Deschamps 2020: Os reflexos da renovação de contrato

O que vinha sendo especulado há algumas semanas se concretizou na terça-feira (31): Didier Deschamps renovou contrato com a Federação Francesa de Futebol (FFF) e treinará a seleção nacional até 2020.

Até lá, DD, que assumiu a equipe em 2012, concluirá o ciclo da Copa do Mundo do próximo ano e terá mais uma Eurocopa pela frente. O desafio será conquistar feitos relevantes a frente de uma das mais talentosas gerações do futebol mundial, recolocando a França no hall das grandes seleções do planeta.

Essa renovação traz à tona diversos reflexos, negativos e positivos, e que devem ser contrabalanceados na hora de uma análise mais precisa sobre o benefício da escolha da FFF por manter DD por mais anos.

Negativamente, a conclusão é quase unânime: a pequena margem de progressão em qualidade de jogo. Deschamps tem em suas mãos uma vasta lista de atletas de grande talento, como Kyllian Mbappé, Antoine Griezmann, Paul Pogba, Thomas Lemar e outros tantos que compõem o elenco atual – fora os que sequer são lembrados. É gente suficiente para montar uma equipe capaz de fazer frente a qualquer seleção do mundo, apresentando futebol de ótimo nível.

O que tem sido visto dentro de campo, entretanto, está longe disso. Até mesmo na Eurocopa, onde foi vice-campeã, perdendo a final em casa para Portugal, os franceses estiveram longe de convencer. Tirando a excelente exibição na semifinal, diante da Alemanha, foram poucas aparições convincentes.

Iniciou-se o ciclo mundial, mas mesmo com o acréscimo de outros nomes talentosos, como Mbappé, o progresso foi mínimo. Apesar de ter garantido presença na Copa da Rússia sem grandes sustos – sete vitórias, dois empates e uma derrota – alguns dados chamaram a atenção, como ter o 15º ataque da qualificação europeia com 18 gols.

O site da UEFA aponta ainda que a França finalizou 180 vezes durante toda a competição, o que lhe dá média de um gol a cada dez chutes. Como exemplo de comparação, Bélgica e Alemanha, que tiveram os melhores ataques, precisavam de menos de cinco arremates (43 gols em 214 chutes e 43 em 209, respectivamente).

O contrastante é ver que os Bleus tiveram a sétima média de finalizações entre todas as seleções europeias. Muito chute e pouco aproveitamento.

Além do desempenho dentro de campo, Deschamps possui ainda os seus “soldadinhos”, expressão que o colega Renato Gomes gosta de usar nas edições de Le Podcast du Foot. Moussa Sissoko, Blaise Matuidi, Kingsley Coman são alguns dos exemplos de atletas que, invariavelmente, aparecem no time titular em momentos importantes, onde outros poderiam estar entre os titulares.

Deschamps deverá continuar fora da seleção | Foto: AFP

Nessa mesma linha, surge o caso de Karim Benzema. Seu último jogo pela seleção francesa foi em 8 de outubro de 2015. Desde então, esteve envolvido na polêmica do sex tape de Mathieu Valbuena, foi afastado e, de certa forma, perdoado pela FFF. Não por Deschamps.

Prestes a completar 30 anos, podemos cravar que aquela goleada por 4 a 0 sobre a Albânia, há dois anos, ficará registrada na história como sua última aparição pela seleção francesa.

Um fim trágico de um dos melhores atacantes que surgiu na França desde Thierry Henry. Habilidade, inteligência e faro de gol desperdiçados por polêmicas extracampo. E falo “polêmicas” mesmo, no plural.

Para refrescar a memória, vale lembrar que Benzema sempre foi alvo de críticas, especialmente de pessoas ligadas a extrema-direita francesa, por sua origem argelina, o que lhe tornaria “menos francês”, e também por não cantar a tão exaltada Marselhesa, o hino nacional.

Seus problemas também estiveram relacionados a relação com o técnico Raymond Domenech, que lhe deu a primeira chance nos Bleus em março de 2007. Em 2010, Benzema, na época se adaptando ao Real Madrid, sequer ficou na lista de 30 jogadores pré-convocados para a Copa do Mundo.

Um curto período antes, o atacante esteve envolvido em um escândalo sexual com uma prostituta menor de idade – importante frisar que a prostituição é legalizada na França, mas as prostitutas precisam ser maiores de idade. Além dele, Franck Ribéry também estava nesse imbróglio judicial – que resultou na absolvição da dupla.

Em menos de dez anos de serviços prestados à seleção, Benzema acumulou um histórico de polêmicas maior do que de boas atuações dentro de campo – 27 gols em 81 jogos, Olivier Giroud, por exemplo, já têm 28 tentos em 68 aparições.

Pontos positivos

Próximo desafio de DD será a Copa de 2018 | Foto: Guillaume Bigot

Sim, amigos, há pontos positivos na renovação de Deschamps. O principal deles, a meu ver, é a questão da recuperação do respeito internacional. Vamos lembrar que de 2008 a 2012, a seleção francesa emendou uma série de vexames, todos por causa de problemas extracampo que refletiram no desempenho coletivo, tendo como ápice a greve comandada por Nicolas Anelka, Patrice Evra e cia ltda. na Copa do Mundo de 2010, onde os Bleus foram eliminados na fase de grupos.

Desde que assumiu o comando da equipe, após a saída de Laurent Blanc depois da decepcionante participação na Eurocopa de 2012, DD tratou de afastar problemas alheios as quatro linhas. Não só Benzema não voltou mais depois da polêmica com Valbuena, mas Samir Nasri, outro menino-problema, foi descartado sumariamente pelo treinador. Evra só retornou depois de muito tempo e de uma enquadrada do comandante.

Essa nova linha de trabalho fez com que a França passasse sem sustos ou turbulências pela Copa do Mundo de 2014 e pela Euro de 2016. Claro que controlando os ânimos dos atletas, é hora de cobrar resposta do conjunto armado pelo treinador dentro de campo.

Mas, mais do que a disciplina imposta e o afastamento de crises extracampo, vale a indagação: suponhamos que Deschamps seja demitido agora, quem assumiria? Vamos sempre nos lembrar que o futebol de seleções é um tabu para grandes técnicos, já que o dia-a-dia dos clubes, as repetições, os treinamentos constantes com os mesmos atletas, são substituídos por encontros esporádicos e em épocas que lhe impossibilitam de tratar o time com a intensidade que possa entender necessário.

Quem toparia essa bucha?

Zinedine Zidane? Será mesmo que Zizou deixaria o futebol de clubes, e arriscaria seu status obtido dentro de campo comandando agora a seleção?

Arsène Wenger? Seria um prêmio a sua brilhante carreira na Inglaterra, mas, aos 68 anos, teria interesse em assumir a França?

E um estrangeiro? Duvido muito que a FFF possa fazer essa escolha.

A decisão de renovar com Deschamps, antes mesmo de saber o que acontecerá no Mundial, pode ser controversa, mas a federação não deixa de ter seus argumentos para fazer isso. O problema é o contexto diferente. DD pegou uma seleção em frangalhos, com a moral afundada nas catacumbas do Stade de France e com uma série de perguntas na cabeça. Hoje, com o surgimento de jogadores talentosíssimos e o status de favoritismo para 2018, na Rússia, fica o questionamento de suas capacidades para levar esse time a um lugar maior.

Anúncios

Le Podcast du Foot #67 | Rumo à Rússia (?)

Foto: Divulgação / FFF

Líder do Grupo A das Eliminatórias Europeias para a Copa do Mundo, a França está perto do Mundial da Rússia, em 2018. Só que os últimos dois jogos deixaram uma pontinha de dúvida na cabeça do torcedor: afinal, qual o real poder de fogo dos Bleus?

Diante de uma desesperada Holanda, que precisava do resultado para se manter viva na luta pela vaga na Copa, o selecionado francês, do técnico Didier Deschamps, se sobressaiu e goleou por 4 a 0, mas diante da inexpressiva seleção de Luxemburgo, fraquejou e empatou sem gols.

O cenário francês após essas duas partidas foi debatido na edição #67 de Le Podcast du Foot. Eduardo Madeira conduziu o programa, que contou com as participações de Filipe Papini, do blog C’Est Le Foot, e Renato Gomes, do Centrocampismo.

Clique no player abaixo e ouça o programa!

Elas por ela

Corinne Diacre assume a seleção feminina da França | Foto: Divulgação/Clermont

Corinne Diacre é uma legítima desbravadora na França. Zagueira de larga carreira no país, inclusive com mais de dez anos de serviços prestados a seleção nacional, ela decidiu ir além, enfrentou a resistência e os preconceitos machistas, tornou-se assistente, treinadora e assumiu o Clermont, time da segunda divisão, tornando-se a primeira mulher a treinar uma equipe masculina no país.

Curiosamente, Corinne assumiu a equipe da região de Auvergne em 2014, exatamente após o fracasso de uma negociação do clube com outra treinadora. A portuguesa Helena Costa chegou a ser apresentada como comandante do time, mas, subitamente, renunciou ao posto alegando problemas particulares – versão que não bateu com a do presidente Claude Michy e a empresária Sonia Souid, que intermediou a transferência.

A passagem pelo Clermont, que muitos consideravam apenas uma jogada de marketing, foi encerrada surpreendentemente nesta semana. Só que diferentemente do que aconteceu no caso de Helena, Corinne deixou o clube por uma ótima causa: após três anos, com 50 vitórias, 39 empates e 44 derrotas, ela foi contratada pela Federação Francesa de Futebol (FFF) e assumirá a seleção feminina.

Neste meio tempo, Corinne fez história no Clermont, não apenas por ter sido a primeira mulher a dar a cara a tapa na França e no machista mundo do futebol, mas por ter obtido reconhecimento na função. Logo na primeira temporada, em 2014/15, evitou o rebaixamento da equipe – o que era cotado desde o começo da competição – terminando em 12º, com 49 pontos. Na temporada seguinte, chegou a sonhar com o acesso, terminando em 7º lugar, a sete pontos da zona de classificação, isso tendo o menor orçamento entre os 20 times.

O resultado final disso tudo foi o reconhecimento vindo da conceituada revista France Football, que a escolheu como melhor técnico de 2015 na segunda divisão francesa.

Mais até do que os méritos táticos e técnicos, a grande revolução de Corinne foi internamente. Mesmo enfrentando preconceitos e até mesmo estranhezas, baseou sua rotina na confiança do grupo de atletas. Rígida com seus conceitos e formas de trabalho, conquistou o apreço do elenco e o respeito da comunidade futebolística, fazendo com que obtivesse know-how a ponto de assumir a seleção, com contrato de quatro anos.

No Clermont, Corinne conquistou a confiança dos atletas | Foto: Divulgação/Clermont

Desafio nas Bleues

Na seleção francesa, Corinne substituirá Olivier Echouafni, que não durou sequer um ano no comando da equipe. Após substituir Phillipe Bergeroo depois dos Jogos Olímpicos, não conseguiu bons resultados e as duras críticas depois da decepcionante campanha na Eurocopa pesaram para a mudança.

Na história, Corinne será apenas a segunda mulher a treinar as Bleues. Antes dela, Élisabeth Loisel ficou dez anos no posto e revolucionou o futebol feminino do país, classificando a seleção para a Copa do Mundo de 2003, primeira do time.

Já Corinne tem um Mundial em casa pela frente, em 2019. Como herança, desempenhos decepcionantes nos Jogos Olímpicos e na Eurocopa, onde as Bleues caíram em nas quartas-de-final nos dois torneios.

Tudo isso contrasta com o cenário dos clubes, onde a França chegou a ter dois times fazendo a final da Liga dos Campeões, com o Lyon vencendo o PSG nos pênaltis – OL, aliás, ganhou quatro das oito edições da competição. Além disso, das 18 jogadoras escolhidas para o time ideal da temporada 2016/17 do torneio, sete eram francesas.

Ou seja, apesar dos resultados ruins, Corinne Diacre não encontra terra arrasada. Longe disso, até. Com uma base formada por atletas do Lyon e do PSG, tem tudo para desempenhar ótimo papel e fazer com que a seleção tenha desempenho tão exitoso quanto dos clubes.

Estreia

Dois amistosos em setembro marcam a estreia de Corinne Diacre | Foto: Divulgação/Clermont

E a estreia de Corinne já será breve. Estão marcados dois amistosos para setembro: em Caen, enfrenta Chile, e em Calais pega a Espanha, nos dias 15 e 18, respectivamente.

Mais de Corinne Diacre

Para quem quiser conhecer mais do trabalho e da história da nova treinadora da seleção feminina da França, o colega de Le Podcast du Foot, Filipe Papini comentou sobre a trajetória da profissional em dezembro de 2015 no blog C’Est le Foot:

O passo adiante de Lacazette

Lacazette foi anunciado no Arsenal nesta quarta-feira (5) | Foto: Divulgação/Arsenal

Chegou a hora de Alexandre Lacazette. Após algumas temporadas tendo nome ventilado em algumas das principais equipes do futebol europeu, enfim apareceu o momento de deixar o Olympique Lyonnais e buscar voos maiores no Arsenal, disputando a badalada Premier League.

Vendido aos Gunners por € 53 milhões, o atacante formado no próprio Lyon sai do clube com diversas sensações. Individualmente, deixa a França com o status de quarto maior goleador da história do OL, com 129 tentos. Se continuasse onde está, fatalmente subiria mais no ranking, já que o terceiro e o quarto colocado, Serge Chiesa e Bernard Lacombe, respectivamente, estão com 134 e 149 gols.

Além disso, Lacazette se tornou o jogador do Lyon com mais gols em uma única temporada do Campeonato Francês. Primeiro, em 2014/15, bateu recorde histórico de André Guy, de 1968/69, com 25 gols, terminando o ano com 27 tentos. Na última edição do torneio nacional, Laca bateu o próprio recorde e marcou 28 vezes.

Em contrapartida, coletivamente, a sensação é de que deixa um clube que não foi capaz de estar em mesmo nível. Desde a temporada 2009/10 entre os profissionais, conquistou apenas a Copa da França de 2012 pelo OL. Pouco, muito pouco.

As razões para esse currículo pouco extenso em títulos são várias e passam muito pelos técnicos incapazes de fazer o time render mais e até mesmo da montagem dos elencos, quase sempre desequilibrados e pautados no que o clube produzia na base. Lacazette, entregando pelo menos 20 gols desde 2013/14, certamente é o menor dos culpados por não ter conquistado tantos títulos.

O Lyon agora fica para trás e ele terá um árduo desafio pela frente na Premier League. O Campeonato Francês vem fornecendo um terreno fértil para os clubes ingleses, mas Lacazette é um dos poucos que vai com status elevado nas últimas temporadas. Com a iminente saída de Alexis Sanchez, o francês chega para ser o grande nome do comando de ataque do time de Arsène Wenger, até mesmo pelo status de maior negociação da história do clube inglês.

Só que da mesma maneira em que ir para a Premier League é um novo desafio na carreira de Lacazette, essa transferência também é um risco assumido a menos de um ano para a Copa do Mundo. Com apenas 11 jogos na seleção principal, um passo em falso na Inglaterra pode enterrar qualquer chance de estar no time inicial de Didier Deschamps na Rússia.

E sempre gosto de lembrar: a posição mais aberta dos Bleus é o ataque. A sombra de Lacazette ronda a posição há muito tempo, só que, hoje, Olivier Giroud é o cara da função. O estilo bruto de jogo do Gunner e os poucos indícios de que pode ser um atacante realmente capaz de decidir jogos grandes, porém, mantém a função órfã do descartado Karim Benzema. Em meio a isso, surgiu Kyllian Mbappé, o prodígio que desponta como o futuro francês e que já dá amostras de que pode ser aproveitado agora.

Por outro lado, é claro, Lacazette pode acertar em cheio, ter uma temporada de ouro e, enfim, se tornar um nome de peso na seleção. Basta lembrar o caso de Dimitri Payet, que trocou o Marseille pelo West Ham na temporada que culminaria com a Eurocopa. Explodiu na Inglaterra, teve temporada de destaque nos Hammers e chegou ao torneio europeu com status de peça-chave do time. Por que não pode acontecer o mesmo com o novo reforço do Arsenal?

Kimpembe, Mendy, Mbappé… A necessária renovação de Deschamps

A França vice-campeã europeia em 2016 tinha no elenco oito jogadores com pelo menos 30 anos e somente quatro sub-23. Para um país que vem produzindo tantos bons atletas nos últimos anos, o recado para o futuro era claro: uma renovação era necessária para a Copa de 2018, na Rússia. Não pelos resultados recentes (além do vice europeu, o desempenho na Copa do Mundo de 2014 foi satisfatório), mas pela visão de inclusão entre os experientes ainda em forma com os jovens expoentes do país.

O técnico Didier Deschamps percebeu esta necessidade e começou a incluir os garotos na seleção. Na última convocação, para enfrentar Luxemburgo, pelas Eliminatórias Europeias, e Espanha, em amistoso, o número de ‘trintões’ caiu para cinco e de sub-23 subiu para oito. Medida mais do que acertada, tendo em vista que o jogo oficial é contra uma equipe inferior tecnicamente e o amistoso será um bom teste contra uma campeã mundial.

Mas voltando ao foco da convocação, entre os nomes que mais chamam a atenção está o de Kylian Mbappé. O atacante de apenas 18 anos vem se destacando no Monaco e foi chamado pela primeira vez por DD.

Mbappé conquistou o Campeonato Europeu Sub-19 em 2016 | Foto: Sportsfile

Mais do que os 12 gols marcados na Ligue 1, número bastante expressivo para um jogador de tal idade e que divide atenções com Radamel Falcao, Mbappé chega para disputar um espaço que se viu polarizado por Olivier Giroud e Karim Benzema por, pelo menos, cinco temporadas. Com a instabilidade do Gunner e a ausência do Merengue por toda aquela polêmica do caso com Mathieu Valbuena, encontrar uma opção era necessário e trabalhar com o monegasco desde cedo é uma bela cartada de Deschamps.

O Monaco, aliás, é o time que mais forneceu jogadores para a seleção ao lado do Paris Saint-Germain: ambos cederam cinco atletas. Do clube do Principado, porém, vieram cinco abaixo dos 25 anos.

Entre eles está Benjamin Mendy, de 22. Frequentador das seleções de base da França desde o sub-16, foi tratado como uma grande joia na reconhecida base do Le Havre (Vikash Dhorasoo, Steve Mandanda e Paul Pogba são alguns dos que foram formados ali) e evoluiu muito no Monaco, após frustrante passagem pelo Marseille. Hoje, Mendy é um dos líderes em interceptação e em assistências do time, além de ter a melhor média de cruzamentos certos.

Em uma posição que passou praticamente uma década dominada por Patrice Evra, que teve como sombra um burocrático Gaël Clichy, a boa nova é ver Mendy em ótimo nível. Ah, lembremos que essa função também está servida pelos ótimos Laywin Kurzawa e Lucas Digne (apenas o primeiro foi convocado).

A zaga do futuro?

Kimpembe já está na segunda convocação | Foto: Sky Sports

Para compor a defesa, a grande novidade foi Presnel Kimpembe, de 21 anos. Formado no PSG, o franco-congolês esteve próximo de defender a seleção da República Democrática do Congo. Chegou a jogar pela equipe sub-20 e chamado para a principal, mas recusou para defender os Bleus sub-20. É sua segunda convocação, mas ainda não jogou.

Apesar de disputar posição com os brasileiros Marquinhos e Thiago Silva, o garoto já é o terceiro do time em interceptações (atrás do próprio Thiago e Kurzawa) e é o atleta com maior porcentagem de passes certos do PSG, com 93,8%.

Kimpembe é a grande aposta para formar dupla no futuro com outro garoto, que já é realidade: Sammy Umtiti. A exemplo do parisiense, o defensor de apenas 23 anos se mostra em casa no Barcelona e vem mostrando as razões de ser um dos zagueiros mais promissores do planeta. Em meio a tantas estrelas, é o jogador com maior porcentagem de passes certos (93,3%), segunda maior média de vitórias em disputas aéreas e o terceiro em intercepções e chutes bloqueados.

A tendência inicial é DD apostar em Umtiti ao lado do experiente Laurent Koscielny, de 31 anos, mas nada impede de já tentar ver o que ele pode render com Kimpembe. Podemos esperar uma dupla de muita técnica e com ótima capacidade de recuperação.

Injustiça com Lacazette

Artilheiro do Lyon, Lacazette foi colocado de lado por Giroud e Gameiro | Foto: Divulgação

A convocação de Deschamps, entretanto, não foi 100% maravilhosa. No ataque, é inconcebível que ele tenha deixado de fora Alexandre Lacazette, do Lyon, para optar por Olivier Giroud, do Arsenal, e Kevin Gameiro, do Atlético de Madrid. Qualquer um dos dois poderia ter sido sacado para a convocação do artilheiro do OL.

Em 2.757 minutos jogados em toda a temporada, Lacazette marcou impressionantes 29 gols, o que lhe dá uma média de um gol a casa 95 minutos (a cada um jogo e cinco minutos). Seus concorrentes não possuem números sequer semelhantes.

Giroud é o que mais se aproxima. O Gunner marcou 12 gols divididos em 1.247 minutos, tendo média de um a cada 103 minutos (um jogo e 13 minutos). Com Gameiro, fica até injusto comparar. O Colchonero tem 14 tentos em 2.065 minutos, praticamente um gol a cada dois jogos.

Somente no ano de 2017, Lacazette marcou 14 gols. Isso mesmo! Só nesses quase três meses de ano, ele tem mais gols que Giroud e igualou os números de Gameiro em toda a temporada. Se há alguém pronto para assumir o protagonismo no ataque francês, certamente este alguém é Lacazette.

Pílulas da convocação

– Ao todo, sete convocados não estrearam pela seleção francesa. Alguns, como o citado caso de Kimpembe e Alphonse Areola, já foram até convocados, mas não entraram em campo;

– Reconheço que a temporada de Areola não é nada boa, mas levando em conta que a função de terceiro goleiro de seleção é praticamente figurativa, considerei interessante a escolha, até por ele ter potencial. Viver o ambiente de seleção com Hugo Lloris e também com Benoît Costil será de boa valia ao parisiense;

Impossível não gostar das opções de meio-campo da França. Dos mais conhecidos, como o vigoroso Blaise Matuidi e do talentoso Dimitri Payet, a jovens de muito talento, como Adrien Rabiot e Thomas Lemar, ambos de 21 anos. Somente as opções de meio-campo valeriam outro post;

– Sobre os jogos, o primeiro, contra Luxemburgo, é praticamente uma vitória protocolar sobre um adversário que acumulou apenas um ponto. Com Bulgária e Holanda se enfrentando, os três pontos se tornam fundamentais visando já a próxima rodada, em junho, contra a Suécia. Será o confronto direto que vai delinear os rumos do Grupo A;

– Já o amistoso diante da Espanha se caracteriza num bom teste para o jovem time francês. O jogo ganha um atrativo a mais pelo fato de a Fúria também passar por um processo de renovação. As duas seleções poderão provar seus poderes de fogo nesse confronto;

Os convocados:

Goleiro: Alphonse Areola (PSG), Hugo Lloris (Tottenham) e Benoît Costil (Rennes)

Laterais: Christophe Jallet (Lyon), Djibril Sidibé (Lille), Layvin Kurzawa (PSG) e Benjamin Mendy (Monaco)

Zagueiros: Presnel Kimpembe (PSG), Laurent Koscielny (Arsenal), Adil Rami (Sevilla) e Samuel Umtiti (Barcelona)

Meio-campistas: Tiemoue Bakayoko (Monaco), N’Golo Kanté (Chelsea), Thomas Lemar (Monaco), Blaise Matuidi (PSG), Adrien Rabiot (PSG) e Corentin Tolisso (Lyon)

Atacantes: Ousmane Dembele (Borussia Dortmund), Kevin Gameiro (Atlético de Madrid), Olivier Giroud (Arsenal), Antoine Griezmann (Atlético de Madrid), Kylian Mbappé (Monaco), Dimitri Payet (Marseille) e Florian Thauvin (Marseille)

Le Podcast du Foot #58 – O vice da França

aurelien durand

Foto: Aurélien Durand/FFF – Matuidi é consolado após derrota na final

O esperado terceiro título europeu não veio e a França precisou se contentar com o vice da Uefa Euro 2016. Mesmo jogando diante de seu torcedor, os Bleus pararam na seleção portuguesa, que pela primeira vez na história ergueu o principal troféu do continente europeu.

A França, comandada por Didier Deschamps, teve como grande pilar Antoine Griezmann. Artilheiro do torneio com seis gols, o atacante do Atlético de Madrid ainda foi eleito o principal jogador da competição. Além disso, os Bleus tiveram campanha praticamente impecável. Foram cinco vitórias e dois empates – contabilizando o empate da decisão, já que a partida foi definida na prorrogação.

Entretanto, estes fatores não impediram a seleção das críticas. Desempenho ruim, decisões contestáveis de Deschamps e atuações decepcionantes de Paul Pogba foram alguns dos temas que geraram questionamentos durante a competição.

Enfim, a Euro deixou perguntas e respostas no ar e Le Podcast du Foot, em sua edição #58, debate muitas delas. O programa teve apresentação de Eduardo Madeira e comentários de Filipe Papini e Renato Gomes, além de um drop de Bruno Pessa.

Clique no player e ouça o programa!

Sem título

Le Podcast du Foot #57 – Prévia da Uefa Euro 2016

160605040818_23

Foto: Guillaume Bigot

Está chegando o grande dia! Na sexta-feira, dia 10, a bola rola para a abertura da Uefa Euro 2016, realizada na França.

Le Podcast du Foot, é claro, não fica fora da festa. A edição #57 do primeiro e único podcast dedicado ao futebol na terra da Torre Eiffel projetou a participação francesa no torneio. Considerados um dos favoritos ao título, os Bleus terão como oponentes, na primeira fase, Albânia, Suíça e Romênia, adversária da estreia, na sexta, às 16h, no Stade de France.

O programa foi apresentado por Eduardo Madeira e teve os comentários de Flávio Botelho, Renato Gomes, Filipe Papini (do blog C’est Le Foot) e Bruno Pessa (do blog Planeta Bola). E além da projeção para o desempenho francês, nossa equipe tratou de outras questões envolvendo o torneio, como a ausência de Benzema, a possibilidade de ataques terroristas e também as greves que vão acontecendo na França.

Clique na imagem abaixo e ouça o programa!

Capturar