Renovação eficaz

Desde 2006, a palavra mais vezes dita envolvendo a Seleção Brasileira é “renovação”. Mas de todos esses anos, a palavra foi só dita mesmo, porque foi pouco aplicada. Não à toa, na ausência de Paulo Henrique Ganso, o técnico do Brasil, Mano Menezes, se viu obrigado a ressucitar Ronaldinho Gaúcho para a equipe ter um pouco de cadência no meio-campo. Isso pode ter acontecido por falta de peças ou por puro e simples medo de ver as derrotas e não saber compreender que derrotas fazem parte do processo de amadurecimento de um jovem elenco.

Mas o fato é que já fazem mais de 5 anos que a Copa de 2006 acabou e a renovação da Seleção Brasileira tem sido muito lenta. O contrário deve ser dito da França.

França se renovando após vexame em terras africanas (AFP)

O time que entrou em campo na última terça feira para pegar a Bósnia no decisivo jogo que valia vaga direta na Eurocopa tinha média de idade de 26,4 anos de idade. Não chega a ser uma média muito baixa, mas alta não é!

A França deverá levar basicamente o time que enfrentou a Bósnia para a Eurocopa – mais Benzema e Ribéry – e daí não custará lembrar que a média de idade da Seleção Brasileira na Copa América e nos amistosos seguintes foi de quase 28 anos.

Tá certo que na boa atuação do Brasil contra o México a média de idade era mais baixa, mas isso acontece com mais de um ano de um novo trabalho.

Enquanto isso, Laurent Blanc já está na Seleção Francesa praticamente na mesma quantidade de tempo de Mano Menezes e já está com mais de 15 jogos sem derrota. A última vez que a França terminou o 2º tempo atrás no marcador foi no dia 3 de setembro de 2010, quando perdeu em casa para a Bielorrússia por 1×0. De lá para cá, foram 17 jogos (9 da Euro e 8 amistosos) com 12 vitórias e 5 empates.

É um claro sinal de que a renovação está sendo feita e está sendo bem feita, o que é um ótimo sinal. Mas quem viu os últimos jogos dos Bleus ficou com a sensação de que faltava algo. O time ciscava, ciscava e ciscava mas não conseguia criar. Há quem defende a tese de que “a França sente falta de Zidane e desde que ele saiu, o time virou um nada”. Não é pra tanto. É claro que Zizou foi um mestre, mas se formos levar por esse lado, só a Argentina com Messi não sente falta de nada no mundo inteiro.

Para este blogueiro, faltava uma referência. Não uma referência no ataque, o famoso centro-avante, mas sim uma referência dentro de campo, um cara que botasse a bola debaixo do braço e mostrasse quem mandava no time. O jogo contra a Bósnia mostrou isso muito bem. Os Bleus começaram sendo pressionados e mal passavam de seu campo defensivo. Ou seja, ali já faltava um cara um pouquinho mais cerebral, que recuasse um pouco pra desafogar o time. Na etapa final, já com o 0-1 contra, a França foi pro ataque e contou com o precipitado recuo bósnio para aumentar sua força ofensiva, mas com o citado acima, “cisca, cisca, cisca” e nada. Até que num erro do zagueiro Spahic, o suspiro de “responsabilidade” apareceu. Nasri brigou até o fim e sofreu o pênalti. Logo, o meio-campista do Manchester City saiu correndo para pegar a bola e cobrar a penalidade. Ele converteu e classificou a França diretamente para a Euro.

Vai chamar a 'responsa', Nasri? (EQ)

Foi um ato pequeno, mas que já mostra que Nasri pode vir a ser esse homem que chamará a responsabilidade e recolocará a França em seu verdadeiro lugar. Agora basta ele tomar atitudes como essa com a bola rolando, seja pedindo jogo, buscando a bola ou soltando um canudo do nada pra mostrar vontade. Nasri pode ser o “cara” do time.

Eu ainda acho que Franck Ribéry é mais jogador que Nasri – aliás, muito mais jogador – mas o meia do Bayern se contunde muito. Por exemplo, ele desfalcou a França nas últimas partidas da Euro, justamente neste estágio de temporada, onde ele começou voando pelo Bayern e tem sido o melhor jogador da Bundesliga.

Mas voltando ao papo da renovação, é certo que a França no momento pensa à curto prazo, em outras palavras, pensa na Euro 2012. Até por isso, contar com jogadores mais rodados como Abidal e Evrá torna-se indispensável, mas será que durarão até a Copa do Mundo de 2014?

Na Ligue 1, sempre surge um zagueiro de bom nível, enquanto pra lateral-esquerda, Blanc tem opções como Mathieu, que tem feito boas temporadas pelo Valencia.

Blanc ainda encontra o "cara" do time (EQ)

Cabe ao ex-técnico do Bordeaux saber administrar e perceber quando é atraso e quando é necessidade convocar esses jogadores mais experientes. Mas talvéz Blanc ainda nem esteja pensando nisso…

A Euro vem aí e mesmo com essa série invicta, a França não enche os olhos com o seu bom futebol e sempre se vê prejudicada por lesões de seus principais jogadores. Les Bleus não são favoritos ao título, mas com ajustes aqui e acolá, podem ser zebras. Material humano Blanc tem, agora basta que ele faça desse material um produto de qualidade e comprove que sua renovação tem sido bem feita.

Curtas da Euro 2012

>> Rússia, França, Suécia, Grécia e Dinamarca conquistaram na terça-feira os resultados que precisavam e se juntaram a Polônia e Ucrânia, países sede, e com os antecipadamente classificados, Alemanha, Itália, Holanda, Inglaterra e Espanha como classificados para a fase final da Euro;

>> Turquia, Irlanda, Estônia, Bósnia, Croácia, Montenegro, Portugal e República Tcheca terminaram na segunda colocação de seus respectivos grupos e terão de disputar a repescagem;

>> No pote 1 estão: Croácia, Portugal, Irlanda e República Tcheca. No pote 2, encontram-se: Turquia, Bósnia, Montenegro e Estônia;

>> Os jogos de ida serão nos dias 11 e 12 de novembro e os jogos de volta serão todos no dia 15 do mesmo mês;

>> Nesta quinta (8) será realizado o sorteio dos jogos;

Balanço da janela: Inglaterra

Dando sequencia as análises finais das contratações, chegamos ao local onde as negociações são mais intensas, a Premier League. Na liga mais milionária do mundo, todos querem entrar pra mostrar seu valor e quem já está lá, mas se deu mal, quer sempre uma segunda chance. Vamos as principais mexidas!

Kun Agüero foi a grande contratação do City

Fazendo jûs ao apelido de “novo rico”, o Manchester City foi a equipe que mais gastou na terra da rainha. Foram mais de 81 milhões de libras investidos em contratações. A mais cara foi a de Kun Agüero, 39,6 milhões de libras. Os Citizens também gastaram uma nota preta para tirar Samir Nasri do Arsenal. Foram 24 milhões investidos. Completam a lista de chegadas no clube azul de Manchester, Gael Clichy, Stefan Savic, Costel Pantilimon e Owen Hargreaves.

Na lista de dispensados do clube, estão jogadores como Jô, Given, Boateng, Wright-Philips, Bellamy, Santa Cruz e Adebayor, todos eles com rodagem no elenco azul. Desses todos, somente os dois últimos a serem citados saíram por empréstimo. A venda mais lucrativa foi a de Jêrome Boateng, onde o City conseguiu quase 12 milhões ao vendê-lo pro Bayern.

Os Citizens fizeram altos investimentos para continuarem com o ambicioso plano de tomar conta do futebol inglês. É um dos favoritos ao título inglês e se o time encaixar, pode fazer barulho na Uefa Champions League.

Outro time que também não economizou na hora das transferências foi o Chelsea. O time londrino gastou 75 milhões de euros e acabou dando uma renovada em seu elenco. O jogador mais caro foi Juan Mata, de 23 anos, contratado por 23 milhões de libras. Por 19 milhões, veio Lukaku, de 18 anos. Oriol Romeu, Ulises Dávila, Thibaut Courtois e o brasileiro Lucas Piazón, outros contratados dos Blues estão todos abaixo dos 21 anos. Apenas Raúl Meireles – contratado por 11 milhões de libras – está acima dessa margem. O português tem 28 anos.

A diretoria do Chelsea aproveitou para se desfazer de jogadores que estavam sem espaço ou que decepcionaram em sua passagem pela Inglaterra, como no caso de Yuri Zhirkov, que foi vendido pro Anzhi por 13 milhões de euros. Jogadores como Benayoun e Mancienne foram outros a mudar de ares.

De Gea, Jones e Young são os novos Red Devils

O Manchester United seguiu a receita do Chelsea e decidiu trazer alguns jovens valores para seu elenco, como David De Gea, de 20 anos e Phil Jones, de 19. Ashley Young, que não chega a ser um jovem, mas que também não é nenhum veterano, também se juntou aos Red Devils. A grande diferença das jovens contratações das duas equipes está justamente nos valores. Enquanto o Chelsea trouxe Lukaku por 19 milhões e Courtois por 7 milhões, o Manchester United fez com que não houvesse essa disparidade. De Gea veio por 17 milhões, Jones por 16 milhões e Young por 15 milhões.

Outra diferença das negociações entre as duas equipes inglesas está nas dispensas. O Chelsea trouxe jovens valores, mas mandou poucos veteranos embora, já o United deu essa renovada. Van der Sar e Scholes encerraram suas carreiras, enquanto John O’Shea, Wes Brown e Owen Hargreaves, todos com muitos anos no clube, acabaram mudando de ares.

O Manchester ainda “se livrou” de duas apostas que não deram certo: Gabriel Obertan e Bebé. O francês nunca repetiu suas boas atuações dos tempos de Bordeaux e seleções de base de seu país, enquanto o português, contratado do nada por Sir Alex Ferguson, mostrou que do nada veio, pro nada voltará. Obertan foi em definitivo pro Newcastle, enquanto Bebé foi por empréstimo pro Besiktas.

Aparentemente, não só pelos negócios, como também pelo começo de temporada, a renovação do Manchester United tem sido mais bem sucedida que a renovação do Chelsea.

O Liverpool aos poucos tenta se acertar e nessa última janela de transferências, gastou mais de 57 milhões de libras. Os Reds não chegaram a fazer grandes loucuras e se reforçaram mais com destaques da própria Premier League do que com estrelas de fora. Jordan Henderson – negócio mais caro do clube, 15 milhões – veio do Sunderland, Charlie Adam veio do Blackpool, Downing chegou do Aston Villa, Bellamy regressou ao Liverpool após algum tempo de Manchester City e José Enrique veio do Newcastle. Completam a lista de reforços dos Reds a revelação uruguaia, Coates e o goleiro brasileiro Doni.

Mas pode-se dizer que o grande reforço do Liverpool foram as saídas de muita gente que pouco acrescentou ao time em seu tempo por lá. Paul Konchesky foi pro Leicester por 1,4 milhões, N’Gog foi pro Bolton por 3 milhões, Jovanovic foi pro Anderlecht por 704 mil euros, enquanto Poulsen, Ínsua, Kyrgiakos, El Zhar e Degen saíram de graça. Aquilani e Cole, apostas furadas dos Reds foram por empréstimo para Milan e Lille, respectivamente.

O Liverpool se mexeu bem, mesmo não tendo feito loucuras. Foram contratações pensadas e boas, além das ótimas saídas, porque o ruim de ter esses malucos no banco de reservas, é que em alguma hora eles terão de entrar.

Será que se machucará pouco?

O Arsenal gastou bastante… mas não dá pra dizer que gastou bem. Dos 54 milhões de libras gastos pelos Gunners, o investimento mais caro foi no jovem de 18 anos, Oxlade-Chamberlain, 12 milhões. O clube londrino ainda gastou 10 milhões cada em Gervinho e Arteta. Per Mertesacker veio por 6 milhões. Curiosamente, Mertesacker e Arteta gostam de um departamento médico…

Carl Jenkinson, o brasileiro André Santos, Park Chu-Young e Benayoun completam a lista de contratados do Arsenal. Nada que deixe o torcedor Gunner ansioso por títulos…

Se o Arsenal “ganhou” pouco nas contratações, perdeu demais nas saídas. Por 25 milhões de euros, Fàbregas foi pro Barcelona, já Samir Nasri, por 24 milhões, foi pro Manchester City. A saída dos dois ocasionou uma dura queda no nível do time, que já não era dos mais altos… Clichy, Bendtner, Denílson, Eboué e Vela foram outros atletas com rodagem no time titular do Arsenal que deixaram o clube.

Que ergam as mãos os torcedores do Arsenal contentes com as mexidas no seu time!

BOLA DENTRO (CHEGADAS)

– Scott Parker, bom meio campista que estava no West Ham, chegou no Tottenham. Negócio bom e barato dos Spurs, que gastaram 4 milhões de libras;

Bryan Ruíz está a disposição de Martin Jol

– O Fulham trouxe dois jogadores interessantes para esta temporada: Bryan Ruíz, ex-Twente e Grygera, ex-Juventus. Os dois devem ajudar bastante;

– O Aston Villa foi outro que se mexeu bem. Trouxe do Wigan, Charles N’Zogbia, do Manchester City o experiente goleiro Shay Given e o meio campista Jermaine Jenas veio do Tottenham. Devem dar experiência ao jovem time do Villa;

– O West Brom trouxe de volta Zoltán Gera. Gosto do futebol do húngaro. Ele havia perdido espaço no Fulham, mas acredito que no WBA ele possa não só jogar mais partidas como ser decisivo;

– O Newcastle trouxe boas peças de reposição para os lugares de Carroll e Nolan. Vieram Demba Ba e Yohan Cabaye;

– O Stoke City se mexeu bem nessa janela. Trouxe o zagueiro Upson, que estava no West Ham e tem passagens pela seleção inglesa. Trouxe também o volante Palacios, além de Peter Crouch. Não havia time mais propício para Crouch jogar! Tinha de ser no time dos laterais malucos;

BOLA DENTRO (SAÍDAS)

– O Tottenham se livrou do fraco Alan Hutton, que foi pro Aston Villa. De quebra, ainda arranjou um time para Bentley, o West Ham. Pena pros Spurs que no caso de Bentley é só um empréstimo;

– Por empréstimo, o Aston Villa mandou para a Grécia o limitado Jean II Makoun. Ele ficará no Olympiacos;

– O West Bromwich conseguiu faturar quase 2 milhões de libras mandando o frangueiro goleiro Scott Carson para o Bursaspor;

– O pessoal do Stoke City não deve ter pensado duas vezes quando viu que o contrato de Eidur Gudjohnsen estava se encerrando e decidiu: “Vá com Deus!”. E ele foi… Está no AEK Athenas;

BOLA FORA (CHEGADAS)

– O Tottenham trouxe o veteraníssimo Brad Friedel. Ele é bom goleiro, mas não sei o que os Spurs querem com um goleiro de 40 anos em seu elenco;

– O Manchester City vive emprestando Adebayor de time em time. O próximo time do togolês será o Tottenham, torcida que odeia o atacante. Junte uma torcida irada com um atacante mediano! Só pode dar coisa ruim;

– Com o passar dos anos, o futebol de Tuncay Sanli cai… e com o passar dos anos aparecem mais clubes lhe dando chances. Agora será a vez do Bolton;

– Ainda no Bolton, chegou N’Gog. Atacante horroroso!;

BOLA FORA (SAÍDAS)

– O Bolton perdeu seu principal atacante, Johan Elmander. E ainda não ganhou nenhum trocado, porque ele foi de graça pro Galatasaray. Perda total;

Até a próxima!

Arsenal em queda livre

Texto de: Romário Henderson

Arsenal sofrendo gols atrás de gols...

A gigante tradição do Arsenal não condiz com o momento instável e preocupante que vive momentaneamente a equipe. A temporada se inicia com resultados desfavoráveis, pressão da torcida, jogadores profícuos sendo vendidos, reposições questionáveis e perspectivas de uma reviravolta obscura.

A equipe londrina não é uma das favoritas ao título da Premier League, e com as perdas de Cesc Fábregas e Samir Nasri, atletas de suma importância, a luta para conseguir uma vaga na Champions 2012/2013 será bastante complicada. Segundo o técnico Arsène Wenger, que, diga-se, não é mais unanimidade perante os torcedores, as contratações serão feitas gradativamente. Wenger ainda ressalta que os setores mais carentes são a defesa e o meio-campo.

Nós nunca tivemos medo de assumir uma aposta. O que você esquece é que temos comprado jogadores. Compramos Gervinho, Chamberlain, Jenkinson, Miyaichi e você vai ver durante a temporada que são jogadores de primeira qualidade. Mas no momento temos que dar-lhes algum tempo

Nós vamos comprar. As pessoas sentem que eu sou teimoso, eu não sou, eu só quero fazer o melhor para a equipe e comprar os jogadores certos. Se eu tenho mostrado uma coisa nos últimos 15 anos, é que eu trouxe bons jogadores para o clube. Vamos trazer jogadores experientes. Mas as pessoas simplesmente falam em ‘comprar’, mas comprar o jogador certo não é uma tarefa fácil

Arsène Wenger

Espera-se que o Arsenal faça propostas aos jogadores Yann M’Vila (Rennes), Per Mertesacker (Werder Bremen), Phil Jagielka (Everton), Gary Cahill (Bolton), Chris Samba (Blackburn Rovers) e Scott Dann (Birmingham). Cá entre nós, muito pouco para a grandeza deste clube que, com essas opções de compra, mostra-se que para a temporada vigente não traça planos ambiciosos, pelo contrário, apenas lamenta a situação e resignam-se.

O Arsenal está no grupo F, da Champions. Grupo que ainda conta com o forte Borussia Dortmund, Olympiakos e Olympique de Marseille. Sem dúvida alguma, a tarefa para conseguir a classificação não será nada fácil, haja vista que, ambas as partidas contra os aurinegros serão duríssimas, e os jogos fora contra os gregos e os franceses também serão complicados.

Rooney deu show no humilhante 8x2

Até aqui, em três rodadas da Premier League, nenhuma vitória, sendo que já enfrentou Liverpool e Manchester United e foi derrotado. No Emirates, derrota para o Liverpool por 0x2. E, no último domingo, em Old Trafford, derrota acachapante e humilhante, por 2×8.

No elenco atual, Van Persie e Walcott são os melhores, e, convenhamos, jogadores que, em minha visão, ainda não possuem qualidades suficientes para liderar um grande clube, sobretudo quando este encontra-se mal servido em quantidade e qualidade.