Os tops da temporada francesa

Encerrada mais uma temporada do Campeonato Francês, é chegada àquela hora bacana de retrospectiva e análise de tudo o que aconteceu ao longo das 38 rodadas. Desta vez, me empolguei em levantar listas com os tops e os flops do ano.

Claro que houve uma predominância: entre os tops, o Monaco, que com uma impressionante campanha e um ataque avassalador, ocupou as principais opções. Já entre os flops, o Paris Saint-Germain, que mais uma vez gastou tufos de grana e apresentou um futebol muito pobre, se sobressaindo muito na base da individualidade.

Hoje trago quem se destacou e, ainda nesta semana, trarei quem decepcionou. Confira a primeira lista:

5 – Balotelli ressurge

Super Mario foi o artilheiro do Nice na Ligue 1 | Foto: Divulgação/OGC Nice

Quando o Nice anunciou a contratação do italiano Mario Balotelli, muitos torceram o nariz. Polêmico, de extracampo complicado, Super Mario vinha de temporada pífia pelo Milan, com míseros três gols em 23 jogos. Parecia ser uma aposta perdida. Mero engano.

O italiano encerrou a temporada com 15 gols em 1.746 minutos na Ligue 1 (um a cada 116.4 ou um jogo e 26 minutos). O detalhe dos tentos é a distribuição deles. Foram oito na primeira etapa e sete na segunda, sendo sete em ações de jogo, três de pênalti, três após cruzamentos e dois de falta. Foi o artilheiro do time e peça-chave da formação ao lado do excelente meio-campista Jean Seri.

Ah, e sobre a tão cobrada questão disciplinar – com razão – Balotelli recebeu seis cartões amarelos e dois vermelhos.

4 – Nice voltando à Liga dos Campeões

Favre recolocou o Nice em uma Liga dos Campeões | Foto: Divulgação/OGC Nice

Com Lucien Favre no comando, o Nice fez história e, finalmente, terá a honra de disputar a Liga dos Campeões – mesmo que seja a fase prévia. Foram apenas duas vezes na história que isso aconteceu e a última foi na temporada 1959/60, quando caiu nas quartas-de-final para o Real Madrid.

Apesar de tradicionalíssimo, o Nice não tem grande carreira europeia, especialmente em anos mais recentes. Neste século, por exemplo, disputou duas edições da extinta Taça Intertoto e, mais recentemente, participou da Liga Europa sem grande sucesso – na atual temporada, caiu na fase de grupos.

Boa parte dos méritos vão para Favre, que armou uma equipe extremamente competitiva, capaz de bater de frente com os poderosos PSG e Monaco – nos 12 pontos disputados contra os dois, somou sete. Parte disso é explicado pela eficiência ofensiva, registrada nos números: 4º melhor ataque da Ligue 1, com 63 gols marcados, mas com a marca de ser apenas o 12º time no ranking de chutes por jogo.

Pena que Favre não deve permanecer nas Águias para a próxima temporada – o Borussia Dortmund é o principal cotado para tê-lo como treinador.

3 – Quadrado mágico do Monaco

Falcao foi um dos pilares do poderoso ataque monegasco | Foto: Divulgação/AS Monaco

Disparado o ataque mais positivo da Ligue 1, com 107 gols marcados – 60 (!!!) há mais que na temporada passada – o Monaco deve parte desse sucesso ao mágico quadrado ofensivo, formado pelos habilidosos Thomas Lemar e Bernardo Silva e dos letais Kyllian Mbappé e Radamel Falcao.

Dos 107 gols, 53 saíram do quarteto, ou seja, impressionantes 49,5% dos tentos. Destaque, é claro, para o colombiano, que voltou a ter uma temporada relevante e marcou 21 gols, e para o prodígio Mbappé, autor de 15 tentos.

Interessante destacar também a distribuição das assistências de Silva e Lemar: das nove do português, quatro foram para Mbappé, enquanto três das dez do francês foram para Falcao. No jogo de duplas de Leonardo Jardim (dois meio-campistas, dois articuladores e dois homens de frente), foi a formação de um quarteto que transformou a avassaladora máquina de gols do Monaco.

2 – El Pistolero!

Cavani fez 35 gols em 36 jogos na Ligue 1 | Foto: Divulgação/PSG

Em 36 jogos, 35 gols. Nunca Cavani marcou tantos quanto nessa temporada, superando, inclusive, 2012/13, quando marcou 29 na Série A italiana, ainda com a camisa do Napoli. Foi o artilheiro da Ligue 1 com sobras.

O detalhe interessante da temporada de El Pistolero é a regularidade: 18 gols foram feitos no primeiro turno e 17 no segundo. Se dividirmos o jogo em três partes de 30 minutos, observaremos que 15 tentos do uruguaio saíram na faixa final (contra 12 entre 0-30; 8 entre 30-60), mostrando que foi decisivo – coisa a qual era cobrado em temporadas anteriores.

Em dez ocasiões fez ao menos dois gols, incluindo uma em que fez quatro, no 6 a 0 sobre o Caen. Além disso, dos 36 jogos em que atuou, só não marcou em 13. Em uma temporada bem decepcionante dos parisienses, Cavani foi o ponto fora da curva e o diferencial do time.

1 – O campeão!

Com méritos, a taça Ligue 1 ficou no Principado | Foto: Divulgação/AS Monaco

Enquanto todos esperavam o quinto título consecutivo do Paris Saint-Germain, surgiu o Monaco. Time de futebol envolvente, de dominação de espaço, mas, ao mesmo tempo, agressivo, os monegascos ergueram o troféu de campeão nacional após 17 anos.

A campanha foi irretocável, com maior número de vitórias (30), menor de derrotas (3), melhor ataque (107 gols) e melhor campanha como mandante e visitante. Somado a isso, o Monaco encerrou a Ligue 1 invicto a 20 jogos, com 12 vitórias seguidas e nenhum tropeço em 2017.

Interessante ressaltar ainda que, segundo o WhoScored, o Monaco foi o time que teve maior média de finalizações na temporada, mas foi apenas o quinto em posse de bola e sexto em porcentagem de passes certos. Ou seja, foi uma equipe de controle espacial e de intensa eficácia com a bola no pé.

Somado a isso, o time comandado por Leonardo Jardim apresentou ao mundo jovens talentos que quem acompanha o Francesão há algum tempo já conhece, como Benjamin Mendy, Tiemoué Bakayoko, Thomas Lemar, Fabinho, Bernardo Silva e, é claro, a estrela da companhia, Kyllian Mbappé. É, amigos, daqui algum tempo, teremos história para contar desse fantástico time.

O que acharam dos tops da Ligue 1? Faltou alguém? Exagerei em algum ponto? Dê seu pitaco! Ainda nesta semana trago os flops da temporada.

Anúncios

Será que não sou tão louco assim?

Quando fiz minha prévia da nova temporada da Bundesliga, fiz uma aposta arriscada para surpresa do campeonato: o Borussia Monchengladbach.

Era uma aposta arriscada, pois os Potros só se salvaram do rebaixamento na última temporada via repescagem. Sem falar que o Gladbach teve a segunda pior da defesa da última Bundesliga, com uma retaguarda horrorosa, que deixaria um cego com orgulho de não enxergar aquilo.

Lucien Favre ajudou a salvar o Gladbach (Dpad)

Mesmo assim, o bom trabalho feito pro Lucien Favre fez a equipe conquistar vários pontos importantes, que evitaram o descenso.

Mas que pessoa em sã consciência apostaria como surpresa do campeonato, uma equipe que se salvou do rebaixamento na repescagem e teve a segunda pior defesa do torneio anterior?

Talvéz eu seja louco…

Ou como diria o outro, “ou não”.

O Gladbach terminou a temporada passada em alto astral. Os resultados vieram, a torcida que já havia largado mão do time, voltou a comparecer no Borussia Park, jogadores como Igor de Camargo e Marco Reus passaram a decidir jogos, como era esperado e a recompensa foi a permanência na primeira divisão alemã.

O alto astral de fim de temporada não acabou nas férias. O Monchengladbach só perdeu dois jogos na pré-temporada e acumulou resultados como um 0x0 com o Porto e um 5×2 no Aberdeen. Mas o resultado que me chamou a atenção e me fez fazer esta aposta arriscada foi no dia 29 de julho: Jahn Regensburg 1×3 Gladbach, em jogo válido pela DFB Pokal. Por quanto mais que o adversário da 3ª divisão fosse um time frágil, gostei do modo como os Potros jogaram. Vi um futebol mais leve, de toques de bola e muita participação de Igor e Reus.

Naquele mesmo post, falei que o problema para a concretização dessa aposta no meu modo de ver era a fragilidade defensiva do Gladbach. De nada adiantava ter nomes fortes no ataque e sofrer 65 gols em 34 jogos. Esperava que com tempo para treinar durante a pré-temporada, Lucien Favre pudesse dar uma ajeitada na defesa.

Dito e feito!

Assisti aos três jogos do Gladbach nesse início de temporada e gostei da postura defensiva do time. Os laterais Jantschke e Daems dão poucas brechas na defesa, sendo que o segundo citado ainda tem qualidades ofensivas. Já na faixa central da defesa, Brouwers e Dante vem atuando bem e mostrando entrosamento. Somado a isso, ainda dá para ver uma outra linha de quatro bem firme, com Reus e Arango ajudando a marcar pelas pontas, e com Nordveit e Neustädter fazendo bem a proteção a defesa.

Mas como faz goleiro bom a tal da Alemanha! (Getty Images)

Ah, sem falar do jovem e muito promissor goleiro Marc-André ter Stegen. Descoberta de Lucien Favre! Ele era reserva de Heimeroth e Baily, mas ambos falhavam constantemente, e ter Stegen surgiu do nada e causou barulho no fim da última temporada. O jovem de 19 anos foi importante na escapada do descenso.

E na atual temporada, ter Stegen começou muito bem. Catou tudo contra o Bayern, foi seguro diante do Stuttgart e nem foi exigido pelo Wolfsburg. Para este blogueiro, é o grande nome das rodadas iniciais da Bundesliga.

E como disse no supracitado post, bastava ajeitar a defesa. No ataque, tudo resolvido.

Na primeira rodada, o brasileiro Igor de Camargo calou a Alianz Arena, ao marcar o gol solitário da vitória sobre o Bayern. Na segunda rodada, Reus sofreu o pênalti que resultou no gol de Daems no 1×1 diante do Stuttgart. E no jogo de hoje contra o Wolfsburg, tudo deu certo. O reserva Bobadilla, substituindo de Camargo, teve grande atuação, com um gol e uma assistência, somado a isso, dois gols de Reus e uma atuação pra lá de convincente de Arango.

E o torcedor do Gladbach pode se orgulhar e dizer que seu time não está “apenas vencendo”, mas está jogando bem.

O Gladbach triturou o Wolfsburg (Witters)

Contra o Bayern, a sua proposta de defender bem, compactar as linhas de quatro e tentar tirar a velocidade bávara deu certo, e no erro adversário, veio a vitória. Contra o Stuttgart, um jogo mais parelho, mas a vitória só não veio por causa de um único vacilo na defesa. Já contra o Wolfsburg, o Gladbach encontrou uma defesa muito frágil e mal protegida, – com Josué intocável na cabeça de área – e sem se intimidar, foi ao ataque e meteu 4 nos Lobos. Se não fosse o bom goleiro Diego Benaglio, a derrota teria sido mais elástica.

Pode ser que a aposta deste blogueiro seja uma furada, pois tenho receios. Acho o time do Gladbach bom… mas o elenco não.

Bobadilla, que acabou com o jogo na tarde de hoje, é uma atacante daqueles que está entre a exibição de gala e a de “ganhei o ingresso pra ver o jogo de dentro do campo”. Ele é o primeiro substituto do ataque. Ataque esse que tem como centro-avante Hanke, um atacante bem mediano.

Sem falar da zaga. Será que mais desfalcada, manterá essa boa sequencia de jogos?

Jogadores do Gladbach fizeram a festa com a torcida após o jogo (Getty Images)

Mas com esses problemas, não largo mão de minha aposta. O Gladbach está empolgado, está jogando bem, está vencendo e trouxe a torcida pro seu lado. Não duvido que os Potros voltem a seus bons tempos, onde conquistaram cinco títulos alemães nos anos 70, claro, sem esse nível de “viagem no tempo”, mas pelo menos fazendo campanhas dignas de time grande.

O time é bom. O técnico também. Somado a isso, vemos 11 jogadores bem treinados e empurrados por sua torcida. Dá pra ir longe!

Mas é apenas início de temporada. O Monchengladbach pode vir a ser um “novo Mainz” e triunfar com Lucien Favre no comando, mas pode ser um “novo Eintracht Frankfurt”, arrancando bem e morrendo no final.

No final da temporada, sairá a definição de minha loucura!