Por que o Milan tem sofrido para vencer?

Texto de: Romário Henderson

O Milan jogou no Estádio San Siro nas duas últimas partidas da Série A. Na primeira delas, suou para empatar com a organizada e perigosa equipe da Udinese, que vai brigar, no mínimo, por uma vaga na Champions League, pois o técnico Francesco Guidolin vem fazendo um bom trabalho, armando seu time no 3-5-1-1, com o brasileiro Danilo, ex-Palmeiras na sobra dentre os zagueiros, liberando os laterais, com Pablo Armero como meia pela esquerda, Asamoah Kwadwo pela direita e o veterano e ágil Antonio Di Natale no ataque.

Depois, o rossonero enfrentou o Cesena, e venceu no sufoco por 1×0, sem se apresentar bem. Por que o atual campeão italiano neste início da Liga Nacional tem encontrado dificuldades para engrenar?

Romário não gosta das formações de Allegri (Reuters)

Em minha opinião, a formação escolhida pelo técnico Massimiliano Alegri, o 4-3-1-2, e a presença de alguns jogadores como Abate e Nocerino, além da ausência do sueco Zlatan Ibramovich, explicam tal situação. Por que atuar somente com Seedorf na armação? Por que improvisar Zambrotta na lateral esquerda sendo que há um lateral esquerdo de ofício e qualidade como Taiwo? Deveria sacar Abate e colocar o nigeriano, deslocando Gianluca Zambrotta para a direita, sua posição de origem.

Na linha de três, questiono a presença de Nocerino, que tem sido ineficiente na marcação e impreciso na transição. Seria conveniente atuar com apenas dois volantes: Van Bommel e Aquilani; dois meias: Seedorf e Emmanuelson; e dois atacantes: Cassano e Inzaghi.

Eu optaria pelo 4-2-2-2, um time mais leve, onde teria um ala esquerdo que apóia com freqüência, dois volantes eficazes na marcação, sobretudo o holandês, e Aquilani com certa liberdade para sair para o jogo. À frente, Seedorf teria a companhia de Emmanuelson para dividir a responsabilidade da armação, além de Antonio Cassano, que tem muita mobilidade e daria opção aos meias. E, claro, Pippo Inzaghi como referência, prendendo os zagueiros. O ídolo da torcida do Milan, após voltar de lesão, encontra-se clínica e fisicamente bem, portanto, deveria ocupar uma vaga no time titular.

André Villas-Boas tomou uma atitude em relação o mal futebol de Lampard (Reuters)

Villas-Boas faz o que Ancelotti não fez – São poucos os técnicos que barram atletas renomados, quando estes estão mal. No Chelsea, o meia Frank James Lampard, desde a temporada passada, vem tendo atuações reticentes, no entanto, nunca foi sacado por Carlo Ancelotti, certamente por ter uma história nos blues e presença freqüente na Seleção Inglesa. O português Villas-Boas pensa diferente para a escalação de um jogador. Crê que o nome não ganha jogo, e que é necessário ser produtivo, e não inoperante como Lampard. O jovem e competente treinador sacou Frank no intervalo do jogo contra o Manchester United, quando uma vez mais o inglês era peça nula, literalmente apagado. De acordo com relatos da imprensa inglesa, já há um clima desconfortável do jogador com o treinador.

Pirlo: Um maestro na Juventus

Texto de: Romário Henderson

Pirlo já se destaca na Juventus

Ao final da temporada 2010/11, Andrea Pirlo não era o jogador mais importante do Milan. Em tese, era titular, mas pouco conseguiu jogar devido a uma temporada cheia de lesões. Seu contrato estava no fim e o rossonero, que acabava de conquistar o Scudetto, não mostrara muita disposição para renová-lo. Pirlo, por sua vez, não fez muita questão de continuar em Milanello. E depois de muita especulação, acabou seguindo para a Juventus, que ainda tenta se reconstruir.

Um novo começo para o meio-campista, de 32 anos, mas já com status de veterano, seja no clube, seja na seleção italiana, onde ainda é peça importante para o técnico Cesare Prandelli. Muitos torcedores da Juventus queriam a contratação em definitivo de Alberto Aquilani, que ficou a temporada passada em Turim emprestado pelo Liverpool. A chegada de Pirlo, porém, amenizou as preocupações sobre o meio-campo, que já tinha perdido também Felipe Melo.

No primeiro jogo oficial pelo novo clube, Pirlo formou o meio-campo com Claudio Marchisio, companheiro de seleção, em um 4-4-2 clássico, com Simone Pepe de um lado e Emanuele Giaccherini de outro, além de Matri e Del Piero no ataque. Uma formação que se mostrou bastante ofensiva, a ponto de alguns chamarem de um 4-2-4, um exagero, já que o Parma era um adversário fraco e os esternos, como são chamados os jogadores de lado do campo, puderam avançar mais.

Por sinal, a Juventus entrou em campo com nada menos do que dez italianos entre os onze titulares. Apenas o lateral direito Stephan Lichtsteiner, que é suíço, como estrangeiro. Historicamente, a Vecchia Signora é o time que mais aposta em jogadores italianos entre os grandes do país, mas a formação contra o Parma é um sinal interessante.

Voltando a falar de Pirlo, o meia fez a primeira assistência para gol no Juventus Stadium, nova casa dos bianconeri. Primeiro, colocou o lateral Lichtsteiner na cara do gol com uma cavadinha atrás da zaga dos Ducali, e o suíço aproveitou para marcar. Já no final da partida, quando a Juve já vencia por 3 a 0, o meia mais uma vez deu uma cavadinha por trás da zaga, desta vez deixando seu companheiro de meio-campo, também na cara do gol – e o camisa 8 teve categoria para marcar.

Duas assistências que mostraram do que Pirlo é capaz e como pode ser importante na campanha da Juventus, que, é bom lembrar, terá apenas a Serie A e a Coppa Italia para se preocupar na temporada. Claro que seria melhor jogar a Liga dos Campeões ou até a Liga Europa, mas o único aspecto positivo de não participar destas competições é justamente ter mais datas livres para treinar e preparar o time, para que Antonio Conte, o novo comandante, dê a sua cara a ele – e Pirlo deve exercer um papel fundamental, assim como outros veteranos, como Buffon no gol e Del Piero no ataque. Sem contar que o número de jogos é menor, o que é ótimo para manter o time em bom estado físico.

Se é bom para a Juventus, é bom também para a seleção italiana. Pirlo terá mais tempo de jogo em campo, mas não tanto a ponto de desgastá-lo demais para o que pode ser a sua última competição oficial pela Azzurra, a Eurocopa de 2012. Com o talento que tem, pode ser o toque de experiência ao time de Prandelli, que mostra, aos poucos, que vai montando um time competitivo. Pirlo é um maestro que a Juve talvez precisasse. É esperar para ver.

Resumo da janela: Itália

Já estamos quase acabando a passada geral no que rolou na janela de transferências das principais ligas européias. Chegamos agora ao país que tem formato de bota, a Itália!

Matri se destacou na Juve

Na Itália, a equipe que mais gastou foi a Juventus. A Vecchia Senhora investiu mais de 85 milhões de euros em contratações, porém, não trouxe nenhum nome que balançasse as estruturas. Por 500 mil euros à mais que Vucinic, Alessandro Matri foi o investimento mais caro da Juve. Ele já havia atuado na equipe de Turim na última temporada, só que por empréstimo. Só que seus 9 gols em 15 partidas fizeram os dirigentes da Juventus gastarem 15,5 milhões de euros para trazê-lo em definitivo. Como foi citado anteriormente, por 15 milhões de euros, Vucinic veio pro 15 milhões de euros. A Juventus completou seus reforços de ataque com Quagliarella – outro que já estava na Juve por empréstimo e agora vem em definitivo -, Giaccherini, Estigarribia e Elia – os dois últimos são mais homens ofensivos do que atacantes propriamente ditos.

Além de Quagliarella e Matri, Simone Pepe, Frederik Sorensen e Marco Motta, que já estavam por empréstimo na Juventus, foram contratados em definitivo.

Stephan Lichtsteiner, Arturo Vidal, Michele Pazienza, e Andrea Pirlo completam a lista de chegadas na Vecchia Senhora. De todos esses, Vidal foi o mais caro, 10,5 milhões de euros.

Uma série de figuras conhecidas dos torcedores da Juventus deixaram o clube. Sissoko foi pro PSG, por empréstimo Felipe Melo foi para o Galatasaray, Salihamidzic foi pro Wolfsburg, Giovinco ficou no Parma, assim como Tiago permaneceu no Atlético de Madrid, Grygera foi pro Fulham e Jorge Martínez foi pro Cesena.

A Juventus deu uma bela reformulada em seu elenco. Investiu bastante, mas não trouxe nenhum grande nome – daria pra considerar Pirlo, mas ele teria de estar inteiro, coisa rara ultimamente – e terá de focar suas atenções em Del Piero, que talvez já não tenha pernas. Mas vale lembrar que já faz uns dois anos que falo que Ale não terá pernas pra carregar a Juventus e ele me desmente…

Um grupo de investidores liderado pelo executivo Thomas DiBenedetto comprou a Roma e botou dinheiro no clube. Até por isso, mais de 78 milhões de euros foram investidos nesta janela de transferências. Mas assim como a Juventus, o time da capital italiana não fez nenhum negócio de parar o trânsito.

Érik Lamela saiu logo cedo da Argentina para se aventurar na Roma

O jovem Érik Lamela foi a contratação mais cara do clube. Ele veio por 15 milhões de euros. Por uns trocados a menos, Pablo Osvaldo, ex-Fiorentina e que era o grande destaque do Espanyol, também chegou à Roma.

Os Giallorossi também trouxeram alguns garotos que querem mostrar serviço. Sem chances no Chelsea, o garoto de 20 anos, Fábio Borini vem por empréstimo do Parma; aos 21 anos, Miralem Pjanic tentará uma melhor consolidação no time titular da Roma, coisa que nunca conseguiu no Lyon; fiasco no Wolfsburg, Simon Kjaer, de 22 anos, terá uma grande chance de mostrar o bom futebol que apresentou nos tempos de Palermo; cria do Nantes, Loic Nego, aos 20 anos foi outro a migrar para a Roma. Sem falar de Bojan, contratado por 12 milhões de euros. O garoto de 21 anos gerou muita espectativa no Barcelona, mas perdeu muito espaço. José Ángel, de 22 anos foi outro garoto vindo da Espanha para a Roma. Dedo de Luís Enrique!

Mas com certeza, a melhor contratação da Roma foi para o gol: Maarten Stekelenburg, 6 milhões de euros. Foi relativamente barato e é muito bom goleiro. A Roma que tanto sofreu com Doni’s e Júlio’s Sérgio’s durante os últimos anos, finalmente terá um grande goleiro em sua meta.

Deixaram a Roma alguns jogadores que se desgastaram com o passar do tempo, como John Arne Riise, Doni e Jérémy Ménez. Mexès e Vucinic foram outras duas peças carimbadas do time titular da Roma que deixaram o clube.

Mas vale lembrar que o que anda fazendo barulho na Roma não são as contratações e sim o novo técnico, Luís Enrique, que não só trouxe um caminhão de jogadores da Espanha, como tem comprado briga com Francesco Totti…

Quem se mexeu bem mesmo foi o Milan. Só contratações cirúrgicas!

Taiwo tem tudo pra dar certo no Milan

Pra problemática lateral-esquerda, chegou de graça, Taye Taiwo. Bem na defesa, eficiente no ataque e dono de uma patada de canhota. Belo reforço! Pra não passar problemas na defesa, Mexès foi outro que veio de graça. Em tese, ele é banco de Nesta e Silva, mas com três boas opções, a rodagem no elenco será melhor executada. Alberto Aquilani veio por empréstimo do Liverpool. É mais uma chance a ele. Jogadores como Ibrahimovic, Amelia e Boateng, que estavam por empréstimo no clube, foram contratados em definitivo.

As saídas que ocorreram no elenco do Milan não causaram tanto barulho. Jogadores como Jankulovski, Sokratis, Borriello, Onyewu, Oddo e Legrottaglie estavam sem espaço e vão embora sem deixar saudade.

O Milan deu uma bela reforçada em seu elenco. Já não é mais tão velho e as opções estão em maiores quantidades. Massimo Allegri poderá fazer um rodízio maior em seu elenco, sem perder a qualidade do time.

Tá certo que a dupla de Milão está um pouco escondida em relação a dupla Juve-Roma, que contratou de montão, mas a timidez da Inter nessa janela foi algo notório.

A equipe perdeu Eto’o pro Anzhi da Rússia e esteve perto de perder Sneijder pro futebol inglês, mas nunca se posicionou com firmeza diante das diversas especulações. Era só aquele papinho do “não sai”, “ele quer ficar”, só o feijão com arroz mesmo.

Como de costume, muitos sulamericanos reforçando a Inter. O argentino Ricardo Álvarez veio por quase 12 milhões de euros – negociação mais cara do clube -, o brasileiro Jonathan chegou por 5 milhões, o uruguaio Forlán, contratação de mais destaque da Inter, veio por 5 milhões, enquanto o argentino Zárate chega por empréstimo da Lazio. Apenas Viviano, Nagatomo – estava por empréstimo, agora em definitivo – e Castaignos são os reforços “estrangeiros”.

Além de Eto’o, as outras duas saídas de destaque são as de Davide Santón e Goran Pandev. O primeiro acabou fazendo uma temporada ruim e mesmo quando era titular nos tempos de Mourinho, nunca havia convencido. Agora respirará ares ingleses no Newcastle. Já Pandev foi emprestado ao Napoli e lá poderá ser mais importante do que estava sendo na Inter, onde era diversas vezes criticado por seus sumissos dentro da partida.

A Inter não fez muito barulho na janela e até por isso a coloco no mesmo nível de Juve e Roma. Mas você pode pensar: “Como no mesmo nível se Juve e Roma contrataram bastante?”. Tá certo, contrataram de montão, mas não trouxeram nenhum grande jogador e contratações em massa não são sinônimo de resultado imediato. Por isso coloco a Inter no mesmo patamar de Juve e Roma. Em outras palavras, a chance de sair de mãos cheias ou mãos vazias é quase a mesma.

BOLA DENTRO (CHEGADAS)

– Contratado por 17,5 milhões de euros, Gokhan Inler chega com muita moral no Napoli. E tem tudo para se dar bem por lá. Suas boas temporadas na Udinese me passam essa sensação;

– O promovido Novara trouxe o japonês Morimoto. Esse caiu demais de uns tempos para cá, mas já mostrou no Catania que pode dar uma forcinha e evitar um rebaixamento;

Klose quer ser o homem-gol da Lazio

– Artilheiro no futebol alemão, Klose terá a chance de mostrar seu valor na Itália jogando na Lazio. Bola dentro dos Biancocelesti, isso se tiverem paciência com a adaptação de Miro, que pode demorar. Varia de atleta para atleta;

– O Bologna perdeu o selecionável Viviano, mas trouxe Gillet. Bom goleiro e que há um bom tempo estava no Bari;

– A Fiorentina trouxe Santiago Silva, que estava no Vélez. Atacante matador e tem tudo pra dar certo no Calcio;

BOLA DENTRO (SAÍDAS)

– O uruguaio Chevantón migrou pro futebol argentino, deixando o Lecce. Esse teve muitas chances no futebol europeu e nunca aproveitou;

– Do Napoli saiu José Sosa. Ainda é promissor, mas não estorou. Não foi no time napolitano que o estouro acontece e sai sem deixar saudades;

– O Parma vendeu pro Sporting o rodado Valeri Bojinov. Muito nome, pouca bola;

– A Lazio fez um belo negócio ao vender Muslera. Goleiro fraco, mas que fez uma bela Copa América. Os Biancocelesti conseguiram 6 milhões de euros ao vendê-lo pro Galatasaray;

– Adrian Mutu deixou a Fiorentina. Já estava sem clima depois dos diversos problemas de dopping;

BOLA FORA (CHEGADAS)

– Será que vale a pena pra Atalanta dar mais uma chance para Germán Denis? Foi mal no Napoli e na Udinese e nunca fez grande coisa em campos italianos;

– O Bologna trouxe Alessandro Diamanti. Esse passa de time em time e nunca é lapidado;

– A Fiorentina trouxe Rômulo, ex-Cruzeiro e Atlético/PR. Desde o início, o achei bem fraquinho. Típico lateral que ataca feito louco e dá muitas brechas na defesa;

– Outra jogador mediano que a Firenze trouxe foi Kharja, que estava na Inter;

– O Genoa trouxe Zé Eduardo, ex-Santos. Atacante medíocre e sabe-se lá como foi arranjar uma vaguinha no futebol italiano;

Até a próxima!