O dilema de Oliver

FC Bayern Muenchen v Chelsea FC - UEFA Champions League FinalSeis horas da manhã. Era esse o horário que o despertador tocava, marcando o momento em que se iniciava um novo dia para Oliver. Bom, talvez não tão “novo” assim. Ele tinha uma rotina: levantava, tomava um banho, preparava um reforçado café, vestia sua camisa social e sua calça jeans e pegava o metrô para ir ao trabalho, de onde retornava apenas no fim da tarde.

Não era e nunca seria a rotina de seus sonhos, mas não gostava de reclamar. Seu emprego era em uma escola do outro lado da cidade. Oliver era uma espécie de assessor de imprensa ou secretário, nem ele sabia descrever exatamente seu cargo, mas recebia um bom salário, suficiente para um homem solteiro sobreviver.

Nessa rotina um tanto quanto monótona encontrava-se uma de suas maiores paixões: o Bayern. Oliver não perdia nenhum jogo de seu time de coração. Se não havia jeito de ir ao estádio, sentava no sofá e assistia pela TV. Se nem isso era possível, procurava um bar, um vizinho, um amigo, um parente ou até mesmo aquelas lojas de vendas que deixam os televisores a mostra na vitrine para saber quanto estava o jogo do Bayern.

Apesar da paixão pelo time bávaro, Oliver nunca foi um fanático. Ele condena as ações hostis contra adversários, até mesmo xingamentos, prefere criticar o jogador expulso e não o árbitro que o botou pra rua, é contra as contratações milionárias e os salários astronômicos, mas apoia a modernização dos estádios e acha que a Uefa está certa em colocar cadeiras nos locais reservados aos torcedores que preferem ficar em pé.

Oliver viu o Bayern ser campeão alemão diversas vezes, sempre comemorou os títulos e nunca pestanejou em comemorar os triunfos com seus amigos em festas banhadas de cerveja. Mas nunca ter visto seu time ganhar a Liga dos Campeões não era uma mera decepção, e sim uma enorme ferida ainda não cicatrizada.

Apesar dos 23 anos de idade, Oliver não comemorou o título europeu de 2001. Ele tinha 11 anos na época e aguardava ansiosamente pela partida. Uma das lembranças mais fortes é de seu pai falando insistentemente após a semifinal contra o Real Madrid que não trabalharia no dia da final, mesmo correndo o risco de ser demitido.

Por ironia do destino, seu pai, que deveria estar ocupado na hora da partida, conseguiu uma folga para acompanhar Bayern x Valencia, enquanto Oliver, que deveria ser a pessoa livre da ocasião, não pôde assistir ao jogo.

No mesmo dia da decisão havia uma viagem da escola para o “interior do interior do interior” da Alemanha, um local tão isolado que ninguém sabia como estava no mapa do país. Se estivesse na forma geométrica dividida para as nações asiáticas ou americanas no Mapa Mundi, Oliver entenderia tal distância, mas era Alemanha e custava a acreditar.

O fato era que a cidade estava tão distante do que alguns consideram como “civilização” que não havia nenhum telefone na cidade, muito menos internet ou televisão. Poderiam encontrar alguns rádios durante o caminho, mas a sintonia não era das melhores e as estações se preocupavam mais em tocar músicas tradicionais ou anunciar o preço do arroz.

Os moradores, então, nem se interessavam por esportes. Para eles era perda de tempo, coisa inútil. Mais valia uma plantação bem feita, animais bem tratados e o aconchego familiar do que um jogo bobo.

Como a viagem duraria três dias, Oliver só saberia do resultado no sábado.

– Maldito dia que vim ao mundo – pensava o garoto.

Não havia o que fazer.

O Bayern ganhou, o pai de Oliver festejou, Munique estava em êxtase e ele só soube do motivo quando a população estava de ressaca. O garoto lembra-se de poucas coisas daquela época, era muito jovem, mas guarda com angústia aqueles momentos de distância do time. A partida foi reprisada diversas vezes naquela semana, mas ele optou pelo afastamento da televisão. Não queria ver aquilo, só lhe traria lembranças ruins, recordações do dia que não festejou a glória máxima de seu time.

Em 2010 veio o momento da libertação. Mais maduro, formado no ensino médio, trabalhando e independente, Oliver ia sozinho aos jogos do Bayern e não titubeava em ir aos bares próximos beber após as massacrantes vitórias. Já era um homem, já era um torcedor bávaro.

Cogitou a possibilidade de viajar a Madrid para assistir a decisão contra a Internazionale, mas algo lhe dizia que não seria uma boa ideia. Durante alguns dias, Oliver passou por uma espécie de “inferno astral”, quase sofrendo acidentes, se machucando, recebendo broncas que não recebia normalmente. Em sua ingênua cabeça, aquilo estava acontecendo porque pensou em ir para Espanha assistir ao jogo, logo desistiu da ideia.

No dia da final, reuniu os amigos em sua casa, preparou a cerveja e armou todo ambiente para que se sentissem dentro da decisão. Mas o inferno astral não havia ido embora. O Bayern perdeu, a cerveja esfriou e o clima ficou quente. Houve bate-boca entre os amigos e alguns deles não se falam até hoje.

Sua paciência com o Bayern e a sina de não vencer a Liga dos Campeões da Europa estava acabando. 2012 era o ano limite. A final seria em Munique, os bávaros foram às compras e trouxeram Manuel Neuer para ser o tão aguardado substituto de Kahn, ídolo de Oliver na infância.

Neuer era um dos poucos que não lhe inspiravam confiança, mas não era pelo motivo que trazia os mesmos suspiros em outros torcedores – ser cria do Schalke 04 – mas sim por ele ser o primeiro grande goleiro do Bayern desde Oliver Kahn. Oliver era fã de seu xará e não aceitava qualquer um na meta de seu time. Se fosse para vestir a camisa 1, que fosse para honrá-la e mostrar ao mundo toda raça bávara e Neuer seria cobrado até demonstrar tais características.

Essa birra de Oliver só caiu na semifinal, novamente contra o Real Madrid. Ele havia assistido todos os jogos em casa, mas se engajou em viajar para Espanha acompanhar aquela partida e não se arrependeu… Ou melhor, se arrependeu. Naquele mesmo dia, pediu perdão por todas as críticas, cornetadas, xingamentos e tudo mais que havia feito a Neuer nos últimos meses.

Ver aquele alemão embaixo dos três postes agindo como um leão perante um adversário espanhol em uma disputa de pênaltis lhe trouxe a imagem nunca vista de Kahn contra o Valencia em 2001. No instante que Neuer agia, Oliver voltou a se sentir como um garoto de 11 anos, imaginando que via em campo Élber, Effenberg, Scholl e, principalmente, Kahn. Foi com aquele time que teve sua iniciação em campos de futebol e guarda lembranças sentimentais destes jogadores até hoje.

Nada o faria perder a decisão da Allianz Arena, nem mesmo um novo “inferno astral”. Os ingressos já estavam comprados, os compromissos desmarcados e o teste cardíaco… Bom, o teste seria durante o jogo, dentro do estádio.

Oliver fazia parte daquele mar vermelho, ele sentia que aquilo poderia pesar contra o Chelsea. O adversário, aliás, era um time que não lhe inspirava nenhuma simpatia. Lembra-se daquele assunto que nosso personagem “não gosta de transferências milionárias”? Pois é, esse é o motivo que fazia com que Oliver alimentasse certo ódio pelo time azul.

A bola havia rolado e o coração batia de forma nunca antes notada. Era um momento único e nosso protagonista não aceitava sair do estádio sem o título.

O placar zerado ao fim dos tensos 45 minutos iniciais deixavam Oliver cada vez mais nervoso. Seu tradicional lanche de intervalo ficou de lado. Preferiu ir ao banheiro e jogar uma água no rosto, ele suava como nunca.

Seu nervosismo era tanto que, na volta para seu lugar no estádio, passou por amigos e colegas de trabalho e não os viu. Dias depois foi cobrado por não dizer nada, cumprimentar ou fazer um simples sinal, mas não havia o que falar. Enquanto seguia o percurso, a única coisa que enxergava era sua cadeira. Não era concentração, era tensão.

Durante o segundo tempo, Oliver não tinha certeza se passaria no teste cardíaco. Perdeu a conta de quantas vezes ficou sentado em lances de perigo e em pé em bolas controladas da defesa. Perdeu a noção de tudo, não conseguiu distinguir o que era certo ou errado e xingava até passe certo de seu time.

Quando começou a se conformar com mais trinta minutos de sufoco, veio o gol de Thomas Müller. Oliver não se conteve. A característica “frieza alemã” deu espaço a euforia, a loucura e aos gritos e pulos de alívio.

Oliver não sabia e tudo aquilo era verdade ou se o coração já estava parado e o que acontecia era obra da fantasia criada em sua mente. Ele sabia que a mente poderia pregar peças, mas o trapaceiro da vez não foi seu cérebro e sim Didier Drogba.

O marfinense foi durante toda semana a maior preocupação bávara. As esperanças de título do Chelsea passavam por ele e o Bayern sabia disso. Oliver nunca foi daqueles que levantavam a ideia de “quebrem o craque adversário”, mas na partida, sua mente estava tão agitada que gritava “quebra, quebra” nos poucos toques na bola de Drogba.

Ninguém do time o ouviu. Talvez se ouvissem, quebrassem o jogador ou nem dessem bola. Se dessem, sairiam no lucro. O golpe de cabeça do marfinense no gol de empate londrino foi de mesma intensidade que um tiro no peito. Direto, reto, veloz e fatal.

Oliver desabou, não sabia o que fazer. Ele tinha consciência de que teria a prorrogação pela frente, mas não acreditava que aquele gol havia acontecido.

O tempo extra tinha um sentimento diferente para nosso personagem. Ele não estava nervoso como antes, parecia mais um ser em estado vegetativo, se é que podemos descrever assim. Seu corpo estava lá, sua visão acompanhava cada lance, mas a alma estava perdida. Nem mesmo quando Robben perdeu o pênalti ele esboçou uma reação mais clamorosa. Lamentou, como todos no estádio fizeram, mas, feito um robô, voltou seus olhos ao jogo.

Era chegada a hora da disputa por pênaltis. Havia um misto de emoções na Allianz Arena. Uns choravam, outros gritavam, uma parte do estádio mostrava confiança, outra parte sentia medo. Alguns poucos ficavam de costas para o gramado só para não ver o que se passaria.

Oliver mantinha seu status robótico. Ele estava de pé, com os braços cruzados e com os olhos fixos em Manuel Neuer. Em algum lugar de seu peito queria que o antigo arqueiro do Schalke voltasse a invocar Kahn e deixasse a ‘orelhuda’ em Munique. A fixação era tão grande e assustadora que Oliver nem notou as cobranças desperdiçadas por Ivica Olić e Bastian Schweinsteiger. Só se deu conta de que voltaria a viver uma decepção quando viu Drogba convertendo a cobrança que rendeu o título ao Chelsea.

Esse dia ficou marcado como um divisor de águas para Oliver. Enquanto 90% dos torcedores bávaros deixavam a Allianz Arena de forma cabisbaixa, o rapaz permanecia em sua cadeira e tentando entender o que havia se passado. Aquele momento foi o pior de sua vida, nunca havia presenciado algo tão chocante, isso que trabalhava em uma escola lotada de crianças que adoram correr de forma aloprada e que invariavelmente surgiam com cortes profundos em suas frágeis pernas.

Daquele dia em diante, Oliver queria fazer sua própria felicidade e decidiu não se envolver tanto com o futebol. Ele percebeu que não era muito saudável andar cabisbaixo por causa de uma derrota em um jogo e que era burrice demais entregar o estilo de seu comportamento a 11 jogadores que vestem uma camisa vermelha.

Coincidência ou não, sem Oliver torcendo ferrenhamente, o Bayern vive uma de suas mais gloriosas temporadas da história. Em nenhum momento pensou em ir a Allianz Arena acompanhar seu time. Além disso, passou a se contentar em saber apenas o resultado da última partida, às vezes, nem isso era preciso para que seu dia transcorresse normalmente.

O único jogo que ousou bisbilhotar pela televisão foi contra o Arsenal. Viu o começo e desligou após o gol londrino, percebeu que não era uma boa ideia continuar em frente à telinha. Efeito do “choque Chelsea”.

O tempo foi passando e o terremoto bávaro seguia em Munique. Oliver tentava se manter distante do Bayern, mas o Bayern queria ficar próximo de Oliver. Não havia escapatória, apesar da relutante fuga.

Hoje faltam dois jogos para o término da temporada, duas decisões, diga-se de passagem. Oliver acreditava que poderia permanecer alheio a tudo, mas ele não esperava que um episódio acontecesse.

Faltando uma semana para o embate com o Borussia Dortmund pela Liga dos Campeões, o chefe de Oliver o chamou em sua sala para receber um convite. Nosso protagonista já imaginava se tratar de uma promoção ou um aumento de salário, mas não era nada disso.

O filho do chefe trabalha em uma das empresas que patrocinava a Liga dos Campeões. Empresa essa que distribuiu algumas dezenas de ingressos para funcionários e o chefe de Oliver também recebeu alguns. Inesperadamente, vários empregados da escola receberam ingressos e passagens pagas para a decisão como forma de agradecimento do chefe pelos vários anos de dedicação.

Oliver foi um dos contemplados e nem sabia o que dizer. Não queria fazer a desfeita de rejeitar um presente daqueles, assim como não queria quebrar sua sina de deixar o Bayern de lado naquele ano. Aceitou o convite, mas não decidiu se vai ou não para Londres. Esse é o dilema.

E vocês? O que fariam na situação de Oliver?

TOP 7: Eliminados, mas valorizados

Muito se fala que a fase de grupos da UEFA Champions League é recheada de times fracos. Em partes, não dá para discordar. Muitas equipes que participaram deste estágio do torneio não fariam falta alguma se ficassem se preocupando com suas ligas domésticas. Porém, alguns dos times que não conseguem nem passar da fase de grupos mostram a Europa bons valores individuais. É justamente isso que veremos hoje.

Neste momento da temporada, a primeira metade do torneio segue almejando o sonho de vencer o troféu mais cobiçado do continente e a outra parte vai embora com este desejo desfeito. Ainda assim, outras oito equipes irão manter a vontade de conquistar um torneio internacional, a Liga Europa.

Dos 16 privilegiados que poderão conquistar a Europa, falarei outra hora, afinal de contas, os jogos das oitavas de final só serão realizados em 2013. Darei espaço aos eliminados. Desses 16 times saíram alguns bons valores e selecionei sete que me chamaram a atenção nesta fase de grupos. Obviamente, se vocês entenderem que esqueci alguém ou que fui bonzinho demais ao colocar outro atleta, invadam a caixa de comentários e deem suas análises.

7) Dieumerci Mbokani – Anderlecht

Mbokani é o grande nome do atual Anderlecht

Mbokani é o grande nome do atual Anderlecht

O congolês Mbokani teve início bem complicado no Anderlecht. Logo em sua chegada, sofreu uma grave lesão que o afastou dos gramados por dois meses. Quando retornou, recebeu a triste notícia de que seu filho faleceu enquanto dormia. Isso atrapalhou sua temporada marcada por apenas oito gols no Campeonato Belga. Nesta temporada, Mbokani já tem um gol há mais e é o principal nome ofensivo do time.

Na fase de grupos da Champions League, o atacante fez dois gols e deu uma assistência, isso depois de ter feito uma fase preliminar boa, onde marcou quatro gols nos três jogos da equipe. Mbokani, que já teve chances maiores em sua carreira, começa a dar sinais de amadurecimento e talvez possa aparecer como boa peça de reposição de clubes mais fortes na Europa.

6) Lucas Biglia – Anderlecht

Desde 2006 na Bélgica, o argentino Lucas Biglia está muito bem adaptado ao futebol europeu. Volante técnico, de boa marcação e passe bem qualificado, Biglia foi um dos destaques da fraca campanha do Anderlecht nesta fase de grupos da UEFA Champions League, participando de todas as partidas da equipe sem ser substituído.

O argentino obteve destaque no quesito passe. Das 467 tentativas de passe, 349 foram concluídos e se tornou o quarto melhor passador do torneio. Na questão de porcentagem, Biglia teve 75% de aproveitamento em seus passes. Aos 26 anos e com algumas passagens pela seleção argentina, o volante parece pronto para alçar voos mais altos na carreira.

5) Kostas Mitroglou – Olympiacos

O artilheiro do Campeonato Grego é Rafik Djebbour do Olympiacos, mas quem decidiu na UEFA Champions League foi o outro jogador do time: Kostas Mitroglou. O atacante nunca havia emplacado nos Lendários, mas após duas temporadas emprestado a Panionios e Atromitos, se encaixou no representante grego.

No campeonato nacional já foram cinco gols e na Champions League foram mais quatro. Seus tentos foram valiosos, pois serviram pro Olympiacos desbancar o campeão francês Montpellier e ficar com a vaga para a Liga Europa. Mitroglou, que já esteve defendendo seu país na última Eurocopa, vai começando a dar forma a sua carreira que já foi mais instável.

4) Niklas Moisander – Ajax

Moisander perdeu apenas para Xavi em questão de passes

Moisander perdeu apenas para Xavi em questão de passes

Considerado o substituto do zagueiro Jan Vertonghen, o finlandês Niklas Moisander do Ajax fez boa fase de grupos, mesmo com a eliminação de seu time. Apesar de acumular duas goleadas por 4×1 nas rodadas derradeiras do torneio, o defensor conseguiu se destacar ao lado do parceiro Toby Alderweireld. Curiosamente, os dois estão no top 5 de jogadores que mais passaram bolas nessa fase de grupos.

Nesse quesito, Moisander ficou atrás apenas de Xavi do Barcelona. O finlandês tentou dar 480 passes e concluiu 404, ou seja, teve 84% de aproveitamento em seus passes. O catalão concluiu 92% dos passes. Essa é apenas uma amostra de como o Ajax aplica sua filosofia de toque de bola, vinda desde a metade do último século. Na vitória ou na derrota, é bola no pé.

3) Silvio Proto – Anderlecht

Desde 2005 no Anderlecht, o belga com origens italianas Silvio Proto se fixou como titular do time e exibiu ótima forma na meta de sua equipe, se tornando, assim, um dos grandes nomes da campanha dos Roxos. A principal partida do goleiro foi contra o Milan, curiosamente, time que, segundo ele, é o preferido de sua família.

Outro ponto peculiar de Proto é que ele, juntamente com os já citados Biglia e Mbokani, além de Milan Jovanović, ajudou a formar a equipe que mais me chamou a atenção dentre os eliminados na fase de grupos da Liga dos Campeões. Porém, o Anderlecht não pode reclamar do grupo em que caiu, pois era uma chave, de certa forma, “acessível”.

2) Alan – Sporting Braga

Desde que o Braga começou a se aventurar Europa afora, o meia-atacante Alan tem se destacado. Antes do início da competição, o brasileiro havia marcado quatro vezes em 44 jogos por torneios UEFA. Alan abandona a fase de grupos da Liga dos Campeões com nove gols na conta. A importância do brasileiro foi tão grande que em todos os jogos em que o Braga fez gol, Alan também marcou.

A partida mais chamativa do meio-campista foi contra o Manchester United no Old Trafford, onde marcou dois gols e o Braga abriu 2×0. Os portugueses acabaram cedendo a virada mais tarde, mas esses tentos o ajudaram a igualar-se com Messi na lista de artilheiros com cinco gols.

1) Oscar – Chelsea

Oscar não sentiu o peso de uma Champions League

Oscar não sentiu o peso de uma Champions League

Longe de querer duvidar da capacidade técnica do garoto Oscar, mas eu esperava ver o rapaz mais acanhado nos jogos de UEFA Champions League. Nada disso aconteceu. Em sua estreia contra a Juventus, Oscar não se intimidou e marcou dois gols. No restante da campanha foram outros três tentos, sendo um do meio-campo contra o Shakhtar Donetsk.

Oscar não chega a ser uma surpresa – talvez uma revelação para os europeus -, mas o modo como atuou no torneio, sem sentir o peso de defender o atual campeão do continente, impressionou. Nos próximos anos, se o Chelsea arrumar a casa, Oscar tem tudo para brilhar muito mais na Liga dos Campeões da Europa.

*Crédito das imagens: Getty Imagens

Gangorra

Os alemães estão tomando o lugar dos ingleses?

Durante a última década, nos acostumamos a ver times ingleses nas semifinais da UEFA Champions League. Não à toa, quando faltaram britânicos nesta fase na edição 2009/10, chegaram a falar em declínio da Premier League, mas preferimos tratar o caso como temporada de exceção. Na última edição do torneio, a dupla de Manchester caiu na fase de grupos, sendo que esses mesmos times foram os dois líderes do Inglês ao término da temporada. Queda? Ainda deixamos essa hipótese de lado, principalmente com o Chelsea conseguindo o almejado título europeu.

Nesta nova temporada, corre-se o risco de avançarmos para a fase mata-mata, novamente, com apenas dois ingleses. O Manchester City, atual campeão nacional, parece que ainda não aprendeu a jogar a Champions League e já está eliminado com uma rodada de antecedência. Já o Chelsea precisa de um milagre para evitar o vexame de ser o primeiro campeão europeu eliminado ainda na fase de grupos.

Em outro canto da Europa, a história é completamente oposta. Mesmo perdendo o Borussia Mönchengladbach na fase prévia da competição, a Alemanha tem seus demais representantes classificados, com o Dortmund tendo assegurado a ponta do temido “Grupo da Morte”. Enquanto isso, Schalke e Bayern dependem de seus esforços para confirmar a primeira colocação de suas chaves.

Os parágrafos anteriores demonstram uma significativa mudança no cenário europeu. Os ingleses, outrora clubes dominantes do continente, não conseguem impor internacionalmente a força vista nos campeonatos domésticos, enquanto a Alemanha, antes resumida, em cenário europeu, ao Bayern, enxerga muito mais do que resultados, mas também, bom futebol.

No Borussia Dortmund, impressiona a frieza de Marco Reus nessa primeira fase de Champions League. O garoto estreou em um torneio continental nesta temporada e não sentiu nenhum peso, chegando a marcar um gol no vislumbrante Santiago Bernabéu. O Schalke 04 está bem mais amadurecido em relação o time que chegou nas semifinais da temporada retrasada e salve um equívoco ou outro do técnico Huub Stevens, tem tudo para surpreender no torneio.

O Bayern dispensa maiores apresentações e não é exagero algum colocá-lo como um dos principais favoritos ao caneco. A campanha na Bundesliga beira a perfeição, o ataque ganhou nova movimentação com o croata Mandžukić e a defesa já não é mais o grande problema, tendo sofrido poucos gols na temporada. Acima do Barcelona no ranking de favoritos? Exagero. Mas os bávaros, se não estão acima, pelo menos estão em patamar igual ao do Real Madrid.

Deposito parte considerável desse sucesso a divisão de forças dos principais times alemães. Manuel Neuer foi o único exemplo recente de jogador que trocou uma equipe de porte por outra. No restante, os clubes buscam se reforçar com atletas de equipes menores ou então revelar jogadores. É o caso de Schalke e Dortmund, que contam com nomes do calibre de Füchs, Neustadter, Draxler, Reus, Götze, Lewandowski e Gündoğan. Todos estes citados são crias dos times citados ou foram trazidos de clubes menores da Alemanha e outros países.

O Bayern, por ser um clube mais rico, se dá ao luxo de buscar jogadores renomados internacionalmente, como foi, recentemente, com Arjen Robben e Javi Martínez. Porém, o clube bávaro tem seguido as ações dos adversários e buscou novos talentos em equipes menores, caso de Dante, Mandžukić e Luiz Gustavo.

Em contrapartida, as equipes inglesas não estão tendo a capacidade de se “reforçar mutuamente”. Basta olhar o seguinte exemplo: Liverpool e Arsenal não estão brigando por títulos, logo, seus destaques trocam de clube por esse motivo. O pior disto tudo é que esses jogadores reforçam os rivais, ou seja, entre as equipes de porte do país, um perde, outro ganha. Os principais atletas ficam concentrados nos mesmos times e a circulação de bons jogadores fica menor.

Isso indica declínio da Premier League? Eu ainda prefiro esperar antes de dar uma opinião final. Se fosse para dar uma resposta agora, diria que não, mas fica aquela pontinha de desconfiança se essa opção de buscar reforços no rival é uma boa em âmbito geral. O adversário forte lhe obriga a ser mais poderoso ainda. Se você enfraquece o rival, pode lhe causar acomodação. Se isso vier acontecer, aí sim poderemos apontar uma decadência da Liga Inglesa… Decadência mental!

Mas ainda é cedo para chegarmos a uma conclusão. Na temporada passada, vimos o campeão alemão cair na fase de grupos e outro time do país chegando na final, assim como notamos a dupla mais forte da Inglaterra afundar cedo e um desacreditado Chelsea ganhando a competição. São times que adoram brincar de gangorra quando o assunto é torneios UEFA e como toda gangorra, tem o momento que desce e o momento que sobe.

*Crédito da imagem: Getty Images

Às avessas

Agüero proporcionou uma das cenas mais marcantes de 2012

Desde que foi comprado pelo sheik Mansour bin Zayed Al Nahyan, a rotina do Manchester City é ir à forra e gastar pra valer. Segundo o site “Transfermarkt”, o clube inglês gastou 94 milhões de euros em 2011/12, 182 milhões em 2010/11, 147 milhões em 2009/10 e 157 milhões de euros em 2008/09, totalizando quase 600 milhões em quatro anos.

Se na última temporada o dinheiro investido já havia sido mais “modesto”, comparado com valores de temporadas passadas, você nem imagina o quanto que o City gastou para a edição 2012/13 da Barclays Premier League. Os campeões ingleses gastaram apenas 15 milhões de euros e em apenas um jogador, Jack Rodwell.

Caiu a ficha do sheik Mansour e de todos no Manchester City de que “gastar por gastar” não adianta muita coisa. O clube fará barulho, chamará a atenção da mídia e dos torcedores, mas criará uma pressão monstruosa sobre todos que participam deste projeto. Gastando com inteligência e com precisão cirúrgica, tudo pode dar certo.

Afinal de contas, o Manchester City foi campeão inglês, não havia muito para o que mexer. A não ser que Mansour queira, desesperadamente e a qualquer custo, vencer a UEFA Champions League, fazendo com que não meça esforços para chegar a tal objetivo. O título ele quer – quem não quer? -, mas tentando seguir a linha de raciocínio traçada na última temporada.

De que adianta a vinda de Rodwell? Simples! Yaya Touré, peça importantíssima da conquista nacional jogando como meia-armador, teve de jogar várias vezes como volante – sua posição original – para qualificar a saída de bola, que é uma pequena deficiência de Gareth Barry e Nigel De Jong. Rodwell atua nessa faixa central, fazendo o que os ingleses costumam chamar de “box-to-box”, com isso, Touré pode ser efetivado como um meia-ofensivo.

Mesmo com um único reforço, o Manchester City segue muito forte, já que não perdeu ninguém importante e mantém a espinha-dorsal, formada por Joe Hart, Vincent Kompany, Yaya Touré, David Silva e Agüero.

Além disso, o argentino Carlos Tévez tem se redimido de seus atos indisciplinares no passado e tem conquistado a confiança de Roberto Mancini. O treinador italiano já chegou a afirmar que “se tiver vontade de jogar, Tévez é um dos melhores”.

Com esses acréscimos todos, os adversários é que passaram a abrir o bolso para tentar desbancar o City. Até mesmo o vizinho United decidiu mexer-se da cadeira para contratar. Às vésperas do início da Premier League, os Red Devils investiram 30 milhões de euros em Robin van Persie, principal jogador do Arsenal. O holandês se juntará ao também recém chegado Shinji Kagawa, destaque do Borussia Dortmund.

O problema para Alex Ferguson será encaixar essa dupla com Wayne Rooney. No esquema que Fergie costuma utilizar, só caberiam dois deles, no caso, um homem de área e um segundo atacante. Fica a dúvida se o escocês colocará Kagawa como winger ou box-to-box, já que os atacantes deverão ser Rooney e van Persie.

Eden Hazard irá se aventurar em Londres

O time que mais fez apostas interessantes na hora de gastar sua grana foi o Chelsea. Os campeões europeus decidiram reforçar o setor que passava por maior instabilidade: a armação. Caracterizada como uma equipe veloz e de contra-ataque, Roman Abramovich decidiu investir em atletas dotados de maior técnica, como Oscar e Eden Hazard, ambos contratados por mais de 30 milhões de euros.

Mesmo com esses reforços vindo a peso de ouro, a maior esperança dos londrinos está depositada em Fernando “Niño” Torres. O espanhol, contratado por quase 60 milhões de euros em 2011, ainda não decolou em Stamford Bridge e com a saída de Didier Drogba, a diretoria decidiu fazer valer toda a grana investida e dar um voto de confiança a Torres.

Acredito que esse trio deverá brigar pelo título inglês. Foram os que mais investiram nas últimas temporadas e os que possuem elencos mais fortes e competitivos. Chegam forte não só para a Premier League, como para a UEFA Champions League.

A Premier League continuará com seu alto nível. Nos últimos anos, a edição que está para começar é a que tem os favoritos em maior força. O City tem a base campeã, o United se reforçou com o artilheiro da última temporada e o Chelsea trouxe dois brilhantes atletas da nova geração mundial.

É certeza de grandes jogos e emoção até o último minuto!

Não existem palavras

Atletas bávaros não acreditam no resultado (Getty Images)

O Bayern perdeu a UEFA Champions League em casa e o que eu posso dizer sobre isso? Lamento amigos, quase nada!

Como fã do futebol alemão, admito que torcia pelo time bávaro. Mesmo tendo uma simpatia maior com o rival amarelo de Dortmund, sempre gosto de ver os times germânicos nas posições mais altas nas competições internacionais. Pouco valor tem se é rival ou não, o importante é torcer e ver estes times representando bem o futebol do país.

Diferente de 2010, onde nem cheguei a acompanhar a partida contra a Inter, a peleja disputada no último sábado, diante do Chelsea, me teve como espectador e como ser perplexo após o término da citada disputa. Como pode o futebol ser tão injusto assim? Como pode transformar pessoas confiantes em fracassadas num mero chute desperdiçado? Não parece certo! Talvez por isso sejamos apaixonados pelo esporte, nem sempre o que é legítimo, é justo. O Bayern jogou melhor, mas quem levou a “orelhuda” pra casa foram os Blues. A conquista perde legitimidade? Não!

Por isso que Uli Hoeness, presidente do Bayern, usou a melhor frase após o jogo: “Não existem palavras. É inacreditável!”. Para nós, fãs do fussball, faltam substantivos, verbos, adjetivos, artigos, preposições, xingamentos, emoticons… Falta tudo! É indescritível, mais até do que um eventual título bávaro. Pelas circunstâncias de jogo e ambiente, o vice-campeonato europeu foi uma das maiores decepções da história do clube.

O Bayern jogou melhor, tinha a cidade a seu lado e ouso dizer que aqueles que odeiam o “futebol moderno” também torciam contra o milionário Chelsea. Os bávaros tiveram o jogo nas mãos no tempo normal e também no tempo extra, quando Robben perdeu um pênalti. Na disputa da marca fatal, não deu! E quiseram os “Deuses do Futebol” que o responsável pela perda do pênalti alemão fosse Bastian Schweinsteiger, cria do clube e com extrema identificação com a torcida, além de melhor jogador em campo.

O futebol propicia essas coisas!

Sim, presenciamos a história sendo escrita. Foi o primeiro título europeu do Chelsea, mas também fomos viventes de umas das derrotas mais doloridas da história do Bayern, derrota essa que talvez tenha sido até mais chocante do que a de 1999, contra o Manchester United no Camp Nou. O fato de jogar em casa, de ter desperdiçado um pênalti no tempo extra e ainda cair na disputa de penais com o principal atleta do time perdendo uma cobrança, pode doer mais do que tomar dois gols nos acréscimos em uma final.

O “Maracanazo Azul” representou o ápice do sonho de Roman Abramovic, que desde que comprou os Blues sonhava com este título. Bateu na trave em 2008, mas este ano a bola entrou e, com um time bem mais enfraquecido que outros e ainda com as histórias de má vontade dos atletas com um ex-treinador se repetindo, o caneco chegou.

Não existem motivos para desmerecer o título do clube londrino. O futebol não perdeu, ele sempre ganha, mesmo se apresentando de forma pior, só se defendendo e jogando rudemente, essa é a graça do esporte. O Chelsea parou times como Barcelona e Bayern. Não é pouca coisa. Lembrem-se, outras equipes tentaram retrancas parecidas e até mais fechadas, mas não obtiveram sucesso contra as agremiações citadas. Há algum mérito nisso!

O marfinense Didier Drogba também poderá encerrar sua carreira tendo conquistado o maior troféu de clubes da Europa. “Ah, mas ele fez corpo mole pra derrubar Scolari e Villas-Boas”. Bom, dizem que sim, mas como eu costumo dizer, futebol é um jogo sujo, é desonesto. Muitos gênios do futebol têm histórias podres para contar, mas não perdem a alcunha de craques e revolucionários do esporte. Drogba não é um monstro sagrado, é sim um grande atacante, um dos melhores da nossa geração. Junto com Samuel Eto’o, talvez tenham sido os principais jogadores africanos em campos europeus nos últimos vinte anos. Faltava um grande título pro marfinense e ele conseguiu!

Frank Lampard, John Terry e Petr Cech foram outros jogadores que, por baterem na trave diversas vezes, também merecem esse prêmio pela insistência e de certa forma, por amor ao clube. As atitudes destes jogadores com alguns ex-comandantes podem não transparecer isso, mas esses caras têm uma grande identificação com o Chelsea. Não foi o dinheiro que apenas os seduziu, mas sim a paixão que a torcida tem com clube.

Schweini lamentou seu erro (Getty Images)

Para os jogadores do Bayern, essa sensação de ser campeão europeu vai demorar mais um pouco a chegar ou talvez nem chegue. O time bávaro conseguiu participar de duas finais de UEFA Champions League e perder as duas. A geração de Phillip Lahm, Bastian Schweinsteiger e Franck Ribéry vai ficando marcada como uma das mais talentosas da história do clube, mas que fracassou nas horas decisivas.

A derrota foi tão dura que pode haver um reflexo na Seleção Alemã que estará presente na UEFA Euro 2012. Sete jogadores bávaros que disputaram a final da UEFA Champions League deverão desfilar nos campos ucranianos e poloneses no próximo mês. O Bayern é a base da Nationalelf, mas esta é a hora certa que os jogadores precisam demonstrar a fama “fria” dos alemães, dando a volta por cima após esta dura derrota.

Tudo ou nada

Não existe termo melhor para definir a final da UEFA Champions League entre Bayern x Chelsea do que “tudo ou nada”. O time alemão fez uma temporada ótima, mas acabou sendo dominado em território nacional pelo Borussia Dortmund, já a equipe inglesa, mesmo com a conquista da FA Cup, não teve uma temporada brilhante e só poderá voltar a disputar a próxima Liga dos Campeões se conquistá-la neste sábado.

A declaração final de fracasso ou glória dos dois times será definida na Allianz Arena e no blog, você acompanhará abaixo uma “pequena” análise do que as duas equipes podem apresentar no jogo decisivo:

BAYERN

A Allianz Arena está pronta para receber bávaros e londrinos (Reuters)

Finalista na temporada 2009/2010, o Bayern volta a disputar uma final de UEFA Champions League, podendo se tornar o primeiro time a conquistar o torneio jogando em seu estádio. Munich vive este jogo e, a expectativa de ver o time local na grande decisão surgiu desde a estreia bávara, ainda na fase prévia do torneio, diante do Zurich. Porém, dizer que jogar em casa é uma grande vantagem pro clube alemão beira a inocência. A UEFA distribuiu os ingressos para os dois clubes em quantias iguais, sem falar dos convidados da entidade. Isso não impede que um torcedor do Chelsea venda sua entrada para um alemão e vice-versa, mas o estádio não estará todo vermelho como num jogo normal.

Mas a vantagem de jogar em casa está no conhecimento do gramado. Parece besteira, mas os “atalhos do campo” podem ser uma arma pro Bayern. Seus atletas estão acostumados com a Allianz Arena, sabem os melhores caminhos e essa é a grande, talvez, única vantagem de jogar em casa nesta grande final.

Para a partida deste sábado, o experiente treinador Jupp Heynckes terá alguns desfalques importantes. Holger Badstuber, David Alaba e Luiz Gustavo estão todos suspensos e a escassez de nomes do elenco bávaro veio à tona. O comandante do barco alemão provavelmente improvisará jogadores nas funções dos atletas impedidos de jogar a partida.

Na zaga, Tymoshchuk, volante, pode ser o substituto de Badstuber, enquanto Philipp Lahm, que retornou a lateral-direita, pode ser deslocado para o lado oposto e substituir Alaba, fazendo com que o brasileiro Rafinha entre no time. A entrada de Contento é outra possibilidade, com isso, Lahm não seria deslocado para a esquerda. Na cabeça-de-área, a tendência é que Heynckes coloque Toni Kroos e Bastian Schweinsteiger lado a lado, e não como meia e volante – respectivamente. Isso não chega a ser um problema, já que Joachim Löw já utilizou, em algumas oportunidades, esta formação na Seleção Alemã.

Dos três desfalques, talvez, Luiz Gustavo seja o mais sentido, mas pelo conjunto da obra, não dá para dizer que um fará mais falta que outros. A subestimada zaga do Bayern vinha bem, com Boateng e Badstuber se entendendo no miolo de zaga, com Lahm voltando à velha eficiência e Alaba mostrando que, mesmo tendo jogado por algum tempo no meio campo, pode atuar bem na lateral-esquerda, sua posição de origem. Veremos como se sairá remendada.

No setor ofensivo, tudo 100%. Franck Ribéry, Arjen Robben e Mario Gomez, principais nomes do time na temporada ao lado de Toni Kroos, chegam inteiros fisicamente para a final e são alguns dos grandes trunfos de Heynckes para superar a desfalcada defesa do Chelsea.

O COMANDANTE

Jupp Heynckes pode ganhar a Champions League pelo segundo time diferente (FCBayern.de)

O experiente Jupp Heynckes estará novamente presente a uma final da UEFA Champions League. Sua última havia sido em 1998, quando treinava o Real Madrid e bateu o Valencia na grande decisão. Desde então, o alemão rodou por alguns clubes que não haviam chegado ao maior torneio de clubes da Europa, retornando agora, com o Bayern, e voltando em grande estilo.

Sua missão, ao retornar para o clube bávaro, era consertar a defesa do time. Com Louis van Gaal não tinha jeito. Diversos atletas passaram pelo setor e ninguém se firmou. Mas com Heynckes, a defesa ganhou uma cara desde o princípio. Boateng e Badstuber foram os nomes de confiança desde o começo e mesmo com o deslocamento do primeiro citado para a lateral-direita, a entrada de van Buyten não comprometia.

Porém, o que falta a zaga bávara são nomes de peso. A melhor defesa da Bundesliga é simplesmente menosprezada mundo afora, sendo tratada como lixo e muito ruim, sendo que não é bem assim. É claro que dos quatro titulares, apenas Lahm enche os olhos com sua classe em campo, mas isso não significa que seja impossível armar uma defesa sólida e capaz de segurar o ímpeto adversário. Heynckes conseguiu construir isso.

No ataque, o técnico duas vezes campeão alemão apenas seguiu utilizando a fórmula que vinha dando certo, com o acréscimo de Toni Kroos, mais efetivo, tanto na faixa central da linha de três meias, quanto na cabeça de área.

Caso conquiste a UEFA Champions League desta temporada, Jupp Heynckes poderá igualar os feitos de José Mourinho, Ottmar Hitzfeld e Ernst Happel ao conquistar o torneio por mais de um clube.

O CARA

Ribéry foi um dos grandes nomes da temporada (Witters)

Apesar do ótimo conjunto adquirido, parte atualmente, parte com o tempo, a torcida do Bayern deposita suas esperanças em Franck Ribéry. O francês, que não disputou a final de 2010 por estar suspenso, fez grande temporada e ainda esteve livre das lesões, podendo ter uma seqüência maior de jogos.

Posso estar sendo exagerado, mas colocaria Ribéry entre os cinco melhores do mundo nesta temporada. Não foi o melhor jogador da Bundesliga, o que faz eu me contradizer um pouco, mas em jogos decisivos ele apareceu e participou ativamente dos jogos, foi o melhor atleta bávaro na temporada.

Ribéry costuma atuar na ponta esquerda e joga visando o gol, seu bom controle de bola facilita isso. O francês atua com classe dentro de campo, busca o drible, a finalização, é um jogador incisivo e pode, por linhas tortas, reescrever a final de 2010, onde o Bayern, sem tê-lo em campo, se viu muito dependente de Robben, que muito bem marcado pela Inter, não conseguiu atuar bem.

Desde sua chegada ao Bayern, Ribéry se tem se destacado mais nas assistências do que nos gols. Só para tomar de exemplo, o francês deu o passe final para 63 gols, sendo que ele marcou vinte há menos, isso em toda sua carreira na Alemanha. Nesta temporada, a história foi a mesma. O camisa 7 marcou 12 gols e deu 20 assistências.

Isto não significa que o francês seja a estrela absoluta do time e que só ele pode decidir. Toni Kroos e Bastian Schweinsteiger são dois meio-campistas clássicos, de bom toque de bola e finalização de média e longa distância, podendo decidir também com suas assistências. Arjen Robben é outro atleta decisivo, porém, precisa perder a estigma de bobear em jogos gigantes. Não custa lembrar que o holandês perdeu um gol feito na final da Copa do Mundo e ainda desperdiçou um pênalti no confronto contra o Borussia Dortmund, no Campeonato Alemão. No comando de ataque, Mário Gomez. Pra ele, não existe tempo ruim, a bola passa perto dele e já vai pra direção da meta. Sua função é fazer gols e desde os tempos de Stuttgart, ele vem mostrando que sabe fazer.

TIME BASE

Com os desfalques de Luiz Gustavo, Alaba e Badstuber, Jupp Heynckes terá de rebolar para escalar seu time pro jogo decisivo. Confira abaixo a possível escalação do Bayern:

(4-2-3-1): Neuer – Lahm, Tymoshchuk, Boateng e Contento (Rafinha) – Kroos, Schweinsteiger – Robben, Müller e Ribéry – Gomez

NÚMEROS

Temp. Jgs. Vit. Emp. Der. GM GS
Bayern na UCL 28 260 144 60 56 493 257
Bayern contra ingleses 39 14 13 12 59 50
Bayern v Chelsea – Competições UEFA 2 1 0 1 5 6

CHELSEA

Quando o milionário Roman Abramovic comprou o Chelsea, seu grande sonho era tornar o clube londrino um dos maiores do mundo, e para conseguir este feito, obviamente, seu time precisaria conquistar a UEFA Champions League. Desde que os Blues se firmaram como uma potência inglesa, esse título se tornou prioridade para o russo, para não dizer obsessão.

O Chelsea só volta a Champions League se vencê-la (Reuters)

O responsável inicial para saciar a sede de títulos de Abramovic nesta temporada foi André Villas-Boas, mas o português se tornou mais um a ser “queimado” por Drogba, Terry, Lampard e Cia., acabou sendo demitido após uma série ruins de resultados no início de 2012. Roberto Di Matteo foi efetivado ao cargo de treinador e colocou as coisas no lugar. O Chelsea se tornou uma equipe mais aguerrida em campo e assim conseguiu bater o poderoso Barcelona antes de chegar à final.

Assim como Jupp Heynckes, o bem menos experiente Di Matteo terá importantes desfalques na defesa. Branislav Ivanovic, um dos grandes nomes da campanha londrina está suspenso. O capitão John Terry foi expulso no jogo de volta das semifinais e também não estará em campo na decisão. O treinador italiano vai ter de apostar nos jovens David Luiz e Gary Cahill, que mesmo acumulando boas atuações na temporada, ainda não possuem uma “largura” prum jogo deste tamanho. Na frente da zaga, Raúl Meireles também estará de fora.

Além dos desfalques do setor defensivo, o Chelsea não poderá contar com o brasileiro Ramires, um dos grandes nomes da semifinal diante do Barcelona. O meio-campista foi reposicionado por Di Matteo, que o tirou da cabeça de área e o colocou na ponta direita. Sua correria, às vezes insana, foi mais bem explorada e o camisa 7 passou a decidir jogos. Com o Bayern tendo de atuar com um lateral-esquerdo reserva – ou não da posição, caso jogue Lahm -, as investidas de Ramires pelo setor seriam de grande utilidade.

O jogo do Chelsea também passa a mudar se a bola chegar aos pés de Frank Lampard e Juan Mata. Enquanto o primeiro ainda tem lá sua utilidade defensiva, o segundo se torna peça nula em campo se não trabalhar com a bola. Canhoto de qualidade, Mata se adaptou bem ao futebol inglês, foi titular incontestável durante a temporada inteira e precisa da bola no pé para funcionar. Já Lampard, passou por uma má fase interminável – de duas ou três temporadas seguidas -, mas após ser reserva com Villas-Boas, tem reencontrado a melhor forma com Di Matteo. Para defender o ídolo do Chelsea, não acho que esse crescimento técnico tenha sido ocasionado por um eventual “corpo mole”. Desde os tempos de Ancelotti e no English Team, Lampard tem jogado mal.

No ataque, Didier Drogba, que mesmo mais técnico e inteligente que Gomez, também sabe transformar uma bola quadrada em gol. Foi outra peça importante nas semifinais.

O COMANDANTE

Di Matteo poderá, logo de cara, ganhar a Champions League (Chelseafc.com)

De um lado, Jupp Heynckes, técnico veterano, de vários títulos e diversas histórias a contar; do outro lado, Roberto Di Matteo, jovem ainda e apenas com a FA Cup, conquistada há algumas semanas, no currículo. O italiano caiu de pára-quedas no comando técnico do Chelsea, mas enxerga a conquista da UEFA Champions League como a oportunidade certa de deixar de ser um treinador “tampão” para ser de vez o efetivo do cargo.

Mesmo chegando num momento de turbulência, seria errado dizer que Roberto Di Matteo não tinha experiência nenhuma como treinador. Em seu período no West Bromwich, levou o clube a uma boa posição na tabela da Premier League, mas com a queda natural de rendimento, sofreu com a impaciência dos dirigentes e foi demitido.

No Chelsea, sua grande sacada foi deslocar Ramires da faixa mais disputada do campo para a mais livre, dando carta-branca para o brasileiro dar suas arrancadas. No resto, apenas algumas mexidas opcionais, como as entradas de Mikel e Kalou, para as saídas de Romeu e Sturridge.

Vindo do Chelsea, não ouso dizer que Di Matteo tem o elenco em mãos, já que todos sabem do histórico de confusões de alguns jogadores, mas o fato é que os atletas confiam no italiano. Os motivos, só eles sabem, mas confiam e como foi dito anteriormente, a conquista da UEFA Champions League colocaria o treinador num patamar alto do conceito de Roman Abramovic, aumentando suas chances de permanecer como treinador dos Blues.

O CARA

Decisivo nas semifinais, Drogba é a esperança londrina para a final (chelseafc.com)

Os ingleses adoram idolatrar um jogador local. No caso do Chelsea, Frank Lampard e John Terry eram os grandes ídolos da torcida, mas nos últimos anos, a dupla tem caído de rendimento e o marfinense Didier Drogba, que têm se mantido regular desde que chegou à Terra da Rainha, ocupou o posto de “cara” do time.

O atacante consegue mesclar virtudes de um centro-avante moderno, como a movimentação e agilidade ao sair da área, com qualidades de um jogador mais antigo, como a força física e presença de área. Por essas e outras, Didier Drogba, mesmo não vivendo a melhor de suas temporadas, pode ser colocado como um dos melhores de sua posição no mundo.

Como foi dito no parágrafo anterior, Drogba não está no melhor de sua carreira, mas um jogador de alto nível pode, e deve, brilhar nos jogos onde esse lampejo é necessário. Foi o que aconteceu com o marfinense nas semifinais diante do Barcelona, onde anotou um gol e foi peça chave ao incomodar bastante os defensores adversários, seja na catimba, seja com a bola no pé.

Na atual temporada, Didier Drogba anotou 12 gols em 24 jogos, o que só ajuda a reforçar a tese de que mesmo não estando no auge, pode ser decisivo e contribuir para um possível título europeu.

Além do marfinense, Di Matteo poderá contar com o apoio de Juan Mata, que tomou conta da camisa 10 do Chelsea, assim como Lampard, autor do gol londrino na final de 2008. Caso o banco de reservas precise ser acionado, Fernando Torres é a melhor opção. Embora não justifique o astronômico valor da transferência que o levou para Londres, o espanhol já tem 11 gols na temporada e tem estrela, como provou no jogo de volta diante do Barcelona e na final da última Eurocopa.

TIME BASE

Com quatro desfalques, mas com um elenco mais recheado de opções, Roberto Di Matteo não precisará se revirar como Heynckes e deverá ter substitutos da posição para substituir Ivanovic, Terry, Ramires e Raúl Meireles.

(4-3-1-2): Cech – Bosingwa, Cahill, David Luiz e Cole – Mikel, Essien, Lampard – Mata – Kalou e Drogba

NÚMEROS

Temp. Jgs Vit. Emp. Der. GM GS
Chelsea na UCL 10 113 57 33 23 178 96
Chelsea contra alemães 15 8 3 4 21 12
Chelsea v Bayern – Competições UEFA 2 1 0 1 6 5

DECLARAÇÕES

Por muitos anos Drogba tem sido um dos melhores atacantes do Campeonato Inglês e é definitivamente perigoso. Ele pode marcar a qualquer momento. Mas às vezes ele exagera um pouco. Às vezes ele é um ator fantástico em campo (Jupp Heynckes)

Nós queremos jogar o nosso jogo e nós podemos fazer isso. Nós já mostramos isso nesta competição, contra o Manchester City, por exemplo. Eu também penso que o Chelsea será mais agressivo amanhã do que foi contra o Barcelona (Bastian Schweinsteiger)

Eu não posso dizer qual foi a última vez em que estive em uma final. Talvez tenha sido como juvenil. Eu conquistei alguns troféus quando era pequeno, mas essa pode ser minha primeira medalha como profissional (Gary Cahill)

A atmosfera aqui já está maravilhosa. Ser azarão não é ruim se você tem confiança em você mesmo (Frank Lampard)

Entre sonhos e abusos

Como de costume, a temporada para os londrinos do Chelsea começou cheia de sonhos e expectativas. O time já não era mais treinado pelo experiente Carlo Ancelotti, e sim pelo jovem André Villas-Boas, campeão da UEFA Europa League na temporada anterior com o Porto. Uma nova conquista da Premier League e o tão aguardado título europeu eram as metas do já calejado elenco blue.

Com nomes de peso como Frank Lampard, Didier Drogba, Ashley Cole e John Terry, e ainda algumas jovens apostas, como Daniel Sturridge, David Luiz e Oriol Romeu, AVB tinha tudo para fazer um grande trabalho na Inglaterra. Tudo começou bem para o português, que viu seu time vencer sete (um nos pênaltis) dos primeiros dez jogos da temporada. O único revés aconteceu na 5ª rodada, na derrota por 3×1 diante do Manchester United.

Porém, os meses finais de 2011 reservaram muitos problemas aos Blues. Foram quatro derrotas, quatro empates e cinco vitórias nos últimos dois meses do ano. O mais preocupante é que alguns destes tropeços foram novamente em jogos grandes. O Chelsea perdeu duas vezes para o Liverpool e uma vez para o Leverkusen. No último dia de 2011, o time londrino foi derrotado em casa para o até então desacreditado Aston Villa por 3×1 e a partir de então, a vida de André Villas-Boas passou a se tornar um inferno.

As críticas para cima do comandante português eram incessantes e pesadas. Somado a tudo isso, novamente falou-se sobre as “patotas” existentes no elenco do Chelsea. Essa conversa já existia desde o tempo que Luis Felipe Scolari treinava o clube inglês, e sem Michael Ballack, as “lideranças” ficaram a cargo de Drogba, Terry e Lampard.

Contando com atletas insatisfeitos e outros tantos não rendendo o esperado – entenda-se Fernando Torres -, os maus resultados se tornaram rotina e Villas-Boas duraria apenas mais três meses. A derrota diante do West Bromwich foi a página final da decepcionante passagem do treinador português, que colecionou em suas últimas semanas de “vida útil”, cinco vitórias, três derrotas, quatro empates e o incrível prejuízo de estar perdendo pro Napoli por 3×1 na série das oitavas-de-final da UEFA Champions League.

Di Matteo e Villas-Boas estavam juntos, mas a patota os separou (Reuters)

Subitamente, o Chelsea cresceu de produção com a saída de André Villas-Boas e com a efetivação do italiano Roberto Di Matteo – que já tinha uma boa passagem pelo West Brom em sua curta carreira. Foram quatro vitórias seguidas logo de cara, algo que não acontecia desde o início da temporada, curiosamente, época da chegada de AVB, em suas semanas de adaptação.

Depois da derrota para o Manchester City no dia 21 de março, os Blues só voltariam a ser derrotados no começo de maio, no 2×0 diante do Newcastle quando já estavam levando a Premier League com a barriga.

Honestamente, eu não gosto muito de sair acusando jogadores de fazerem “corpo mole” ou algo do gênero, mas no caso do Chelsea, parece ser nítido que a “patota” só aceita trabalhar com quem eles querem. Porém, a evolução do clube londrino não se deve apenas a um excesso súbito de vontade de Drogba, Lampard e Cia., mas Di Matteo também tem seus méritos. O deslocamento de Ramires da cabeça de área para a linha de armadores foi uma ótima sacada. O brasileiro conseguiu melhorar seu rendimento e ter suas arrancadas melhor exploradas. O ex-volante encarnado foi eleito o melhor jogador do time na temporada!

O italiano também aproveitou para apostar em homens mais experientes, como John Obi Mikel e Salomon Kalou, em preterimento os jovens Romeu e Sturridge, que perderam muito espaço após a saída de Villas-Boas. Cá pra nós, Mikel e Kalou, com a qualidade técnica que possuem, não podem, em hipótese alguma, fazer “corpo mole” pra derrubar treinador, já que são jogadores de nível inferior a outros do elenco.

Desde que Roberto Di Matteo assumiu o comando técnico londrino, o time conquistou treze vitórias, três derrotas e quatro empates. Os Blues ainda ergueram o troféu da FA Cup pela sétima vez na história.

Na UEFA Champions League, a campanha que já era regular com Villas-Boas, se tornou heróica pela superação. Os treze gols marcados na fase grupos colocaram os ingleses na ponta da chave, o que não significava caminho fácil no mata-mata. O perigoso Napoli ajudou a instalar a crise em Stamford Bridge ao vencer o duelo de ida por 3×1. Na volta, já com Di Matteo, o Chelsea venceu por 4×1 e conseguiu reverter o resultado.

A classificação “um tanto quanto” sufocante diante do Benfica nas quartas-de-final mostrava que o time inglês estava vários degraus abaixo do seu adversário na semifinal, o Barcelona. A série ficou marcada nos grandes jogos da UEFA Champions League. O Chelsea marcou como nunca, segurou o time catalão com unhas e dentes, tomou pressão nos dois jogos, mas com a dupla Ramires e Drogba inspirada, os Blues conseguiram chegar a mais uma final. O brasileiro participou de dois dos três gols ingleses na série, enquanto o marfinense mostrou seu lado “catimbeiro” e incomodou demais.

Com Villas-Boas no comando, Frank Lampard chegou a ficar na reserva (Reuters)

Essa nova final para o clube londrino consegue ser bacana e injusta ao mesmo tempo. Foi simplesmente sensacional ver a reação inglesa diante do Napoli quando estava quase eliminado, e ainda observar a enorme superação diante do poderoso Barcelona. Porém, fica aquela pontinha de raiva ao ver que os jogadores responsáveis por estas glórias, foram os mesmos que derrubaram Villas-Boas.

É a história de 2008 se repetindo. Roman Abramovic já comandava o Chelsea e buscava obsessivamente o título europeu, e para isso, também contava com um treinador português que fez sucesso no Porto, José Mourinho. Diferentemente de Villas-Boas, Mou já fazia sucesso na Inglaterra e figurava entre os principais treinadores do continente europeu. Porém, o magnata russo, sedento por resultados, demitiu o português e apostou em Avram Grant, que assim como Di Matteo, levou o clube para a final da UEFA Champions League. Em Moscow, os Blues tropeçaram diante do rival inglês, Manchester United.

O italiano terá o mesmo destino do israelita e será um técnico “tampão”? Talvez o título europeu mude os rumos da repetida história londrina.