As maiores transferências da história da Ligue 1 – antes dos times milionários

A cada abertura de janela de transferências, há um frisson na Europa sobre qual será a grande investida do Paris Saint-Germain. Fortemente abastecido financeiramente pela Qatar Sports Investiments, o clube da capital francesa já foi capaz de realizar ousadas contratações como as de Edinson Cavani (€ 64 milhões), Ángel Dí Maria (€ 63 milhões) e David Luiz (€ 50 milhões), todos frutos desta ambição parisiense.

Dá para englobar nessa lista ainda o Monaco, do bilionário russo Dmitri Rybolovlev, que investiu € 60 milhões em Falcao García e € 45 milhões em James Rodríguez. Claro, ressalte-se, que ele diminuiu drasticamente os investimentos após algumas polêmicas pessoais.

Mas muitos ainda se perguntam: afinal, antes das injeções de dinheiro em Paris e em Monaco, quais eram as maiores negociações da história do Campeonato Francês? Para sanar essa dúvida, decidi trazer hoje o levantamento das cinco maiores transferências do Francesão… antes dos investimentos milionários de PSG e Monaco. Os dados foram todos extraídos do site Transfermarkt. Confira!

5º – Sonny Anderson – Lyon – € 19 milhões

Sonny Anderson se notabilizou como um dos brasileiros mais bem sucedidos do futebol francês | Foto: Divulgação

Sonny Anderson se notabilizou como um dos brasileiros mais bem sucedidos do futebol francês | Foto: Divulgação

Sem larga carreira no Brasil, Sonny Anderson teve bom desempenho no exterior, especialmente na França. Nos anos 90, fez boas temporadas em Marseille e Monaco, antes de passar dois anos no Barcelona. O nome que construiu em terras gaulesas fez com que o Lyon, já iniciando a era hegemônica do começo da última década, investisse € 19 milhões no brasileiro em 1999/2000. O investimento não se mostrou ruim e Anderson balançou as redes 94 vezes em 165 partidas e ainda participou dos dois primeiros títulos franceses da série de sete do clube. Deixou a equipe em 2003, aos 33 anos, para jogar pelo Villarreal.

No ranking geral, Sonny Anderson é o 24º.

4º – Shabani Nonda – Monaco – € 20 milhões

Nonda fechou a conta no histórico 3x1 sobre o Chelsea | Foto: Panoramic

Nonda fechou a conta no histórico 3×1 sobre o Chelsea | Foto: Panoramic

Depois de duas belas temporadas no Rennes, o congolês Shabani Nonda foi contratado pelo Monaco por € 20 milhões na temporada 2000/2001. Na época, ele veio para suprir a ausência de David Trezeguet, vendido para a Juventus naquele mesmo ano. O ápice do atacante foi em 2002/2003, ano em que o clube do Principado foi vice-campeão europeu. Nonda fez 28 gols em 40 jogos na temporada, inclusive o terceiro na vitória por 3×1 sobre o Chelsea, que colocou o ASM na final da Liga dos Campeões. Deixou o clube ao término da temporada 2004/2005, quando encerrou o contrato, com a sensação de que cumpriu bem o seu papel.

Shabani Nonda é o 23º no nosso ranking.

3º – Yoann Gourcuff – Lyon – € 22 milhões

Gourcuff não venceu as lesões e fracassou no Lyon | Foto: IconSport

Gourcuff não venceu as lesões e fracassou no Lyon | Foto: IconSport

Yoann Gourcuff era um dos pilares do Bordeaux campeão francês de Laurent Blanc, razão que fez com que o Lyon investisse € 22 milhões em sua contratação na temporada 2010/2011. Entre altos e baixos, a vinda do talentoso meia se mostrou um completo fracasso. Tentando vencer as lesões, Gourcuff não conseguiu entrar em campo 30 vezes em três das cinco temporadas no Gerland. Em 30 de junho de 2015, o contrato venceu e o Lyon não renovou.

No nosso ranking, Gourcuff está em 19º lugar.

2º – Lisandro López – Lyon – € 24 milhões

Bons números e a interminável disposição em campo fizeram com que Lisandro conquistasse a torcida do Lyon | Foto: Flash Press

Bons números e a interminável disposição em campo fizeram com que Lisandro conquistasse a torcida do Lyon | Foto: Flash Press

Jogador do ano em Portugal em 2008, onde também foi artilheiro do campeonato nacional com 24 gols, o argentino Lisandro López parou em Lyon por € 24 milhões em 2009. Maior contratação da história do Olympique Lyonnais, Licha, como passou a ser carinhosamente chamado pela torcida, fez valer todo o investimento – diferentemente de Gourcuff. Durante cinco temporadas (quatro completas), fez 82 gols em 168 jogos, sendo o 10º maior artilheiro da história do clube. Deixou o OL na temporada 2013/2014 ovacionado pelo torcedor, que reconheceu o ídolo que foi formado.

No ranking geral, Lisandro está em 18º.

1º – Nicolas Anelka – PSG – € 34,5 milhões

A contratação de Anelka foi um dos atos megalomaníacos de grandeza do PSG antes de se tornar milionário | Foto: Divulgação

A contratação de Anelka foi um dos atos megalomaníacos de grandeza do PSG antes de se tornar milionário | Foto: Divulgação

Revelado pelo Paris Saint-Germain em 1996, Nicolas Anelka retornou a capital francesa quatro anos depois em uma transferência que assombrou a Europa. Com o investimento € 34,5 milhões, o PSG firmou com o atacante, que estava no Real Madrid, um contrato de sete anos em um negócio recorde para o ano 2000. O retorno se mostrou um grande problema. Com dificuldades de relacionamento, Anelka durou somente duas temporadas no clube, com 20 gols em 66 jogos. Em 2002/2003, foi negociado com o Manchester City, por € 20 milhões.

No ranking geral, a negociação envolvendo Anelka e PSG ocupa a 10ª colocação no ranking geral do Campeonato Francês.

Quem completa o top-10?

Jogador Clube Valor Temporada
Lucho Gonzalez Marseille € 19 milhões 2009/2010
Michel Bastos Lyon € 18 milhões 2009/2010
Kader Keita Lyon € 16,8 milhões 2007/2008
Aly Cissokho Lyon € 16,2 milhões 2009/2010
André-Pierre Gignac Marseille € 16 milhões 2010/2011


E na lista geral?

Jogadores Clubes Valores Temporada
Edinson Cavani PSG € 64,5 milhões 2013/2014
Ángel Dí Maria PSG € 63 milhões 2015/2016
David Luiz PSG € 49,5 milhões 2014/2015
James Rodríguez Monaco € 45 milhões 2013/2014
Falcao Monaco € 43 milhões 2013/2014
Thiago Silva PSG € 42 milhões 2012/2013
Javier Pastore PSG € 42 milhões 2011/2012
Julian Draxler PSG € 40 milhões 2016/2017
Lucas PSG € 40 milhões 2012/2013
Nicolas Anelka PSG € 34,5 milhões 2000/2001

Top-5 vendas:

Jogador Clubes envolvidos Valores
James Rodríguez do Monaco para o Real Madrid € 75 milhões
Anthony Martial do Monaco para o Manchester United € 50 milhões
Michy Batshuayi do Marseille para o Chelsea € 39 milhões
Didier Drogba do Marseille para o Chelsea € 38,5 milhões
Michael Essien do Lyon para o Chelsea € 38 milhões

O inferno de Mamadou Sakho

Sakho está fora dos planos de Jürgen Klopp, no Liverpool | Foto: Getty Images

Sakho está fora dos planos de Jürgen Klopp, no Liverpool | Foto: Getty Images

Mamadou Sakho é o típico zagueiro francês: alto, de ombros largos, forte fisicamente e parece ter duas vezes o tamanho que realmente tem. Na França, em qualquer esquina é possível encontrar defensores assim e todo time deve ter um ou dois no elenco.

Entretanto, diferente de muitos outros, Sakho nasceu para o futebol em algo semelhante a um berço de ouro. Formado no Paris Saint-Germain, na época em que o clube não era milionário, o zagueiro era tido como a grande esperança do futuro de uma equipe que era grande só no papel. Ainda longe dos xeiques e das cifras hipnotizantes, os parisienses sonhavam alto e tinham no zagueiro uma grande referência para crescer.

Lapidado desde os 12 anos de idade em Camp des Loges, o defensor cresceu rápido, inclusive sendo titular do PSG campeão nacional sub-18… quando tinha apenas 15 anos. Dois anos depois, já estava entre os profissionais do clube. Em pouco tempo, Sakho foi de promessa a capitão do time e foi um dos que ganhou respeito da torcida parisiense por conseguir transitar da “era pobre” pro momento milionário da equipe.

Ótimo no jogo físico e de boa qualidade técnica para um defensor do biótipo que tem, ele sempre se saiu bem em Paris. Salvo um ou outro equívoco, coisa natural para um jovem, Sakho fez valer todo o cuidado e dedicação que recebeu na base do clube.

Deixou o PSG em 2013 com o título de campeão francês, o ápice que teve pelo clube. Além disso, acumulou conquistas individuais, como Jogador Jovem do ano da União Nacional dos Futebolistas Profissionais (UNFP em francês) em 2011, mesma temporada em que entrou na seleção do campeonato.

Formado em Paris, Sakho foi capitão do PSG durante algumas temporadas | Foto: Divulgação/PSG

Formado em Paris, Sakho foi capitão do PSG durante algumas temporadas | Foto: Divulgação/PSG

Hoje, com 26 anos (fará 27 em fevereiro) e na quarta temporada na Inglaterra, Sakho se vê em cenário totalmente oposto. Longe de Paris, o zagueiro vive um inferno que parece não ter fim em Liverpool, culminando com uma temporada 2016/2017 desastrosa, onde somente entrou em campo pelo time sub-23 dos Reds.

O que agrava a situação do francês é que o problema principal passa longe de estar somente dentro das quatro linhas. Dentro de campo, aliás, acumula boas atuações – apesar de deixar a impressão de que poderia render mais. Ao longo da passagem pelo futebol inglês, entretanto, Sakho possui uma série de episódios controversos, que foram minando-o dentro do próprio clube.

Em 2014, por exemplo, ao saber que ficaria de fora do clássico contra o Everton, simplesmente abandonou o estádio. O episódio foi contornado após um pedido de desculpas. Dois anos depois, teve a suspeita de doping no mês de abril, que fez com que a Uefa o investigasse. O Liverpool optou por afasta-lo durante a investigação. Ele chegou a ser suspenso, mas foi absolvido em julho. Neste meio tempo, perdeu tempo, espaço e ficou fora da Eurocopa, que seria disputada na própria França.

O estopim, entretanto, foi durante a pré-temporada. O atraso no voo para os Estados Unidos, onde o Liverpool se preparava para a temporada, e também para sessões de tratamento médico e refeição desagradaram ao técnico alemão Jürgen Klopp, que o mandou embora da terra do Tio Sam e o afastou para o time sub-23, situação que se mantém até este momento.

A irresponsabilidade na pré-temporada esfriou a relação entre Klopp e Sakho | Foto: Getty Images

A irresponsabilidade na pré-temporada esfriou a relação entre Klopp e Sakho | Foto: Getty Images

Longe da seleção francesa desde março de 2016, Sakho não jogou pelo time principal nesta temporada. A última aparição pelos Reds foi em 20 de abril de 2016, na goleada por 4×0 sobre o Everton, onde foi bastante elogiado pela marcação em cima do belga Romelu Lukaku. Cabe acrescentar que o declínio do francês teve início em um de seus principais momentos no clube, se não o melhor. O zagueiro era titular de Klopp, vinha de boas atuações e com gols decisivos, como na classificação para a semifinal da Europa League, na vitória por 4×3 sobre o Borussia Dortmund.

Porém, o episódio do doping – depois comprovado que era inocente – o deslocou totalmente do cenário do clube. Perdeu espaço e prestígio e não mostrou responsabilidade para recuperar dentro da pré-temporada.

Somado a tudo isso, o histórico de lesões é preocupante e contribuiu para que não conseguisse ter uma grande sequência. Desde que chegou ao Liverpool foram sete problemas, conforme o site Transfermarkt:

– Temporada 13/14: estiramento na coxa – 59 dias;

– Temporada 14/15: estiramento na coxa – 77 dias;

– Temporada 14/15: lesão no quadril – 14 dias;

– Temporada 14/15: estiramento na coxa – 46 dias;

– Temporada 15/16: ruptura dos ligamentos do joelho – 38 dias;

– Temporada 15/16: lesão no joelho – 7 dias;

– Temporada 16/17: problemas no tendão de Aquiles – 42 dias;

Somente por lesão, Sakho perdeu 52 partidas do Liverpool, quase a mesma quantidade de jogos que teve na Premier League: 56. Números estarrecedores que aumentam a sensação de inferno que vive em Liverpool.

O francês agora tem jogado pelo time sub-23 do Liverpool | Foto: Getty Images

O francês agora tem jogado pelo time sub-23 do Liverpool | Foto: Getty Images

O fato é que os Reds querem se livrar de Sakho de qualquer maneira. O problema é que o zagueiro renovou contrato em 2015 e agora tem vínculo até junho de 2020, o que faz com que o Liverpool queira ao menos £20 milhões para deixa-lo sair. Sevilla, Galatasaray e Swansea City surgiram como interessados. Até o fechamento da janela, muita coisa vai rolar.

Sem confiança, sem moral dentro do clube e sem condição física ideal, Sakho, em uma idade onde poderia estar atingindo o auge de uma carreira que iniciou de forma meteórica, hoje se vê no ocaso dela, buscando um clube para jogar e, enfim, voltar a velha forma.

Angers e Nice saem perdendo com a CAN 2017

Jean Seri será um dos desfalques na Ligue 1 | Foto: Divulgaçãoi/Instagram @mika_seri6

Jean Seri será um dos desfalques na Ligue 1 | Foto: Divulgaçãoi/Instagram @mika_seri6

A cada dois anos acontece o torneio mais importante entre seleções do continente africano: a Copa Africana de Nações – CAN. A edição de 2017 acontece no Gabão, de 14 de janeiro a 5 de fevereiro, reunindo 16 equipes.

Porém, a tradicional festa das torcidas africanas observada nas arquibancadas se contrasta com o desespero dos clubes europeus, que em plena metade de temporada precisam ver alguns de seus principais atletas perderem semanas de jogos importantes nas ligas nacionais para disputar a CAN.

A França é um dos países mais afetados por isso. Muitos países africanos são colônias francesas, por isso, diversos atletas encontram no país gaulês refúgio para conflitos sociais e também uma maneira de desenvolver o próprio futebol.

Nesta edição, são 34 jogadores apenas da Ligue 1 desfalcando 18 dos 20 times – somente Bordeaux e Nantes não perderam atletas. O Lille acabou sendo a equipe que mais perdeu jogadores. Como se não bastasse a campanha ruim, marcada por um decepcionante 12º lugar, a equipe do norte da França perdeu cinco atletas para a disputa da CAN. Somente Mali e Marrocos tomaram quatro do LOSC.

A seleção malinesa, comandada pelo ex-jogador francês Alain Giresse, tirou do Lille os jovens Youssouf Koné (zagueiro) e Yves Bissouma (meio-campista). Dos dois, apenas o meio-campista tem minutos na Ligue 1, tendo participado de nove jogos na temporada. Não chega a ser titular, mas joga com frequência.

Já na seleção marroquina de Hervé Renard, que já treinou o Lille, estão convocados o meia Mounir Obbadi e o defensor Hamza Mendyl. Ambos não devem fazer falta. O primeiro, aos 33 anos, não obteve espaço desde que chegou do Monaco e sofreu com lesões nesta temporada, tendo jogado pouco, enquanto o segundo, garoto de apenas 19 anos, sequer entrou em campo na Ligue 1.

Porém, é o tunisiano Naïm Sliti quem fará falta. Titular na reta final do primeiro turno, o meia é o jogador com segunda melhor média de dribles da equipe e o site WhoScored, especialista em estatísticas, o coloca com a segunda melhor média geral do LOSC.

Arte: Europa Football

Arte: Europa Football

O alento para o Lille é que dos cinco jogadores, quatro não são vitais a equipe. O mesmo não pode ser dito para o Angers, que lutando contra o rebaixamento perde quatro titulares de uma levada só, sendo um dos mais prejudicados com a CAN 2017.

Ekambi defenderá Camarões; Ndoye e Diedhiou estarão com Senegal; já Pepé estará com a seleção costa-marfinense. Deste quarteto estão simplesmente 12 dos 15 gols do Angers na Ligue 1. Será um árduo desafio para Stéphane Moulin, que viu sua equipe vencer um e perder seis dos últimos dez jogos.

Líder desfalcado

O outro grande derrotado é o líder da Ligue 1. O surpreendente Nice de Lucien Favre perdeu uma peça fundamental no meio-campo: Jean Michaël Seri, que defenderá Costa do Marfim na CAN 2017 – aliás, Costa do Marfim e Senegal, com seis cada, são as seleções que mais convocaram atletas do Campeonato Francês.

Seri foi um dos achados do Nice na temporada passada ao ser contratado junto ao Paços de Ferreira, em Portugal, e agora se firmou como um dos grandes nomes do time. Ele é o líder em assistências na Ligue 1 – oito ao todo.

Arte: Europa Football

Arte: Europa Football

Além do impressionante número de passes para gol, Seri tem um elevado aproveitamento de 89,1% de passes certos. Segundo o site Squawka, o costa-marfinense errou 98 passes na Ligue 1, média de 6,1. Em passes certos, porém, esse número sobe para 984, média de 61,5 por partida. O detalhe é que não são passes inertes. Confira abaixo o gráfico da Squawka que comprova bem a eficácia deles:

Arte: Squawka

Arte: Squawka

Os números positivos de Seri são refletidos nos dados de chances criadas após passes dele. Conforme a Squawka, 38 chances de gol saíram depois de seus passes, sendo que em oito saíram gols. Prejuízo grande para o técnico Lucien Favre, que poderia ser ainda maior caso Younes Belhanda não tivesse ficado de fora da lista de Herve Renard, na seleção marroquina. Uma lesão tirou o jogador da competição.

Confira a seguir todos os jogadores da Ligue 1 que foram convocados e seus números:

Angers

Jogador Seleção JG G A
Karl Toko Ekambi Camarões 18 2 3
Cheikh Ndoye Senegal 18 2 3
Famara Diedhiou Senegal 18 6 2
Nicolas Pepé Costa do Marfim 18 2 1

Bastia

Jogador Seleção JG G A
Lassana Coulibaly Mali 16 0 2

Caen

Jogador Seleção JG G A
Syan Ben Youssef Tunísia 6 0 0

Dijon

Jogador Seleção JG G A
Fouad Chafik Marrocos 16 0 0
Mehdi Abeid Argélia 15 2 1

Guingamp

Jogador Seleção JG G A
Jordan Ikoko RD Congo 17 0 1

Lille

Jogador Seleção JG G A
Naïm Sliti Tunísia 10 1 1
Hamza Mendyl Marrocos 0 0 0
Mounir Obbadi Marrocos 5 0 0
Youssouf Koné Mali 0 0 0
Yves Bissouma Mali 9 0 0

Lorient

Jogador Seleção JG G A
Benjamin Moukandjo Camarões 15 7 0
Zargo Touré Senegal 16 1 0

Lyon

Jogador Seleção JG G A
Nicolas N’Koulou Camarões 7 0 0
Rachid Ghezzal Argélia 14 2 2

Marseille

Jogador Seleção JG G A
Clinton N’Jie Camarões 13 3 1

Metz

Jogador Seleção JG G A
Georges Mandjeck Camarões 17 2 6
Ismaïla Sarr Senegal 18 0 0
Cheick Doukouré Costa do Marfim 14 0 0

Monaco

Jogador Seleção JG G A
Nabil Dirar Marrocos 7 0 1
Adama Traoré Mali 5 2 0

Montpellier

Jogador Seleção JG G A
Yacouba Sylla Mali 9 1 0

Nancy

Jogador Seleção JG G A
Serge N’Guessan Costa do Marfim 7 0 0
Yousseff Ait-Bennasser Marrocos 15 3 1

Nice

Jogador Seleção JG G A
Jean Serri Costa do Marfim 17 2 8

PSG

Jogador Seleção JG G A
Serge Aurier Costa do Marfim 11 0 3

Rennes

Jogador Seleção JG G A
Giovanni Sio Costa do Marfim 18 5 0
Ramy Bensebaini Argélia 12 0 0

Saint-Étienne

Jogador Seleção JG G A
Henri Saivet Senegal 11 1 1
Cheikh M’Bengue Senegal 12 0 0

Toulouse

Jogador Seleção JG G A
Steeve Yago Burkina Faso 16 0 0

Le Podcast du Foot #56 – A lista dos Bleus

AFP

Foto: AFP

A França começa a respirar os ares da Uefa Euro 2016. Com o término da Ligue 1 e da maioria das temporadas do continente, resta aguardar a bola rolar no dia 10 de junho. Em meio a isso, surgem as convocações. Didier Deschamps, técnico dos Bleus, divulgou a sua lista de 23 atletas, com as já esperadas ausências de Mathieu Valbuena e Karim Benzema – assunto debatido no podcast.

A convocação de DD foi tema da edição #56 de Le Podcast du Foot. O programa teve apresentação de Eduardo Madeira e comentários de Flávio Botelho. Além disso, tivemos as rápidas incursões de Bruno Pessa, Filipe Papini e Vinícius Ramos, que também deram seus pitacos sobre a lista.

Vale citar que foram convocados:

Goleiros: Costil (Rennes), Mandanda (Marseille), Lloris (Tottenham) e Areola (Villarreal)

Laterais: Sagna (Manchester City), Jallet (Lyon), Digne (Roma), Evra (Juventus) e Sidibé (Lille)

Zagueiros: Koscielny (Arsenal), Mangala (Manchester City), Mathieu (Barcelona), Varane (Real Madrid) e Umtiti (Lyon)

Meio-campistas: Cabaye (Crystal Palace), Lass Diarra (Marseille), Kanté (Leicester City), Matuidi (PSG), Pogba (Juventus), Sissoko (Newcastle), Rabiot (PSG) e Schneiderlin (Manchester United)

Atacantes: Coman (Bayern), Gignac (Tigres), Giroud (Arsenal), Griezmann (Atlético de Madrid), Martial (Manchester United), Payet (West Ham), Ben Arfa (Nice), Gameiro (Sevilla) e Lacazette (Lyon)

*Jogadores suplentes

Em cima dessa lista, saíram as análises do podcast. Clique na imagem abaixo e ouça!

Sem título

Le Podcast du Foot #55 – A temporada do Marseille

l1-20160318234337-6447

Foto: Icon Sport

Tradicional equipe do futebol francês, o Olympique de Marseille vem tendo temporada para ser esquecida. Distante de qualquer luta por vagas em ligas europeias e afundado em uma crise interna sem precedentes, o OM não sabe até onde pode parar.

Este tema foi pauta da edição #55 de Le Podcast du Foot. Eduardo Madeira, Renato Gomes e Vinícius Ramos se reuniram e debateram o tema nos microfones do podcast.

Clique abaixo e ouça no MixCloud:

Capturar

Mais do futebol francês:

*Conheça nossa página de debates no Facebook:
*Acesse o blog C’Est Le Foot, de Filipe Papini:*Acesse o blog C’Est Le Foot, de Filipe Papini:
*Saiba mais do PSG no blog Ici C’Est Paris, de Vinícius Ramos:
*Fique atualizado sobre o Lyon no Brasil Lyonnais, de Filipe Papini:
*Confira as novidades do Rennes, com Eduardo Ramos:
*Conheça o Planeta Bola, de Bruno Pessa, um dos idealizadores do podcast:

Le Podcast du Foot #54 – Os reflexos da soberania do PSG na Ligue 1

56990

Foto: PSG/Site Oficial

Só uma hecatombe tira o título da temporada 2015/2016 do Campeonato Francês das mãos do Paris Saint-Germain. Invicto, o PSG já tem mais de 20 pontos de vantagem para o segundo colocado, Monaco, e caminha a passos gigantescos para o tetracampeonato. Melhor campanha em casa, melhor campanha fora, melhor ataque, defesa menos vazada, time mais disciplina… O desempenho parisiense é irrepreensível.

Mas em meio a este desempenho, surge o questionamento: Quais os reflexos para a Ligue 1?

Em meio a esta discussão, que coloca em xeque a competitividade do campeonato, Eduardo Madeira, Filipe Papini e Vinícius Ramos debateram este assunto na edição #54 de Le Podcast du Foot. Clique no player abaixo e ouça diretamente no MixCloud:

Capturar

Mais do futebol francês:

*Conheça nossa página de debates no Facebook:
*Acesse o blog C’Est Le Foot, de Filipe Papini:*Acesse o blog C’Est Le Foot, de Filipe Papini:
*Saiba mais do PSG no blog Ici C’Est Paris, de Vinícius Ramos:
*Fique atualizado sobre o Lyon no Brasil Lyonnais, de Filipe Papini:
*Confira as novidades do Rennes, com Eduardo Ramos:
*Conheça o Planeta Bola, de Bruno Pessa, um dos idealizadores do podcast:

Le Podcast du Foot #53 – O caso Benzema

3A8FF00ADF90398D123EEF028F2DAAB4

Foto: AFP

Le Podcast du Foot voltou! Depois de um período sabático, o primeiro, o único, o melhor e o inigualável programa de áudio voltado ao futebol francês retorna.

 

Neste período de pausa, muitas conversações sobre como poderíamos voltar em grande estilo. Então, decidimos retornar com um formato diferente. Ao invés de trazermos programas semanais, que por vezes pareciam mecânicos e pouco duradouros, decidimos pegar temas em destaque no futebol francês. Os assuntos serão destacados, comentados e amplamente analisados por toda nossa equipe.

Para começar bem esta nova fase do podcast, escolhemos o tema que agitou os bastidores da seleção francesa: a suspensão de Karim Benzema no caso de chantagem com Mathieu Valbuena. Eduardo Madeira, Filipe Papini e o estreante Renato Gomes analisaram toda polêmica.

Clique na imagem abaixo e ouça no Mix Cloud!

player