Os esquecidos da Ligue 1

Nunca tantos holofotes bateram em cima da Ligue 1. A chegada de Neymar ao Paris Saint-Germain, somada ao acréscimo de Kyllian Mbappé, Daniel Alves e de toda áurea midiática trouxeram para a liga francesa um aspecto talvez nunca antes visto.

Somado ao milionário PSG, ainda surgiram outros tópicos interessantes, como o fracasso de Marcelo El Loco Bielsa no Lille – que foi abordado na edição #69 de Le Podcast du Foot – e o poderoso ataque do Lyon. Dá para dizer que temos uma das temporadas mais agitadas e interessantes dos últimos anos, reunindo uma série de atrativos para acompanharmos rodada após rodada da competição.

Porém, apesar de todas as câmeras e flashes na competição, há quem fique esquecido nesse cenário todo. O próprio milionário PSG tem Lucas Moura e Hatem Ben Arfa, que já estão ultra aquecidos no banco de reservas do clube. Há outros como Wesley Sneijder, Grenier… É tanta gente que me senti obrigado a levantar uma lista com alguns dos esquecidos da atual temporada francesa. Confiram:

Do Chelsea para o banco do Amiens

Esse é um dos raros registros de Nathan no Amiens | Foto: Divulgação/Amiens

O meia Nathan é mais um daqueles clássicos casos de atletas que escolhem o Chelsea para jogar na Europa e passam a rodar pelo Velho Continente, sempre por empréstimo, e vão vendo a carreira ruir. Elogiadíssimo no Atlético-PR e com passagens por seleções de base, tinha um grande futuro. Hoje, aos 21 anos, amarga a reserva no Amiens. O meia acumula apenas 161 minutos na temporada, somente nove no Campeonato Francês – na 6ª rodada, na derrota por 2 a 0 diante do Marseille, em 17 de setembro.

Sem prestígio

Contento deve ser negociado nesta janela | Foto: Divulgação/Bordeaux

A situação de Diego Contento no Bordeaux mudou drasticamente de uma temporada para outra. Se em 2016/17 o ítalo-alemão era titular nos Girondins, agora ele sequer entrou em campo na Ligue 1. Suas únicas aparições foram em jogos da Liga Europa. Sem prestígio com o técnico Jocelyn Gourvennec, o lateral-esquerdo, de passagem vitoriosa pelo Bayern, deverá deixar o clube na janela de inverno.

Persona non grata

Grenier é sombra do que já foi | Foto: Divulgação/OL

Depois de três temporadas mágicas pelo Lyon, onde se notabilizou como um meia clássico e de ótima pegada na bola – o que ocasionou as inevitáveis comparações com Juninho Pernambucano no quesito cobrança de faltasClément Grenier virou persona non grata dentro do clube. Derrubado por gravíssimas lesões (que o tiraram da Copa do Mundo de 2014) e problemas extracampo, o meia, que tem contrato até junho de 2018, atuou por apenas quatro minutos na Ligue 1 e está fora dos planos do técnico Bruno Genesio. A tendência é que deixe o clube no meio da temporada.

Dupla de ferro

Atuações ruins e concorrentes como Rami e Abdennour tiraram o espaço de Dória | Foto: Divulgação/OM

Mesmo sem o poderio financeiro do Paris Saint-Germain, o Olympique de Marseille conseguiu investir bastante nessa temporada, fazendo com que alguns nomes calejados sumissem do mapa. Um deles é o do zagueiro brasileiro Dória. Após as chegadas de Aymen Abdennour e Adil Rami, passou a atuar pouco e, atualmente, acumula apenas 85 minutos jogados na temporada e míseros três jogos na Ligue 1. Ele ficou marcado pela catastrófica atuação na goleada sofrida diante do Monaco, por 6 a 1, onde recebeu nota 1 do jornal L’Equipe. O site 10 Sport informa que o Saint-Étienne poderia ser o destino do atleta pouco aproveitado por Rudi Garcia.

Quem vive situação pior é Rod Fanni. O defensor de 34 anos, com passagens pela seleção francesa e uma história de sucesso dentro do próprio Marseille, simplesmente não entrou em campo na atual temporada. O atleta se diz bem fisicamente e tenta encerrar seu contrato com o OM para seguir com a carreira em outro clube.

Na reserva do lanterna

Zagueiro alemão sequer jogou na Ligue 1 | Foto: Divulgação/FC Metz

A terrível campanha do Metz, com míseros 11 pontos em 19 rodadas, só não é mais estranha que a situação do zagueiro alemão Philipp Wollscheid. Com passagens até pela seleção nacional, ele fez apenas uma partida pelo clube grená, e foi pela Copa da Liga. Matéria do Le Républicain Lorrain aponta que o defensor vive péssima fase física, chegando a jogar no time amador do Metz, onde também encontrou dificuldades para mostrar bom nível. Como diz a mesma reportagem, é um mistério a situação de Wollscheid no clube.

Flop rubro-negro?

Sneijder voltou a sofrer com as lesões | Foto: Divulgação/Nice

Uma das principais apostas do Nice na temporada, o holandês Wesley Sneijder foi recepcionado com muita festa do torcedor. Dentro de campo, porém, a resposta não foi em nível igual. Ausente desde a 13ª rodada da Ligue 1, o meia de 33 anos vem sofrendo com a forma física e está fora de combate há um mês devido a um problema muscular. Somando todas as competições, fez oito jogos e deu apenas uma assistência.

Trinca milionária

Lucas e Trapp são reservas de luxo do PSG | Foto: Reprodução

No recheado e milionário elenco do Paris Saint-Germain, um reflexo claro é na sobra para o banco de reservas. Três casos claros são os de Kevin Trapp, Lucas Moura e Hatem Ben Arfa.

O goleiro alemão, que se revezou na titularidade com Alphonse Areola na temporada passada, não tem mais o mesmo espaço com o técnico Unai Emery e atuou por apenas três jogos – dois no campeonato e outro na Copa da Liga. Às vésperas da Copa do Mundo, a tendência é que busque novos ares para ser um dos escolhidos do técnico Jöachim Löw.

Já Lucas, que outrora almejava vaga na seleção brasileira, entrou em campo apenas seis vezes na temporada. Ao todo, acumula 79 minutos e é um dos alvos mais cobiçados do clube parisiense.

Só que mais esquecido que os dois está Hatem Ben Arfa. Num momento de devaneio, ele imaginou que poderia ter espaço entre os titulares, mesmo com o rendimento baixo e as públicas declarações de que não jogaria, e ficou no clube. Sequer entrou em campo e dificilmente seguirá em Paris na segunda metade da temporada.

Sobre as peças descartáveis do PSG, falei mais disso em agosto aqui no Europa Football.

E aí? Entre os esquecidos na Ligue 1, esqueci de mais alguém (com o perdão da redundância)? Deixe sua lembrança na caixa de comentários.

O goleador francês do momento

Foto: Sivasspor - Desconhecido na França, Chahechouhe é artilheiro na Turquia

Foto: Sivasspor – Desconhecido na França, Chahechouhe é artilheiro na Turquia

Começo esta postagem com uma pergunta: quem é o centroavante francês do momento? Seria Karim Benzema, autor de 24 gols na temporada pelo Real Madrid? Ou então Olivier Giroud, que foi às redes 20 vezes pelo Arsenal? Que tal, então, Alexandre Lacazette, do Lyon, ou André-Pierre Gignac, do Marseille, que são os franceses que mais marcaram gols na Ligue 1 (ambos com 14)?

A resposta correta é: nenhum deles.

O atacante do momento de origens francesas tem nome exótico e não joga em nenhum grande centro europeu. Falo de Aatif Chahechouhe, franco-marroquino de 27 anos e que defende o Sivasspor, 5º colocado do Campeonato Turco. O time dele é a grande surpresa da competição, já que historicamente é inexpressivo no país e ocupou o indigesto 12º lugar na última temporada.

Atualmente, a equipe da cidade de Sivas possui alguns nomes conhecidos, como Cicinho (ex-Real Madrid e Roma), Pedro Oldoni (AQUELE), John Utaka (ex-Montpellier) e o técnico Roberto Carlos (pentacampeão com o Brasil), mas o grande jogador ainda é o francês, autor de 15 gols e responsável por 11 assistências na temporada. Tais números lhe dão o status de artilheiro máximo do campeonato nacional.

Parece coisa pouca, mas não é. Começando pela concorrência. Chahechouhe simplesmente têm como adversários artilheiros como Didier Drogba, Burak Yilmaz (ambos do Galatasaray), Emmanuel Emenike, Moussa Sow (Fenerbahçe) e Theofanis Gekas (Konyaspor). Por fim, não é nenhum destes citados que está mais próximo do francês, mas, sim, o romeno Bogdan Stancu, com 13 gols.

Outro ponto importante e que devemos valorizar no desempenho de Chahechouhe é o registro baixo de gols que tinha antes desta temporada. Em 2012/13, por exemplo, o francês fez apenas seis gols no Campeonato Turco (oito na temporada toda).

Continuando na temporada anterior, é justamente ali que começamos a valorizar o trabalho surpreendente de Roberto Carlos. Sem o pentacampeão no comando, Chahechouhe costumava jogar aberto pelos lados, atuando distante da área. O técnico brasileiro chegou e mudou essa história. O francês atua mais próximo do gol, sendo centroavante ou o jogador central da linha de três do 4-2-3-1.

Entretanto, em entrevista a imprensa marroquina, o atleta não creditou a mudança no comando como algo preponderante para o crescimento na temporada. “Não acho que há diferença. Apenas estou mais confiante este ano do que na temporada passada”, apontou.

Apesar de contemporizar, é inegável ressaltar que a troca de técnicos foi responsável por muito do que estamos vendo hoje: Chahechouhe com mais gols que Drogba e mais assistências que Wesley Sneijder.

O mais impressionante desta história toda é que Chahechouhe é um ilustre desconhecido no futebol francês. Nascido em Fontenay-aux-Roses (aliás, ele veste a camisa 92 porque é o número da casa dele na cidade), sudoeste de Paris, o atacante de origens marroquinas passou despercebido por cinco clubes franceses.

Foto: Reprodução - Chahechouhe disputou a Ligue 1 pelo Nancy

Foto: Reprodução – Chahechouhe disputou a Ligue 1 pelo Nancy

O franco-marroquino chegou a ter uma meteórica passagem pelo Sedan, na segunda divisão do país, mas fez o nome nas ligas amadoras, antes de parar no Nancy em 2009. No clube da Lorena, raramente jogou. Não realizou nem uma dezena partidas pelo clube, fazendo com que fosse despachado para a Bulgária.

Defendendo o Chernomorets Burgas por meia temporada, Chahechouhe fez 10 gols em 15 jogos (chegou a marcar seguidamente em cinco jogos) e foi de suma importância na campanha que deixou o time na 4ª colocação do Campeonato Búlgaro. Na época, a vaga na Liga Europa só não veio em função de um inesperado empate diante do Lokomotiv Sofia, na penúltima rodada. O tropeço fez com que o Levski Sofia o ultrapassasse e levasse a vaga.

Foi desse sucesso na Bulgária que conseguiu partir para a Turquia e ser o principal destaque do time de Roberto Carlos e um dos nomes mais lembrados no campeonato local, sendo mais importante até que os de Drogba, Sneijder e seus Blue Caps (o Galatasaray não tem mais chances de título e, no momento, não iria para a Liga dos Campeões).

Enquanto isso, Benzema saiu de uma série de sete jogos sem marcar com o gol da vitória sobre o Bayern na última quarta-feira (23) e Olivier Giroud não consegue emplacar no Arsenal com média de um gol a cada quase três jogos. Motivo de preocupação para a dupla que deverá estar na Copa do Mundo? Nem tanto. Chahechouhe já demonstrou interesse em vestir a camisa da seleção marroquina e este desejo deve ser atendido mais cedo ou mais tarde.

Nada mais justo para um francês que foi se encontrar na carreira longe de casa.

Um sopro de alívio

Jones deu o alívio necessário ao turbulento Schalke(Getty Images)

Jones deu o alívio necessário ao turbulento Schalke
(Getty Images)

Alguma coisa me dizia que o Schalke 04 poderia aprontar para cima do Galatasaray na Turquia, no jogo de ida da fase de oitavas-de-final da Liga dos Campeões. Certamente, não era o atual momento dos dois times que me apontava isto. Um vem despencando em seu campeonato nacional e não inspira nenhuma confiança para o futuro, enquanto o outro lidera o principal torneio de seu país e trouxe dois atletas de renome para tentar assustar na competição. Era óbvio que os turcos eram favoritos e poderiam até passar por cima dos alemães já na ida.

Repito: algo me dizia que isso não iria acontecer!

Seja o que isso tenha significado, eu estava, em partes, certo. A partida acabou 1×1, de certa forma, injusto para o time alemão, que poderia ter conseguido algo melhor. A atuação do Schalke contra o Galatasaray foi surpreendente, não só pelo resultado, mas pela imposição e percepção dos detalhes defensivos do adversário.

O lado esquerdo turco, formado por Riera e Nounkeu, está tendo pesadelos até agora com Jefferson Farfán, afinal, o peruano, que voltou a atuar em sua posição habitual – ponta direita – armou um carnaval no setor e foi um dos principais jogadores do time. Draxler, embora um pouco perdido na função de armador, conseguiu colaborar com alguns contra-ataques na etapa complementar, assim como Michel Bastos. O brasileiro, porém, se perdeu um pouco na individualidade e apostou em muitos chutes descabidos de longa distância.

Vale ressaltar que o Schalke não se segurou na “muleta” da deficiência adversária. O Galatasaray ganhou pouquíssimas bolas pelo alto, nem por isso os alemães passaram a cruzar bolas na área insistentemente para ver no que dava. O time de Keller buscou novas alternativas de jogo, apesar da fraqueza aérea dos turcos.

Defensivamente, fiquei com alguns receios. Marco Höger, que vinha atuando como volante, voltou a lateral-direita – função que exercia quando chegou ao Schalke – e me pareceu muito afoito em alguns lances. A dupla central, formada por Höwedes e Matip, embora tenha falhado pouco, demonstrou alguma ansiedade nos cortes, sem brincar muito. Não que isso seja ruim, mas diversos lances poderiam ser mais trabalhados já de trás.

A decepção, novamente, foi Klaas-Jan Huntelaar. O holandês, que faz temporada muito abaixo do esperado, retornou de lesão no olho nesta partida e, digamos, não pareceu muito bem da vista ao não alcançar uma bola quase embaixo da trave na primeira etapa. A ineficácia de Ciprian Marica e a imaturidade de Teemu Pukki obrigam Keller a apostar apenas no holandês para o duelo de volta.

ORGULHO AMERICANO

Das vaias aos aplausos(schalke04.de)

Das vaias aos aplausos
(schalke04.de)

Autor do gol de empate no duelo, o norte-americano Jermaine Jones foi um dos pontos positivos do time alemão. O contestado volante colaborou com suas arrancadas para o ataque – uma das poucas, talvez única característica que me agrada no jogador – e na distribuição de jogo. O gol acabou sendo, por linhas tortas, uma resposta ao torcedor, alvo de críticas do norte-americano recentemente. Jones não gostou de ver a torcida, após a derrota contra o Greuther Fürth, fazer grande festa pelo retorno de Gerald Asamoah à Veltins Arena e vaiar o Schalke.

O pecado foi ter recebido um cartão amarelo que o tirou do jogo de volta. Só para fazer justiça a Jones, devo dizer que o cartão foi absurdo. Motivo da punição foi um pedido de cartão para um adversário que cometeu uma falta justamente em Jones. Não foi um pedido ríspido, nem acintoso, o que tornou a punição exagerada pelo lado do árbitro escocês William Collum.

Para a volta, Jens Keller terá de inventar na escalação, coisa que adora fazer. Possivelmente, o técnico azul real deslocará o capitão Höwedes para a lateral, recolocando Marco Höger para a cabeça de área e promovendo o retorno de Kyriakos Papadopoulos, que está parado desde novembro, mas que deve voltar a treinar na próxima semana. O grego formaria dupla de zaga com Joël Matip.

Uma coisa é certa nessas mexidas: Höger voltará para cabeça de área. A dúvida é se Keller abrirá mão da eficiência de Höwedes no centro para coloca-lo na lateral. Com Atsuto Uchida lesionado por tempo indeterminado, a tendência é que o técnico faça essa mexida por obrigação.

O importante para o Schalke é não se vislumbrar com o empate na Turquia. O time foi bem, ok. Conquistaram um importantíssimo resultado, ok, mas empolgação em uma hora dessas não é nada bom, principalmente com Sneijder e Drogba do lado oposto. O confronto está aberto, mas os alemães mostraram não estar mortos, como muitos, inclusive eu – apesar do fio de esperança –, imaginavam. Se a postura imponente for mantida, o Schalke tem tudo para superar as desconfianças de voltar as quartas-de-final da UEFA Champions League.