Le Podcast du Foot #63 | Violência nos estádios franceses

Bastia e Lyon foi paralisado no intervalo | Foto: OLWEB

A onda de violência que assola os estádios franceses foi pauta de mais uma edição de Le Podcast du Foot. O apresentador Eduardo Madeira comandou a mesa redonda ao lado de Flávio Botelho e do convidado especial Simon Balacheff, correspondente do Lucarne Opposée no Brasil, que trouxe uma visão local e de quem conheceu de perto a cultura das torcidas francesas.

Recentemente, tivemos a torcida do Bastia invadindo o gramado do Armand Cesari para brigar com jogadores do Lyon, ampliando o vasto de leque de incidentes que vem provocando nesta temporada. Além disso, o próprio Lyon foi punido pela Uefa em função da confusão diante do Besiktas, na Liga Europa, e caso a torcida volte a aprontar, será automaticamente suspenso por dois anos.

Abaixo você pode ouvir a edição #63 de Le Podcast du Foot:

Trilha: Ao fundo da edição #63 do podcast, você ouve as músicas do álbum “Comme on a dit”, da banda francesa Louis Attaque. Foi o segundo álbum do grupo, lançado em 2000, e que foi eleito o melhor do ano na categoria “rock” em 2001. O CD completo está disponível no YouTube.

Anúncios

Ultras do Lyon entram na onda do “Decime que se siente”

Foto: Bad Gones 1987 - Officiel

Foto: Bad Gones 1987 – Officiel

Durante a Copa do Mundo de 2014, a torcida argentina chamou a atenção com um canto em que provocava o Brasil, o famoso “Brasil, decime que se siente”. A música é uma paródia do clássico Bad Moon Rising, do Creedence Clearwater Revival. De lá para cá, diversas torcidas têm adotado o canto e fazendo paródias, inclusive brasileiras, como as de Vasco da GamaAmérica Mineiro.

Confira a matéria completa

no Doentes Por Futebol

Engraçado… lamentável

Dois fatos marcaram o futebol na Europa Central.

Na Alemanha, Manuel Neuer fez o seu provável último jogo com a camisa do Schalke e foi campeão da DFB Pokal, após meter 5×0 no Duisburg. Na festa de comemoração, o Schalke foi as ruas e Neuer estava lá, cumprimentando os torcedores, até que do nada, surge uma mão e lhe dá um tapa. Como não surgiu uma grande reação do arqueiro alemão, posso dizer que foi engraçado.

O outro fato é lamentável. O Rapid Wiena perdia o derby da cidade pro Austria Wiena, 2×0, até que os Ultras – como diriam aqueles, a “torcida organizada deles” – se irritaram e invadiram o campo. Tocaram o terror, me pareceu que tentaram atacar a torcida adversária, abordaram os jogadores, – que inteligentemente foram se direcionando aos vestiários logo após a invasão dos Ultras – mas o cordão militar de 400 policiais agiu, avançou e encurralou os marginais. Como eu twittei: “Ultras: Uma raça que tem que acabar!”

O jogo foi suspenso e no fim do jogo, os técnicos lamentaram muito o ocorrido.

Simplesmente lamentável e vergonhoso pro futebol austríaco!