Cinco confrontos históricos entre Monaco e italianos

Monaco e times italianos é um confronto, de certa forma, recorrente. Desde a temporada 1961/62, quando os monegascos debutaram fora da França, foram 13 confrontos com clubes da Velha Bota, com três vitórias, três empates e sete derrotas, sempre em fases eliminatórias. Na lista histórica, os times da Itália estão atrás apenas de ingleses, alemães e espanhóis em partidas contra o representante do Principado.

Na atual temporada, a Juventus vai cruzar o caminho francês na semifinal da Champions League. Se levarmos em conta o retrospecto nos jogos anteriores, é bom o Monaco se preocupar, já que avançou de fase somente uma vez quando teve equipes de lá pela frente.

Para projetar o confronto da próxima quarta-feira, recordo hoje no blog cinco confrontos marcantes entre monegascos e italianos. Só para ressaltar, o levantamento será em ordem cronológica:

Roma – 1991/92

O baixinho Rui Barros (dir.) decidiu o confronto diante da Roma | Foto: Divulgação/Monaco

O primeiro confronto da lista aconteceu na temporada 1991/92, pelas quartas-de-final da extinta Taça dos Vencedores de Copas Europeias. O Monaco tinha, na época, um time forte comandado por Arsène Wenger e que ainda tinha no elenco nomes como Ettori, Emmanuel Petit e George Weah. A Roma, de Aldair e Rudi Völler, seria o primeiro grande adversário naquela edição, já que passara facilmente pelo galês Swansea (10 a 1 no placar agregado) e pelo sueco Norrköping (3 a 1 no agregado, com duas vitórias).

Na ida, no Olímpico de Roma, uma partida sem grandes emoções, onde o Monaco criou as melhores chances. George Weah e Rui Barros chegaram a acertar a trave em mais de uma ocasião, fazendo com que os monegascos deixassem a Velha Bota com a sensação de que poderiam ter obtido um resultado melhor.

Na volta, o estádio Louis II estava tomado de torcedores. Estiveram presentes 20 mil pessoas, um recorde histórico para o clube. Em campo, uma partida mais aberta, onde o Monaco levou a melhor pelo placar mínimo, gol de Rui Barros, avançando para a semifinal. Foi a única vez que o Monaco eliminou um clube italiano. Em seguida, os monegascos despacharam o Feyenoord, mas perderam a final para o Werder Bremen.

Milan – 1993/94

Duas temporadas depois, o Monaco voltava a encontrar um time italiano em seu caminho. Desta vez, o Milan, e agora na nova Liga dos Campeões da Europa. Naquela época, o torneio tinha formato diferente do atual e os monegascos precisaram passar por duas fases de mata-mata até chegarem a fase de grupos. Eram duas chaves, onde os dois primeiros colocados avançavam e faziam as semifinais.

O Monaco, ainda com Wenger no comando e com outros remanescentes no elenco, como o goleiro Ettori, Emmanuel Petit, Claude Puel e Lillian Thuram, mas com novas referências, como Viktor Ikpeba, Youri Djorkaeff e Jurgen Klinsmann, passou de fase no grupo A atrás do Barcelona e na frente de Spartak Moscou e Galatasaray.

Na semifinal em jogo único, simplesmente o Milan de Fábio Capello, e que contava com um esquadrão formado por Mauro Tasotti, Demetrio Albertini, Franco Baresi, Roberto Donadoni, Zvonimir Boban, Dejan Savicevic e outros tantos. Não deu outra! Jogando no San Siro, vitória milanista por 3 a 0, com gols de Desailly, Albertini e Massaro. Vale lembrar que o Milan se sagraria campeão futuramente, com uma impiedosa goleada por 4 a 0 sobre o Barcelona de Romário, Guardiola, Koeman e Stoichkov.

Inter de Milão – 1996/97

Em 1997, o jovem Henry não conseguiu ajudar o Monaco contra a Inter | Foto: Divulgação/Monaco

Chegamos a temporada 1996/97 e o Monaco, já bastante alterado em relação a anos anteriores (mas ainda com Petit, desta vez como capitão) novamente bateu de frente com uma equipe de Milão. Naquela ocasião foi a Internazionale, de Roy Hodgson, pela semifinal da Copa da Uefa. Curiosamente, o time do Principado foi o segundo francês da campanha nerazzurri, que passara também o Guingamp na primeira fase.

Na ida, em Milão, a Inter parecia que encaminharia a classificação com facilidade. Com três gols em um intervalo de 22 minutos, abriu 3 a 0 no time de Fabien Barthez, Sonny Anderson e Thierry Henry. Maurizio Ganz fez dois e Ivan Zamorano anotou o outro. Na etapa final, o Monaco perdeu Gilles Grimandi expulso, mas ainda conseguiu descontar Ikpeba, que saiu do banco para recolocar os franceses na parada para o jogo de volta.

Na França, o máximo que o Monaco conseguiu foi o 1 a 0, novamente com gol de Ikpeba. Importante ressaltar que essa partida de volta teve arbitragem polêmica do holandês Mario van der Ende. Ele anulou dois gols franceses e o tento que validou teve um claro toque de mão de Enzo Scifo. Por fim, a Inter passou, mas esbarrou no Schalke na grande decisão, que ergueu o troféu nos pênaltis, e o Monaco teve de se contentar com o título francês, servindo de gancho para o próximo jogo da lista.

Juventus – 1997/98

Como campeões nacionais, os monegascos caíram já na fase de grupos da Liga dos Campeões do ano seguinte e conseguiram consistente campanha até a semifinal. Passaram em primeiro na chave que ainda tinha os alemães do Bayer Leverkusen, os portugueses do Sporting e os belgas do Lierse, e conseguiram eliminar o poderoso Manchester United nas quartas-de-final.

Na semifinal, o Monaco levou o azar de bater de frente com a Juventus e com um inspirado Alessandro Del Piero. Com dois gols de pênalti, um de falta e uma assistência, ele ajudou a Velha Senhora a construir um impiedoso 4 a 1, que praticamente eliminou os monegascos.

No Principado, o Monaco promoveu um bombardeio para tentar diminuir a vantagem, mas esbarrou em uma ótima noite de Peruzzi e novamente em Del Piero, que mais uma vez marcou. Os monegascos até venceram por 3 a 2, mas saíram de campo sem a vaga na final.

Juventus – 2014/15

O último confronto foi mais recente, nas quartas-de-final da temporada 2014/15. Na ocasião, o Monaco vinha de surpreendente classificação diante do Arsenal, enquanto a Juventus atropelou o Borussia Dortmund. Havia um favorito claro no confronto, mas não foi isso que se viu na prática. Um único gol, anotado num pênalti até hoje contestado – eu, particularmente, não achei falta e fiquei na dúvida se foi dentro da área – na partida de ida, em Turim, tratou de encerrar o sonho monegasco novamente com um 1 a 0, seguido de um empate sem gols na volta.

Bônus: Completam a lista de confrontos do Monaco contra italianos as eliminações para a Internazionale, nas oitavas-de-final da Copa dos Clubes Campeões Europeus, em 1963/64 (derrotas por 1 a 0 e 3 a 1); e na semifinal da Taça dos Clubes Campeões de Copas Europeias, para a Sampdoria, na temporada 1989/90 (empate por 2 a 2 na ida e derrota por 2 a 0 na volta).

Os números dizem muito (III) – “Mitoslav” Klose

O apelido de Miroslav Klose é “Miro”. É um apelido carinhoso, o diminutivo de seu primeiro nome.

Mas logo ao chegar na Itália, seus gols fizeram os torcedores da Lazio lhe chamar de “Mito”.  Isso antes do Derby della Capitale.

Já estávamos nos acréscimos da etapa completamentar. A Lazio, jogando a 2ª etapa inteira com um homem à mais empatava com a Roma por 1×1, até que o brasileiro Matuzalém deu belo passe para Miroslav Klose mandar pras redes. A festa foi imensa e certamente o apelido de “Mito” ficará marcado.

Mas ilude-se quem pensa que esse início de Klose pela Lazio é o melhor de sua carreira. Veja abaixo a comparação.

Em seus 6 primeiros jogos com a camisa do Bayern, Klose marcou 5 gols

Em seus 6 primeiros jogos com a camisa do Bremen, Klose marcou 5 gols

Em seus 6 primeiros jogos com a camisa da Lazio, Klose marcou 4 gols
 
*Os números acima se referem aos jogos pelo campeonato nacional

Na verdade, não quero rebaixar Klose e seu início na Lazio, e sim mostrar o quanto ele é regular e que essa história de que ele só faz gol na Seleção é uma balela sem tamanho.

Resumo da janela: Itália

Já estamos quase acabando a passada geral no que rolou na janela de transferências das principais ligas européias. Chegamos agora ao país que tem formato de bota, a Itália!

Matri se destacou na Juve

Na Itália, a equipe que mais gastou foi a Juventus. A Vecchia Senhora investiu mais de 85 milhões de euros em contratações, porém, não trouxe nenhum nome que balançasse as estruturas. Por 500 mil euros à mais que Vucinic, Alessandro Matri foi o investimento mais caro da Juve. Ele já havia atuado na equipe de Turim na última temporada, só que por empréstimo. Só que seus 9 gols em 15 partidas fizeram os dirigentes da Juventus gastarem 15,5 milhões de euros para trazê-lo em definitivo. Como foi citado anteriormente, por 15 milhões de euros, Vucinic veio pro 15 milhões de euros. A Juventus completou seus reforços de ataque com Quagliarella – outro que já estava na Juve por empréstimo e agora vem em definitivo -, Giaccherini, Estigarribia e Elia – os dois últimos são mais homens ofensivos do que atacantes propriamente ditos.

Além de Quagliarella e Matri, Simone Pepe, Frederik Sorensen e Marco Motta, que já estavam por empréstimo na Juventus, foram contratados em definitivo.

Stephan Lichtsteiner, Arturo Vidal, Michele Pazienza, e Andrea Pirlo completam a lista de chegadas na Vecchia Senhora. De todos esses, Vidal foi o mais caro, 10,5 milhões de euros.

Uma série de figuras conhecidas dos torcedores da Juventus deixaram o clube. Sissoko foi pro PSG, por empréstimo Felipe Melo foi para o Galatasaray, Salihamidzic foi pro Wolfsburg, Giovinco ficou no Parma, assim como Tiago permaneceu no Atlético de Madrid, Grygera foi pro Fulham e Jorge Martínez foi pro Cesena.

A Juventus deu uma bela reformulada em seu elenco. Investiu bastante, mas não trouxe nenhum grande nome – daria pra considerar Pirlo, mas ele teria de estar inteiro, coisa rara ultimamente – e terá de focar suas atenções em Del Piero, que talvez já não tenha pernas. Mas vale lembrar que já faz uns dois anos que falo que Ale não terá pernas pra carregar a Juventus e ele me desmente…

Um grupo de investidores liderado pelo executivo Thomas DiBenedetto comprou a Roma e botou dinheiro no clube. Até por isso, mais de 78 milhões de euros foram investidos nesta janela de transferências. Mas assim como a Juventus, o time da capital italiana não fez nenhum negócio de parar o trânsito.

Érik Lamela saiu logo cedo da Argentina para se aventurar na Roma

O jovem Érik Lamela foi a contratação mais cara do clube. Ele veio por 15 milhões de euros. Por uns trocados a menos, Pablo Osvaldo, ex-Fiorentina e que era o grande destaque do Espanyol, também chegou à Roma.

Os Giallorossi também trouxeram alguns garotos que querem mostrar serviço. Sem chances no Chelsea, o garoto de 20 anos, Fábio Borini vem por empréstimo do Parma; aos 21 anos, Miralem Pjanic tentará uma melhor consolidação no time titular da Roma, coisa que nunca conseguiu no Lyon; fiasco no Wolfsburg, Simon Kjaer, de 22 anos, terá uma grande chance de mostrar o bom futebol que apresentou nos tempos de Palermo; cria do Nantes, Loic Nego, aos 20 anos foi outro a migrar para a Roma. Sem falar de Bojan, contratado por 12 milhões de euros. O garoto de 21 anos gerou muita espectativa no Barcelona, mas perdeu muito espaço. José Ángel, de 22 anos foi outro garoto vindo da Espanha para a Roma. Dedo de Luís Enrique!

Mas com certeza, a melhor contratação da Roma foi para o gol: Maarten Stekelenburg, 6 milhões de euros. Foi relativamente barato e é muito bom goleiro. A Roma que tanto sofreu com Doni’s e Júlio’s Sérgio’s durante os últimos anos, finalmente terá um grande goleiro em sua meta.

Deixaram a Roma alguns jogadores que se desgastaram com o passar do tempo, como John Arne Riise, Doni e Jérémy Ménez. Mexès e Vucinic foram outras duas peças carimbadas do time titular da Roma que deixaram o clube.

Mas vale lembrar que o que anda fazendo barulho na Roma não são as contratações e sim o novo técnico, Luís Enrique, que não só trouxe um caminhão de jogadores da Espanha, como tem comprado briga com Francesco Totti…

Quem se mexeu bem mesmo foi o Milan. Só contratações cirúrgicas!

Taiwo tem tudo pra dar certo no Milan

Pra problemática lateral-esquerda, chegou de graça, Taye Taiwo. Bem na defesa, eficiente no ataque e dono de uma patada de canhota. Belo reforço! Pra não passar problemas na defesa, Mexès foi outro que veio de graça. Em tese, ele é banco de Nesta e Silva, mas com três boas opções, a rodagem no elenco será melhor executada. Alberto Aquilani veio por empréstimo do Liverpool. É mais uma chance a ele. Jogadores como Ibrahimovic, Amelia e Boateng, que estavam por empréstimo no clube, foram contratados em definitivo.

As saídas que ocorreram no elenco do Milan não causaram tanto barulho. Jogadores como Jankulovski, Sokratis, Borriello, Onyewu, Oddo e Legrottaglie estavam sem espaço e vão embora sem deixar saudade.

O Milan deu uma bela reforçada em seu elenco. Já não é mais tão velho e as opções estão em maiores quantidades. Massimo Allegri poderá fazer um rodízio maior em seu elenco, sem perder a qualidade do time.

Tá certo que a dupla de Milão está um pouco escondida em relação a dupla Juve-Roma, que contratou de montão, mas a timidez da Inter nessa janela foi algo notório.

A equipe perdeu Eto’o pro Anzhi da Rússia e esteve perto de perder Sneijder pro futebol inglês, mas nunca se posicionou com firmeza diante das diversas especulações. Era só aquele papinho do “não sai”, “ele quer ficar”, só o feijão com arroz mesmo.

Como de costume, muitos sulamericanos reforçando a Inter. O argentino Ricardo Álvarez veio por quase 12 milhões de euros – negociação mais cara do clube -, o brasileiro Jonathan chegou por 5 milhões, o uruguaio Forlán, contratação de mais destaque da Inter, veio por 5 milhões, enquanto o argentino Zárate chega por empréstimo da Lazio. Apenas Viviano, Nagatomo – estava por empréstimo, agora em definitivo – e Castaignos são os reforços “estrangeiros”.

Além de Eto’o, as outras duas saídas de destaque são as de Davide Santón e Goran Pandev. O primeiro acabou fazendo uma temporada ruim e mesmo quando era titular nos tempos de Mourinho, nunca havia convencido. Agora respirará ares ingleses no Newcastle. Já Pandev foi emprestado ao Napoli e lá poderá ser mais importante do que estava sendo na Inter, onde era diversas vezes criticado por seus sumissos dentro da partida.

A Inter não fez muito barulho na janela e até por isso a coloco no mesmo nível de Juve e Roma. Mas você pode pensar: “Como no mesmo nível se Juve e Roma contrataram bastante?”. Tá certo, contrataram de montão, mas não trouxeram nenhum grande jogador e contratações em massa não são sinônimo de resultado imediato. Por isso coloco a Inter no mesmo patamar de Juve e Roma. Em outras palavras, a chance de sair de mãos cheias ou mãos vazias é quase a mesma.

BOLA DENTRO (CHEGADAS)

– Contratado por 17,5 milhões de euros, Gokhan Inler chega com muita moral no Napoli. E tem tudo para se dar bem por lá. Suas boas temporadas na Udinese me passam essa sensação;

– O promovido Novara trouxe o japonês Morimoto. Esse caiu demais de uns tempos para cá, mas já mostrou no Catania que pode dar uma forcinha e evitar um rebaixamento;

Klose quer ser o homem-gol da Lazio

– Artilheiro no futebol alemão, Klose terá a chance de mostrar seu valor na Itália jogando na Lazio. Bola dentro dos Biancocelesti, isso se tiverem paciência com a adaptação de Miro, que pode demorar. Varia de atleta para atleta;

– O Bologna perdeu o selecionável Viviano, mas trouxe Gillet. Bom goleiro e que há um bom tempo estava no Bari;

– A Fiorentina trouxe Santiago Silva, que estava no Vélez. Atacante matador e tem tudo pra dar certo no Calcio;

BOLA DENTRO (SAÍDAS)

– O uruguaio Chevantón migrou pro futebol argentino, deixando o Lecce. Esse teve muitas chances no futebol europeu e nunca aproveitou;

– Do Napoli saiu José Sosa. Ainda é promissor, mas não estorou. Não foi no time napolitano que o estouro acontece e sai sem deixar saudades;

– O Parma vendeu pro Sporting o rodado Valeri Bojinov. Muito nome, pouca bola;

– A Lazio fez um belo negócio ao vender Muslera. Goleiro fraco, mas que fez uma bela Copa América. Os Biancocelesti conseguiram 6 milhões de euros ao vendê-lo pro Galatasaray;

– Adrian Mutu deixou a Fiorentina. Já estava sem clima depois dos diversos problemas de dopping;

BOLA FORA (CHEGADAS)

– Será que vale a pena pra Atalanta dar mais uma chance para Germán Denis? Foi mal no Napoli e na Udinese e nunca fez grande coisa em campos italianos;

– O Bologna trouxe Alessandro Diamanti. Esse passa de time em time e nunca é lapidado;

– A Fiorentina trouxe Rômulo, ex-Cruzeiro e Atlético/PR. Desde o início, o achei bem fraquinho. Típico lateral que ataca feito louco e dá muitas brechas na defesa;

– Outra jogador mediano que a Firenze trouxe foi Kharja, que estava na Inter;

– O Genoa trouxe Zé Eduardo, ex-Santos. Atacante medíocre e sabe-se lá como foi arranjar uma vaguinha no futebol italiano;

Até a próxima!