A culpa é do Lyon

Gomis finalmente encontrou um novo clube

Gomis finalmente encontrou um novo clube

Após semanas de pura especulação, o centroavante Bafétimbi Gomis parece ter definido seu destino: o Newcastle. Jean-Michel Aulas, presidente do Lyon, confirmou o acerto por oito milhões de euros, mais dois de bônus e acrescentou que algumas taxas e formas de pagamento faltam para a concretização da negociação.

Positivamente para a carreira do atacante, essa transferência significa uma provável evolução técnica. O Predador jogará em uma liga mais forte, em um clube ambicioso (apesar dos resultados decepcionantes na última temporada) e tradicional na Inglaterra. Além disso, Gomis encontrará um clube com dez jogadores franceses e não deverá demorar a se adequar ao ambiente do plantel.

Se internamente esse entrosamento não deverá tardar a aparecer, dentro de campo pode demorar e lhe causar um grave prejuízo em curto prazo. Há uma nítida mudança de ritmo entre o futebol praticado na França e na Inglaterra. A Ligue 1 é mais cadenciada e técnica, com um jogo mais lento até; já a Premier League preza pelo ritmo de jogo, intensidade, velocidade e participação de todos os atletas.

Não será nenhuma surpresa se Bafé Gomis demorar a se adaptar ao jogo inglês simplesmente por ser um centroavante à moda antiga, de pouca mobilidade e muita presença física na grande área. Se essa demora na adequação a Premier League realmente ocorrer, o jogador poderá ver sua vaga entre os 23 convocados para a Copa do Mundo de 2014 em risco.

O Predador está justamente entre os cotados para a posição mais aberta do time de Didier Deschamps: o ataque. Karim Benzema ainda não decolou na carreira e está há mais de um ano sem marcar pela seleção; Olivier Giroud, apesar de alguns brilharecos, ainda não transmite a confiança necessária para ser o “homem gol” do time.

Gomis já fez três gols com a camisa dos Bleus

Gomis já fez três gols com a camisa dos Bleus

Em seguida vem Gomis, mas junto dele chegam André-Pierre Gignac (com menos chances por sua rixa com Deschamps), Jérémie Aliadière e até mesmo o garoto Yaya Sanogo, da seleção sub-20, todos querendo uma mísera oportunidade.

Se a França chegar à Copa e o nome de Bafé Gomis não aparecer na lista final do técnico dos Bleus, a culpa não será somente sua, mas, em grande parte, será também do Lyon e de Jean-Michel Aulas.

JMA já adotou, há algum tempo, a política do corte de custos e não queria a permanência do atacante no clube pelo alto salário. Aparentemente, só ele não o queria lá, já que até mesmo o técnico do time, Rémi Garde, deu a entender nas entrelinhas de suas entrevistas que a decisão era única e exclusivamente do presidente.

Desde o princípio, Gomis declarou que gostaria de permanecer no Lyon, mas não foi ouvido e nem participou da pré-temporada da equipe. O argentino Lisandro López tem sido o atacante titular nesses jogos iniciais de temporada.

O próprio Predador tem consciência que uma mudança de ares, nessa altura do campeonato e faltando menos de um ano para a Copa do Mundo, a primeira de sua carreira, não é de todo bom. Sua ida para o Newcastle, visando o Mundial que será realizado no Brasil, é mais um ponto de interrogação do que um avanço. No futuro pode ser um progresso, mas agora, não.

Só que o futebol é imprevisível. Gomis pode arrebentar na Inglaterra, liderar o ranking de artilheiros da Premier League, assumir a titularidade da seleção e trazer o bicampeonato do mundo para a França, mas eu fico com a opção pessimista e coloco o Lyon e Aulas como culpados por uma eventual ausência no mundial.

É claro que o clube tem seus interesses e obrigações financeiras, mas nada que um bom papo não resolva. Não estávamos falando de um atleta odiado pela torcida e que corria risco de vida ao dar uma simples caminhada na rua, estávamos falando de um jogador reconhecidamente carismático e um dos principais goleadores do país. Além de todas essas qualidades, Gomis ainda queria ficar, duvido que esteja feliz em mudar de clube, mas era pra ser assim. No Newcastle, ele terá que ser, mais do que nunca, o Predador para conseguir chegar a Copa. Com 27 anos, é difícil imaginar que chegue em melhor forma técnica em 2018.

Imagens: Made In Foot e Zimbio

Vitórias que dão moral

Virada pra impulsionar o Colônia rumo a permanência na primeira divisão (Reuters)

Sábado agitado nas principais ligas europeias e com resultados que se não são surpreendentes, dão moral pro vencedor.

Começamos nosso passeio na Alemanha.

Com esse chute, Novakovic virou a partida (Getty Images)

O Colônia, time que estava na zona de repescagem contra o rebaixamento, recebeu o Bayern de Munich. Só que o primeiro tempo dos bodes foi muito ruim e o time foi pro intervalo perdendo por 2×0 – gols de Gómez e Altintop. Agora você imagina: Um time que está entre os últimos colocados está perdendo em casa para um dos primeiros colocados da competição por 2×0. Que motivação esse time teria pra virar o jogo? Pois é, o Colônia tirou forças pra arrancar uma vitória histórica por 3×2, com gols de Eichner e dois do esloveno Novakovic.

Essa vitória não tira o Colônia da zona de repescagem, mas embola toda a parte debaixo da tabela. Só para ter uma noção, o décimo colocado, Schalke, tem só 4 pontos há mais que os bodes. Ou seja, tá tudo aberto e o Colônia mostrou forças, mostrou que pode sair lá debaixo, já o Bayern…Ah o Bayern…

Eu venho falando aqui no blog. Essa história de que o Bayern engrenou é balela. Embora tenha ficado bastante tempo perdendo pouco, era um time que empatava muito e hoje ficou escancarado que não deve brigar pelo título.

Outra vitória que dá moral é a do Stuttgart sobre o Monchengladbach. Era confronto direto entre os dois últimos colocados. Era um tentando afundar o outro e por fim, vimos uma partida muito boa.  Os Potros fizeram um bom primeiro tempo, encurralando o adversário na defesa e apostando muito nos levantamentos para Idrissou na segunda trave e justamente na bola aérea o Gladbach abriu o placar com Dante. Quando a bola foi posta no chão, os donos da casa trocaram passes com perfeição e Igor aumentou. Isso com 30 minutos e nos 15 minutos restantes, o Monchengladbach decidiu dar uma recuada e até fez certo, já que o Stuttgart estava abalado e não dava seqüencia as suas jogadas.

Festa de título? Não. De vitória que mantém o Stuttgart vivo na briga pela permanência na primeira divisão

No intervalo, Bruno Labbadia deve ter dado um puxão de orelhas daqueles e o time acordou e com 10 minutos empatou com gols de Pogrebnyak e Harnik. Com a necessidade da vitória, as duas equipes iam pro ataque, deixando o duelo mais interessante. Até que aos 40 minutos, Dante derrubou Pogrebnyak na área, pênalti e o brasileiro levou o segundo cartão amarelo e foi expulso. O lance de certa forma foi polêmico, já que Dante até pegou a bola, mas acho eu que pegou “mais perna do que bola”, eu daria pênalti. Gebhart converteu a penalidade, virou o jogo e fechou a conta.

Vitória que dá uma moral gigantesca pro Stuttgart, que já havia conquistado um empate com o Borussia Dortmund no Signal Iduna Park e mostra que não tem só time, mas tem também força e garra pra sair dessa situação difícil.

Já o Monchengladbach se afunda na lanterna com 16 pontos e a torcida parece não acreditar mais. O Borussia Park que pode receber cerca de 54 mil pessoas, recebeu hoje apenas 39.132 pessoas. Mas realmente a situação dos potros é complicada. O time só tem 4 vitórias na Bundesliga…todas elas fora de casa. Aliás, essa foi a primeira vitória fora de casa do Stuttgart. Se dá pra cravar “Borussia Dortmund campeão”, dá pra cravar também “Monchengladbach rebaixado”.

Título invicto? Acho que não (PA)

Na Premier League certamente aconteceu a vitória mais moralizante e impressionante do sábado. O Wolverhampton, lanterna da competição, simplesmente derrotou o líder então invicto Manchester United. Algo glorioso e que me fez pensar: Se zombaram tanto do Chelsea por ter perdido do Wolves, por que não fazem o mesmo agora?

O fato é que a partida foi muito boa e decidida na etapa inicial. Nani abriu o placar com três minutos e dava a todos a impressão de que o jogo seria fácil, mas com gols de Elokobi aos 10 minutos e Doyle aos 39 minutos – no melhor estilo “FuteBolton” – o Wolves virou a partida no Molineaux e surpreendeu o Manchester.

Na etapa final, o United encontrou uma zaga bem postada e seu meio campo criara pouco – eliminando até uma certa discussão que vi no twitter de que “Berbatov não joga nada e some em jogos decisivos”, ora, o Wolves não tem méritos de se postar bem na defesa? Ora, o meio campo do Manchester não pode jogar mal? Ora, o búlgaro não pode passar um jogo sem marcar que vira caneleiro? Me poupe – impossibilitando uma participação maior de seus atacantes.

Magpies fazendo história (AFP)

Mas esse é o tipo de vitória que anima o time e que aumenta a ligação time-torcida. Você acha que ambos não ficaram com uma sensação ótima após bater o líder absoluto e invicto? Claro que sim e mesmo ficando na lanterna – 24 pontos, dois atrás do Wigan, primeiro time fora da zona de rebaixamento – deve conseguir tirar forças sabe Deus de onde pra sair dessa zona. Eles devem pensar: “Ora, vencemos o então líder invicto, podemos sim vencer qualquer outra equipe”. Vencer qualquer equipe é muito improvável, mas a confiança permanecerá por lá.

Outra remontada histórica aconteceu no St. James Park. O Newcastle perdia por 4×0 pro Arsenal em menos de 30 minutos de jogo – com 42 segundos de jogo, Walcott, com 3 minutos Djourou, com 9′ e com 25′ Van Persie marcaram – e na etapa final os Magpies descontaram quase na mesma moeda, 4 gols em 20 minutos. Barton fez dois, Best fez outro e Tiote, num pombo sem asa fez o que sacramentou o empate em 4×4.

Após o jogo, li no twitter torcedores do Arsenal criticando a atuação do árbitro Phil Dowd. Não vi o jogo. Não vi a expulsão de Diaby pra dizer se foi justa ou não, mas os dois pênalti me pareceram que não existiram. Mas cá pra nós, um time que abre 4×0 com 25 minutos de jogo, não pode ceder o empate de forma tão passiva.

Diferente das outras vitórias citadas acima, esse empate heróico parece não dar tanta moral assim pro Newcastle, já que os Magpies estão na 10ª colocação com 31 pontos, não almejam muita coisa, a única coisa boa que fica é o sabor de conseguir um empate inimaginável contra um adversário temível.

Rennes quer o título

A outra vitória que vou citar não tem nenhum cárater heróico, mas sim moral, daqueles de “Yes, we can”. Estou falando do Rennes. Os rubro-negros estão na parte de cima da tabela da Ligue One e não é de hoje, faz algumas temporadas que o Rennais incomoda na parte de cima da tabela. Mas acontece que o time não conseguia passar pelos grandes times franceses. Não digo que amarelava, digo que faltava aquela vitória pra comprovar que mais poderiam vir com tudo.

O Rennes empatou com o Lille (1º colocado), Saint Etienne (5º colocado), com o PSG (2º colocado), Lyon (6º colocado), Marseille (4º colocado), mas só hoje tirou essa zica. Os rubro-negros bateram o vice-líder da competição, o Paris Saint-Germain por 1×0, gol de Brahimi, num tiro potente de fora da área. O que deve preocupar a torcida é a postura do time. Após o gol, o Rennes recuou muito e deu bastante campo pro Paris, que não venceu por incompetência nas finalizações e também por causa da boa partida do também bom goleiro Douchez. O time rubro negro até puxou alguns contra-ataques e finalizando, mas nos minutos finais foi encurralado pelo PSG.

O Rennes está agora na 3ª colocação com 37 pontos e torce pro Bordeaux segurar o Lyon para se manter nessa posição.

Já o PSG começa acender suas velas e rezar pra que o Auxerre vença o Lille. Bom, o jogo é no Abbé Deschamps, então pode ser que uma vitória do AJA aconteça, mas vale lembrar, se o LOSC vencer, abre sete pontos pros vice-líderes – PSG e Rennes.

TÓPICOS ALEMÃES

>> O Dortmund vai ficando mais próximo do título, já que além da derrota do Bayern, o Leverkusen tropeçou, perdeu por 1×0 pro Nüremberg.

>>O BVB tem 12 pontos de vantagem pro Leverkusen.

>>O Mainz tropeçou de novo. 1×1 com o Werder Bremen.

>>O gol de empate do Bremen foi marcado por ele, Claudio Pizarro – sempre ele – aos 45 minutos do segundo tempo.

>>Os verdes começam a se aproximar da zona perigosa.

>>E olha o Hannover aí. Vitória sobre o Wolfsburg por 1×0 e o time se mantém lá em cima.

>>Diego perdeu um pênalti pro Wolfsburg.

>>O Wolfsburg é outro que se aproxima da zona de rebaixamento.

>>No sufoco, o Hoffenheim bateu o Kaiserslautern por 3×2, mas deve continuar na parte intermediária da tabela.

>>Rodnei marcou pro Kaiserslautern

>>Amanhã jogam Freiburg x Eintracht.

>>Rivais locais, Hamburgo e St. Pauli se enfrentariam amanhã, mas as fortes chuvas que estão acontecendo em Hamburgo forçaram o adiamento da partida.

TÓPICOS INGLESES

>>Sem dificuldades, o Manchester City meteu 3×0 no West Bromwich e segue na cola dos líderes.

>>O infeliz e deprimido Tévez, fez três gols.

>>Com dificuldades, o Tottenham passou pelo Bolton, 2×1.

>>Kranjcar, que esteve pra sair dos Spurs, fez o gol da vitória no finalzinho.

>>O Sunderland sucumbiu ao “FuteBolton” do Stoke. Na base da bola área, the Potters venceram de virada por 3×2.

>>Quem diria, o grosso Huth fez os dois gols decisivos do jogo.

>>O Wigan meteu 4×3 no Blackburn e deixou a zona de rebaixamento.

>>Se Birmingham e West Ham ficarem no empate amanhã, o Wigan permanecerá fora da zona de rebaixamento.

>>Na zona intermediária, Aston Villa 2×2 Fulham; Everton 5×3 Blackpool.

>>Louis Saha fez quatro gols pro Everton.

>>Mas sem dúvida, o grande destaque do sábado é o elevado número de gols: 41 gols em 8 jogos (5 e alguma coisa de média).

TÓPICOS FRANCESES

>>O Olympique de Marseille passou trabalho pra bater o lanterninha Arles, 1×0.

>>O OM segue na 4ª colocação com 36 pontos, cinco atrás do Lille.

>>Fora de casa o Saint-Etienne conseguiu arrancar o 2×1 do Montpellier e garantir a 5ª colocação.

>>Riviere fez os dois gols do ASSE

>>Na parte debaixo da tabela, o Caen perdeu em casa pro Lorient, 2×0, mas teve sorte, porque o Lens ficou no 1×1 com o Valenciennes e não o empurrou pra zona de rebaixamento.

>>Ainda nessa briga, podemos colocar o Nancy, que perdeu por 2×1 pro Brest e está dois pontos acima da zona de rebaixamento.

>>O Nice deu uma saída dessa briga após vencer o Sochaux por 1×0 e abrir 3 pontos pra zona perigosa.

>>Amanhã, três jogos fecham a rodada: Auxerre x Lille; Toulouse x Mônaco; Lyon x Bordeaux

Domingo clássico na Inglaterra

Tyne-Wear Derby mobiliza a segurança

O domingo na Inglaterra ficou reservado pros clássicos.

Tivemos três jogos regionais e de grande rivalidade, fora outro de duas equipes fortes que são candidatas ao título.

Asamoah Gyan fez esse gol aí no finzinho do jogo (AFP)

Pela manhã, dois clássicos no mesmo horário. Falarei primeiro do Tyne-Wear Derby, realizado entre Sunderland e Newcastle. As duas equipes estão separadas por 10 milhas e a rivalidade é intensa e essa rivalidade foi transportada pro campo. Muitas divididas, muitas cotoveladas e até confusão após o término do jogo – o goleiro do Newcastle, Harper, foi agredido por um torcedor do Sunderland -. Os gols só saíram na etapa final. Nolan de calcanhar abriu o placar pros Magpies e nos acréscimos de Howard Webb, Asamoah Gyan marcou sem querer. Bardsley finalizou, Harper espalmou e a bola bateu no ganês e entrou.

O tropeço não foi bom pro Sunderland. Se os Black Cats ainda querem chegar a alguma competição europeia, deveriam ter vencido seus rivais. Eles ficam agora na 6ª colocação com 34 pontos. Já pros Magpies, o resultado só fica ruim pelo fato da vitória ter escapado nos acréscimos, mas na classificação não foi ruim. O Newcastle está na 9ª colocação, com 29 pontos.

Não deu, Foster (Getty Images)

Ainda na manhã, tivemos o Derby de Birmingham, o clássico entre Birmingham City e Aston Villa. Diferentemente do Tyne-Wear Derby, que teve muita pancada, o derby de Birmingham foi um jogo mais aberto, ainda mais pelo desespero das duas equipes que ocupam posições nada confortáveis. Foi um jogo cheio de oportunidades dos dois lados, mas gols somente na etapa final. Os Blues abriram o placar com Johnson, desviando cobrança de falta de Murphy. O zagueiro Collins empatou pro Villa.

As duas equipes seguem “respirando juntos”. Isso porque o Birmingham é o 16º com 23 pontos e o Aston Villa é o 17º com 24 pontos. As duas equipes ocupam as duas primeiras posições acima da zona de rebaixamento.

Os Reds saíram na frente na etapa inicial (Getty Images)

Um pouquinho mais tarde, tivemos o derby de Merseyside, disputado entre Liverpool e Everton. Esse duelo não tem tanta rivalidade fora de campo, tanto até que esse derby é chamado de Derby da Amizade, devido ao grande número de famílias que comparecem nesses duelos. A rivalidade fica restrita para dentro das quatro linhas.

Vimos um jogo muito disputado em Anfield. Na primeira etapa, o Liverpool foi um pouquinho melhor, principalmente porque foi para cima. O Everton preferia se defender e tentar sair rápido no contra-ataque. Em algumas vezes até conseguiu graças a alguns passes errados do lado vermelho, mas não era sempre que levava perigo ao gol de Reina. Após muito tempo, Fernando Torres voltou a fazer uma partida convincente. O espanhol soube o que fazer nas bolas que recebia e em um lance, trombou com Distin, ganhou a jogada, deu um corte no marcador e deu um belo chute que acertou a trave. Seria um gol de placa. Outro que foi bem foi o português Raúl Meireles, uma das válvulas de escape dos Reds, sempre chegando ao ataque e abrindo o placar também. Ele aproveitou rebote de Howard pra mandar pras redes.

Beckford havia virado o jogo (Getty Images)

O segundo tempo mudou muito. Com poucos minutos, o Everton virou o jogo com gols de Distin e Beckford, ambos aproveitando bobeiras da defesa do Liverpool, que errava tecnicamente e principalmente em posicionamento. Os Reds conseguiram o empate num pênalti polêmico. Após chute errado de Skrtel, Maxi e Howard foram para a disputa e o argentino caiu. Na hora, deu a impressão de que o árbitro Phill Dowd havia dado saída de bola pela linha de fundo e após muitas reclamações, o pênalti foi marcado. Não sei não, mas acho que foi no grito. A marcação não foi clara. Não deu pra saber se “foi no grito” ou se foi alguma sinalização do auxiliar. Só sei que eu não daria pênalti. Tanto Howard quanto Maxi visam a bola e contato é nas pernas, sendo que nítidamente o goleiro vai atrás da bola com as mãos, pra mim foi choque de jogo. Mas tanto faz, porque Kuyt converteu.

Se Villa e Birmingham estão juntinhos na tabela, a mesma coisa pode ser dita de Liverpool e Everton. Os Toffees estão na 12ª colocação e os Reds estão na 13ª colocação e ambos tem 26 pontos – o Everton tem melhor saldo de gols.

Spurs e United fizeram jogo decepcionante (Reuters)

O outro jogo do dia era o mais esperado: Tottenham e Manchester United. A partida deixou a desejar. O jogo foi muito pegado, de muitos erros de passe e poucas emoções. No lado do Tottenham, era esperado que Gareth Bale literalmente acabasse com Rafael. Não foi bem isso que aconteceu. O galês não esteve em um de seus melhores dias. Tocou pouco na bola e errou muitos cruzamentos. O brasileiro mostrou personalidade. Fez Bale se preocupar com sua subida e não com sua marcação. Rafael apareceu bem no ataque, mas foi expulso. Ele levou dois cartões amarelos e deixou o United e situação delicada no fim do jogo.

O 0x0 ficou de bom tamanho. Na primeira etapa, não houve um domínio amplo de alguma equipe. O Tottenham parecia afobado e o Manchester nervoso, por isso muitos erros. Na etapa final, os Red Devils até começaram pressionando, mas a expulsão de Rafael jogou os planos da vitória por água abaixo. Jogando com um à mais, os Spurs se viram obrigados a jogar no ataque, mas não conseguiram furar a defesa do United.

O Manchester United permanece na liderança. Tem os mesmos 45 pontos do rival local, o Manchester City, mas com melhor saldo e duas partida a realizar, os Red Devils levam uma grande vantagem em relação aos Sky Blues. Já o Tottenham não entra no G4. Os Spurs estão na 5ª colocação com 37 pontos, um atrás do Chelsea.

TÓPICOS INGLESES

>>O Manchester City passou sufoco no sábado. Os Citizens venciam o Wolverhampton por 4×1 e quase cederam o empate. A partida terminou 4×3 e o City fica na vice-liderança com 45 pontos. Os Wolves tem 21 pontos e estão na vice-lanterna;

>>O bósnio Edin Dzeko estreou pelo City justamente contra o Wolves. Pra quem não entendeu, ele jogava no Wolfsburg, que tem de apelido Lobos, mesmo apelido do Wolverhampton;

>>O Arsenal passou sem grandes dificuldades pelo rival local, o West Ham. 3×0 e a 3ª colocação com 43 pontos assegurada. Os Hammers seguram a lanterna com 20 pontos;

>>Destaque do jogo foi Van Persie, que fez dois gols e deu uma assistência;

>>O Chelsea reencontrou o caminho das vitórias e bateu o Blackburn por 2×0 e ficam na 4ª colocação com 38 pontos. Os Rovers estão na 11ª colocação com 28 pontos;

>>No jogo dos desesperados, melhor pro Fulham, que ficou no 1×1 com o Wigan fora de casa e permanece fora da zona perigosa. Os Cottagers ficam na 15ª colocação com 23 pontos  com e um ponto à menos, mas três posições abaixo vem o Wigan;

>>Demais Resultados: Stoke 2×0 Bolton; WBA 3×2 Blackpool

Classificação (Premier League)

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Que mal lhe pergunte, mas…alguém quer ser campeão italiano?

Os dois líderes tropeçaram e digo mais. Estão deixando a Inter chegar. Os Nerazzurri chegam a 4ª vitória seguida no comando de Leonardo e tem dois jogos à menos que o líder Milan. A diferença é de nove pontos. Se a Inter vencer seus dois jogos que tem de fazer e vencer o derby della madonnina assume a ponta – claro, dependendo dos critérios de desempate -. Ou seja, a Inter depende de si pra ser campeã.

Eto'o teve atuação de gala (AP)

No jogo deste fim de semana, a Inter contou com grande atuação do camaronês Eto’o. O camisa 9 da Inter fez dois belos gols – um numa bela tabela com Milito e finalizando colocando e o segundo numa cobrança de falta perfeita – e ainda deu uma assistência pro gol de Stankovic na goleada sobre o Bologna por 4×1. Milito fez o quarto gol interista e Jimenéz descontou pro Bologna.

A Internazionale permanece na 6ª colocação, agora com 32 pontos. Mas como citei antes, o time Nerazzurri tem dois jogos à menos, se vencer os dois, fica três pontos atrás do Milan e ainda tem o clássico no segundo turno. Ou seja, depende de si. O Bologna tem 22 pontos e está na 16ª colocação.

É, Cassano! Assim não dá! (AFP)

O tropeço do Milan foi fora de casa…mas foi para um dos últimos colocados, o Lecce. Destaque do jogo para Zlatan Ibrahimovic, que fez um golaço, um chute fantástico do meio da rua, que pegou Rosati de surpresa. Só que Rúben Olivera empatou e estragou a festa do Milan. O time Rossonero tinha visto no dia anterior o vice-líder Napoli ficar no 0x0 com a Fiorentina e com a vitória provisória, abria seis pontos na liderança.

Não é nada, não é nada, mas o Milan soma seu terceiro tropeço em cinco jogos – empates contra Udinese e Lecce e derrota pra Roma – e só não perdeu a liderança porque adversários como Napoli e Lazio foram incompetentes. O Milan está na liderança com 41 pontos, quatro pontos à mais que o vice-líder Napoli. Já o Lecce segue na zona de rebaixamento – 18ª colocação com 19 pontos.

TÓPICOS ITALIANOS

>>No finalzinho a Lazio voltou a vencer após duas rodadas. Os Biancocellesti derrotaram a Sampdoria por 1×0, gol de Kozák, aos 39 minutos do segundo tempo. A Lazio tem 37 pontos e está na 3ª colocação, enquanto a Samp está em 10º lugar com 26 pontos;

>>A Roma levou sorte nesta rodada. Bateu o Cesena por 1×0, gol contra de Pellegrini, aos 44 minutos do segundo tempo. Os Giallorossi estão na 4ª colocação, com 35 pontos, enquanto os Cavallucci Marini estão com 19 pontos, na 17ª colocação;

>>Após três tropeços consecutivos, a Juventus voltou a vencer: 2×1 pra cima do Bari. Agora, a Vecchia Senhora está na 5ª colocação, com 34 pontos, enquanto os Biancorosso estão na lanterna, com 14 pontos.

>>Na parte debaixo da tabela, destaque pro Brescia, que voltou a vencer após três partidas, vitória por 2×0 sobre o Parma, mas os Biancoazzurri permanecem na zona de rebaixamento, com 18 pontos. O Parma é o 14º com 22 pontos;

>>Demais resultados: Catania 1×1 Chievo; Genoa 2×4 Udinese; Cagliari 3×1 Palermo.

Classificação (ESPN)