Exclusivo: Girotto enaltece trabalho de Ranieri: “procuro aprender todo dia”

Andrei Girotto foi contratado nesta temporada | Foto: FC Nantes

Blumenau, Belo Horizonte, São Paulo, Kyoto, Chapecó e agora Nantes. O roteiro da carreira de Andrei Girotto é um tanto quanto incomum. Circulou por clubes de pequeno e médio porte, teve chances em grandes centros, fez gols importantes (palmeirenses que me digam) e agora tem a grande chance da carreira no futebol europeu.

Desde agosto deste ano, o meio-campista de 26 anos veste a camisa do Nantes, equipe oito vezes campeã francesa. Nesta temporada, os Canários são uma das atrações da Ligue 1, já que são comandados pelo italiano Claudio Ranieri, campeão inglês da temporada 2015/16 com o modesto Leicester City. É o primeiro clube que comanda desde a saída do time britânico.

O início de temporada tem sido promissor e a equipe ocupa a 4ª colocação, com 16 pontos. Girotto, titular em cinco jogos, já marcou um golaço, na vitória por 1 a 0, sobre o Caen.

No momento, o Nantes estaria voltando a disputar um torneio europeu, fato que não ocorre desde a temporada 2004/05. Engana-se quem pensa que isso é um sonho. Em entrevista exclusiva ao Europa Football, Girotto confirmou que o objetivo é buscar uma dessas vagas internacionais e enalteceu o trabalho de Ranieri. “Busco sempre estar atento ao que ele fala para ir aprendendo com o tempo”, afirmou o camisa 20 do Nantes.

Confira abaixo como foi o bate papo com o meio-campista brasileiro:

Europa Football: Você estava bem na Chapecoense e acabou se transferindo para a Europa. Como foi que o Nantes entrou na tua carreira? Foi uma decisão difícil?

Andrei Girotto: Foi uma decisão muito complicada, pois eu estava num ótimo momento na Chapecoense, feliz no clube e na cidade, quando chegou a proposta do Nantes. Porém, sempre tive o sonho de jogar no futebol europeu e o Nantes é um grande clube e tem grandes ambições na temporada. Além disso, o futebol francês tem uma visibilidade muito grande e isso tudo fez com que eu aceitasse a proposta para jogar na França.

Chegasse já com a temporada andando. Como isso influenciou na sua adaptação?

Cheguei aqui após as duas primeiras rodadas do Campeonato Francês, então precisei tentar me adaptar o mais rápido possível. O elenco possui alguns brasileiros e eles me ajudaram muito no dia-a-dia para me sentir o mais à vontade. É claro que a adaptação completa leva tempo, mas no decorrer dos dias a gente vai se sentindo mais em casa e as coisas evoluem naturalmente.

O Nantes tem Lima e Diego Carlos, ambos também brasileiros. Como foi a recepção dos dois?

A recepção deles foi muito boa, e me ajudaram muito no meu começo aqui no Nantes. Acho importante essa parceria para que as coisas aconteçam da melhor forma possível e estou muito feliz por esse companheirismo.

Lima (esq.) é um dos brasileiros do elenco | Foto: FC Nantes

A Ligue 1 é um campeonato mais pegado que alguns outros, e você já recebeu três cartões amarelos em seis jogos. Isso tem relação ou os cartões foram questões casuais, de jogo mesmo?

O futebol na França realmente é mais pegado, mas os cartões que tomei, dois deles, pelo menos, eu contesto até agora. Um, a falta não existiu; o outro, foi numa dividida normal de jogo, onde o adversário e eu buscamos pegar a bola. Mas são coisas que acontecem, fazem parte do jogo, e o importante é não receber muitos cartões para não desfalcar a equipe.

O que tem aprendido com Claudio Ranieri? Como ele se comporta com os jogadores?

É um grande treinador e eu procuro aprender todo dia com ele. Muitos jogadores tem a vontade de estar com ele, pois é um cara que tem uma ótima relação com todo mundo e busco sempre estar atento ao que ele fala para ir aprendendo com o tempo.

Nantes começou muito bem a Ligue 1, ocupando as primeiras colocações. Até onde vai o fôlego do time? Dá para pensar em vaga em torneio internacional?

Começamos muito bem, com uma ótima sequência de vitórias, e pretendemos continuar assim até o fim do campeonato. Sabemos que é um torneio muito difícil, com grandes equipes, mas vamos pensando jogo a jogo para conseguir pontos importantes, que nos credenciem a, no final do torneio, ocupar as primeiras posições, buscando vaga nos torneios internacionais.

No que você entende que precisa melhorar?

Eu me adaptei muito bem ao estilo de jogo que o treinador gosta de colocar em prática. Acho que o ritmo de jogo daqui é diferente em relação ao Brasil, então, isso é algo que, com o tempo, a gente vai aperfeiçoando.

A torcida do Nantes é reconhecidamente fanática. Qual sua primeira impressão dos torcedores e também do estádio Le Beaujoire, do ambiente criado nos jogos?

A torcida é fantástica e o ambiente no estádio é o melhor possível. Eles são muito fanáticos, não param de apoiar um minuto sequer e para quem está ali no campo é muito importante sentir esse carinho e essa vibração. Fiquei muito feliz com a recepção que eles me deram aqui no Nantes e procuro devolver esse carinho dentro de campo.

Anúncios

Le Podcast du Foot #65 | Os novos técnicos da Ligue 1

A temporada 2017/18 do Campeonato Francês promete ser interessante nas casamatas dos 20 times participantes. Isso porque alguns clubes optaram por trazer novos treinadores e apostaram em nomes que prometem mudar o cenário do torneio.

O nome mais chamativo é o de Marcelo Bielsa (foto). Referendado técnico, tido como exemplo para muitos treinadores, como Pep Guardiola, o argentino retorna à França após dois anos para comandar o Lille.

Outros times que apostam em novos técnicos são Saint-Étienne e Nantes. Os Verdes trouxeram Óscar García, ex-Red Bull Salzburg, e os Canários apostam no italiano Cláudio Ranieri, campeão inglês com o Leicester City na temporada 2015/16.

Esse novo cartel de treinadores da Ligue 1 foi tema de debate em Le Podcast du Foot #65. Eduardo Madeira, Filipe Papini e Renato Gomes discutiram o assunto na nova edição do programa.

Ouça abaixo e deixe sua opinião abaixo!

Qual a origem dos nomes dos estádios franceses? (Parte II)

Na última semana, você conferiu no Europa Football a primeira parte do especial que trouxe a origem de dez nomes de estádios dos clubes do Campeonato Francês. Por uma grata surpresa, o post teve ótima repercussão, inclusive, sendo destaque no Trivela.

Mas passado o Carnaval e todo o feriadão, retorno com a parte final e explicando os últimos dez nomes. Lembrando que junto, a nomenclatura dos estádios, está a localização no Google Maps, para que vocês possam ver mais e conhecer a casa de cada equipe francesa. Vamos a eles:

  • Metz

Estádio Saint-Symphorien – inaugurado em 1923 – capacidade para 25.636 pessoas

Construído no início dos anos 20, o estádio Saint-Symphorien foi inaugurado em 1923, mas o desmoronamento de uma parte do telhado fez com que passasse por longa reforma até ser reinaugurado, de forma definitiva, em 1932. Essa reforma foi concluída exatamente na época em que o clube mandante mudava de nome de Club Atlético de Metz para FC Metz, o que segue até hoje. O estádio possui esse nome por estar situado no Boulevard Saint-Symphorien.

  • Monaco

Estádio Louis II – inaugurado em 1985 – capacidade para 18.523 pessoas

O novo estádio Louis II foi construído em 1985 | Foto: Divulgação/AS Monaco

O novo estádio Louis II foi construído em 1985 | Foto: Divulgação/AS Monaco

A casa atual do Monaco foi inaugurada em janeiro de 1985, sendo obra idealizada pelo príncipe Rainier III. O Louis II foi construído no distrito de Fontvielle, no lugar do estádio que tinha o mesmo nome. O local, que homenageava o príncipe Louis II, recebeu partidas do time monegasco de 1939 até 1985. Antes disso tudo, o ASM atuava no estádio Moneghetti, no bairro de mesmo nome, entre 1924 e 1939.

  • Montpellier

Estádio de la Mosson e do Mundial 98 – inaugurado em 1972 – capacidade para 32.900 pessoas

O primeiro clube a utilizar o estádio de La Mosson foi o AS Pallaide, clube que disputava torneios distritais em Montpellier. Com a fusão do clube com o Montpellier Litoral SC, (que jogava no estádio Richter), surgiu o Montpellier HSC, que passou a utiliza-lo em 1974. O estádio leva esse nome por estar próximo ao Rio Mosson. Já a referência a Copa do Mundo de 1998, disputada na França, foi feita pela escolha do estádio para sediar jogos da competição, o que fez com que fosse ampliada sua capacidade para 35 mil pessoas.

Os outros dois estádios em que o MHSC mandou jogos também possuem nomes fáceis de explicar. O primeiro foi o Parque de Esportes da Avenida da Ponte Juvenal, entre 1923 e 1967, que leva a mesma nomenclatura da localização, enquanto o estádio Richter, utilizado entre 1968 e 1974, também faz referência a sua localização.

  • Nancy

Estádio Marcel Picot – inaugurado em 1926 – capacidade para 20.087 pessoas

Chamado inicialmente de Parque de Esportes de Essey, a casa do Nancy foi oficialmente aberta em 8 de agosto de 1926. No começo, o estádio foi utilizado pela escola universitária local e pelo FC Nancy (clube que existiu entre 1901 e 1968). Com o surgimento do AS Nancy, em 1967, o local foi rebatizado no ano seguinte como estádio Marcel Picot.  Ele foi um empreiteiro que dedicou boa parte da vida ao FC Nancy e auxiliou no desenvolvimento do estádio. Por ter falecido em 1967, teve nome estampado na casa dos Vermelhos e Brancos em 1968, como forma de homenagem.

  • Nantes

Estádio de la Beaujoire-Louis Fonteneau – inaugurado em 1984 – capacidade para 37.473 pessoas

O caldeirão da Beaujoire é uma das armas do Nantes | Foto: Divulgação/Nantes

O caldeirão da Beaujoire é uma das armas do Nantes | Foto: Divulgação/Nantes

Um dos maiores caldeirões do futebol francês, La Beaujoire faz referência ao bairro do mesmo nome, em Nantes. Sua construção foi feita em razão da disputa da Eurocopa de 1984. Já o nome de Louis Fonteneau homenageia o presidente do clube entre 1969 e 1986. Ele foi um dos grandes idealizadores do projeto da construção do estádio a partir dos anos 70. Como morreu em 1989, o local foi rebatizado no mesmo ano.

Antes da nova casa, os Canários jogaram em alguns estádios: Saint-Pierre, Contrie e Procé. Após a II Grande Guerra, o Nantes passou a utilizar o estádio Marcel Saupin, que resistiu até a chegada de la Beaujoire. Atualmente, já houve uma parte demolida e o time reserva do time amarelo atua por lá.

  • Nice

Allianz Riviera – inaugurado em 2013 – capacidade para 35.624 pessoas

Assim como ocorre com muitas arenas mundo afora, o novo estádio do Nice, construído visando a Eurocopa de 2016, possui o naming rights da Allianz e a referência da região da Riviera. Entretanto, tivemos muitas reviravoltas até a concretização, isso porque, em 2010, o estádio se chamaria Olímpico de Nice. Em 2012, houve o acerto com a seguradora alemã, que pagará € 1,8 milhões por ano durante nove temporadas.

Antes da moderna arena, o Nice mandou jogos no estádio do Ray entre 1927 e 2013. O nome original deste estádio é Léo Lagrange, um secretário de estado de esportes, mas se tornou popular pelo nome do distrito onde está localizado.

  • Paris Saint-Germain

Estádio Parque dos Príncipes – inaugurado em 1897 – capacidade para 48.583 pessoas

Um dos maiores e mais antigos estádios da França, o Parque dos Príncipes recebeu este nome por causa da família real francesa, que utilizava o local de recreação e caça nos séculos XVIII e XIX. O estádio foi inaugurado, originalmente, para abrigar provas de ciclismo e o PSG passou a utilizar o parque em julho de 1974.

Antes da fusão do Paris FC e do Stade Saint-Germain, o clube mandava seus jogos no estádio municipal Georges-Lefévre. Atualmente, os times de base do PSG atuam ali e o clube se comprometeu a renovar o estádio.

  • Rennes

Estádio Parque Roazhon – inaugurado em 1912 – capacidade para 29.778 pessoas

O nome do estádio do Rennes sempre foi razão de polêmica. Tradicionalmente, o local era conhecido como Rota para Lorient, pela sua localização. Porém, durante vários anos, houve quem sugerisse uma mudança, incluindo naming rights ou homenagens a grandes ídolos da história do clube. Finalmente, em 2015, o presidente René Ruello realizou um referendo, que aprovou a mudança do nome para Parque Roazhon com 70% dos votos. Roazhon, para entendermos, significa Rennes em bretão, que é a linguagem local.

  • Saint-Étienne

Estádio Geoffroy-Guichard – inaugurado em 1931 – capacidade para 41.965 pessoas

Conhecido como “Caldeirão Verde”, o Geoffroy-Guichard vem sendo casa do Saint-Étienne desde sua profissionalização | Foto: Divulgação/ASSE

Conhecido como “Caldeirão Verde”, o Geoffroy-Guichard vem sendo casa do Saint-Étienne desde sua profissionalização | Foto: Divulgação/ASSE

O caldeirão verde do Saint-Étienne foi construído nos anos 30 e recebeu o nome do empresário Geoffroy Guichard. Ele foi um dos fundadores de clube e o terreno onde o estádio foi construído era de propriedade de uma de suas empresas. O estádio Geoffrey-Guichard acompanhou o ASSE durante todo o seu percurso profissional, a partir de 1933.

  • Toulouse

Estádio de Toulouse – inaugurado em 1937 – capacidade para 33.150 pessoas

Bom, a origem do estádio do TFC não tem muito segredo, até por ser um estádio que leva o nome da cidade onde está localizado. Conhecido como “pequeno Wembley”, o local era a casa do primeiro Toulouse FC entre 1937 e 1967 e depois do atual Toulouse (que apesar do mesmo nome e cidade, curiosamente, não tem relação alguma com o clube anterior), a partir de 1970.

Le Podcast du Foot #50

Foto: PSG - Não foi desta vez que Ibrahimovic marcou

Foto: PSG – Não foi desta vez que Ibrahimovic marcou

O Campeonato Francês segue aberto. No duelo mais aguardado da temporada, Paris Saint-Germain e Monaco ficaram no empate por 1-1 e a distância entre os times permanece em cinco pontos, com os parisienses no topo da tabela.

>> Confira a classificação do Campeonato Francês;

Como não poderia deixar de ser, o confronto entre os líderes do campeonato foi o principal destaque de Le Podcast du Foot desta semana, que chegou a 50ª edição. Assim como nas semanas anteriores, a dupla Eduardo Madeira e Flávio Botelho foi responsável pelo andamento do programa, com as análises e opiniões a respeito do clássico.

O podcast também não deixou passar em branco as apresentações de Marseille, Lille e Lyon, que também foram marcantes na rodada.

Quer ouvir? É só clicar no player abaixo!

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Ouça também no MixCloud

Le Podcast du Foot #47

Foto: PSG.fr - Ibrahimovic fez dois gols na goleada do PSG sobre o Nantes

Foto: PSG.fr – Ibrahimovic fez dois gols na goleada do PSG sobre o Nantes

Saiba tudo da 21ª rodada do Campeonato Francês escutando a edição #47 de Le Podcast du Foot. Nesta semana, Eduardo Madeira apresentou, e teve a companhia dos comentaristas Flávio Botelho e Vinícius Ramos.

>> Confira a classificação da Ligue 1;

O trio falou da fase ruim do Lille, que voltou a perder e já acumula três tropeços consecutivos. Será que acabou o fôlego dos Dogues? Botelho e Ramos opinaram.

E o Monaco, diferente do Lille, venceu e segue à caça do PSG. Mas será que os monegascos estão agradando a galera do podcast?

Esta dúvida não existe quanto ao Paris Saint-Germain. Líder disparado do campeonato, o time da capital goleou o Nantes e vem arrancando elogios da imprensa francesa e também do trio brasileiro que compõe LPDF.

Quer saber dessas e outras análises? É só ouvir!

CLIQUE AQUI E OUÇA NO MIXCLOUD

CLIQUE AQUI E OUÇA NO UOL MAIS

Retificação: no período em que gravamos o programa, a LFP ainda não havia definido a data de Marseille x Valenciennes. Porém, terça-feira pela manhã saiu a nova data: dia 29, às 16h (Horário de Brasília);

Le Podcast du Foot #45 – Balanço do turno

Mavuba foi um dos personagens da última rodada da Ligue 1

Mavuba foi um dos personagens da última rodada da Ligue 1

O primeiro turno do Campeonato Francês foi encerrado no último domingo. Para também fechar o ano da melhor maneira possível, Le Podcast du Foot é reproduzido mais uma vez para trazer tudo que aconteceu no primeiro turno.

>> Confira a classificação do Campeonato Francês;

Nesta edição, Eduardo Madeira apresentou, e teve a companhia dos comentaristas Eduardo Ramos de Medeiros e Flávio Botelho. Com eles, você saberá de tudo que aconteceu no turno inicial da Ligue 1.

O trio responsável pela apresentação da 45ª edição do podcast também participou da votação da seleção do primeiro turno feita pela equipe do programa. Confira abaixo os escolhidos e, em seguida, escute o material preparado:

Seleção do turno

Clique aqui e ouça no Uol Mais

Clique aqui e ouça no MixCloud

Imagens: Reprodução e Football User

 

Le Podcast du Foot #43

Ibrahimovic fez dois gols e deu duas assistências

Ibrahimovic fez dois gols e deu duas assistências

Participando de quatro dos cinco gols do Paris Saint-Germain na goleada por 5-0 sobre o Sochaux, o sueco Zlatan Ibrahimovic foi o grande nome da 17ª rodada do Campeonato Francês. Essa participação do camisa 10 ajudou a colocar os parisienses no topo do campeonato com 40 pontos, dois de vantagem pro Monaco.

A luta pela vice-liderança também está em bom ritmo na Ligue 1. Os monegascos venceram o Ajaccio pelo marcador mínimo e deixaram o Lille para trás. Os Dogues tropeçaram diante do Bordeaux depois de 11 jogos sem sofrer gols e três vitórias consecutivas.

Além disso, esteve em destaque na rodada a nova derrota do Olympique de Marseille que resultou na demissão de Élie Baup. O tropeço da vez foi diante do Nantes.

Esses assuntos e outros que foram relevantes para a rodada estiveram na pauta da 43ª edição de Le Podcast du Foot. Nesta semana, Eduardo Madeira apresentou e a dupla encarregada de fazer os comentários foi Flávio Botelho e Vinícius Ramos.

Ouça o programa no MixCloud:

Faça o download do podcast:

*Imagem: PSG.fr