Batalha III: Deu pena de Wolfgang Stark

Tamú junto, Wolfgang (AFP)

É difícil eu ter pena de alguém. Principalmente de árbitro. Não que eu ache que eles não mereçam isso, é por um motivo bem simples, porém idiota. É difícil eu gravar nome dos homens do apito.

Mas como não canso de dizer, sou fã da Bundesliga e acabo gravando mais nomes de árbitros, como o de Wolfgang Stark.

Com 42 anos, o árbitro da Baviera apita há treze anos na Bundesliga. Ele apitou 18 jogos na atual temporada, deu 5 cartões vermelhos diretos, 2 por duplo cartão amarelo e ainda distribuiu 48 cartões amarelos. Sua média no site da revista Kicker é de 3,19, nada mau, até porque a média do site é feita de modo decrescente.

Mas hoje ele teve o talvez maior desafio de sua carreira: apitar um Real Madrid x Barcelona, na semifinal da Champions League, terceiro jogo da série de quatro que estão sendo realizados este mês. Jogo cercado de farpas disparadas por todos os lados e Stark teria de controlar essa partida.

Mas após o término da partida de hoje, só se falou em Wolfgang Stark pra cá e pra lá. O jogo foi deixado de lado e o chororo veio a tona. O Real, se sentindo prejudicado, reclamou demais e até apelou para o famoso papo de torcedor – como aquele “contra dez é fácil” ou “eles sempre são ajudados”. O Barcelona, em vantagem no placar, preferiu ficar calado.

Perdido, Stark deixou isso acontecer (DPAD)

Mas o fato é que a arbitragem de Wolfgang Stark agradou poucos. Para mim, não foi horrorosa como muitos falaram. Disciplinarmente, ele manteve o mesmo ritmo dos jogos em que apita na Bundesliga – como a maioria dos árbitros alemães apitam -: Não marcam qualquer falta, não ficam distribuindo cartões à vera e o principal, porém, que lhe atrapalhou nessa partida, levam alguns lances no papo. Os árbitros alemães tem o costume de fazer aquele joguinho de “a primeira vai, a segunda é cartão”. Stark tentou levar o jogo assim, mas acabou deixando os jogadores na obrigação de pensar que podiam bater.

Na confusa e tensa etapa inicial, Stark se perdeu. Não soube conduzir o jogo no papo, estava inseguro, não confiava no que marcava e deixou o jogo duro estrapolar os limites. A impressão que os últimos 15 minutos do primeiro tempo deixaram é que o pau ia comer a qualquer momento. Após algumas rodinhas de confusão, Wolfgang Stark apitou pela última vez na primeira etapa. Alívio? Nada disso. Ainda deu tempo de uma confusão na saída pros vestiários e Pinto, goleiro reserva do Barcelona, acabou sendo expulso.

Disputa light!

Na etapa final, mais polêmica. Quando o Real Madrid estava melhor em campo, Pepe cometeu a burrice de dar uma solada criminosa em Dani Alves e foi corretamente expulso. Aliás, até agora não entendi como há gente que diz que é lance pra amarelo. Tá certo que devemos respeitar as opiniões contrárias, mas todos esses que disseram que foi exagero do árbitro, não apresentaram um argumento do porque de ser exagero. É medo de ser chamado de torcedor do Barcelona? É medo de disserem que tu pega no pé do lenhador Pepe? Solada com pé alto é lance de expulsão. Wolfgang Stark foi perfeito no lance!

Há quem diga que Stark só expulsou Pepe após pressão de todos do Barcelona. Ora, após a falta, o luso-brasileiro foi se esconder, enquanto jogadores dos dois times cercaram o árbitro alemão. Esse foi o motivo da “demora” da expulsão. Como se os árbitros não demorassem alguns segundos para expulsar jogadores…

Logo em seguida, Stark expulsou José Mourinho. Vi gente também dizendo que foi “injusta”. Mas calma lá! Alguém além do 4º árbitro ouviu o que o português disse? Não dá pra dizer que foi injusta…assim como não dá pra dizer que foi justa.

A impressão que muitos tinham era que após perder Pepe, o objetivo do Real Madrid não era fazer um gol ou então se resguardar, mas sim forçar uma expulsão no lado catalão. Durante algum tempo, foi essa a impressão que ficou, mas Wolfgang Stark não é um árbitro fraco como muitos passaram a dizer à partir de hoje. Teve pulso firme, não caiu durante algumas pressões contrárias e manteve-se firme durante o restante da peleja.

Após o jogo, tiroteio. Calma, não houveram tiros de verdade e sim tiros de palavras. Principalmente do lado do expulso Mourinho. Veja abaixo algumas pérolas do português:

Sim. Iremos pro Camp Nou com todo o orgulho, todo o respeito por nosso mundo, que é o futebol. Algumas vezes me dá um pouco de asco viver nesse mundo e ganhar minha vida nesse mundo, mas é nosso mundo. Vamos com todo orgulho, sem Pepe, que não fez nada, sem Sergio Ramos que não fez nada, sem o técnico no banco e com um resultado que é difícil virar

Se digo ao juiz e à Uefa o que penso e o que sinto, minha carreira acaba hoje. Como não posso dizer, só tem uma pergunta que um dia espero ter a resposta: por quê? Por quê? Estamos falando de uma equipe fantástica, digo isso várias vezes. Mas por que o Chelsea não pôde ir à final há três anos? Por que no ano passado a Inter teve que fazer um milagre? Por que este ano acabar com a eliminatória logo no primeiro jogo? Não sei se é a publicidade da Unicef, se são muitos simpáticos… Não sei, não entendo. É um time fantástico, mas tem muito poder. Os outros não têm possibilidade. O futebol é para se jogar de igual para igual, com regras para todos. Depois, ganha o melhor.
Ganhei duas Champions, as duas no campo. Com dois times que não eram o Barcelona. Josep Guardiola é um técnico fantástico, mas ganhou só uma Champions. E me daria vergonha ter vencido daquele jeito, com o escândalo do Stamford Bridge. Se ganhar a segunda agora, terá o escândalo do Santiago Bernabéu.

Mourinho foi expulso (Getty Images)

Chorou bonito o tal do Mourinho. Escondeu o fato de seu time não ter jogado absolutamente nada, de não ter tido nem 30% de posse de bola e de simplesmente esquecer de jogar, pois só marcou e não sabia o que fazer quando tinha a bola, além de jogar toda a responsabilidade de uma derrota em cima de Wolfgang Stark, esquecendo da estupidez que Pepe cometeu. Uma pena o melhor técnico do mundo ser tão chorão e não saber reconhecer a superioridade do time adversário e jogar a torcida – e a imprensa também – contra o árbitro.

Mas enfim, sobre o tema central, repito: Wolfgang Stark não foi tal mal quanto Mourinho e os madridistas estão querendo fazer parecer. Ele só se perdeu na primeira etapa, mas expulsou Pepe corretamente, distribuiu a maioria dos cartões corretamente. Mas como disse, o grande erro dele foi se perder no início e tentar levar o jogo na fala. Mas diferentemente dos jogadores, o árbitro fica marcado pelas más arbitragens. É difícil tu falar que “o fulano conduziu bem a partida” ou “que o fulano distribuiu bem os cartões”, mas é muito fácil ouvir falar que “o fulano deixou de marcar pênaltis” ou “que ele esqueceu os cartões no vestiário”.

O escândalo

Messi colocando o Barça com os pés na final (AFP)

José Mourinho falou tanto no “escândalo” que foi – pelo menos pra ele – a arbitragem de Wolfgang Stark, que entendo eu que ele se confundiu. O escândalo foi o que Messi fez.

Não foi uma atuação magistral, de encher os olhos, mas o pouco que Lionel Messi fez, destruiu o jogo.

No primeiro gol, ele estava marcado, escapou da marcação e teve velocidade pra se antecipar ao zagueiro e mandar para as redes. Destaque também para Afellay. Entrou no lugar de Pedro e fez o que o garoto das canteras não conseguiu: passar por Marcelo. O holandês passou pelo brasileiro e cruzou pra Messi marcar. Minutos depois, o argentino passou por quatro marcadores e deu um toquinho de pé direito, na saída de Casillas. Um gol de placa!

Se a atuação de Messi hoje tivesse sido mais constante, me arriscaria dizer que igualava/superava a de Ronaldinho em 2006, quando foi aplaudido de pé pela torcida do Real Madrid.

Bom histórico

A zaga remendada não tem comprometido

Essa história de “zaga remendada” tem dado certo pro Barcelona. Na partida de hoje, a zaga catalã era formada por Dani Alves e Piqué em suas posições originais – lateral direito e zagueiro, respectivamente -, o zagueiro Puyol na lateral esquerda e ora Mascherano, ora Busquets, ambos volantes, jogando de zagueiros.

Deu no que deu, o Barça venceu o Real Madrid por 2×0.

Na final da Uefa Champions League da temporada 2008/2009, a situação também era feia. Sem Daniel Alves, Rafa Márquez e Abidal, Guardiola teve de remendar sua zaga. Piqué foi o único que manteve sua posição, mas o zagueiro Puyol foi o lateral direito, o volante Yaya Touré foi zagueiro também – e hoje é quase um atacante no Manchester City – e Sylvinho até manteve sua posição original, mas havia jogado pouco a temporada inteira e entrou na lateral esquerda mesmo assim. Resultado: o Barcelona venceu o Manchester United por 2×0.

Além de bom treinador, Pep Guardiola é um bom costureiro!

Batalha I: Empate agradável

Real Madrid sai como "vencedor" no empate de hoje

A história vai começando a ser escrita! Neste sábado, o primeiro de quatro confrontos entre Real Madrid e Barcelona foi realizado e o resultado foi de bom agrado pros dois: o empate.

Para o Barcelona, o empate não foi ruim, pois o time segue com boa vantagem na liderança da Liga BBVA. O Barça foi melhor durante boa parte e se não fosse uma decisão contestável da arbitragem, fatalmente teria vencido.

Para o Real Madrid, o empate também não foi ruim e pelo que foi a partida, dá para dizer que o resultado foi até melhor para si do que para o rival. Os Merengues marcaram bem, anularam as principais peças catalãs e diferentemente do jogo do primeiro turno, dessa vez “jogaram”, foram pro jogo e criaram chances. Mesmo ajudados pela arbitragem – acho que o lance que ocasionou no gol de Ronaldo foi irregular -, o Real Madrid criou chances para até vencer o jogo.

Guardiola e Mourinho: Atuaram bem (DPA)

Os treinadores também estão de parabéns!

José Mourinho tirou Pepe da zaga e o colocou como volante. Grande mexida, já que o brasileiro-lusitano marcou Messi muito bem. O erro, ou única alternativa para compor a zaga, foi a escalação de Raúl Albiol. O zagueiro cometeu um pênalti em cima de Villa e foi expulso, praticamente jogando o time no mato. Porém, o português mexeu bem. Pepe, que havia virado zagueiro após o time ficar com um à menos, voltou ao meio campo. Özil e Adebayor também deram sua contribuição após saírem do banco.

No lado do Barcelona, Josep Guardiola fez uma aposta arriscada: colocou Puyol, há três meses sem jogar como titular. Mas o risco faz parte e Pep “triunfou”. O camisa 5 teve bela atuação, até sair contundido. O “triunfou” está entre aspas porque vai saber até quando Puyol fica sem jogar? Em uma dessas, o zagueiro perde um ou dois superclásicos e a zaga retalhada prejudica o time…

"Estás maluco, hombre" (EFE)

Destaques individuais somente nas defesas. Como citei antes, Pepe e Puyol. O brasileiro naturalizado português marcou Messi implacávelmente. O argentino apareceu pouco, isso porque tinha uma sombra. Pepe parece ficar mais confortável no meio campo, já que dá o primeiro combate e mostra ter boa saída de jogo, sem falar que ele pode dar suas enxadadas sem grande preocupação, pois no meio de campo, uma falta dura pode ser menos prejudicial do que na grande área. Já Puyol cometeu poucas falhas lá atrás. As brechas foram mínimas, a vontade foi grande, até sair contundido.

Outro que surpreendeu positivamente foi o brasileiro Adriano. Conhecido por seu futebol ofensivo – tanto que o brasileiro pode ser usado no meio campo -, o lateral-esquerdo teve boa presença na defesa, principalmente quando salvou dois gols certos de Cristiano Ronaldo na primeira etapa. Adriano vai mostrando que se não é o titular da posição, pode ser pelo menos o reserva imediato de Abidal, quando o francês voltar a jogar. Porém, assim como Puyol, o brasileiro saiu contundido e vira dúvida para a final da Copa do Rei.

Messi e Ronaldo: Ambos discretos (AFP)

No duelo mais esperado da partida, Messi vs Cristiano Ronaldo, pouco a se destacar. O argentino esteve muito bem marcado por Pepe e só apareceu nas poucas brechas que o português dava. Já Ronaldo apareceu mais na marcação, porém, no ataque foi mais efetivo que o camisa 10 azul-grená, já que participou das principais jogadas de ataque do time. Pode-se aformar que Cristiano Ronaldo jogou mais que Messi!

Mas infelizmente, a arbitragem virou um dos temas principais após o jogo. Muñíz Fernández teve uma arbitragem abaixo da média. Mal no aspecto disciplinar, já que distribuiu cartões à vera, além de ser facilmente influenciado pelos jogadores e acabou se perdendo no jogo.

O primeiro lance polêmico foi aos 27 minutos da primeira etapa, quando Villa recebeu em velocidade, botou na frente e foi derrubado por Casillas. Lance muito controverso, porque o atacante estava com as pernas dobradas. Mesmo assim, achei pênalti. As pernas dobradas de Villa não me pareceram de quem queria se atirar e cavar um pênalti, e sim de quem queria dar uma passada larga e não obteve muito sucesso. Até por isso, acho que o contato entre Casillas e Villa foi faltoso. Mas nesse lance deu para absolver Muñiz.

Aos 5 minutos da etapa final, no pênalti do Barcelona, lance indiscutível. Villa foi lançado, Albiol perdeu o tempo da bola, deu uma gravata no atacante e cometeu pênalti. Infração bem marcada e zagueiro corretamente expulso. Ponto para Muñiz! Aliás, um dado curioso: Após 19 temporadas, o Barcelona voltou a ter um pênalti marcado a seu favor no Santiago Bernabéu.

Pênalti? (EFE)

Só que aos 35 minutos, Marcelo invade a área, divide com Dani Alves e cai. Muñiz não pensa duas vezes e dá o pênalti, que honestamente, eu não daria. Muita gente disse que houve o contato, mas que não foi de pênalti, eu não sei nem se houve esse tal contato. Só sei que o Dani tentou pegar a bola e o Marcelo caiu de maduro. Não foi nada!

Não é por causa dos lances polêmicos que digo que Muñiz foi mal, mas sim pelo conjunto da obra.

Mas falando de coisa boa, o jogo serviu de aperitivo do que pode vir por aí. Não foi um jogãããããão, mas foi longe de ser uma má partida. Vimos um Real Madrid tentando descobrir como parar o Barcelona, já que variou muito seu jogo durante a partida e vimos também um Barça bem marcado e de certo ponto, um tanto quanto surpreendido pelo futebol do time adversário, que descobriu um modo de pelo menos engrossar seu jogo.

Empate válido

Serviu só de aperitivo mesmo, porque o empate não muda em nada o campeonato. Barça com a mão na taça – oito pontos de vantagem – e Real de férias no campeonato. A comilança vem à partir de quarta-feira, com a final da Copa do Rei, onde o empate passa a ser desagradável. No caso desse jogo específico, a igualdade ocasionaria mais 30 minutos de jogo. Mas o que quero dizer é que nesse jogo de hoje, o empate poderia vir, pois ninguém vai reclamar, agora, Copa do Rei e Champions League? Nada de empate! É vitória a qualquer custo!

Só pra constar: A época de grandes jogos é boa, pois podemos ver partidas muito boas e nos deliciarmos com elas, mas é ruim também. Isso mesmo! Porque os “entendidos de futebol europeu” aparecem. Hoje, por exemplo, já ouvi frases do tipo: “Cristiano Ronaldo no corpo do Bruno Cortês, jogaria no União de Leiria” e “O Índio (Internacional) nascido na Catalunha, teria o mesmo sucesso do Puyol”. Menos né…Falem do que sabem e não metam o nariz pra falarem de times e jogadores que vocês vêem uma, duas, três vezes ao ano….

Um fim de semana para ninguém botar defeito

Até o Garfield vai acompanhar os jogos do fim de semana

Você fica a semana inteira trabalhando, estudando e sem tempo para nada. Eis que chega o fim de semana! Dois dias de descanso, em que você pode sentar no sofá, ficar de bobeira ou sair e dar uma volta. Mas nesse fim de semana, você que não pode ficar rodando pelos estádios europeus, pode sim ficar em casa assistindo TV, não tem do que reclamar.

Será um fim de semana de muito respeito na Europa. Grandes jogos serão realizados e muitos campeonatos passarão a ser decididos à partir dessas pelejas.

Derby de Manchester no Wembley!

Começamos na Inglaterra, onde teremos as semifinais da FA Cup. No sábado, duelo local entre Manchester United x Manchester City. Os Citizens querendo um título na temporada, irão com quase tudo para cima do maior rival. “Quase tudo” porque Carlos Tévez, grande astro do time está contundido e ficará de fora da partida. Há a possibilidade também do argentino ficar de fora do resto da temporada. O United não fica muito atrás e não terá seu grande nome: Wayne Rooney, suspenso por fazer algo inédito no futebol mundial, falou palavrões na comemoração de um gol. Porém, quem tem jogado mais nos Red Devils é o galês Ryan Giggs.

Tem tudo para ser um jogão. Alex Ferguson pode algumas vezes não dar muita bola para a FA Cup, mas quando o assunto é deixar o City na fila… Ah, isso é com Fergie. Quem não se lembra da Carling Cup da última temporada? Quando nas semifinais, o United perdeu na ida pro City com um time misto e na volta, com força máxima, virou o jogo e evitou que os Citizens chegassem a final.

Roberto Mancini joga todas as suas fichas na FA Cup. Mesmo colocando o Manchester City na próxima Uefa Champions League, ele talvéz não siga no comando da equipe, mas quem sabe ganhando a copa? Claro que Tévez fará falta, mas um time que se gaba por fazer investimentos com números absurdos não pode ficar a mercê de apenas um jogador, mesmo levando em conta que seja o principal do time.

O jogo será realizado no mítico Wembley Stadium, às 13h15 – horário de Brasília – e vocês podem assistir na ESPN ou no Esporte Interativo.

Owen Coyle pode levar o Bolton a final da FA Cup

A outra semifinal será jogada no domingo, também no Wembley, só que com menos badalação do que o duelo do sábado. Bolton e Stoke City ocupam posições intermediárias na Premier League, mas tem a chance de ouro de chegarem a uma final de uma copa nacional. E mesmo vivendo nesse cenário pouco chamativo, entendo eu que a partida é sim interessante.

O Bolton, de Owen Coyle caiu muito nesta temporada. A equipe chegou a figurar entre os quatro primeiros no início do Campeonato Inglês, mas o time declinou muito. The Trotters tem jogadores interessantes, que despertam interesses de outros clubes do futebol inglês, como o zagueiro Cahill e o atacante Elmander, além de atletas como Petrov, que já jogou em times como Atlético de Madrid e Manchester City e Kevin Davies, que chegou a ser convocado por Fábio Capello e defender o English Team.

Já o Stoke costuma sempre ter jogos legais. Não por apresentar um futebol vistoso, de grande técnica e lances de efeito e sim pelo “Futebolton” que apresenta. The Potters sempre que podem, mandam os zagueiros para a grande área e com Delap, a catapulta humana, cobra os laterais na área, sempre causando um alvoroço na defesa adversária. Os jogos do Stoke tem muita graça. A ruindade deles é que deixa a partida interessante, pois eles fazem de suas limitações um ponto forte.

Bolton e Stoke se pegam no domingo às 12h. A ESPN HD e o Esporte Interativo transmitem a peleja.

Reds e Gunners já protagonizaram jogos históricos e cheios de gols

Como pano de fundo das semifinais da FA Cup, temos rodada da Premier League. O Arsenal, podendo ficar 4 pontos atrás do líder Manchester United, terá de vencer o clássico contra o Liverpool. Não custa lembrar que os Reds costumam jogar mais nas partidas consideradas grandes. A vitória é imprescindível pros Gunners, que se quiserem se manter na luta pelo título, precisam começar a cortar pontos.

Porém, todos sabem que a briga mais alucinante da competição é contra o rebaixamento. Teremos duelos diretos nesse fim de semana. No sábado, o 16º colocado, Birmingham, recebe o 13º, Sunderland. O lanterninha Wigan jogará fora de casa contra o 17º colocado, Blackpool. Os Tangerines podem entrar na zona de rebaixamento com uma eventual derrota. O Aston Villa, 14º colocado, irá até Londres pegar o 18º, West Ham.

Wigan, Wolves e West Ham, os três times que ocupam a zona de rebaixamento podem sair dela nessa rodada. Blackpool, Blackburn e Birmingham podem entrar lá. A briga é boa e por termos tantos times lutando para não cair, a expectativa é que essa luta dure até as últimas rodadas.

Slomka poderá sorrir mais se levar o Hannover para a Champions League

Agora voamos para a Alemanha, onde teremos a 30ª rodada e talvéz a mais importante de todas.

No sábado, o Hannover vai até a HSH Nordbank Arena encarar o Hamburgo. Jogo complicado. Os comandados de Mirko Slomka terão de vencer o HSV, que ainda sonha com uma vaguinha na Europa League e jogará suas últimas fichas nas próximas rodadas, já que o Mainz está escapando. Um tropeço e a vaga do Hannover para a próxima Champions League pode ir para o espaço, já que o Bayern de Munich joga em casa contra o Leverkusen.

Hamburgo e Hannover será transmitido pelo Band Sports, no sábado, às 10h30.

Mesmo assim, os ainda comandados por Jupp Heynckes – ele assumirá o Bayern na próxima temporada – podem ser chamados de favoritos. O Leverkusen vive boa fase, com 5 vitórias seguidas. A última derrota do Bayer 04 foi no dia 5 de fevereiro, já se foram dois meses! O time está entrosado e tem a segunda melhor campanha como visitante, porém, falta uma vitória em jogo decisivo. O Leverkusen até venceu o Dortmund, mas foi na primeira rodada, ou seja, era um jogo grande, mas não decisivo. No 2º turno, foi facilmente derrotado pelo BVB. No duelo contra o Bayern no 1º turno, ficou no empate.

Andries Joncker está em uma situação difícil

Já o Bayern de Munich está em uma grave crise. No sábado, a equipe bávara ficou no 1×1 com o Nüremberg e o gol do empate adversário saiu em uma falha grosseira de Kraft. Sendo o goleiro aposta de Louis van Gaal e a diretoria nunca ter gostado dessa decisão, o técnico holandês rodou. Andries Joncker, assistente de van Gaal e que como treinador passou por vários times pequenos e sem nenhum sucesso, assume o comando técnico. Pobre dele! Joncker terá de colocar o Bayern na próxima Champions League.

Para esse jogo, Renato Augusto volta ao time do Bayer Leverkusen, enquanto o novato Andries Joncker terá alguns desfalques. Robben está suspenso e não joga. Ribéry não treinou nesta sexta-feira com dores musculares e é dúvida para o jogo. Schweinsteiger também corre o risco de ficar de fora da partida. O Bayern não pode perder, pois poderá ver o Hannover disparar na 3ª colocação e com poucas rodadas para o final, a classificação para a Champions League se tornará quase impossível. O Leverkusen também não pode pensar em perder. Cinco pontos atrás do líder Dortmund, o time não pode perder pontos e sim tirar, para poder encostar no topo da tabela.

Às 10h30 de domingo, a ESPN Brasil transmite a peleja.

Jurgen Klopp levando o BVB ao título

O Borussia Dortmund terá duelo fácil…mas nem tanto. Vai receber o Freiburg no Signal Iduna Park. Por causa do adversário, a responsabilidade do Leverkusen bater o Bayern aumenta, pois dificilmente o BVB perderá pros Brasileiros de Breisgau. Mas não custa lembrar que o principal jogador do Freiburg é Papiss Cissé, artilheiro da Bundesliga com 20 gols. Ao final da rodada, o Dortmund pode ficar com 8 pontos de vantagem pro Bayer 04 e ficaria a poucos pontos do título.

A ESPN Brasil transmite a partida logo após o jogo do Bayern

A briga lá embaixo também estará em cena. O vice-lanterna St. Pauli jogará fora de casa contra o ante-penúltimo colocado Wolfsburg. As duas equipes tem o mesmo número de pontos – 28 – e podem de uma vez só afundar o derrotado e puxar o Stuttgart, dois pontos acima, para a zona de repescagem. O Stuttgart também terá jogo duro, vai enfrentar o Colônia fora de casa. Os Bodes precisam tomar cuidado, pois uma nova derrota pode trazê-los de volta para a briga contra o rebaixamento.

O mundo vai parar!

Porém, o grande jogo da Europa no fim de semana será realizado na Espanha. Começaremos a sentir os efeitos de uma overdose de um grande jogo. O Superclásico entre Barcelona x Real Madrid. Serão dois jogos pela Champions League, e um de cada na Liga BBVA e na Copa del Rey.

Neste sábado, o jogo será realizado no Santiago Bernabéu. A chance de título Merengue é mínima. A equipe tropeçou demais e seu adversário é um time que simplesmente não perde. Então, pelo menos a impressão que tenho é que essa partida está com cara de revanche do primeiro turno do que uma nova oportunidade de querer conquistar o título. No primeiro turno da Liga BBVA, o Barcelona venceu o Real por 5×0, por isso até o sentimento de revanche. Se o Madrid vencer, diminui desvantagem que tem pro Barça para 5 pontos, ainda será muita coisa, se levarmos em conta a velha ladainha que “o adversário do Real Madrid é o Barcelona que dificilmente perde”.

José Mourinho conseguiu nesta sexta-feira provocar a ira dos jornalistas espanhóis. Ele não respondeu a nenhuma pergunta, e sim seu assistente, Aitor Karanka. Os repórteres simplesmente saíram da sala de imprensa. Por ser o Mourinho, muita gente diria que o português está fazendo um jogo de cena para tirar as atenções de seu time, mas acredito eu que seja o jeitão dele. Não foi a primeira vez que José Mourinho mandava Aitor Karanka responder por ele.

Barcelona humilhou o Real na temporada 08/09

O Barcelona parece estar levando o duelo do sábado na mesma toada do jogo do 1º turno: falando pouco. Pep Guardiola, por exemplo, disse que o Real Madrid é o favorito. Na época, vimos o que aconteceu… Não duvido que um novo 5×0 ou 6×2, se puxarmos pela memória o duelo de 2008/2009, possa novamente acontecer. Mas acredito eu, que dessa vez o duelo será mais equilibrado e de certa forma até, imprevisível.

O grande reforço do Barcelona será o capitão Carles Puyol. O camisa 5 não joga desde janeiro e dificilmente seria relacionado para o duelo, mas o zagueiro recebeu a alta médica e Guardiola relacionou o jogador para a partida.

Será um duelo imperdível, no qual você conhecerá aqui no blog como “Batalhas”. Simples assim! O de amanhã será “Batalha I” e assim vai.

E pra vocês leitores? Qual é o grande jogo do fim de semana?

Menções honrosas: PSG e Lyon na Ligue 1. O time da capital precisa da vitória para encostar no próprio time lyonês para voltar a sonhar com a vaga na Champions League. Já o OL precisa vencer para voltar a sonhar com o título.

Ainda na Ligue 1, Mônaco e Nice fazem duelo direto contra o rebaixamento. Quem perder pode entrar na zona de descenso.

Na Liga BBVA, duelo direto por uma vaga na Liga Europa. O Espanyol, 8º colocado com 44 pontos, recebe na Cataluña o Atlético, 7º colocado com 45 pontos. As duas equipes precisam vencer e quem conseguir a vitória pode ultrapassar Athletic ou Sevilla e entrar na zona de classificação pra UEL.

Para fechar, na Série A, o Napoli, na briga pelo título, vai enfrentar a Udinese, 5ª colocada e lutando por uma vaga na Champions League. Jogo bom no San Paolo!