Com novo esquema, Lyon encontra jogo variável, mas elenco preocupa

Gomis marcou o segundo gol do Lyon na vitória sobre o Guingamp

Gomis marcou o segundo gol do Lyon na vitória sobre o Guingamp

Após cinco partidas, o Olympique Lyonnais voltou a vencer no Campeonato Francês com o triunfo por 2-0 sobre o Guingamp, em partida válida pela 12ª rodada. Assim como na derrota contra o Monaco, na jornada anterior, Remi Garde escalou seu time no 4-3-1-2, com um losango no meio-campo, e, com equipe praticamente completa, viu seus comandados apresentarem jogo mais variável.

Essa variação aconteceu porque o tripé de meias casou direitinho. Maxime Gonalons era o homem central, ficando mais fixo e chefiando a defesa; Steed Malbranque possuía o toque mais clássico, além de ser veloz nos avanços. Se por vezes lhe faltava perna, ocasionada pela idade, sobrava qualidade no passe; já Gueida Fofana mesclava força física, velocidade e bom chute.

Em outras palavras: três jogadores e três características diferentes que foram deveras úteis para o Lyon durante a partida. O OL controlou a faixa central por possuir atletas capazes de preencher o meio tanto ofensivamente, quanto defensivamente.

Além disso, contar com uma trinca de meias versáteis possibilitou maior liberdade a Clément Grenier, que vinha de partidas muito ruins e foi ao menos mais ativo diante do Guingamp, apesar de estar, reconhecidamente, bem abaixo do que pode render.

No ataque, ficou nítido o bom entendimento tático de Bafetimbi Gomis e Alexandre Lacazette. O Predador deixa muito a área, é sua característica apesar de não ser muito técnico. Com isso, sempre deixa um vácuo em seu habitat-natural. Lacazette, observando isso, preencheu esse espaço, como visto no primeiro gol, no qual era o homem mais avançado.

Por vezes, também, os dois homens de frente abriram pelos flancos, o que possibilitava o avanço de Grenier pelo centro, como o famoso “falso nove”. Essa variação aconteceu mais diante do Monaco, já que, contra o Guingamp, o camisa 7 se deslocou mais para a direita.

Além disso, um fator tradicional dos esquemas em losango foi preponderante para o triunfo lionês: as laterais. Como esse sistema tático tende a focar a faixa central, abre-se um clarão nos flancos, logo, torna-se necessária a presença ofensiva dos laterais e, contra o Guingamp, isso foi bem explorado pelo Lyon.

No lado esquerdo, principalmente, Henri Bedimo mostrou a que veio. Após atuações pouco convincentes desde que veio do Montpellier, o atleta teve ótima participação diante dos rubro-negros e foi peça fundamental no ataque.

Mouhamadou Dabo, por visíveis deficiências técnicas, subiu pouco e preocupou-se mais com a marcação. Com isto, Grenier e Lacazette puderam flutuar mais pelo flanco direito.

Bastou um ótimo primeiro tempo (e duas falhas tolas do adversário) para o Lyon fazer o resultado de 2-0, que seguiu até o final da partida. O OL pressionou muito durante os primeiros 25 minutos, criou muitas chances e, apesar do bom comportamento defensivo adversário, mostrou uma atitude não vista nas rodadas anteriores.

Sistema

Só que o elenco é a maior preocupação de Remi Garde. O esquema em losango deu certo por contar com atletas específicos para cada posição, sem haver jogadores de características semelhantes entre os titulares. Foi necessária uma lesão para que tudo fosse desarticulado.

Gonalons sofreu entrada criminosa de Moustapha Diallo, que foi expulso, e deixou o campo lesionado, dando lugar a Jordan Ferri. Com isso, Fofana, que estava preocupado com providenciais avanços, atuou mais fixo na defesa, com Ferri, de características semelhantes à de Malbranque, atuando mais avançado.

No 11 contra 10, o Lyon não aparentava estar jogando um a mais, pois cedeu território ao Guingamp e não incomodou tanto a meta de Ndy Assembe.

E com isso fica a lição para Garde não se acomodar com o resultado, como costuma fazer. Não é porque o Lyon fez ótimo primeiro tempo no 4-3-1-2 que ele deve usar esse esquema todo jogo, já que, como fora supracitado, pro “3” do sistema, o técnico contava com três jogadores de estilos e aplicações em campo diferentes, o que lhe fornecia uma variação de jogo muito interessante.

Garde tem histórico de se acomodar após bons resultados imediatos e isto, para um técnico que trabalha com elenco curto e sem grandes valores individuais, nunca é bom. Lisandro López foi um dos que foi fritado pelo comodismo de Garde com um sistema tático. Por isso, é necessário que haja um entendimento do treinador que é necessário mexer no esquema quando as lesões lhe atrapalham. Falta material humano de qualidade, mas não falta elenco com atletas de variados valores individuais.

Na atual situação do Lyon, o importante é não se acomodar após bom resultado e atuação que apresente um horizonte agradável. A escassez do elenco não proporciona um conforto para Garde, tanto na questão dos jogos, quanto em sua situação de emprego.

Lopes está verde

Anthony Lopes deixou o gol do Lyon ainda na etapa inicial

Anthony Lopes deixou o gol do Lyon ainda na etapa inicial

Além de Gonalons, o Lyon perdeu o goleiro Anthony Lopes lesionado. Por volta dos 25 minutos da etapa inicial, o arqueiro lionês dividiu bola com o ataque do Guingamp e levou a pior, se contundindo e dando lugar a Mathieu Gorgelin.

Apesar de lamentarmos a lesão do atleta, fica uma lição para o português. A dividida se deu em um lance em que a saída da meta era absurdamente desnecessária, coisa rotineira para ele.

Hugo Lloris, quando ainda vestia a camisa do Lyon, também possuía o hábito de sair do gol em momentos errados, porém, eram em lances pontuais, como bolas na marca do pênalti e repletas de companheiros, onde sua permanência na meta lhe dava mais chances de defender. Com o tempo evoluiu e hoje, no Tottenham, pouco se ouve de falhas do francês.

Mas Lopes tem uma mania diferente: sai em todas as bolas, não importando quem está pela frente e a necessidade desse abandono de meta. Seus erros tem sido constantes e algumas vezes custam resultados, como quando saiu de forma aloprada no primeiro gol do Monaco na derrota por 2-1.

O português tem só 23 anos e só nesta temporada tem jogado constantemente. Está verde, não é maduro o suficiente para aguentar a barra da situação ruim do Lyon. Remy Vercoutre, que está retornando de lesão, deve ter sua volta adiantada caso essa contusão de Lopes seja séria. E isso, por linhas tortas, é uma notícia boa, pois Vercoutre não só tem mais cancha (além dos 33 anos, tem mais de dez anos no clube) como é um goleiro pronto. Admito que não acreditava no potencial do veterano quando Lloris foi embora, mas ele correspondeu no último ano e pode ser peça chave para a recuperação do Lyon nesta temporada.

*Crédito das imagens: Le Progress
Anúncios

Um jogo com a cara do campeonato

Todo fim de semana estou de olho no Campeonato Francês e admito que o futebol do país não tem uma cara definida para mim. Afinal, como descrever o estilo de jogo de uma nação que possui um campeonato com dez campeões diferentes em vinte temporadas seguidas e que ainda contou com um time heptacampeão neste período? O “Francesão” é um torneio, de certa forma, imprevisível.

É justamente essa a cara que o principal jogo de dezembro na França nos transmite. Paris Saint-Germain e Olympique Lyonnais conseguiram, em um curto espaço de tempo, passar por momentos completamente opostos, o que torna o desafio do próximo domingo uma tarefa inglória de se prever o resultado.

O PSG passava por grave crise há duas semanas, com Carlo Ancelotti e Leonardo tendo seus cargos ameaçados. O italiano falou que faria “mudanças radicais” e de lá pra cá, foram três jogos, um novo esquema tático e 100% de aproveitamento. Enquanto o Lyon, que há pouco tempo era massacrado pelo Toulouse de Ben Yedder, conseguiu se recuperar e disparar na liderança. Porém, com o inesperado empate diante do vice-lanterna Nancy, a história mudou de figura e um tropeço contra a equipe da capital pode resultar em perda da liderança.

Ibra é o artilheiro isolado da Ligue 1

Ibra é o artilheiro isolado da Ligue 1

Para o confronto do domingo, o grande trunfo parisiense é Zlatan Ibrahimović. O sueco está impossível e já balançou as redes em 17 oportunidades. O que serve de alento para a torcida do PSG é que, o que era “Ibradependência” semanas atrás, começa a se tornar conjunto. Ancelotti adotou o 4-4-2 no melhor estilo britânico, com duas linhas de quatro e dois homens na frente, sendo um mais móvel. Essa formatação tática tem dado certo principalmente pela participação mais efetiva de Javier Pastore, Jérémy Ménez e Ezequiel Lavezzi.

El Flaco Pastore, caracterizado como um meia mais cerebral e de posicionamento fixado no centro, passou a jogar na beirada do campo e acordou pra vida. O argentino tem mostrado um futebol ainda não visto em terras francesas, com passes mais vistosos, ágeis e inteligentes. A imprensa francesa notou isso e tem elogiado demais o garoto.

Já Lavezzi e Ménez têm ganhado mais notoriedade pela movimentação. Ambos não se fixam em suas posições e flutuam bastante entre a beirada do campo e a grande área, não só confundindo as marcações adversárias, como auxiliando Ibrahimović. A citada dupla teve parcela considerável nas recentes vitórias.

Lá atrás, nem é preciso comentar muito. Thiago Silva tem sido o maestro e um dos poucos alheios as oscilações que o time tem enfrentado. Ao seu lado, vinha ganhando entrosamento com Alex, mas com a lesão do compatriota no duelo diante do Valenciennes, fica a dúvida do rendimento de Mamadou Sakho, que caiu demais do princípio de temporada pra cá. Nas laterais, Maxwell se fixou como um dos melhores da posição, deixando até a pergunta no ar: por que o PSG corre tanto atrás de outros laterais esquerdos?

Mas não custa reforçar: essa é a impressão do PSG dos últimos três jogos, porque anteriormente víamos muita dependência de Ibrahimović, enorme lentidão e pouca organização. Além disso, os jornais franceses destacavam toda hora algumas “guerras de egos” – supracitada em nosso podcast semanal – que podem resultar em transferências na janela de inverno.

Já o Lyon pode sim ser considerado uma das surpresas do campeonato. Tradição à parte, o clube presidido por Jean-Michel Aulas se enfraqueceu demais nos últimos anos e não conseguiu repor seus principais jogadores com o nível desejado. Estar na liderança com uma equipe formada por muitos pratas da casa é uma surpresa.

Malbranque e Gomis são os grandes nomes do Lyon na temporada

Malbranque e Gomis são os grandes nomes do Lyon na temporada

A cada rodada que passa, os nomes de Maxime Gonalons, Clément Grenier e Alexandre Lacezette se tornam mais conhecidos França afora, todos são crias do Lyon. Até mesmo o veterano Steed Malbranque – que ficou um ano parado -, outro formado no clube, soltou suas manguinhas e é um dos melhores jogadores do campeonato, sendo cogitado até para a seleção francesa. Além destes, Samuel Umtiti, Rachid Ghezzal e Yassine Benzia passam a ganhar espaço com Rémi Garde.

No ataque, a dependência de Lisandro Lopez não é mais tão explícita. O argentino passou algum tempo machucado e a estrela de Bafetimbi Gomis brilhou nesse período. O Predador tem 10 gols no Campeonato Francês – o dobro de tentos que Lisandro anotou -, sendo cinco entre novembro e dezembro.

Protegendo a meta, Remy Vercoutre fez valer toda a confiança imposta por Aulas e tem substituído Lloris a altura. Quem não tem valorizado a força dada pelo presidente é Yoann Gourcuff. O meia até tenta jogar, quando entra em campo colabora bastante, mas seu físico é muito frágil, tanto que só fez oito partidas na Ligue 1, conseguindo completar os 90 minutos apenas duas vezes – o máximo de minutos que jogou até ser substituído foi 74.

Aliás, as lesões tem sido a grande barreira do caminho de Rémi Garde. Além de Gourcuff, nomes úteis como Jimmy Briand e o já citado Clément Grenier também estão no departamento médico. Além disso, Lisandro e Lovren retornam aos poucos de contusão e talvez não atuem por muito tempo.

Esses problemas do Lyon tornam o duelo, de certa forma, mais interessante. Claro que seria melhor assistirmos dois times com forças máximas, mas o contraste das equipes no Parque dos Príncipes será um tanto quanto curioso: de um lado, o Paris Saint-Germain, clube milionário e que busca os jogadores mais caros do mundo a qualquer preço; do outro lado, o Lyon, clube multicampeão na última década, mas que enfraquecido, se vê na obrigação de colher o que plantou em sua horta. Esse é o jogo que deve traçar o futuro das equipes nas próximas semanas, mas o “Francesão” é tão imprevisível que este duelo pode não decidir nada.

*Imagens: Getty Images

Quem poderá lhes defender?

Dá pra notar bem quem ficou feliz com a transferência

A torcida do Lyon deu adeus a Hugo Lloris. Após quatro anos, mais de 200 jogos e dois títulos, o goleiro foi vendido ao Tottenham Hotspur no último dia da janela de transferências. A negociação foi arrastada e cheia de idas e vindas, por fim, o presidente Jean-Michel Aulas decidiu vendê-lo por um valor próximo a 10 milhões de libras.

Lloris chegou em 2008 ao Lyon e mesmo com, na época, 21 anos, já carregava um peso imenso em suas costas. O goleiro era uma das grandes revelações do Nice e já possuía passagens pela seleção principal da França. Sua missão era substituir Grégory Coupet, atleta que fez mais de 500 jogos pelo Lyon e que se transferiu para o Atlético de Madrid.

Mesmo não conquistando nem metade de títulos que seu antecessor conquistou com a mesma camisa, Lloris se tornou um símbolo do Lyon atual: discreto, mas sempre eficiente. Atuando no time de Rhône-Alpes, ele participou das conquistas da Copa da França e da Supercopa em 2012, foi o titular na melhor participação do time em uma Champions League – semifinalista em 2009/2010 – e ainda se firmou na Seleção Francesa, se tornando capitão dos Bleus.

Hugo Lloris deixa o Lyon como ídolo

Lloris deixa a França, respeitado no mundo inteiro. É um goleiro quase perfeito, com agilidade, bom posicionamento e reflexos pra lá de apurados. Seu único defeito – e que pode lhe atrapalhar bastante na Inglaterra – é a bola aérea, onde demonstra alguma dificuldade nas saídas da meta. Ainda assim, é um grande goleiro e deverá evoluir demais no Tottenham.

Mas deixando Lloris de lado, o que será do Lyon sem seu titular? Jean-Michel Aulas deposita suas fichas no experiente Rémy Vercoutre, de 32 anos. Atuando no clube desde 2002, o goleiro participou de pouco mais de 40 jogos do Lyon e é reserva desde os tempos de Coupet. Sua temporada mais ativa foi em 2007/2008 – temporada anterior a chegada de Lloris -, onde participou de 26 jogos. É pouco e, se tratando de goleiro, é muito preocupante, já que não é segredo pra ninguém que arqueiros precisam de ritmo de jogo.

Não sei até onde Aulas quer levar essa história, mas ele deveria aproveitar o fato da janela na França fechar apenas no início de setembro para procurar um novo goleiro. Logo em sua “estréia”, Vercoutre falhou em um dos dois gols do Valenciennes e não houve quem não ficasse preocupado com a possibilidade dessa história se repetir mais vezes durante a temporada.

Goleiro bom não falta na França. No próprio Valenciennes, adversário do último sábado, havia Nicolas Penneteau, que mesmo tendo a mesma idade de Vercoutre, poderia quebrar um galho. Por que, então, não ir atrás de Benoît Costil ou de Guillermo Ochoa, goleiros bons, mas que não almejam grandes conquistas nos clubes onde estão? Ou então, por que não apostar na “mística brasileira” e trazer Macedo Novaes, goleiro do Bastia, eleito o melhor da posição na última temporada da Ligue 2?

O sonho de consumo do Lyon é Stéphane Ruffier, goleiro do rival Saint-Étienne. Os verdes já disseram, meses atrás, que não venderiam o atleta, isso com Lloris ainda negociando sua saída do Lyon, agora, com ele fora, talvez a investida seja mais forte. Ainda assim, acredito que o negócio não seja concretizado.

“O goleiro mais talentoso de sua geração”

Eu, particularmente, se pudesse fazer uma aposta, seria em Pierrick Cros, do Sochaux. Parece estranho haver a indicação de um goleiro que atua num time que nas últimas cinco temporadas, terminou quatro vezes nas últimas dez posições da tabela e que iniciou essa nova edição de Campeonato Francês zerado em pontos nas primeiras quatro rodadas, mas Cros lembraria, de forma distante, a contratação de Lloris.

O goleiro do Sochaux tem 21 anos, assim como o capitão da França tinha na época da transferência, seus times não eram protagonistas no país e ambos tiveram passagens pelas seleções de base da França. Currículos semelhantes, mas não deixaria de ser uma aposta arriscada.

Francis Smerecki, treinador das seleções inferiores da França, já disse que “Cros é o goleiro mais talentoso de sua geração” e eu apenas sigo com o que foi dito e o ‘indico’ ao Lyon. Venhamos e convenhamos, um jovem caracterizado como “talentoso” é uma aposta bem mais interessante do que um experiente sem ritmo de jogo.

Créditos das imagens: Le Progres e Presse Sports