima de tudo, vitorioso, dificilmente ele estará nas grandes lembranças futebolísticas, principalmente por não ter se estabelecido em nível internacional.

Parte disso se deve as poucas lembranças na seleção francesa. Apesar da consistente carreira em clubes, nos Bleus foi poucas vezes lembrado. Cheyrou defendeu o time nas categorias sub-18 (conquistou a Eurocopa em 2000, no mesmo time de Philippe Mexès e Djibril Cissé) e sub-20, mas despediu-se das quatro linhas sem uma partida sequer pela equipe principal.

Explicações são difíceis de encontrar. A partir de 2007, ano em que chegou ao Marseille, Cheyrou atingiu grande nível técnico, se notabilizando como um meio-campista defensivo capaz de quebrar linhas através de passes longos e aproximação na grande área para criar jogadas. Entre 2008 e 2010, esteve no time do ano na UNFP (em tradução, a União dos Jogadores Nacionais de Futebol) e se tornou um dos grandes jogadores do país. Isso foi insuficiente para convencer os técnicos dos Bleus a convoca-los.

O contestadíssimo Raymond Domenech foi o único a convoca-lo em 2010, mas sem colocá-lo em campo, preferindo em seu período como treinador nomes como, por exemplo, Alou Diarra, Lass Diarra, no já envelhecido Claude Makélélé e Mathieu Flamini. Passaram ainda pelo comando técnico Laurent Blanc e Didier Deschamps – o atual treinador – e nada de Cheyrou ser lembrado.

Pode ser que ele nunca pudesse ser um fator desequilibrante na França da última década, alguém capaz de trazer um título de peso que não vem desde a Euro 2000, mas fica uma lacuna em sua carreira.

Cheyrou, que atuou profissionalmente desde 1999, conseguiu ter trajetória mais vitoriosa até que a do irmão, Bruno Cheyrou (que, curiosamente, fez três jogos pela seleção francesa) e foi símbolo de um Marseille que saiu de uma seca de quase duas décadas sem títulos (apesar de uma saída conturbada em 2014). Inclusive, em votação popular, ficou num “time reserva” da história do clube quando completou 110 anos e chegou a ser eleito o melhor jogador da temporada do time em 2008/09 – quando perdeu a Ligue 1 para o Bordeaux.

Há quem desgoste da banalização da palavra “craque”, que prefira usar só em casos especiais. Penso que quem preza pelo respeito a profissão de jogador de futebol e consegue apresentar um “algo a mais”, capaz de nos prender por 90 minutos e acompanhar a um recital com a bola nos pés merece ser chamado assim. Por vezes subestimado e esquecido, mas craque e vitorioso. Assim Benoît Cheyrou pendura as chuteiras.

Carreira:

Lille (1999-2004) | 116 jogos e 3 gols

*Campeonato Francês – 2ª divisão | 1999/2000

Auxerre (2004-2007) | 131 jogos e 8 gols

*Copa da França | 2004/2005

Marseille (2007-2014) | 306 jogos e 28 gols

*Campeonato Francês | 2009/2010

*Copa da Liga | 2009/2010 e 2010/2011

*Supercopa da França | 2010 e 2011

Toronto [Canadá] (2015-2017) | 68 jogos e 5 gols

*Campeonato Canadense | 2016 e 2017

*Major League Soccer | 2017

Le Podcast du Foot #69 | Decepção bielsista

O argentino Marcelo Bielsa, El Loco, era o sonho de consumo do milionário Gerard Lopez quando assumiu o comando do Lille. Em pouco tempo no clube, concretizou esse anseio e o trouxe para treinar os Dogues, mas num período tão curto quanto, essa relação estremeceu.

Bielsa foi afastado do comando técnico e dificilmente voltará a treinar o Lille. Via imprensa, uma série de troca de farpas entre o staff do treinador e a diretoria, além de obscuridades sobre o que de fato aconteceu. Em campo, decepção com a frustrante penúltima colocação.

Na edição #69 de Le Podcast du Foot, essa meteórica passagem de Bielsa pelo Lille esteve em pauta. Os já calejados Eduardo Madeira e Renato Gomes receberam o bielsista Bolívar Silveira, integrante do projeto Footure, que ajudou a destrinchar o trabalho de El Loco pelo clube do norte francês.

Escute no player abaixo:

 

A curva descendente de Martin

Lesões e baixo rendimento no Lille atrapalharam Martin | Foto: Reprodução

Meia clássico, de toque de bola refinado, com passes precisos de pé direito e movimentos que confundiam as mais rígidas marcações. Ao despontar no fim da última década com essas características, Marvin Martin era certeza de sucesso no Velho Continente para os anos seguintes.

Ao surgir como capitão do Sochaux durante a histórica conquista da Copa Gambardella de 2007 (tradicional torneio de base francês), o talentoso meia de 1,71cm demonstrava estar pronto para ingressar no time profissional, o que se comprovou na temporada 2008/09. Com apenas 20 anos na época, ajudou a equipe a escapar do rebaixamento com um gol e três assistências – duas delas no decisivo 2 a 1 sobre o Nantes, na penúltima rodada, quando deixou a zona de queda.

O tempo foi passando e ele foi evoluindo. Ao lado de Ryad Boudebouz, formou uma das mais atrevidas duplas do futebol francês no que trata de times de menor expressão. O entendimento dos dois era perfeito. Uniam velocidade, agilidade e rapidez de raciocínio. Eram apostas certas para clubes maiores.

Quase dez temporadas depois, tudo isso ficou para trás. Se Boudebouz ao menos teve passagens de destaque por Bastia e Montpellier, conseguindo agora a sonhada transferência internacional – defenderá o Real Bétis na Espanha – aquele outro menino talentoso, de estilo refinado, que chegou a estabelecer um recorde de 17 assistências – quebrado há duas temporadas por Dí Maria – não cumpriu metade das expectativas que foram criadas quando iniciou a carreira profissional e se encontra numa espiral de queda na carreira.

Ainda no Sochaux, chegou a alcançar a seleção francesa em 2011 e, logo na estreia, marcou dois gols na goleada por 4 a 1 sobre a Ucrânia em amistoso disputado em Donetsk (confira os gols no vídeo acima). Dias depois dessa triunfante estreia, veio o fardo que carrega até hoje: o jornal Le Parisien estampou em sua capa uma foto de Martin e a pergunta: é o novo Zidane?

Martin e o fardo carregado desde 2011 | Foto: Reprodução

A matéria, que pode ser conferida neste link, buscou semelhanças, como uma maluca equação relacionando as letras iniciais dos nomes dos dois (ZZ = MM), os dois gols em menos de cinco minutos no debute pela seleção e o fato de jogar com a camisa 10, que fora do próprio Zidane e de outras lendas, como Michel Platini e Raymond Kopa. Isso que não inclui os afagos elogiosos, como “prodígio” e “menino de ouro”, enfatizados na reportagem.

Só que como fora com Camel Meriem, Yoann Gourcuff e outros, a alcunha “novo Zidane” se tornou mais do que um fardo e alcançou o peso de maldição para Martin. Por mais que ele negue ter se vislumbrado com tal reconhecimento, é fato inegável que a carreira não decolou.

Durante a Eurocopa de 2012, foi anunciada a transferência para o Lille. Os Dogues ainda estavam em época de vacas gordas, com elenco caro e prestes a inaugurar novo estádio.

O sonho de se fixar como um dos principais jogadores da França e ser um dos 23 convocados para a Copa do Mundo de 2014 virou pesadelo e Martin viveu quatro temporadas de ostracismo, sem nenhum gol marcado, assistências escassas, um discreto empréstimo ao Dijon e várias contusões (inclusive, passou por duas duras cirurgias no joelho), que fizeram com que os Dogues se arrependessem amargamente dos € 10,5 milhões investidos em sua contratação – era a mais cara do clube até a chegada de Thiago Maia, por € 14 milhões.

Sobre seleção? Esquece, desde 2012 não é chamado e dificilmente vestirá a camisa azul de novo.

Martins assinou com o Reims por uma temporada | Foto: Twitter Stade de Reims

Por fim, o vínculo entre Martin e Lille foi amigavelmente encerrado na última semana e o meia, agora com 29 anos, vestirá a camisa do Stade de Reims na segunda divisão por uma temporada. Ao anunciar a nova contratação, o tradicional clube que imortalizou Raymond Kopa destacou no site oficial a “técnica e a experiência” do jogador, que espera fazer uma temporada completa sob todos os aspectos e recuperar o tempo que perdeu, se livrando da pesada maldição de ser mais um dos fracassados “novos Zidanes”.

Le Podcast du Foot #65 | Os novos técnicos da Ligue 1

A temporada 2017/18 do Campeonato Francês promete ser interessante nas casamatas dos 20 times participantes. Isso porque alguns clubes optaram por trazer novos treinadores e apostaram em nomes que prometem mudar o cenário do torneio.

O nome mais chamativo é o de Marcelo Bielsa (foto). Referendado técnico, tido como exemplo para muitos treinadores, como Pep Guardiola, o argentino retorna à França após dois anos para comandar o Lille.

Outros times que apostam em novos técnicos são Saint-Étienne e Nantes. Os Verdes trouxeram Óscar García, ex-Red Bull Salzburg, e os Canários apostam no italiano Cláudio Ranieri, campeão inglês com o Leicester City na temporada 2015/16.

Esse novo cartel de treinadores da Ligue 1 foi tema de debate em Le Podcast du Foot #65. Eduardo Madeira, Filipe Papini e Renato Gomes discutiram o assunto na nova edição do programa.

Ouça abaixo e deixe sua opinião abaixo!

Qual a origem dos nomes dos estádios franceses? (Parte I)

Não sei vocês, mas sou do tipo de pessoa que fica sempre curioso em saber os motivos de os estádios terem os nomes que têm. Fico instigado a entender se aquele cidadão que está com o nome estampado na fachada foi um jogador importante, um dirigente histórico ou apenas um político da região. Considero saber isso como algo fundamental para entendermos mais das origens dos times.

Motivado por essa curiosidade pessoal, decidir fazer um levantamento justificando os nomes dos estádios das 20 equipes que disputam a primeira divisão do Campeonato Francês nesta temporada 2016/2017.

Como em função da Eurocopa 2016 muitos mudaram de casa e até adotaram os famigerados naming rights em seus estádios, decidi também citar os nomes dos campos antecessores e a razão dos respectivos nomes. Aliás, ‘linkado’ as nomenclaturas estará a localização dos estádios no Google Maps, para que você também possa ver mais de cada um.

Confira agora a primeira das duas partes do especial:

Angers

Estádio Jean-Bouin – inaugurado em 1912 – capacidade para 16.500 pessoas

O estádio homenageia Jean Bouin, um famoso corredor francês do início do século XX, que conquistou uma medalha de prata nos Jogos Olímpicos de 1912, em Estocolmo, na Suécia. Ele foi medalhista nos 5.000 metros livres. Na França, são quase dez estádios com esse nome, incluindo um em Marseille, cidade onde nasceu. No caso do Angers, o estádio foi construído em 1912, com o nome de Bessonneau, em homenagem ao empresário local Julien Bessonneau. Na época, nem existia o Angers, mas sim o Club Sportif Bessonneau. Apenas em 1957 foi rebatizado como estádio Jean Bouin, para homenagear o ex-atleta.

Bastia

Estádio Armand Cesari – inaugurado em 1932 – capacidade para 16.078 pessoas

Casa do Bastia, o Armand Cesari homenageia ex-capitão do time | Foto: SC Bastia

Casa do Bastia, o Armand Cesari homenageia ex-capitão do time | Foto: SC Bastia

Inaugurado em 1932, a casa do Bastia teve como primeiro nome estádio Doutor Luciani, homenagem ao presidente do clube na época e idealizador do projeto. Quatro anos depois, o local foi rebatizado com o nome atual: Armand Cesari. Ele foi membro de uma família bastante atuante no clube. O irmão Jean-Marie jogou pelo time principal, enquanto o pai Joseph Cesari foi presidente do clube entre 1922 e 1925. Já Armand foi capitão da equipe durante um bom tempo, se tornando um dos atletas mais famosos do clube. Ele desapareceu em janeiro de 1936, quando tinha 33 anos. O nome do estádio foi uma forma de homenageá-lo.

Bordeaux

Estádio Matmut-Atlantique – inaugurado em 2015 – capacidade para 42.115 pessoas

O Bordeaux jogou muito tempo no estádio Chaban-Delmas até se mudar para o moderníssimo Matmut-Atlantique, construído entre 2012 e 2015, também visando a Eurocopa de 2016. A questão do nome gerou muitas discussões entre os torcedores, já que a empresa do ramo de companhia de seguros Matmut investiu € 2 milhões para estampar o nome do grupo no estádio por dez anos. Uma ala de torcedores, descontente com isso, realizou uma votação para escolher o novo nome e decidiram por homenagear René Gallice, sexto jogador com mais atuações com a camisa do clube. Por fim, ficou o nome Matmut-Atlantique e a empresa que gere o estádio é a Bordeaux Atlantique, sendo que o financiamento é feito entre a cidade de Bordeaux e a própria empresa.

Sobre o Chaban-Delmas, que homenageia o estadista francês Jacques Chaban Delmas, hoje é de domínio do Union Bordeaux Bégles, clube de rugby. O estádio passou a ser chamado assim em 2001, após a morte dele em 2000 – antes era conhecido como Parc Lescure.

Caen

Estádio Michel D’Ornano – inaugurado em 1993 – capacidade para 20.453 pessoas

Inaugurado em 1993, o estádio do Caen homenageia o político francês Michel D’Ornano. Ele morreu em 1991, após ser atropelado por uma van. A ideia de homenageá-lo foi do senador-prefeito de Caen, Jean-Marie Girault, já que ele entendia que D’Ornano era um amigo dos esportes e a construção do estádio estava ligada ao nome do político. Por via de curiosidade, antes desse estádio, os azuis e vermelhos jogavam no estádio Venoix, em razão do bairro onde está localizado. Em 2013, o local foi renomeado como estádio Claude Mercier, em homenagem a um ex-jogador do clube. O time reserva e de base do Caen utilizam o campo, assim como algumas equipes amadoras que por lá treinam.

Dijon

Estádio Gaston Gérard – inaugurado em 1934 – capacidade para 13.778 pessoas

A casa do Dijon é um dos poucos que tem o mesmo nome desde sua inauguração. Gaston Gérard, que dá nome ao estádio, foi um influente político no início do século passado, tendo sido vice-prefeito de Dijon e primeiro-ministro do Turismo francês. Ele nasceu em 1878 e morreu em 1969, vivendo sempre na mesma cidade, o suficiente para ser imortalizado no estádio da cidade.

Guingamp

Estádio Municipal de Roudourou – inaugurado em 1990 – capacidade para 18.465 pessoas

O nome do estádio do Guingamp é bem simples de explicar: ele fica localizado no distrito de Roudourou. O Guingamp, apesar de ser um clube de 114 anos, só atuou profissionalmente desde 1984. Então, antes do Roudourou, jogava no estádio Yves-Jaguin, que homenageava um ex-presidente do clube nos anos 40. Esse estádio, aliás, vive um momento curioso. O time reserva e de base do Guingamp treinavam ali, mas discute-se a possibilidade de venda do local e até mesmo de uma demolição.

Lille

Estádio Pierre Mauroy – inaugurado em 2012 – capacidade para 50.157 pessoas

Na onda de reformas, o estádio do Lille foi o primeiro a ser concluído | Foto: LOSC

Na onda de reformas, o estádio do Lille foi o primeiro a ser concluído | Foto: LOSC

Originalmente conhecido como Grand Stade Lille Metrópole, o estádio recebeu o nome de Pierre Mauroy, em junho de 2013. A medida foi adotada pelo Conselho Metropolitano de Lille, que visava homenagear o ex-prefeito de Lille e ex-primeiro-ministro, que morreu no mesmo mês. Muitos não gostaram, pois o político não era um grande fã de esportes e que a decisão foi tomada sem consultas a outros órgãos e aos torcedores.

Antes da moderna arena, o Lille jogou em quatro estádios: o Jules-Lemaire (dentista famoso por ter descoberto propriedades antissépticas de ácido de carbono), que foi utilizado até a II Guerra Mundial; Henri Jooris (dirigente bastante atuante na região de Lille) aproveitado após a guerra e até os anos 70; Grimonprez-Jooris (uma homenagem ao próprio Henri Jooris e o ex-campeão de hóquei de campo Félix Grimonprez), utilizado entre 1975 e 2004; e mais recentemente o Lille Metropole, aproveitado entre 2004 e 2012.

Lorient

Estádio Yves Allainmat – Le Moustoir – inaugurado em 1959 – capacidade para 18.500 pessoas

O apelido de “Moustoir” acabou ficando para o estádio do Lorient por ser exatamente o bairro onde o clube fica localizado. Em 1993, a casa dos Merlus foi rebatizada com o nome de Yves Allainmat, ex-vice-prefeito da cidade, que morreu no mesmo ano.

Lyon

Parc OL – inaugurado em 2016 – capacidade para 59.186 pessoas

O moderníssimo estádio do Lyon é gerido pelo OL Groupe, que foi fundado em 1999 para supervisionar o clube. Oficialmente, o estádio se chama Parc OL, mas também é lembrado por Grand Stade de Lyon ou Stade des Lumières. O antigo estádio Gerland, inaugurado em 1920 e utilizado pelo OL desde sua fundação, em 1950, até 2015, levava esse nome por estar localizado no bairro com mesmo nome.

Marseille

Estádio Orange Vélodrome – inaugurado em 1937 – capacidade para 67.394

Entre mudanças e reformas, o OM sempre seguiu no Vélodrome | Foto: Yannick Parienti/OM

Entre mudanças e reformas, o OM sempre seguiu no Vélodrome | Foto: Yannick Parienti/OM

Casa do único francês que já conquistou uma Liga dos Campeões, o mítico Vélodrome ganhou naming rights para dez anos, contando a partir de 2016, da empresa Orange. O nome original, por razões óbvias, se deve ao fato de também abrigar corridas de ciclismo.

*Nos próximos dias, possivelmente após o Carnaval, trago a segunda parte, com as origens dos demais dez times;