Por que Giroud é o 9 incontestável da França?

Giroud é homem de confiança de Didier Deschamps | Foto: Aurélien Durand/FFF

O trabalho de convocar uma seleção para uma Copa do Mundo envolve muito mais do que escolher os melhores dentro de uma ideia de jogo, pensar em como podem atuar e trazer a taça para a casa. O quesito confiança técnico-jogador também precisa entrar no pacote.

Embora esse critério seja desprezado por muitos, o treinador precisa colocar isso na balança. Além da questão técnica, de conhecer o jogador e saber como aproveita-lo, tem o vestiário, afinal de contas, na Copa do Mundo, os atletas ficam mais de um mês concentrados em um mesmo ambiente. Imagine você ficar 30 ou 40 dias vivendo junto de um colega “tóxico”? – pegando uma expressão da moda para exemplificar.

Por isso, goste-se ou não, muitos técnicos de seleção têm seus “soldadinhos”, jogadores não tão aclamados, mas que são eficientes e, principalmente, de confiança do responsável pela seleção nos mais variados aspectos.

Na França, quem se enquadra nesse aspecto é Olivier Giroud. O centroavante do Chelsea está longe de ser um dos atletas mais talentosos ou badalados da poderosa geração gaulesa, mas é eficiente quando coloca o manto azul e corresponde sempre que é preciso.

Basta ver que ele é o maior artilheiro em atividade na seleção francesa e quarto na história, com 31 gols em 72 jogos. No momento, ele está empatado com Zinedine Zidane e já deixou para trás goleadores históricos como Just Fontaine e Jean-Pierre Papin. Thierry Henry, líder do ranking, está 20 gols a frente.

Desde que debutou pelos Bleus em 2011, ainda embalado pelo frenesi ocasionado na temporada mágica no Montpellier, Giroud fez 13 gols de abertura de placar. Além disso, em todas as vezes que marcou, a França venceu 20 partidas e perdeu somente duas. Querendo ou não, seus gols normalmente possuem peso relevante para a seleção no que tange o resultado ao fim dos 90 minutos.

Giroud pode não ser dos atacantes mais talentosos, mas é eficiente dentro do que a França propõe. Enquanto os companheiros criam, ele complementa as jogadas. Basta ver que dos 31 gols que fez pela seleção francesa, todos saíram de dentro da área, sendo que em 83,8% deles o atacante deu apenas um toque na bola. Detalhe: nenhum de pênalti.

Além dos números, a questão confiança ganha força também quando olhamos os concorrentes do atleta de 31 anos. Karim Benzema foi totalmente descartado por Deschamps – e desde que foi integrado a seleção teve muitas turbulências – enquanto Alexandre Lacazette nunca repetiu as atuações que teve especialmente pelo Lyon. Como desbanca-lo dessa maneira?

Razões como as apontadas acima tornam fácil explicar porque Giroud é titular absoluto. Confiança de Deschamps e bom desempenho pela seleção o colocam com a 9 do time, mesmo tendo como concorrentes alguns atacantes mais talentosos e badalados.

Vai que é tua, Griezmann!

Foto: AP

Foto: AP

A Copa do Mundo nem começou e a França já sofreu a primeira derrota. Franck Ribéry foi vencido pelas dores nas costas e teve de ser cortado da competição. Desde que os 30 atletas convocados (23 para a lista final e sete na de espera) chegaram ao centro de Clairefontaine para iniciar a preparação para o mundial, o atleta do Bayern não havia participado de nenhum coletivo e causava imensas dúvidas na comissão técnica até a última sexta-feira (06), quando foi decretada a retirada do camisa 7.

Este corte tem muita relação com a situação de Zinedine Zidane em 2002. Durante amistoso diante da Coreia do Sul, no dia 26 de maio, em Suwon, Zizou sentiu um músculo da coxa e deixou a partida antes dos 40 minutos da etapa inicial. Quatro dias depois, a França iniciou a trágica campanha na Copa na derrota por 1-0 para Senegal. Zidane só pode entrar em campo na rodada final diante da Dinamarca, quando só uma vitória poderia lhes classificar. A derrota por 2-0 para os nórdicos sacramentou a pior campanha francesa em Copas até então (superada em 2010).

Iniciar o Mundial tendo o principal astro baleado não é bom, principalmente para o lado psicológico dos atletas que estão em campo, principalmente pelas pressões externas. Torcida e imprensa começariam a questionar quando o atleta poderia entrar em campo. Alguns jogadores mais paranoicos poderiam pensar que tamanha angústia em ver a estrela do time poderia representar desconfiança aos substitutos.

Se o tempo de recuperação de Ribéry era incerto ou até mesmo poderia lhe colocar à disposição em fases agudas da Copa do Mundo, o melhor mesmo é deixa-lo de fora. Quanto mais cedo o time aprender a viver sem ele, melhor.

Há vida sem ele

Foto: AFP

Foto: AFP

E também não custa ressaltar que o atleta do Bayern não é vital para a seleção francesa. Não quero desmerece-lo, longe disso. Quem me conhece sabe que sou fã dele, admiro demais o estilo de jogo “abusado” de Ribéry. Apenas quero pontuar que há vida sem ele na seleção.

Não canso de dizer que o coração da equipe do técnico Didier Deschamps é o meio-campo. O setor composto por Yohan Cabaye, Paul Pogba e Blaise Matuidi tem enorme qualidade e o trio se completa justamente por terem valores técnicos diferentes. Cabaye tem o excelente passe e, atuando recuado, é efetivo nos desarmes; Matuidi acrescenta com as passadas largas, marcação firme e ocupação de espaços; já Pogba é a joia do time, com uma classe com a bola no pé sem igual. Se o trio for desmanchado, aí sim é motivo para maiores preocupações.

A ausência de Ribéry tira uma boa porcentagem ativa do cérebro do time. Perde-se alguma parte agressiva, de improvisação e ousadia nos dribles. Mas não é isso que fará o coração parar de bater.

Deschamps tem até o dia 15 (data da estreia diante de Honduras, no estádio Beira-Rio) para recuperar a parte cerebral perdida com a ausência de Ribéry. Minha sugestão não poderia ser outra: GRIEZMANN NELES!

O atleta de 23 anos participa da seleção desde fevereiro deste ano. Pouco tempo, reconheço, mas nada disso está valendo agora. O que conta é bola no pé, e Griezmann tem talento de sobra para assumir a bronca.

O jogador da Real Sociedad não é tão agressivo quanto Ribéry, mas é muito técnico, tem excelente condução de bola e é extremamente inteligente dentro de campo. A inteligência e rapidez de raciocínio foram comprovadas no segundo gol que marcou na goleada por 8-0 diante da Jamaica, onde tocou de calcanhar, estando a poucos centímetros do arqueiro adversário.

Os números também jogam a seu favor. Ao longo da temporada na Espanha, foram 20 gols e cinco assistências em 31 jogos. O próprio Ribéry teve números semelhantes na Alemanha (15 gols e 15 assistências), só que em mais jogos. Em dados gerais, Griezmann participou de 25 dos 62 gols da Real Sociedad na temporada (mais de 40%), enquanto Ribéry foi atuante em 30 de 94 tentos bávaros (31%). Não podemos de nos esquecer de fazer a ressalva que um jogou no campeão alemão e o outro no 7º colocado do Campeonato Espanhol. Mas que os números chamam a atenção, chamam.

Segundo o WhoScored, site especializado em dados estatísticos, Griezmann ainda teve a quarta melhor média de chutes do Campeonato Espanhol, acima de Diego Costa, Rakitić, Neymar e do companheiro de seleção Benzema. Ele também foi eleito pelo mesmo site como Homem do Jogo em quatro partidas. Neste quesito na Sociedad, perdeu apenas para o mexicano Carlos Vela, que teve temporada absurda (21 gols e 14 assistências).

A realidade é que ele só precisa se provar na seleção francesa simplesmente porque pouco jogou, participando apenas de amistosos. Talvez se fosse convocado antes, já não teríamos esta dúvida em cima dele.

Insisto que apostaria nele. Habilidoso, agressivo, agudo e nem forçaria Deschamps a mexer no esquema. Griezmann tem qualidades que podem acrescentar a França sem fazer com que a ausência de Ribéry seja sentida. Como disse acima, o coração e a alma francesa estão no meio-campo. O que vem adiante é complemento do bom time de DD.

Pogba e Benzema

Foto: Getty

Foto: Getty

Sem Ribéry, é hora de surgirem novas lideranças técnicas no time. Uma delas, sem dúvida alguma, é Karim Benzema. Com os dois gols sobre a Jamaica, ingressou na lista dos dez maiores artilheiros da seleção francesa. Peça de confiança de Deschamps e vindo de ótima temporada no Real Madrid, o mínimo que se espera dele é assumir a bronca no elenco.

Mas também é momento de afirmação para Paul Pogba. É impressionante como a camisa azul da França cai bem nele. É o maestro do meio-campo. É um craque! Aos 21 anos, solto na seleção e consolidado na Juventus, não vejo hora melhor para se fixar de vez como um dos “caras” da equipe de Deschamps.

Vejo Pogba subindo alguns degraus no ranking da responsabilidade com a ausência de Ribéry. O vejo também como capaz de assumir essa carga extra de trabalho e ajudar a carregar o time ao lado de Benzema.

Opções

Na goleada por 8-0 sobre a frágil Jamaica, Deschamps mostrou ter opções para substituir o meia-atacante do Bayern. Começou a partida no mesmo 4-3-3 habitual, mas com Benzema jogando pela esquerda, tendo Olivier Giroud como centroavante. O sistema lembrou os tempos de Benzebut no Lyon, quando o homem de centro no ataque era Fred.

Esta opção se mostrou interessante, vide que Benzema e Valbuena estiveram próximos em boa parte do tempo e se entenderam bem. O atacante do Real Madrid sabe trabalhar fora da área e não se mostrou distante da grande área, o que é bom, pois aumenta o poder de finalização do time.

A contrapartida negativa é a recomposição. Benzema não fez isso e deixou Patrice Evra exposto nas poucas vezes em que os jamaicanos ousaram atacar.

Outra variação que o esquema de Deschamps proporcionou, e que também se mostrou interessante, é a utilização do 4-4-2 em linha. Neste sistema, Moussa Sissoko atuaria aberto pelo flanco direito, com Valbuena deslocado para a esquerda. O acréscimo disto é a movimentação do meia do Marseille, se aproximando mais dos centroavantes e tendo maior ângulo de chute.

Remy é outra opção, mas aí sem mexida de esquema. Seria o mesmo caso de Griezmann. A escolha, portanto, se torna particular de DD (apesar de já ter feito meu jabá em prol de Griezmann).

Este leque de opções só comprovam minha tese: Ribéry não é vital para a seleção francesa. É craque, é importante, blá, blá, blá, mas há vida sem ele. O coração do time é o tripé de meio-campo.

Problema

A França ainda tem um problema que não sei medir o quão grave é devido aos adversários das últimas semanas: a defesa. A dupla de zaga titular jogou pouco durante a temporada. Raphaël Varane atuou só 23 vezes pelo Real Madrid (a contrapartida é que 17 foram em 2014), já Mamadou Sakho participou de apenas 19 jogos pelo Liverpool (seis vezes em 2014).

Mas o problema maior não é o número de jogos, mas sim o que foi visto em campo. O único gol sofrido na preparação para a Copa foi em jogada aérea, na partida diante do Paraguai. Mais do que isso, a defesa francesa mostrou hesitação em levantamentos na grande área diante dos sul-americanos e também diante da Jamaica.

Sempre é bom lembrar que Deschamps tardou a encontrar a dupla de zaga ideal. Laurent Koscielny, que hoje é banco, já foi titular. Eric Abidal, que ficou fora da lista de convocados, também já foi. O próximo da fila é Eliaquim Mangala. Será que DD mantém esta dupla de zaga até o fim da Copa? Veremos.

O preço do sucesso

O Montpellier nunca foi um time grande. No máximo, médio. O MHSC tem algumas participações na primeira divisão francesa, já até obteve alguns resultados interessantes – principalmente na época de Valderrama -, mas na maioria das oportunidades na Ligue 1, lutou contra o rebaixamento.

Giroud, Belhanda e Utaka, três destaques do Montpellier, vibram com o gol

Nesta temporada, fugindo de todas as expectativas, o time comandado por René Girard está indo muito bem e lidera a primeira divisão do país. Alguns jogadores como Yanga-Mbiwa, Jamel Saihi, Younes Belhanda e Olivier Giroud despontam como grandes nomes do time, assim como os jovens Remi Cabella e Benjamin Stambouli, que vão recebendo muitas oportunidades na atual temporada. Jogadores mais rodados, como o brasileiro Victorino Hilton, Garry Bocaly, Souleymane Camara e John Utaka estão por lá para dar o toque de experiência necessário nos grandes times.

Porém, além dos ótimos resultados, o sucesso trás algumas conseqüências ruins. Olivier Giroud, artilheiro do Campeonato Francês e líder de assistências do Montpellier, já é alvo de muitos clubes. No final de 2011, o artilheiro da equipe recebeu uma proposta de oito milhões de euros do Newcastle, mas considerando baixa a oferta, o presidente Louis Nicollin decidiu rejeitá-la e ainda afirmou que “Giroud tem contrato até 2014 e vale pelo menos 40 milhões de euros”.

Porém, quando clubes maiores crescem os olhos pra cima do seu principal jogador, Nicollin acaba cedendo um pouco. No grande duelo diante do Paris Saint-Germain – confronto dos dois líderes que acabou empatado em 2×2 -, olheiros do Bayern e do Napoli estavam presentes no Parc des Princes para assistir a partida. Giroud não marcou gols, mas fez o cruzamento para o segundo gol, anotado por Utaka.

Louis Nicollin já criou raízes no Montpellier (Reuters)

Nicollin já admitiu recentemente que será difícil segurar o atacante, já que sua multa rescisória é relativamente baixa – beira os 15 milhões de euros – e seu bom futebol tem aparecido para mais gente. Não por acaso, Giroud substituiu Karim Benzema no duelo da Seleção Francesa contra a Alemanha, em Bremen. O atacante do Montpellier anotou um gol… Justamente no país do Bayern, e a França venceu por 2×1.

Resultado disto tudo: Os rumores de uma possível transferência para o clube bávaro aumentam. A conceituada revista Kicker publicou hoje que o Bayern prepara uma oferta de 16 milhões de euros para trazer Giroud.

É o preço do sucesso! Nicollin pode até achar que seu jogador vale 40, 50, 60 milhões de euros, mas com uma multa baixa, vai ser difícil segurá-lo. Giroud não vale toda a grana que o presidente do Montpellier acha que vale, mas vendê-lo pro Bayern pela tal oferta – lembrando que não é nada oficial – seria ótimo! Principalmente porque o MHSC investiu menos de cinco milhões em sua compra, seria um lucro e tanto.

Claro que muitas vezes não vale à pena vender seu craque, mas o Montpellier tem prazo de validade. Esse time não se manterá no topo do futebol francês por muito tempo. Dois, três, quatro anos talvez, mas o fato é que dificilmente Nicollin irá manter este bom time. Os clubes franceses não são fortes economicamente, vide os vários jogadores do país que se transferem para a Premier League.

Aliás, o presidente Nicollin, que está no comando do MHSC desde 1974, já teve alguns bons times em mãos, mas se desfez de quase todos. Mais recentemente, o time que tinha Tino Costa, Victor Hugo Montaño e Emir Spahic chegou a Europa League, tendo até brigado pelo título francês na temporada em que chegou ao torneio UEFA. Isso foi na temporada 2008/09! Faz pouco tempo, e hoje, esses caras que formavam a espinha dorsal do time, estão vagando por outros clubes.

Giroud começa a ganhar espaço nos Bleus

Além do mais, Giroud não vale toda a grana que Nicollin acha que vale – exageros à parte, o presidente do clube acha que ele vale muito dinheiro. O #17 do Montpellier é muito bom atacante, sabe fazer o pivô, tem boa técnica e o principal, sabe marcar gols. Mas sempre fica aquela pontinha de dúvida: será que é uma temporada atípica ou ele joga isso tudo mesmo?

Esquecendo toda a grana envolvida, todas as negociações, os termos, os contratos, enfim, deixando de lado tudo que envolva cifras e condições, será que vale à pena Giroud ir para o Bayern? É quase certo que chegará como reserva de Mário Gomez. O francês irá mesmo para substituir o reserva Olic, que deve deixar o clube bávaro. Pro time alemão é ótimo! O Bayern tem ótimos jogadores, mas não tem um elenco grande e sólido. Com a vinda de Giroud, o cacife ofensivo fica maior. Mas pro atacante, seria uma experiência nova: de grande nome do Montpellier, para reserva nos bávaros, porém, com uma possibilidade de crescimento na carreira maior do que no clube francês. É uma faca de dois gumes!

Vamos aguardar os próximos capítulos!