Da glória ao ostracismo

Foto: Reprodução - O Alavés fez história ao chegar na decisão da Copa da Uefa

Foto: Reprodução – O Alavés fez história ao chegar na decisão da Copa da Uefa

Quando relacionamos times espanhóis com finais de copas europeias, logo nos lembramos de Real Madrid e Barcelona, além do Atlético de Madrid, que ganhou a Liga Europa em duas oportunidades nos últimos anos. O que muitos esquecem é que, certa vez, o pequenino Deportivo Alavés, da província de Álava, chegou a uma final internacional com uma campanha heroica.

Fundado em 1921, o citado clube espanhol nunca havia obtido grandes feitos até a chegada do técnico José Manuel Esnal, o Mané, em 1997. Com ele no comando, o Alavés começou a saga que teve início na segunda divisão e parou com um vice-campeonato continental.

O acesso

O Alavés teve campanha praticamente impecável na segunda divisão espanhola na temporada 1997/98, na qual foi campeão. Em 42 partidas, foram conquistados 82 pontos, sendo o time que mais venceu (24 vezes) e o que menos sofreu gols (25).

Mas o que marcou não foi o acesso, mas sim o início do que seria caracterizado como “copeirismo” do time de Mané. O Alavés foi semifinalista da Copa do Rei, e também contando com uma boa dose de heroísmo.

O drama começou já nas fases iniciais. Contra o desconhecido Aurrerá de Vitoria, o Alavés precisou reverter o 1-0 sofrido na ida para seguir na competição. Venceu por 2-0 na volta e prosseguiu para enfrentar o Real Oviedo, no qual despachou com uma magra vitória por 1-0 na ida e 0-0 na volta.

Na etapa seguinte, mais dificuldades. Diante do Compostela, clube de primeira divisão na época, o Alavés venceu por 1-0 em casa e segurou o 2-2 na volta para se qualificar.

Na fase de oitavas-de-final, o adversário era o poderoso Real Madrid, futuro campeão europeu. No jogo de ida, no Estádio de Mendizorroza, em Álave, com gol de Manuel Serrano, o Alavés bateu o adversário da capital pelo marcador mínimo. Na volta, sufoco em Madrid. Riesco fez 1-0 para os visitantes, mas Roberto Carlos e Šuker viraram o jogo. O tento do atacante croata saiu aos 10 minutos da etapa final e o Alavés se segurou por 35 minutos para conseguir a classificação.

Na fase seguinte, o Alavés passou sem grandes dificuldades pelo Deportivo La Coruña, também time da elite, aplicando 3-1 em casa no jogo de ida e segurando o placar zerado na volta.

Na semifinal veio a queda diante do Mallorca. Com duas derrotas (2-1 na ida e 1-0 na volta), o Alavés deu adeus ao sonho de conquistar a Copa do Rei (que seria vencida pelo Barcelona naquele ano).

Caminho na elite

Em seu ano de retorno à elite do futebol espanhol após mais de 40 anos, o Alavés conseguiu a permanência na primeira divisão apenas na última partida. Antes do início da 38ª rodada, o Glorioso somava 37 pontos, ocupava a 17ª colocação e não possuía chances de queda, mas poderia ficar no playoff contra o descenso. Os adversários diretos eram Villarreal, com 35 pontos, e Extremadura, com 38. Curiosamente, os dois concorrentes se enfrentariam na rodada derradeira.

A fórmula do Alavés era simples: vencer a Real Sociedad e torcer pelo tropeço do Extremadura. Uma derrota o deixaria no playoff, já que os 17º e 18º colocados disputariam esta fase.

Tudo começou tranquilo para o Glorioso e acabou com emoção. Ao término do primeiro tempo dos dois jogos, o Alavés vencia por 2-0 e o Extremadura perdia pelo marcador mínimo. Antes dos 20 minutos da etapa complementar, a Real Sociedad conseguiu descontar com Javier de Pedro e trouxe emoção para a partida.

Aos 36 minutos, David Albelda marcou para o Submarino Amarelo, abrindo 2-0 e, aparentemente definindo a parada. Porém, em menos de cinco minutos, Iván Gabrich marcou dois gols, empatou a partida para o Extremadura, deixando o Alavés com atenção nos dois jogos.

Por fim, os placares permaneceram intactos e, com uma boa dose de sorte, o Glorioso permaneceu na elite espanhola.

Grandes resultados

Na temporada seguinte, tudo mudou. Já com nomes de destaque como Javier Moreno, Hermes Desio e o veterano Julio Salinas, o Alavés fez campanha impecável, ocupando a 6ª colocação ao término do Campeonato Espanhol, obtendo 61 pontos. O desempenho lhe rendeu uma vaga na Copa da Uefa do ano seguinte.

Na temporada do 6º lugar, resultados importantes ficaram marcados para o time, entre estes, 2-0 sobre o Valencia no Mestalla, 2-1 de virada sobre o Barcelona, 2-0 no Atlético de Madrid e 1-0 no Real Madrid.

Saga europeia

Para começar a rotina de mochileiro pelo Velho Continente, o Alavés precisou dar uma modificada no elenco. Entre os reforços estavam o uruguaio Iván Alonso, vindo do River Plate do Uruguai, Jordi Cruyff, contratado junto ao Manchester United, Juan Epitié, atacante de Guiné Equatorial que veio da base do Real Madrid, Mario Rosas, cria do Barcelona, e Ivan Tomić, que veio da Roma.

Em contrapartida, Mané perdeu duas peças importantes para a temporada: o atacante Meho Kodro, autor de cinco gols na temporada anterior, foi para o Maccabi Tel-Aviv (onde encerrou a carreira), e o volante Ángel Morales, que retornou de empréstimo ao Espanyol.

Autor de sete gols na campanha do Campeonato Espanhol, o atacante Javi Moreno foi mantido no clube, diferente do artilheiro do time, Julio Salinas, que balançou as redes oito vezes. O atacante, que disputou as Copa de 1986, 1990 e 1994, tinha 38 anos e pendurou as chuteiras em 2000.

Foto: Reprodução - O veterano Julio Salinas ajudou o Alavés a chegar na Copa da Uefa

Foto: Reprodução – O veterano Julio Salinas ajudou o Alavés a chegar na Copa da Uefa

Mortal fora de casa

Reza a lenda do bom time copero, que para se sair bem em competições mata-mata, seu time precisa saber jogar fora de casa, principalmente pelo temido gol como visitante. O Alavés cumpriu com maestria este quesito.

Nas primeiras fases, o Glorioso sofreu em jogos em casa e precisou sair da Espanha para conseguir avançar. Logo na estreia, empatou sem gols com o Gaziantepspor no estádio de Mendizorroza, mas buscou a vaga na Turquia com uma surpreendente vitória por 4-3, quando esteve duas vezes atrás no marcador.

Já nesta fase, os reforços começaram a aparecer. Na partida fora de casa, Iván Alonso e, principalmente, Tomić foram os responsáveis pela imponente vitória do Alavés.

Nas duas fases seguintes, o Glorioso enfrentou adversários noruegueses e, em ambos os casos, fez o resultado no país nórdico. Contra o Lillestrøm, vitória por 3-1 na ida e a manutenção do empate em 2-2 na Espanha. Diante do Rosenborg veio o maior susto, afinal, o empate em 1-1 no Mendizorroza causava dores de cabeça. Mas o 3-1 na volta foi construído com imensa tranquilidade e qualificou o Alavés para as oitavas-de-final da Copa da Uefa, um feito inimaginável para um clube que estava na segunda divisão dois anos antes.

Primeiro gigante

Foto: Reprodução - Os espanhóis fizeram história ao eliminar a Inter em Milão

Foto: Reprodução – Os espanhóis fizeram história ao eliminar a Inter em Milão

Nas oitavas-de-final, o Alavés viu o primeiro gigante pela frente: a Internazionale. Invicto e mais tradicional internacionalmente, o time italiano era franco favorito. Sem sentir a pressão de jogar a primeira partida na Espanha e de sair atrás no marcador, a Inter virou para 3-1 sem suar.

Mas, na raça, o Glorioso buscou o empate diante do gigante italiano. Óscar Téllez cobrando falta e Iván Alonso de cabeça deram o placar igualitário à partida. Não era essa a vez que o Alavés conseguiria sua primeira vitória internacional jogando em casa, mas o resultado não era tão ruim quanto se desenhou durante a partida.

Cirúrgico, o Alavés precisou de duas estocadas no final do jogo para eliminar a Inter no Giuseppe Meazza. Na primeira, aos 33 minutos da etapa complementar, Jordi Cruyff acertou um potente chute de canhota e abriu o placar. Cinco minutos depois, Tomić usou do mesmo artifício de Cruyff para marcar o tento que sacramentou a histórica classificação na Itália.

 

Consolidação em casa

Apesar de estarem invictos jogando em casa, o fato de não terem vencido no Mendizorroza incomodava parte da torcida que ainda não vira de perto o time triunfar. Nas quartas-de-final, esse sonho tinha grandes chances de ser realizado de uma forma ou de outra, afinal de contas, o adversário seria o também espanhol Rayo Vallecano.

Aliás, essa fase foi dominada por times da Península Ibérica. Além da partida espanhola citada no parágrafo acima, Barcelona e Celta de Vigo se confrontaram, sem falar do Porto, que enfrentou o Liverpool.

Mas voltando a falar do Alavés, o time de Mané finalmente agradou a torcida e conseguiu uma grande vitória sobre o Rayo já no jogo de ida, 3-0. A partida de volta se tornou mera formalidade e o Glorioso se deu ao luxo de perder a primeira na competição: 2-1.

Em estado de graça, o Alavés permaneceu com o mesmo pique e atropelou o Kaiserslautern na semifinal. Com 5-1 na Espanha e 4-1 na Alemanha, os espanhóis passaram por cima e confirmaram a inimaginável vaga na final da Copa da Uefa.

O triunfo sobre o Kaiserslautern não foi um triunfo qualquer, já que o time alemão era um dos que estava no bolo de candidatos ao título em seu país. Na semana da partida de ida, o Campeonato Alemão tinha completadas 27 rodadas e a diferença do líder Bayern pro Kaiserslautern, 6º colocado, era de apenas três pontos.

A situação que o Alavés vivia na Espanha era muito diferente. Era o 8º colocado com 40 pontos, estava 19 atrás do Real Madrid, então líder do torneio, e sonhava apenas com a vaga na Copa da Uefa.

O adversário

Foto: Reprodução - O Liverpool de Owen poderia erguer o segundo troféu em uma semana

Foto: Reprodução – O Liverpool de Owen poderia erguer o segundo troféu em uma semana

Na decisão, o pequenino Deportivo Alavés teria pela frente um time de enorme história e de respeito inigualável: o Liverpool. Naquela época, os Reds eram detentores de 18 títulos do Campeonato Inglês, seis da Copa da Inglaterra, seis da Copa da Liga Inglesa, além de quatro da Liga dos Campeões e dois da Copa da Uefa.

O novo título europeu não seria apenas uma nova conquista para o time de Gérard Houllier, mas também a chance de erguer o segundo troféu em menos de uma semana. No dia 12 de maio de 2001, o Liverpool venceu o Arsenal no Millenium Stadium por 2-1 e foi campeão da Copa da Inglaterra. Aquele jogo foi marcante porque os Reds perdiam até os 38 minutos da etapa final, quando Michael Owen apareceu e virou a partida com dois gols em cinco minutos.

Além disso, em fevereiro daquele ano, o Liverpool havia derrotado o Birmingham City pela final da Copa da Liga Inglesa, também no Millenium Stadium. Ou seja, na final do dia 15 de maio, em Dortmund, o time da terra dos Beatles poderia erguer o terceiro troféu da temporada.

Na Copa da Uefa, o Liverpool teve campanha praticamente impecável. Foram 12 jogos, com sete vitórias, quatro empates e somente uma derrota. Além disso, 14 gols foram marcados e sua defesa foi vazada apenas cinco vezes.

A decisão

Foto: Reprodução - Um gol contra decidiu a final de 2001

Foto: Reprodução – Um gol contra decidiu a final de 2001

O Liverpool entrou no gramado do Westfalenstadion, em Dortmund, no 4-4-2 habitual, contando com o retorno do escocês Gary McAllister, que havia ficado de fora da decisão da Copa da Inglaterra. Já o Alavés entrou no cauteloso 5-4-1, apenas com Javi Moreno no ataque. O uruguaio Iván Alonso, um dos grandes nomes da campanha, começou no banco.

Talvez nervoso com a situação atípica em que se encontrava, o Glorioso sentiu o peso da decisão. Com 15 minutos já olhava o placar com dois gols de vantagem para o adversário inglês. Markus Babbel e Steven Gerrard marcaram para o Liverpool em erros do time espanhol.

Mané se viu obrigado a mexer rapidamente. Aos 22 minutos, chamou Alonso e sacou um de seus defensores: o norueguês Dan Eggen. A mexida surtiu efeito imediato e três minutos após entrar, o uruguaio descontou, aproveitando cruzamento de Cosmin Contra, que também fez ótimas aparições na temporada.

Porém, outro erro de passe no meio-campo resultou em um pênalti a favor do Liverpool antes do término do primeiro tempo. Os aproveitadores do erro foram Dietmar Hamann e Michael Owen. O alemão lançou o inglês, que driblou o goleiro Herrera e foi derrubado na sequência. McAllister converteu a cobrança e levou o 3-1 para os vestiários.

Além da entrada do brasileiro Magno no intervalo, a conversa de Mané com os jogadores surtiu grande efeito nos jogadores do Alavés, que buscaram o resultado rapidamente. Javi Moreno, que havia ficado de fora do jogo de volta das quartas-de-final e das duas partidas da semifinal, fez dois gols em três minutos e deixou tudo igual. O primeiro tento foi de cabeça, aproveitando nova jogada de Contra. Já o segundo gol foi cobrando falta por baixo da barreira.

Os dois gols lhe deixaram com seis na competição, empatado no topo do ranking de artilheiros com outros três jogadores: Drulić (Estrela Vermelha), Kuzba (Lausanne) e Nikolaidis (AEK Atenas).

Porém, não era apenas Mané que poderia fazer mexidas úteis. Houllier também agiu e tirou Robbie Fowler do banco de reservas aos 20 minutos. Menos de dez minutos depois, o atacante recebeu de McAllister, limpou a marcação e finalizou no cantinho esquerdo de Herrera, recolocando o Liverpool em vantagem.

Valente, o Alavés foi buscar o empate aos 44 minutos com uma cabeçada de Jordi Cruyff. O filho de Johan pode não ter chegado nem perto do que o pai fez, mas foi de fundamental importância para a campanha espanhola naquele ano. Ele foi o autor de quatro gols, incluindo o que abriu o placar na histórica vitória sobre a Inter nas oitavas-de-final.

O gol em Dortmund forçou a prorrogação, na época, com o temido Gol de Ouro.

No tempo extra, o Alavés foi sentindo o cansaço aos poucos. Sem poder de recuperação com 11, os espanhóis se viram em prejuízo ainda maior quando o brasileiro Magno entrou de forma violenta em Babbel, recebeu o segundo amarelo e foi expulso.

Sem pernas e com 10, o Alavés cedeu à pressão do Liverpool. Faltando cinco minutos para acabar o jogo, Smicer, que entrara no começo do segundo tempo, ia passando fácil por Antonio Karmona. Sem opção, o capitão espanhol puxou o adversário e cometeu falta no bico da grande área. Por já ter amarelo, também foi expulso.

Na cobrança de falta, o pior aconteceu. McAllister cobrou fechado e o zagueiro Delfí Geli, com o intuito de afastar a bola, se antecipou ao goleiro e jogou contra a própria meta. A desolação foi total. Depois de ficar atrás no marcador em duas oportunidades e buscar o empate em ambas às vezes, o Alavés sucumbia no final da prorrogação. Foi o encerramento de um sonho.

Foto: Reprodução - A derrota foi dolorosa para o Alavés

Foto: Reprodução – A derrota foi dolorosa para o Alavés

Futuro sombrio

Depois de ir longe na Copa da Uefa, o Alavés sofreu perdas importantes. O Milan veio buscar Cosmin Contra e Javi Moreno, enquanto Ivan Tomić retornou a Roma. Apesar das perdas significativas, o time de Mané seguiu forte e terminou na 7ª colocação na temporada seguinte, retornando a Copa da Uefa na temporada 2002/03.

Porém, de 2003 em diante, o Alavés sofreu uma vertiginosa queda. Já na Copa da Uefa não foi longe, parando logo na segunda fase diante do Besiktas. No Campeonato Espanhol a campanha foi horrível e, na penúltima colocação, foi rebaixado para a segunda divisão. Além disso, Mané havia deixado o cargo de técnico após derrota para o Valencia na 31ª rodada. Na ocasião, o Alavés já ocupava a penúltima colocação e aquele foi o nono tropeço consecutivo, sendo que, desses nove jogos, o Glorioso não havia marcado gols em seis partidas.

Na temporada seguinte, com Pepe Mel no comando, o Alavés ficou em 4º na segunda divisão e não subiu e ainda parou na semifinal da Copa do Rei. Na temporada 2004/05, com Chuchi Cos como técnico, o acesso finalmente veio, mas a festa durou pouco e o Glorioso ficou apenas uma temporada na elite (2005/06).

Desde então não voltou mais. E nem tem passado perto disso. Depois de duas temporadas em que se salvou na bacia das almas, a queda para a terceira divisão veio em 2009. O Alavés voltou para a segunda divisão apenas nesta temporada, mas novamente briga contra o descenso. Após algumas rodadas na lanterna, o time ganhou fôlego e ocupa a 19ª colocação com 33 pontos. Tal posicionamento ainda lhe rebaixa, mas a distância pro primeiro time fora da zona de descenso (Hércules) é de apenas um ponto.

Uma pena que em pouco mais de dez anos, um time que surpreendeu toda Europa esteja sofrendo de tal maneira. É apenas sombra do que era em 2001.

Enquanto novos dias de sol não chegam para o Alavés, recorde como foi a decisão de 2001:

Mundial Sub-20 – Você já ouviu falar (Parte 2)

Dando sequencia a série de posts para o Mundial Sub-20, faço a segunda parte do “Você já ouviu falar”, com jogadores que se destacaram por seleções europeias no torneio e que certamente vocês já ouviram falar (já aviso previamente que pulei o Mundial de 1993, por ter sido um torneio muito ruim para as seleções europeias e de predomínio sulamericano nos principais quesitos).

1995 – Joseba Etxeberria (Espanha)

Cria da Real Sociedad, mas que durante 15 anos vestiu a camisa do Athletic de Bilbao, Etxeberria foi o grande destaque da Espanha em uma seleção que tinha jogadores como Morientes, De La Peña e Raúl. Com 7 gols, Extebe foi não só o artilheiro de sua seleção, como artilheiro do torneio. Desses sete gols, três foram anotados nas quartas-de-final, na vitória sobre a Rússia por 4×1.

No torneio, porém, os espanhóis sucumbiram nas semifinais diante dos futuros campeões da Argentina, com uma derrota acachapante, 3×0.

Destaque também para a campanha de Portugal, que alcançara as semifinais, sendo eliminada pelo Brasil. Nos demais selecionados europeus, tivemos a já destacada Rússia, além de Holanda e Alemanha, ambas eliminadas na primeira fase.

1997 – David Trezeguet (França)

Desde garotos, Henry e Trézéguet se entendiam bem

Desde garoto, Trézéguet já mostrava seu faro de artilheiro. Com cinco gols em cinco jogos, ele foi o vice-artilheiro do torneio, ficando atrás somente do brasileiro Adaílton. Naquela época, Trézéguet fazia dupla de ataque com nada mais nada menos que Thierry Henry. 8 dos 10 gols franceses no torneio foram dos gois jogadores.

A França caiu pro Uruguai nas quartas-de-final e viu outra seleção europeia se destacar: a Irlanda. O time que tinha como grande estrela Damien Duff, chegou a deixar a Espanha para trás e só foi parada pela futura campeã Argentina nas semifinais.

Das demais seleções europeias no torneio, só decepção. A Inglaterra passou pela primeira fase com 100% de aproveitamento, mas caiu pra Argentina logo na primeira rodada dos playoffs. A Húngria saiu zerada, já a Bélgica, após se classificar na bacia das almas, foi eliminada nas oitavas de final com um indigesto 10×0 para o Brasil.

1999 – Pablo (Espanha)

Com cinco gols e duas assistências, Pablo Couñago foi o destaque da Espanha no título mundial de 1999. Desses cinco gols, podemos destacar quatro de grande importância: dois nas oitavas de final, contra os EUA, na dura vitória por 3×2 e dois na final contra o Japão, onde a Espanha venceu por 4×0 e conquistou o título. Por fim, Pablo nunca explodiu em sua carreira e atualmente vaga por clubes de divisões inferiores da Inglaterra. Não foi o caso de outros companheiros de seleção na época, como Casillas, Xavi, Yeste e Marchena.

Mesmo com a Espanha campeã, podemos dizer que foi um fiasco europeu nesse mundial. A Alemanha caiu na primeira fase em um grupo que tinha Nigéria, Paraguai e Costa Rica. Pelo menos os alemães terminaram em último tendo vencido um jogo. Não foi o caso da Inglaterra, que ficou com a lanterna de seu grupo e zerada em pontos. Das quartas de final em diante, só a Espanha prosseguiu, porque Irlanda, Croácia e Portugal caíram nas oitavas de final.

2001 – Djibrill Cissé (França)

Com 6 gols, Cissé foi o destaque francês

No time que tinha Alou Diarra e Benoit Cheyrou, quem se destacou foi Djibrill Cissé. Vestindo a 12 na época, o atacante anotou 6 gols no torneio, se tornando o artilheiro francês no torneio. Seus gols foram suficientes para levar seu selecionado para as quartas de final, graças a dois gols diante da Alemanha na vitória por 3×2 na fase anterior, mas não foram suficientes para desbancar os donos da casa da Argentina, que viriam erguer o troféu na final contra Gana.

Novamente os europeus não chegaram tão longe como o esperado. A Finlândia foi a única que caiu na fase inicial, enquanto Alemanha e Ucrânia deixaram o torneio nas oitavas de final. Nas quartas-de-final houve um verdadeiro extermínio, quando a Argentina tirou a França, o Paraguai tirou a República Tcheca e o Egito tirou a Holanda – de Robben, Huntelaar, Van der Vaart e Theo Janssen – do torneio.

2003 – Andrés Iniesta (Espanha)

A Espanha não tinha um time tão brilhante, mas era muito regular e consistente. Mesmo assim, eles tinham um diferencial chamado Andrés Iniesta. Seus três gols foram de grande importância para a Fúria. O tento vitorioso contra o Uzbequistão na primeira fase, o gol inicial do 2×1 sobre o Canadá nas quartas-de-final e o gol que levou seu time para a final, na vitória sobre a Colômbia. Na decisão, a Espanha caiu diante do Brasil.

Novamente a Espanha salvou a honra europeia no torneio…

República Tcheca, Inglaterra e Alemanha foram eliminadas na fase de grupos da competição. No mata-mata, a Eslováquia caiu diante do Brasil e a Irlanda foi eliminada pela Colômbia, dali em diante, só a Espanha prosseguiu.

2005 – Fernando Llorente (Espanha)

Llorente era a referência do ataque espanhol em 2005

Mais um torneio decepcionante para as seleções da Uefa. Nenhum semifinalista. Mesmo assim, a Espanha conseguiu ter o vice-artilheiro do torneio: Fernando Llroente, atual atacante do Athletic e que é desejado por meio mundo. Diga-se de passagem, quatro dos cinco gols que ele anotou no torneio foram marcados no 7×0 sobre o Chile, então não há muitos comentários…

É até difícil falar de um grande destaque europeu, sabendo que Lionel Messi destruiu pela Argentina!

Mas falando sobre as seleções européias no torneio, só a Suíça não passou da fase de grupos. Ucrânia e Turquia ficaram pelo caminho nas oitavas de final e nas quartas-de-final, o que havia restado se foi. A Itália caiu fora para Marrocos, a Alemanha caiu pro Brasil, a Holanda foi eliminada pela Nigéria, enquanto a Espanha caia pra futura campeã Argentina.

2007 – Martin Fenin (República Tcheca)

As seleções europeias voltaram a figurar nas semifinais de um Mundial Sub-20, mesmo não sendo as “grandes” seleções esperadas. Tivemos nas semifinais um duelo entre Áustria e República Tcheca. Os tchecos, que avançaram até a final, tinham como grande destaque do time o atacante Martin Fenin, autor de três gols no torneio. Só que assim como em 2005, todos caíram para a Argentina, que não era de mais de Messi e sim de Agüero.

Na edição de 2007, somente a Escócia caiu na fase inicial representando a Europa. Nas oitavas de final, Portugal e Polônia deram adeus a competição e na fase seguinte, a Espanha viria a cair pra República Tcheca.

2009 – Vladimir Koman (Hungria)

Vladimir "Komandou" a Húngria no último Mundial

Aos poucos o futebol húngaro vai ressurgindo. Um respiro foi no Mundial Sub-20 de 2009, quando o seu selecionado acabou na 3ª colocação. O destaque da equipe foi Koman, autor de 5 gols húngaros no torneio. O meia mandou no meio campo da Húngria e foi um dos grandes responsáveis pela surpreendente campanha húngara. A Hungria caiu nas semifinais pra futura campeã Gana.

Só pra variar um pouquinho, a Inglaterra foi a decepção europeia, sendo a única do continente a cair na fase de grupos. Nas oitavas de final, os europeus que caíram foram por causa do chaveamento, que lhes botou de frente a outro europeu, ou seja, teríamos um time da Uefa caindo fora do mesmo jeito. Espanha e República Tcheca foram as que ficaram pelo caminho. Itália e Alemanha caíram nas quartas de final, enquanto a Hungria seguia e caia pra Gana nas semifinais.

Mundial Sub 20 – Você já ouviu falar (Parte 1)

No próximo dia 29 vai se iniciar na Colômbia o Mundial Sub-20. A tradicional competição realizada desde 1977 tem o costume de revelar grandes jogadores e enquanto não tenho as listas de jogadores que disputarão o torneio neste ano, farei dois posts com jogadores de selecionados europeus que se destacaram no torneio e que o amigo internauta já deve ter ouvido falar.

1977 –  Vladimir Bessonov (União Soviética)

Bessonov foi eleito o craque do torneio

Futuramente ídolo do Dynamo de Kiev, Vladimir Bessonov comandou a antiga União Soviética rumo ao título mundial da categoria. Lateral-direito, Bessonov disputou o torneio realizado na Tunísia como meio-campista e assim se tornou peça chave do time soviético. Não à toa, Vladimir Bessonov foi escolhido como melhor jogador do torneio.

Na edição de 77, a União Soviética só venceu seus dois primeiros jogos, realizados contra Iraque e Paraguai. Contra a Áustria ainda na fase de grupos, contra o Uruguai na semifinal e contra o México na final, o time soviético ficou no empate. Obviamente, nos dois últimos, a União Soviética venceu nos pênaltis. Na final realizada no Stade El Menzah, Bessonov foi decisivo, anotando dois gols que levaram a partida para o tempo extra.

1979 – Aleksandr Zavarov (União Soviética)

Meio campista de muita história. Foram 136 jogos com a camisa do Dynamo de Kiev e 36 gols. Vestindo a camisa 17, foi a cabeça pensante da União Soviética que novamente chegaria a final do Mundial Sub-20. Em 1986, ele viveu seu auge, chegando a estar entre os seis melhores jogadores europeus segundo a France Football.  Os torcedores da Juventus talvez se lembrem de Zavarov. Em 1988, ele se tornou o primeiro soviético a jogar na Itália, mas sentiu a pressão de substituir Platini e saiu sem grandes história a serem contadas.

Assim como na edição anterior, a União Soviética chegava a final com campanha irregular. Na fase de grupos, duas vitórias e uma derrota, já no mata-mata, sufoco para eliminar o Paraguai nos pênaltis e a Polônia por 1×0. Na final, os soviéticos vieram a ser derrotados por um time que mais tarde viria a fazer barulho: a Argentina de Diego Armando Maradona e Ramón Díaz. Ambos foram respectivamente vice e artilheiro do torneio. Na final, a Argentina venceu por 3×1, de virada.

1981 – Michael Zorc (Alemanha Ocidental)

Diferentemente da edição disputada no Japão, o campeonato mundial de 1981 se notabilizou mais pela eficiência do que pela técnica e ofensividade apresentada pela Argentina na edição anterior. Não à toa, destaco um zagueiro: Michael Zorc, ídolo do Borussia Dortmund. Junto com Winklhofer, Trieb e Schmidkuntz, Zorc e a Alemanha Ocidental tinham um grande sistema defensivo, que só sofreu 4 gols no torneio.

Michael Zorc não foi eleito o craque do torneio. Esse prêmio foi pro romeno Romulus Gabor, que na época, mostrava que podia ser um grande jogador. Coisa que nunca cumpriu.

A edição de 1981 ficou marcada pelas surpresas. Times como Itália, Espanha e Argentina caíram na primeira fase, enquanto times como o Qatar iam avançando. Aliás, o time asiático eliminou Brasil e Inglaterra, chegando a final do torneio. Na final, não deu pro Qatar que perdeu por 4×0.

1983 – Marco Van Basten (Holanda)

van Basten pode dizer que fez sua parte

Não há quem não o conheça. Marco van Basten, que um ano antes já havia estreado no time principal do Ajax, era a estrela do time holandês no torneio realizado no México. Marco pode dizer que fez sua parte. Nos quatro jogos da Holanda no torneio, ele anotou dois gols. O problema foi que o resto do time não ajudou. Dois empates, uma vitória e a derrota veio justamente quando o time não podia perder: nas quartas de final. 2×1 pra Argentina.

O torneio em si foi ruim pras seleções europeias. A Áustria e União Soviética saíram zeradas na primeira fase, enquanto Holanda, Escócia e Tchecoslováquia caíram nas quartas de final. Só sobrou a Polônia, que viria a perder pra Argentina na semifinal. Os argentinos perderam a final pro Brasil.

1985 – Krasimir Balakov (Bulgária)

A Bulgária pode ter feito uma campanha bem irregular em 1985, mas não pode reclamar que não colheu frutos pro futuro. Um desses frutos foi Balakov, que junto Ivanov e Yankov disputaram o Mundial Sub-20 daquele ano e mais tarde viriam a se destacar na Copa do Mundo de 1994. Balakov esteve na seleção daquele torneio.

Como foi dito antes, a campanha búlgara não foi boa. Uma vitória e dois empates na primeira fase e precoce eliminação nas quartas de final para a Espanha. Os espanhóis, aliás, viriam a ser finalistas do torneio, sendo derrotados pelo Brasil na final.

1987 – Robert Prosinecki (Iugoslávia)

Foto do time campeão mundial em 1987

Foi até difícil escolher um jogador pra destacar deste torneio. Não por faltarem jogadores e sim por tê-los em excesso. O campeonato de 87 disputado no Chile rendeu bons frutos aos amantes do futebol. Um desses grandes frutos foi o belo time da Iugoslávia, de Prosinecki, Boban, Mijatovic e Suker. Decidi escolher Prosinecki por ter sido eleito o melhor jogador do torneio. Tá certo que ele fez somente um gol no torneio, enquanto Suker foi o vice-artilheiro do torneio, mas se não fossem seus belos passes, boa parte desses gols não aconteceriam.

O torneio de 87 foi de total domínio europeu. Nenhum caiu na primeira fase, só vieram três – Bulgária, Itália e Escócia – a cair nas quartas-de-final, mas sempre levando em conta que os búlgaros caíram pra Alemanha Oriental e escoceses pra Alemanha Ocidental, ou seja, cairiam dois europeus do mesmo jeito. Nas semifinais, a Iugoslávia despachou a Alemanha Oriental e o time alemão ocidental atropelou o Chile. Na final, Boban abriu o placar pros iugoslavos aos 40 minutos do segundo tempo. Dois minutos depois, o artilheiro do torneio, Witeczek empatou. Nos pênaltis, deu Iugoslávia 5×4.

1989 – Oleg Salenko (União Soviética)

Tá certo que na época, Portugal surgiu com uma geração muito talentosa, mas a União Soviética manteve a tradição de revelar atletas de bom nível e no torneio de 1989, foi a vez de Oleg Salenko se destacar. A sua seleção só foi eliminada nas quartas-de-final para a Nigéria, mas Salenko não decepcionou no torneio, anotando 5 dos 10 gols soviéticos no torneio, sendo o artilheiro da competição.

O que chamou a atenção no Mundial de 89 foi a diversidade das semifinais. Diferente da edição anterior, não houve um domínio europeu, mas sim uma variedade de continentes presentes. Da América do Sul, o Brasil, da América do Norte, os surpreendentes Estados Unidos, da África a não menos surpreendente Nigéria e da Europa, a equipe que viria bater os africanos na final, Portugal. O zagueiro Fernando Couto, o meia Paulo Sousa e o atacante João Pinto foram os destaques do time português.

1991 – Luís Figo (Portugal)

127 mil pessoas na final do Mundial Sub-20!

Para fechar a primeira parte, falo desse gênio que foi Luís Figo. Tá certo, ele saiu zerado em gols no torneio, mas junto com Rui Costa e a revelação do torneio, Emílio Peixe, foram os grandes destaques portugueses. Novamente com uma defesa sólida, Portugal tinha um setor ofensivo eficiente e que levou a equipe para a final. Na partida decisiva jogada em Lisboa, no Estádio da Luz, tivemos decisão por pênaltis e Portugal venceu o time de Roberto Carlos, Élber e Paulo Nunes.

Um grande destaque foi o público que acompanhou a seleção de Portugal. 65 mil pessoas foram no jogo contra a Irlanda, 60 mil contra a Argentina, 38 mil contra a Coréia, 90 mil contra o México e inacreditáveis 112 mil contra a Austrália e 127 mil na final contra o Brasil.

Portugal, junto com o Brasil se tornava o segundo time bi-campeão consecutivo do torneio. Era o auge da carreira de Carlos Queiroz, que mais tarde viria a fracassar com a seleção principal de seu país na Copa de 2010.

Aguardem a 2ª parte!

Engraçado… lamentável

Dois fatos marcaram o futebol na Europa Central.

Na Alemanha, Manuel Neuer fez o seu provável último jogo com a camisa do Schalke e foi campeão da DFB Pokal, após meter 5×0 no Duisburg. Na festa de comemoração, o Schalke foi as ruas e Neuer estava lá, cumprimentando os torcedores, até que do nada, surge uma mão e lhe dá um tapa. Como não surgiu uma grande reação do arqueiro alemão, posso dizer que foi engraçado.

O outro fato é lamentável. O Rapid Wiena perdia o derby da cidade pro Austria Wiena, 2×0, até que os Ultras – como diriam aqueles, a “torcida organizada deles” – se irritaram e invadiram o campo. Tocaram o terror, me pareceu que tentaram atacar a torcida adversária, abordaram os jogadores, – que inteligentemente foram se direcionando aos vestiários logo após a invasão dos Ultras – mas o cordão militar de 400 policiais agiu, avançou e encurralou os marginais. Como eu twittei: “Ultras: Uma raça que tem que acabar!”

O jogo foi suspenso e no fim do jogo, os técnicos lamentaram muito o ocorrido.

Simplesmente lamentável e vergonhoso pro futebol austríaco!

“Reacções dos adeptos”

Para fechar sobre o tema “Europa League 2010/11”, faço agora um post com uma série de vídeos das reações dos torcedores, ou “reacções dos adeptos” sobre o jogo. Confira abaixo:

– Vídeo da festa da torcida portista em Vila Real, no norte de Portugal. Perceba que aparece um brasileiro com a camisa do Flamengo! Algo meio insólito, pois ele parece meio perdido na festa.

– Agora a festa na capital portuguesa, Lisboa.

– Confira a festa da torcida do Porto nos minutos finais do jogo no Aviva Stadium em dois vídeos.

– A festa da torcida do Porto em meio a volta olímpica.

– Agora confira um vídeo especial da RTP de Portugal, onde além de momentos do jogo, podemos ver a festa da torcida do Porto.

– A torcida do Porto, mesmo em Portugal, fez sua festa.

– Assista agora a recepção da torcida do Porto aos jogadores na Avenida dos Aliados, uma das mais importantes ruas da cidade do Porto.

– Se você quiser entender o que eles cantam: “Venceremos, venceremos! Venceremos outra vez! O Porto vai ganhar a taça, como em 2003 (quando ganhou a Copa da Uefa).

Só pra mudar um pouquinho…

– Não podia faltar a narração portuguesa, ora pois. Como havia legenda nesse vídeo, dá para dizer que a narração foi de João Ricardo Pateiro, da rádio TSF.

As finais marcantes da Europa League

Quarta-feira, Sporting Braga e Porto se enfrentarão em Dublin na final da Uefa Europa League e para esquentar o clima para o jogão, o blog Europa Football fará uma série de posts especiais para a final. Nessa segunda-feira, mostrarei finais marcantes da competição.

Wolverhampton 2×3 Tottenham – 1971/1972

Foi a primeira final da competição, quando ainda se chamava Uefa Cup e a final era disputada em dois jogos. Na ida, em Molineaux, o Tottenham venceu o Wolves por 2×1, com dois gols de Martin Chivers e na volta, no White Hart Lane, os Spurs confirmaram o título com o empate em 1×1.

Benfica 1×2 Anderlecht 1982/83

Destaco essa final, porque a final da atual temporada é entre dois times portugueses e a final de 1983 foi a primeira com presença de portugueses. O Benfica foi finalista naquela edição. No jogo de ida, no Heysel Stadium, tivemos vitória belga, por 1×0, gol de Brylle e na volta, o 1×1 no Estádio da Luz assegurou o título ao Anderlecht.

Tottenham (4) 2×2 (3) Anderlecht – 1983/84

O Anderlecht gostou de disputar a final da Uefa Cup e um ano depois de derrotar o Benfica na final, chegou a mais uma decisão, dessa vez diante do Tottenham. No jogo de ida, no Constand Vanden Stock Stadium, 1×1, com o time belga conseguindo o gol de empate somente aos 40 minutos do segundo tempo, com Morten Olsen – é ele mesmo, o eterno treinador da Dinamarca. No jogo de volta, no White Hart Lane, quem sofreu pra empatar foi o Tottenham. Os belgas saíram na frente aos 15′ do segundo tempo com o simpático Czerniatynski e só aos 40 minutos, Grahan Roberts empatou. Após o empate no tempo extra, fomos para a disputa de pênaltis, onde Morten Olsen e Guõjohnsen erraram pro Anderlecht, enquanto Thomas errou pros Spurs, mesmo assim fazendo o Tottenham campeão da Uefa Cup pela 2ª e última vez.

Bayer Leverkusen (3) 3×3 (2) Espanyol – 1987/88

Dois motivos me fizeram escolher essa final: o primeiro e menos significativo é o fato de alguma vez na vida o Bayer Leverkusen não ter sido “Neverkusen”. O segundo, foi o milagre conseguido pelo time alemão. No jogo de ida, no glorioso estádio Sarriá, o Espanyol acabou com os alemães, com um 3×0 e com dois gols de Losada. Na volta, no estádio Ulrich-Haberland-Stadion, – nome antigo da BayArena – num intervalo de 24 minutos, o brasileiro Tita, Götz e Cha Bum-Kun anotaram os gols que forçaram o tempo extra e mais tarde a disputa de pênaltis. Falkenmayer errou pro Leverkusen, mas Urquiaga, Zuñiga e Losada desperdiçaram suas cobranças pro time catalão e o time alemão se sagrou campeão da Copa da Uefa.

Napoli 5×4 Stuttgart – 1988/1989

Esse foi um dos títulos mais marcantes do futebol italiano, que premiou um dos melhores times dos anos 80, o Napoli de Maradona e Careca. No jogo de ida, no San Paolo, a dupla sulamericana funcionou bem e ambos marcaram os dois gols do time italiano na virada sobre o Stuttgart, 2×1. Na volta, no Neckarstadion, jogo emocionante e que terminou 3×3, com o título do Napoli, com gols de Alemão e Careca pros italianos. O meu destaque vai pra reação do Careca após marcar seu gol. Ele parece pensar: “Putz, como posso jogar com um cara como o Maradona? Sou um privilegiado!”

Parma 2×1 Juventus – 1994/95

Na década de 90, os times italianos começaram a figurar nas finais da Copa da Uefa. Chegamos a ter a Inter bi-campeã, vencendo e uma final a Roma. A Juve, que já havia batido o Borussia Dortmund, chegou em 1995 a mais uma final e seu adversário era o Parma, de Gianfranco Zola e Faustino Asprilla. No jogo de ida, no Ennio Tardini, um gol de Dino Baggio, aos 5 minutos deu a vitória ao Parma. No jogo de volta, no San Siro, a Juve saiu na frente, com Vialli, mas Dino Baggio voltou a cena e fez o gol do título dos amarelos e azuis.

Internazionale (1) 1×1 (4) Schalke – 1996/97

Essa final foi muito lembrada recentemente devido ao reencontro das duas equipes na Champions League, mas de fato, foi uma final histórica. Na ida, no Parkstadion, o Schalke venceu por 1×0, gol de Willmots e na volta, no Giuseppe Meazza, o time alemão segurou a Inter por 84 minutos, até que Zamorano fez o gol que levou a partida pro tempo extra e mais tarde, os pênaltis. O Schalke não desperdiçou nenhuma cobrança, já para a Inter, Djorkaeff e Winter erraram. Assim, o Schalke se sagrou campeão da Copa da Uefa no mesmo ano em que seu rival, Borussia Dortmund era campeão da Champions League.

Internazionale 3×0 Lazio – 1997/98

Não botei esse jogo porque alguns interistas me pediram, hehe, mas porque foi a primeira final da Copa da Uefa disputada em jogo único. A partida foi disputada no Parc des Princes, em Paris, e com gols de Zamorano, Zanetti e Ronaldo, a Inter enfiou 3×0 na Lazio e ergueu o caneco.

 Galatasaray 0x0 Arsenal – 1999/00

Esse foi o dia em que Patrick Vieira, Thierry Henry e Dennis Bergkamp sucumbiram ao Galatasaray. No jogo disputado no Parken Stadium, na Dinamarca, tivemos um 0x0 movimentado, mas que levou a partida ao tempo extra e consequentemente aos pênaltis. Nenhum jogador do Galatasaray desperdiçou sua cobrança, já nos Gunners, Suker e Vieira acertaram a trave e o time turco pôde comemorar o título. Aliás, será que os jogadores do Arsenal sentiram medo do goleiro do Galatasaray? Era um tal de Taffael!

Liverpool 5×4 Alavés – 2000/01

Essa foi certamente uma das finais de torneios da Uefa mais épicas de todos os tempos. Aliás, em alguas listinhas que pude ver, colocaram esse jogo no Top 10 jogos da última década. E foi um jogo anormal para uma final de campeonato. As duas equipes foram pro intervalo com o placar de 3×1 pro Liverpool. Na etapa final, o Alavés reagiu e conseguiu o empate, com dois gols de Javi Moreno. Os Reds voltaram a frente com Robbie Fowler, mas aos 44 minutos, Jordi Cruijff – filho do Johann – conseguiu empatar e forçar a prorrogação. Quando nos encaminhavamos para os pênaltis, Delfí Geli, aos 27 minutos de prorrogação fez contra e o Liverpool se sagrou campeão com um 5×4 memorável, que realmente marcou o Westfallenstadion.

Celtic 2×3 Porto – 2002/03

Prévia do que viria à seguir. Esse título do Porto sobre o Celtic no Olímpico de  Sevilla – popularmente conhecido como elefante branco, primo distante de alguns estádios brasileiros da próxima Copa – foi o primeiro grande título de José Mourinho nos Dragões, que viriam no ano seguinte a serem campeões da Champions League. O brasileiro Derlei foi o grande nome do jogo, com dois gols, inclusive do do título, aos 25 minutos da prorrogação.

Sporting 1×3 CSKA Moscow – 2004/05

Era o jogo dos sonhos pro Sporting: o time português jogaria a final em casa, no José Alvalade, que no dia recebeu mais de 47 mil pessoas, quase lotação máxima – cabem 50 mil pessoas no estádio – ou seja, tudo conspirava para mais um título português. Porém, do outro lado tinha um CSKA, com Vágner Love e Daniel Carvalho, que acabaram com o jogo e calaram o Alvalade. 3×1 pros russos, que tinham um time pra lá de interessante, com Akinfeev, Daniel Carvalho, Olic, Vágner Love, Zhirkov e Krasic.

Middlesbrough 0x4 Sevilla – 2005/06

De forma surpreendente o Middlesbrough chegava a Eindhoven para a disputa da final da Copa da Uefa, mas acabou sendo sumariamente derrotado pelo histórico time do Sevilla, de Luís Fabiano, Renato, Kanouté, Adriano, Dani Alves e outros. Um 4×0 que até foi enganoso, já que os espanhóis venciam por 1×0 até os 37′ do segundo tempo, quando no desespero adversário mataram o jogo. Foi o início da saga do Sevilla, que resultou num bicampeonato.

Zenit 2×0 Rangers – 2007/08

Essa final ficou marcada por ser de duas zebras. O Rangers chegou a final do melhor modo escocês. Vencia jogos na base da ‘ignorância’ e se retrancava fora de casa, já o Zenit chocou a Europa, ao conseguir resultados expressivos, como um 4×0 no Bayern de Munich. Na final disputada no City of Manchester, os russos venceram com dois gols nos últimos 15 minutos de jogo. 2×0, gols de Denisov e Zyryanov.

TOP 7: Os sete jogos decisivos pro título do Dortmund

A torcida do Borussia Dortmund pôde finalmente tirar o grito de “É Campeão!” da garganta. A vitória de hoje, por 2×0 sobre o Nüremberg e a derrota do Leverkusen diante do Colônia, também por 2×0, além de aumentar a fama de Neverkusen do time adversário, deu o título ao BVB.

Então, para justificar o título do Borussia Dortmund, o blog Europa Football mostrará abaixo os cinco jogos mais decisivos da temporada. Foram aqueles jogos que após o seu término te deixavam a impressão de: “Putz, depois desse jogo, não tem como eles não serem campeões”. Vamos a eles!

7º jogo

31 de outubro de 2010
Mainz 0x2 Borussia Dortmund – Stadion am Bruchweg

Na época, era o jogo que todos queriam ver. O então líder Mainz contra o vice-líder Dortmund. Eram as duas equipes que apresentavam o melhor futebol da competição e o BVB passou de forma soberana, com um categórico 2×0.

 6º jogo

14 de janeiro de 2011
Bayer Leverkusen 1×3 Borussia Dortmund – BayArena

Esse foi o primeiro jogo do 2º turno. O líder Dortmund, tinha dez pontos de vantagem para Mainz e Leverkusen, times que vinham logo atrás e era justamente o Bayer seu primeiro adversário na fase final. Mas o BVB fez três gols em seis minutos, venceu por 3×1, contou com o tropeço do Mainz e com a leve aproximação do Hannover, abriu 12 pontos no posto mais alto da tabela.

5º jogo

9 de abril de 2011
Hamburgo 1×1 Borussia Dortmund – Imtech Arena

O Dortmund ia acumulando alguns tropeços decisivos e chegava na 29ª rodada com 7 pontos de vantagem pro Leverkusen, que venceu na então rodada o Kaiserslautern por 1×0. O BVB perdia pro Hamburgo por 1×0, jogava mal e ainda tinha perdido Lucas Barrios machucado. Até que Jurgen Klopp atuou. Ele colocou o  lateral Owomoyela no meio campo e lançou Kuba. Os dois participaram do gol do empate, anotado pelo polonês, aos 47 minutos da etapa complementar.

4º jogo

19 de setembro de 2010
Schalke 1×3 Borussia Dortmund – Veltins Arena

Derby do Vale do Ruhr, disputado no primeiro turno. Foi uma atuação impecável do Dortmund. O BVB dominou durante os 90 minutos, abriu 3×0 com facilidade e só sofreu o gol quando tirou o pé do acelerador.

3º jogo

15 de outubro de 2010
Colônia 1×2 Borussia Dortmund – Rhein-Energie Stadion

Essa rodada foi uma das mais importantes da temporada. O Borussia Dortmund conseguiu uma grande vitória fora de casa e o Mainz perdeu sua incrível invencibilidade – 7 vitórias seguidas nos 7 primeiros jogos da temporada – pro Hamburgo e o BVB assumia a liderança da Bundesliga. O jogo em si também foi muito marcante. Kuba abriu o placar na primeira etapa e na etapa final, Podolski e Sahin se estranharam e minutos depois, Poldi empatou o jogo. Ambos seguiram se estranhando, principalmente porque dias antes, a Alemanha, de Podolski, tinha vencido a Turquia, de Sahin. Nos acréscimos, Sahin fez o gol da vitória do Dortmund e correu até o meio campo provocar Podolski. Foi uma cena daquelas!

2º jogo

30 de abril de 2011
Borussia Dortmund 2×0 Nüremberg

Esse foi o jogo dessa manhã. Jogo tenso, mas que após o primeiro gol, anotado por Barrios, deixou tudo mais calmo. O BVB levou o 2º tempo em banho-maria e ainda viu o Leverkusen tomar dois gols do Colônia e deixar o Dortmund com o título, após o 2×0.

1º jogo

26 de fevereiro de 2011
Bayern 1×3 Borussia Dortmund – Alianz Arena

Para muitos, era o jogo mais decisivo da Bundesliga. O Borussia Dortmund ia pra Alianz Arena para confirmar o rótulo de favorito e o Bayern, na época 13 pontos atrás do BVB, ia tentar começar uma arrancada rumo ao título. O que se viu foi uma atuação magistral do Borussia Dortmund, que resultou num festejado 3×1.