A megalomania brasileira do Rennes 2000/2001

Luís Fabiano (centro) e Lucas (esq.) estão no ranking das maiores contratações da história do clube | Foto: SportPierre Minier / Icon Sport

Luís Fabiano (centro) e Lucas (esq.) estão no ranking das maiores contratações da história do clube | Foto: SportPierre Minier / Icon Sport

De Jairzinho a Juninho Pernambucano, passando ainda por Paulo César Caju e Raí, a história de jogadores brasileiros no futebol francês é longa e bem-sucedida. Clubes como Paris Saint-Germain e Olympique Lyonnais, por exemplo, possuem vastas e positivas histórias com atletas de sangue verde e amarelo.

Olhando para esse histórico, daria para dizer que a receita do sucesso é injetar dinheiro no Brasil, certo? Bom, na temporada 2000/2001, o Rennes seguiu este conselho e se deu muito mal.

Abastecido financeiramente pela venda de Shabani Nonda ao Monaco por € 20 milhões e pelo milionário François-Pinault, que assumiu a presidência do clube em 1998, o clube decidiu ir às compras. Das cinco maiores contratações da história do clube bretão, estão dois brasileiros, que juntos somaram € 28 milhões, mas apenas seis gols.

Luís Fabiano e Lucas Severino chegaram ao Rennes em 2000/2001. O primeiro era uma revelação da Ponte Preta, comprado por € 7 milhões, enquanto o segundo era estrela no Atlético Paranaense, jogador da seleção olímpica em 2000. A negociação de Lucas foi a maior da história do clube, que investiu € 21 milhões no atleta – que estava acertado com o Marseille, até os bretões dobrarem a proposta. Nenhum dos dois chegou perto de vingar.

O Fabuloso atuou sete vezes em 2000/2001, antes de ser emprestado ao São Paulo, e mais quatro vezes na temporada seguinte. Não marcou nenhum gol e voltou para o Tricolor Paulista, desta vez, em definitivo. Anos depois, quando despontava como um dos principais atacantes da Europa, na época em que defendia o Sevilla, muitos na Bretanha se perguntavam o que aconteceu para que ele não tivesse dado certo por lá…

FOTO 2: Luís Fabiano deixou o Rennes sem marcar um gol sequer | Foto: Divulgação

FOTO 2: Luís Fabiano deixou o Rennes sem marcar um gol sequer | Foto: Divulgação

Já Lucas se tornou o símbolo do fracasso em grandes negociações. O brasileiro chegou à França bem gabaritado, sendo elogiado por Raí e comparado a Ronaldo pelo presidente da Internazionale, Massimo Moratti. Ele foi apresentado junto do argentino Lucas Turdó, contratado também por uma singela bagatela de € 12 milhões – e se tornou outro grande flop.

Mesmo sem aguentar o fardo do valor investido, o Rennes teve paciência de sobra com Lucas, que foi titular durante duas temporadas e marcou apenas sete gols. Depois de fracassados empréstimos a Corinthians e Cruzeiro, retornou ao clube, jogou algumas partidas e foi vendido ao futebol japonês, sacramentando uma grande decepção para a torcida. Hoje, não é nada anormal encontrar o nome dele nas listas de grandes flops da história do Campeonato Francês.

Lucas é tido como o maior flop da história do Rennes | Foto: Divulgação

Lucas é tido como o maior flop da história do Rennes | Foto: Divulgação

Vânder e César

Naquela mesma temporada, o Rennes trouxe outros dois brasileiros, que não eram tão conhecidos assim do grande público. Além de Luís Fabiano, os Rouge et noir trouxeram da Ponte Preta o meio-campista Vânder, na época, com 26 anos. Atrapalhado por uma série de lesões, entrou em campo apenas 18 vezes em duas temporadas, sem ter marcado um único gol. Chegou a ser emprestado ao Cruzeiro em 2002, mas depois rodou por clubes de médio porte no Brasil, até se aposentar em 2010.

Caso semelhante viveu César. Zagueiro formado na Portuguesa, chegou a seleção no fim dos anos 90 e logo se transferiu ao PSG, onde teve poucas oportunidades. Aproveitando a “onda brasileira”, o Rennes decidiu investir € 5 milhões em sua contratação. Eis outro negócio fracassado.

Logo na estreia, diante do Lyon, um empate em 2×2 no Gerland, César foi expulso no fim da partida por acúmulo de cartões. Duas rodadas depois, se redimiu, ao marcar um gol no empate em 1×1 diante do Monaco. Porém, o prestígio com o técnico Christian Gourcuff durou somente uma temporada. No ano seguinte, atuou na primeira metade do campeonato, até voltar ao Brasil e começar a rodar. Pelo Rennes, foram 37 jogos, dois gols, seis cartões amarelos e um vermelho.

O alto investimento em brasileiros não trouxe grandes resultados ao Rennes. Irregular durante toda a temporada, os bretões precisaram se contentar com um 6º lugar, com 50 pontos, com uma vaga na extinta Copa Intertoto. Para piorar, na última rodada, chegaram a abrir 3×1 no Lyon, que já era o vice-campeão, e cederam a virada em casa. A derrota, somada com a vitória do Sedan sobre o Auxerre, fez com que perdessem a vaga na Copa Uefa.

Rennes 2000/2001: um time que ficou lembrado pela “onda brasileira” | Foto: Divulgação

Rennes 2000/2001: um time que ficou lembrado pela “onda brasileira” | Foto: Divulgação

Sem samba na Bretanha

Mas engana-se quem pensa que a temporada 2000/2001 foi exceção na relação Rennes e brasileiros. Se há um clube francês que não se dá bem com atletas tupiniquins, certamente é o Rennes.

Ao longo da história, o clube bretão teve o atacante Emerson Sheik (na época conhecido como Emerson Passos), o zagueiro Adaílton, o volante Dudu Cearense (ambos campeões mundiais sub-20 em 2003) e até Baltazar (o conhecido “Artilheiro de Deus”) em seus elencos e nenhum deixou saudades.

Atualmente, quem está lá é Pedro Henrique, que alterna entre o time titular e reserva desde que chegou na temporada 2014/2015. Já são 79 jogos, com oito gols e oito assistências. Seria ele capaz de mudar esse cenário?

Sevilla abre vantagem na Supercopa Espanhola

O último gol com a camisa do Sevilla (Foto: EFE)

No primeiro jogo da final da Supercopa Espanhola, o Sevilla derrotou no Ramon Sanchez Pizjuan a equipe basicamente “B” do Barcelona. Destaque para os autores dos gols do Sevilla. Kanouté, por ter feito dois gols e Luís Fabiano, que está próximo de acertar com o Olympique de Marseille.

Quem começou bem foi o Barcelona... (Foto: AFP)

Os principais jogadores do Barcelona, os principais digo espanhóis do Barça, serviram a Seleção Espanhola e todos desfalcaram o time catalão, que veio com um time B para esse duelo, mas era um time que tinha Daniel Alves, Milito, Abidal, Maxwell, Keitä, Bojan e Ibrahimovic, fora Messi, que estava no banco. E dois desses jogadores fizeram a diferença.

O brasileiro Maxwell deu belo passe para o sueco Zlatan Ibrahimovic, que abriu o placar. Ibra tenta mostrar trabalho. O Barcelona contratou David Villa, principalmente porque o sueco não agradou na temporada passada e hoje é especulado para ir embora. Ou ele mostra trabalho e fica ou arranja outro time grande pra jogar, ou não mostra trabalho algum e fica no banco do Barça ou arranja um time médio ou pequeno para jogar.

... Mas quem acabou bem foi o Sevilla (Foto: Reuters)

Na etapa final, o Sevilla voltou melhor e aproveitando as bobeiras da defesa do Barcelona, conquistou a vitória que lhe dá tranquilidade.

Primeiro, Cigarini deu belo passe para Luís Fabiano marcar. Pode ter sido o último do Fabuloso com a camisa do Sevilla. Com a iminente ida de Niang pro Fenerbahçe, o Marseille deve aumentar a pressão para trazer o brasileiro para a França. Depois, Kanouté fez mais dois gols, aproveitando respectivamente, cruzamentos da direita e da esquerda. O detalhe dos três gols é que neles, tanto Luis Fabiano quanto Kanouté chegaram sozinhos na área, com os zagueiros batendo cabeça.

No jogo da volta do Camp Nou, o Sevilla pode perder por até um gol de diferença que conquista a Supercopa da Espanha. Na Cataluña, o Barcelona terá em campo todas as estrelas do mundial.

Assista os gols do jogo no canal de vídeos do Europa Football

O que rolou de novo na parada da Copa

*Bom, o Europa Football está de volta, em novo endereço, novo formato, mas com a mesma qualidade de sempre. Os primeiros posts irão falar do mesmo assunto, o que rolou na parada da Copa do Mundo, que não é muito bem uma parada, pois o que os clubes se movimentam é algo fora do comum, os times só não jogam, mas se mexem. Começamos falando na Alemanha.

Ele voltou

Durante 1999 e 2002, Michael Ballack vestiu a camisa do Bayer Leverkusen. Após passar algum tempo no Bayern de Munich e mais algum tempo no Chelsea, ele está de volta, o camisa 13 foi contratado pelo Leverkusen. Certamente foi a movimentação que mais mexeu com o mercado alemão.  O Leverkusen não terá que pagar nada, pois o contrato de Ballack com o Chelsea havia acabado

*O que uma Copa do Mundo faz. Você certamente não sabia quem era Jong-Tae-Se antes da Copa e de saber que a seleção dele, a Coréia do Norte enfrentaria o Brasil. Pois é, na Ásia ele é chamado de Rooney Asiático, e o Bochum está de olho no atacante chorão.

*Marko Arnautovic surgiu muito bem no Twente, mas ao se transferir para a Internazionale, pouco jogou, agora ele tenta a sorte no Werder Bremen. Seu contrato com o clube alemão é de quatro anos. Vamos ver no que dá. Ele tem apenas 21 anos, surgiu de forma avassaladora no Twente, esperava que ele pudesse surpreender na Inter, não foi o que aconteceu, espero ver coisa melhor agora no Bremen.

*Você que acompanha a Bundesliga ou apenas a Seleção da Alemanha, com certeza já deve ter ouvido o nome de Gerald Asamoah. O atacante de 31 anos, deixou o Schalke 04 e assinou com o St. Pauli, time recém promovido a primeira divisão alemã. Asamoah assinou por dois anos com o St. Pauli e ele estava há 10 anos jogando no Schalke, só que nos últimos anos ele acabou perdendo muito espaço.

Armin Veh em mais um desafio na Alemanha

Armin Veh é aquele tipo de treinador que conquista um título, fica valorizado, busca outros ares, mas não se firma. Ele conquistou um título alemão com o Stuttgart, mas não se acertou mais nesse clube, foi para o Wolfsburg, que começava a temporada 2009/2010 com o rótulo de atual campeão, mas fracassou, levou o time ao fundo do poço, time esse que tinha a mesma base campeã alemã, acabou sendo demitido. Mais um clube grande lhe dá uma chance. O Hamburgo, que demitiu Bruno Labbadia no fim da temporada, aposta em Veh para a próxima temporada. Vamos ver se ele arma um bom time ou se ele apenas amontoará onze atletas em campo.

*De volta a Champions League, o Schalke 04 está tentando montar um time competitivo, e trouxe a revelação grega Kyriakos Papadopoulos, de 18 anos, que estava no Olympiakos. Ele certamente será banco, isso se não for emprestado para ganhar experiência, pois o Schalke além de Bordon, trouxe Metzelder, que estava no Real Madrid e Tim Hoogland, que defendia o Mainz.

*Zoran Tosic pertencia ao Manchester United, mas foi um dos responsáveis por evitar o rebaixamento do Colônia. O time de Podolski não só perdeu o atleta de volta, como a chance de tê-lo por pelo menos mais uma temporada foi pro espaço, ele acertou com o CSKA. No post reservado para falar das outras ligas especifico essa transação.

FUTEBOL INGLÊS

A Inglaterra toda o quer

Começamos falando do jogador mais falado no futebol inglês: Joe Cole. O Chelsea pelo jeito não renovará seu contrato, e agora, Deus e o mundo o querem em seus elencos, começamos com o Tottenham. O técnico Harry Redknaap, disse em entrevista ao The Sun que o clube já está articulando um planos para trazê-lo para os Spurs. O Tottenham já conversou com o agente de Cole. Só que dias antes, o mesmo The Sun havia publicado que o destino de Joe Cole deveria ser o Manchester United. Só que a fonte do jornal inglês de certa forma não chega a ser confiável: Os amigos de Cole, amigos esses que teriam dito que o destino preferido de Cole seria o Manchester United, é esperar para ver.

*Quem está se mexendo mesmo é o West Ham. Os donos David Sullivan e David Gold prometeram reforços. Começaram com o banco. Avram Grant chega para comandar a equipe. O israelense, ex-Chelsea e Portsmouth, substituirá Gianfranco Zola. Pro meiocampo, chegou o alemão Thomas Hitzlsperger, que defendia a Lazio. Bom jogador, tem boa chegada de trás e finalização.  O resto é só na especulação e é especulação de certa forma, de tremer as estruturas.

Alguns jornais de São Paulo dizem que Neymar, do Santos, está com um pé no West Ham. Muita gente pensa que seria ruim pro garoto, já que o West Ham ultimamente só briga contra o descenso e sei lá mais o que, já eu, acho que seria de certa forma, um bom desafio pro garoto, caso ele queira assumir uma responsabilidade, já que se ele fosse pro West Ham, seria o astro do time, viria com toda a pinta, poderia botar a bola debaixo do braço e dizer: “Eu sou o craque, eu vou liderar essa equipe”. Seria bom, ainda mais com a outra especulação que surgiu em torno do West Ham. Román Riquelme, o próprio. Ele está com problemas no Boca Juniors e está de saída, o West Ham está aí. O jornal Daily Mail disse que Román já recusou a proposta de outro clube inglês.

Trocando de clube

Será que é uma boa troca? Joe Cole está de saída do Chelsea, para seu lugar, Carlo Ancelotti pediu a contratação de Yossi Benayoun do Liverpool, e pelo que está circulando, Chelsea e Liverpool estão próximos de um acerto. Não sei se é uma boa troca. Joe Cole é veloz, habilidoso, finaliza bem, tem muitas qualidades, já as qualidades que eu enxergo no Benayoun são o seu esforço em campo e sua não omição, no resto, pode-se dizer que é um jogador comum. Fora o fato de Benayoun ser mais velho, ou seja, o Chelsea perde a chance de renovar com um jogador jovem, que ainda tem muito o que render, para acertar com um jogador mais velho, que quando tiver seu contrato acabado, será de certa forma um jogador imprestável, enquanto Cole, teria um gás ainda.

*Carlos Tévez foi o primeiro a virar a casaca, Vidic pode ser o próximo. O jornal inglês The Sun publicou que Nemanja Vidic pode se transferir para o Manchester City. Os Sky Blues deverão oferecer 20 milhões de libras pelo zagueiro sérvio. A saída de Vidic é tão eminente, que o United está de olho em Kjaer do Palermo.

*Ainda falando de jogadores sérvios… Nikola Zigic está trocando de clube. O gigante de 2,02 metros de altura está deixando o Valencia e vai para o Birmingham. A transação girou em torno dos 7 milhões de euros e Zigic jogará no Birmingham por quatro temporadas. Achei uma boa pro sérvio, trocar as idas e vindas no Valencia para buscar a sorte na Inglaterra, gostei.

*Quem também fez um bom negócio foi o Bolton. Acertou a contratação de Martin Petrov, que estava no Manchester City. O búlgaro até que estava bem, mas convivendo com lesões, mas após essa temporada, onde o City trouxe vários “jogadores de nome”, ele acabou perdendo espaço.

*Você se lembra de Beckford? Se não, refresco sua memória. Ele estava no Leeds United, na 3ª divisão, fazendo um caminhão de gols e foi o responsável pela eliminação do Manchester United na Copa da Inglaterra, marcando o gol que eliminou o gigante inglês. Pois é, ele se reunirá a Cahill, Pienaar, Howard e cia no Everton. Beckford fez 31 gols nesta temporada e ajudou o Leeds a subir para a segundona inglesa, só que sem contrato, pulou para a primeira divisão.

FUTEBOL FRANCÊS

Buscando um lugar ao sol

Um dos destaques do Rennes na temporada passada foi o atacante Jimmy Briand, marcando cinco gols em vinte e três jogos. Ele assinou um contrato de quatro temporadas com o Lyon.  Claude Puel mostrou-se contente com a vinda de Briand, enquanto o atacante mostrou-se feliz em poder jogar uma Champions League. Será que agora o Briand desbanca Sidney Govou? Gostei, boa contratação, tem personalidade dentro de campo.

Ainda falando do Lyon, o jornal L’Equipe apurou a noticia de que o clube está de olho em Paulo Henrique Ganso. A proposta pelo camisa 10 santista seria de 20 milhões de euros. Seria uma boa, não só pelo jogador que Ganso é, mas também porque o Lyon precisa de um camisa 10. Outra especulação lyonesa é de que Rami, do Lille, estaria vindo por 10 milhões de euros.

*Finalmente achei um site com especulações no futebol francês, é o L’Equipe, e lá, além de passar a informação de que o Lyon quer Ganso, fala que para substituir Chamakh, o Bordeaux está de olho em Rémy, do Nice.

Venha Anderson, a torcida parisiense lhe acolherá

Olha o meu PSG aí, gente!!!! Anderson pode aparecer na capital francesa. Mas calma, tem mais interesses no meio. Dizem as más línguas que Alex Ferguson gostou de Sessegnon, o habilidoso Sessegnon. Em troca, os ingleses mandariam o brasileiro Anderson pro PSG. Olha, aceitamos. O Sessegnon “está verde” ainda. A pressão no PSG temporada passada foi gigantesca, e ele mostrava muito nervosismo. Driblava, mostrava habilidade, mas acaba errando muito e em certo jogos, se omitindo, quem sabe Alex Ferguson para tornar Sessegnon um jogador de alto nível?

*Deus e o mundo querem Luís Fabiano, Didier Deschamps disse querer o Fabuloso no Marseille. A briga é grande pelo camisa 9 do Brasil.

*Saindo do campo da especulação, entrando no campo das transações confirmadas, o Marseille, o mesmo time que está de olho em Luís Fabiano, acertou a contratação de César Azpilicueta, garoto de 20 anos, estava no Osasuna. Dizem ser uma grata revelação do futebol espanhol, vamos ver como se sai na França.

*O Mônaco está se mexendo, trouxe alguns jogadores desconhecidos, outros pouco conhecidos, como Hansson, que estava no Rennes, o mais conhecido é Daniel Niculae. Bom atacante, estava no Auxerre e assinou por três temporadas.

*No Bordeaux, a mexida mais representativa foi a vinda do novo treinador, o ex-jogador Jean Tigana. Ele vem pro lugar de Laurent Blanc.

*No Lille, chega Moussa Sow, que estava no Rennes. O bom atacante, ex-Rennes, chegando prometendo gols e chega sonhando em ir longe na Liga Europa.

Grande contratação

Tentando sair do quase… fomos pra Liga Europa, quase… ganhamos de um grande, o Rennes está se reforçando e sua melhor contratação foi Victor Hugo Montaño, um dos grandes destaques do Montpellier na última temporada.

*Só para completar, todos já sabem, mas só para garantir, Laurent Blanc deixou o Bordeaux e assumiu o comando da Seleção da França. Vamos ver se ele dá um jeito, porque aquilo não é uma bagunça, a seleção francesa simplesmente é uma “Casa da Mãe Joana Organizada”, não entra quem quer, entrava quem o Domenech queria ou eventualmente que uma “panelinha” queria, mas fazia o que bem entendia, vamos ver se Blanc põe ordem na casa.