Le Podcast du Foot #76 | O futuro de Wenger

A era Arsène Wenger no Arsenal está prestes a se encerrar. Depois de 22 anos vitoriosos na Inglaterra, ele comunicou a saída dos Gunners ao término da temporada e agora a pergunta que não quer calar: qual o futuro do francês?

As primeiras especulações já o colocam como alvo do Paris Saint-Germain para ocupar um cargo na direção do clube. Mas há quem diga que Wenger possa ficar na espreita para assumir a seleção francesa.

Projetando essas possibilidades, Eduardo Madeira, Filipe Papini e Flávio Botelho se reuniram em Le Podcast du Foot #78. Dá para imaginar um retorno para a França? Técnico ou dirigente? Volta ao Monaco? Ida para PSG, Lyon? Nossos debatedores brincaram com algumas dessas opções.

Ouça abaixo o programa:

*PS: Perdão pelo ato falho do apresentador, que citou algumas vezes que era a edição 78, e não a 76;

 

Anúncios

Volte duas casas

Ben Arfa não joga há quase um ano | Foto: AFP

Poucas analogias se encaixam tão bem com a carreira de Hatem Ben Arfa do que o tabuleiro de um jogo infanto-juvenil. Uma hora os dados caem com números altos, seu pino vai longe, mas um mero deslize e lá se vai uma rodada sem jogar. Acima de tudo, ter uma mão quente para jogar os dados é um diferencial.

Nesse jogo de tabuleiro que virou a carreira de Ben Arfa, ele foi o jogador que saiu todo felizardo quando viu os dados apontando 12 casas para andar, mas que foi ao fundo do poço ao ver que seu pino parou na prisão e ele teve de ficar duas rodadas – ou duas temporadas – sem jogar.

Primeira contratação da era Unai Emery no Paris Saint-Germain, ainda na temporada 2016/17, o virtuoso atacante, marcado por dribles atrevidos e um jogo agressivo que encantava, vinha de temporada brilhante pelo Nice, que marcou a remontada na carreira após alguns anos no ostracismo na Inglaterra.

O que ele talvez não pudesse prever era que Emery seria o carcereiro da prisão nesse jogo de tabuleiro. Desde que chegou a Paris, somou 1.136 minutos em campo, não dá média nem de 13 minutos por jogo – 32 partidas ao todo. Boa parte dessa minutagem é oriunda de partidas em que saiu do banco de reservas, e em apenas cinco atuou o tempo inteiro.

O pesadelo piorou nesta temporada. Contrariando vontade do clube, que não queria vê-lo por perto nem com a sonhada orelhuda da Liga dos Campeões debaixo do braço, Ben Arfa decidiu ficar em Paris, sabe-se lá se foi por birra ou por acreditar que poderia, sim, ter minutos e vingar.

Não deu outra. Sem prestígio no clube e agora de bico esticado, foi relegado ao time B e não foi relacionado para nenhuma partida do PSG. A última vez que foi visto com a camisa azul de Paris foi a quase um ano, em 5 de abril de 2017, na goleada sobre o Avranches, pela Copa da França – na ocasião, fez dois gols e deu uma assistência.

Neste meio tempo, Ben Arfa denunciou o clube a LFP (Liga de Futebolistas Profissionais, entidade que gerencia o Campeonato Francês) pela falta de condições de trabalho e os constantes destratos. Os advogados do atacante citam como exemplo a ausência na viagem para os EUA na pré-temporada, que o clube comunicou na véspera do embarque.

Emery, o carcereiro, ainda contribuiu na estadia turbulenta do atacante com críticas públicas ao atleta, evidenciada na emblemática declaração “você não é Messi”, quando criticou o individualismo do atacante e sua incapacidade de decidir jogos. Somado a isso vem a pequena contribuição defensiva e a participação pouco comprometida nos treinamentos.

Na queda de braço, o PSG levou a melhor. Ben Arfa comunicou nesta quinta-feira (29) que estará deixando o clube ao término da temporada – período em que acaba o contrato.

Se há pouco tempo atrás questionávamos a possibilidade de Ben Arfa ser convocado para a Eurocopa de 2016, hoje ele nem é lembrado numa lista de 50 jogadores que poderiam ser uma alternativa para a Copa do Mundo.

Aos 31 anos, está difícil pensar que pode chegar na última casa e levar o jogo. É hora de voltar duas casas, esfregar as mãos e ver o que os dados lhes reservam nesse insano tabuleiro da carreira de Ben Arfa.

Le Podcast du Foot #74 | Futuro parisiense

A precoce eliminação na Liga dos Campeões coloca em xeque o futuro do Paris Saint-Germain. Mais do que a perda da vaga, pesa nesse cenário a atuação pouco convincente diante do Real Madrid, que deixa dúvidas pairando no ar sobre o poder competitivo do time francês.

Hoje já há questionamentos ao técnico Unai Emery e a alguns jogadores, como Marco Verratti (expulso no jogo de volta) e até mesmo de Kyllian Mbappé, que teve discreta atuação nos dois jogos.

Para projetar o futuro do PSG após mais essa pancada europeia, Eduardo Madeira e Vinícius Ramos se reuniram para a edição #74 de Le Podcast du Foot. Dê play abaixo e escute mais um programa:

Neymar versus Cavani: a disputa que nunca existiu

Falta química entre Neymar e Cavani? Números derrubam argumento | Foto: AFP/Getty Images

A derrota por 3 a 1 para o Real Madrid, na primeira mão das oitavas-de-final da Liga dos Campeões da Europa, trouxe uma série de repercussões negativas para o Paris Saint-Germainalgumas delas foram discutidas na edição #73 de Le Podcast du Foot.

Muitos falaram das tomadas de decisão de Neymar, das escolhas de Unai Emery, da forma como o time joga, enfim, poucas vezes uma derrota arrasou a milionária terra parisiense como essa.

Diversos desses argumentos, de fato, rendem discussão e bons debates. Alguns passam do limite, seja por críticas descabidas e até desconectadas com o jogo, seja por simplesmente serem mentirosas.

A que mais me intrigou foi a da tal “falta de química” entre a dupla Neymar e Edinson Cavani. Como argumento, utilizaram um dado que indicava que um não tocou a bola para o outro na partida. O fato, em si, não condiz com a verdade, como mostrou o analista de desempenho e jornalista Eduardo Cecconi em seu Twitter:

A informação provocou uma série de reações, inclusive, comentários desconectados da realidade. Cito aqui o do jornalista André Rizek, do Sportv (e deixo claro que a intenção não é desmerece-lo, porém, entendo que se fosse algo que eu tivesse dito, gostaria que fosse citado para corrigir ou, ao menos, rebater).

Em seu perfil no Twitter, logo após o jogo, disse que Neymar e Cavani “não são uma dupla, são uma disputa”. Assisti a um trecho do Redação Sportv do dia seguinte, Rizek reforçou o argumento e citou a referida informação de que Cavani e Neymar não trocaram passes entre si.

Pois bem, fui atrás de números, dados concretos e irrefutáveis que rebatessem essa afirmação. Encontrei estatísticas simples, pouco profundas, mas que jogam por terra o argumento da “disputa” entre os dois. Neymar deu 12 assistências na temporada do Campeonato Francês. Seis delas foram para Cavani. Já o uruguaio, que nunca foi afeito a passes para gol, deu quatro, duas para o brasileiro.

Se isso é falta de química, me desculpem, mas não sei o que é entendimento entre dois jogadores de ataque.

Para complementar, tomei o cuidado de olhar assistência por assistência, analisar com cuidado para ver se não foram lances fortuitos, casos de sorte mesmo. Portanto, segue abaixo um relato de cada passe para gol de Neymar e, em seguida, de Cavani – no título estão os links que redirecionam para os vídeos dos lances:

1 – Guingamp 0-3 PSG | 2ª rodada 

Neymar recebe a bola na faixa central e observa o deslocamento de Cavani entre os zagueiros. O uruguaio é lançado e marca após dois toques na bola.

2 – Metz 1-5 PSG | 5ª rodada 

Lance semelhante ao primeiro: Neymar recebe no centro, enxerga o deslocamento de Cavani e Kyllian Mbappé. O Pistolero chega antes depois do lançamento e marca o gol.

3 – PSG 6-2 Bordeaux | 8ª rodada 

A jogada deste gol envolveu o trio Mbappé, Neymar e Cavani. Os dois primeiros tabelaram e o brasileiro encontrou o uruguaio em condições de marcar na saída de Benoît Costil.

4 – PSG 2-0 Troyes | 15ª rodada 

Jogada mais simples: Neymar recebeu na esquerda, tinha marcação por perto, diferente de Cavani, que estava livre na marca do pênalti. O camisa 9 foi acionado e guardou.

5 – Rennes 1-4 PSG | 18ª rodada 

Este foi, certamente, um dos gols mais bonitos. Neymar, com liberdade pela área central, lançou Cavani por elevação. Antes da chegada do goleiro, tocou por cobertura e marcou.

6 – PSG 6-2 Strabourg | 26ª rodada 

E, finalmente, o lance mais recente, mas que teve muita semelhança com outras jogadas: Neymar livre na área central, observa a movimentação de Cavani e o lança. O uruguaio, oportunista, guardou mais um.

Já nos passes de Cavani…

1 – Guingamp 0-3 PSG | 2ª rodada 

O gol saiu muito facilmente, mas ficou marcado por Cavani evitando a saída da bola pela linha de fundo e rolando para trás, onde estava Neymar, que fez o primeiro gol com a camisa parisiense.

2 – PSG 4-0 Montpellier | 23ª rodada 

Este talvez seja o único que dê para discutir se foi uma assistência intencional ou não, embora tenha me parecido proposital. Em rápido contra-ataque, Cavani recebeu na saída do goleiro e, sem o ângulo ideal, tocou por elevação. Antes de a bola entrar, Neymar marcou o gol.

Cavani e Neymar é a dupla fatal do PSG | Foto: Reprodução

Bom, lendo as descrições e assistindo aos lances, me parece claro que a tal “disputa” não existe. E ainda não entram na conta lances que não viraram gols, como aquele que Cecconi mostrou em Real x PSG. Esse dado poderia ser ainda maior.

O que se detectou foi, principalmente, um Neymar mais cerebral, jogando em uma faixa de campo mais recuada, mas sendo igualmente fatal, principalmente por ter um goleador nato em sua frente.

Aliás, quantos talvez tenham percebido isso ao longo da temporada? Como jornalista, sou muito crítico a minha profissão e me parece muito claro que, cada vez mais, se assiste menos futebol, mesmo existindo infinitas maneiras de acompanhar os jogos. Quantas partidas do PSG foram assistidas por nossa crônica especializada?

Ouso dizer que poucas.

E o reflexo é visto aí. Propaga-se uma opinião equivocada de que não há sintonia entre dois atletas que são responsáveis por mais da metade dos gols do PSG na liga nacional (42 de 81). Mais gritante ainda é ver que muitos desses tentos saíram de jogadas construídas pelos dois.

Se há uma rixa interna entre a dupla pouco importa. Isso é bom para vender jornais e caçar cliques de quem pouco está interessado em entender o jogo. Dentro das quatro linhas há entendimento e podemos ser categóricos: Neymar e Cavani não são uma disputa, como foi sugerido, mas, sim, uma dupla e tanto.

Le Podcast du Foot #73 | Real 3×1 PSG

A sonhada conquista da Liga dos Campeões da Europa ficou alguns quilômetros mais distante de Paris. O trio Neymar, Cavani e Mbappé sucumbiu a grandeza do Real Madrid e ao brilhantismo de Cristiano Ronaldo, perdendo por 3 a 1, na ida das oitavas-de-final, no Santiago Bernabéu. Na volta, em Paris, o PSG precisará vencer por 2 a 0 ou por três gols de diferença para seguir na competição.

Para analisar tudo que aconteceu no confronto de ida, Eduardo Madeira, Flávio Botelho e Renato Gomes estiveram reunidos na edição #73 de Le Podcast du Foot.

Unai Emery errou na escalação? Lo Celso ou Lass? Dí Maria poderia ter jogado? Thiago Motta fez falta? E o que mudar até a volta, no dia 6 de março? Tudo isso e muito mais foi aprofundado no programa que você escuta abaixo, no MixCloud:

Le Podcast du Foot #72 | Janela fechada

A janela de transferências de inverno enfim foi fechada na França, e alguns clubes trataram de se mexer para tentar resultados melhores na temporada. Saint-Étienne e Bordeaux são dois exemplos, já que trataram de buscar reforços para crescer no Campeonato Francês depois de inícios ruins.

Em Le Podcast du Foot #72, Eduardo Madeira e Filipe Papini analisam as principais movimentações da janela francesa e projetam os encaixas dos times com os planteis definidos.

É só dar play abaixo e acompanhar o programa:

Le Podcast du Foot #71 | 2º turno vem aí!

Após algumas semanas de pausa, o Campeonato Francês retorna com carga total a partir da próxima sexta-feira (12), com a abertura do 2º turno.

A expectativa fica para os mortais, podemos dizer assim. O poderosíssimo Paris Saint-Germain, de Neymar, Kyllian Mbappé e Edinson Cavani, é líder, com 50 pontos, e com 16 vitórias em 19 rodadas, dificilmente perderá o título.

Restam as brigas entre Monaco, Lyon e Marseille pelas vagas nas copas europeias, com a zebra Nantes, de Claudio Ranieri, correndo por fora. Além disso, fica a expectativa por Saint-Étienne, Bordeaux e Lille, equipes com nível de investimento alto para os padrões franceses, mas que estão na parte baixa da tabela.

As projeções do 2º turno estiveram em debate no Le Podcast du Foot #71. Eduardo Madeira, Filipe Papini e Renato Gomes participaram do programa, que analisou o campeonato até agora e imaginou as próximas rodadas da competição.

Ouça abaixo o programa completo: