Cinco confrontos históricos entre Monaco e italianos

Monaco e times italianos é um confronto, de certa forma, recorrente. Desde a temporada 1961/62, quando os monegascos debutaram fora da França, foram 13 confrontos com clubes da Velha Bota, com três vitórias, três empates e sete derrotas, sempre em fases eliminatórias. Na lista histórica, os times da Itália estão atrás apenas de ingleses, alemães e espanhóis em partidas contra o representante do Principado.

Na atual temporada, a Juventus vai cruzar o caminho francês na semifinal da Champions League. Se levarmos em conta o retrospecto nos jogos anteriores, é bom o Monaco se preocupar, já que avançou de fase somente uma vez quando teve equipes de lá pela frente.

Para projetar o confronto da próxima quarta-feira, recordo hoje no blog cinco confrontos marcantes entre monegascos e italianos. Só para ressaltar, o levantamento será em ordem cronológica:

Roma – 1991/92

O baixinho Rui Barros (dir.) decidiu o confronto diante da Roma | Foto: Divulgação/Monaco

O primeiro confronto da lista aconteceu na temporada 1991/92, pelas quartas-de-final da extinta Taça dos Vencedores de Copas Europeias. O Monaco tinha, na época, um time forte comandado por Arsène Wenger e que ainda tinha no elenco nomes como Ettori, Emmanuel Petit e George Weah. A Roma, de Aldair e Rudi Völler, seria o primeiro grande adversário naquela edição, já que passara facilmente pelo galês Swansea (10 a 1 no placar agregado) e pelo sueco Norrköping (3 a 1 no agregado, com duas vitórias).

Na ida, no Olímpico de Roma, uma partida sem grandes emoções, onde o Monaco criou as melhores chances. George Weah e Rui Barros chegaram a acertar a trave em mais de uma ocasião, fazendo com que os monegascos deixassem a Velha Bota com a sensação de que poderiam ter obtido um resultado melhor.

Na volta, o estádio Louis II estava tomado de torcedores. Estiveram presentes 20 mil pessoas, um recorde histórico para o clube. Em campo, uma partida mais aberta, onde o Monaco levou a melhor pelo placar mínimo, gol de Rui Barros, avançando para a semifinal. Foi a única vez que o Monaco eliminou um clube italiano. Em seguida, os monegascos despacharam o Feyenoord, mas perderam a final para o Werder Bremen.

Milan – 1993/94

Duas temporadas depois, o Monaco voltava a encontrar um time italiano em seu caminho. Desta vez, o Milan, e agora na nova Liga dos Campeões da Europa. Naquela época, o torneio tinha formato diferente do atual e os monegascos precisaram passar por duas fases de mata-mata até chegarem a fase de grupos. Eram duas chaves, onde os dois primeiros colocados avançavam e faziam as semifinais.

O Monaco, ainda com Wenger no comando e com outros remanescentes no elenco, como o goleiro Ettori, Emmanuel Petit, Claude Puel e Lillian Thuram, mas com novas referências, como Viktor Ikpeba, Youri Djorkaeff e Jurgen Klinsmann, passou de fase no grupo A atrás do Barcelona e na frente de Spartak Moscou e Galatasaray.

Na semifinal em jogo único, simplesmente o Milan de Fábio Capello, e que contava com um esquadrão formado por Mauro Tasotti, Demetrio Albertini, Franco Baresi, Roberto Donadoni, Zvonimir Boban, Dejan Savicevic e outros tantos. Não deu outra! Jogando no San Siro, vitória milanista por 3 a 0, com gols de Desailly, Albertini e Massaro. Vale lembrar que o Milan se sagraria campeão futuramente, com uma impiedosa goleada por 4 a 0 sobre o Barcelona de Romário, Guardiola, Koeman e Stoichkov.

Inter de Milão – 1996/97

Em 1997, o jovem Henry não conseguiu ajudar o Monaco contra a Inter | Foto: Divulgação/Monaco

Chegamos a temporada 1996/97 e o Monaco, já bastante alterado em relação a anos anteriores (mas ainda com Petit, desta vez como capitão) novamente bateu de frente com uma equipe de Milão. Naquela ocasião foi a Internazionale, de Roy Hodgson, pela semifinal da Copa da Uefa. Curiosamente, o time do Principado foi o segundo francês da campanha nerazzurri, que passara também o Guingamp na primeira fase.

Na ida, em Milão, a Inter parecia que encaminharia a classificação com facilidade. Com três gols em um intervalo de 22 minutos, abriu 3 a 0 no time de Fabien Barthez, Sonny Anderson e Thierry Henry. Maurizio Ganz fez dois e Ivan Zamorano anotou o outro. Na etapa final, o Monaco perdeu Gilles Grimandi expulso, mas ainda conseguiu descontar Ikpeba, que saiu do banco para recolocar os franceses na parada para o jogo de volta.

Na França, o máximo que o Monaco conseguiu foi o 1 a 0, novamente com gol de Ikpeba. Importante ressaltar que essa partida de volta teve arbitragem polêmica do holandês Mario van der Ende. Ele anulou dois gols franceses e o tento que validou teve um claro toque de mão de Enzo Scifo. Por fim, a Inter passou, mas esbarrou no Schalke na grande decisão, que ergueu o troféu nos pênaltis, e o Monaco teve de se contentar com o título francês, servindo de gancho para o próximo jogo da lista.

Juventus – 1997/98

Como campeões nacionais, os monegascos caíram já na fase de grupos da Liga dos Campeões do ano seguinte e conseguiram consistente campanha até a semifinal. Passaram em primeiro na chave que ainda tinha os alemães do Bayer Leverkusen, os portugueses do Sporting e os belgas do Lierse, e conseguiram eliminar o poderoso Manchester United nas quartas-de-final.

Na semifinal, o Monaco levou o azar de bater de frente com a Juventus e com um inspirado Alessandro Del Piero. Com dois gols de pênalti, um de falta e uma assistência, ele ajudou a Velha Senhora a construir um impiedoso 4 a 1, que praticamente eliminou os monegascos.

No Principado, o Monaco promoveu um bombardeio para tentar diminuir a vantagem, mas esbarrou em uma ótima noite de Peruzzi e novamente em Del Piero, que mais uma vez marcou. Os monegascos até venceram por 3 a 2, mas saíram de campo sem a vaga na final.

Juventus – 2014/15

O último confronto foi mais recente, nas quartas-de-final da temporada 2014/15. Na ocasião, o Monaco vinha de surpreendente classificação diante do Arsenal, enquanto a Juventus atropelou o Borussia Dortmund. Havia um favorito claro no confronto, mas não foi isso que se viu na prática. Um único gol, anotado num pênalti até hoje contestado – eu, particularmente, não achei falta e fiquei na dúvida se foi dentro da área – na partida de ida, em Turim, tratou de encerrar o sonho monegasco novamente com um 1 a 0, seguido de um empate sem gols na volta.

Bônus: Completam a lista de confrontos do Monaco contra italianos as eliminações para a Internazionale, nas oitavas-de-final da Copa dos Clubes Campeões Europeus, em 1963/64 (derrotas por 1 a 0 e 3 a 1); e na semifinal da Taça dos Clubes Campeões de Copas Europeias, para a Sampdoria, na temporada 1989/90 (empate por 2 a 2 na ida e derrota por 2 a 0 na volta).

Anúncios

TOP 7 – Momentos chave das oitavas-de-final

Barcelona, Bayern, Borussia Dortmund, Galatasaray, Juventus, Málaga, Paris Saint-Germain, Real Madrid são os grandes vencedores da fase de oitavas-de-final da UEFA Champions League. Os oito times citados estarão envolvidos no sorteio da sexta-feira que irá encadear os caminhos de cada um na próxima fase da competição.

Para valorizar cada feito, o Europa Football selecionou sete momentos chave das oitavas-de-final. Confira:

7 – O gol de Claudio Marchisio

Celtic x Juventus em Glasgow foi uma partida interessante de assistir. Os italianos foram eficazes e converteram em gol um terço de suas finalizações, enquanto os escoceses finalizaram 17 vezes e não balançaram as redes. Mas a partida em si foi tensa, afinal, o Celtic usou e abusou da bola aérea e do jogo físico, causando alguns apuros para a Vecchia Senhora.

Só que aos 33 minutos da etapa complementar, o meia juventino Claudio Marchisio fez belo gol e deixou a partida em 2×0. O tento italiano derrubou o Celtic que não teve mais forças para atacar e ainda sofreu o terceiro gol. Marchisio acabou trazendo toda tranquilidade que a Juve necessitaria para o restante do jogo, que com 1×0 seria tenso, e para a partida de volta em Turim.

6 – Primeiro tempo

Em Londres, o Bayern se sentiu em casa(Getty Images)

Em Londres, o Bayern se sentiu em casa
(Getty Images)

Tanto Bayern quanto Paris Saint-Germain passaram sufoco em seus jogos em casa para garantirem acesso as quartas-de-final da Liga dos Campeões. O que foi preponderante para a afirmação da vaga de ambos, porém, foi o primeiro dos quatro tempos disputados nos dois jogos.

Os bávaros massacraram o Arsenal no Emirates Stadium e levaram o 2×0 para o intervalo, complicando a missão inglesa. O placar final foi 3×1 para o Bayern, o que deu uma margem para uma – exagerada – acomodação no duelo de volta, vencido pelos Gunners por 2×0, mas que valeu a qualificação alemã.

Já o Paris Saint-Germain fez primeiro tempo primoroso contra o Valencia no Mestalla e, assim como o Bayern, foi para os vestiários com dois gols de vantagem e com a sensação de que poderia ter sido melhor. O 2×1 apontado ao término do jogo possibilitou ao PSG o empate obtido no duelo de volta, que lhe garantiu nas quartas-de-final.

Isso só aumenta minha teoria de que o jogo mais importante de um mata-mata é o de ida, pois é onde o confronto está aberto e seu time pode abrir vantagem. Paris Saint-Germain e Valencia aproveitaram bem esse fator, diferentemente do Porto…

5 – Antigas convicções deixadas de lado

Terim cumprimenta suas duas principais estrelas

Terim cumprimenta suas duas principais estrelas

Mircea Lucescu e Fatih Terim, técnicos de Shakhtar Donetsk e Galatasaray, respectivamente, foram duas figuras que abriram mão de suas convicções nas oitavas-de-final da Liga dos Campeões. Como o futebol não é uma ciência exata, ucranianos e turcos seguiram caminhos contrários.

O Shakhtar era um time caracterizado por um jogo imponente, de marcação por todo o campo e constante avanço de “homens surpresas”, como Fernandinho e Srna, porém, no duelo de volta contra o Borussia Dortmund, mesmo precisando do gol, os ucranianos decidiram esperar a equipe alemã na defesa e caíram do cavalo. O Shakhtar foi para o intervalo com 2×0 de desvantagem. No 2º tempo, com menos de cinco minutos, o time de Lucescu, mais ousado, fez mais do que toda etapa inicial, mas já era tarde e a eliminação não foi evitada.

Já Fatih Terim, mesmo com Didier Drogba e Wesley Sneijder reforçando seu time, não abriu mão de seu 4-4-2, mesmo deslocando o holandês para o lado esquerdo. Ao ver que o sistema tático não estava funcionando, Terim escalou seu time no 4-3-1-2 na volta contra o Schalke em Gelsenkirchen. Sneijder, outrora sumido, teve atuação destacável como armador e foi um dos responsáveis, ao lado de Yilmaz e Terim, pela classificação turca.

4 – Olho neles

Isco ajudou o Málaga na virada sobre o Porto(Getty Images)

Isco ajudou o Málaga na virada sobre o Porto
(Getty Images)

Durante a fase de grupos da competição, dois jogadores chamaram a atenção sem estar nos times considerados favoritos: Isco do Málaga e Burak Yilmaz do Galatasaray. Na fase de mata-mata, onde seria normal que sentissem a pressão de serem os grandes nomes de seus times, corresponderam à altura.

O espanhol Isco participou dos dois gols do Málaga na vitória sobre o Porto que lhe garantiu na fase seguinte do torneio. O meia abriu o placar com um belo chute de fora da área e deu o passe para Santa Cruz anotar o tento de qualificação. Já Yilmaz manteve a escrita de marcar desde a terceira rodada da fase de grupos e balançou as redes nos dois duelos contra o Schalke, acumulando oito dos onze gols do Galatasaray e lhe deixando com a artilharia da Liga dos Campeões ao lado de Cristiano Ronaldo.

3 – A expulsão de Nani

A partida entre Manchester United e Real Madrid ganhava contornos dramáticos. Os ingleses venciam por 1×0 e garantiam a classificação, enquanto os espanhóis precisavam do empate para forçar a prorrogação. Parecia que teríamos um restante de partida movimentado e tenso, porém, o árbitro chamou a atenção para si.

Aos 11 minutos da etapa final, após bola rebatida da entrada da área do Manchester, Nani estava soberano e tentou dominar com o pé no ar. Observando apenas a bola, o português não viu a chegada de Arbeloa e atingiu o adversário. Lance acidental, talvez para cartão amarelo, mas o rigoroso Cüneyt Çakir decidiu expulsar Nani.

A exclusão do jogador português mudou os rumos da partida. O Manchester, que já marcava mais do que atacava, teve de recuar por completo, enquanto o Real Madrid se mandou para o ataque e conseguiu o resultado que desejava, a virada. Parte da classificação deve ser colocada na conta de Çakir e na expulsão de Nani.

2 – Bola na trave de Niang

A tônica de Barcelona x Milan no Camp Nou era previsível: catalães no ataque e italianos se defendendo, esperando uma mísera chance para marcar o gol que complicaria a vida do adversário. Com o Barcelona vencendo pela placar mínimo, o que ainda era favorável ao Milan, veio a grande chance aos 37 minutos da etapa inicial. Após falha de Mascherano, o jovem M’Baye Niang escapou com liberdade e ficou cara-a-cara com Victor Valdés. O francês de 18 anos sentiu a pressão e acertou a trave. Foi a grande chance do Milan na partida toda. Para piorar, menos de dois minutos depois, Messi fez o segundo gol do Barcelona e deu sequência a goleada catalã.

O possível gol de Niang daria ares dramáticos a partida, afinal de contas, o empate milanista obrigaria o adversário a fazer três gols para se classificar para fase seguinte.

1 – Fazendo jus ao nome

Messi abriu caminho para a virada do Barcelona(Getty Images)

Messi abriu caminho para a virada do Barcelona
(Getty Images)

Cristiano Ronaldo e Messi são, indiscutivelmente, os melhores jogadores da atualidade. Na fase de oitavas-de-final do torneio eles fizeram jus a tal status e ajudaram a dupla Barça-Madrid a conquistar a classificação.

O gajo português evitou a derrota madridista na ida ao marcar um gol de cabeça semelhante ao feito na final da competição em 2008, quando defendia justamente o Manchester United. No duelo de volta, em Old Trafford, Cristiano Ronaldo, mais apagado que o normal, apareceu na hora certa e anotou o segundo tento do Real Madrid, classificando seu time para a próxima fase.

Enquanto isso, seu “rival” Messi, após nem aparecer na ida em San Siro, foi um dos grandes responsáveis pela virada no duelo de volta, quando fez os dois primeiros gols do Barcelona na goleada por 4×0 sobre o Milan.

Não bastou ter o status, mas eles fizeram justiça a tal alcunha.

Prévia das oitavas-de-final da UEFA Champions League – Parte 2

Dando sequência às prévias dos jogos das oitavas-de-final da UEFA Champions League, chegamos aos jogos dos dias 19 e 20 dessa semana, que fecham a rodada de ida das oitavas-de-final da competição.

->Confira a primeira parte:

Algozes do último campeão, Chelsea, Bayern e Barcelona entram em campo nessa semana com a obrigação de mostrar o “porque” de tanta pompa de favoritismo. Os adversários são “grandes adormecidos”, mas que querem mostrar serviço, Arsenal e Milan. Além dessas equipes tradicionais, os candidatos à zebra, Schalke, Galatasaray, Málaga e Porto também vão aos gramados nesta semana.

Confira as prévias nos próximos parágrafos:

>> Arsenal x Bayern

O Arsenal não dá sorte nos sorteios da UEFA Champions League. Ora pega o Barcelona, ora dá de frente com o “antigo” Milan e dessa vez terá de encarar o poderoso Bayern de Munique, podendo encadear uma série de três anos seguidos caindo nas oitavas-de-final. Os alemães são favoritos com larga vantagem, não só por possuírem o time que forma a base da seleção alemã, mas por terem grande vantagem na liderança da Bundesliga.

BayernOs bávaros têm impressionantes dezoito vitórias, três empates e apenas uma derrota no Campeonato Alemão, além de terem o ataque mais positivo e uma defesa que só foi vazada em sete oportunidades. Há quem diga que esse é o melhor Bayern da história, o que não chega a ser um completo exagero pelos números obtidos, mas ainda falta uma conquista europeia que bateu na trave duas vezes nos últimos anos.

Para quebrar essa sina, técnico Jupp Heyckes conta com um elenco mais “gorducho” e com mais opções para cada setor do time. O exemplo mais claro disso está na defesa, onde Holger Badstuber, que está gravemente lesionado, é substituído por van Buyten e ainda tem Jérôme Boateng como reserva imediato. Nesse mesmo setor, destaca-se Dante. O brasileiro que veio do Borussia Mönchengladbach assumiu a titularidade no começo da temporada e se tornou peça de confiança de Heynckes. Porém, o zagueiro “cabeludo” sentiu a pressão em jogos iniciais da fase de grupos, fica a dúvida se sentirá agora.

No ataque, a grande força bávara está depositada na movimentação dos homens de frente, como disse no último fim de semana. Foram 57 gols em toda Bundesliga, sendo 26 divididos entre a dupla Mandžukić e Müller. O croata desbancou Mario Gomez, que iniciou a temporada machucado, e deu uma cara mais imprevisível ao ataque do Bayern, pois é mais ágil e possibilita uma troca de posições capaz de confundir a mais organizada das defesas. Já Müller parou de enganar. Após duas temporadas de pouca bola e muita fama, a revelação da última Copa do Mundo decidiu jogar e tem sido decisivo. Parte desse sucesso está depositada em seu novo… Ou velho posicionamento. Acostumado a atuar pelo lado direito, Müller foi empurrado para o centro com a chegada de Arjen Robben. O holandês iniciou a temporada machucado e perdeu espaço para o alemão que tomou sua posição e se tornou titular com autoridade.

Poderíamos passar horas e mais horas falando dos fatores que tornam o Bayern favorito – o goleiro Neuer, os eficientes Lahm e Alaba e os ótimos Ribéry, Kroos e Schweinsteiger – mas é mais fácil os bávaros mostrarem em campo, afinal, os sete gols em 22 jogos da Bundesliga podem ser diminuídos pelo fato do time de Heynces ter sofrido também sete gols em seis jogos na fase de grupos da UEFA Champions League.

ArsenalSe tudo são flores nos lados alemães, Arsène Wenger só enfrenta tempestades em Londres. Cesc Fàbregas e Robin van Persie já abandonaram o barco e restam apenas postulantes a grandes jogadores no atual elenco. O reflexo disso está nos resultados recentes: 5º lugar na Premier League e eliminações nas copas inglesas para Bradford e Blackburn, clubes das divisões menores do país.

Nesta temporada, os Gunners tem sido extremamente dependentes de Theo Walcott, que já marcou onze gols na Premier League. O jogador da seleção inglesa atuou até mesmo de centroavante no time de Wenger e, além disso, proporcionou a maior novela do clube ao demorar a renovar seu contrato. Outro nome de destaque é Lukas Podolski, que faz temporada regular em Londres. O polonês naturalizado alemão irá encontrar o ex-clube, onde não teve passagem muito feliz. Quem terá a missão de servi-los deverá ser o espanhol Santi Cazorla, que está em sua primeira temporada no Arsenal, mas parece estar no clube há anos pela frieza com a qual se encaixou no time.

Porém, a grande esperança do Arsenal e também da torcida inglesa em geral é Jack Wilshere. O jogador de 21 anos é a principal promessa do futebol britânico para o futuro e só agora tem vencido as lesões. Seu embate cerebral com Schweinsteiger e Kroos promete demais.

DE OLHO: No reencontro de Lukas Podolski com o Bayern. O meia-atacante da seleção alemã defendeu o clube bávaro entre 2006 e 2009, mas não teve passagem muito feliz, apesar de ter conquistado três títulos. O ponto alto do reencontro será com o técnico Jupp Heynckes. Poldi teve problemas de relacionamento com Jürgen Klinsmann, seu técnico na Baviera e no início de 2009, o jogador acertou seu retorno ao Köln para o fim da temporada. Klinsmann não durou até o término do campeonato e Heynckes, que chegou para “tapar o buraco”, deu chances a Podolski que enfim mostrou bom futebol. Já era tarde demais e Poldi retornou ao Köln.

ScreenHunter_01 Feb. 17 23.38

>> Porto x Málaga

Esse é, disparado, o confronto menos “charmoso” das oitavas-de-final da UEFA Champions League. Apesar de contar com um campeão europeu e com a grande zebra da fase de grupos, fica difícil imaginar que uma dessas duas equipes tenha cancha para chegar mais longe na competição. O Porto, apesar da campanha quase perfeita, lidera um campeonato onde a disputa é baseada em dois times, enquanto o Málaga faz figuração no Campeonato Espanhol, afinal de contas, está proibido de jogar torneios UEFA no próximo ano.

PortoO Porto está tentando lutar nas duas frentes nessa temporada. Em Portugal, a briga pelo título já está dividida com o Benfica, mas na Champions League a história é outra. Na fase de grupos, os Dragões quase saíram invictos e líderes, mas a derrota para o Paris Saint-Germain na rodada final custou o topo.

O grande nome do time tem sido o colombiano Jackson Martínez, autor de 20 gols no Campeonato Português. O atacante desbancou o brasileiro Kléber e é a principal esperança de gols do Porto, gerando até mesmo comparações com Falcao García, antigo titular da posição e também nascido na Colômbia. Seu parceiro é o habilidoso James Rodríguez, porém, o compatriota de Jackson retornou recentemente de lesão e sua presença no confronto de ida é incerta.

O técnico Vitor Pereira também espera que a experiência dos jogadores de meio-campo possa ser a sustentação do time, pelo menos nesse duelo com o Málaga. Lucho González e João Moutinho, principais nomes da faixa central, são jogadores calejados no cenário internacional e podem ser o diferencial nesse confronto. Não podemos nos esquecer do brasileiro Fernando, que está sempre bem posicionado na cabeça de área para controlar os avanços adversários. Além disso, o que torna o setor central do Porto um diferencial aos demais cantos do plantel é que praticamente todos os meias tem pelo menos 20 jogos UEFA, coisa não vista nos outros setores.

Apesar dos míseros nove gols sofridos na Liga Sagres e do entrosamento que Danilo, Mangala, Otamendi e Alex Sandro possuem, a defesa é um ponto que gera preocupação a Vitor Pereira. O zagueiro mais velho é o argentino, de 25 anos, o restante dos defensores está abaixo dessa idade, e o pior, com poucos jogos internacionais. A inexperiência pode preocupar, afinal, Liga dos Campeões não é Campeonato Português, longe disso.

MálagaA tão falada experiência que há e falta em alguns pontos do elenco português, está sobrando no Málaga, apesar desta ser a primeira aparição do clube em uma Liga dos Campeões. Lugano, Demichelis, Toulalan, Duda, Joaquín, Júlio Baptista, Saviola, Santa Cruz… Se não são exemplos de craques, são sim de experiência, todos eles têm pelo menos uma Copa do Mundo no currículo.

Curiosamente, entre todos esses “figurões”, o destaque do time acaba sendo um jogador de apenas 20 anos: Isco. O espanhol trás para essa fase um par de gols e assistências adquiridos na fase de grupos, onde foi uma das sensações do torneio e passou a ser especulado em diversas equipes do continente. Esses sonhos alheios foram por água abaixo, pois Isco renovou com o Málaga até 2016. O meia Eliseu é outro a se observar pela boa primeira fase feita. O português foi o artilheiro do time com três gols e ainda deu uma assistência.

Vale prestar atenção na possível entrada do brasileiro Lucas Piazón. Grande promessa do São Paulo, o garoto foi emprestado pelo Chelsea ao clube espanhol e poderá ganhar alguns minutos nesta fase. Piazón ficou no banco em algumas partidas, mas no último fim de semana, foi titular contra o Athletic de Bilbao e deu o passe que resultou no gol da vitória do Málaga, anotado por Saviola. O também brasileiro Júlio Baptista também almeja alguns minutos em campo, pois voltou recentemente de lesão e tem gratidão enorme pelo clube.

DE OLHO: Confronto de goleiros sul-americanos, mas que experimentaram gostos diferentes quando o assunto é seleção nacional olímpica. Willy Caballero já tem 31 anos e nove na Europa, mas nunca teve grande sucesso. Porém, em 2004, com 23 anos, foi o goleiro reserva da Argentina nos Jogos Olímpicos de Atenas, cedendo espaço para Germán Lux. Mesmo esquentando banco, Caballero recebeu uma medalha de ouro, coisa que Hélton não pôde fazer quatro anos antes. Titular do estelar time armado por Vanderlei Luxemburgo, que contava com Ronaldinho, Fábio Aurélio, Alex, Lúcio e outros, o atual “guarda redes” sucumbiu junto com o resto do time no trágico duelo diante de Camarões nas quartas-de-final. Curiosamente, Hélton é mais vitorioso que Caballero, pois teve carreira mais estável, repleta de títulos em Portugal e com escassas passagens pela seleção principal, coisa que o argentino não teve capacidade de conseguir.

ScreenHunter_03 Feb. 17 23.50

>> Barcelona x Milan

Se esse confronto fosse realizado no meio da década passada – como chegou a acontecer duas vezes, com duas vitórias blaugranas – daria para acreditar em um triunfo do Milan sobre o Barcelona. Hoje, em 2013, os tempos são outros e fica difícil imaginar que algum resultado que não seja a vitória catalã aconteça.

BarcelonaEm território nacional, o Barcelona caminha a passos largos rumo a mais um título espanhol, o vigésimo segundo de sua história. Os comandados de Tito Vilanova lideram a liga com 65 pontos, doze de vantagem para o vice-líder Atlético de Madrid e dezesseis para o adversário que, teoricamente, seria o mais perigoso: Real Madrid. Além disso, o Barça marcou impressionantes 80 gols em 24 partidas, média superior a três por jogo.

Não é segredo para ninguém que a força do time está em Messi. O argentino já balançou as redes trinta e sete vezes, quase 50% de todos os tentos catalães e mais até que 15 times da primeira divisão espanhola (!!!). Lio segue insaciável e, com contrato renovado, continua almejando títulos com o Barcelona, principalmente o europeu, torneio que conquistou três vezes. Na fase de grupos, Messi balançou as redes cinco vezes e ainda deu três passes pra gol, além de ter sido o segundo jogador que mais finalizou na competição, atrás apenas de Cristiano Ronaldo.

Outro poder barcelonista também não é segredo para ninguém: o toque de bola. Tirando alguns gatos pingados que entraram na fase de grupos para jogar poucos minutos, boa parte do time do Barcelona tem, pelo menos, 85% de acerto em passes. Curiosamente, Messi está abaixo dessa porcentagem, com 81% de acerto. Xavi lidera o quesito, com 92%.

Caso derrote o Milan, o Barcelona marcará presença nas quartas-de-final da Liga dos Campeões pela sexta vez consecutiva.

MilanO Milan entra como franco atirador. Antes mesmo de começar a temporada, o futuro já parecia amaldiçoado, pois os italianos viram Zlatan Ibrahimović e Thiago Silva migrarem para a França. O time demorou a reconstruir-se, chegou a figurar nas partes baixas da tabela de classificação do Campeonato Italiano e foi mal na fase de grupos da UEFA Champions League, conseguindo apenas dois pontos no San Siro, mas, atualmente, já está lutando por vaga nas competições europeias na Série A.

Esse avanço milanista se deve ao novo momento vivido pelo time em 2013. Foram sete jogos pelo Campeonato Italiano, cinco vitórias e dois empates este ano. Nesse intervalo de tempo, o Milan balançou as redes em dez oportunidades, sendo quatro gols de Mario Balotelli. Infelizmente, para o time italiano, Super Mario não poderá enfrentar o Barcelona por já ter vestido a camisa do Manchester City na fase de grupos da competição.

Outro desfalque no ataque pode ser El Shaarawy. O jovem de 20 anos sofre com dores no joelho e mesmo sendo poupado do confronto diante do Parma, ele segue se queixando de dores. O Faraó já tem 15 gols no Campeonato Italiano e já tem sido chamado por Cesare Prandelli para a seleção italiana.

Caso o El Shaarawy fique mesmo de fora, o experiente Giampaolo Pazzini terá de assumir a responsabilidade. O ex-interista tem dez gols no Campeonato Italiano, porém, ainda não balançou as redes na UEFA Champions League. E é justamente o torneio europeu que é uma espécie de pedra no sapato do atacante, que tem quase trinta aparições internacionais por seus clubes, mas apenas sete gols.

No meio-campo, o Milan aposta em Riccardo Montolivo de 28 anos. A cria da Atalanta passou a jogar mais recuado com a lesão de Nigel De Jong, fazendo uma função semelhante com a feita por Andrea Pirlo na Juventus, armando o jogo de trás. Na fase de grupos da UEFA Champions League, Montolivo foi o jogador que mais efetuou passes no time do Milan e contra o Barcelona, ele será o responsável por fazer com que os Rossoneros retenham a bola por algum tempo, já que a maior posse de bola deverá ser catalã.

DE OLHO: Com a possível ausência de El Shaarawy e a impossibilidade de Balotelli jogar a Champions League, a “bucha” talvez caia no colo de Bojan Krkic ou Robinho. Os dois estão sem muita moral no clube Rossonero por causa do baixo rendimento, mas a grande chance, para um dos dois, deverá chegar contra o Barcelona. A expectativa principal, pelo menos para mim, é por Robinho. O brasileiro chegou a negociar seu retorno a América do Sul, mas não deu certo. Caso entre em campo contra o time catalão, terá de mostrar que está com a cabeça em Milão e não em seu possível destino no futuro. Com os olhos brasileiros voltados ao duelo, também é uma grande oportunidade de mostrar a seus fãs e críticos do que ainda é capaz.

ScreenHunter_04 Feb. 17 23.59

>> Galatasaray x Schalke

O duelo entre turcos e alemães é o exemplo mais claro de como não gosto de analisar os confrontos de oitavas de final da Liga dos Campões na época do sorteio. Em dezembro, o Galatasaray estava bem, mas o tempo ausente nos mata-matas, somado a inferioridade do elenco em relação com o Schalke – que já estava mal naquela época – davam impressão de favoritismo para os alemães. Hoje, a história é outra.

GalatasarayFalar que o Galatasaray “se reforçou” é até uma escolha fraca na expressão. O time turco assinou o atestado de querer surpreender na Champions League ao trazer Wesley Sneijder, campeão europeu em 2010, e Didier Drogba, também campeão do continente em 2012. A dupla se junta aos também experientes Eboué, Hamit Altintop e Felipe Melo, além de Burak Yilmaz, um dos artilheiros da fase de grupos.

Os turcos apostam no bom entendimento da dupla Sneijder-Drogba. Foram reforços, senão pontuais, necessários para elevar o nível do time e o entrosamento dos dois é o ponto crucial para a equipe turca conseguir ser a zebra da competição. O holandês participou de quatro jogos na Turquia e, até agora, está invicto, enquanto Drogba estreou neste fim de semana com um gol.

Com a batuta em mãos, está o experiente Fatih Terim, técnico de 59 anos. Como jogador, Terim atuou por dez temporadas no Galatasaray, onde ganhou dois campeonatos turcos, como treinador, é sua terceira passagem pelo clube de Istanbul, onde já levantou cinco canecos nacionais e uma Copa da UEFA. Até o momento, o Galatasaray tem 58% de aproveitamento com Terim desde 2011, segundo melhor aproveitamento do técnico nas três passagens. Só perde para a histórica campanha de 1996 a 2000, onde obteve 64% de aproveitamento.

SchalkeSe o Galatasaray tem um técnico experiente e idolatrado em Istanbul, o Schalke não goza de mesmo status em Gelsenkirchen. O técnico Jens Keller é novo – 42 anos –, estava no time de base dos Azuis Reais, mas sua única passagem por um clube profissional, no Stuttgart, foi fraca, e esses meses pelo Schalke não tem sido diferente. O time vem despencando na tabela do Campeonato Alemão e Keller tem sido cobrado de forma demasiada. Uma queda no torneio europeu pode representar novos rumos no comando azul real.

Além disso, Lewis Holtby, principal nome do time na temporada e que já estava vendido ao Tottenham para o final da temporada, foi chamado pelos Spurs agora e deixou o Schalke. Sem o grande criador do time na temporada, Keller tem depositado suas fichas na joia Julian Draxler, que vinha atuando pela esquerda, mas que foi deslocado para o centro para substituir o antigo camisa dez.

Para ocupar o lado que era de Draxler, o Schalke tirou Michel Bastos do Lyon. O brasileiro veio com tudo e já fez três gols na Bundesliga. Quando Bastos foi contratado, critiquei a decisão da diretoria alemã e mesmo com o início promissor do ponteiro, mantenho minha posição. Nada contra Bastos, muito pelo contrário, gosto muito do jogador, mas o elenco do Schalke é extremamente desequilibrado e não havia sentido trazer mais um, entre vários, homens de frente com a defesa desguarnecida.

O Schalke não tem um goleiro confiável, não possui um lateral direito decente, conta apenas com Höwedes como boa opção para a zaga central, não tem reserva para Füchs e sofre com problemas na cabeça de área. Foi certo trazer mais um homem de ataque? Não! Além disso, Atsuto Uchida, lateral que veio cercado de expectativas, mas que só causou decepções, está lesionado e não jogará. Höwedes ou Höger devem ser improvisados na função.

Outro desfalque pode ser Klaas-Jan Huntelaar, que além da temporada decepcionante, sofreu um corte no rosto. Edu ou Pukki seriam as opções naturais, mas Keller testou, absurdamente, Farfán na função. Os bons ventos não estão rodeando Gelsenkirchen.

DE OLHO: Vamos observar os encaixes da marcação do Schalke com o ataque do Galatasaray. Jens Keller se for sensato, não abrirá mão de Höwedes pelo centro da defesa para acompanhar Drogba na grande área, porém, Matip, seu parceiro, pode causar problemas, já que é pouco confiável. Mais a frente, Neustadter deverá contar com o truculento Jermaine Jones no apoio, tudo para segurar Sneijder. Teoricamente, haverá uma sobrecarga em Höwedes e Neustadter. Seriam eles capazes de segurar a onda, sozinhos?

Bônus: Muslera versus Hildebrand, dois goleiros pouco confiáveis estarão frente-a-frente. Quem entregará menos deverá levar a melhor. 

ScreenHunter_05 Feb. 18 00.10

E se a Conmebol fizesse o sorteio da Liga dos Campeões?

O sorteio dos jogos das oitavas de final da UEFA Champions League já foi realizado e, certamente, vocês já conhecem todos os duelos e até imaginam o que poderá acontecer no início de 2013. Essa análise deixo para o ano que vem, afinal, muita água vai rolar debaixo da ponte até lá.

Mas você já parou para imaginar qual seria o desfecho desse sorteio se os critérios adotados pela UEFA fossem os mesmos da Conmebol? Como não é segredo para ninguém, a organização europeia é muito criteriosa nos seus sorteios e divide os times em dois potes: dos líderes e dos vice-líderes. Além disso, impede que times do mesmo país e que estiveram no mesmo grupo se encontrem logo de cara nas oitavas de final. Enquanto isso, a confederação da América do Sul obriga os times a fazerem contas nas rodadas finais da fase de grupos da Copa Libertadores para escolherem seus adversários, pois há uma classificação geral onde o melhor colocado enfrenta o pior, o segundo encara o décimo quinto e assim por diante.

Pensando nisso, mostro abaixo quais seriam os jogos das oitavas de final da Liga dos Campeões da Europa se fossem seguidos os critérios de sorteio da Copa Libertadores. Confira:

UCL

Oitavas cópia

Analisando os dois sorteios, pude tirar algumas conclusões:

*A vida do Milan ficaria mais tranquila… Mas nada que tornasse sua chance de classificação muito real;

*O Arsenal também teria um adversário mais fraco e talvez tivesse mais chance com o Valencia do que o Milan teria com o PSG;

*O Real Madrid respiraria aliviado, pois pegar o Porto não é tão complicado quanto enfrentar o Manchester United;

*Porém, os mancunianos continuariam com tarefa complicada diante dos campeões italianos;

*E o Schalke seguiria com relativa sorte ao bater de frente com o Málaga;

E vocês? Comparando os dois sorteios, o que acharam? Invadam a caixa de comentários e deem seus pitacos antes que o mundo acabe!

TOP 7: Os quinze campeões (Parte 2)

Dando sequência à série com os quinze treinadores europeus que venceram torneios nacionais, continentais e mundiais, passo hoje os últimos sete nomes desta lista. Nesta segunda parte, teremos duas faixas bônus, sendo um técnico europeu e outro sul-americano, mas que obteve tal feito por um clube europeu.

Confira a parte final desta lista abaixo:

Faixa Bônus1 – Helenio Herrera – Internazionale

Está certo que Helenio Herrera é argentino, mas ele tem traços franceses e fortes relações com os italianos, então vale essa menção honrosa. Herrera ganhou quatro campeonatos espanhóis, dois pelo Barcelona e dois pelo Atlético de Madrid. Porém, Milão foi o local onde concluiu a trinca de títulos. Foi pela Inter que venceu o Campeonato Italiano em 1962/63 e a Liga dos Campeões na temporada seguinte – curiosamente, vitória sobre o Real Madrid, seu rival em tempos de Espanha. No Mundial Interclubes, os nerazzurri reverteram a vantagem do Independiente da Argentina em três jogos e venceram o torneio. No ano seguinte, novo título europeu para Herrera, esse sobre o Benfica e mais um título mundial em cima do Independiente.

7) Marcelo Lippi – Juventus

Lippi fez a trinca na Juventus

Lippi fez a trinca na Juventus

O italiano Marcelo Lippi passou por uma penca de times em sua carreira, mas suas conquistas mais gloriosas foram na Juventus – além de vencer a Copa de 2006 pela Itália. Foram treze títulos na equipe de Turim. A primeira vez que conquistou o Campeonato Italiano foi na temporada 1994/95. No ano seguinte, veio o título europeu conquistado em cima do Ajax na disputa por pênaltis.

Em dezembro de 1996, a Juventus deu de cara com o River Plate na final do Mundial Interclubes. Em jogo muito disputado, a decisão veio dos pés de Del Piero, que aos 36 minutos da etapa complementar, fez o gol que valeu o título mundial ao time de Lippi.

A Juve quase repetiu este feito em outras oportunidades. O título italiano veio mais quatro vezes, mas a Liga dos Campeões bateu na trave três vezes. Em 1997 contra o Borussia Dortmund, 1998 diante do Real Madrid e em 2003 contra o rival Milan.

Faixa Bônus2 – Guus Hiddink – PSV Eindhoven e Real Madrid

Conhecido por seus trabalhos em seleções, o holandês Guus Hiddink também botou suas manguinhas de fora nos clubes em que passou. Pelo PSV, foram duas passagens, ambas somando títulos. Entre 1987 e 1990, foram três conquistas do Campeonato Holandês e duas da Copa da Holanda. A temporada 1987/88 foi a mais marcante de Hiddink em Eindhoven. O título holandês veio graças ao ataque avassalador de 117 gols e em seguida, veio o título europeu. Diferentemente do torneio doméstico, a campanha continental não foi das melhores – três vitórias, cinco empates e uma derrota -, mas ainda assim veio o título nos pênaltis diante do Benfica.

No Mundial Interclubes não deu outra: novo empate, desta vez, em 2×2 com o Nacional do Uruguai. Na decisão por pênaltis, vitória dos sul-americanos. Hiddink só completou a série de títulos dez anos depois treinando o Real Madrid. Na final, os madridistas bateram o Vasco da Gama.

Em sua segunda passagem pelo PSV, já nos anos 2000, conquistou três vezes o Holandês.

6) Ottmar Hitzfeld – Dortmund e Bayern

A primeira Champions League de Hitzfeld foi no Dortmund

A primeira Champions League de Hitzfeld foi no Dortmund

O suíço Ottmar Hitzfeld está no seleto grupo de técnicos que conquistaram a UEFA Champions League por duas equipes diferentes, primeiro pelo Borussia Dortmund em 1997 e depois pelo Bayern em 2001. Curiosamente, antes de conquistar a Europa por esses times, ele já acumulava dois títulos alemães por cada clube. A grande diferença é que Hitzfeld parou nesses dois com os aurinegros, mas com os bávaros vieram mais três conquistas.

Também foi com o time da Baviera que veio seu título mundial. Em 2001, Samuel Kuffour salvou o Bayern na prorrogação contra o Boca Juniors e os alemães levaram o caneco. Hitzfeld só não fez isso pelo Borussia Dortmund por ter deixado o clube após o título europeu.

5) Vicente Del Bosque – Real Madrid

Del Bosque fez história no Real Madrid e na seleção espanhola

Del Bosque fez história no Real Madrid e na seleção espanhola

Vicente Del Bosque está próximo de completar 62 anos e se, hipoteticamente, decidir se aposentar, vai poder dizer, com o maior orgulho, que ganhou praticamente tudo que disputou. Antes mesmo de conquistar o Campeonato Espanhol, o Real Madrid de Del Bosque já havia ganhado a “orelhuda” na final espanhola diante do Valencia em 2000. Porém, os espanhóis pararam no Boca Juniors de Riquelme e Palermo e não se sagraram campeões mundiais.

Na temporada seguinte, o Real Madrid voltou vencer o Campeonato Espanhol após três anos. No ano posterior, não veio o bicampeonato nacional, mas veio outro título europeu, conquistado graças a maestria de Zidane. No final do ano, os merengues foram à forra e conquistaram o mundo ao bater o Olímpia do Paraguai por 2×0.

Anos mais tarde, Del Bosque completou sua sala de troféus, simplesmente, com a Eurocopa e a Copa do Mundo.

4) Carlo Ancelotti – Milan

Ancelotti ganhou duas finais de Champions League das três que disputou

Ancelotti ganhou duas finais de Champions League das três que disputou

Foram oito anos vitoriosos de Carlo Ancelotti no Milan, onde ganhou muita coisa e se fixou como um dos grandes técnicos do continente. Assim como o comandante citado anteriormente, o italiano ganhou primeiro o título europeu. A conquista veio em 2003, na disputa de pênaltis vencida diante da Juventus. Nos pênaltis também veio a derrota no Mundial Interclubes para o Boca Juniors. No ano seguinte, os rossoneros conquistaram seu 17° scudetto na Itália, primeiro de Ancelotti.

Após perder uma Champions League de forma inacreditável para o Liverpool em 2005, o Milan retornou a final do torneio em 2007 e se vingou do time inglês ao vencer por 2×1. A outra vingança veio no final do ano contra o mesmo Boca Juniors na decisão do Mundial de Clubes.

Carlo Ancelotti ainda acumulou um título do Campeonato Inglês, mas as conquistas internacionais pararam com o Mundial de 2007.

3) Alex Ferguson – Manchester United

Ferguson posou com a "orelhuda" em 1999

Ferguson posou com a “orelhuda” em 1999

Alex Ferguson é outro que pode se gabar de ter ganhado praticamente tudo na carreira, desde os tempos longínquos no Aberdeen e agora no Manchester United. Seus primeiros títulos nacionais foram na Escócia em 1979/80, 1983/84 e 1984/85. Nos Red Devils, o primeiro Campeonato Inglês veio em 1992/93 e juntaram-se a esse título mais onze.

Em 1998/99 e 2007/08, anos em que conquistou o principal campeonato do país, o Manchester de Ferguson também ganhou a Europa e o mundo. Juventus e Chelsea pagaram caríssimos preços em âmbito europeu com dolorosas derrotas, enquanto Arsenal e o próprio Chelsea viram o United ganhar a Premier League por uma diferença curta de pontos.

Em 1999, os ingleses bateram o Palmeiras no Mundial Interclubes, na histórica falha do goleiro Marcos aproveitada por Roy Keane. Em 2008, os derrotados da vez foram os equatorianos da LDU com nova vitória por placar mínimo, desta vez, com gol de Rooney.

2) Rafael Benítez – Valencia, Liverpool e Internazionale

Benítez fez a trinca por três times diferentes

Benítez fez a trinca por três times diferentes

O espanhol Rafa Benítez fez uma “escadinha” pra obter o feito supracitado nesta matéria. Seus únicos títulos de campeonatos nacionais foram na Espanha com o Valencia. Essas conquistas vieram nas temporadas 2001/02 e 2003/04, onde desbancou Barcelona, Real Madrid e, o na época forte, Deportivo La Coruña.

Ao se transferir para a Inglaterra, Rafa venceu de forma heroica a Champions League de 2005 com o Liverpool. Os ingleses foram para o intervalo perdendo por 3×0 e arrancaram o empate no tempo normal e a vitória nos pênaltis. No Mundial de Clubes, os Reds não furaram a barreira armada pelo São Paulo e ficaram com o segundo lugar.

Em passagem nada marcante pela Internazionale, Rafa Benítez ao menos deixou sua marca e bateu o surpreendente Mazembe do Congo na decisão do Mundial de Clubes, completando a trinca de títulos. O espanhol poderá se tornar bicampeão mundial treinando o Chelsea neste ano.

1) Josep Guardiola – Barcelona

Guardiola ganhou tudo e é um dos técnicos mais cobiçados do mundo

Guardiola ganhou tudo e é um dos técnicos mais cobiçados do mundo

Pep Guardiola é o técnico mais desejado do momento, principalmente dos times que possuem donos milionários dispostos a abrir o cofre para trazê-lo a seu clube. Tal obsessão não existe em vão. O catalão ganhou de tudo no Barcelona. Guardiola disputou quatro edições do Campeonato Espanhol e ganhou três, sendo essas consecutivas.

Já na Liga dos Campeões, o Barça estabeleceu uma freguesia com o Manchester United de Alex Ferguson. Foram duas finais, em 2009 e 2011, e duas vitórias. No Mundial de Clubes, sem grandes decepções. Vitórias sobre Estudiantes e Santos. Se contarmos sua passagem pelo time B do Barcelona, Guardiola acumula quinze títulos em cinco anos de carreira.

*Crédito das imagens: Getty Images

TOP 7: Os quinze campeões

Assistindo a uma reportagem do programa “Loucos Por Futebol” da ESPN Brasil, tive minha curiosidade atiçada. A matéria em questão fala do seleto grupo de cinco técnicos brasileiros que conquistaram o Brasileirão, a Copa Libertadores e o Mundial de Clubes. Decidi, então, vasculhar as fichas com os técnicos europeus que também venceram torneios nacionais, continentais e mundiais.

O que para nós é um grupo pequeno, no Velho Continente é uma singela lista composta por quinze treinadores. Aproveitando a proximidade da disputa do Mundial de Clubes da FIFA, trago essa lista em um Top 7 – que terá uma “faixa bônus” – dividido em duas partes. Hoje, trago os primeiros treinadores que venceram campeonatos nacionais, Liga dos Campeões e Mundial Interclubes:

7) Miguel Muñoz – Real Madrid

Miguel Muñoz foi o primeiro europeu "campeão de tudo"

Miguel Muñoz foi o primeiro europeu “campeão de tudo”

Técnico do Real Madrid por catorze anos, Miguel Muñoz teve longa carreira como técnico, mas só ergueu troféus na capital espanhola. Logo de cara, seu primeiro título foi a Liga dos Campeões de 1960, onde teve campanha praticamente perfeita – com apenas uma derrota – e com Puskás e Di Stéfano decidindo a final contra o Eintracht Frankfurt. No mesmo ano, o Real Madrid se sagrou campeão da primeira edição do Mundial Interclubes ao derrotar o Peñarol – 0x0 na ida e 5×1 na volta.

Ainda em 1960/61, o Real Madrid de Muñoz venceu a Liga Espanhola e criou uma longa hegemonia que durou até a temporada 1964/65. Após essa quina de títulos, o treinador conseguiu vencer mais quatro edições do torneio nacional.

6) Nereo Rocco – Milan

Rocco (direita) iniciou a série de conquistas europeias do Milan

Rocco (direita) iniciou a série de conquistas europeias do Milan

Assim como Muñoz, Nereo Rocco passou por diversas equipes, mas suas conquistas vieram com uma única equipe, o Milan. Foi em sua primeira passagem pelo clube rossonero que venceu o Campeonato Italiano na temporada 1961/62. No ano seguinte, os italianos fizeram excelente campanha na Liga dos Campeões e venceram o Benfica na final, com dois gols de Altafini. Sem Rocco no comando técnico, o Milan parou no brilhante Santos dos anos 60 no Mundial Interclubes.

Em 1967, ele voltou para conquistar mais títulos em Milão. Logo em sua temporada de retorno, ergueu a taça do Campeonato Italiano. No ano seguinte, veio o bi da Liga dos Campeões, com o tradicional drama italiano, mas com a forra na final: goleada por 4×1, com três gols de Pierino Prati.

Desta vez, o Milan contou com Nereo Rocco no Mundial Interclubes e a história foi escrita de forma diferente. Na ida, contra os argentinos do Estudiantes, categórica vitória por 3×0. Na volta, na Bombonera, os italianos foram para o intervalo perdendo por 2×1. O placar foi mantido, mas se não fossem as expulsões de Manera e Suárez na etapa final, o título talvez não ficasse com o Milan.

5) Ernst Happel – Feyenoord

Happel quase repetiu a trinca de títulos pelo Hamburgo

Happel quase repetiu a trinca de títulos pelo Hamburgo

Um trecho de um post desses é muito pouco para valorizar a gloriosa carreira de Ernst Happel, um dos técnicos mais vitoriosos da história do futebol. Mas para não deixar esse espaço em branco na matéria, vou falar de sua passagem pelo Feyenoord. Happel chegou ao clube de Rotterdam com a fama de ter feito boas campanhas pelo ADO Den Haag. E as conquistas foram se sucedendo: na temporada 1968/69, veio o título do Campeonato Holandês, em 1969/70, veio o título da Liga dos Campeões sobre o Celtic e mais tarde, título mundial, também sobre o Estudiantes.

Anos mais tarde, Happel quase repetiu o feito pelo Hamburgo. No comando do austríaco, o HSV conquistou dois títulos do Campeonato Alemão e mais a Liga dos Campeões de 1982/83. Porém, se não fosse o Grêmio de Renato Gaúcho, Happel repetiria a trinca de títulos.

4) Ştefan Kovács – Ajax

Kovács ganhou praticamente tudo pelo Ajax

Kovács ganhou praticamente tudo pelo Ajax

Assim como Ernst Happel, o romeno Ştefan Kovács conseguiu todas essas conquistas por uma equipe holandesa, o Ajax. Antes disso, ele havia erguido as taças de campeão romeno e da Copa da Romênia com o Steaua Bucareste.

Kovács ficou três anos em Amsterdã e ganhou quase tudo que disputou, a começar pelo Campeonato Holandês de 1971/72, com uma campanha de 30 vitórias em 34 jogos. No mesmo ano, veio a copa holandesa e a maior conquista, a Liga dos Campeões, que veio de forma invicta. Na decisão disputada contra a Inter, o Ajax venceu por 2×0, com dois gols de Cruijff. No Mundial Interclubes, a equipe holandesa permaneceu com a sina europeia – só quebrada anteriormente por Santos e Peñarol – de segurar o resultado na América do Sul e fazer a festa na Europa. Foi 1×1 com o Independiente na Argentina e 3×0 na Holanda.

Antes de trocar o Ajax pela seleção francesa, Kovács venceu mais um Campeonato Holandês, a Supercopa Europeia e outra Liga dos Campeões. O Ajax abdicou da disputa do Mundial Interclubes de 1973 e o Velho Continente foi representado pela Juventus, vice-campeã europeia.

3) Giovanni Trapattoni – Juventus

Trapattoni segue com sua carreira até hoje

Trapattoni segue com sua carreira até hoje

Sim, o atual técnico da seleção irlandesa já se aventurava como técnico no princípio dos anos 70. Giovanni Trapattoni se aposentou em 1972 e dois anos depois já era treinador do Milan. Não deu muito certo por lá e foi parar na Juventus em 1975. Podemos dizer que ali começou pra valer sua carreira como técnico. Em sua segunda temporada em Turim, veio o título italiano, com um ponto de vantagem para o Torino. Essa foi a primeira de sete conquistas do campeonato nacional, sendo seis pela Juve.

Curiosamente, o título europeu veio quase dez anos depois de seu “batismo” como treinador. Foi na temporada 1984/85, quando Trap contou com a maestria de Michel Platini, autor de sete gols durante o torneio – artilheiro ao lado do sueco Nilsson, do Göteborg -, anotando um na final contra o Liverpool. No final do ano, em Tokyo, a Juventus “suou sangue” para conquistar o Mundial. Após 2×2 no tempo normal contra o Argentinos Juniors, o caneco veio na disputa por pênaltis.

Trapattoni ainda conquistou títulos nacionais por Internazionale, Bayern, Benfica e Red Bull Salzburg, mas a Liga dos Campeões foi um feito único de sua interminável carreira como técnico – lembrando que, como jogador, ganhou o torneio duas vezes pelo Milan.

2) Arrigo Sacchi – Milan

Arrigo Sacchi conseguiu ser bicampeão europeu e mundial

Arrigo Sacchi conseguiu ser bicampeão europeu e mundial

O próximo italiano da lista é Arrigo Sacchi. O histórico técnico do Milan conseguiu um feito para poucos: ele conquistou mais títulos continentais e mundiais do que nacionais. Seu único título italiano foi na temporada 1987/88, ao encerrar a Série A com 45 pontos, três de vantagem para o Napoli.

Nos anos seguintes, Sacchi e o Milan ergueram seus troféus internacionais. Em 1988/89, os Rossoneros conquistaram a Europa de forma invicta. Um dos pontos altos da campanha de Rijkaard, Gullit, van Basten e companhia foi a goleada por 5×0 no Real Madrid na fase semifinal. Essa trajetória foi coroada com o título diante do Steaua. No final do ano, os italianos passaram sufoco para bater os colombianos do Atlético Nacional. A vitória veio na prorrogação, gol de Alberigo Evani.

Na temporada seguinte, o Milan retornou a final da Liga dos Campeões, dessa vez, carregando duas derrotas no caminho. Os holandeses decidiram de novo e com gol de Rijkaard, os Rossoneros bateram o Benfica na decisão. O mesmo Rijkaard foi decisivo na decisão de Tokyo, anotando dois gols na partida que valeu o título mundial diante do Olímpia.

1) Louis van Gaal – Ajax

Julgando a foto, a comemoração do título europeu de van Gaal foi longa

Julgando a foto, a comemoração do título europeu de van Gaal foi longa

Reclame do que quiser de Louis van Gaal, só não diga que não é vencedor. Após alguns anos como assistente técnico para adquirir experiência, o holandês assumiu o Ajax em 1991 para iniciar sua série de conquistas. Em 1993/94, veio o primeiro título holandês – sendo que já havia ganhado a Copa UEFA anos antes – de van Gaal.

Na temporada seguinte, o Ajax emendou o bicampeonato nacional, sendo esse invicto, com 27 vitórias, sete empates e mais de cem gols. O prêmio maior veio mais tarde, com o título, também invicto, da UEFA Champions League. Na decisão diante do Milan, vitória pelo placar mínimo, gol de Kluivert. No final do ano, o time holandês passou trabalho com o Grêmio de Luiz Felipe Scolari, mas conquistou o mundial na disputa de pênaltis. Louis van Gaal ainda têm títulos nacionais por Barcelona, AZ Alkmaar e Bayern.

*Antes de me xingarem por botar “treinador A” antes ou depois do “treinador B”, só quero dizer que essa lista é cronológica;

 *Crédito das imagens: Getty Images

Dia 7 está aí! Faça sua escolha!

Diriam os mais ufanistas que no domingo, 7 de outubro, será realizada a “festa da democracia”. Outros já diriam que é uma chata obrigação, que atormenta a cada dois anos. O povo vai às urnas, pressionará uma meia dúzia de botões e escolherá quem irá representá-lo na prefeitura nos próximos quatro anos. Enquanto isso, na Europa, outro tipo de eleição, que não é obrigatória, mas que pelo menos não incomoda ninguém, irá acontecer.

Essa eleição não envolve compra de votos, placas de vereadores, adesivos de prefeito e muito menos, carros de som com grudentas músicas de candidatos. Para falar a verdade, não existem perdedores nessa eleição, somente vencedores, que somos nós, admiradores do bom futebol e dos grandes clássicos do velho continente.

Poucas vezes teremos a oportunidade de ver tantas rivalidades sendo afloradas no mesmo dia e nós teremos a condição de escolher qual assistir. Dependendo dos recursos que você tiver em mãos – televisão, computador, tablet, celular -, poderá acompanhar mais de um ao mesmo tempo. Mas se você é da moda antiga e gosta de assistir apenas uma partida, confira nos parágrafos abaixo, motivos para escolher pelo menos um dos clássicos que teremos no próximo dia 7 de outubro:

Novo embate: Messi x Cristiano Ronaldo

A Espanha vai parar para acompanhar o primeiro grande jogo entre Real Madrid e Barcelona no Campeonato Espanhol – lembrando que as duas equipes já se enfrentaram pela Supercopa. Mesmo levando em conta que “clássico é clássico e vice-versa”, podemos afirmar que o time catalão é favorito neste duelo.

Com seis vitórias nos primeiros seis jogos da temporada, o Barcelona tem o melhor ataque do Campeonato Espanhol com 17 gols. Embora tenha 100% de aproveitamento, o time de Tito Vilanova passou sufoco nas partidas contra Osasuna, Valencia, Granada e Sevilla na liga. Além disso, as atuações blaugranas na UEFA Champions League não foram das melhores, com uma vitória de virada diante do Spartak Moscou e outro triunfo, esse por 2×0, diante do Benfica.

Vilanova tem alguns problemas para a partida de domingo. Primeiro no meio-campo, com o brasileiro naturalizado espanhol, Thiago Alcântara, que lesionou o joelho e deverá ficar um bom tempo fora de combate. Já o outro problema está na defesa, onde Puyol e Piqué estão contundidos, fazendo com que a zaga seja formada por Mascherano e Song, dois volantes. Porém, esses problemas são totalmente contornáveis se compararmos com os que andam acontecendo nos lados de Madrid.

Depois da “tristeza” de Cristiano Ronaldo e da indefinição do futuro de Kaká, eis que surge a notícia de que, na partida contra o La Coruña, o defensor Sérgio Ramos jogou com a camisa 10, de Özil, debaixo do seu uniforme para dar apoio ao alemão, que havia sido substituído por José Mourinho. No momento, fala-se mais do clima tenso entre jogador e técnico do que do grande clássico.

Além disso, o Real Madrid está numa preocupante 6ª colocação, com 10 pontos. Uma eventual derrota para o Barcelona o deixaria onze pontos atrás do rival e tornaria a conquista do título quase impossível, mesmo se tratando de início de temporada. Para tentar evitar essa cena, Mourinho talvez lance a campo o brasileiro Kaká, que teve boa atuação diante do Ajax e pode figurar entre os titulares.

Cafézinho pra assistir ao jogo?

De um lado, uma Inter de nova cara, agora treinada por Andrea Stramaccioni, do outro, um Milan enfraquecido e que ocupa a parte debaixo da tabela do Campeonato Italiano. Essa será a formatação do Derby della Madonnina.

A Inter vem conquistando bons resultados e com seus 12 pontos, sonha com um tropeço da líder Juventus para poder encostar no topo da tabela. A característica do time de Stramaccioni está no encaixe que a Inter faz com o adversário, tentando fazer com que seu esquema anule o do oponente, opção que, por enquanto, tem dado certo.

Uma das novidades do clássico deverá ser Rodrigo Palacio. O atacante argentino estava lesionado, mas já voltou a treinar com o grupo na segunda-feira e até foi poupado no confronto da Liga Europa, contra o Neftçi, visando o clássico.

Wesley Sneijder tinha tudo para disputar o clássico, mas o holandês está lesionado e ficará fazendo tratamento, se ausentando da partida

Se a Inter sonha em encostar nos líderes, o Milan pretende sair da parte inferior da classificação. Os Rossoneros conquistaram apenas 7 pontos e no momento, ocupam a 11ª colocação. Além disso, na UEFA Champions League, os comandados de Massimo Allegri, mesmo invictos, ‘penaram’ para derrotar o Zenit no último meio de semana.

O brasileiro Alexandre Pato voltou a treinar e pode ser escalado no domingo. O tempo que ele aguentará, só Deus sabe. Façam suas apostas!

A partida do domingo também deverá marcar o reencontro de Pazzini e Cassano com seus ex-clubes. O primeiro era interista, enquanto o segundo defendia o time milanista, hoje, atuam nos lados contrários. Não se surpreendam caso um dos dois decida a peleja.

O clima esquentou entre Fournier e Ravanelli em 1998

Historicamente, talvez seja um exagero chamar o duelo Marseille x PSG como o maior clássico da França, mas nos últimos anos, é sim o grande confronto do país. Partidas marcantes, finais de campeonato, confusões… É isso que podemos esperar no próximo domingo.

O clássico promete porque o Marseille teve seu intenso ritmo quebrado na última rodada, enquanto o PSG vai se afirmando como grande favorito ao título. Quem vencer termina a rodada no ponto mais alto da tabela de classificação.

Antes do confronto contra o Valenciennes, na 7ª rodada, o Marseille tinha 100% de aproveitamento, seis vitórias em seis jogos. Nunca em sua história havia conseguido tal feito. Porém, o jogo diante do VAFC proporcionou uma dura queda, com uma goleada por 4×1.

Fica a dúvida do quão pesado será o valor desse tropeço. Na última temporada, o OM ficou invicto de novembro/2010 até fevereiro/2011, mas após perder o primeiro jogo, ficou até maio sem vencer. O elenco atual é praticamente o mesmo da temporada anterior e cabe ao novo técnico, Élie Baup fazer um trabalho psicológico melhor do que foi feito por Didier Deschamps.

Já o Paris Saint-Germain é uma das três equipes invictas na Ligue 1 – Lorient e Bordeaux são as outras duas – e já acumula cinco vitórias seguidas. Como ponto positivo da vitória sobre o Sochaux, por 2×0, foi participação discreta de Ibrahimovic. E onde há positividade nisso? Simples. Ficou provado, ao menos parcialmente, de que a dependência do sueco não é tão grande assim.

Para este clássico do primeiro turno, fica a lembrança do jogo da última temporada, onde o Marseille recebeu o novo milionário e badalado PSG e nem tomou conhecimento, ao vencer por 3×0, com show de Loic Rémy. Será que a história irá se repetir?

Fener e Besiktas mostra bem como é quente o futebol turco

Além das empolgantes torcidas, parte da minha admiração pelo futebol turco vem destes clássicos. Neste domingo, teremos mais um Fenerbahçe x Beşiktaş, o 333º encontro das duas equipes em toda a história. O Fenerbahçe é da parte asiática da cidade de Instanbul, enquanto o Beşiktaş fica na parte europeia da cidade, ou seja, ainda há uma questão cultural que envolve o clássico.

No confronto do próximo domingo, as duas equipes visam se aproximar do topo da tabela. Embora ocupem posições intermediárias – o Fenerbahçe é 6º e o Beşiktaş é 10º -, a distância de ambos para o líder, Galatasaray, é curta e para um início de temporada, completamente reversível.

Porém, o clima nos lados do Fener não é dos melhores. Com um elenco estelar – para o nível do Campeonato Turco -, o técnico Aykut Kocaman conseguiu arrumar confusão com um dos jogadores mais antigos do elenco: Alex. O brasileiro foi afastado e os indícios dão conta de ciúmes do comandante, que também jogou no clube e hoje vê Alex batendo seus recordes.

Além desse problema interno, o Fenerbahçe tenta se livrar da sina dos empates. Em seis jogos pelo Campeonato Turco, foram três partidas com placares iguais, sendo dois zerados. Para completar a sina ruim, o time de Kocaman vem de uma derrota para o Kasimpaşa, 2×0, completando dois jogos sem vitória no torneio nacional.

A primeira reação do time após essa polêmica foi boa e veio à vitória sobre o Borussia Mönchengladbach, na Alemanha, pela UEFA Europa League. O brasileiro Cristian Baroni, que chegou a dizer que estava triste com a saída do amigo Alex, fez dois gols na partida contra os germânicos.

Nos lados do Beşiktaş, as coisas andam mais tranquilas, mesmo com a decepcionante 10ª colocação. Ainda assim, começam a pesar as críticas em cima do técnico Samet Aybaba, que acostumado a treinar times menores na Turquia, agora terá de se virar com um elenco mais ‘cascudo’.

O Beşiktaş vem de duas derrotas seguidas, uma para o Gaziantepspor, que ‘namora’ com a zona de rebaixamento, e outra jogando em casa, diante do Sivasspor, em um confronto direto. Fatalmente, o time de Aybaba ocuparia a atual posição do então adversário – 4º lugar – se vencesse aquele jogo.

A outra missão do Beşiktaş será quebrar a série de nove jogos sem vencer o Fenerbahçe como visitante. O último triunfo foi na final da Copa da Turquia de 2006, 3×2 na prorrogação, no estádio İzmir Atatürk – a última vitória no Şükrü Saracoğlu foi em 2005. Desde então, foram três empates e seis derrotas, sendo duas vitórias seguidas nos últimos duelos.

Spartak x CSKA na luta para desbancar o bicampeão (e mal colocado) Zenit

Também teremos clássico na Rússia neste dia 7: Spartak x CSKA, o derby moscovita que movimentará a 11ª rodada do Campeonato Russo.

O Spartak, time da classe trabalhadora na origem soviética do clássico, visa encostar no próprio CSKA com uma vitória. A equipe de Unai Emery ocupa a 4ª colocação com 19 pontos e caso vença a partida, empata em pontos com a equipe rival, que no momento, se posiciona em 2º.

No Campeonato Russo, o Spartak vem de uma sequência de três jogos invictos, contabilizando um empate e duas vitórias. A principal aposta da equipe é o nigeriano Emmanuel Emenike, autor de quatro gols no campeonato. Além disso, o atacante deixou duas vezes sua marca na derrota diante do Celtic na Champions League.

A grande ausência será Rômulo. O brasileiro já estava se fixando no meio-campo do time ao lado de Källström e do compatriota Rafael Carioca. O ex-jogador do Vasco se lesionou e ficará alguns meses no estaleiro, fazendo com que o holandês De Zeeuw assuma a titularidade.

Já o CSKA, time dos militares na origem do clássico, chega com uma pequena dor de cabeça. Após seis vitórias seguidas, o time do experiente Leonid Slutsky foi derrotado em outro clássico moscovita, contra o Dínamo e acabou perdendo a liderança do campeonato para o Anzhi de Samuel Eto’o.

Por não disputar nenhuma competição europeia, o CSKA acabou investindo pouco para esta temporada, por isso o time é basicamente o mesmo de anos anteriores, com o acréscimo de muitos garotos. Um deles é o nigeriano Ahmed Musa, de 19 anos e que já tem três gols na temporada. Georgi Schennikov e Ravil Netfulin, ambos abaixo dos 22 anos, também estão recebendo suas oportunidades no time principal.

Embora esses garotos tenham seus papeis de destaque, o protagonismo do time ainda está a cargo dos ‘experientes’ Dzagoev e Honda, de 22 e 26 anos, respectivamente. A dupla anotou 7 dos 16 gols marcados pela equipe no Campeonato Russo.

O Porto em festa, o Sporting em crise. Promessa de clássico nervoso em Portugal

Domingo também é dia de clássico português, com certeza! O Porto, atual campeão de Portugal, irá enfrentar o Sporting Lisboa, clube que está em uma fila de dez anos sem conquistas do principal campeonato do país.

Os dois times vivem momentos opostos no torneio. Os Dragões dividem a ponta com o Benfica, ambos com 11 pontos e invictos, enquanto os Leões ocupam a indigesta 8ª colocação com seis pontos e apenas uma vitória.

Além de não ter sido batido em terras nacionais, o Porto chega com o moral alto, pois no complicado duelo diante do Paris Saint-Germain, pela UEFA Champions League, a equipe de Vítor Pereira venceu por 1×0 e manteve os 100% no torneio.

Outro ponto a se destacar deste confronto diante do time francês é que o Porto saiu com seus jogadores ilesos do embate. Embora fosse uma partida difícil e que exigisse demais dos atletas, nenhum saiu lesionado, propiciando ao técnico Vítor Pereira, as melhores escolhas para o clássico.

Já o Sporting vive situação dramática. O técnico Ricardo Sá Pinto, de tão pressionado, acabou sendo demitido às vésperas da partida. O treino desta sexta já foi cancelado e Oceano, treinador do time B do Sporting, comandará a equipe no clássico do domingo.

O fato de ter somente uma vitória no campeonato está incomodando tanto, que o presidente do clube, Godinho Lopes, pediu desculpas a todos os torcedores após a humilhante derrota por 3×0 diante do Videoton da Hungria. Além deste tropeço, o Sporting já havia empatado com o Basel em sua estreia na UEFA Europa League.

Caso consiga quebrar a série negativa na competição, o Sporting irá se igualar ao Porto no histórico do clássico com 77 vitórias cada.

Standard e Anderlecht é um dos grandes clássicos belgas

Clássico dos opostos em Portugal… Clássico dos opostos na Bélgica.

O Standard Liège, terceiro maior campeão do país, vem de quatro derrotas consecutivas no Campeonato Belga e no momento, ocupa a 12ª colocação com dez pontos, quatro a mais que o Waasland-Beveren, primeiro time dentro da zona de rebaixamento. Enquanto isso, o Anderlecht, principal equipe e maior campeão da Bélgica, está uma posição atrás do líder Club Brugge, com dois pontos de desvantagem.

Assim como outros clássicos mencionados, existem fortes marcas culturais. O Anderlecht, da capital Bruxelas, é considerado o time dos burgueses, enquanto o Standard seria o proletariado. Também seguindo exemplo de Real Madrid x Barcelona, o encontro entre Anderlecht x Standard é chamado de “O Clássico”.

Mesmo com esse peso dado ao confronto, o valor histórico dos roxos acaba pesando mais, por isso, lideram o confronto com 83 vitórias contra 54 do Standard. Além disso, já são quatro jogos de invencibilidade do Anderlecht, contabilizando três vitórias, um empate, dez gols marcados e somente um sofrido. O último triunfo do time de Liège foi em maio de 2011, pelos playoffs do Campeonato Belga, 2×1.

Para o confronto do próximo domingo, o técnico Ron Jans depositará suas esperanças em uma dupla estrangeira: no uruguaio Ignacio González e no nigeriano Imoh Ezekiel. 9 dos 18 gols marcados pelo Standard no Campeonato Belga foram da dupla.

Em contrapartida, o Anderlecht é uma das três equipes invictas do torneio, porém, uma das que mais empatou, quatro vezes. Fica o alento de o time vir de duas vitórias seguidas, com Mbokani, artilheiro da equipe, começando a decolar, marcando três dos seis gols marcados nos últimos jogos. O atacante congolês já balançou as redes seis vezes e é o vice-goleador do campeonato, se tornando assim, a grande esperança de gols do Anderlecht.