A megalomania brasileira do Rennes 2000/2001

Luís Fabiano (centro) e Lucas (esq.) estão no ranking das maiores contratações da história do clube | Foto: SportPierre Minier / Icon Sport

Luís Fabiano (centro) e Lucas (esq.) estão no ranking das maiores contratações da história do clube | Foto: SportPierre Minier / Icon Sport

De Jairzinho a Juninho Pernambucano, passando ainda por Paulo César Caju e Raí, a história de jogadores brasileiros no futebol francês é longa e bem-sucedida. Clubes como Paris Saint-Germain e Olympique Lyonnais, por exemplo, possuem vastas e positivas histórias com atletas de sangue verde e amarelo.

Olhando para esse histórico, daria para dizer que a receita do sucesso é injetar dinheiro no Brasil, certo? Bom, na temporada 2000/2001, o Rennes seguiu este conselho e se deu muito mal.

Abastecido financeiramente pela venda de Shabani Nonda ao Monaco por € 20 milhões e pelo milionário François-Pinault, que assumiu a presidência do clube em 1998, o clube decidiu ir às compras. Das cinco maiores contratações da história do clube bretão, estão dois brasileiros, que juntos somaram € 28 milhões, mas apenas seis gols.

Luís Fabiano e Lucas Severino chegaram ao Rennes em 2000/2001. O primeiro era uma revelação da Ponte Preta, comprado por € 7 milhões, enquanto o segundo era estrela no Atlético Paranaense, jogador da seleção olímpica em 2000. A negociação de Lucas foi a maior da história do clube, que investiu € 21 milhões no atleta – que estava acertado com o Marseille, até os bretões dobrarem a proposta. Nenhum dos dois chegou perto de vingar.

O Fabuloso atuou sete vezes em 2000/2001, antes de ser emprestado ao São Paulo, e mais quatro vezes na temporada seguinte. Não marcou nenhum gol e voltou para o Tricolor Paulista, desta vez, em definitivo. Anos depois, quando despontava como um dos principais atacantes da Europa, na época em que defendia o Sevilla, muitos na Bretanha se perguntavam o que aconteceu para que ele não tivesse dado certo por lá…

FOTO 2: Luís Fabiano deixou o Rennes sem marcar um gol sequer | Foto: Divulgação

FOTO 2: Luís Fabiano deixou o Rennes sem marcar um gol sequer | Foto: Divulgação

Já Lucas se tornou o símbolo do fracasso em grandes negociações. O brasileiro chegou à França bem gabaritado, sendo elogiado por Raí e comparado a Ronaldo pelo presidente da Internazionale, Massimo Moratti. Ele foi apresentado junto do argentino Lucas Turdó, contratado também por uma singela bagatela de € 12 milhões – e se tornou outro grande flop.

Mesmo sem aguentar o fardo do valor investido, o Rennes teve paciência de sobra com Lucas, que foi titular durante duas temporadas e marcou apenas sete gols. Depois de fracassados empréstimos a Corinthians e Cruzeiro, retornou ao clube, jogou algumas partidas e foi vendido ao futebol japonês, sacramentando uma grande decepção para a torcida. Hoje, não é nada anormal encontrar o nome dele nas listas de grandes flops da história do Campeonato Francês.

Lucas é tido como o maior flop da história do Rennes | Foto: Divulgação

Lucas é tido como o maior flop da história do Rennes | Foto: Divulgação

Vânder e César

Naquela mesma temporada, o Rennes trouxe outros dois brasileiros, que não eram tão conhecidos assim do grande público. Além de Luís Fabiano, os Rouge et noir trouxeram da Ponte Preta o meio-campista Vânder, na época, com 26 anos. Atrapalhado por uma série de lesões, entrou em campo apenas 18 vezes em duas temporadas, sem ter marcado um único gol. Chegou a ser emprestado ao Cruzeiro em 2002, mas depois rodou por clubes de médio porte no Brasil, até se aposentar em 2010.

Caso semelhante viveu César. Zagueiro formado na Portuguesa, chegou a seleção no fim dos anos 90 e logo se transferiu ao PSG, onde teve poucas oportunidades. Aproveitando a “onda brasileira”, o Rennes decidiu investir € 5 milhões em sua contratação. Eis outro negócio fracassado.

Logo na estreia, diante do Lyon, um empate em 2×2 no Gerland, César foi expulso no fim da partida por acúmulo de cartões. Duas rodadas depois, se redimiu, ao marcar um gol no empate em 1×1 diante do Monaco. Porém, o prestígio com o técnico Christian Gourcuff durou somente uma temporada. No ano seguinte, atuou na primeira metade do campeonato, até voltar ao Brasil e começar a rodar. Pelo Rennes, foram 37 jogos, dois gols, seis cartões amarelos e um vermelho.

O alto investimento em brasileiros não trouxe grandes resultados ao Rennes. Irregular durante toda a temporada, os bretões precisaram se contentar com um 6º lugar, com 50 pontos, com uma vaga na extinta Copa Intertoto. Para piorar, na última rodada, chegaram a abrir 3×1 no Lyon, que já era o vice-campeão, e cederam a virada em casa. A derrota, somada com a vitória do Sedan sobre o Auxerre, fez com que perdessem a vaga na Copa Uefa.

Rennes 2000/2001: um time que ficou lembrado pela “onda brasileira” | Foto: Divulgação

Rennes 2000/2001: um time que ficou lembrado pela “onda brasileira” | Foto: Divulgação

Sem samba na Bretanha

Mas engana-se quem pensa que a temporada 2000/2001 foi exceção na relação Rennes e brasileiros. Se há um clube francês que não se dá bem com atletas tupiniquins, certamente é o Rennes.

Ao longo da história, o clube bretão teve o atacante Emerson Sheik (na época conhecido como Emerson Passos), o zagueiro Adaílton, o volante Dudu Cearense (ambos campeões mundiais sub-20 em 2003) e até Baltazar (o conhecido “Artilheiro de Deus”) em seus elencos e nenhum deixou saudades.

Atualmente, quem está lá é Pedro Henrique, que alterna entre o time titular e reserva desde que chegou na temporada 2014/2015. Já são 79 jogos, com oito gols e oito assistências. Seria ele capaz de mudar esse cenário?

Le Podcast du Foot #48

Foto: Reuters - Com nove gols, Rivière está voando na Ligue 1

Foto: Reuters – Com nove gols, Rivière está voando na Ligue 1

O Campeonato Francês esquentou! Com o tropeço do Paris Saint-Germain e a vitória do Monaco, a diferença entre os dois times caiu para três pontos. E aproveitando o clima quente da competição, Le Podcast du Foot aproveitou para trazer um formato diferente pro programa desta semana, com um debate mais intenso.

>> Confira a classificação da Ligue 1;

Para aplicar esta nova formatação, uma dupla tocou o programa, ao invés do tradicional trio. Eduardo Madeira e Flávio Botelho dividiram os papeis de comentaristas e apresentadores da edição #48 do podcast.

Entre os destaques do programa estão temas como a provável vinda de Yohan Cabaye ao PSG, os substitutos de Falcao García, a escassez de gols do Lille e a crise interna que afeta o Olympique de Marseille.

Confira todas as análises nos links abaixo:

OUÇA NO MIXCLOUD

OUÇA NO UOL MAIS

Os 20 melhores jogos de 2013 na França

O surpreendente Epinal foi um dos personagens de 2013

O surpreendente Epinal foi um dos personagens de 2013

O ano de 2013 chegou ao final e o Europa Football preparou um apanhado especial com os 20 jogos mais marcantes do ano na França. A lista inicialmente seria de sete jogos, mas se estendeu a duas dezenas de partidas.

Para a formação da tabela de jogos, foram selecionadas partidas realizadas pelo Campeonato Francês da 1ª, 2ª e 3ª divisão, além de jogos da Copa da França e da Copa da Liga.

A lista foi elaborada de forma cronológica para que não haja discussões do tipo: “como o jogo A ficou na frente do jogo B?”.

Sem mais delongas, confira os 20 jogos marcantes de 2013 na França:

2012/2013

6 de janeiro – Epinal (4) 3-3 (2) Lyon – Copa da França (32 avos de final)

O Lyon começou 2013 com um tropeço monumental na Copa da França. Enfrentando o modesto Epinal, da terceira divisão, logo em sua estreia na competição, o time comandado por Rémi Garde sofreu uma vergonhosa derrota nos pênaltis. Depois de sair com 2-0 contra em 15 minutos, o OL virou na metade da etapa final, mas sofreu o terceiro gol, foi para a prorrogação e, posteriormente, disputa de pênaltis. Nos tiros da marca fatal, brilhou a estrela do goleiro Olivier Robin, um dos grandes heróis da classificação do Epinal. A aventura do time da terceira divisão parou nas oitavas-de-final, quando o RC Lens o eliminou com um triunfo por 2-0.

1 de fevereiro – Guingamp 4-3 Niort – Campeonato Francês/Segunda Divisão (23ª rodada)

Brigando pelo acesso à elite do futebol francês, o Guingamp deu enorme demonstração de força na 23ª rodada da Ligue 2. Enfrentando o ameaçado Niort, então 16º colocado, o EAG precisou de um milagre para vencer. Após sofrer o empate em 3-3 aos 31 minutos do 2º tempo, o Guingamp buscou a vitória no nono minuto de acréscimo! O gol foi do artilheiro Mustapha Yatabaré.

1 de fevereiro – Laval 4-5 Auxerre – Campeonato Francês/Segunda Divisão (23ª rodada)

No mesmo dia do maluco 4-3 entre Guingamp x Niort, outro jogo agitado marcou a 23ª rodada da segundona francesa. O Laval, que lutava contra o descenso, ia trazendo o Auxerre para esta briga ao abrir 2-0 com 40 minutos de jogo. Porém, antes do intervalo, o AJA buscou o empate com dois gols da joia Yaya Sanogo. Quando o relógio marcava 20 minutos do 2º tempo, mais reviravoltas e o marcador apontava 4-4, sendo que Sanogo havia anotado os dois gols do Auxerre. O placar só foi definido aos 43 minutos, quando Christopher Jullien fez o gol da vitória do AJA, 5-4.

11 de fevereiro – Angers 3-2 Lens – Campeonato Francês/Segunda Divisão (24ª rodada)

Na rodada seguinte da segunda divisão da França, virada heroica do Angers diante do Lens. Perdendo em casa por 2-1, o time mandante se viu em situação delicada quando Fabien Boyer foi expulso aos 40 minutos da etapa final. Porém, El Jadeyaoui, aos 45’, e Ayaru, aos 50’, viraram para o Angers e fecharam a partida em 3-2.

29 de março – Chateauroux 2-3 Angers – Campeonato Francês/Segunda Divisão (30ª rodada)

O Angers voltou promover virada heroica no dia 29 de março, em partida válida pela 30ª rodada da Ligue 2. Após abrir o placar com menos de 20 minutos diante do Chateauroux, o Angers vacilou entre os 30 e 32 minutos da etapa final, sofrendo a virada. Porém, aos 47 minutos e aos 49, Ravet e Fall marcaram, respectivamente, e deram a vitória aos visitantes.

6 de abril – Toulouse 3-4 Nice – Campeonato Francês (31ª rodada)

Contra o Toulouse, Anin marcou o último gol antes do acidente de carro

Contra o Toulouse, Anin marcou o último gol antes do acidente de carro

Para muitos, Toulouse 3-4 Nice será marcado pela bizarrice. Ali Ahamada e David Ospina, goleiros dos dois times, falharam na maioria dos gols. O arqueiro do Toulouse, inclusive, foi expulso no segundo tempo. O jovem Bosetti também foi excluído da partida por tentar dar um carrinho voador em M’Bengue. Mas o que marcou foi o autor do gol da vitória do Nice: Kevin Anin. O volante fez seu último gol antes do grave acidente de carro que sofreu meses depois e que lhe tirou dos gramados, muito provavelmente, de forma definitiva.

13 de abril – Fréjus St-Raphaël 2-2 Epinal – Campeonato Francês/Terceira Divisão (32ª rodada)

O modesto Epinal volta a nossa lista com a busca de um empate heroico na terceira divisão francesa. Perdendo por 2-0 pro Fréjus St-Raphaël e jogando com 10 desde os 25 minutos da etapa final, quando Dembele foi expulso, o pequenino time que havia derrotado o Lyon na Copa da França arrancou um pontinho nos minutos finais da partida. Rother, aos 40’, e Chouleur de pênalti, aos 45’, foram os responsáveis pelo empate.

17 de abril – Évian (4) 1-1 (1) PSG – Copa da França (quartas-de-final)

Após empate por um gol no tempo regulamentar e na prorrogação, o milionário Paris Saint-Germain sucumbiu ao valente Évian na disputa por pênaltis das quartas-de-final da Copa da França. Com Ibrahimović parando no goleiro Laquait e Thiago Silva acertando o travessão, o time da capital saiu de campo eliminado da competição. O triunfo foi o gás que o time de Annecy necessitava para chegar até a final da competição.

20 de abril – Saint-Étienne 1-0 Rennes – Copa da Liga (Final)

Dois times na fila chegaram à decisão da Copa da Liga Francesa: o Saint-Étienne, que não vencia nada desde 1981, e o Stade Rennais, que não ergueu troféu algum desde 1971. Por fim, venceu o time mais tradicional e que estava há menos tempo na fila. O ASSE fez 1-0 com o artilheiro Brandão, marcando na decisão pelo segundo ano seguido (no ano anterior havia marcado pelo Marseille). O título também foi a consagração de Pierre-Emerick Aubameyang, astro do time, e de Christophe Galtier, técnico do time e mentor deste longo e ótimo trabalho.

24 de maio – Red Star 2-1 Fréjus St. Raphaël – Campeonato Francês/Terceira Divisão (38ª rodada)

Um dos jogos mais simbólicos da temporada na 3ª divisão francesa foi justamente na última rodada. No Stade Bauer, na capital do país, o Red Star, 15º colocado, enfrentava o Fréjus St. Raphaël, 3º colocado. Para resumir: estavam frente-a-frente um time que estava caindo de divisão e outro que estava subindo. Com dois gols de Jean-Jacques Mandrichi, o Red Star venceu de virada e evitou o rebaixamento (o Bourg-Péronnas perdeu pro Carquefou e foi ultrapassado pelos parisienses). De quebra, o tropeço fez com que o Fréjus St. Raphaël fosse deixado para trás pelo CA Bastia, que venceu o Créteil Lusitanos, e ficasse sem o acesso.

31 de maio – Évian 2-3 Bordeaux – Copa da França (Final)

Durante toda temporada 2012/13, tanto Évian quanto Bordeaux não acreditavam que pudessem conquistar algum título. O time de Annecy se preocupava mais em permanecer na elite francesa, enquanto a equipe da terra dos vinhos fazia campanha mediana na Ligue 1. No último dia de maio, entretanto, os dois times estavam com seus fãs no Stade de France decidindo a Copa da França. Em uma partida pra lá de animada, os Girondins venceram por 3-2 e levaram o troféu para a casa. O grande nome da partida foi o centroavante Cheick Diabaté, autor de dois gols e que também perdeu um pênalti. A conquista foi justa, mas muitos sentiram pena do simpático Évian, que fez por merecer chegar à decisão e vendeu caro a derrota.

2013/2014

6 de outubro – Montpellier 5-1 Lyon – Campeonato Francês (9ª rodada)

Durante as últimas temporadas, temos apertado na tecla (tanto no blog quanto no podcast) que o Lyon está em um patamar abaixo dos times de ponta da França, apesar de ainda esboçar alguns brilharecos. Porém, logo na 9ª rodada do Campeonato Francês da atual temporada, o OL sofreu uma derrota simbólica e que demonstrou o novo momento do clube. Enfrentando o Montpellier, que ainda não havia vencido na temporada, o Lyon foi destruído com uma humilhante derrota por 5-1. O nome do jogo foi Rémy Cabella, autor de dois gols e dois passes para gols.

6 de outubro – Olympique de Marseille 1-2 Paris Saint-Germain (9ª rodada)

O primeiro “Le Classique” da atual temporada foi muito nervoso, só para variar. Mas quem colaborou (e muito) para que o jogo fosse tenso foi a arbitragem comandada por Clément Turpin. Thiago Motta cometeu pênalti em Mathieu Valbuena aos 30 minutos da etapa inicial e, de forma absurda, foi expulso. O lance gerou a revolta de todos no PSG, ainda mais porque André Ayew converteu a cobrança. Com Maxwell e Ibrahimović, o clube da capital virou e saiu do Vélodrome com os três pontos. Vale destacar também a participação do jovem Adrien Rabiot, que entrou para ocupar a lacuna deixada após a expulsão, não sentiu a pressão e jogou bem.

27 de outubro – Saint-Étienne 2-2 Paris Saint-Germain – Campeonato Francês (11ª rodada)

Lemoine foi expulso após receber cotovelada

Lemoine foi expulso após receber cotovelada

Duas rodadas depois, a arbitragem voltou a aparecer em um jogo do PSG, desta vez, ajudando o clube da capital. Perdendo pro Saint-Étienne no Geoffrey-Guichard por 2-0 e sendo completamente dominado pelos Vérts, os parisienses foram beneficiados pelo árbitro Ruddy Buquet, que expulsou Fabien Lemoine. O volante do ASSE disputava bola com Ezequiel Lavezzi e, durante o “puxa-puxa”, recebeu uma cotovelada. Com o rosto ensanguentado, viu o cartão vermelho. O Saint-Étienne sentiu o baque e cedeu o empate nos acréscimos.

3 de novembro – Lille 2-0 Monaco – Campeonato Francês (12ª rodada)

Fazendo campanha surpreendente no Campeonato Francês, o Lille, de René Girard, iria testar forças contra o milionário Monaco na 12ª rodada da competição. Em tarde inspirada do centroavante Nolan Roux, os Dogues mostraram que não estavam para brincadeira, venceram por 2-0 com dois gols do atacante e provocaram a primeira derrota dos monegascos na Ligue 1.

10 de novembro – Saint-Étienne 1-2 Lyon – Campeonato Francês (13ª rodada)

Se a situação do Lyon não é nada boa na questão de títulos, o contrário é dito quando os torcedores lembram o derby contra o Saint-Étienne. O OL engordou a lista de jogos invictos no Geoffrey-Guichard alimentada desde 1994 com mais um triunfo nesta temporada. O gol da vitória dos visitantes (que mais parecem mandantes) veio nos acréscimos, com um gol de cabeça de Jimmy Briand. Porém, não foi apenas isso que marcou a partida. Sem poder levar torcedores para o jogo, o elenco do Lyon ficou com sangue nos olhos durante a partida e até mesmo o veterano Joël Bats (aquele da Copa de 86 e do pênalti de Zico) provocou a torcida adversária, provocando uma confusão que poderia ter trazido maiores problemas para a realização da peleja.

22 de novembro – Fréjus St. Raphaël 2-3 Bourg-Péronnas – Campeonato Francês/Terceira Divisão (13ª rodada)

Acredito que muita gente nunca tenha ouvido falar do Fréjus St. Raphaël. Mas, a partir deste post, vai conhecê-lo como “time da virada”, porém, não no sentido criado no Brasil. Já nesta temporada, o Fréjus viu o triunfo diante do Bourg-Péronnas desandar nos minutos finais. Vencendo por 2-1 no Stade Eugène-Pourcin, os ventos começaram a mudar quando o senegalês Matar Fall foi expulso aos 43 minutos da etapa final. Como tragédia pouca é bobagem, aos 46’, Jordan Gaubey, e aos 47’, Lakdar Boussaha, viraram o jogo. Desde então, o Fréjus não venceu mais e despencou da 4ª colocação para a 8ª na 3ª divisão do país.

1 de dezembro – Paris Saint-Germain 4-0 Lyon – Campeonato Francês (15ª rodada)

O Lyon voltou a receber um choque de realidade ao encarar o PSG em Paris. Inoperante no Parc des Princes, o OL saiu da capital humilhado e com um 4-0 na bagagem. O sueco Zlatan Ibrahimović marcou duas vezes de pênalti, sendo a primeira cobrança no estilo Panenka.

15 de dezembro – Lyon 2-2 Olympique de Marseille – Campeonato Francês (18ª rodada)

Lyon e Marseille podem não estar em seus melhores dias, mas sempre é garantia de bom jogo quando se enfrentam (recentemente tivemos um 5-5, por exemplo). Este ano foi a vez das duas equipes nos presentearem com um bem jogado 2-2 no Stade Gerland. Os mandantes abriram 2-0 com Lacazette e Gomis, e tiveram chances de alargar a vantagem, mas as desperdiçaram e pagaram um preço caro: o empate. Gignac e Thauvin marcaram em falhas do goleiro Remy Vercoutre e levaram um ponto para a casa.

22 de dezembro – Paris Saint-Germain 2-2 Lille – Campeonato Francês (19ª rodada)

Mavuba marcou no último jogo do ano na Ligue 1

Mavuba marcou no último jogo do ano na Ligue 1

O ano de 2013 (e nossa lista) não poderia ser encerrado da melhor maneira possível. PSG e Lille protagonizaram um dos melhores jogos do ano na França, e com uma surpresa: o time do norte não se assustou com o adversário milionário e jogou de igual pra igual, mesmo atuando fora de casa. A partida acabou 2-2, mas poderia ter acabado com vitória lillois, time que criou as melhores chances na etapa final. O jogo também ficou marcado pelo entrevero entre Ibrahimović e Rio Mavuba. Os dois se agrediram e receberam apenas o cartão amarelo (minutos depois, Mavuba marcou para o Lille).